Vaga de estágio para atuar em digital

Aproxima abre vaga em Taubaté

É importante ter conhecimento em wordpress e saber criar sites. Não é necessário conhecimento em códigos html.

Foto: Pixabay

Preferencialmente estudante de Publicidade e Propaganda ou Marketing com conhecimento em Photoshop e Illustrator.

Entre em contato pelo e-mail lucas@aproxima.co e envie seu currículo e portfólio.

Vaga para atuar em social media

Agência abre vaga de estágio

Agência Taió, sediada em São José dos campos,  deseja para início imediato um estagiário para atuar em mídias sociais.

Envie seu curriculum agora mesmo: rh@agenciataio.com.br

Um papo bom com o Alexandre

De volta com as entrevistas

Após um longo tempo sem conseguir realizar entrevistas – a correria diária nos priva de algumas boas coisas, as vezes – o Publicitando volta ao formato.

E desta vez batemos um ótimo papo com o Alexandre Lemes. Ele é formado em publicidade e propaganda pela Unitau na turma de 2004. Fez graduação em 2012 e rodou um tempo pelo mercado de Sampa. Agora é Diretor de Criação na Verge.

Confira a entrevisa:

1 – Você esteve um bom tempo no mercado de S.Paulo e resolveu voltar ao Vale do Paraíba. Como foi sua carreira na capital?

Foram oito anos trabalhando em São Paulo. Logo que saí de Taubaté tive uma passagem rápida pela FAV Ogilvy, agência especializada no mercado imobiliário, onde participei do desenvolvimento de campanhas para empresas como Lopes e Rossi a nível nacional.

Após essa experiência, trabalhei três anos na agência interna da Artefacto Móveis, onde desenvolvi campanhas para a marca a nível internacional, materiais de comunicação, anúncios e revistas, além do desenvolvimento e gestão dos sites e portal da marca. Foi um momento muito inspirador para minha carreira, pois tive contato com grandes players do mercado, entre veículos e anunciantes, além de profissionais com larga experiência em direção de arte, fotografia, tratamento de imagem e eventos.

Em busca de novos desafios entrei para a equipe de Tecnologias Aplicadas à Educação do Senac São Paulo, o TAE, na função de designer multimídia. Foram cinco anos e durante esse período trabalhei no desenvolvimento dos cursos EAD. Foi um mergulho no desenvolvimento multimídia para a área de educação incluindo a produção de vídeos em estúdio, edição, design de interface, design da experiência do usuário, acessibilidade, branding, design de produto e business intelligence.

Além das experiências de trabalho fixo, também desenvolvi trabalhos como freelancer incluindo o desenvolvimento de campanhas, identidades visuais, catálogos, interfaces, apresentações e publicações impressas.

Em julho de 2018, aceitei a proposta de entrar para a equipe de criação da Verge, em Taubaté, como diretor de criação.

2 – Você voltou para uma agência regional em uma posição de liderança criativa. Quais têm sido os principais desafios?

Fui contratado pela Verge em um momento de expansão da agência com o objetivo de organizar e implementar técnicas de processos e projetos na criação, além de estruturar os cargos e salários da equipe.

Meu principal desafio tem sido criar uma mentalidade interna de gestão, através da captação e análise de dados do ínício ao fim do processo, para toda a agência. Isso implica em uma mudança de metodologias, além de crenças e valores.

Um outro fator que tem se mostrado como um desafio é a expansão da equipe de criação. Tenho tido dificuldades na captação de profissionais qualificados para atender contas de grandes players nacionais e multinacionais. A formação de um bom banco de talentos tem exigido olhares para outras cidades do Vale e região.

Um dos trabalhos do Alexandre

3 – Em um mundo repleto de formatos criativos novos e plataformas que mudam o tempo todo como fazer para continuar sendo relevante?

A comunicação de mão única perdeu sua eficiência e deu lugar à experiência, e a tecnologia é o meio pelo qual essa experiência acontece. Isso pode ser percebido através da crescente importância que as empresas estão dando para o design centrado no usuário. Técnicas como storytelling, user experience, arquitetura da informação, design thinking e afins, são cada vez mais presentes nos processos de desenvolvimento de produtos e na divulgação dos mesmos.
Portanto, para ser relevante, a empresa ou produto precisa criar uma relação de empatia com seu consumidor e saber coordenar, de forma eficiente, os formatos e plataformas disponíveis a favor dessa empatia. Hoje, não basta entender o público-alvo. É preciso vivê-lo.

Confira o portfólio do Alexandre Lemes aqui

Coluna “Discutindo a relação…”

É como montanha russa

O crescimento das tecnologias digitais e as consequentes mudanças no cenário total da comunicação são um imenso desafio.

Não é fácil. Principalmente para aqueles que, como eu, não são nativos digitais.

Afinal de contas são tantas novas plataformas, novos aplicativos, mudanças diárias… Além disso há muitas novas técnicas e novas terminologias. Muitas coisas foram e serão acrescidas ao rol de coisas fundamentais para um bom profissional de comunicação ao menos saber, ter ideia.

Tanta coisa para aprender: mídia programática, big data, IA, machine learning, métricas digitais, realidade aumentada, CTR, mídias sociais, KPI, funil de vendas, bots, assistentes de voz, games etc

Confesso que fico desesperado em algumas situações. Há muito para se aprender em curto espaço de tempo (ahhh… o FOMO!). Há o medo de ficar ou apenas parecer ultrapassado. A garotada olha para você e seus cabelos – e agora barba – brancos, sua idade e logo sentencia: já era. Mas… tudo bem. Sigo tentando vencer mais este obstáculo para tentar ensinar – e aprender – um pouquinho mais.

Sim… é difícil!

Um baita desafio. Mas tenho dito a muitas pessoas próximas que por outro lado nunca o mercado de comunicação criou tantas novas possibilidades profissionais como agora. É lógico: muitas coisas novas, muitas novas funções para desempenhá-las.

Também configura-se como um grande desafio para as agências, assessorias e consultorias de comunicação. Que profissionais buscar? Que setores desenvolver? O que ter em sua estrutura e o que terceirizar?

Parece com andar de montanha russa. Você leva sustos enormes, grita de desespero, até pensa que vai morrer… mas quando sai de lá pensa: que demais!!! Quero de novo!

Agência abre duas vagas

Publitau quer ampliar equipe

Agência busca ampliar seu time e está em busca de dois novos profissionais.

Um é para a área de criação, mais especificamente para atuar como designer gráfico.

A segunda vaga é para atuar como especialista em marketing.

Quer enviar seu CV? Mande um e-mail com uma breve apresentação sobre você para: vagas@publitau.com.br

 

Agência abre vaga em atendimento

Vaga para Co-Planner (Assistente de Planejamento)

A vaga é na agência BKW e o horário de trabalho é das 9:00 às 18:00. Valor do salário: (PJ + Almoço) a combinar.

Requisitos:

Estar cursando ou formado em comunicação social (Publicidade, Propaganda e marketing)

Conhecimento na área (Marketing e planejamento estratégico)

Criatividade e Proatividade

Boa relação interpessoal

E vontade de aprender.

Encaminhar currículo ou portfólio para: mauricio.raad4@gmail.com

Data limite: 13/10

Selecionados irão para entrevista pessoal na semana que vem

*Disponibilidade de início imediato.

Agência abre vagas

Lorem’Y abre três vagas

A Lorem’Y é uma agência de lançamentos digitais multidisciplinar, focada em estratégias de automação, mensuração e análise de resultados. E acaba de abrir três vagas para ampliar e reforçar sua equipe:

Uma para designer gráfico, estágio (último ano) ou formado, alguém com bastante conhecimento para atuar basicamente em social media.

A segunda vaga é para atuar com Facebook. É necessário ter noção de configuração de campanhas, segmentação e preparação e entrega de relatórios. A vaga tem o acompanhamento de um coordenador. O candidato tem que aprender rápido e ter bastante responsabilidade porque a atividade envolve  verba de campanha.

A terceira vaga é para atuar com Google. É necessário ter noção básica de configuração de campanhas de rede de pesquisa, rede de display, Youtube, além de levantamento de relatórios. Essa vaga também tem o acompanhamento de um coordenador, a pessoa tem que aprender rápido e ter bastante responsabilidade porque também envolve verba de campanha.

Em todas as vagas a atuação home office é possível. Entre em contato por aqui

Vem aí um novo evento de digital no VP

MISANJA – Marketing Digital em São José dos Campos

O Marketing in Sanja é um evento para comunicadores, marqueteiros, designers, publicitários, enfim para todos da área de marketing e comunicação do Vale do Paraíba. Queremos fomentar um ecossistema para esses profissionais, que podem trabalhar fora das redações e agências tradicionais em um novo nicho: a tecnologia!

O objetivo é falar sobre dados, inteligência artificial, chatbot, data science, jornadas, inbound, marketing de conteúdo, SEO, produção de conteúdo para web, etc.

Venha participar dos talks.

Programação:

Quinta-feira, 8 de novembro de 2018

19h30 – Jornalismo fora das redações: Mariana Bretz
20h00 – Mesa redonda com Pedro Teodoro e convidados
20h30 – Análise de dados para comunicadores: Kaique Oliveira

Mais do Festup Tendências

O Publicitando contou com um enviado especial no Festup Tendências 2018. Convidei a ainda estudante de jornalismo Fernanda Paiva para acompanhar o evento e traçar seu ponto de vista. Confira o que ela viu e ouviu por lá!

Fest’up muda para provocar mudanças

De maneira inovadora, as instalações da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), em São Paulo, receberam no dia 29 de setembro de 2018 a 30ª edição do Fest’up, evento produzido pela APP (Associação dos Profissionais de Propaganda). O cronograma de atrações contou com 24 palestras de 50 minutos cada.

Fernanda Paiva

A edição deste ano recebeu o título de “Tendências”. De acordo com o diretor da APP e organizador do evento, André Porto Alegre, a nomeação do Fest’up vem diferente em 2018 para cumprir com a tentativa de trazer novos ares ao evento. “Essa é também uma das razões pela qual nós trouxemos o Fest’up para a ESPM”, explica André. Nas edições anteriores a FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado), em São Paulo, era sede do evento, que ocorria em dois dias.

De modo simultâneo, três auditórios divididos em cores contavam com convidados ministrando palestras durante todo o sábado. Com base no cronograma de palestrantes disponibilizado pela organização do evento, o público pôde escolher o local de interesse para acompanhar às apresentações. Após comunicar os organizadores sobre a escolha, os visitantes recebiam um crachá com a cor do respectivo auditório que fora escolhido, possibilitando o acesso.

Os principais temas expostos referiam-se às inovações do mercado de trabalho para o publicitário bem como as transformações digitais nas agências de propaganda, palestras com temáticas para compreender a relação das tendências com o comportamento dos consumidores também fizeram parte da abordagem do evento. Porém, a organização não se restringiu às apresentações de conteúdos de cunho apenas publicitário, profissionais de diferentes áreas da comunicação ministraram palestras.

Patricia Santos da Empregueafro

Além da presença de debates técnicos e tecnológicos, convidados, como Patricia Santos da Empregueafro e Neiva Justa #ondeestãoasmulheres, conscientizaram o público quanto a importância da presença de profissionais negros e de mulheres nos grandes cargos das empresas. Palestrantes como elas agregaram um ar social ao evento, abordando a necessidade de mudança no ponto de vista empregador e empregado. Mudanças as quais o Fest’up já se habituou e colocou em prática nessa edição de 2018. Como estudante de jornalismo, acredito que o evento tenha muito a agregar às diversas áreas de atuação no campo da comunicação. Mal posso esperar para visitar o Fest’up Tendências 2019.

Fernanda Paiva
Estudante de Jornalismo – UNITAU.

Um pouco do que foi o Festup Tendências

Mudar para tratar de mudança

Josué Brazil

No último sábado tivemos a volta do tradicional evento da APP (Associação dos Profissionais de Propaganda) voltado para os estudantes de comunicação, o Festup. Depois de um hiato em 2017, o Festup voltou repaginado. E com novo nome: Festup Tendências.

Mudou basicamente em dois aspectos: o local e o número de dias (e por consequência o número de palestras). O festival que tradicionalmente acontecia na FAAP foi realizado na ESPM. Eram dois dias, sábado e domingo, e agora ocorreu apenas no sábado.

Eu, Gerson Mario (professor) e a turma de alunos que compareceram aos Festup Tendências

Permaneceu o modelo de auditórios identificados por cores, cada um com uma grade de palestras que ocorrem simultaneamente. Só que neste ano tivemos três auditórios (amarelo, azul e vermelho). O line up estava bem equilibrado, de modo que os três auditórios eram igualmente atraentes.

A ideia, expressa no novo nome, é tratar de tendências do mercado de comunicação. Para tanto, palestrantes de outras áreas e atividades foram escalados para palestrar. Como disse André Porto Alegre, diretor da APP, na abertura: “o Festup sempre tentou mostrar como a propaganda era feita, agora queremos mostrar como ela deverá ser feita”.

Como tenho o privilégio, como professor, de usar um crachá branco e poder circular livremente por todos os auditórios, fiz uma costura que julguei interessante entre os diferentes conteúdos. Vou tentar falar um pouquinho do que vi e ouvi.

Comecei pelo auditório azul com a palestra de Marcelo Tripoli, da MCKinsey. Ele focou sua palestra no cenário digital, no uso de dados e numa comunicação assertiva e de performance. Mostrou que o big data e a inteligência de negócios vão conduzir a comunicação a outro nível de atuação.

Marcelo Tripoli, MCKinsey

Na sequência troquei de auditório e fui acompanhar a fala de Luis Renato Lui, da Tribal Worldwide. E foi muito bom! Ele abriu o jogo. Mostrou todo o “modus operndi”de sua agência e como seu modelo de atuação tem atraído novos clientes. Ele disse que a Tribal é uma agência “end to end”: comunicação para além do plano de mídia, construindo plataformas de negócio. A Tribal promove a junção, a síntese de stories+systems, apostando em ser uma agência líquida.

Luis Renato Lui da Tribal

Ainda pela manhã acompanhei a interessante palestra de Tati Oliva e sua Cross, agência de parcerias. Uma proposta de atuação muito interessante e calcada na construção de parcerias entre marcas para a geração de novos negócios. E também a palestra de Patricia Santos, do Empregueafro, que baseou sua apresentação no projeto desenvolvido junto a uma grande agência de propaganda para a inserção de jovens negros e no quadro de desigualdade racial do país. Conheça aqui o Empregueafro.

Almoço com meus alunos…

Depois presenciei a melhor palestra do dia: Ana Cortat da Hybrid Colab dando um show de lucidez e discurso fluído e rico. Ela tratou dos quatro fatores impulsionadores da nova economia e mostrou que aspectos como igualdade e diversidade são urgentes e necessários para um maior desenvolvimento econômico e social. Um show. Nem consegui fazer anotações…

Ana Cortat, Hybrid Colab

Logo depois vieram Alessandre Siano do Finacial Times e Thabata Guerra da Must Music Academy. Misturei as duas assistindo um pouco de cada, mas estava cansado pós almoço e pouco aproveitei. Falha minha…

Acordei com a palestra da Wieden+Kennedy. Vitor Abud apresentou o projeto Os Kennedys e trouxe o grupo que atualmente usufrui da oportunidade de inclusão gerada pelo programa. Muito bacana ver jovens de origens tão distintas apaixonados pelo universo da propaganda.  A Wieden+Kennedy marcou um golaço!

Fábio Tachibana e os Kennedys 2018

Para fechar o dia fui assistir a fala de Fábio Tachibana da Grey Brasil. O tema da palestra foi “Mídia que não tem cara de mídia”. Fábio é profissional de mídia por origem, mas mostrou que a Grey fundiu as áreas de Mídia, Data e Conteúdo. Explicou os desafios que virão com o novo modelo e apresentou cases excelentes da agência, como este aqui.

Para finalizar só resta dizer: novo modelo de Festup 100% aprovado. E que venha o Festup Tendências 2019!