Pesquisa mostra relação das crianças com gadgets

Pesquisa da CRESCER revela que 38% das crianças de até 2 anos possuem algum dispositivo eletrônico

Estudo também traz queda positiva no comportamento dos pais ao liberarem os gadgets na hora das refeições: 37% liberam o uso, atualmente, contra 84% em 2013

A tecnologia digital e a internet fazem parte do nosso dia a dia e da rotina das crianças. E tudo indica que esse é um caminho sem volta. Uma pesquisa realizada pela CRESCER, e que estará nas páginas da edição de julho da revista a partir do próximo dia 27, revela a influência da tecnologia no dia a dia das crianças brasileiras. Segundo o levantamento, feito com 2.044 pais e mães, com filhos de 0 a 8 anos, 38% das crianças já têm um dispositivo eletrônico, como celular, tablet, computador, videogame ou TV.

Para este estudo, também foi feito um comparativo com dados de outra análise similar de 2013, com 1.045 participantes com filhos na mesma faixa etária. Neste mesmo quesito, no passado, só 6% eram donas de um aparelho. Isso significa um aumento de seis vezes em cinco anos.

Outro destaque do levantamento é que 47% das crianças têm algum influenciador digital ou canal que acompanha com frequência. Para este caso, a neuropediatra Liubiana Arantes de Araújo, presidente do Departamento de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria, alerta que é preciso avaliar se o conteúdo é violento, sexual ou incentiva o consumismo, o que é comum em vídeos feitos para e por crianças. “É natural que as crianças copiem os gestos, o linguajar e até a forma de pensar dos youtubers, o que nem sempre condiz com a educação que a família preconiza”, afirma a médica.

Entre os achados que mais se destacam, eis uma boa notícia: caiu o número de famílias que permitem o uso de aparelhos eletrônicos durante as refeições ou antes de dormir. Por outro lado, aumentou o tempo que meninos e meninas passam diante de algum tipo de tela – dos televisores aos smartphones. Hoje, 47% deles gastam mais de três horas com a atividade. Há cinco anos, o volume era de 35%.

Confira dados da pesquisa completa:

Aumentou o número de crianças com seu próprio gadget

● 38% das crianças até 2 anos possuem algum dispositivo (computador, smartphone, tablet, TV, videogame). Em 2013, apenas 6% tinham seu próprio aparelho.

● 49% das crianças já têm seu próprio tablet.

● 20% das crianças já têm seu próprio smartphone.

O computador é o dispositivo mais compartilhado na casa pela criança com os outros moradores e/ou irmão (93%). Na sequência aparecem TV (83%), Smartphone (80%), tablet.

● 47% das crianças têm algum influenciador digital e/ou canal que acompanha com frequência.

● 45% das crianças passam mais de 3 horas por dia no videogame.

● 5% das crianças até 2 anos já têm perfil nas redes sociais (em 2013, apenas 1% tinha perfil).

Cresce o tempo das crianças gasto em frente as telas

● 43% das crianças passam mais de 3 horas em frente ao computador. Em 2013, somente 2% ficavam em frente a essa tela nesse mesmo período de tempo

● 30% passam mais de 3 horas diárias no tablet.

● 26% passam mais de 3 horas diárias no celular.

Comportamento dos pais

● 60% acham que os dispositivos preparam melhor o filho para o futuro.

● 59% acreditam que os gadgets são importantes para distrair os filhos enquanto fazem suas atividades.

● 51% ficam preocupados com o fato de o filho deixar de brincar para usar os gadgets.

Queda positiva

● Em 2013, 84% dos pais deixavam o filho usar algum dispositivo na hora de ele comer. Em 2018, somente 37% permitem esse hábito.

● A maior preocupação de 83% dos pais em relação aos dispositivos é sobre os conteúdos impróprios para a idade

Atividade preferida

O que as crianças mais gostam de fazer nos gadgets é assistir a vídeos, sendo essa atividade preferida para:

● 72% no smartphone

● 67% no tablet

● 65% no computador

Fonte: Assessoria de imprensa Revista Crescer – Giuseppe Mari

Novo conteúdo em áudio

Pesquisa sobre universo digital

O nosso conteúdo de áudio dessa semana traz dados de uma importante pesquisa realizada sobre o universo das mídias sociais e as marcas/anunciantes.

Vale muito a pena conferir!

 

Transformação digital e a produtividade em vendas

Aumentando a produtividade de vendas com a Transformação Digital na indústria de Bens de Consumo

* por Sandra Vaz

A Transformação Digital nasce com a adoção de novas tecnologias. Novas máquinas, IoT, IA, robots e softwares representam o primeiro passo. O segundo é envolver seus colaboradores dentro da nova realidade. Quando estamos falando da equipe de vendas, esse é um ponto ainda mais crucial.

Aumentar a produtividade em vendas é provavelmente o sonho de 10 em 10 CEOs. O crescimento em vendas é o termômetro do sucesso de uma organização, é um tema para o qual todos olham e lutam pelo crescimento. Já a produtividade é a capacidade de, com os mesmos recursos, melhorar os resultados obtidos, a margem da empresa e a Transformação Digital é um passo decisivo para essa conquista.


Sandra Vaz, Chief of Sales & Marketing da MC1

Mas quais são os impactos desse novo momento para a área de vendas? Os primeiros reflexos são, certamente, os clientes e os vendedores. Com os avanços das tecnologias, cada um deles adquire uma nova postura. Os consumidores de hoje são pessoas empoderadas, que estudam sobre seu produto de desejo na Internet e muitas vezes chegam até as lojas já com todas as informações necessárias para concluir sua compra. Eles conhecem os produtos da concorrência e lutam pelos seus direitos. Nesse cenário, os vendedores precisam estar preparados para lidar com clientes bem informados e com pouco tempo para tomar decisões.

Por outro lado, as empresas e seus vendedores também possuem informações valiosas sobre seus clientes. Através de tecnologias como big data e redes sociais, os clientes estão muito mais abertos para receber e também ceder suas informações. Na busca por uma verdadeira experiência do usuário, o cliente permite acesso aos seus perfis nas redes, dados demográficos e muito mais.

As empresas e lojas, principalmente através do CRM, conseguem traçar facilmente o perfil de cada indivíduo e ter informações como a frequência das compras, preferências de marca, etc. Os dados não são captados apenas no momento final da compra. Isso prova que, com a Transformação Digital, o processo de venda foi fragmentado, dividindo-se a responsabilidade com mais áreas da empresa, e não apenas com a equipe de vendas. O Marketing, a Logística, o Pós-Venda: tudo tem reflexos importantes no momento da venda, pois geram dados e insights poderosos para gerar uma nova venda com menos esforço e mais assertividade. Isso aumenta a produtividade sem necessariamente aumentar os custos.

Sempre com o apoio dos dados coletados, o vendedor consegue conhecer a fundo o comportamento do mercado, a jornada de compra do seu cliente e até mesmo algumas de suas informações pessoais e preferências. Cabe ao profissional aprender a utilizar esses dados para otimizar seus processos, aumentando suas vendas.

Com o desenvolvimento tecnológico, teremos ainda mais pontos de coletas de dados durante a cadeia de conhecimento, interesse e compra do cliente. Com a interpretação correta dessas informações, as empresas saberão exatamente quando o cliente precisa realizar uma nova compra, pois seu perfil já terá sido estudado e suas necessidades e dores já são conhecidas. Hoje, as empresas já conseguem trabalhar com análise preditiva de dados. Em pouco tempo, acredito que teremos números surpreendentes e uma produtividade recorde para as equipes de vendas através da inteligência artificial, imagem e voice recognition. Os ganhos passarão facilmente da ordem dos bilhões.

A Transformação Digital representa um ganho em produtividade sem precedentes para qualquer negócio. Não basta apenas conhecer as novas técnicas e receber os novos dados: é preciso redesenhar processos e aplicar as diferentes soluções e plataformas, integrando-os à rotina de suas equipes. Para isso, um bom caminho é consultar empresas especialistas no assunto. A adoção das mais recentes tecnologias pode necessitar de treinamento inicial , mas profissionais com experiência nesse tipo de implantação poderão testemunhar sobre todas as suas vantagens. A transformação começa no digital, se torna real dentro da cultura da empresa e gera resultados formidáveis e sustentáveis quando bem aplicada.

Sandra Vaz é Chief of Sales & Marketing da MC1, multinacional brasileira especializada em inteligência de vendas utilizando soluções de mobilidade corporativa. Presente em mais de 21 países com um portfólio completo para força de vendas e trade marketing suporta cerca de 50 mil usuários e é apontada pelo Gartner como líder na América Latina “Market Guide for Retail Execution and Monitoring Solutions for the Consumer Goods Industry“. Mais informações no site: www.mc1.com.br

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Estudo da Adobe mostra o cenário dos anúncios digitais nos EUA

Adobe Digital Insights: gerações Y e Z veem maior relevância nos anúncios em redes sociais

Também são destaques da pesquisa o contraste entre relevância de anúncios / intenção de clique e o aumento das notificações por push

O poder das redes sociais para impactar consumidores por meio de anúncios é grande – sobretudo para usuários nascidos após os anos 80. É o que mostra o estudo State Of Digital Advertising, elaborado pela Adobe Digital Insights (ADI), divisão de pesquisas da Adobe, nos Estados Unidos. De acordo com o relatório, as gerações Y e Z veem maior relevância em anúncios veiculados por meio das redes sociais, enquanto as gerações anteriores, como a X e os Baby Boomers, consideram mais importante a publicidade da TV. Anúncios em banners na internet e vídeos por streaming (como o YouTube) são os menos relevantes, de acordo com o levantamento (Figura 1).

“Hoje, com a massificação dos dispositivos móveis, os pontos de contato com consumidores foram multiplicados e as redes sociais certamente são um importante meio de interação. Naturalmente, estes meios se revelam uma grande oportunidade de conversão para as marcas e os números do ADI atestam que o conteúdo apresentado em anúncios nessas plataformas tem atendido às expectativas do público, revertendo em boa experiência”, afirma Fernando Teixeira, head de publicidade digital da Adobe para a América Latina.

De acordo com Teixeira, o estudo da Adobe chama a atenção para a importância da TV, mesmo entre o público com menos de 40 anos. “Ainda que as mídias digitais (com banners, mídias sociais e vídeos por streaming) estejam ganhando cada vez mais terreno para a entrega de boas experiências, o off-line, em especial a TV, ainda se mostra relevante para todas as gerações dentro de uma estratégia de marketing 360. Isso não elimina a necessidade de as marcas, cada vez mais, terem de evoluir em suas estratégias, antes focadas em mídia de massa, para personalização em massa, que é o caminho para entregar experiências realmente incríveis e que fidelizem o consumidor”, observa o executivo.

Figura 1- Canais mais relevantes, de acordo com diferentes gerações

O State Of Digital Advertising constata ainda que a TV – ao mesmo tempo que é definida pelo público como um canal relevante para os anúncios – claramente passa a ser contestada no que se refere à importância das publicidades veiculadas (Figura 2). Entre os entrevistados que a enxergam como uma fonte de conteúdo relevante, quando questionados sobre a mudança de relevância nos últimos tempos, mais da metade pensa que os anúncios televisivos se tornaram “menos relevantes”.

Figura 2- Mudança de relevância vs. Canais mais relevantes para anúncios

Redes sociais: o topo do funil para as varejistas

A pesquisa da Adobe também aponta que a relevância dos anúncios nas redes sociais desempenha um grande papel na atração de clientes para o setor varejista. Este tipo de mídia gera três vezes mais tráfego de não-clientes no e-commerce do que de clientes. “No funil de marketing, a atração de visitas ou geração de tráfego é o ponto de partida para construir uma jornada que resulte em consumidores fiéis e estimule um círculo virtuoso. Se as redes sociais se revelam uma grande força de atração, sabemos que elas também são importantes meios de mensuração da reputação das marcas, com consumidores que utilizam seus perfis para falar bem ou mal das suas experiências de compra. Por isso, é preciso dar importância igual a todas as etapas da jornada de compra e atenção total com todos os pontos de contato”, avalia Fernando Teixeira.

Relevância vs. Intenção de clique

De uma forma geral, grande parte do público tem a percepção de que os anúncios estão cada vez mais relevantes. A exceção é a geração com idade superior aos 71 anos (Figura 3).

Figura 3-Percepção de melhoria da qualidade dos anúncios nos últimos dois anos

No entanto, para uma considerável parcela de consumidores norte-americanos, relevância não significa intenção real de clique: entre os que clicaram sem intenção num anúncio, 35% o consideravam relevante, enquanto entre a parcela dos que se negaram a clicar, 24% notaram relevância no conteúdo (Figura 4).

“O consumidor atual é exigente. Por isso, é preciso unir as pontas entre criatividade e o uso inteligente da enorme quantidade de dados gerados por ele, bem como os múltiplos pontos de contato disponíveis, para realmente se aproximar do cliente durante a jornada de compra”, destaca o executivo.

Figura 4- Intenção de clique vs. Relevância

Notificações por push: o futuro dos anúncios?

Outra descoberta importante: em janeiro de 2018, a participação dos smartphones nas visitas online cresceu 21% em comparação há dois anos em todas as faixas etárias e indústrias. O State Of Digital Advertising feito pela Adobe mostra que os profissionais de marketing estão acompanhando esse movimento: as notificações por push aumentaram mais de 300% nos últimos nove meses, superior ao crescimento dos envios de e-mail e SMS, que se mantiveram estáveis.

“Notificações por push tem o enorme potencial de aproveitar dados e, por exemplo, tecnologias de geolocalização. São uma forma criativa de as marcas realmente evoluírem o conceito de mídia de massa para personalização em massa. Assim como qualquer anúncio, o push precisa ser assertivo e relevante para o consumidor”, ressalta Fernando Teixeira, da Adobe.

State Of Digital Advertising

O estudo da Adobe Digital Insights avaliou mais de 350 bilhões de dados agregados e anônimos da Adobe Experience Cloud, do Adobe Campaign, da Adobe Analytics Cloud e da Adobe Advertising Cloud. A ADI também entrevistou 1 mil consumidores e 250 profissionais de marketing digital nos EUA entre fevereiro e março sobre seus pontos de vista sobre publicidade digital. A pesquisa completa está disponível aqui.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Relatório de Mídias Sociais produzido pela FAAP e SOCIALBAKERS traz novos dados

Estudo #MS360FAAP passa a comparar perfis de empresas e de influenciadores, além de analisar resultados de posts impulsionados versus orgânicos

A primeira edição de 2018 do estudo Mídias Sociais 360° (#MS360FAAP) desenvolvido pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em parceria com a Socialbakers, traz novidades. Além de medir as atividades dos 100 perfis empresariais com mais interações nas mídias sociais do Brasil, passa a trazer dados dos 100 principais influenciadores e medir a diferença entre os resultados de posts orgânicos e patrocinados.

O objetivo do relatório, segundo o professor Eric Messa, coordenador do NiMD, é acompanhar a evolução das mídias sociais, oferecendo dados ainda mais relevantes, que podem ajudar nas estratégias das empresas.

“O cenário mudou muito desde que começamos esse estudo, em 2014”, explica a professora Karina Bousso, uma das pesquisadoras do NiMD. Segundo a especialista, as mudanças no algoritmo do Facebook, por exemplo, obrigaram as empresas a investirem mais em impulsionamento e, por isso, a importância em medir também os diferentes resultados obtidos entre posts orgânicos e promovidos.

O primeiro levantamento de 2018 feito pelo grupo de pesquisadores do NiMD revelou que, entre os meses de janeiro e março deste ano, 97% das postagens do segmento “Mídia/Notícias” receberam investimentos em mídias para amplificar seu alcance.

“Esse é um número muito relevante, tendo em vista que se trata do segmento com maior número de curtidores e de posts publicados por semana no Facebook”, comenta o professor Thiago Costa, pesquisador do NiMD e também coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP.

De acordo com o estudo, a média de curtidores desse tipo de página é de mais de 3,7 milhões de perfis, o que mostra, segundo o prof. Thiago, uma correlação entre o investimento em impulsionamento e o número de curtidores.

Em segundo lugar no número de investimentos estão as páginas de “Entretenimento”, com 89% das postagens sendo impulsionadas. Quem menos coloca dinheiro no Facebook são as páginas de “Bens de Consumo”, que só amplificam 37% dos seus conteúdos.

Marcas e Influencers
Outra mudança significativa no mercado nos últimos quatro anos foi a relevância dada aos influenciadores. “Não era algo com o que as marcas se preocupavam tanto, mas hoje é impossível pensar numa estratégia de comunicação em plataformas, como o Instagram, sem considerar os influenciadores digitais”, garante o professor Eric. Diante disso, o estudo vai fornecer dados comparativos sobre os resultados obtidos entre perfis de empresas e de pessoas com um alto volume de interações.

Para o professor Eric, especialmente no Instagram, a presença desses profissionais tem feito as marcas repensarem seus investimentos para alcançar os consumidores. Os números explicam isso: enquanto as marcas somam pouco mais de 1 milhão de seguidores em seus perfis, as 100 personalidades online mais acompanhadas têm aproximadamente 9,9 milhões de seguidores, em média.

No Twitter, os perfis de influenciadores também possuem números bastante significativos, totalizando mais de 3,6 milhões de seguidores, enquanto as empresas somam 324 mil.

Médias de publicação
Uma dúvida frequente de quem planeja a comunicação nos meios digitais é a frequência de postagem adequada, sem que isso se torne incômodo aos seguidores. A partir de agora, uma base para essa análise pode ser encontrada nos dados do #MS360FAAP.

Nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano, os perfis das marcas de “E-Commerce” no Facebook realizaram uma média de 25 postagens por semana, enquanto as de “Bens de Consumo” postaram somente três vezes no mesmo período. No Instagram, as marcas fizeram 19 postagens semanais, em média. As celebridades fizeram 11 publicações (sem contar stories).

Outros destaques do estudo

– No Instagram, as postagens do tipo “carrossel” (com mais de uma foto ou vídeo) são as que mais geraram curtidas e comentários.
-No Twitter, as marcas demoram em média 9 horas e 42 minutos para responder o contato dos usuários.
-O segmento “Mídia/Notícias” é o que tem maior frequência de publicações no Facebook. São em média 299 posts por semana, o que representa cerca de 42 posts por dia.
-33% de todo o conteúdo publicado pelo segmento de “Entretenimento” no Facebook é em formato de vídeo. Já o segmento de “Marcas/Institucional” tem apenas 13% do seu conteúdo em vídeo e no segmento “Mídia/Notícias” essa porcentagem cai para 10%.
-No Twitter, 27% do contéudo publicado por perfis de marcas é em formato de vídeo. Já os perfis de personalidades e outros perfis que não são de marcas publicam somente 10% do seu conteúdo em vídeo.
-No Facebook, o segmento de “Marcas/Institucional” faz em média 29 publicações por semana e 77% é promovido com investimento em mídia online.

Novo visual
O estudo “Mídias Sociais 360º” (#MS360FAAP) é composto por diferentes gráficos nos quais é possível visualizar o comportamento das marcas e seus seguidores nos setores de “Mídias e Notícias”, “Bens de Consumo”, “Entretenimento”, “E-Commerce” e “Marcas / Institucional”.

Desenvolvido pelo professor Adriano Cerullo, da FAAP, os infográficos são formatados para facilitar a busca de informações pelos leitores. “A partir de um visual baseado na identidade das plataformas, buscamos dar um panorama geral das redes sociais e, dentro de cada box, destacamos dados relevantes para cada uma das plataformas”, esclarece.

Os relatórios estão disponíveis no site www.faap.br/ms360faap.

YouTube
A partir dessa edição, o YouTube não será mais analisado pelo estudo. Segundo a Socialbakers, a decisão segue uma nova determinação do Google, que não permite mais que dados de suas redes sejam utilizados em estatísticas e pesquisas públicas, mas somente para uso privado.

Fonte: FAAP / OBOÉ COMUNICAÇÃO CORPORATIVA – Fabiana Dourado e Iracema Carvalho

Dia das Mães incrementou vendas no e-commerce

Dia das mães traz 9,8% de aumento de vendas no e-commerce

Data vem ganhando mais força e mais significância com o passar dos anos por mostrar resultados expressivos de crescimento

O dia das mães é conhecido como uma das datas mais importantes para o comércio brasileiro sendo comparado com o Natal e Black Friday. Essa tendência vem ganhando cada vez mais força no mercado digital. Segundo o estudo publicado pela Social Miner, o Dia das Mães representou R$1,9 bilhões de faturamento para os e-commerces e a Ebit estimou um aumento de 15% nesta receita para 2018.

Neste ano, houve um aumento de 9,8% nas vendas totais. Setores de eletrodomésticos, eletrônicos, pet e cosméticos foram o que mais cresceram no período. O destaque foi para a categoria de eletrodomésticos que teve um aumento de 74,81% em comparação ao ano passado.

Os números não foram somente significativos no setor de vendas. A área de atendimento ao cliente também sofre alterações com a data. De acordo com a NeoAssist, entre a primeira e a segunda quinzena de maio de 2017, houve um aumento médio de 20% na demanda por atendimento ao cliente, sendo o telefone, chat e registros manuais os canais que mais cresceram em procura – cerca de 40%, 35% e 25% respectivamente.

O dado alerta gestores das área: É preciso estar preparado e preparar a equipe para atender a esse pico de procura durante o período. Além de ferramentas como o telefone e chat, o Atendimento Inteligente pode ser uma boa alternativa para agilizar o processo de atendimento. O recurso automatiza o atendimento, oferecendo respostas para perguntas mais comuns e que, por ser escalável, poupa os recursos da manutenção de um time inteiro focado no atendimento em tempo real.

A data pode ser geradora de novos negócios já que 83% dos consumidores fizeram sua primeira compra nos e-commerces durante do período do Dia das Mães. Porém, pode-se analisar que ainda falta muito para atingir bons números de recompra. Apenas 1,5% dos compradores do Dia das Mães de 2017 voltam a comprar na mesma loja em 2018.

Um dos fatores que podem estar relacionados à esses dados alarmantes é um atendimento ruim. Segundo a NeoAssist, 87% dos entrevistados na pesquisa Percepção do Consumidor sobre o atendimento afirmaram que já deixaram de comprar uma marca por ter recebido um mau atendimento.

Fonte: Larissa Ferracine Rodrigues Relações Públicas da NeoAssist.

Novo Corel Draw chega ao mercado

CorelDRAW Graphics Suite 2018 chega ao mercado

Nova suíte foi 100% atualizada com base em comentários e principais solicitações de usuários, para otimizar resultados e qualidade superior a projetos de design gráfico – desde o processo criativo até a produção

A Corel acaba de anunciar o lançamento da suíte de software de design CorelDRAW® Graphics Suite 2018.

Com foco em comentários e nas principais solicitações des usuários, a nova versão chega ao mercado com renovados recursos de design e edição de fotos e amplos aprimoramentos no fluxo de trabalho – tornando mais rápido que nunca entregar produções de alta qualidade e visual profissional superior, desde simples gráficos online a complexas cópias impressas em grandes formatos.

“Não importa o segmento ou a experiência, todo profissional que trabalha com gráficos possui uma lista de desejos essenciais que inclui criar, dentro do prazo, designs sem limites e entregar produtos finais que causem alto impacto final”, diz John Falsetto, Diretor Sênior de Produtos, CorelDRAW e Produtividade. “O CorelDRAW® Graphics Suite 2018 oferece essa produtividade dos sonhos, uma vez que trabalhamos em estreita colaboração com a comunidade de usuários para encontrar o equilíbrio ideal entre possibilidades e praticidade”. Além disso, diz Falsetto, a suíte oferece uma abordagem mais simples e inteligente dos fundamentos do design, como o uso de nós e imagens, garantindo que projetos sejam concluídos no prazo e dentro do orçamento. “O resultado final é uma suíte poderosa que suporta o fluxo de trabalho, desde a inspiração até a produção.”

Para Fernando Soares, executivo da Corel no Brasil, o CorelDRAW Graphics Suite 2018 é a atualização mais importante em muitas versões do pacote de design. “É um pacote integrado, moderno e eficiente que oferece novas e excitantes possibilidades criativas e produtividade radicalmente superiores em um ambiente de design completo já conhecido mundialmente por sua facilidade de uso”.

