Coluna Branding: a alma da marca

A propaganda da verdade

Muitos me perguntaram nestes últimos anos o que aconteceu com a publicidade para que ela tenha diminuído tão bruscamente como profissão. É notório que a procura por este curso nas faculdades diminuiu, assim como o mercado foi chacoalhado por uma crise tão grande que precisou se reinventar para continuar existindo, e muitas agências, fornecedores e veículos tiveram que se reposicionar ou fecharam as portas.

Quando um fato tão grande quanto este acontece é preciso olhar os princípios, pois pra uma casa cair é que seus problemas devem estar na fundação.

Havia um princípio na propaganda que sempre foi valorizar o que a marca tem de bom e deixar de lado ou até escondido aquilo que não está bom. Acontece que na era da informação esconder as coisas ficou cada vez mais difícil e aquele profissional que se destacava por saber pintar de dourado uma sujeira, foi sendo desmascarado.

Sempre tive comigo, que precisávamos encontrar verdades que pudessem ser propagadas e que as falhas não podiam ser encobertas, mas sim trabalhadas, recicladas, reconstruídas para que pudessem contribuir em uma valorização de marca. Encontrei muitos caminhos para fazer isso. Mas todos eles com um fator em comum. A propaganda precisa ser sinônimo da verdade.

Um exemplo muito prático aconteceu aqui em Taubaté com uma propaganda da corretora de seguros Rodrigo Camargo. Ao pintar um muro com sua marca, a corretora não se atentou ao fato de estar apagando um grafite de muitos anos naquela parede, uma arte que embora efêmera, como chama o seu próprio autor, é o retrato da relação verdadeira com a sociedade.

Não deu outra, movimentação nas mídias sociais, chamando atenção da imprensa local e nacional. Mas o que foi interessante nessa ação é que a corretora e seus profissionais da comunicação não tentaram esconder o problema, pelo contrário, com humildade reconheceram o erro, foram as mídias e deram a cara a tapa, pediram desculpas a sociedade e chamaram o artista para recriar o espaço com um novo desenho, que homenageia esta adoção da arte de rua pelo mercado tradicional publicitário. Uma verdadeira aula de fazer propaganda com a verdade.

O resultado é espetacular. O artista Felipe Rezende (Ifi) foi reconhecido por seu trabalho e recompensado pelo investimento da Corretora, a imprensa fez seu papel e divulgou, ilustrou e beneficiou a sociedade com seu trabalho, as pessoas ganharam um marco, um símbolo em sua cidade, e a corretora divulgou como nunca a sua marca, e foi homenageado na própria obra um fator pessoal, que marcará o empresário para sempre naquele lugar efêmero.

Mas o mais marcante de tudo é ver que existe uma publicidade diferente que pode se integrar com esta nova sociedade, que não será marcada por relação com a inverdade, com a corrupção, com o malfeito. Mas sim com a beleza de comunicar um bem, um valor, uma vontade boa de sermos vistos e reconhecidos.

Parabéns aos envolvidos e boa sorte para esta nova propaganda da verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *