Transformação digital já é realidade no varejo brasileiro

Investimento em transformação digital já é realidade no varejo brasileiro, afirma estudo da SBVC

Por outro lado, cultura organizacional é principal dificuldade para a implementação da transformação digital.

Desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) em parceria com Oasis Lab Innovation Space, o estudo “Transformação Digital no Varejo Brasileiro” faz uma radiografia de como andam os investimentos em transformação digital, automação e treinamento dos funcionários que atuam nas empresas do varejo brasileiro, assim como ferramentas de inteligência artificial nos pontos de venda.

Entre as principais conclusões que o estudo identificou, está a melhora da percepção dos consumidores em relação à loja física, segundo opinião dos varejistas. A experiência do consumidor e a rapidez em sua tomada de decisão aumentaram. Porém para as empresas do varejo, os investimentos em ferramentas utilizadas para a contribuição na transformação digital nas lojas físicas não traduzem em redução de custos, mas sim retorno financeiro de longo prazo e diferencial competitivo. Esse investimento em T.D., segundo os varejistas entrevistados, resumem-se em média 0,42% sobre o faturamento bruto.

Investimento TD

Ainda de acordo com a análise feita pela SBVC, 100% dos varejistas acreditam que líderes são co-criadores, e trabalham em parceria com seus funcionários. “Para verejistas, cultura de co-criação entre funcionários e líderes é essencial para o desenvolvimento cultural, digital e de relacionamento, que de alguma forma transparece ao mercado”. assegura Hélio Biagi, Fundador e CEO OasisLab Innovation Space.

Outro tema que merece atenção especial dos varejistas são as start-ups, 20% já investem em parcerias, e 80% pretende investir nos próximos 12 meses. “Sem dúvida são conclusões reveladoras e que sugerem uma reflexão para as empresas. Num momento em que eficiência e produtividade máxima tornam-se palavras de ordem, investir em parcerias passa a ser obrigatório”, afirma Eduardo Terra, presidente da SBVC.

Metodologia

Para a avaliação, as empresas ouvidas foram divididas por faturamento: 41% delas tinham faturamento até 500 milhões; 18% com faturamento entre 500 milhões e 1 bilhão de reais e 41% com faturamento acima de 1 bilhão de reais. E representam os maiores players do mercado, de 7 diferentes segmentos do varejo, como moda, calçados e artigos esportivos, super, hiper, atacarejo e conveniência, lojas de departamento, artigos do lar e mercadorias em geral, drogarias e perfumarias, foodservice, livrarias e papelarias e outros segmentos.

Download do Estudo

Sobre a SBVC – Fundada em 29 de maio de 2014, a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) é uma organização sem fins lucrativos, aberta, multissetorial e com atuação complementar às demais entidades de classe do varejo. Sua missão é contribuir para o aumento da competividade do varejo, por meio de conteúdos e estudos de mercado, promovendo networking entre executivos do varejo de todos os segmentos. A entidade tem como objetivo defender os interesses do segmento e promover ações sociais. A SBVC é sustentada por quatro pilares fundamentais: Conteúdo, Relacionamento, Responsabilidade Social e Apoio Técnico.

Fonte: SBVC – Fernanda Besnosoff – Coordenadora de Estudos e Pesquisas

Dança das cadeiras

Atualizando

E vamos por em dia a movimentação do mercado de comunicação do Vale do Paraíba.

A agência GoPlay Marketing investiu pesado em seu time de criação e trouxe Gabriel Dicicco para ser estagiário de design e também Guilherme Brito para atuar como criativo. Guilherme teve recente passagem como estagiário em direção de arte na Rua Zero.

Gabriel e Guilherme

Gabriela Andrade agora é Public Relations Professional na Aerosafe Risk Management Inc.

E o publicitário Sidney Amora assumiu recentemente a posição de Coordenador de marketing na JBQ Consulting & Agency.

10 anos de atuação

Verge – Parceria Estratégica comemora 10 anos de sucesso

Agência situada em Taubaté, com clientes em todo o Brasil e também no exterior, completa 10 anos em fevereiro de 2019 e comemora sucesso em coquetel com a presença de funcionários, clientes e parceiros!

Quantas histórias cabem em 10 anos? Em um levantamento feito pelos diretores da Verge – Parceria Estratégica, os números surpreendem e refletem o sucesso da empresa. Mais de 50 colaboradores entre os que já passaram e os mais de 20 que atualmente oferecem seus talentos todos os dias. No total são mais de 500 parceiros. Mais de 400 clientes e os trabalhos já bateram a marca dos 7.000.

Com 10 anos e uma inquietude que é marca registrada da agência as novidades mais recentes são o endereço atual, para o qual a agência se mudou há 1 ano, e as contas públicas, frutos da vitória em concorrências com importantes players do mercado publicitário – Prefeitura de Pindamonhangaba e CROSP (Conselho Regional de Odontologia de SP).

As duas contas agregam um novo segmento ao negócio que atende a clientes de varejo e que, desde o seu início, é especialista em comunicação corporativa, cuidando de clientes reconhecidos localmente como: Johnson&Johnson, Janssen, Basf e que trouxe para a região marcas como: AkzoNobel, Tintas Coral, Comgás, Drogaria São Paulo e Drogaria Pacheco, Zurich, dentre outros.

“A história da Verge mostra como o trabalho focado nos sorrisos, brilhos nos olhos e resultados de todos, atuando como um parceiro realmente estratégico, garante sucesso e solidez mesmo em um mercado tão desafiador como o do nosso país.” diz Thiago Alves, sócio diretor.

O coquetel para convidados ocorreu no Vivá Gastronomia e Eventos no dia 26.02.19

Dança das cadeiras

Quase carnaval, mas o mercado não para

O vai e vem de profissionais na área de comunicação segue em ritmo acentuado. Confira algumas das últimas trocas de posição do mercado de comunicação e marketing.

Arison Sonagere, sócio proprietário da Atributo Branding e articulista deste blog, assumiu na semana passada a coordenação do curso de Publicidade e Propaganda da Anhanguera SJC. O desafio será reposicionar a marca e encontrar novos caminhos para o curso. Uma de suas primeiras ações foi lançar uma fã page chamada NPP/SJC com o objetivo de interagir com o mercado.

Há novidades também pelo lado CCR. Moisés Rosa acaba de assumir o posto de Analista de Comunicação na CCR NovaDutra.

E a jovem publicitária Débora Carvalho é a mais nova contratação da CoreBiz, agência sediada em São Paulo. Ela assume posição como designer. Débora já tem passagens por Verge Parceria Estratégica (Taubaté) e Focusnetworks – OnLife Marketing Transformation (SJCampos).

Pesquisa revela aumento no investimento anual das marcas em influência e aponta tendência crescente do conteúdo como protagonista de ações

YOUPIX realiza pesquisa inédita sobre ROI e Marketing de Influência

Pesquisa revela aumento no investimento anual das marcas em influência e aponta tendência crescente do conteúdo como protagonista de ações

A YOUPIX, aceleradora do mercado de influência e social vídeo, realizou a 2a edição da sua pesquisa sobre a forma como os principais anunciantes do país entendem e mensuram suas ações com influenciadores.

No período de 18 a 22 de fevereiro, 94 grandes empresas brasileiras responderam às questões da pesquisa “ROI & Marketing de Influência 2019”. Mais de 60% das respostas partiram de executivos de altos cargos como diretores, gerentes e coordenadores de empresas de diferentes segmentos Bens de Consumo, Telecom e Mídia, Automotivo; Serviços Financeiros; Varejo; Tecnologia e Serviços.

Destas, 68% consideram o marketing de influência estratégico para seu negócio e 69% considera que esta modalidade de marketing traz um resultado que nenhum outro tipo de comunicação digital traz. Isso se traduz em um aumento sensível do valor do investimento anual feito pelas marcas no Marketing de Influência: em 2017, quando a 1a pesquisa foi feita, 36% das empresas investia até 100 mil reais por ano; em 2019, o budget anual se concentrou na faixa entre 100 e 700 mil reais (40% das marcas). O estudo também revela otimismo das marcas em relação ao segmento, já que 56% delas afirma que vai investir mais em 2019 do que no ano anterior.

“Esses dados nos mostram que as marcas estão mais confiantes em relação aos resultados que o Marketing de Influência pode trazer, aumentando seus investimentos e atuando no segmento de forma mais estratégica”, afirma Bia Granja, sócia da YOUPIX.

Além disso, outro dado interessante foi a mudança na maneira como esse budget é investido. Em 2017, a maior parte do investimento era direcionado a remunerar o trabalho das agências de publicidade ou de influência. Em 2019, o maior investimento acontece na produção e criação de conteúdo, consolidando uma tendência já identificada pela YOUPIX no ano passado.

“A nova era do Marketing de Influência está pautada no fato de que influência é a consequência de um trabalho de criação de conteúdo autêntico, capaz de gerar mudanças de comportamento, ideias e ações”, explica Bia Granja.

Por outro lado, percebemos ainda um nível de maturidade baixo em relação a como os influenciadores são usados em ações e os resultados que são medidos a partir daí.

53% das ações ainda estão concentradas na 1a etapa do funil de comunicação, com as marcas usando influenciadores apenas em ações de awareness ou promoção de mensagens. Isso se reflete na forma como a maior parte delas mede o resultado de suas ações: 50% considera apenas o alcance e engajamento dos posts feitos pelos influenciadores. Com apenas 16%, a venda de produtos ou serviços vem em 2o lugar no ranking de métricas,

Segundo Bia Granja, “esses dados demonstram uma mentalidade que vem emprestada do mundo da mídia offline, onde audiência e impacto são considerados importantes, em detrimento de métricas que indicam que a mensagem da marca está de fato sendo aceita e se tornando relevante junto à comunidade daquele influenciador”.

Para que as marcas tirem o melhor proveito do Marketing de Influência, é importante passar a realizar ações em outras etapas do funil de comunicação, deixando de medir apenas o impacto e entendendo, de fato, os resultados de negócio que os influenciadores estão trazendo.

Outros dados interessantes:

– 83% das marcas realiza ações remuneradas com influenciadores (eram 64% em 2017)

– 51% dos trabalhos é feito de forma pontual, sem continuidade na relação entre marca e influenciador

Fonte: Pipah Comunicação – Laize Lima

E-commerce deve crescer 16% em 2019

O aumento nas vendas movimentará R$ 79,9 milhões em mais de 87 mil lojas virtuais até o mês de dezembro

As novidades e tendências do mundo da tecnologia interferem diretamente na compra e venda de produtos e serviços. Com isso, também há uma mudança na experiência de compra no ambiente on-line, fazendo com que as pessoas consumam mais.

Imagem: Unsplash

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), estima-se que o faturamento das vendas no setor chegue a R$ 79,9 bilhões em 2019, um crescimento de 16% em comparação a 2018. O aumento nas vendas deve alavancar o setor e movimentar mais a economia do país. Ainda segundo a ABComm, o comércio eletrônico deve registrar um ticket médio de R$ 301 com um total de 265 milhões de pedidos até o fim de dezembro, totalizando 87 mil lojas virtuais. Micro e pequenas empresas também devem aumentar a sua participação no faturamento, chegando a 29%.

Com o cenário favorável, quem quiser aproveitar e surfar nessa onda precisa estar atento às novidades e oferecer inovações para seus usuários. “As tendências vão facilitar a vida do cliente na hora da compra, proporcionando uma experiência bem diferente, se comparada ao mercado tradicional. O uso da Realidade Aumentada (AR), por exemplo, é uma alternativa para atrair consumidores, pois permite que eles experimentem a sensação de comprar, sem precisar estar necessariamente em uma loja ou onde o produto está”, explica Danillo Saes, coordenador dos cursos de tecnologia da Educação a Distância (EAD) da Unicesumar.

Entre as possibilidades para se destacar neste mercado, o professor também lembra da chatbots, tecnologia que propõe mais qualidade para o atendimento; o blockchain, utilizado para acrescentar confiança e transparência de informações e dados para consumidores e lojistas, além dos pedidos por voz, como as famosas Siri ou Google, mas aplicados às compras. “Lojas virtuais devem continuar focando na experiência do consumidor, especialmente em dispositivos móveis, com a expectativa de que 33% das vendas sejam feitas por meio de smartphones ou tablets”.

Mas quem são esses consumidores? Saes explica que, os e-shoppers podem ser divididos em algumas categorias, definidas pela Officina Sophia, empresa paulistana especializada em conhecimento aplicado aos negócios.

Segundo a Officina Sophia, o cliente experience tech é aquele que apresenta baixo índice de fidelidade, sendo que 30% realiza mensalmente mais de uma compra pela Internet. Já o oportunista, se preocupa com as condições de entrega da mercadoria e sua confiabilidade. O experimentador é aquele consumidor impulsivo, mas que abandona a compra ao perceber que o valor ultrapassa o esperado. O fiel, por sua vez, apresenta o menor índice de abandono do carrinho virtual. Por fim, o negociador, que possui alto poder de barganha, faz pesquisa on-line para negociar em lojas físicas.

Mas, independentemente do perfil do consumidor, é preciso estar atento e tomar alguns cuidados básicos ao fazer compras em e-comemrces. “Nãos e pode esquecer de checar a idoneidade virtual da loja. Além disso, é muito importante verificar a existência de política de segurança, como o uso do “s” após o http – este “s” significa segurança. Outra boa alternativa é consultar o Ebit, que concede selos e mede a reputação de lojas virtuais e dados para o mercado on-line, E, por fim, é importante buscar a opinião de pessoas que já adquiriram produtos pelas lojas de interesse do consumidor”, completa Danillo Saes.

Fonte: NQM Comunicação – Assessoria de Imprensa Unicesumar – Andressa da Rosa

A sustentabilidade e a economia colaborativa já geram impactos no consumo

Consumo consciente é uma tendência que cresce em todas as idades e públicos. A economia colaborativa está ajudando esse movimento

O consumo consciente deixou de ser apenas discurso para estar cada vez mais presente no dia a dia das pessoas no mundo e, claro, no Brasil. Esse movimento, que envolve consciência sobre o bem coletivo passa a ganhar maiores proporções com o avanço da economia colaborativa, impactando significativamente a forma de consumir produtos e serviços. Essas conclusões são oriundas da pesquisa A Economia Colaborativa e os Impactos no Consumo, desenvolvida pela Officina Sophia Retail, empresa pertencente à holding HSR Specialist Researchers.

O estudo detectou que 56% das pessoas, com prevalência na Classe A, já ouviram falar de economia colaborativa e consumo consciente, bem como conhecem diversos aplicativos que promovem o consumo colaborativo. Um reflexo disso é que, para 63% dos respondentes, as empresas baseadas na economia colaborativa são mais inovadoras que as demais.

Outro ponto destacado no estudo é a relação das pessoas com as mais diferentes atividades da economia colaborativa para buscar alternativas mais sustentáveis, econômicas ou conscientes de consumo. Algumas opções são mais conhecidas e utilizadas como os aplicativos de transporte (97% dos entrevistados usa ou conhece); serviços de aluguel de casas por temporada (92%); aluguel de bicicletas (89%); compra e venda de produtos em sites (88%); e aplicativos de carona (87%).

O estudo mostrou também como as pessoas se comportam diante dessa nova realidade. De modo geral, elas não estão alheias às mudanças e fazem questão de participar de tudo com relação ao consumo consciente. Foram detectados três perfis: “O Consciente” (48% do total), para quem a economia colaborativa constrói comunidades fortes; “O Prático” (31%), que enxergam na economia colaborativa uma forma de vida mais econômica; e “O Distante” (21%), que entende o cenário como algo muito novo, sem consistência e ainda distante da sua realidade, mas precisa de mais informações. Nesse sentido, as mulheres se entendem mais “práticas”, enquanto homes se veem mais “distantes”. Quando o corte foi por classe social, percebeu-se a Classe A mais “consciente”.

O que fazem em relação ao consumo excessivo? Trocas. Nesse ponto, a economia colaborativa é uma grande aliada. Troca-se, por exemplo, o carro próprio por transportes públicos e/ou serviços coletivos como UBER. “A troca do material pela vivência é crescente. Pensar nesse consumo de forma consciente é um dos nossos novos desafios. Cabe às empresas entender e atender esse novo consumidor”, explica Valéria Rodrigues, diretora da Officina Sophia Retail, responsável pela pesquisa.

“Mais do que consumir menos, é saber consumir. Se preocupar com todas as etapas do consumo – antes, durante e depois. O processo de busca por informações é trabalhoso, pois as pessoas acham que apenas comprar um produto escrito ‘orgânico’ na embalagem já é suficiente, por exemplo. Quando, na verdade, o consumo consciente seria buscar a origem do produto, como a embalagem foi produzida, como são feitos os descartes etc.”, destaca Valéria.

Para alguns, ainda existe a percepção de que essa tendência faz parte de um modismo, no qual se acredita que muitas pessoas praticam no discurso, mas falham nas escolhas. Porém, isso não tira a grandeza do movimento que vem em uma crescente.

“Um dos pontos que ressalto a partir do estudo é que as pessoas estão aprendendo a consumir e usar melhor os recursos e facilidades que têm à sua disposição. É normal buscar a otimização dentro de casa ou no trabalho, para que o descarte seja menor. Além disso, passam a querer saber a origem dos alimentos que consomem (com bom destaque para a alimentação orgânica e vegana) e se preocupam a respeito de como, onde e de qual maneira deve ser feito o descarte. Isso está acontecendo, pois estamos sob o forte impacto da tendência de ‘consciência coletiva’, pela qual o indivíduo começa assumir o peso das responsabilidades sociais e ambientais”, conclui.

Metodologia – Para chegar aos resultados, foram entrevistadas on-line 1.670 pessoas, sendo 53% mulheres e 47% homens, em todo o Brasil, com idade entre 18 e 64 anos, das classes A, B e C. Separaram-se, na amostra, os jovens entre 18 e 26 anos, para compor a comunidade dos trend setters (pessoas que começam, marcam ou criam tendências e podem determinar quais são as tendências mais populares). Além disso, três entrevistados foram ouvidos com mais profundidade e compuseram os opinion leaders: Rodrigo dos Reis, CEO da Zeitgeist e especialista em Tendências; Ricardo Pastore, professor da ESPM e especialista em Varejo; e Ana Lavaquial, consultora de Economia Colaborativa e Inovação.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Franquia regional tem nova assessoria

Torteria Haguanaboka passa a ser atendida pela LM Comunicação

A partir do dia 24/01, a LM Comunicação, que tem à frente Liane Mota,  está responsável pela divulgação da expansão da marca Torteria Haguanaboka como franquia.

A rede Hagaunaboka possui 05 lojas franqueadas: três em São José dos Campos (Av. Nove de Julho, Shopping Colinas e Jardim Aquarius), uma em Taubaté (Taubaté Shopping) e uma em Mogi das Cruzes (Mogi Shopping). A marca projeta abrir novas lojas na grande São Paulo e em outras grandes cidades do interior, como Campinas e Ribeirão Preto, por exemplo.

O setor de franquias só tem crescido nos últimos tempos

Essa semana foram divulgados novos dados da ABF – Associação Brasileira de Franchising sobre o mercado: as franquias cresceram nacionalmente 7% em 2018, tendo o setor de franchising faturado aproximadamente 170 bilhões de reais nesse período. As lojas franqueadas também impulsionam a geração de empregos, tendo gerado diretamente 1,3 milhão de vagas em 2018, percentual 8% maior que em 2017.

Dança das cadeiras

Quem foi pra onde?

Seguimos trazendo um pouco da movimentação do mercado valeparaibano de comunicação e marketing. Confira os últimos movimentos!

O estudante de PP Carlos Eduardo começou uma nova etapa na Prospecto Marketing & Training como Estagiário de Criação. Ele já teve passagens por  Coaching Concurseiro e por Líder Copias, sempre atuando na criação.

O também estudante de PP Leonardo Krupinski assume o novo cargo de Criativo na Alchemy Big Data Solutions. Ele estava como estagiário de criação na Prospecto marketing & Training.

E a jornalista Francine Eustachio é a nova Assistente de Marketing na Opmat. Ela já acumula passagens pela ACOM (Unitau) e pela Elevadores Villarta.

Comércio tem saldo positivo nas vendas de Natal

As vendas de Natal em 2018 superam a expectativa doo empresários do comércio de São José dos Campos

Isso é o que aponta a nova pesquisa da Associação Comercial e Industrial em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Informação). O levantamento foi feito entre 9 a 11 de janeiro e ouviu 249 empresários, em locais estratégicos: Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e shoppings Center Vale, Vale Sul e Colinas.

Segundo o levantamento, 50,8% dos empresários acredita que as vendas de 2018 superaram o patamar de 2017. E para 73,6% dos entrevistados, o patamar de vendas foi classificado como bom ou excelente. A pesquisa corrobora levantamento parcial realizado pela ACI logo após o Natal, que apontava um aumento de 7% nas vendas de dezembro com relação ao mesmo período de 2017. Esse é o segundo ano consecutivo de alta nas vendas de Natal no comércio de São José dos Campos. Em 2017, o aumento nas vendas foi de 5%.

A nova pesquisa ACI/Unitau mostra ainda que 53% dos consumidores optaram por comprar dois presentes de Natal e 23,2%, três presentes. Pelo levantamento, o valor do tíquete médio foi de até R$ 150 pata 48% dos entrevistados.

Para o presidente da ACI, Humberto Dutra, os dados mostram a movimentação da economia pós-mudança de cenário político do Brasil. “A população está mais confiante, acredita que o panorama da nossa economia vai mudar ao longo de 2019”, afirmou Dutra.

Cartão

Com relação a forma de pagamento registrada pelos empresários, a maioria dos consumidores optou por cartão de crédito (78,5%), contra 21,1% pagando em dinheiro ou cartão de débito. Não foi registrado pagamento em cheque.

Fonte: Matéria Consultoria e Mídia – Nathália Barcelos