BMW Brasil apresenta Embaixadores e nova campanha

BMW Brasil apresenta Embaixadores e reforça atitude da marca em nova campanha de comunicação

Fiorella Matheis, Gabriel Wickbold, Tallis Gomes e Thiago Mansur compõem o time de embaixadores da fabricante;

Para selar o momento, marca lança Manifesto que ressignifica mobilidade, traduz o seu espírito de ousadia e a posiciona à frente das inovações no setor.

Ainda no começo de 2020, a BMW do Brasil surpreende o público e apresenta uma equipe de peso para representá-la em suas próximas ações e eventos. O movimento faz parte de uma estratégia de marketing e comunicação para dar o pontapé inicial em uma relação de co-criação que visa produzir conteúdos orgânicos junto a pessoas de protagonismo em áreas primordiais para a fabricante.

Os perfis dos Embaixadores possuem forte impacto em temas como arte, negócios, entretenimento e música. Entre eles, há em comum a legítima conexão com os produtos da fabricante alemã. O time é composto por: Fiorella Matheis, atriz e apresentadora; Gabriel Wickbold, fotógrafo paulistano conhecido por seu estilo dinâmico e inovador; Tallis Gomes, empreendedor e fundador da Singu e Thiago Mansur, DJ idealizador da dupla de música eletrônica JetLag e prestigiado nas pick-ups de casas noturnas famosas. Vale lembrar que Gabriel Wickbold expôs suas obras, no ano passado, na loja conceito da BMW, em Paris, além de ter desenvolvido uma arte exclusiva para o BMW Série 745 Le M Sport, exposto na Pop-Up Store da capital paulista, localizada no Shopping Cidade Jardim.

Ao mesmo tempo, a BMW lança um Manifesto, a marca expressa mensagens-chave acerca do seu posicionamento e perspectivas para hoje e o futuro, reforçando sua identidade – confira a íntegra abaixo. “Lançamos as duas ações em paralelo porque elas são complementares e mostram que o nosso DNA se conecta com os perfis que estamos começando a nos relacionar. O manifesto da marca possui profunda relação com a personalidade de cada Embaixador, começando pelo prazer (de dirigir), algo que faz parte da vida de cada um deles. Na sequência, trazemos a independência e a capacidade de inovar, impressa de forma singular na figura do Tallis. A ousadia para estar à frente, criar momentos de alegria e contagiar se faz presente no nosso dia a dia, assim como na essência do Thiago. Claro que não nos faltam adrenalina e entretenimento correndo no sangue e momentos emocionantes, assim como acontece no dia a dia da Fiorella. E, por último, não abrimos mão de pensar a Estética e Ousadia nos mínimos detalhes, o que também é essencial no trabalho do Gabriel.

“Nossa estratégia de embaixadores foi pensada de forma a trazer pessoas que possuem uma relação forte com a marca e que são apaixonadas por aquilo que fazem e capazes de transformar. Juntos temos uma grande sinergia, capacidade de inovar e criar momentos únicos”, contextualiza Jorge Junior., Head de Marketing da BMW do Brasil.

“Mais que influenciadores ou geradores de conteúdo, buscamos pessoas que tivessem impacto em seu meio e pudessem construir uma relação de construção compartilhada e orgânica com a BMW. Nesta parceria, atitude, agilidade, co-criação e inovação serão importantes características para reforçar os nossos conceitos de marca com os embaixadores. “afirma João Veloso Jr, Head de Comunicação Corporativa do BMW Group Brasil. “No ano que fazemos 25 anos de presença no Brasil, temos de aproveitar a jovialidade, alegria, atitude e reputação da marca para pensar nos próximos 25 anos de atuação. A comunicação e geração de conteúdo estão cada vez mais dinâmicos e trabalhando em diferentes meios e fronteiras, todos complementares”, reforça o executivo.

Confira a íntegra do Manifesto:

“Uma nova era de mobilidade começou.

É hora de renovar nosso espírito eterno.

Aquele que conecta a BMW a seus consumidores: PRAZER.

Nós somos soberanos em seguir nossos próprios passos.

Nós vivemos o que nós amamos. Nós somos verdadeiros a nós mesmos e INDEPENDENTES.

Nós sempre iremos ousar no novo, nos manter jovens e ativamente moldar o futuro. Nossas ações são VANGUARDISTAS.

A adrenalina corre nas nossas veias.

Nós somos direcionados pelo que é EMOCIONANTE.

Nós criamos o desejo e definimos o progresso com ESTÉTICA.

Ter ideias arrojadas é o nosso maior prazer.

Assim como nossos consumidores.

NÓS VIVEMOS O QUE AMAMOS.

NÓS SOMOS BMW.”

  • Serviço:

Ficha Técnica

Projeto desenvolvido e executado pela BMW do Brasil.

Produto: Campanha institucional.

Criação: Jorge Junior e João Veloso Junior.

Execução: Priscila Nascimento.

Imagem (adaptação): Raphael Ps

Vídeo: Fábio Prado

Trilha: Branca

Fonte: Assessoria de Imprensa do BMW Group Brasil

Jeep® e Globo apresentam segunda temporada do “Expedição Brasil”

Jeep® e Globo apresentam segunda temporada do “Expedição Brasil” no Esporte Espetacular

Projeto de branded content realizado em parceria entre Jeep®, Globo e agência F.biz mostra as aventuras dos repórteres Clayton Conservani e Talitha Morete a bordo dos Jeep Renegade e Compass

Após o sucesso da primeira edição, Jeep® e Globo renovaram a parceria para desenvolvimento do projeto de branded content “Expedição Brasil”. A iniciativa, que conta também com agência F.Biz, busca atrelar as mensagens da marca às aventuras vividas, ao redor do país, pelos repórteres Clayton Conservani e Talitha Morete, reforçando os quatro principais pilares de Jeep®: liberdade, aventura, paixão e autenticidade. No total, a série conta com seis episódios, exibidos aos domingos no ‘Esporte Espetacular’.

O primeiro capítulo da aventura estreou dia 01 de dezembro e a jornada continuará a ser transmitida até 23 de fevereiro. Em cada episódio, a dupla Clayton Conservani e Talitha Morete visita lugares inexplorados do Brasil. Juntos, mostram toda a vivência dessa aventura repleta de emoção e esportes radicais, atrelada a capacidade off-road das versões Trailhawk dos Jeep Renegade e Compass. Na segunda temporada, a equipe visita locais como o Pico das Agulhas Negras (RJ), Cavernas do Petar (SP), Serra das Confusões (PI), Campo Novo do Parecis (MG), Fernando de Noronha (PE) e Chapada Diamantina (BA).

“Para explorar e mostrar os diversos significados do que é o Espírito Jeep, nós revalidamos parcerias com projetos que conectam o público de um jeito autêntico com a marca e o meio ambiente. Ano passado, em parceria com a Globo, realizamos a primeira temporada da “Expedição Brasil” com quatro capítulos e a repercussão foi tão positiva que motivou essa segunda temporada, agora com seis episódios. A nova edição desse projeto de branded content fortalece nossa busca por projetos originais pensados para veiculação na TV, como o documentário “O Mar Transforma”, veiculado no Canal Off, e amplia o nosso posicionamento em compartilhar experiências que personifiquem os pilares da Jeep”, afirma Frederico Battaglia, diretor de Brand Marketing Communication da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) para a América Latina.

Entre as mais diferentes paisagens do solo nacional e sempre a bordo de um Jeep, a dupla divide o que passou ao desbravar cantos remotos do Brasil e compartilha as suas experiências em esportes como escalada, rapel, canoagem e mergulho. Nos episódios já exibidos, Clayton e Talitha, subiram mais de dois mil metros do Pico dos Agulhas Negras localizado na cidade de Itatiaia; entraram na Caverna do Petar situada no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira e aberta apenas para cientistas; conheceram uma gruta com pinturas pré-históricas na Serra das Confusões, região sudoeste do Piauí; e enfrentaram corredeiras de três rios diferentes em um mesmo dia no Campo Novo do Parecis, munícipio do Estado de Mato Grosso.

Ainda com mais duas expedições para serem transmitidas na TV, a corajosa equipe mostrará como foi a viagem em Fernando de Noronha e na Chapada Diamantina. Além de mostrar os desafios de Cleyton e Talitha, a série também expõe a versatilidade do Jeep Compass e Jeep Renegade, que atravessam os mais diversos ambientes com tecnologia produzida direto do Polo Automotivo Jeep – Goiana (PE).