O melhor ficou ainda melhor
Novas funções e aprimoramentos do CorelDRAW® Graphics Suite 2018 incluem:

● Modo de desenho Simetria: automatiza o fluxo de trabalho, tornando possível criar uma variedade de designs simétricos e gráficos de alta complexidade, desde desenhos simples até mandalas repletas de detalhes e efeitos caleidoscópicos, em tempo real.

● Efeito Adicionar Perspectiva: cria ilusão de distância e de profundidade rapidamente ao aplicar perspectiva a bitmaps, objetos vetoriais ou ambos, diretamente na janela de desenho. Ideal para criação de maquetes e propostas para exibição de trabalhos artísticos em cenários reais.

● Ferramenta aprimorada de impacto, Pointillizer™ e PhotoCocktail™: funções permitem adicionar movimento ou foco a elementos de um desenho, criar mosaicos vetoriais de alta qualidade a partir de objetos de vetor ou de bitmap e produzir colagens de fotos .

● Bloquear Sombra: recurso interativo que adiciona sombras vetoriais sólidas a objetos e texto, reduzindo consideravelmente o tempo de preparação de arquivos para saída.

● Alinhar e distribuir nós: promove alinhamento de nós utilizando a caixa delimitadora de uma seleção, a borda ou o centro da página, a linha de grade mais próxima ou um ponto específico; adiciona espaçamento igual entre os nós, tanto na horizontal como na vertical.

● LiveSketch™ aprimorado: ferramenta baseada em Inteligência Artificial que cria esboços e designs dinamicamente e com maior precisão, desenhando no computador de forma tão natural quanto se desenha com papel e caneta.

● Compatibilidade com dispositivos stylus e caneta: ao trabalhar com uma caneta e um tablet, agora é possível utilizar pressão para variar o tamanho da ponta da borracha, vincular a inclinação e o rolamento ao nivelamento e à rotação e inverter o stylus ou a caneta para ativar a ferramenta Borracha. O CorelDRAW Graphics Suite 2018 também oferece compatibilidade avançada com o Microsoft Surface Dial.

● Publicação no WordPress: envia o trabalho diretamente para uma biblioteca de mídia do WordPress, convertendo objetos ou projetos inteiros em arquivos JPEG, GIF ou PNG e os carregando na conta do WordPress.

● Project Timer: ferramenta de gerenciamento de tempo precisa e não intrusiva que permite controlar o timing do projeto, ajudando na organizacao, no faturamento de clientes e demais minúcias de um projeto

Experiência de design personalizada
O CorelDRAW 2018 traz ainda uma gama de atualizações para aumento de produtividade, a exemplo de visualizações personalizadas de curvas e de vetores, seletores de preenchimento e de transparência redesenhados e o novo recurso Alternar Alinhamento, que agiliza tarefas diárias, a nova versão inclui ferramentas do PHOTO-PAINT® 2018 e do CorelDRAW 2018, além do extra adicionado pelo AfterShot® 3 HDR – recursos que permitem, de forma interativa, ajustar perspectivas e indireitar fotos, formatar e integrar bitmaps em envelopes criados ou pré-definidos, com opções de arrastamento de nós e personalização do zero, realizar correções e melhorias não destrutivas de nível profissional em fotos RAW ou JPEG e criação de imagens HDR (High Dynamic Range).

A suíte também dispõe de dez mil imagens digitais e de clipart, duas mil fotos digitais de alta resolução, mais de mil fontes, 350 modelos criados por profissionais, dois mil modelos de veículos, mais de 500 molduras interativas e molduras de fotos e mais de 600 preenchimentos gradientes, vetoriais e de bitmap.

Disponibilidade e valores
O CorelDRAW Graphics Suite 2018 está disponível para Windows nos idiomas português (Brasil), inglês, alemão, italiano, francês, espanhol, holandês, polonês, tcheco, russo, chinês simplificado, chinês tradicional, turco e japonês.

O valor da versão completa é de R$ 2399,00 e inclui os programas CorelDRAW® 2018 (ilustração vetorial e layout de página), PHOTO-PAINT® 2018 (edição de imagens), Font Manager™ 2018 (ferramenta de gerenciamento e exploração de fontes), PowerTRACE® 2018 (conversão de bitmap em vetor – incluído como parte do aplicativo CorelDRAW 2018), CONNECT™ 2018 (localizador de conteúdo), CAPTURE™ 2018 (ferramenta de captura de tela), AfterShot™ 3 HDR (editor de fotos RAW) e BenVISTA PhotoZoom Pro 4 (plug-in para ampliar imagens digitais).

Usuários registrados de qualquer versão anterior do CorelDRAW Graphics Suite podem fazer upgrade por R$ 899 (exclui as versões acadêmica, OEM e de revenda proibida [NFR]). O valor da assinatura é de R$ 899 por ano.

Onde encontrar
Além do site www.coreldraw.com/br, o CorelDRAW Graphics Suíte 2018 também está disponível via rede de Canais, com preços e condições diferenciadas, podendo ser igualmente adquirido nos modelos Licença Vitalícia (pagamento único, sem nenhum custo mensal ou anual adicional) ou Assinatura (custo anual acessível, com flexibilidade de interromper a assinatura a qualquer momento e de usufruir da versão mais moderna do CorelDRAW enquanto a assinatura estiver ativa).

Vale lembrar que clientes com licenças vitalícias podem economizar em versões futuras com o Programa de Upgrade – uma forma mais fácil e acessível de estar sempre atualizado com o CorelDRAW Graphics Suite. Para mais informações sobre opções de compra, acesse o website www.coreldraw.com/purchase.

Trial e corporativos
Para usuários finais, a Corel oferece download gratuito de avaliação por 15 dias, sem informações de pagamento necessárias. Basta acessar https://www.corel.com/br e baixar a versão de teste.

Já para clientes corporativos, a Corel conta com opções de Licenciamento por Volume e de Manutenção, que oferecem benefícios como implantação em rede e virtualização, entre outros. Informações em www.coreldraw.com/business.

No Brasil, a Corel está em www.corel.com/br.

Fonte: Alameda – Renata Bosco

Novos recursos no hello

Rede social hello ganha recurso de compartilhamento de links

Usuários agora podem postar seus conteúdos favoritos de sites, vídeos e outros

A Hello Network, rede social do empreendedor Orkut Buyukkokten, acaba de lançar um novo recurso no app hello, o compartilhamento de links, que reforça a conexão dos usuários com comunidades formadas por pessoas que dividem dos mesmos interesses. Agora, os seguidores de uma comunidade podem compartilhar um link para o próprio site, vídeo, blog favorito ou matéria de um portal de notícias.

O recurso tem como finalidade aproximar ainda mais os usuários e estimular a interação. “Os membros de nossas comunidades adoram compartilhar descobertas na rede hello: agora podem indicar sites que amam, artigos que os inspiraram ou vídeos para outras pessoas verem” explica o criador da rede Orkut Buyukkokten.

Com um toque no “botão mais” amarelo localizado na parte inferior da tela é possível encontrar a opção “link”. Ao chegar na tela, basta colar a URL completa na caixa de texto e clicar em “seguinte” para visualizá-la. O link abrirá em um navegador dentro do aplicativo para que o seguidor não saia de sua posição no app hello. Para ver os comentários em um jot, basta tocar em “voltar” e checar o que outras pessoas estão falando sobre o link.

“Sugerimos que os usuários marquem uma comunidade ou persona, uma vez que isto ajuda outras pessoas com as mesmas paixões a descobrir aquele conteúdo. Nós recomendamos compartilhar links de coisas que você ama, artigos que o inspiram, lugares que você quer que outras pessoas explorem ou até mesmo links para o seu próprio blog e criações, afinal a hello é uma rede social para compartilhar paixões”, finaliza Orkut.

Na hello as comunidades são abertas a todos, permitem fóruns de discussões, não tem apenas um dono (tem líderes, são democráticas) são divertidas e móveis e seu conteúdo torna-se público, para que todos possam participar.

Para fazer o download do hello, acesse: Google Play ou iTunes.

Fonte: HUG Comunicação Corporativa – Thamiris Rezende

Desquebre apoia consumo consciente

Aplicativo Desquebre é alternativa para quem aposta em consumo consciente

Consertar eletrodomésticos é uma forma de fazer economia, mas esta boa prática vai além disso. Prolongar a vida útil destes produtos oferece benefícios nos âmbitos social e ambiental e vai ao encontro das diretrizes de diferentes movimentos focados no consumo consciente. Entre os exemplos mundiais está a iniciativa do governo da Suécia, que propõe que os contribuintes sejam restituídos em 50% pelos gastos realizados com mão de obra para reparos de produtos de linha branca. Outra tendência é o Repair Café (café de consertos), que surgiu em 2009 na Holanda, com a proposta de mecânicos aposentados ou amadores dedicarem parte do tempo a consertar, de graça, itens que vão de cafeteiras a luminárias, com o objetivo de reaproveitar os equipamentos e evitar o descarte desnecessário.

O consumo consciente também faz parte da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que corresponde ao conjunto de programas, ações e diretrizes que orientarão os trabalhos da Organização das Nações Unidas (ONU) e de seus países membros. Aliado a este contexto, a crise econômica que o Brasil ainda enfrenta também fez muitos brasileiros tornaram-se adeptos da “cultura do reparo”. Pensando em incentivar a população a se adequar aos novos hábitos de consumo, o aplicativo Desquebre nasceu com o objetivo de recuperar eletrodomésticos de linha branca de uma maneira mais simples, cômoda e rápida para o usuário.

De uso intuitivo e ágil, a ferramenta ajuda o consumidor a ter seu equipamento funcionando novamente, já que inclui dicas de ações para auxiliá-lo a diagnosticar e solucionar pequenas falhas. Porém, em caso de necessidade de ajuda profissional, o app localiza técnicos especializados, que estejam mais próximos da residência do cliente.

