A Polly virou blogueira

Boneca Polly Pocket vira blogueira e lança vídeos DIY

A boneca agora também tem um canal no Youtube e dará dicas de “faça você mesmo” na série “Dicas da Polly”

A boneca Polly Pocket virou blogueira e agora vai ajudar todos os seus fãs a ter o melhor dia de todos com suas dicas de DIY (Do It Yourself/Faça Você Mesmo). A marca lançará na América Latina seis vídeos diferentes de atividades lúdicas para promover a criatividade e estimular o trabalho manual nas brincadeiras infantis. Além disso, este é um convite da boneca para os pais participarem destas atividades ao lado dos pequenos em qualquer lugar e com diferentes materiais reciclados ou de preço acessível.

Os vídeos da série “Dicas da Polly” serão postados no Youtube nos canais: Polly Pocket em Português Brasil, para o público brasileiro, e Polly Pocket en Español para o restante da América Latina. Ao todo, serão seis vídeos 45 segundos com diferentes temas de brincadeiras e DIY. Os vídeos ensinarão meninas e meninos a fazer uma cesta de piquenique divertida com material reciclado, receitinhas de picolés de fruta refrescantes, chapéus de papel coloridos e criativos, bexigas d’água inusitadas e até uma máscara de dormir para a festa do pijama mais especial de todas.

Além de serem divulgados na principal plataforma online de vídeos, eles serão transmitidos no canal Disney Channel do Brasil, em cápsulas de 15 segundos, durante a programação do canal até o mês de setembro.

Fonte: In Press Assessoria de Imprensa e Comunicação Estratégica

Clear Channel e In Loco Media promovem integração inédita entre out of home e mobile

Parceria oferece campanhas digitais que alcançam a mesma audiência nos dois meios por meio do retargeting

A Clear Channel, uma das maiores empresas de mídia out of home no mundo, e a In Loco Media, primeira rede de publicidade mobile baseada em localização indoor do mundo, firmam parceria e promovem, pela primeira vez, a integração das mídias Out-of-Home (OOH) e mobile. O objetivo é oferecer aos anunciantes campanhas em OOH e mobile, direcionadas a mesma audiência, por meio do retargeting. A junção das duas mídias possibilita o planejamento de campanha de forma unificada por meio do serviço que ganhou o nome de Clear Channel Mobile Extended Media.

A novidade apresenta diferenciais concretos ao mercado na busca pela efetividade das campanhas e despertando interesse, por exemplo, da Globo, que contratou a ferramenta para a campanha de lançamento da série Filhos da Pátria, que estará disponível, a partir do dia 3 de agosto, pelo Globo Play. A ação terá duração de uma semana, com veiculação no Rio de Janeiro.

Com o Clear Channel Mobile Extended Media, agências e anunciantes poderão veicular campanhas nos 100 relógios digitais da Clear Channel localizados na capital fluminense. A partir deste momento, as pessoas impactadas no OOH recebem um novo anúncio ao abrir um dos 600 aplicativos móveis parceiros da In Loco, sendo redirecionadas para um website promocional ou mapa que indica a loja mais próxima.

A aliança entre as duas empresas tem potencial imenso, permitindo milhões de impactos semanais por meio do circuito de relógios digitais e no mobile. Muito além dos números, o serviço permite um caminho inédito, promovendo a execução de ações multiplataformas e facilitando o planejamento de mídia.

“De um lado temos os smartphones da rede In Loco, que são mais de 55 milhões no Brasil, e, do outro, o OOH, com 88% de exposição do público ao meio. Juntos, oferecemos opções de campanhas cada vez mais criativas e com foco preciso”, explica André Ferraz, CEO da In Loco Media.

Lizandra Freitas e André Ferraz

De acordo com Lizandra Freitas, CEO da Clear Channel, atualmente vivemos uma cultura multitela em que a complementariedade de mídia se tornou essencial para um bom plano. “É inegável que hoje as pessoas passam a maior parte do tempo fora de casa. E neste trajeto, cada vez mais longo, estão sempre conectadas por meio de seus smartphones. A parceria inédita com a In Loco coloca o Out of Home em um patamar sem precedentes, reforçando o nosso compromisso constante com a inovação para o meio”, enfatiza.

Fonte: Tatiane Oliveira – Lucia Faria Comunicação

Deixando o interior

Clear Channel encerra comercialização de Outdoor no interior de São Paulo

A Clear Channel anuncia ao mercado o encerramento da comercialização da mídia Outdoor nas cidades do interior de São Paulo, com exceção de Campinas.

A empresa, dessa forma, quer concentrar esforços na expansão dos contratos de mobiliário urbano, digital OOH e iniciativas de inovação e integração digital que ditam o futuro do nosso mercado.

Rede social de casamento para noivos e convidados

Rede social de casamento estimula interação entre noivos e convidados

App iCasei ganha linha do tempo e outras facilidades para gerir a espera do “sim”

O smartphone já é uma extensão do corpo humano para a maioria das pessoas, seja para trabalho, diversão ou grandes eventos. Pensando nisso, o iCasei (www.icasei.com.br), plataforma referência em serviços de casamento, reformulou seu app e o transformou em uma rede social para noivos e convidados interagirem em um ambiente exclusivo por meio de uma linha do tempo, como o Facebook e o Instagram.

A ideia é disponibilizar no aplicativo o acesso a todos os recursos da plataforma para facilitar a atualização e a troca de informações ao longo dos meses que antecedem o tão esperado dia. Ele permite aos convidados publicarem fotos e histórias, confirmarem presença e presentearem os noivos. O casal pode gerenciar o conteúdo, acompanhar as novidades e se emocionar a cada mensagem recebida.

Segundo o CCO da plataforma, Diego Magnani, o aplicativo foi reformulado “para que casais compartilhem sua história de amor de uma forma prática e intimista com seus familiares e amigos. Por isso, cada detalhe foi planejado para trazer o melhor da tecnologia ao altar”.

Pioneiro no desenvolvimento de soluções para facilitar os preparativos até a hora do “sim”, o iCasei disponibilizou a nova versão do seu aplicativo para Android e iOS e já ultrapassa a marca dos 100 mil downloads.

Fonte: Press Works

Fique por dentro dos termos do marketing digital

Confira o glossário de mídia mobile

O ecossistema do marketing digital é permeado por siglas e termos ainda pouco disseminados no mercado em geral. Muitas vezes, essas nomenclaturas são usadas indiscriminadamente, e até equivocadamente, gerando confusão no público leigo.

Pensando nisso, esclarecemos o significado de algumas expressões recorrentes na indústria dos ads nativos programáticos. A lista não é definitiva, afinal, a cada dia o mercado cria novos termos, novas tecnologias e novas siglas. Mas trata-se de um bom ponto de partida para entender melhor a programática nativa. Confira:

Impressões
Um dos números mais comuns em métricas, as impressões nada mais são do que a
quantidade de vezes em que seu anúncio foi exibido durante a campanha.

Clicks
Os cliques são números importantes para as métricas, pois indicam a quantidade de vezes que os usuários clicaram em seu anúncio em toda a campanha.

CPC (Custo Por Clique)
O CPC – ou custo por clique – é uma métrica muito importante para os profissionais de marketing. Trata-se de uma medida da ação do usuário ativo (aka clique) em relação ao investimento em mídia. Considerando que a publicidade nativa programática possui uma CTR impressionante, esse CPC é freqüentemente competitivo com o de campanhas de pesquisa paga.

CPCV (Custo Por Visualização Concluída)
O CPCV – custo por visualização concluída – é uma métrica que surge quando são executadas campanhas de vídeo nativas. Trata-se do preço unitário de um anúncio de vídeo com êxito (100%) visualizado. Quanto menor for este valor, mais valor você obtém para sua campanha de vídeo nativa.

CPE (Custo Por Engajamento)
O CPE – Custo por Engajamento – é uma métrica calculada a partir da divisão do custo pelo número de engajamento. Contudo, nem todos utilizam os mesmos critérios para aferir essa métrica e nem todas as empresas que operam com mídia programática oferecem uma medida de engajamento.

CPM (Custo Por Mil)
O CPM – Custo por Mill – é a métrica mais comum de unidade de mídia digital. Esse número se refere ao preço de 1.000 anúncios exibidos para sua campanha.

CTR (Click Through Rate)
O CTR – Click Through Rate – é a porcentagem de cliques alcançada em relação ao número de vezes que os anúncios foram exibidos.

DCO (Otimização Criativa Dinâmica)
Tentar atrair o público com a mesma imagem repetidamente pode não ser a melhor estratégia. Para isso, o DCO – Otimização Criativa Dinâmica – entra em jogo analisando o desempenho dos anúncios nativos na campanha e exibindo o anúncio com melhor desempenho para o público. Assim, ele oferece a oportunidade para testar diferentes linhas criativas.

Ad networks com foco em anúncios nativos (redes de anúncios)
Algumas empresas agregam inventário nativo de um grande número de publishers, criam segmentações de acordo com parâmetros específicos (como localização, gênero, idade e interesses) e vendem para os anunciantes, criando assim uma ad network (rede de anúncios). Essas empresas oferecem boas fontes de inventário, aumentando o alcance das campanhas dos anunciantes, com preços mais baixos. Entre as ad networks estão: Facebook, AdMob (Google) e InMobi.

Ad exchanges

Graças à popularização de protocolos OpenRTB, cada vez mais estão sendo criados canais de anúncios nativos. Dezenas de facilitadores chegaram ao mercado para permitir a transação de anúncios entre o lado da demanda (anunciantes) e do fornecedor (publishers). Essas exchanges de anúncios executam e gerenciam o leilão em tempo real em milhares de sites e aplicativos de publishers criando fontes de inventário que valem a pena explorar. Nos ad exchanges, os publishers determinam o preço do seu inventário: eles podem selecionar os valor mínimo que desejam para seus slots (floor price) e recebem ofertas em tempo real dos anunciantes. Já nas ad networks, a precificação é feita para um agregado de mídia (respeitando a segmentação) e os valores pagos são determinados pelas próprias ad networks. Existem algumas opções de exchanges de anúncios nativos, como Avocarrot, MoPub exchange, AdX (Google), entre outros

DSPs (Demand-side platform)
Um DSP, ou plataforma de demanda, permite que os anunciantes comprem impressões de uma ampla gama de sites de publishers que são direcionados a usuários específicos com base em segmentações como localização e comportamentos de navegação anteriores. Um DSP ‘se conecta’ a um ad exchange, onde os publishers disponibilizam seu inventário. O DSPs analisa as impressões oferecidas pelas SSPs e compra em nome dos anunciantes. Eles podem pagar mais por impressões em um determinado local ou para chegar a um consumidor que possa achar esse anúncio relevante.

SSPs (Supply Side Platforms)
SSPs ou Supply Side Platforms podem ser consideradas o lado oposto das DSPs: também conectadas aos exchanges, são usadas pelos publishers para automatizar a venda do seu inventário. O benefício para os publishers é que uma SSP não só facilita, mas otimiza e maximiza seus rendimentos, garantindo o preço unitário mais alto possível para a venda.

In-App Native Advertising
Atualmente, os anúncios nativos In-Feed são a forma mais difundida de publicidade nativa in-app e são utilizados por empresas como Facebook e Twitter. Após o sucesso de tais canais que se combinam perfeitamente e sem esforço no ambiente de publicação, muitos editores seguiram o exemplo. Os ads nativos podem aparecer de três maneiras diferentes:

Feed
Tal qual a maioria das redes sociais, como acontece no Facebook e Instagram, é apresentado um post por vez conforme se dá scroll na tela.

List
Em ícones menores, cada post é apresentado em forma de lista. Cada tela consegue abranger um maior número de elementos do que no feed tradicional.

Grid
Neste caso, os posts aparecem com thumbs menores, espalhados na tela, apresentando um número maior do que o feed tradicional, com posts em linhas e colunas.

A tendência é que esses e outros termos sejam cada vez mais disseminados e melhor compreendidos pelo mercado.

Sobre o autor: Marcus Imaizumi
Marcus Imaizumi é diretor de supply para América Latina da Glispa Global Group, adtech alemã com sede em Berlin e escritórios em São Francisco, Beijing, Shangai, Tel Aviv e São Paulo. Formado em administração de empresas pela FGV-SP, tem mais de 15 anos de experiência em desenvolvimento de negócios no mercado mobile e de games, passando por empresas como Yahoo!, Sulake, Innogames, Startapp e Glispa.

Fonte:Babushka – Yheuriet Kalil

Aplicativo propõe benção high tech

Você já “godblesseou” alguém hoje?

Você que está acostumado a “Curtir” fotos e posts nas redes sociais, prepare-se porque este novo aplicativo pode acrescentar um gesto inédito – e muito original – aos seus hábitos digitais. Criado na França e batizado de “GodBlessYoo” (nome inspirado na expressão americana que equivale à nossa popular “Deus te abençoe”), é o primeiro a promover a prática de desejar o bem a outras pessoas por meio de um smartphone.

Na prática, para “godblessear” – ou seja, abençoar alguém virtualmente – basta baixar o GodBlessYoo (grátis e disponível para Android ou IOS), tirar ou escolher uma foto da galeria e, em seguida, decidir qual sinal vai utilizar (uma cruz, um coração ou um peixe – ictus – símbolo dos cristãos). A partir daí, o aplicativo ensina, de maneira muito intuitiva, o caminho das pedras para que o usuário realize, com o dedo sobre a tela, o simbolismo da benção. A foto ganha um logotipo e o sinal escolhido, indicando que ela foiabençoada.

Depois, é só sair distribuindo as “e-bênçãos”. O compartilhamento da foto “godblesseada” (ou seja geolocalizada e certificada), pode ser feito por meio das redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram, Google+, LinkedIn etc), MMS ou e-mail. A imagem pode ser, ainda, arquivada na BlessBox. É ou não é um aplicativo “do bem”?

“O objetivo do Godblessyoo é unir as pessoas, criar laços sociais por meio do envio de mensagens de amor, positivas e afetuosas nestes tempos difíceis. Abençoar não é algo reservado aos líderes religiosos; cada um de nós pode fazer o mesmo, desejando paz e espalhando o bem às pessoas que amamos”, explica o pai do projeto, o francês Sébastien Poncelet, 40.

Segundo ele, outros sinais ainda estão sendo desenvolvidos para eventos especiais (fitas, filtros, paz e amor, etc). Ex-gerente de comunicação em uma empresa francesa, ele largou tudo para investir na ideia e acredita que seu aplicativo vai criar uma demanda, até então, inexistente. Preocupado em passar longe dos estereótipos religiosos considerados ultrapassados, Sébastien trabalhou para criar um conceito diferente, moderno e aberto a todos os que desejam exercitar sua espiritualidade, praticantes ou não de uma religião.

Sua próxima missão é apresentar o aplicativo ao Papa Francisco, conhecido por acreditar nas redes sociais como um excelente meio de evangelização, sobretudo de jovens.

O GodBlessYoo já deu o que falar na imprensa francesa, sendo tema de reportagem em mídias das mais variadas, desde o popular Le Parisien, passando por jornais religiosos, como o La Croix até o satírico Charlie Hebdo. Programas de TV variados e de grande audiência também falaram sobre o aplicativo inovador.

Para Sébastien, o mundo é o limite quando o assunto é propagar boas vibrações e o seu desejo é que o planeta todo possa godblessear em breve. A largada já foi dada: além da França e do Brasil, GodBlessYoo está sendo utilizado nos Estados Unidos, no Reino Unido, no Canadá e na Austrália. O objetivo: 20 milhões de usuários até 2020, o que prova que conquistar o resto do mundo é uma questão de tempo. E de fé.

Fonte: Valeria Lima – Com’ Brésil

Série de tv tem ação em mobiliário urbano

“Valentins” nova série do Gloob tem ação interativa de lançamento em mobiliário urbano da Clear Channel

Campanha de ativação, desenvolvida pela DreamFactory, aconteceu em pontos da cidade do Rio de Janeiro

Um sumiço misterioso, quatro irmãos sozinhos em uma casa cheia de invenções malucas e um antigo amigo da família que pode, na verdade, ser um grande vilão são os ingredientes de “Valentins – Uma Família Muuuito Esperta”, a nova superprodução nacional de ficção do Gloob. Com lançamento no último dia 12, a série antes mesmo de chegar à televisão, estreou nas ruas do Rio de Janeiro promovendo muita interação nos abrigos de ônibus e totens da Clear Channel.

A campanha de ativação foi desenvolvida pela DreamFactory e mostrou ao público situações e características da atração. Todas as instalações estavam próximas de locais com grande circulação de crianças, como escolas, praças e estações do metrô. Um dos pontos de ônibus foi todo adesivado com imagens da série e equipado com mangueira de luz e caixas de som, para que, quando alguém se sentasse no banco, o objeto se acendesse, indicando que a “Máquina de Conselhos” foi acionada. A partir deste momento, começava uma conversa entre a pessoa sentada e a máquina, controlada por um ator escondido.

A ação contou ainda com totens interativos transformados em traquitanas e painéis digitais, com telas touch screen, adaptados com câmera fotográfica que transformou o rosto das crianças em animais, possibilitando o compartilhamento das imagens na própria peça.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Tatiane Oliveira

Há muitas oportunidades em vídeos na publicidade digital

Adobe Digital Insights: publicidade digital em vídeos é oportunidade, mas anunciantes esbarram em custo

Visualizações de anúncios via mobile cresceram 53%, enquanto o custo da publicidade em vídeo cresceu 13%; telas grandes concentram 32% da audiência, revelando-se grande oportunidade aos anunciantes

Em seu Relatório sobre Vídeos Digitais 2017, a Adobe observa um crescimento de 53% – entre outubro de 2015 e dezembro de 2016 – nas impressões de anúncios em vídeo em plataformas mobile, revelando uma grande oportunidade para os anunciantes com este tipo de publicidade. O estudo da Adobe, conduzido pela equipe da Adobe Digital Insights (ADI) na América do Norte, entretanto, aponta uma grande barreira para a adesão a essa estratégia: o custo.

De acordo com a ADI, de 2014 a 2016, os custos com anúncios em vídeo digitais cresceram 13% e o movimento de alta fica atrás apenas do observado para anunciar no Super Bowl (21%). Isso reflete na baixa atividade dos anunciantes no que diz respeito à utilização de vídeos digitais para publicidade: dentro de um período de 15 meses, a média de impressões observadas ocupa cerca de 3,7 meses, o que representa apenas cerca de 25% do tempo.

Quando analisado o custo por mil impressões (CPM) nas TVs com dispositivos conectados – as TVCDs, que incluem SmarTV, consoles gamers e set-top-boxes, como a Apple TV –, o valor é o dobro do que o CPM de anúncios em dispositivos móveis. Além disso, os custos de publicidade em vídeo são maiores do que os de mobile search CPC (custo por clique) e mobile display. Esse retrato, segundo o relatório da ADI, faz a publicidade digital em vídeos superar a inflação em 6,5 vezes na América do Norte.

“O estudo da Adobe mostra que os anunciantes têm enxergado a publicidade digital em vídeos como uma oportunidade, principalmente no mobile, com o crescimento de impressões nesta modalidade de anúncio. Porém, o custo se mostra um limitador e isso fica evidente na pouca utilização dos vídeos digitais num período de 15 meses. Em um cenário onde os anúncios digitais por vídeos ainda estão em maturação, se a taxa de visualização é alta, é natural a escalada de preços, mas conforme o mercado amadureça e a publicidade em vídeo se estabeleça, a tendência é de que os valores se estabilizem”, analisa Federico Grosso, vice-presidente da Adobe para América Latina.

Desktop vs. Mobile

No Relatório sobre Vídeos Digitais 2017, a ADI analisou também a experiência dos anúncios em vídeos em dispositivos desktops e móveis. As visualizações das publicidades em desktop caíram 27% na comparação de 2015 com 2016, enquanto as impressões no mobile aumentaram 53% durante o mesmo período. Ademais, 60% desses anúncios em dispositivos móveis são assistidos até o fim, número que cai para menos da metade (47%) nos desktops, mostrando um gap de 13% entre esses canais.

“A representatividade mobile aumenta sobre o desktop, assim como os usuários de dispositivos móveis também crescem. Como o público migrou de dispositivo, a tendência é que o canal de comunicação do marketing migre junto com a audiência”, destaca o VP da Adobe.

Tamanho realmente importa?

Enquanto se discute a o investimento de publicidade digital em vídeos em plataformas mobile e desktop, uma outra oportunidade se apresenta aos anunciantes: o consumo de vídeos em telas grandes. Dentro do fenômeno da TV Everywhere (TVE), a audiência está migrando dos dispositivos móveis para telas maiores, como as TVCDs, mostra o estudo da Adobe. Segundo os dados agregados e anônimos do Adobe Primetime, a audiência do TVE móvel diminuiu em share de 54% para 46% nos últimos dois anos. Enquanto isso, os dispositivo conectados em TV agora totalizam 32% da audiência, mais de 20% em comparação a dois anos atrás.

“Os profissionais de marketing precisam ficar de olho no espaço que se revela nas TVs conectadas. Ainda em crescimento, pode se apresentar dentro em breve como um importante mecanismo de publicidade para as marcas e este é o melhor momento para testá-lo”, opina Federico Grosso.

A análise da Adobe Digital Insights é baseada em mais de 4 bilhões de autenticações de TV Everywhere e a partir de mais de 300 websites e aplicativos que sirvam como ponto de acesso na América do Norte. Os dados – anônimos – foram compilados a partir de diferentes soluções da Adobe Experience Cloud entre janeiro de 2015 e janeiro de 2017. O Relatório sobre Vídeos Digitais 2017 completo da ADI pode ser acessado aqui.

Fonte: Adobe Systems Incorporated/RMA Comunicação – Alisson Costa

Canção Nova conquista seis vezes mais audiência online com tecnologia Exceda

Adoção de ferramentas para entrega e aceleração de conteúdo elevou, no total, 500% o acesso aos conteúdos de streaming e 150% do site da rede de televisão

Cliente da Exceda desde 2013, a Canção Nova passou a utilizar a solução da empresa líder na América Latina em soluções de segurança e web performance para estreitar seu relacionamento com espectadores. Isso foi possível por meio da melhora da experiência nos canais online da emissora, fruto da adoção de tecnologias de distribuição e aceleração de conteúdo. Com isso, aumentou em 500% a audiência no streaming e em 150% nos websites, além de otimizar a proteção a ataques, com as soluções Content Delivery Network (CDN) e Dynamic Site Delivery (DSD).

“A quantidade de acessos aumentou porque agora a disponibilidade do streaming é maior. As ferramentas também contribuem para elevar a segurança, o que é muito importante para nós”, pontua João Paulo Kruschewsky, superintendente de TI da Canção Nova.

A trajetória de melhoria contínua teve início em 2007, durante a visita do Papa Bento XVI ao Brasil. Nessa ocasião, a rede identificou que o site não suportava, de forma consistente, a demanda de acessos pelas transmissões ao vivo. Assim, foi buscar alternativas no mercado e identificou na Exceda a parceira ideal, visando à transmissão de outro grande evento: a Jornada Mundial da Juventude, realizada no Rio de Janeiro em 2013.

“Devido à capilaridade da rede CDN da Akamai, empresa norte-americana representada no Brasil pela Exceda, o carregamento do vídeo no dispositivo do usuário durante a JMJ do Rio ficou muito mais rápido, assim como a disponibilidade, já que trabalhamos com um SLA de 100%”, resume Kruschewsky.

As soluções Content Delivery Network (CDN) para streaming e Dynamic Site Delivery foram as escolhidas. Elas provêm, respectivamente, entrega de conteúdo eficiente e com segurança – independentemente da localização do usuário – e otimização da experiência na web, com gestão do crescimento do tráfego e de custos de infraestrutura. Para reforçar os benefícios do processo, as plataformas foram implantadas com o apoio do Disaster Recovery, solução que permite a continuidade do negócio, preservando a confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação.

“Com as tecnologias adotadas, conseguimos dividir os nossos vídeos em vários bit rates para que localizassem qual era a banda do usuário e, assim, entregassem uma codificação muito forte e garantia de disponibilidade de 100% para diversos formatos. Os resultados foram rápidos e têm se mantido. São poucas as empresas que oferecem garantia total de entrega da qualidade como a Exceda”, afirma Kruschewsky.

Segundo o superintendente de TI da Canção Nova, os resultados conquistados com as soluções propostas pela Exceda viabilizam projetos futuros com a provedora: “A disponibilidade do serviço é perfeita. Então, estamos atrás de mais inovações”, sinaliza.

Hoje a Canção Nova oferece aos espectadores: programação na TV aberta, online (site) e pelo celular; portal; plataforma Canção Nova Play para acesso ao conteúdo on demand; canal pago no YouTube; rádio física e por streaming, acessível em qualquer lugar do mundo; e cinco aplicativos (TV Canção Nova, Rádio Canção Nova, Liturgia Diária, Canção Nova Kids e Música Católica). A expectativa é unir a este leque de oportunidades a plataforma própria no YouTube.

Fonte: RMA Comunicação – Pâmela Lee/Giselli Boldrin

Entusiastas de Tecnologia estão dominando a hello

​​Comunidade “Apaixonados por Tecnologia” e “Amantes de Tecnologia” estão entre as mais populares da rede

O recente ataque hacker do ransomware “Wanna Cry”, que infectou mais de 200 mil máquinas em pelo menos 150 países foi motivo de muita discussão nas comunidades de tecnologia e redes sociais que têm espaço para esse assunto. É o caso da Hello Network, rede social do empreendedor Orkut Buyukkokten, em que a comunidade de Tecnologia está entre as três maiores, atrás somente das comunidades de Música e Animais.

O sucesso da rede social hello está associado a segmentação dos assuntos no aplicativo, que facilita o encontro entre pessoas com interesses em comum. Orkut acredita que em outras redes sociais os usuários muitas vezes ficam constrangidos de postar tantas fotos ou mensagens de um mesmo tema, mas no app hello este espaço para compartilhar paixões é garantido.

Segundo o criador da rede, Orkut Buyukkokten, “A hello é a primeira rede social construída para que possamos ser autênticos e nos conectar com quem compartilha de nossas paixões”.

Entre os principais temas compartilhado nas comunidades, estão os sistemas operacionais para celulares – iOS e Android, o evento Campus Party, novas tecnologias, redes sociais, profissões de TI e até mesmo o recente ataque hacker. No app hello os nerds, os amantes da tecnologia ou mesmo os profissionais podem discutir e se aprofundar sobre o tema, em um espaço exclusivo criado para falar de tecnologia.

Além de compartilhar fotos, nas comunidades do Hello é possível também conversar por meio do bate papo coletivo e enviar mensagens privadas para os demais membros.

Diferente da antiga rede social Orkut, as comunidades do Hello são públicas. Isto permite uma maior interação entre os usuários que possuem afinidades, mesmo entre aqueles que não se conhecem.

Sobre a Hello Network

A Hello Network Inc. foi fundada pelo conhecido empreendedor social Orkut Buyukkokten (criador da rede orkut.com) e um pequeno grupo de ex-engenheiros do Google. Depois de testemunhar a evolução das redes sociais por dezesseis anos, Orkut se inspirou para reunir pessoas em torno de suas paixões comuns – uma visão que muda a forma de socializar. Com sede em San Francisco (CA) e um escritório em Mountain View (CA), a hello foi lançada em inglês no mês de junho de 2016, e no mês seguinte em português e francês. O download é gratuito na App Store e Google Play e está disponível a partir do iOS 8 e a partir do KitKat para Android.

Fonte: Goytacaz Comunicação – Melissa Castro