Boa dica de leitura

Duas coisas apaixonantes

Recebi diretamente do autor, Paulo Cezar Alvez Goulart, o livro Música e Propaganda. O volume foi editado pela A9 e em suas 158 páginas traz interessante e deliciosa pesquisa sobre a relação histórica da música com a propaganda. A obra tem ótimo projeto gráfico e é recheado de belas ilustrações.

Uma leitura indispensável para quem, assim como eu , adora jingles e todo o bom uso da música a favor da boa propaganda.

Obrigado, Paulo Cezar. E vamos apreciar essa bela obra.

IMG_20141212_131924716[1]

Selecionado em antologia internacional

Autor Valeparaibano tem conto publicado em uma antologia internacional de Ficção Científica da Intel

tumblr_inline_n5f8t75Ush1s2tqyc

Em 2013 a Intel, em parceria com a Fiap promoveu a edição brasileira do Tomorrow Project Brasil. O Tomorrow Project explora nossas possibilidades futuras por meio de ficção baseada na ciência e na realidade e conversas em video com cientistas e autores de ficção científica, figuras lendárias e especialistas de fama mundial, defensores apaixonados e pessoas comuns. O Tomorrow Project Brazil, em colaboração com a FIAP, foi um concurso que busca histórias originais, em forma de textos, vídeos ou ilustrações, que descrevem a sua visão de “Um dia na minha vida em 2025”.

O resultado deste concurso foi a publicação de uma antologia nacional, entre os contos presente estava o do autor Ale Santos, da cidade de Cruzeiro:

“A cor dos seus olhos é uma história sobre invasão alienígena, mas ela carrega também questionamentos fortes da natureza humana e apresenta uma realidade aonde a fé e a sobrevivência podem ser facilmente questionadas”.

tumblr_inline_n5f8tuyS7r1s2tqyc

Além de representar o Vale do Paraíba na antologia nacional, o conto de Ale Santos entrou também como um dos 4 representantes brasileiros na antologia internacional “Cautions, Dreams & Curiosities” do Tomorrow Project, reunindo contos do mundo todo e publicada em inglês.

http://isef.tomorrow-projects.com/2013/10/cautions-dreams-curiosities-anthology/
Ale Santos é autor/storytellers e além de contos escreve para blogs e jogos. Atualmente é redator do game Selene The Fantasy e trabalha na Storytellers Brand ‘n’ Fiction que é o primeiro escritório de Innovative Storytelling no país. Também dá palestras e cursos sobre roteiros para games.

Mais informações http://alesantos.me/

Boa dica de livro

Livro da Scup abora métricas em Mídias Sociais

Scup lança o livro “Monitoramento e métricas de mídias sociais: do estagiário ao CEO”
Uma metodologia prática para o profissional de mídias sociais, marketing e negócios ficar atualizado

livro_

A obra aborda temas interessantes e importantes: Como se aproximar dos clientes nas mídias sociais? Como monitorar as mídias sociais? Como definir métricas a partir dos objetivos de negócio?

E para responder a essas e a outras questões, Diego Monteiro, cofundador do Scup, e Ricardo Azarite, coordenador de marketing e mídias sociais do Kekanto, desenvolveram a metodologia Social Media Cycle (SMC), apresentada no livro Monitoramento e métricas de mídias sociais: do estagiário ao CEO.

Nas 210 páginas do livro, o leitor aprenderá:

Níveis de maturidade em mídias sociais;
Monitoramento e métricas de mídias sociais;
Como transformar dados em informações úteis para o negócio; e
O Social Media Cycle (SMC).

Novo livro sobre a profissão de publicitário

Livro discute a formação do publicitário

André Porto Alegre, ex-presidente da APP e membro do Conselho de Administração da entidade na atual gestão lança o livro “A Trajetória de um Publicitário Comum – Ideias para a Formação do Profissional de Propaganda”, no próximo dia 10 de março na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, a partir das 18:00.

unnamed (2)

 

O livro nasceu dos anos de trabalho como professor, palestrante e dirigente associativo empenhado na qualificação dos publicitários e na valorização dos estudantes de publicidade. A ideia é provar que há espaço para os bons profissionais, éticos e talentosos, independentemente de atuarem nos grandes centros. A obra vem ocupar um espaço na literatura especializada em comunicação, que não produz textos dedicados ao começo da vida profissional do publicitário.

Uma boa dica de leitura

Livro preenche importante lacuna

Já tive a oportunidade, como professor orientador, de trabalhar com dois diferentes alunos em dois TCCs (Trabalhos de Conclusão de Curso) o tema Jingle. E ficou evidente em ambos os momentos a falta absurda de bibliografia nesta área. Agora este lançamento ajuda a preencher este espaço.

Veja matéria publicada no Meio&Mensagem:

Publicidade antes dos jingles
ESPM lança livro e CD com músicas encomendadas por anunciantes e distribuídas como brindes no século 19

Instituto Cultural da ESPM está lançando o livro Partituras Publicitárias Antes do Rádio, que relata as primeiras formas de usar canções na publicidade brasileira, ainda no século 19, antes mesmo da chegada do rádio no País, o que ocorreu apenas em 1922. Além da edição impressa, o livro é acompanhado por um CD no qual o maestro Amilton Godoy, acompanhado por uma orquestra, regravou 15 das 40 partituras encontradas pelo pesquisador Paulo Goulart, da A9 Editora.

partituras

O material foi coletado em arquivos como os da Biblioteca Nacional e do Instituto Moreira Salles. Entre os autores das partituras para piano estão grandes nomes da música nacional, como Ernesto Nazareth (1863–1934) e Chiquinha Gonzaga (1847–1935). “Eles eram contratados para escrever partituras que seriam entregues como forma de brinde aos consumidores”, explica Goulart. Naquela época, era comum a presença de pianos nas salas das famílias de classe média e alta.

A expectativa do comerciante era a de que, ao levar a partitura para casa, as pessoas tivessem a curiosidade de tocar a música ou deixar que um aprendiz o fizesse. “Esse era um dos muitos brindes oferecidos na época, além de mapas e leques”, ressalta Goulart.
O curioso é que essa ferramenta de ­marketing era uma demanda que partia dos próprios empresários e anunciantes. Eles encomendavam partituras e, às vezes até letras para as canções, diretamente aos músicos. Entre as raridades encontradas está uma composição de Ernesto Nazareth para o Odeon. Nazareth, aliás, foi quem mais compôs músicas publicitárias nessa época: 13 em quase 40 anos de atividade.
Também há uma composição de Chiquinha Gonzaga para o Café de São Paulo, de 1912. A maestrina utilizou-se de um tango instrumental de uma peça de teatro portuguesa, posteriormente acrescida de versos de Tito Martins. Nascia ali uma tática até hoje muito usada: a publicidade comparativa. A letra da música encomendada pelo Café de São Paulo desafiava explicitamente um concorrente: “Não há (café) Moka que me vença…”.

De acordo com Goulart, a primeira música publicitária tocada em uma rádio brasileira foi Sudan, em 1926 — composta por Canhoto para os cigarros Sudan. O primeiro jingle surgiu em 1932, mas, como só foi cantado ao vivo, como era prática nas emissoras da época, seu registro se perdeu. Os jingles gravados só começaram a aparecer a partir de 1935. O primeiro de que se tem notícia foi criado pela ­agência Bastos Tigre para o Chope da Brahma, com composição de Orlando Silva.

Leia Mais: http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/noticias/2013/11/26/Publicidade-antes-dos-jingles.html#ixzz2lky5QZkG

Vaga para quem é de Pinda

One Designer procura criativo

A agência quer um estagiário cursando PP a partir do Segundo ano e com conhecimentos em Pacote Adobe / Corel.

designerda

Enviar os Cvs para contato@onedesigner.com.br

Somente para quem reside em Pindamonhangaba

Boa dica de leitura para criativos

Livro fala sobre criação de anúncios para mídia impressa

7067343g1

Mídia Impressa – Como Fazer um Anúncio de Jornal e Revista

Na hora de criar, assuma o papel do público e pense no que gostaria de ouvir sobre o produto. Quando for pensar no título, use palavras fortes, que emocionem e levem o leitor às compras. Se o veículo for um jornal, não use fontes muito pequenas ou serifadas, que podem ter problemas de registro na hora da impressão. Essas são apenas algumas das valiosas dicas dadas pelo escritor e publicitário Newton César no livro Mídia Impressa – Como fazer um anúncio de jornal e revista. Com linguagem simplificada e formato prático de livro de bolso, o livro, de 80 páginas, traz à tona questões recorrentes e atuais do design contemporâneo e da criação publicitária. Com leitura fácil e ágil, o livro é um passo-a-passo completo e minucioso do processo de produção de peças publicitárias, ideal para auxiliar estudantes, e até mesmo profissionais, com informações introdutórias e essenciais à elaboração de um anúncio eficaz, tanto para jornais, quanto para revistas. – A idéia da obra é dizer somente o estritamente necessário e facilitar a rotina do estudante ou profissional de publicidade, ou de áreas afins como design, artes e jornalismo, na criação e produção de um anúncio, eliminado etapas inúteis – explica o autor, Newton César, diretor decriação da Wired Comuicação. A obra faz parte da coleção Basedesign, uma série de bolso, descomplicada de ler e a preço acessível. Segundo o autor: “A idéia é dizer o necessário, o estritamente “necessário.”

Fonte: http://www.submarino.com.br/produto/7067343/livro-midia-impressa-como-fazer-um-anuncio-de-jornal-e-revista?franq=267579#productDescription

Bom livro sobre marketing

Essa dica de livro veio direto do Portal CidadeMarketing

Marketing no Brasil
Um guia prático – Brand Equity, Mídias e Estatísticas

Autor: Riccardo Morici

Além de definir o marketing, Riccardo Morici oferece um guia repleto, com mais de 100 dicas, para orientar tanto os profissionais com pouca experiência, que buscam fortalecer conceitos, quanto aqueles mais experientes, que necessitam de alguma inspiração. O livro aborda, entre outros temas, brand equity, mídias e estatísticas, ensinando de maneira completa como gerenciar o marketing mix. Compêndio com os principais conceitos, as informações mais importantes e as ferramentas mais utilizadas no marketing brasileiro, este é um manual necessário para enfrentar os desafios do dia a dia.

ft_f2262ce565e35f83c9152d7415b33e79

Boa opção de leitura

Livro sobre propaganda lançado pela editora da PUC

Em A propaganda brasileira depois de Washington Olivetto, João Renha desvenda a faceta criativa do renomado publicitário. De forma inédita, o autor realiza um minucioso estudo das campanhas de Olivetto, revelando a retórica de um dos profissionais mais aclamados da área.

livro_propaganda_brasileira (1)

Mais do que analisar o que foi produzido, o livro explora de forma pioneira como as histórias do primeiro sutiã, do garoto-propaganda das mil e uma utilidades e de tantas outras campanhas de sucesso foram criadas, para descobrir se existe ou não uma fórmula para fazer peças publicitárias de sucesso.

Além do estudo revelador, esta obra presenteia o leitor com um capítulo especial, redigido por amigos e colegas de trabalho do publicitário. Nele, redatores, músicos, artistas, empresários e intelectuais prestam depoimentos engraçados, irônicos e emocionados de histórias que vivenciaram com Washington Olivetto.

A propaganda brasileira depois de Washington Olivetto trata-se de uma obra imperdível para quem quiser conhecer melhor o processo criativo de um dos mais premiados publicitários do mundo.

Sobre o autor

João Renha nasceu no interior do Rio de Janeiro, em 1955. Foi redator publicitário e hoje é professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio. Pós-graduado em Marketing e em Direito do Consumidor e Responsabilidade Civil, é autor também de David Ogilvy: a origem da publicidade moderna, publicado pela Editora PUC-Rio em 2011.