Parte do projeto, um especial no GloboEsporte.com reúne todos os episódios e apresentações completas das funcionalidades do Jeep Renegade e Jeep Compass (https://expedicaobrasil.globoesporte.globo.com/?_ga=2.67539985.1692278165.1578922221-1101678133.1578251996). Dentre os conteúdos exclusivos sobre as características de cada um dos modelos, pequenos vídeos explicam como funcionam o teto solar panorâmico elétrico command view, a tração 4×4 com seletor de terrenos e o sistema Keyless Entry N´Go, que destrava as portas quando a chave está próxima do veículo, no Jeep Renegade. Já para o Jeep Compass, os trechos animados abordam funções como a comutação automática dos faróis, o controle de cruzeiro adaptativo e o monitoramento de ponto cego.

Fonte: MSLGROUP Espalhe – Gabriel Grunewald

O consumidor e a compra de material escolar

ACIT divulga pesquisa sobre comportamento dos consumidores em relação à compra de material escolar

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realizou uma pesquisa junto aos consumidores da cidade que tem filhos em idade escolar ou são estudantes, para saber qual é o comportamento em relação as compras de material escolar.

Dentre os entrevistados, a maioria era composta pelo sexo feminino (57,1%), sendo a maior parte com faixa etária entre 25 a 40 anos (33,8%) e entre 41 a 60 anos (31,9%). Em relação a renda familiar, 55,2% está na faixa entre “R$ 2.000,01 a R$ 3.000,00”, 30,5% entre “R$ 3.000,01 a R$ 4.000,00”.

Obs: Os dados divulgados na arte estão somados em algumas categorias, por isso estão diferentes do texto, onde estão divulgados de forma mais detalhada.

Das pessoas que tem alguém em casa que está em idade escolar, 52,7% estudam em escolas públicas, 22,3% em escolas particulares, 11,2% em escolas estaduais, 0,4% tem pessoas que estudam na faculdade. Somente 13,4% deles não tem ninguém estudando.

Quanto a necessidade da compra de material escolar, 64,5% disseram “sim”, que terão que comprar, 20,4% disseram “não”, 7,8% disseram que já compraram e 7,3% disseram que a própria escola fornece.

Uma das preocupações da pesquisa era levantar como os consumidores se preparam para esse período, se fazem alguma reserva e se pesquisam preços. Sobre um planejamento financeiro para as compras, 37,4% manifestou que faz isso “às vezes”, 36,2% “quase sempre”, 15,3% “sempre”, 9,2% “raramente” e 1,8% “nunca”.

Sobre a frequência com que as pessoas fazem a pesquisa de preço antes da compra, 42,3% disse “quase sempre”, 29,4% “sempre”, 26,4% “às vezes”, 1,2% “nunca” e apenas 0,6 respondeu “raramente”.

Desses, mais de 90% realizam ou preferem realizar suas compras nas lojas físicas, e a justificativa para esse comportamento é porque eles gostam de ver o produto ou porque não gostam de esperar a entrega. Além disso, 12,4% dos consumidores acredita que as lojas físicas oferecem maiores promoções e descontos.

Em relação reaproveitam o material escolar que sobrou no ano anterior, a maioria (89,6%) respondeu que sempre reutiliza. Já a compra coletiva não é usual entre os entrevistados.

Os gastos são também uma preocupação, e a previsão da maior parte dos consumidores (43,8%) em relação ao ano passado é gastar menos, 32,5% disseram que pretender gastar a mesma quantia e 23,8% acreditam que vão investir mais. Esse comportamento se confirma porque ao serem questionados porque pretendem gastar menos, 37,0% disseram que estão sem dinheiro e 22,5% disseram que estão reduzindo custos. O preço continua sendo o grande chamariz para a venda, seguida por promoções e sorteios

Quanto aos valores, as faixas seguem a seguinte porcentagem: 38,8% espera gastar “de R$ 100,01 a R$ 200,00”, 28,1% entre “R$ 200,01 a R$ 300,00”, 18,8% “até R$ 100,00”, 13,8% entre “R$ 300,01 a R$ 400,00” e apenas 0,6% espera gastar “de R$ 400,01 a R$ 500,00”, e a preferência (63,8%) é para pagamento à vista e em dinheiro (31,8%).

A pesquisa foi realizada pela FAPETI (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação da Universidade de Taubaté) no período de 14 a 20 de janeiro de 2020 e foram entrevistadas 210 pessoas. A margem de erro é de seis pontos percentuais para mais ou para menos.

Fonte: Assessoria de Imprensa – Bruna Abifadel

4 em cada 10 brasileiros já fizeram compras na internet, aponta CNI

Pesquisa mostra que parcela da população que utiliza comércio eletrônico quase dobrou desde 2013.

Mas fatia de consumidores que afirma nunca comprar produtos piratas subiu de 28% para 45%

O comércio eletrônico tem se consolidado como opção para o brasileiro que busca adquirir produtos e serviços com mais comodidade e por menor preço. Entre 2013 e 2019, a parcela da população que realizou compras pela internet quase dobrou, passando de 23% para 42%, percentual que sobe à medida em que aumentam a renda familiar e a frequência em que se costuma acessar a rede mundial. Além disso, a parcela de brasileiros que afirma nunca comprar produtos piratas subiu de 28% para 45%.

Um panorama dos hábitos do consumidor brasileiro e o comércio eletrônico está na pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira 51 – Perfil do Consumidor: Consumo pela Internet, pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O estudo mostra que as principais vantagens percebidas nas compras pela internet são produtos mais baratos e acessíveis, além da praticidade e da comodidade. Conheça abaixo as principais conclusões da pesquisa:

RENDA MAIOR, COMPRAS MAIS FREQUENTES – Embora 42% dos brasileiros já tenham feito compras pela internet, essa média esconde diferenças importantes nos hábitos de consumo conforme o perfil do consumidor. A pesquisa mostra, por exemplo, que 74% dos brasileiros com renda familiar superior a cinco salários mínimos já fizeram compras pela rede mundial.

Essa parcela cai para 59% entre pessoas com renda entre dois e cinco salários mínimos e para 37% na faixa entre um e dois salários mínimos. Entre brasileiros com renda familiar de até um salário mínimo, apenas dois em cada 10 consumidores recorreram ao comércio eletrônico.

Imagem de Pete Linforth por Pixabay

Além de comprar mais, as pessoas com maior renda também recorrem com maior frequência ao comércio eletrônico. Se considerados apenas os consumidores que já compraram pela internet, 34% daqueles com renda familiar acima de cinco salários mínimos consomem online sempre. Esse percentual cai para apenas 9% com renda familiar abaixo de um salário mínimo.

PRODUTOS E SERVIÇOS – O brasileiro adquire mais produtos do que serviços pela internet. Entre os que realizam compras online pelo menos uma vez, 98% mencionam ter comprado produtos e 75%, serviços. Uma explicação, segundo a pesquisa, é que os produtos se referem àqueles consumidos por todas as faixas de renda, como vestuário, calçados, eletrônicos e eletrodomésticos.

Já os serviços disponíveis online costumam ser menos adquiridos pelo consumidor de menor renda, como refeições em restaurantes, opções de lazer, viagens aéreas e serviços de transporte por aplicativo. “O consumo de produtos alcança mais brasileiros que o consumo de serviços, porque o tipo de serviço oferecido online é mais voltado para brasileiros de renda mais alta”, aponta a pesquisa.

De acordo com o levantamento, os produtos mais comprados pela internet são eletrônicos (TV, celular, videogames etc), citados por 43% dos entrevistados. Essa categoria é seguida por calçados, bolsas e assessórios (31%); vestuário (23%); eletrodomésticos (18%) e livros (16%). Já os serviços mais consumidos são refeições (16%); música, jogos e filmes em serviços de streaming (16%); ingressos para shows e cinema (15%); transporte urbano (15%) e passagens aéreas (12%).

CAI CONSUMO DE PRODUTOS PIRATAS – Entre 2013 e 2019, o percentual de brasileiros que afirmam nunca comprar produtos piratas subiu de 28% para 45%. A maior queda ocorreu entre aqueles que afirmam comprar essas mercadorias às vezes, caindo de 34% para 23% da população. O hábito, no entanto, é mais frequente entre os brasileiros mais jovens: 71% daqueles com idade entre 16 e 24 anos afirmam comprar produtos piratas, mesmo que raramente. O percentual cai para 28% entre os brasileiros com 55 anos ou mais.

Segundo a pesquisa, um dos fatores para a redução na compra de produtos piratas foi o surgimento de plataformas de streaming, por exemplo, que tornaram possível o acesso a músicas e filmes a preços menores, o que reduziu a demanda por CDs e DVDs no mercado clandestino.

MAIS CÔMODO E MAIS BARATO – Segundo os entrevistados, o preço mais baixo/acessível é a maior vantagem de se realizar compras pela internet. O fator é apontado por 37% da população, seguido pela praticidade, com 16%. Na contramão, os consumidores também apontam desvantagens na hora de irem às compras online. A dificuldade em trocar ou devolver produtos foi observada por 26% das pessoas ouvidas. A demora na entrega (22%) e a falta de contato com o produto (15%) aparecem como outros fatores negativos no comércio eletrônico.

Fonte: Jornalismo – CNI

Vídeo novo

Tem vídeo novo do Publicitando

Gostamos de compartilhar pesquisas que descobrimos em publicações idôneas. E fizemos mais um vídeo que traz dados de uma pesquisa em torno dos usos e hábitos em relação às redes sociais.

A pesquisa foi matéria da Meio&Mensagem e foi originalmente divulgada na plataforma Gente, da Globosat. Foi realizada pela Diário de Campo pesquisa e recebeu o nome #hashtagseguidores.

Confira:

O que são “Martechs” e quais soluções elas oferecem?

O Brasil possui 266 startups de marketing e o Liga Insights mapeou as inovações da área e os desafios para os próximos anos

No Brasil, são 266 martechs – startups da área de marketing que oferecem soluções específicas para o setor e suas operações -, segundo levantamento realizado pelo Liga Insights em outubro deste ano, com o objetivo de discutir as inovações da área e levantar os próximos passos do mercado.

Image by mohamed Hassan from Pixabay

O marketing hoje é considerado um dos principais elos entre a inovação e clientes internos e externos das empresas. O Liga Insights analisou e mapeou as startups que estão entregando soluções para o segmento a partir de um banco de dados com mais de 16 mil startups do Brasil. As soluções foram divididas em 15 categorias e a maioria das startups estão em Analytics, Data e Performance (46 startups); Fidelidade do Cliente (37 startups); Plataforma de Atendimento e Conectores (35 startups).

O estudo também mapeou outras categorias como Conteúdos Interativos (24 startups); Ferramentas de Comunicação (21 startups); Social e Comunicação (20 startups); CRM, Customer Experience e Customer Success (19 startups); Automação de Marketing (16 empresas); Pesquisas Reviews e Feedbacks (15 startups); Gestão de Geração de Conteúdos (14 startups); Vendas e Geração de Leads (11 startups) e Marketing de Aproximação (8 startups).

Customer Experience: por que a experiência do seu cliente é tão importante?

O Customer Experience já não é mais tendência, porém continua sendo uma das grandes preocupações da área de marketing. De acordo com o estudo do Liga Insights, apenas 14% dos profissionais de marketing enxergam que a centralização no cliente é uma característica fundamental das empresas onde trabalham. Em sua pesquisa mais recente sobre o tema Customer Experience, lançada em novembro deste ano, o Liga Insights indicou quais as preocupações e responsabilidades do setor. Para analisar a experiência do consumidor foram entrevistados mais de 30 especialistas, empreendedores, profissionais e pesquisadores de grandes empresas como Nubank, Dafiti, Itaú, iFood, ESPM, ContaAzul, Panasonic, ThoughtWorks, LEADR e Dito.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

75% das empresas pretendem ampliar seus investimentos em soluções tecnológicas capazes de potencializar a experiência do cliente, incluindo ferramentas de customer analytics, de análise das necessidades e da jornada do consumidor e de personalização da experiência. As principais tendências tecnológicas que vão contribuir para o terreno de CX envolvem o uso de inteligência artificial tanto para aplicações mais básicas como bots de atendimento, quanto com aplicações para análise de sentimento do cliente e personalização da experiência.

Segundo Raphael Augusto, responsável pelo Liga Insights, em termos de tecnologia, é possível observar o uso de dados como o principal aliado na individualização e customização das ações de marketing. “Trazer a inteligência dos dados para esse contexto pode resultar numa maior assertividade e individualização dos clientes, garantindo, por exemplo, uma conversão mais eficiente e um tratamento e relacionamento mais personalizado”, comenta.

Descubra as referências do marketing focado no consumidor

O mapeamento do Liga Insights apontou os dez hábitos que empresas de referência centradas no consumidor deveriam ter, a partir de uma pesquisa realizada pela Gartner’s Marketing Technology Survey. São eles:

Estudos constantes do usuário;
Fazer follow-ups para interpretar feedbacks;
Tomar medidas proativas para antecipar as necessidades;
Construir empatia dentro de um processo e políticas;
Proteger a privacidade do usuário;
Intercambiar conhecimentos internos sobre os diferentes tipos de perfil;
Motivar colaboradores para manterem-se comprometidos
Criar ações sistemáticas para melhorar a experiência do cliente;
Adaptação de demandas em tempo real
Desenvolvimento do processo de responsabilidade;

Mercado da publicidade programática

Entre as startups que oferecem soluções inovadoras no Brasil, a Denakop – startup que facilita a ativação de publicidade em sites de pequeno a grande porte -, destaca-se com a publicidade programática. A empresa aponta que pode aumentar o faturamento dos parceiros em aproximadamente 35% utilizando uma tecnologia que permite ativar ou desativar formatos publicitários com um botão.

Para Marcos Viesti, sócio-diretor do Denakop, o mercado de publicidade programática ainda tem muito a crescer. “A nossa empresa enxergou a necessidade de traduzir toda essa parte burocrática deixando a publicidade mais simples e intuitiva, dissolvendo essas barreiras para abrir os horizontes do publisher brasileiro”, completa Marcos.

Fundada em 2011, hoje a empresa possui 120 clientes entre os portais: Metrópoles IstoÉ, Olhar digital, RBS e Fatos Desconhecidos e gerenciam mais de 600 milhões de requisições de publicidade por mês. A tecnologia oferecida pela startup não possui custo de adesão ou multa de rescisão. Além disso, proporcionam ao publisher uma implementação simples – por meio de uma tag o cliente tem acesso a mais de 15 formatos publicitários pré mapeados.

Fonte: Agência NoAr – Kênia Brandão

Consumidor está otimista para as compras de Natal

Pesquisa ACI/Unitau revela que consumidor deve gastar acima de R$ 400 nas compras de Natal deste ano em São José dos Campos

Uma boa notícia para o comércio de São José dos Campos: o consumidor da cidade está otimista com as compras de Natal.

Isso é o que revela a mais recente pesquisa sobre tendências do consumo feita pela Associação Comercial de São José dos Campos em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação). Para compor o levantamento foram ouvidas 394 pessoas entre os dias 25 e 29 de novembro em pontos estratégicos do comércio da cidade: Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e nos shoppings CenterVale, Colinas e Vale Sul. A margem de erro da pesquisa ACI/Unitau é de 5 pontos percentuais para mais ou para menos.

Os números do levantamento são positivos: 65% dos consumidores vão às compras de Natal este ano, acima do patamar inicial de 2018 (60%).

Para o presidente da ACI de São José dos Campos, Humberto Dutra, esse otimismo já está sendo sentido pelo comércio. “Os consumidores anteciparam as compras de Natal este ano. As lojas já estão abertas até mais tarde desde o final de novembro, o que nos leva a crer que este será o melhor Natal para o comércio de São José dos Campos desde 2012. Em 2018 tivemos um crescimento de 7% a 8% sobre o ano anterior e, em 2019, o crescimento deve bater a casa dos 10%”, disse.

De forma resumida e por tópicos, a pesquisa ACI/Unitau revela:

13o. salário
25,9% dos consumidores disseram que vão usar o 13o. salário para compras de Natal. Outros 27,1% vão colocar o dinheiro na Poupança e 26,9% devem utilizar o 13o para saldar dívidas.

Número de presentes
43% dos consumidores disseram que vão comprar de dois a três presentes neste Natal. Outros 11,7% devem comprar até quatro presentes.

Valores
41% dos consumidores devem gastar acima de R$ 400 nas compras de Natal. Outros 19,5% devem gastar de R$ 201 a R$ 300, seguidos de 16,3% que planejam gastar de R$ 101 a R$ 200.

Tipo de presente
44,9% dos consumidores planejam comorar roupas de presente de Natal. Brinquedos (22,9%) e calçados (19,8%) também foram citados com destaque.

Formas de pagamento
76,1% dos consumidores disseram que vão pagar à vista suas compras de Natal. Do total geral, 48% planejam pagar em dinheiro e 26,6% vão usar cartão de débito.

Física vs. virtual
82,9% dos consumidores pesquisados disseram que preferem fazer suas compras em lojas físicas. Desse universo, 36,7% disseram que gostam de ver o produto a ser comprado, 16,4% optam pela segurança na compra, 12,6% afirmaram ter mais segurança em relação à troca do produto e 12% querem ter o prazer de ir às lojas e comprar. No universo de consumidores que preferem lojas virtuais, 40,3% buscam preços menores e 31,9% optam por evitar filas.

Atenção
66,4% do público pesquisado disseram pesquisar preços antes da compra.

O que atrai
31,2% dos consumidores afirmaram que preço é o mais determinante na hora da compra. Outros 27,4% disseram que bom atendimento é fator principal e 21,8% citaram qualidade do produto como essencial.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

Taxa de penetração das redes sociais na América Latina é de 66%

Dados apontam que o Instagram é a rede preferida dos brasileiros e que o número de usuários aumentou em 230%

Dar aquela “olhadela” nos aplicativos sociais durante as folgas do dia já virou rotina. Por isso, o Cuponation, plataforma de descontos online, reuniu os melhores dados sobre o Instagram – que é uma das redes sociais mais utilizadas.

O Statista, portal online de estatísticas, revelou um levantamento feito este ano sobre a taxa de penetração das redes sociais em regiões do mundo todo. No ranking, a penetração das mídias sociais na América Latina ficou em 3º lugar, com cerca de 66% da região usufruindo dos apps do gênero.

Surpreendentemente, a Ásia Oriental e a América do Norte disputam o primeiro lugar da lista, com 70% de inserção das redes nas regiões. O segundo lugar ficou com o Norte da Ásia, com 67%. Por último ficou a África Central, com apenas 7% da população utilizando esse tipo de serviço de comunicação. A taxa da média global ficou em 45%.

Uma segunda pesquisa também feita pelo Statista registrou que em janeiro de 2019 o Instagram, em conjunto com a ferramenta Stories, já havia conquistado 500 milhões de usuários ativos diariamente pelo mundo. Ao comparar este número com o último dado levantado em junho de 2018, em que o número de usuários alcançava 450 milhões, o aumento é de 11,11%.

Entretanto, se compararmos o começo de 2019 com o mesmo período do ano de 2017 (na qual o número de usuários era de 150 milhões), verificamos que em apenas 2 anos a rede social cresceu e ganhou visibilidade em mais de 230%.

O portal ainda divulgou em abril deste ano que os maiores públicos do Instagram são Estados Unidos, Brasil e índia. Em confirmação com este dado, o Statista revela o Instagram é a mídia preferida pelos brasileiros.

O relatório Digital In 2018 já havia publicado que o brasileiro está entre os dois primeiros países no ranking da população que fica mais tempo nas redes sociais, sendo em média mais de 3h e meia por dia.

O Cuponation estimou, em um estudo feito no meio deste ano com 329 jovens brasileiros de classe média com idade entre 18 e 25 anos, que estes costumam passar cerca de 1h30 por dia apenas no Instagram.

No entanto, o aumento de usuários do aplicativo não se dá apenas por causa dos jovens, pois é preciso ressaltar que a mídia social está inovando com novidades para o mercado. Depois de perceber que a forma mais rápida de chegar ao público é por meio das redes sociais, o lojista agora faz sua própria loja online – idéia que agrada à equipe do Instagram, que apoiando o lojista e o consumidor/usuário se beneficia com a tráfego da rede e uma possível monetização.

Hoje em dia, até mesmo marcas como Amaro, Renner, C&A, Zara, entre outras, já possuem um perfil de venda na rede mesmo tendo o próprio site como plataforma oficial. “A ideia é lançarmos, também, campanhas publicitárias destinadas ao público final, inclusive com a realização de eventos”, afirma Beatriz Bottesi, country marketing manager do Instagram no Brasil, em entrevista para o UOL.

Fonte: Cuponation – Giovanna Rebelatto

Marcas ganharam visibilidade na Black Friday 2019

Levantamento mostra quais marcas foram mais procuradas pelos consumidores, nos dias anteriores à Black Friday

A Black Friday 2019 revelou que o consumidor brasileiro está mais atento às marcas que investem na Black Friday, motivo pelo qual ganharam destaque na preferência do público, notadamente as lojas de varejo físicas e digitais. Essa foi uma das constatações do levantamento realizado, em conjunto, pelas empresas Blend New Research e Shopper Experience, pertencentes à holding HSR Specialist Researchers. Desde 11 de novembro, as consultorias monitoraram campanhas publicitárias e ouviram, por meio de painel online, 5.880 consumidores de todas as regiões do País.

De acordo com o estudo, marcas de lojas de varejo foram mais lembradas pelos entrevistados do que as de produtos. Quando perguntados se lembravam de campanhas da Black Friday nos últimos dias, independentemente do tipo, 81% dos respondentes disseram que sim. As lembranças com relação às marcas foram, na ordem: Casas Bahia (citada por 25,19% dos entrevistados), Americanas (25,17%), Magazine Luiza (22,94%), TIM (10,23%), Netshoes (10,14%), Samsung (9,72%) e Vivo (7,83%).

Para Valeria Rodrigues, diretora da Shopper Experience, isso ficou mais evidente quando se percebe que as empresas varejistas têm tradição de começar suas campanhas bem antes da data em si (29 de novembro). “Independentemente da mídia, as campanhas das lojas de varejo tendem a ser mais massivas. Mesmo que sejam apresentadas ofertas de produtos, o que fica na cabeça do consumidor é quem vende”, afirma, assegurando que essa pode ser uma oportunidade para os fabricantes, pois o público tem demonstrado interesse cada vez maior em adquirir produtos e serviços que estão na sua lembrança.

No tocante a produtos, a pesquisa mostrou que o consumidor quer aqueles que precisam de constante atualização tecnológica, e nesse sentido os eletroeletrônicos tiveram grande destaque. No levantamento, os mais procurados foram celulares (pesquisados por 50,87% dos consumidores), televisores (31,9%), roupas (17,6%), computadores e notebooks (7,12%), e geladeiras (6,85%). Interessante, segundo ela, é ver que itens como pacotes de viagens e fast food, entre outros itens, começam a aparecer no radar do consumidor.

A pesquisa também observou como o consumidor estava percebendo a edição deste ano em comparação com o ano anterior. De acordo com o levantamento, 61% das pessoas ouvidas entenderam que os preços, este ano, estavam melhor que em outros meses do ano e em comparação a mesma data em 2018. Para 34% estavam no mesmo nível e somente 5% tiveram a percepção que estavam mais altos. Esse cenário demonstra o ganho de confiança da Black Friday, que abandona a imagem de ser apenas uma ação de comunicação promocional, sem trazer o benefício real de preços mais baixos.

Lucas Pestalozzi, diretor da Blend New Research, ressalta outro ponto interessante do levantamento, sinalizando que 52% dos respondentes pretendiam comprar na Black Friday deste ano. “As marcas precisam enxergar as oportunidades de contato – e venda – com o público. Essa consolidação abre espaço mercadológico para que novas datas sejam incluídas no calendário do varejo brasileiro, assim como a Cyber Monday, que, ainda tímida, já passa a ser vista. Anunciantes, setores de produção, prestação de serviços e varejo devem olhar com mais cuidado para esse tipo de ação”, defende. Ele enfatiza, ainda, que quanto mais empresas – de todos os segmentos – aderirem, com promoções realmente efetivas, mais credibilidade a data terá.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Censo de agências

Entidades reunidas para realizar censo

Um importante panorama da atividade publicitária é efetuado desde 2014. Trata-se do Censo Agências. Realizado pela Operand e com apoio dos principais órgão ligados à atividade publicitária – como APP e Fenapro – o questionário para o censo 2020 já está disponível.

Trata-se da principal pesquisa sobre gestão voltada para o mercado de comunicação, publicidade e marketing no país.

Se você é dono de agência responda. É só clicar aqui!