“Para o consumidor final é uma boa opção, pois cada atendimento se inicia com o acesso a dicas gratuitas para que o cliente possa consertar seu próprio aparelho, mas se não conseguir, terá um profissional qualificado, que pode ser pago por cartão de crédito, em até 12 vezes, após acordo com o técnico. Para o profissional cadastrado, também é um excelente negócio, pois ele não perde tempo entre um serviço e outro, com horas no trânsito, já que o aplicativo o direciona para os chamados mais próximos de sua região de atuação, e para sua especialidade, o que otimiza sua agenda”, conclui Luciano Palma, fundador da Desquebre.

O Desquebre está disponível nas versões Web, Android e iOS (iPhone) e atualmente conta com uma rede de profissionais associados que atende toda a cidade de São Paulo e os principais municípios do entorno, como Alphaville, Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema e Guarulhos.

Fonte: Texto & Imagem Assessoria de Comunicação – Liliane Pires

Adobe é a primeira a oferecer dados analíticos para áudio offline e online

Adobe Analytics Cloud permite que as marcas obtenham mais informações sobre podcasts, streaming de música e livros digitais

 No Adobe Summit, realizado em Las Vegas agora em março, a Adobe revelou seu Analytics para streaming de áudio. Pela primeira vez, as marcas poderão obter informações detalhadas sobre o áudio online e offline. Parceira das dez maiores marcas de mídia e entretenimento, como CBS Interactive, Pandora, Spotify, Time Warner e Viacom, a Adobe Analytics Cloud permite que as marcas entendam como o ouvinte interage com podcasts, streaming de músicas, audiolivros e muito mais, no fim das contas, isso as ajuda a tomar decisões mais bem informadas para oferecer a melhor experiência ao cliente. O Adobe Analytics mede a batida e a monitora em tempo real fornecendo um nível avançado de insights sobre o streaming, o que permite que as marcas obtenham métricas essenciais.

“Com um mercado lotado e a possibilidade de ouvir áudios a qualquer hora e em qualquer lugar, as marcas geralmente ficam no escuro quando se trata de entender como o áudio é consumido. Os profissionais de marketing basicamente chutam o orçamento”, disse Jeff Allen, diretor de marketing de produtos, Adobe Analytics Cloud. “Nenhuma outra solução de dados analíticos permite esse nível de insights para podcasts, streaming de áudio e livros digitais”.

Os novos recursos de áudio na Adobe Analytics Cloud incluem:

Entenda os ouvintes: as marcas podem mensurar se um ouvinte terminou o podcast ou o audiolivro, se um anúncio foi ignorado, quando a entrega ocorreu e como erros (buffering, por exemplo) afetam a experiência, tanto para áudio baixado quanto áudios transmitidos ao vivo. A Adobe também permite que as marcas mensurem o conteúdo de áudio em todos os dispositivos e se um podcast ou audiolivro for ouvido em diferentes dispositivos. Com o Audience Marketplace do Adobe Audience Manager, as marcas podem se conectar a fontes de dados secundárias e de terceiros para entender o comportamento do usuário em marcas parceiras ou para avaliar a localização, a demografia ou a psicografia do público-alvo. Essas informações ajudam os editores de áudio com recomendações, decisões de publicidade e programação, levando a uma melhor experiência do consumidor.

Garanta a melhor experiência de áudio: com tantas opções de conteúdo, os consumidores podem rapidamente mudar de ideia, especialmente se a experiência não atingir o padrão esperado. Por meio do Adobe Sensei, a estrutura de IA ​e de machine learning da empresa, o Adobe Analytics alerta a marca quando uma anomalia está ocorrendo, como buffering muito demorado, e monitora o tempo entre o clique e a inicialização do áudio.

Gere receita na entrega: ao capturar as escolhas de conteúdo e os comportamentos dos ouvintes, as marcas podem segmentar melhor os anúncios para os consumidores e fornecer uma experiência de áudio personalizada para garantir que os ouvintes permaneçam engajados. As marcas podem mensurar os anúncios que os ouvintes iniciaram e concluíram, se houve uma desistência, e quais os pontos ideais para o anúncio no áudio. Com o Adobe Audience Manager, as marcas podem monetizar seus ativos de dados no Audience Marketplace e distribuir seus públicos-alvo em canais de entrega de conteúdo e de entrega de anúncios centrados em dispositivos móveis em todo o ecossistema de publicidade e marketing.

Acelere o carro conectado: para fabricantes de automóveis e desenvolvedores de aplicativos para carros, o Adobe Analytics garante a personalização e recursos de anúncios, propiciando às marcas a capacidade de oferecer experiências únicas no carro. Playlists personalizadas, recomendações de rota e anúncios de áudio podem ser usados para recomendar e exibir diferentes tipos de conteúdo. As marcas também podem ser alertadas instantaneamente se uma interação de voz do carro falhar.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa