Aluno consegue classificação em concurso

O concurso realizado pelo Sindicato das Empresas de Publicidade do Estado de São Paulo, SEPEX-SP, selecionou as 15 melhores campanhas desenvolvidas para o projeto “Crack: a exclusão social e o risco iminente de morte”. Dentre eles, a campanha de aluno João Vitor Rangel, estudante do 2º ano de Publicidade e Propaganda, da Comunicação Unitau, obteve o sexto lugar com a fase “crack, click, cleck, fumar, roubar, morrer”.
O concurso recebeu 144 campanhas e apenas 15 foram selecionadas, as três primeiras melhores foram premiadas e serão exibidas em cerca de 1500 painéis publicitários espalhados em cidades paulistas durante o segundo semestre de 2012. O projeto busca a colaboração com a sociedade e a sensibilização dos jovens, para que entendam os riscos e traumas que o crack traz para os usuários ao longo de suas vidas, e por fim, a morte.
Rangel explica que ficou motivado pelo slogan “Crack, Independência ou morte”, utilizado na divulgação pelo SEPEX-SP. A partir disso, “Eu elaborei a campanha pensando em fazer um jogo de palavras, para que não ficasse tão impactante com uma frase, mas que surtisse efeito, assim como a campanha que eles produziram, e o que produzi é o que realmente pode acontecer com os usuários”, complementa.

Aluno de Publicidade e Propaganda da Unitau é selecionado em concurso do SEPEX

O concurso realizado pelo Sindicato das Empresas de Publicidade do Estado de São Paulo, SEPEX-SP, selecionou as 15 melhores campanhas desenvolvidas para o projeto “Crack: a exclusão social e o risco iminente de morte”. Dentre eles, a campanha de aluno João Vitor Rangel, estudante do 2º ano de Publicidade e Propaganda, da Comunicação Unitau, obteve o sexto lugar com a fase “crack, click, cleck, fumar, roubar, morrer”.

O concurso recebeu 144 campanhas e apenas 15 foram selecionadas, as três primeiras melhores foram premiadas e serão exibidas em cerca de 1500 painéis publicitários espalhados em cidades paulistas durante o segundo semestre de 2012. O projeto busca a colaboração com a sociedade e a sensibilização dos jovens, para que entendam os riscos e traumas que o crack traz para os usuários ao longo de suas vidas, e por fim, a morte.

arte-4

Rangel explica que ficou motivado pelo slogan “Crack, Independência ou morte”, utilizado na divulgação pelo SEPEX-SP. A partir disso, “Eu elaborei a campanha pensando em fazer um jogo de palavras, para que não ficasse tão impactante com uma frase, mas que surtisse efeito, assim como a campanha que eles produziram, e o que produzi é o que realmente pode acontecer com os usuários”, complementa.

Fonte: csonlineunitau.com.br

Texto: Ludmila Castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *