Black Friday como oportunidade para fidelizar clientes

Black Friday: 5 dicas para se preparar e fidelizar clientes

*Por Maurício Trezub

A Black Friday acontece este ano no dia 24 de novembro e, por trás das grandes promoções, empresas de diversos segmentos se preparam para oferecer um ótimo atendimento e alcançar os melhores valores para atender às expectativas e preferências dos consumidores. A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) espera que o setor movimente um total de cerca de R$ 2,5 bilhões. Caso o número realmente se confirme – e, cá entre nós, esperamos que sim! – ele representará um aumento de 18% em relação ao ano anterior.

O primeiro semestre de 2017 refletiu a melhora no cenário das vendas. Segundo a pesquisa 36º Webshoppers, divulgada recentemente pela Ebit, o e-commerce faturou R$21 bilhões e registrou crescimento nominal de 7,5%, ante o mesmo período de 2016, quando foram registrados R$19,6 bilhões. O número de pedidos também aumentou, de 48,5 milhões para 50,3 milhões, bem como o tíquete médio, que passou de R$403 para R$418. Pensando na retomada econômica e nas previsões positivas que leio ultimamente, sugiro que ninguém deixe para última hora e pense com antecedência a preparação das suas estratégias.

Para isso, separei algumas dicas especiais para que você, lojista, possa evitar dores de cabeça e, assim, ofereça a melhor experiência de compra aos seus clientes. São elas:

1. Prepare seu estoque
Um dos principais motivos para um cliente nunca mais voltar no seu e-commerce é a falta de um produto desejado no estoque. É de extrema importância estar com um estoque bem planejado para atender ao pico de demanda. Por isso, trabalhar com uma margem de segurança, levando em consideração o tempo de reposição do produto, é o primeiro passo para não se ter atrito com o cliente. Também é necessário atualizar o inventário antes de datas como a Black Friday, para avaliar se os produtos e a quantidade de itens no estoque físico são os mesmos que constam no online.

Outro ponto de atenção aqui é aproveitar a data para liquidar os produtos que, eventualmente, estão parados e, assim, abrir caminho para renovar as ofertas. Para isso, você pode levar em conta as tendências de compras e hábitos do seu consumidor e como elas impactam na organização e na operação da sua loja. Assim, é possível avaliar quais são os mais atrativos e os que não precisam mais ser trabalhados. Os fornecedores também devem estar alinhados com a estratégia da sua loja. Ter um relacionamento estruturado com eles pode garantir bons negócios, além de apoiá-lo em possíveis apuros como os conhecidos pedidos de última hora.

2. Faça uma promoção de verdade
Defina suas ofertas. Não é necessário colocar todos os produtos da loja em liquidação, mas avalie e escolha quais deles podem garantir maior lucro e competitividade com os concorrentes e, só então, trabalhe com eles. Algum produto vai sair de linha ou vai ser atualizado? Veja as oportunidades. Além disso, uma das características da Black Friday é a ideia de urgência pela compra. Como as promoções duram pouquíssimo tempo, é esperado que o seu e-commerce tenha um alto número de visitas em um curto espaço de tempo. Por isso, é fundamental ter uma plataforma que suporte todo o tráfego para que o site não fique fora do ar e surpreenda negativamente seus clientes.

Não adianta também participar do evento sem promoções reais e consideráveis, visto que os consumidores estão cada vez mais atentos à pejorativa “Black Fraude” e não se importam em ter de pesquisar antes de comprar determinado produto. Por isso, anuncie apenas o que você pode cumprir. Não adianta oferecer descontos não planejados, pois você pode ficar no prejuízo e até arriscar a credibilidade da sua marca.

3. Cuidado com o prazo de entrega
As transportadoras geralmente levam mais tempo para entregar nesse período, por conta do alto volume de pedidos e entregas. Por isso, o alinhamento é a base de todas as etapas. Se alguma alteração no sistema de entrega e transporte acontecer, seja por data ou local, por exemplo, o ideal é que o lojista esclareça tudo antes com o cliente. O lojista deve ter cuidado em cada detalhe da operação. Manter mais de uma transportadora cuidando das suas entregas pode ser uma opção válida nessa época, pois os sistemas dessas operadoras também costumam ser bastante exigido em datas sazonais, por isso, é sempre importante se preocupar em ter backups.

Assim que as promoções iniciarem, tenha sempre uma equipe de plantão a partir do horário, ou até antes – uma opção é revezar grupos durante todo o dia. Ter planejamento e estar atento aos prazos de entrega que serão passados para o cliente é essencial, pois muitos consumidores se preparam para comprar nas primeiras horas na tentativa de aproveitarem o estoque.

Criar uma página exclusiva no site para deixar as regras e condições para o consumidor também é uma boa alternativa. Aproveite para colocar todos os detalhes que reforcem os pontos de respaldo da sua loja, em caso de qualquer acontecimento inesperado com as entregas como atraso ou extravio.

4. Atenção com pós-venda
Todo cliente quer ser ouvido e ver suas necessidades serem atendidas ou seus problemas resolvidos. E, tão importante quanto atrair, conquistar ou vender, é fidelizar os clientes. Ofereça mais que produtos e foque em um atendimento rápido e de qualidade, com equipes bem preparadas, para garantir uma boa experiência ao cliente.

Mesmo que ele não efetue uma compra nos próximos meses, poderá ter a marca como referência e indicar para outras pessoas ou realizar compras no futuro.
Além disso, disponibilizar várias formas de atendimento, como e-mails, chats online e SAC em redes sociais são cuidados fundamentais para o sucesso e para tirar o melhor proveito da venda.

Vendeu um produto na Black Friday? Que tal enviar junto um cupom de desconto para incentivar o cliente a retornar para seu e-commerce futuramente?

5. Se antecipe e aplique a experiência adquirida para outros eventos
Não deixe para fazer ajustes em seu site de última hora. Se antecipe e avalie o que é preciso mudar para vender mais e não se surpreender com problemas durante o percurso. O lojista deve pensar de forma estratégica e, para isso, não adianta trabalhar em ações para o dia ou a semana da Black Friday. Por exemplo, se o layout do site não está preparado, deve-se, o quanto antes, mudar o tema e pensar na performance.

Não deixe para alterar sua comunicação na última hora. Trabalhe com antecedência e esteja alinhado com sua plataforma de e-commerce para que no momento da Black Friday sua performance esteja pronta para o grande fluxo que está por vir.

Também é importante pensar nas oportunidades que surgirão com a boa saída de estoque, olhando para o seu potencial em longo prazo. A próxima data de destaque é o Natal e os conhecidos saldões estarão acontecendo. Por que não aproveitar melhor esse momento para sustentar as vendas e gerar mais oportunidades em janeiro? E você, está preparado para encantar, vender e fidelizar clientes nesta Black Friday?

*Maurício Trezub é diretor de e-commerce da TOTVS

Fonte: RMA Comunicação – Marina Escarminio

Coluna “Discutindo a relação…”

Um delicioso desafio

Trabalhar com propaganda tem sido alvo de inúmeras críticas nos últimos anos. Tais críticas em grande parte são justas e consequência de modelos de negócios exauridos (especificamente em relação às agências de propaganda) e das constantes mudanças de cenário ocorridas recentemente.

Posso dizer também que há uma questão de geração. Mas não quero entrar nesta discussão aqui. Ela já deu muito pano pra manga. Tanta gente já falou e escreveu sobre isso. Volta e meia aparece um texto sobre o assunto, como este aqui, por exemplo.

Quero falar na verdade que, apesar de tudo, acredito ainda que trabalhar com propaganda traz ao menos uma grande recompensa : aprender muito e quase sempre.

Isso não é novidade. De fato é bem antigo este negócio. Mas… explico.

Não sou daqueles que crê que em propaganda nunca há rotina. É claro que há. Mas é verdade que é uma atividade bem menos rotineira de que outras. E isso se dá pela diversidade de situações, casos, mercados, produtos e serviços com que podemos nos deparar na atividade publicitária. É aquela velha, mas ainda verdadeira conversa: num dia podemos trabalhar com um cliente de varejo de ferramentas e no outro lançar um empreendimento imobiliário. Podemos fazer feirão de automóveis para uma concessionária e ao mesmo tempo pensar em como fazer com que uma escola de inglês tenha mais alunos matriculados. Tentar vender túmulos num novo, bonito e moderno cemitério e lançar a moda primavera/verão para o publico jovem das classes B e C.

Isso sem falar no interessantíssimo esforço de se colocar no lugar do outro. De se livrar de pré conceitos e de preconceitos. De usar estereótipos mas não ficar preso a eles de maneira superficial.

A questão importante aqui é o quanto temos que aprender para fazer bem feito cada um destes trabalhos. Foi isso que sempre me motivou em propaganda. E acho que quem quer trabalhar com propaganda deve ter como principal característica a curiosidade. Ou melhor: a vontade de aprender.

De meus tempos de agência trago inúmeros aprendizados. A maioria deles obtive com clientes. Um outro tanto com fornecedores e uma outra parcela generosa com os veículos de comunicação. Entender cada mercado, cada cenário competitivo, cada público consumidor, cada produto ou serviço é um desafio delicioso.

Em conversas recentes tenho dito que as agências terão que forçosamente rever seu modelo de atuação ou implodirão ( veja esse texto). E dessa revisão é bem provável que apareçam mais agências bacanas para se trabalhar. Na verdade já estão surgindo. E por esse motivo sigo acreditando que muita gente vai continuar querendo ser publicitário.

Gente talentosa, inteligente e disposta a aprender sempre terá vez no mercado publicitário. E sempre será disputada pelas melhores agências, assessorias e consultorias. As agências, assessorias e consultorias por sua vez, terão que se esforçar para voltar a atrair gente talentosa, inteligente e disposta a aprender.

Artigo mostra como os chatbots e a IA podem atuar no ambiente corporativo

Chatbots e AI são os próximos passos para os treinamentos corporativos

* por Luiz Alexandre Castanha

Sem dúvidas, 2017 foi o ano dos chatbots. Grande aposta para o futuro, mas já com muitas aplicações na atualidade, essa tecnologia vem mexendo com o mundo do atendimento ao cliente nas empresas, mas promete revolucionar ainda mais o mundo digital como um todo. Segundo o Gartner, em 2020 nós não teremos mais apps: tudo funcionará através de chatbots com inteligência artificial.

Basta pensarmos na Siri ou Cortana para entendermos como essa previsão faz muito sentido. Por que ter o app do cinema instalado no seu aparelho se você pode simplesmente perguntar para seu celular qual a próxima sessão daquele filme imperdível? Aos poucos, as pessoas estão aprendendo a lidar com bots de atendimento, tanto via texto como por voz. Um atendente virtual ligar para a sua residência já não causa tanto estranhamento.

Além do atendimento ao cliente, os bots e a Inteligência Artificial ainda vão transformar diversos aspectos nas nossas vidas. De acordo com o relatório da consultoria americana Tractica, o mercado de Inteligência Artificial deve movimentar US$59,8 bilhões no mundo até 2025. Já a pesquisa da Accenture mostra que a IA pode duplicar as taxas de crescimento econômico atuais até 2035.

Na educação, também estamos experimentando muitas inovações. Hoje é possível aprender dentro da sala de aula ou fora dela. Tecnologias como realidade virtual, realidade aumentada e mobile learning ajudam os educadores a tornar suas aulas mais interativas e completas. O mercado de treinamentos corporativos também aposta nestes novos formatos, auxiliando os trabalhadores a aprenderem cada vez mais e, consequentemente, fazendo as empresas a atingirem seus melhores resultados.

A dificuldade na aceitação de novas tecnologias existe, principalmente por parte dos profissionais com mais idade, que não possuem tanta familiaridade com internet ou smartphones. Mas aos poucos as barreiras estão sendo quebradas e as novas tecnologias para educação corporativa estão chegando a cada vez mais gente.

O uso de chatbots e inteligência artificial em treinamentos corporativos é, sem dúvidas, o próximo passo do nosso mercado. Podemos pensar em treinamentos 100% on-line, que acontecem através de plataformas de ensino ou m-learning, e tem assistentes virtuais para reforçar conteúdos, tirar dúvidas dos alunos, fazer testes e avaliar seu desempenho ao longo do treinamento. É uma forma interessante, inovadora e relativamente barata de manter o interesse dos colaboradores e incentivá-los a aprender ainda mais.

Muitos estudiosos do assunto apostam, no entanto, no ensino híbrido, mesclando momentos presenciais com os digitais. Com as pessoas cada vez mais adeptas dos seus smartphones, esse seria um caminho mais natural para a evolução da educação corporativa. O profissional poderia participar de uma aula presencial com seus colegas para a apresentação de uma nova política do seu setor.

Durante o encontro, poderiam ser realizadas demonstrações com a ajuda da realidade aumentada para demonstrar quais novos procedimentos precisam ser adotados e suas consequências. Ao final do encontro, o facilitador disponibilizaria acesso a uma plataforma digital para que cada um dos participantes pudesse rever o conteúdo aprendido e aprofundar itens que não puderam ser apresentados durante o encontro. Na plataforma, um assistente virtual via chat responderia possíveis dúvidas, apontaria quais lições os colaboradores precisariam rever e ajudaria a medir a sua evolução. O assistente seria responsável também por analisar o desempenho e enviar essas informações para a organização. Dessa forma, a empresa tem total controle sobre o seu treinamento, conseguindo acompanhar quais são os colaboradores mais empenhados, onde a maioria trava durante o processo e quais as principais dificuldades.

O chatbot é interessante também porque ele pode ser disponibilizado tanto para uma pessoa quanto para centenas. Os chatbots foram desenvolvidos para conseguir atender as pessoas em diversas situações. É uma tecnologia desenvolvida para ter a capacidade de atender centenas, mas com o poder de adaptação para entender as especificidades de cada caso como único. Isso faz com que o aprendiz sinta que aquele é um momento só dele, no qual ele tem a liberdade de interagir e rever os assuntos do seu interesse quantas vezes quiser.

Phill Libin, fundador do Evernote, disse em entrevista recente que “em breve o mundo será reescrito baseado em bots e interfaces conversacionais”. Para os treinamentos corporativos, não será diferente. Estamos passando por um momento de muitas novidades na tecnologia e, por consequência, no mercado de bots. Vivemos um momento no qual, mais importante do que pensar em respostas, é pensar em perguntas que nos façam evoluir cada vez mais.

* Luiz Alexandre Castanha, administrador de Empresas com especialização em Gestão de Conhecimento e Storytelling aplicado à Educação, atua em cargos executivos na área de Educação há mais de 10 anos.

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Tecnologia ajudando na organização

5 passos para ser mais organizado com ajuda da tecnologia

Os atrativos da internet muitas vezes contribuem para que as pessoas se tornem mais dispersas e sem foco. No entanto, quando utilizada de maneira adequada, a rede oferece diversas ferramentas capazes de transformar até o mais desorganizado dos internautas em exemplo de planejamento e pontualidade.

Henrique Carmellino Filho, Diretor de Operações da SIEG, dá 5 conselhos imperdíveis para quem busca uma forma eficiente de sair do caos e ter um cotidiano mais organizado com o auxílio da tecnologia. Confira:

1 – Use e abuse da agenda

Há séculos a agenda é a maior aliada das pessoas organizadas. Ali estarão presentes as datas e horários de reuniões, eventos, aniversários, consultas médicas e todos os compromissos que fazem parte do nosso dia a dia. Utilizar um aplicativo de agenda, como o Google Agenda (Google Calendar no iOS), significa ter no bolso, a um toque, informações fundamentais para planejar seus dias e não deixar passar nada. Se você for do tipo que esquece até mesmo de consultar a agenda, é simples: basta ativar as notificações e não terá mais desculpas para atrasos e esquecimentos.

2 – Faça listas e anotações

Criar listas das tarefas a serem realizadas no dia ou na semana seguinte é outro passo interessante, sempre estabelecendo prioridades de acordo com a urgência de cada uma e definindo objetivos. Anotar aquela ideia brilhante que veio à mente de repente, no caminho do trabalho ou na hora de dormir, também é outra prática que pode ter recompensas impagáveis. Para essas finalidades, softwares como Google Keep, Any.do e Evernote são ótimas opções.

3 – Salve seus arquivos na nuvem

Salvar arquivos em locais seguros e de fácil acesso é imprescindível nessa jornada de organização. Afinal, ter imagens e documentos importantes roubados por hackers ou simplesmente deletados é das piores experiências. Uma solução interessante para essa questão é o armazenamento em nuvem (ou cloud computing), que permite salvar arquivos em um espaço virtual. Lá, os documentos ficam a salvo, e só você poderá ter acesso através de login e senha. Google Drive e OneDrive são duas opções acessíveis e excelentes.

4 – Adote os mapas mentais

De nada adianta organizar suas tarefas e compromissos se em sua mente as coisas ainda não estiverem muito claras. É aí que entra a importância de se desenvolver mapas mentais, que funcionam como uma espécie de software cerebral e oferecem um suporte para estruturar e aprofundar o pensamento e a comunicação, pontos fundamentais especialmente em trabalhos criativos. MindMeister e MindNode são duas das várias aplicações que fornecem um bom serviço.

5 – Controle suas finanças

Lidar com dinheiro não é o seu forte? A tecnologia também pode te dar uma mão no gerenciamento de suas finanças pessoais e controlar o vendaval que parece se apossar de suas notas logo no começo do mês. Apps especializados em registrar seus gastos e transações, criar alertas de pagamentos e gerar gráficos e relatórios estão aí justamente para te ajudar com isso. É o caso de softwares como GuiaBolso, Minhas Economias e Organizze.

Fonte: Renown – Assessoria de Imprensa Digital – Felipe Silva

Chegou para ficar!

Black Friday veio para ficar. E não deve mudar!

Por Marcos Gouvêa de Souza*

Nesta altura dos acontecimentos, querer mudar o Black Friday no calendário do varejo tem o mesmo significado de querer mudar a data do Natal. A promoção já está integrada na mente do consumidor e muitos se organizam para aproveitá-la da melhor maneira possível, gerando vendas que este ano poderão chegar perto de R$2 bilhões.

A promoção está em permanente evolução e continua crescendo de importância, pois tem se espalhado para outros setores do consumo e canais de compras, expurgando os que criavam falsas ofertas e não se preparavam convenientemente para atender o forte crescimento da demanda.

Para quem opera exclusivamente com o canal digital ou tem forte dependência do mesmo, a data é – de fato – o “Natal” do setor, pois antecipa um movimento que só ocorreria posteriormente, às vésperas da data, criando forte impacto nas operações e na logística com custos muito altos e, às vezes, inviabilizando atender a demanda de última hora.

De fato, se pudesse ter sito planejada de forma ideal, a data da promoção deveria ser antecipada para que não ficasse tão próximo do Natal – o maior período de vendas do varejo. Ou mesmo que fosse no primeiro semestre, criando uma nova data promocional passado o pico do Natal, para ajuste geral de estoques. “Mas tudo não terás”, como diz o dito popular.

Por conta disso, outras datas têm sido propostas, como o Dia do Consumidor, em 15 de março, que já está se transformando na Semana do Consumidor. O varejo ainda depende muito desses estímulos sazonais para alavancar o consumo.

A Black Friday nasceu nos Estados Unidos como uma promoção que antecipava as vendas que se concentravam demais no período de Natal. Aproveitava o período do tradicional feriado do Dia de Ação de Graças, que lá tem grande importância, para ativar as vendas do varejo.

Seu nome vem da ideia de que, a partir daquele momento, as empresas varejistas passavam a ter lucro em suas operações do ano, pois até esse ponto operavam no vermelho.

Na internet as promoções do Black Friday do varejo tradicional foram incorporadas no Cyber Monday, uma ação para marcar um período também promocional específico do e-commerce.

No Brasil, o movimento já nasceu liderado pelo canal e-commerce e só posteriormente foi incorporado pelas lojas tradicionais. Mais recentemente, expandiu para shopping centers, serviços, alimentação e muitos outros setores.

O varejo, de forma geral, sempre foi dependente de promoções para estimular o consumo e as datas promocionais foram criadas ou adaptadas para renovar esse interesse, como o Dia do Solteiro, na China, celebrado em 11 de novembro, que neste ano deverá consolidar vendas de US$ 18 bilhões em apenas um dia.

Com o crescimento do comércio eletrônico, uma nova geração de promoções surgiu, ampliando as alternativas para criar esses estímulos. No mercado norte-americano estima-se que mais de 80% de tudo que é comercializado no varejo por lá é vendido com alguma promoção, desconto, oferta, liquidação ou qualquer outra forma de redução de preços regulares.

A internet só aumentou essa porcentagem pela possibilidade quase infinita de propor algo para cada consumidor, baseado em seu comportamento individual de busca e interesse, criando a customização das promoções a partir do monitoramento de seu perfil, atitude e histórico.

Como resultado, o e-commerce no mundo tem crescido muito mais que o varejo tradicional, sendo previsto que neste ano deverá aumentar em 8,5%. A Goldman-Sachs estima que entre 2016 e 2020, as vendas globais irão mais do que dobrar e sua participação nos mercados mais maduros irá representar mais do que um terço das vendas gerais do varejo.

Hoje, a participação do comércio eletrônico no todo do varejo nos Estados Unidos representa perto de 11%. Na Inglaterra representa 15% e, na Coréia, considerado o maior índice, chega a 18%. No Brasil está num patamar de 4%, porém com crescimento bem maior que o varejo em geral.

Estima-se que o comércio eletrônico atingirá vendas próximas de R$50 bilhões em 2017, com expansão em torno de 12%, enquanto o varejo como um todo deverá crescer entre 1,5 e 2%.

Como também prega o dito popular, “água morro abaixo e fogo morro acima, ninguém segura”, e parece ser essa a figura a ser lembrada na consolidação da Black Friday como uma data promocional irreversível para o varejo – físico e eletrônico – e, avançando para outros setores econômicos, que podem também se beneficiar do espírito que passou a predominar nesse período.

A mensagem é clara: é melhor se organizar e programar, e bem, para aproveitar, pois não deve mudar!

Marcos Gouvêa de Souza é fundador e diretor-geral do Grupo GS& Gouvêa de Souza, membro e co-fundador do IDV – Instituto para o Desenvolvimento do Varejo e do IFB – Instituto Foodservice Brasil. Também é presidente do LIDE Comércio e membro do Ebeltoft Group, aliança global de consultorias especializadas em varejo em mais de 25 países.

Fonte: Assessoria de Imprensa Grupo GS& Gouvêa de Souza – Cínthia Ceribelli

Cloud Computing: 2 mitos que ainda barram projetos

Segurança da informação e tempo de resposta ainda são preocupação para muitas companhias brasileiras. Entenda por que esse temor não é necessário

Após tantos anos de debates e aprendizado, há um entendimento pacificado no mercado sobre a importância da cloud computing para o ambiente corporativo. Essa percepção é traduzida em números: segundo a consultoria IDC Brasil, até o final deste ano, o mercado de cloud pública deve crescer 20% atingindo uma somatória de US$ 890 milhões e, até 2018, 85% dos ambientes serão multicloud, o que significa que serão diversos serviços de mais de uma nuvem pública integrados para atender necessidades de negócios.

Considera-se hoje desde a maneira como a infraestrutura é desenvolvida, com segurança da informação, conectividade e aceleração, sendo que até aplicações são pensadas para ter melhor performance em cloud. É só olhar para infraestruturas com redes definidas por software (Software-Defined Network, ou SDN) e as aplicações simples do dia a dia da empresa, como e-mail, por exemplo.

Dois condutores estão possibilitando essa expansão da cloud. Um deles é a infraestrutura, que aliada à internet e às novas tecnologias, permite a utilização e o gerenciamento de diversas soluções de cloud, com controle de tráfego e qualidade, a partir de uma contratação elástica sob demanda, que aumenta ou diminui conforme a necessidade da empresa. O outro é o custo: a premissa da cloud é o compartilhamento seguro de ambiente, maximizando a operação e resultando em economia.

Contudo, mesmo passado tanto tempo desde que o conceito chegou ao mercado e após tantos aprendizados sobre o tema, ainda há dois mitos que circundam a tecnologia de cloud computing e que, por vezes, são barreiras de entrada para empresas que poderiam se abrir aos benefícios acima listados:

Segurança da informação: são poucas as empresas que visitamos que não temem pela proteção e garantia da integridade dos seus dados em um ambiente de nuvem. Sempre repito: os provedores de cloud possuem políticas e tecnologias de segurança da informação que estão anos-luz à frente do que pequenas, médias ou até mesmo grandes companhias poderiam ter em seus ambientes proprietários. Provedores fazem investimentos pesados para evitar todo o tipo de potencial invasão ou vazamento na transmissão de informações e possuem equipes com centenas de profissionais para ficarem absolutamente atualizados nas mais recentes descobertas de ciberameaças. Segurança da informação é crucial para toda companhia global que fornece cloud computing e o item não concorre com outros tipos de investimento, como acontece em companhias cujo core business não é TI. Todo esse arsenal faz com que seja muito mais fácil uma empresa ter seu data center proprietário invadido do que uma grande provedora sofrer alguma intercorrência.

Performance: Há quem ainda diga que o conceito de cloud computing diminui a performance, porque, uma vez que as aplicações não estão no ambiente da empresa, poderia haver demora para que o acesso seja feito a distância. Trata-se de mais uma ideia equivocada: se a companhia possui uma infraestrutura de conectividade adequada a suportar as aplicações em nuvem, o tempo de resposta tende a ser muito maior. Isso ocorre porque quanto mais aplicações a companhia tem, maior a demanda por capacidade de processamento dos servidores internos. A atualização dessas tecnologias é tão rápida quanto o crescimento da demanda interna pelas aplicações? A resposta é dificilmente, caso a empresa não seja de TI. Mais vale ter uma conexão que suporte o uso da nuvem do que investir em pesados servidores que consigam dar conta do processamento – e que, ainda por cima, consomem espaço e energia em uma proporção considerável.

Se não fossem esses mitos, quanto a mais sobre os US$ 890 milhões o mercado de cloud computing movimentaria no Brasil? Difícil responder, mas tenho certeza que estamos vivenciando uma oportunidade sem limites para os próximos ano.

*José Renato de Mello Gonçalves é responsável pela diretoria comercial do Brasil da Orange Business Services

Fonte: aboutCOM – Natália Diogo

Digital Workplace e home office: o perfil do trabalhador na Era da Colaboração

Profissional deve ser mais proativo e atuar como gestor do próprio trabalho. Ferramentas de colaboração evitam o isolamento social

por George Paiva*

Tecnologia e capital humano nunca estiveram tão próximos quanto agora, na Era da Colaboração. Com diversas tecnologias que permitem otimizar o tempo, diminuir custos e aumentar produtividade, os digital workspaces ganham mais espaço e adeptos em todo o globo. E um dado chama a atenção: a pesquisa Home Office Brasil edição 2016, da SAP Consultoria RH, aponta que nos últimos cinco anos, 80% das empresas brasileiras – públicas e privadas – implementaram a prática de home office, sendo 67% delas multinacionais.

A definição de home office não é apenas mudar o local de trabalho: estamos falando de uma profunda mudança de hábitos, que envolve horários, relações interpessoais, lazer e forma de ver a vida.

Para que esse movimento seja possível, a empresa deve disponibilizar o acesso a informações, ferramentas e recursos que, antes, eram localizados apenas nos escritórios. Ao mesmo tempo, o perfil desse profissional também se transforma: ele passa a ser responsável por produzir de onde estiver e sua gestão passa a ser feita por resultados, e não mais pelo modo de se trabalhar.

Há algumas características básicas que devem estar presentes nos colaboradores remotos:

● Conhecer bem o trabalho e as ferramentas: além de saber realizar as atividades básicas do dia a dia, o profissional deve dominar as ferramentas que o ajudarão a ser mais produtivo. Para que os resultados sejam de acordo com o esperado, ele também deve conhecer muito bem a organização em que trabalha e os seus processos operacionais e de colaboração.

● Gerir os próprios resultados: para atingir a produtividade esperada, cabe ao indivíduo fazer uma autogestão, pois ter alto nível de desempenho é essencial para trabalhadores remotos. Apesar do conceito de colaboração, a necessidade de supervisão e ajuda dos colegas deve ser menor em um digital workspace, assim, o tempo de troca de informações e reuniões será otimizado e melhor aproveitado.

● Controlar o próprio tempo: o teletrabalhador é mais sensível à distração e à dispersão. Ter uma agenda de atividades e um local adaptado dentro de casa são dicas preciosas para manter a autodisciplina e evitar a procrastinação de atividades.

As mudanças também devem ocorrer no psicológico de cada pessoa. Apesar de ser uma boa opção para aumentar a qualidade de vida, o home office exige que o profissional se adeque às novas formas de interação social. Evitar a solidão e o isolamento no exercício das atividades de trabalho é o grande desafio que os digital workspaces impõem às pessoas. Boas alternativas são encontros periódicos entre colegas e clientes e participar ativamente de redes sociais e grupos corporativos.

Não se trata, de fato, de uma mudança de tecnologia, apenas. É uma quebra de paradigma na forma de lidar com as relações de trabalho e sociais. De lidar com a vida.

*George Paiva é diretor de RH na América Latina da Orange Business Services

Fonte: aboutCOM – Natália Diogo

Coluna Branding: a alma da marca

O estudo técnico está acabando com o estudo mágico

Tenho me deparado com muitos amigos cometendo o erro de substituir conhecimento por informação, e isso tem me deixado muito intrigado.

Parece que aos poucos o mundo anda perdendo a capacidade de discernir sobre os assuntos, tendo a necessidade de responder a tudo rapidamente, sem a famosa contemplação filosófica.

Há algum tempo, tive o prazer de ouvir o filósofo Michel Echenique, infelizmente já falecido, dizer em suas palestras que todo planejamento deveria contemplar não só funções operacionais, táticas e estratégicas, mas também um elemento misterioso, chamado de mágico.

Para ele, quando um valor adere à um grupo de pessoas e isso passa de uma mera informação para um conhecimento vivenciado por todos, a compreensão dos princípios faz com que tudo o que precisa ser feito aconteça com mais facilidade e naturalidade.

É o que o popular chama de “natureza conspirando a favor”, mas deixando de lado a “mística”, o filósofo explicava que podemos entender isso como um conhecimento supra-racional, que se não pode ser medido ainda, pode ser intuído e contado sempre, pois, se repete com sequência.

Uso o futebol para dar meu exemplo prático:

Após um primeiro turno fora da realidade, mantendo uma invencibilidade histórica no campeonato brasileiro, a equipe do Corinthians, míngua um segundo turno com resultados proporcionais aos times últimos colocados. O que fez isso acontecer?

Explicações de preparo fisico, de reconhecimento da técnica, de perda de confiança, de queda de rendimento de um ou outro atleta, tentam explicar o fato mas são só apostas que não se sustentam por si só.

No entanto, existe um fato simbólico que é impossível de negar. Quase que ao mesmo tempo esta equipe bateu recordes de invencibilidade, conquistou o primeiro turno e passou 10 dias em descanso.

Por que ignoramos esta informação simbólica, não tratando este elemento como um único conhecimento como propunha Michel chamando-o de “elemento mágico”.

É muito comum e repetitivo a conhecida faixa carimbada, o relaxamento após um feito extraordinário, a desconcentração de uma energia que antes estava concentrada. O Corinthians perdeu seu elemento simbólico, aquela mística que o fazia repetir resultados surpreendentes.

Ficamos preocupados em encontrar uma técnica, a explicação científica e nos esquecemos de observar, contemplar, intuir o que vem a acontecer após um fato simbólico.

Estamos esquecendo que todo princípio científico parte de um ato empírico, que todo ato heróico costuma com o tempo resumir-se em um fato simbólico. Que o símbolo mágico é de natureza superior ao ato técnico, e que o conhecimento não se resume em informação.

Este Corinthians inacreditável se formou após ser desacreditado como a quarta força do estado e principalmente após ser prejudicado em um jogo contra o Palmeiras durante o campeonato paulista de 2017. Este símbolo de oprimido se transformou em espirito de luta e obediência tática e é isso que seu técnico parece não estar conseguindo recordar aos seus jogadores.

Da mesma forma, toda marca ou campanha de comunicação precisa ter sua mística traduzida em conceituação. Não basta ter apenas um estratégia inteligente e uma boa tática. O símbolo por traz de tudo deve estar vivo e ser compreendido pelos envolvidos. Sem isso, a comunicação poderá ser bonita, mas vazia e por tanto ineficiente.

Pretendo continuar falando sobre assuntos relacionados a este tema nos próximos artigos, portanto comentários e críticas fundamentadas são sempre bem vindas.

Até a próxima.

Performance e experiência do consumidor

Não existe mídia de performance sem experiência do consumidor

Por Fernando Teixeira*

Quantas vezes você já foi a um evento ou leu um artigo de um profissional de marketing falando maravilhas sobre a incrível performance de marketing e mídia de uma empresa, enquanto você lembrava da péssima experiência que teve com aquela marca? Ligações insistentes, o banner que te persegue na internet, o vídeo que cobre a notícia inteira – cenas de praticamente um filme de terror. Filme, não: um seriado de episódios diários que jogam totalmente contra a proposta de cativar e fidelizar clientes e torná-los promotores das marcas.

Corriqueiras, as situações acima ilustram o status-quo: muitas vezes os profissionais de marketing trabalham tão focados na performance que se esquecem da não-performance. Comemoram uma taxa de clique (CTR) de 1% sem pensar que isso pode significar que 99% de pessoas não ligam para a sua mensagem. Isso mesmo: consumidores que não estão nem aí! Definitivamente, não querem vê-la ou assisti-la. Nessa toada, anunciantes muitas vezes compram mídia barata e gastam o mínimo em produção para derrubar o custo de aquisição (CPA) sem perceber que, na verdade, estão gastando para entregar experiências irrelevantes a muitas pessoas.

Esse custo de “não-CPA” ou “não-CTR” pode não ser contabilizado, mas tenha certeza: a conta chega. Cada experiência não relevante, não personalizada e intrometida da marca, torna mais difícil (e mais caro!) converter os não-consumidores. Mais do que isso, o efeito rebote é imediato: com esse tipo de experiência negativa que insiste em persegui-lo, o consumidor passará a odiar a marca.

O nível de exigência dos consumidores de hoje é outro. O sarrafo está lá em cima. Empresas nativas digitais como Amazon, Facebook, Airbnb, Uber e tantas outras oferecem uma experiência tão boa e consistente ao longo do tempo que acabam por se tornarem o “novo normal” em padrão de referência.

Vivemos uma era de experiências acumuladas. Todos os impactos positivos com a marca, em interações de milésimos de segundos, contam. As experiências negativas também. Quando tratamos especificamente da publicidade digital isso é ainda mais acentuado, pois – enquanto consumidores – cada vez menos aceitamos a interrupção da propaganda. Como resposta, recorremos aos bloqueadores de pop-up e pagamos por serviços para não ter propaganda. Não é que a propaganda virou vilã, mas sim que ela é simplesmente irrelevante para uma imensa audiência impactada pela campanha.

Para resolver esse desafio, a propaganda precisa da tecnologia. Esse casamento é essencial para entregar mensagens personalizadas, pessoa por pessoa, no contexto correto, no momento certo, no melhor site, pelo melhor custo para a marca. Hoje, graças à automação da publicidade, isso é possível ser feito em escala e com baixo custo. A automação para o marketing, a inteligência artificial e o aprendizado das máquinas são os elementos tecnológicos que viabilizam essa sinergia entre publicidade digital e consumidores. São estes recursos que ajudam o marketing a entregar o que as pessoas querem, na hora em que elas desejam, culminando na entrega de boas experiências e em maiores oportunidades de negócios. Bom para consumidores, bom para as marcas.

O ponto de partida para o perfeito desenrolar da experiência com publicidade digital está no conhecimento que as marcas têm de seus consumidores, suas audiências, e de como se comportam no ambiente on-line. Só depois disso a mídia é acionada. A compra de mídia com base em dados (data-driven) é assim: cresce conforme se adquire conhecimento, e não conforme foi negociada a verba.

A mensagem que as pessoas recebem deve ser personalizada, uma a uma. Depois do clique, a vida continua no site e nos apps. Nesses ambientes, o consumidor deve ser recebido com a mesma mensagem que viu na mídia. Um site deve se transformar em milhares de sites, um para cada audiência, levando-as até a conversão. Tudo isso contribui para o desenho de um ciclo virtuoso para a marca: mais conhecimento do público, novas experiências, campanhas, interações e – chegamos lá – performance/conversão.

Para entregar esse marketing sem rupturas, os gestores da área precisam entender de tecnologia. Devem aprender sobre sistemas, plataformas e dados. O novo marketing passa obrigatoriamente por APIs e integrações. É um marketing cirúrgico, pensado nos detalhes, podendo atingir mais ou menos gente até encontrar seu ponto ótimo – o ponto da melhor experiência para o consumidor e performance para a marca.

Como isso nem sempre significa comprar mais veiculação, muitas vezes os incentivos dos vendedores de mídia podem não estar alinhados com os do anunciante. É por isso que as marcas devem ser protagonistas, exigir transparência na cadeia e se estruturar com pessoas e plataformas. Terceirizar toda a operação de marketing pode significar deixar os incentivos da cadeia dominarem, cada um do seu jeito. O resultado é a proliferação do status-quo: a comemoração cega da performance de 1%, enquanto se gasta dinheiro da marca com mensagem que não interessa.

*Fernando Teixeira é head de advertising da Adobe para a América Latina.

O ano da IA

2018 será o ano da Inteligência Artificial
O Gartner Symposium/Itxpo, um dos maiores eventos de tecnologia do planeta, deixou claro as principais tendências para 2018

Quando o assunto é tecnologia, as maiores referências globais em pesquisa, análises e assessoria são Gartner, Ovum, Forrester e IDC. De acordo com Christian Geronasso, consultor especialista em geração de valor e inovação e membro o Comitê Macroeconômico do ISAE – Escola de Negócio, os estudos dessas instituições orientam a tomada de decisão dos principais executivos de tecnologia do mercado.

“No início do mês de outubro, a cidade de Orlando, na Flórida (EUA), recebeu o Gartner Symposium/Itxpo, evento que contou com a participação das maiores empresas de tecnologia do mundo, entre elas IBM, Microsoft, Intel, Amazon e Google. Durante o simpósio, as gigantes do mercado compartilharam suas visões estratégicas sobre as tendências da tecnologia e negócios”, detalha Geronasso.

Durante o evento, foram listadas 10 tendências tecnológicas como apostas para 2018, agrupadas em três categorias: Inteligente, Digital e Mesh (rede em malha). Para Christian Geronasso, cinco delas irão revolucionar o mundo:

· Fundação IA (Inteligência Artificial): a criação de sistemas com a capacidade de aprender, se adaptar e, potencialmente, atuar sozinhos, será um campo de batalha para fornecedores de tecnologia até 2020.

· Aplicativos Inteligentes e Capacidade Analítica: aplicativos inteligentes podem criar uma camada intermediária entre pessoas e sistemas, com o objetivo de aumentar o potencial humano e não substituí-lo.

· Coisas Inteligentes: o número de dispositivos conectados só aumenta com o passar dos anos. Além de aumentar em tamanho, a Internet das Coisas (IoT) passará a ser mais autônoma ou semi autônoma, e o Gartner aposta que, até 2022, teremos automóveis se deslocando em rodovias sem ser necessário que um ser humano esteja atrás do volante.

· Gêmeos Virtuais: é a representação digital do mundo real em que o objeto virtual é um espelho fiel do seu gêmeo físico, com todas as suas propriedades e características. O maior benefício é a simulação de cenários “E se…”, utilizando os gêmeos virtuais, sem a necessidade de desperdício de materiais e horas-homem.

· Da Nuvem à Borda: um automóvel autônomo precisa ter capacidade de processamento suficiente na Borda (Edge) para decidir qual a melhor chance de seus passageiros sobreviverem em um acidente. Precisa também comunicar os dados com a nuvem para que a montadora monitore as manutenções do veículo. Esta arquitetura Nuvem-Borda-Nuvem será um dos desafios dos próximos anos.

“O estudo ainda cita detalhes de como as tecnologias de Plataformas Conversacionais, Experiências imersivas, Blockchain, Modelos Orientados a Eventos e Modelos de Adaptação Contínua de Risco e Confiança”, completa o especialista.

Para mais informações sobre os detalhes dos impactos destas tecnologias, acesse o site http://gtnr.it/2xvyyid (Gartner Top 10 Strategic Technology Trends for 2018).

Fonte: IRR Comunicaçao – Isabelle Kolb