Entrevista para marcar a data

Falamos com Arison sobre os 10 anos

Há pouco tempo divulgamos aqui que a Atributo Comunicação Estratégica estava completando 10 anos de atuação em 2014. A agência comandada pelos sócios Arison Sonagere e Julio França até lançou novo site, também publicado aqui.

Agora o Publicitando entrevista Arison Sonagere para saber um pouco mais da trajetória desta agência taubateana.

Confira:

1 – Você e Julio França, seu sócio na Atributo, deixaram aquela que era na época uma das mais importantes agências da região, A Página Comunicação, para fazerem a Atributo. O que motivou tal decisão?

Tanto eu quanto o Julio fomos para Página motivados pela filosofia que ela pregava mas que aos poucos foi sendo substituída por outra que já não nos encantava mais. Foi lá dentro que surgiu um embrião de resgate desses princípios. Quando eu deixei a sociedade da Página e comecei a colocar em prática chamei o Julio para me ajudar.

Na Atributo construímos um ambiente propício à pensar comunicação. Somos todos críticos e apaixonados pelo que fazemos e só fazemos o que acreditamos. Sejam marcas, projetos ou candidatos. Não importa o que tem pra vender desde que isso seja verdade, senão não vendemos.

Além disso consideramos nosso clima interno mais importante do que ganhar prêmios. Todo trabalho tem pressão e responsabilidade. Mas não se pode confundir isso com não se colocar no lugar do outro, principalmente para crescer a qualquer custo ou por vaidade.

579012_122309677925625_2094218690_n

Arison, um dos sócios da Atributo Comunicação Estratégica

2 – Que análise você faz destes 10 anos de atuação da Atributo?

Tudo precisa de tempo para amadurecer, eu e o Júlio amadurecemos muito nesses 10 anos e com certeza nossa empresa também. Quem não conta com o tempo como aliado acaba desistindo, como aconteceu com muitas agências, foi isso que eu aprendi. Ford dizia que os que renunciam são, em maior número, àqueles que fracassam e nós acreditamos nisso.
Nossa via não foi muito fácil, mas acredito que conseguimos nos consolidar mantendo nossos princípios, como falei anteriormente.
De forma geral quando olhamos nossa empresa temos orgulho do montante de trabalho que realizamos, é difícil até fazer um portifólio, pois tudo faz parte dessa construção e tudo tem história. Temos orgulho de nossos “filhos”!
Acredito que esse tempo nos deixou um legado. Hoje temos experiência para reconhecer e resolver qualquer demanda que uma marca precise. Tudo é questão do cliente confiar nesse conhecimento que temos, do remédio e dose certa para o negócio dele, quando isso acontece normalmente o retorno é o mesmo …sucesso.

atributo10anos

Selo comemorativo dos dez anos da agência

3 – Vocês sempre tiveram um perfil bem discreto, uma atuação low profile. Pretendem mudar isso?

Não!!! Nós somos discretos e vamos continuar sendo, porque é muito comum a gente ver o publicitário cair em descrédito porque tem gente falando mais do que realmente faz. Nosso mercado é difícil por culpa dos publicitários que aqui trabalham. É muito bi bi bi e pouco fom fom fom.

Comunicação pra gente não é arte, nem contação de história, é ciência. E se é ciência tem que ter profundidade, estudo.
Não é uma questão de desacreditar na propaganda, é questão de acreditar em vender verdade.

Hoje tem um monte de agência falando que faz branding, assim como haviam muitas que falavam de comunicação total, essas são as palavras da moda, mas na verdade continuam tirando pedido e construindo criações de banco de imagens.

Há 10 anos, chamávamos o que hoje é branding de Comunicação Estratégica. E continuamos chamando. Porque verdade é isso… aquilo que resiste ao tempo e não o que é modinha.

atributo031
4 – É duro deixar de ser criativo em tempo integral para passar a gerir o negócio?

É um pouco chato, mas não duro.

Podemos ter criatividade em todas as áreas de atuação. Fico tão feliz como quando criava quando conseguimos contratar um bom talento do mercado, por exemplo. Fizemos isso muitas vezes, grandes profissionais foram descobertos pela agência nestes 10 anos.
Cada vez que isso acontece mostramos a todos que é possível fazer o melhor mesmo com as restrições do mercado.

Quando é assim, gestão e criação não são muito diferentes.

Chato é ter que achar dinheiro em momentos de crise, pois isso dá um pouco mais de dor no estômago!

5 – Quais os planos daqui para frente?

Vamos continuar fazendo comunicação estratégica, pois os meios mudam mas a filosofia não. Pensamos antes de fazer, planejamos tudo para que as coisas se encaixem no dinheiro do cliente e também tenham uma continuidade, formando assim uma marca forte. Gestão de marca é o foco. Estamos alavancando várias marcas novas e outras não tão novas, e colocando elas no patamar que elas precisam ou que podem estar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *