Agência quer conteudista

Supera quer contratar conteudista

A Supera, uma agência especializada em Comunicação Estratégica com Empregados, procura um profissional para a equipe de Conteúdo.

Pré-requisitos:
• Formação em Comunicação Social ou Letras
• Experiência em agência
• Domínio da Língua Portuguesa
• Apresentação de portfólio

Diferenciais:
• Ter trabalhos focados em Comunicação Interna e Corporativa
• Experiência com produção de matérias e também campanhas

Interessados deverão enviar CV, pretensão salarial e portfólio para selecao@superacomunicacao.com.br, até 18/08/2017. No assunto, coloque “Vaga Conteúdo”.

Agência está contratando

Qualicom abre vaga

Agência procura um profissional para atuar em comunicação interna, com mínimo de 3 anos de experiência corporativa, organização e excelente redação em português. É desejável possuir inglês ou espanhol básico, habilidades de negociação, gestão do tempo e proatividade.

Os interessados devem enviar seus currículos para contato@qualicomcomunicacao.com.br até o dia 14/06, às 12h.

Coluna {De dentro pra fora}

O que você comunica nem sempre é o que você queria comunicar

O que é sentido para você? Como você produz sentido nas suas comunicações?
Será que o que consideramos “sentido” é de fato a realidade? Quando pensamos na Teoria da Comunicação, ele está muito relacionado ao código. A gente sabe que existem ruídos, que existe o canal, etc. e tal. Mas o sentido mesmo está no código, certo? Então, a gente escolhe as palavras coerentes ao nosso público, tenta criar uma narrativa agradável e simples. E mesmo assim, muitas vezes, não funciona. O que estamos fazendo de errado?

Veja bem, a Análise de Discurso (escola francesa) desconstrói essa ideia de “sentido”. Ela defende que o que criamos é uma NOÇÃO DE SENTIDO, não o sentido em si. E para essa noção chegar o mais próximo possível ao que desejamos, precisamos de interação. Vai muito além do código que usamos, das palavras que escolhemos, do meio. É a nossa forma de nos conectar ao nosso público. Como deixamos os assuntos mais atrativos? Como fortalecemos a relação? Como ouvimos? O que nossos comportamentos comunicam? (Pense nisso tudo como empresa).

Enquanto a gente achar que apenas jogar uma informação na campanha, no jornal ou na revista já será suficiente, continuaremos errando. Precisamos pensar em comunicação como gestão, como relacionamento, como diálogo, como construção. Nunca emitiremos uma mensagem se o nosso público não estiver afim de ouvi-la. Vamos começar de novo?

Comunicação é tema de palestra na FAAP

Pedro Luiz na FAAP SJCampos

Palestra oferecida pela FAAP de SJCampos traz Pedro Luiz Dias para tratar do tema “Comunicação Corporativa no limiar de um novo século”.

As inscrições podem ser feitas por aqui e o ingresso é solidário: 2 Kg de alimentos não perecíveis (menos sal e açucar) em benefício da Instituição SORRI-SJCampos.

Coluna {De dentro pra fora}

Uma ideia incrível, executada mais ou menos ou uma ideia mais ou menos, executada incrivelmente?

Ok, já sei que você pensou: uma ideia incrível, executada incrivelmente. Eu também acho que esse é o mundo ideal, mas nem sempre o ideal é real. Com prazos quase sempre curtos, às vezes a gente precisa escolher um caminho. E eu sempre me pegava nessa pergunta aí de cima.

Não quero acreditar que estamos passando pela fase da valorização estética acima de tudo, mas talvez eu não tenha escolha. Como comunicação é reflexo de comportamento social, a gente acaba enfrentando esses dilemas. Mas não vou focar nisso.

A questão (muito pessoal, confesso) é que jamais uma excelente execução vai superar uma excelente ideia. E sempre que eu precisava escolher entre uma ou outra, eu escolhia pela ideia. Aquele anúncio maravilhoso, com um tratamento de foto impecável, uma composição de tirar o fôlego e… e… zero ideia. Qual a graça disso? Todo mundo está cansado de saber que a concorrência pela atenção do público é desumana. Se for uma peça linda, com certeza ele vai se encantar e observar.

Porém, será que só a estética tem a força necessária para que a mensagem fique registrada na cabeça do público? Na minha humilde opinião, não. Uma ideia forte, mesmo que executada com uma ou outra falha, tem muito mais chance de sobreviver nesse mar de informações e interações que é a mente do público.

Por trabalhar a vida toda com comunicação corporativa, esse costuma ser um desafio mais constante. As verbas para comunicação interna são diferentes das verbas de propaganda, logo, é preciso fazer mais com menos. E sai ganhando quem tem ideias melhores, não mais bonitas.

Com todo o momento econômico que a gente passa, essa realidade deixou de ser só pra dentro. Agora também é da comunicação pra fora. Pense nisso com carinho em seu próximo desafio. Mais que uma execução impecável, busque pela ideia que vai resolver seu problema e ser o foco da criação. Prove pra todo mundo que somos muito mais que uma peça bonitinha.

(Obs.: em momento algum eu disse que estética não é importante, eu só quero reforçar que ela precisa andar de mãos dadas com as ideias).

Bolsas em cursos no Senac Taubaté

Senac Taubaté tem bolsas para cursos de comunicação

O Senac Taubaté esta com inscrições abertas para cinco (05) vagas de bolsas para o curso COMUNICAÇÃO INTERNA E ENDOMARKETING.

Inscreva-se no próprio Senac Taubaté de 06/02/2017 a 15/03/2017, segunda e quarta: 19 às 22 horas.

Gente nova na comunicação da Novelis

Reforço na comunicação interna

Após um longo processo seletivo iniciado em Agosto e encerrado em Dezembro de 2016, Débora Fernandes, 22 anos e atualmente cursando o 5˚semestre de Relações Públicas – Unitau ingressou na Novelis.

Débora Fernandes assume posição no setor de Comunicação, atuando especificamente com Comunicação Interna.

A vaga aberta no processo seletivo era para comunicação em Pindamonhangaba, e junto com a Débora concorreram estudantes de Publicidade, Jornalismo e Relações Públicas.

Coluna {De dentro pra fora}

A lista dos nãos

O que a gente mais gosta de fazer nesta época do ano? Listas!
Lista de pendências para acabar o ano, lista de prioridades, lista de presentes, lista do supermercado, lista de metas para o próximo ano. E por aí vai…

Para entrar no clima e não quebrar sua rotina com um textão (sei que todos estão naquela correria-fim-de-ano), decidi montar minha listinha para a coluna do mês. Vai ser a ~Lista do que não fazer em 2017~.

1 – Não comece o ano sem definir os objetivos de comunicação.

2 – Não faça um planejamento sem realmente entender a cultura da sua empresa (eu espero do fundo do coração que você já tenha um planejamento de comunicação para o próximo ano).

3 – Não gaste tempo desnecessário com atividades que não resolvam os problemas definidos em seu planejamento.

4 – Não faça nada sem sair do seu lugar de “comunicador” e se colocar no lugar do seu público. Não se esqueça de que o principal objetivo é que eles entendam, não você.

5 – Não deixe a liderança de lado. Pelo contrário, incentive, treine, promova a comunicação dela com suas equipes.

6 – Não caia no erro de construir mensagens lindas que não sejam sustentadas pelas ações e práticas corporativas. O dia a dia diz muito mais que nossas palavras.

7 – Não permita que a Comunicação Interna seja apenas o e-mailzinho e o jornalzinho. Eleve a CI para o nível estratégico, faça a presidência entender como nós podemos contribuir para o negócio.

8 – Não siga “tendências de mercado” só porque são tendências. Seja analítico e reflita se aquilo realmente faz sentido para a cultura da empresa, os públicos e segmento do negócio.

9 – Não subestime seu público. Não deixe de entender suas aflições, necessidades de informação e sempre promova o diálogo na organização.

10 – Não se esqueça de agradecer a sua agência, os seus colegas de trabalho e todo mundo que ajuda a encarar os desafios.

Que 2017 seja um ano surpreendente!
Que a gente aprenda a falar mais não e focar no que realmente é importante.

Coluna “Discutindo a relação…”

Comunicar bem só faz bem

A comunicação é sempre muito discutida e falada dentro das empresas. A maioria dos presidentes, CEO’s e gerentes sempre destacam sua importância em variados momentos e conversas no dia-a-dia empresarial.

Infelizmente, nem sempre esse discurso se transforma em ações concretas. Mais do que isso: nem sempre as indústrias, empresas comerciais e prestadoras de serviços enxergam a comunicação como elemento constituinte de seu planejamento estratégico. Essas formas de pensar o uso da comunicação são bastante comuns em nossa região.

Já há, é verdade, honrosas exceções a essa regra. Alguns empresários e executivos já pensam a comunicação como elemento essencial da estratégia de mercado de suas empresas. Algo tão importante quanto a logística, as vendas e a maneira de administrar o fluxo de caixa.

A verdade é que a comunicação deveria ser um dos pilares do pensamento administrativo. E tratamos aqui não só da comunicação externa – aquela que se dirige ao consumidor final de seus produtos e/ou serviços, ou mesmo aos intermediários – mas também a interna aquela dirigida aos que trabalham na empresa.

A comunicação externa é capaz de criar imagem corporativa, imagem de marca e motivação para a compra. Imagem corporativa e imagem de marca são importantes (até essenciais) para qualquer tipo de empresa, mesmo aquelas que não tenham produtos voltados diretamente ao consumidor final. Já a motivação para a compra é determinante para empresas quem vendem produtos e serviços diretamente ao usuário final (varejo e prestadores de serviços).

Já a comunicação interna é fundamental para motivar as equipes de sua empresa e para fazer com que todos tenham claro quais são os objetivos, metas e até mesmo a missão de sua corporação. As empresas em alguns casos investem bastante em treinamento, mas pouco ou nada em comunicação interna.

Os cursos de administração deveriam ter disciplinas da área de comunicação, comumente encontradas nas grades curriculares dos cursos de comunicação social em suas diferentes habilitações (basicamente jornalismo, relações públicas e publicidade e propaganda). O mesmo deveria ocorrer nos diversos MBA’s e pós-graduações.
Você que é dono ou dirige uma empresa de qualquer segmento e/ou porte deveria começar a pensar de forma mais estratégica a sua comunicação interna e externa.

Afinal de contas, boa comunicação só trás benefícios. Boa comunicação só faz bem.

Vaga para analista de comunicação

Analista de Comunicação

Formação: Superior Completo em Marketing ou Publicidade e Propaganda

mockup-863469_640

Atividades a serem desenvolvidas: Desenvolver ações de comunicação interna; responsabilidade pelo site da empresa; elaboração de conteúdos para internet: site, mídias sociais e comunicados institucionais; criação de artes para divulgação impressas e virtuais; identidades visuais, tratamento de foto; suporte na organização de eventos e cobertura fotográfica; responder pela divulgação de meios de comunicação interna.

Experiência: Na função e conhecimento em CorelDraw, Ilustrator, Indesing, Photoshop e básico em HTML.

Residir em: São José dos Campos/SP

Mande seu CV por aqui