A idade mídia

Repercutindo as ideias de Walter Longo

por Josué Brazil

Hoje volto a escrever sobre um conteúdo que tive a oportunidade de absorver em uma das palestras do Fest’up Tendências 2019 que ocorreu no último sábado, dia 28/09. Desta vez quero escrever um pouco sobre o que ouvi do genial Walter Longo, o palestrante que fechou – de forma brilhante – o evento.

O título da palestra de Longo foi “O fim da idade média e o início da idade mídia”. Também é título de seu novo livro lançado – ou a ser lançado – agora em outubro.

Walter começou explicando que tudo até agora era – e ainda em grande parte é – avaliado, medido, pela média. Quase não há individualização. A média dos gostos, a média das preferências etc.

E completa: marketing e propaganda agiam assim!

Com o advento e rápida disseminação do Big Data, da Inteligência Artificial (IA) e do Analytics está acontecendo uma mudança significativa. Cada um de nós passou a ser uma mídia. Cada empresa ou instituição passou a ser uma mídia. Até mesmo máquinas passaram a ser mídia. Isso muda tudo!

Os consumidores atuais, segundo Walter Longo, passaram a ser “mimados” pela internet. Querem tudo a seu tempo, do seu modo, onde estiverem e com facilidade e rapidez. Sem dúvida, um consumidor muito mais exigente e complicado. Com ampla capacidade de escolha e muito poder!

Foto: Divulgação

Em função disso, Walter afirma que a publicidade, a comunicação, deve ser:

  • individualizada no target;
  • sutil na forma;
  • didática;
  • verdadeira;
  • relevante no propósito.

Deve ser assim para atender a demanda de um consumo cada vez mais individualizado, com forte customização de produtos e até mesmo de serviços. Estamos num momento de vida sincronizada, onde vão valer aspectos essenciais como simplicidade, flexibilidade e individualidade.

Já estou louco de vontade de ler o livro!

Plataforma desenvolvida na região integra Google

mLabs integra Google Meu Negócio à sua plataforma

Completando a missão de inclusão de pequenos negócios no universo digital, a mLabs, startup que oferece recursos para gerenciamento de redes sociais e que há pouco recebeu um aporte de R$ 4 milhões da Domo Invest, anuncia a integração do Google Meu Negócio, plataforma do Google para as pequenas e médias empresas gerenciarem sua presença on-line na Busca e no Google Maps, à sua solução.

Com pouco mais de quatro anos de operação, a mLabs já contabiliza quase 100 mil companhias fazendo uso da solução — entre agências de publicidade, social media e jornalistas. A empresa oferece agendamento de posts, analytics, produção de relatórios, workflow para aprovação de posts e funções exclusivas no LinkedIn. Agora, a empresa passa a ser uma das plataformas de gestão de redes sociais a incorporar o Google Meu Negócio.

Segundo o Rafael Kiso, fundador da mLabs, a nova ferramenta ajudará o micro e o pequeno negócio a completar efetivamente sua presença digital. “Um pequeno empresário deve ser encontrado no Google, e, com essa integração, a jornada estará completa”, afirma Kiso. Prova de que a função vem para ajudar os empresários é a recente pesquisa divulgada pelo próprio Google, que aponta que 96% dos brasileiros usam a Busca do Google antes de escolher uma empresa para ligar ou visitar. Para mais detalhes de como usar a plataforma clique aqui.

Mais informações sobre os benefícios do Google Meu Negócio:

  • Oferece a oportunidade de inserir informações precisas e atualizadas sobre a empresa, como horário de funcionamento, site, número de telefone e local;
  • Ajuda na interação com os clientes, por meio da postagem de fotos (produtos e serviços), além de permitir troca de mensagens e resposta aos comentários dos clientes;
  • Auxilia na conquista de novos clientes, pois direciona os interessados para o site, telefone ou loja física da empresa.

Fonte: Emanoella Leite – Assessora de Imprensa

Vaga em marketing digital

Mestra abre vaga em mkt digital

Requisitos:
– Graduação na área de marketing, publicidade e propaganda ou jornalismo.
– Conhecimento de estratégias online para mídias sociais, produção de conteúdo, SEO, Analytics e E-mail Marketing.

Experiência com gerenciamento de mídias sociais.

Análise de métricas e gerenciamento de anúncios online podem ser diferenciais.

Perfil profissional: analítico, estratégico, organizado e proativo.

CV para e-mail: digital@mestracomunicacao.com.br até 29/07.

Futuro da Assessoria de Imprensa: tecnologia de ponta para manter-se relevante

Inteligência artificial e analytics puxam inovações que tornam relacionamento com a imprensa mais efetivo

Por Michel Bekhor*

Comparada a outros campos da comunicação corporativa, a assessoria de imprensa parece evoluir devagar. Herdeiro de uma longa história, que vem desde pelo menos 1820, quando o advogado e jornalista Anton Kendall se tornou o primeiro secretário de imprensa do presidente americano Andrew Jackson, o profissional da área continua a trabalhar de maneira semelhante à de uma década atrás.

Abaixo da superfície, no entanto, a assessoria de imprensa passa por um momento de transição – e o espaço para inovar é amplo. Esse movimento acompanha mudanças tecnológicas no mundo, com a ênfase da comunicação no ambiente digital e a proliferação de empresas e mercados nativos da internet ou intrinsecamente dependentes desse ecossistema.

A transformação acontece em alguns polos, como o tecnológico, o de hábitos de trabalho e o de expansão de fronteiras da atividade. Para começar pelo final, o fato é de que há uma tendência a integrar o papel da assessoria – assim como os resultados que podem ser obtidos a partir dela –, conectada com estratégias mais amplas de marketing.

De acordo com o estudo publicado pela Escola de Comunicação da University of South California em 2017, 60% dos executivos da área nos Estados Unidos acreditam que isso deve ocorrer em um futuro próximo. Não necessariamente uma mesma empresa oferece serviços variados, mas também guia o trabalho de divulgação no sentido de ter um impacto direto no resultado de vendas ou expansão do cliente.

Redefinindo o que é assessoria de imprensa

É necessário que os assessores assumam para si o papel de pensar – e aplicar – técnicas de marketing digital, como SEO e link building. Além disso, o próprio entendimento de mídia a ser atingida também está em processo de mudança. Um novo horizonte que inclua entre os interlocutores influenciadores digitais é essencial.

Mas antes, é preciso garantir que ela tenha sucesso. Nesse sentido, a equipe precisa estar ciente de que a maneira de consumir e produzir informação mudou. O grande palco das notícias são as redes sociais e é indispensável estar atento ao que acontece por lá, quais são os temas quentes, o que pode gerar repercussão e o que deve ser evitado.

No século XXI, o assessor de imprensa precisa ser um trend hunter. E também, por que não, um trend setter. O cliente tem o material a ser divulgado. A assessoria deve saber como transformá-lo na isca perfeita.

Essa isca é um conteúdo relevante, cujo formato também tem sido repensado. Por que se limitar a um release em texto quando podem ser feitas apostas com fotos, infográficos, vídeos curtos? Com o renascimento do rádio na internet por conta dos podcasts, vale inclusive pensar em áudio-releases. O importante é que a mídia seja fisgada.

Enviado via fax há apenas algumas décadas, a casa atual do release é o e-mail, mas também já se pensa o contato com o jornalista via outros canais. Vale fazer a ponte para divulgação por meio de redes sociais ou mesmo direto por aplicativos de mensagens no celular – desde que um relacionamento prévio abra espaço para tal.

Análise de dados para melhorar resultados

O valor dessas novidades, no entanto, fica sujeito a uma variável difícil de mensurar, já que a medição de resultados é um ponto crítico da assessoria de imprensa. E aqui entra o pilar tecnológico: enquanto a economia da informação avança como um todo pelo mercado, o uso de big data e ciência de dados na assessoria de imprensa ainda é incipiente. As possibilidades são infinitas, mas uma ideia é avaliar o histórico de campanhas em busca de quais títulos, construções textuais e narrativas atraem mais ou menos a mídia em geral ou determinado veículo em específico.

Associadas à inteligência artificial, estratégias do tipo permitem uma redução de esforço com a identificação de abordagens e métodos mais eficientes, e maiores taxas de sucesso na assessoria. Um exemplo concreto de como isto tem sido aplicado é o monitoramento da mídia para que estratégias de relacionamentos com jornalistas e influenciadores sejam mais certeiras.

Por fim, a inovação na assessoria de imprensa também está ligada aos clientes que têm acesso a esse serviço. Antes restrita a orçamentos parrudos, hoje há modelos de negócio que permitem atender PMEs, startups e profissionais liberais que têm pouco a gastar, mas muito a oferecer em conteúdo.

A comunicação caminha para o futuro. Se olhar na direção certa, a assessoria de imprensa pode ajudar a abrir a trilha.

Michel Bekhor é fundador da Assessoria de Imprensa Press Works

Fonte: Press Works

Empresa busca Analista de Comunicação

Vaga para Analista de Comunicação

Planejamento e coordenação de atividades relacionadas a branding e comunicação da marca.

Missão: Realizar diagnóstico de comportamento da marca em relação a posicionamento, imagem da marca no mercado, concorrência para o planejamento e coordenação de ações com foco na ampliação da visibilidade da marca, refletindo no incremento de receita, clientes e participação de mercado; monitorar e relacionar-se com clientes, fornecedores, imprensa e outros; desenvolver estratégias, atividades e monitorar os resultados com a Assessoria de Imprensa; desenvolver regularmente a comunicação nos canais principais da marca: Site Corporativo, Reclame Aqui, Facebook e LinkedIn. Dar suporte às demandas de comunicação e eventos geradas pelas diversas áreas da empresa.

Requisitos e perfil:
 Formação superior completa em Comunicação Social, Marketing ou Administração;
 Excelência na comunicação verbal e escrita;
 Capacidade de analisar dados, apresentar relatórios e resultados e fazer otimizações baseadas nos dados levantados;
 Conhecimento de estratégias de Marketing Digital, incluindo mídias sociais, SEO, Inbound, Marketing de Conteúdo, Links Patrocinados, Analytics;
 Gestão de fornecedores como gráfica de fatura, SMS, e-mail marketing, entre outros.
 Experiência em produzir conteúdo para mídia impressa, Web e entendimento de cada canal (Facebook, Site institucional, etc.);
 Disponível para lidar com mudanças e reformulações de ideias e estratégias;
 Capacidade de administração de tempo e priorização das atividades;
 Gestão de eventos e diferentes projetos simultâneos;
 Estar sempre antenado às constantes mudanças do Marketing Digital;
 Agilidade de reação à tendências e criatividade para atividades em geral e oportunidades para marca.

Benefícios: Assistência Médica, Assistência Odontológica, Seguro de Vida, Vale-transporte, Vale Refeição ou Vale Alimentação, Auxílio Creche e Incentivo aos Estudos (Pós-Graduação / MBA) após 01 ano de empresa.

Reais chances de crescimento profissional de acordo com a performance apresentada.

Envie o seu CV com pretensão salarial até o dia 10/08/2018 para selecao@dmcard.com.br, indicando no campo assunto “Analista de Comunicação Jr. – Facebook”.

Para saber mais sobre a empresa acesse www.dmcard.com.br.

Artigo trata de análises a partir de BI

Três análises que podem impulsionar os resultados extraídos das ferramentas de BI

* por Rodrigo Segalla Uehara

Para utilizar os dados a favor do negócio é preciso muito mais do que uma ferramenta de Business Intelligence. Atualmente, empresas investem milhões em soluções para coleta de informações valiosas de seu histórico, mas poucas ainda sabem a importância de aliar esse fator com a previsão de eventos futuros, ou o que conhecemos como análise preditiva.

Essa investida tem se mostrado tão relevante ao mercado que, segundo previsão do Gartner, em 2020 a análise preditiva e a prescritiva irão atrair 40% dos investimentos das companhias relacionados a BI e analytics. A partir deste cenário será possível ter controle de eventos nas empresas e do desenvolvimento da habilidade de entregar experiências personalizadas aos clientes.

Esse novo olhar às soluções de BI auxilia equipes de inteligência a tirarem o melhor proveito dessas ferramentas, promovendo uma mudança cultural em toda a organização – afinal, dados isolados não dizem nada! Para tomar decisões assertivas, que ajudem a reduzir perdas, melhorar a eficiência operacional e aumentar a lucratividade, deve-se realizar diversos tipos de análises em relação às informações coletadas.

Pensando nisso, listo abaixo exemplos que são amplamente praticados pelas organizações em prol de resultados favoráveis.

Análise Preditiva

O primeiro é o modelo de análise preditiva que utiliza os dados para fazer previsões sobre o resultado de uma determinada ação. Para entender como funciona, vamos imaginar que sua empresa vai lançar um novo produto no mercado e você precisa entender o que exatamente vai agradar seu público-alvo. Ao realizar a análise preditiva dos dados, é possível identificar tendências, entender e prever o comportamento dos clientes, por exemplo. Tudo isso é fundamental para traçar um plano assertivo.

Análise Descritiva

Análise descritiva costuma ser realizada quando é necessário tomar uma decisão de imediato. Diferente da preditiva, os dados, nesse caso, não serão usados para avaliar uma situação futura. Ela é muito utilizada, por exemplo, pela área financeira para análise de crédito. Ao verificar a situação atual do cliente, a instituição se certifica de que ele terá condições de honrar o compromisso.

Análise Estatística

Por fim temos a análise estatística. Diariamente, as organizações acumulam um grande volume de dados brutos em seus aplicativos operacionais. Eles mostram os produtos que foram comprados, quem os comprou, quando a venda foi realizada, qual a quantidade vendida etc. Essas informações podem ser usadas para realizar uma análise que, quando bem empregada, auxilia, por exemplo, no gerenciamento do estoque de uma loja ou também na identificação de tendências de compra. Isso é possível ao fazer a checagem de uma grande quantidade de dados e chegar a um cenário estatístico fiel ao que se deseja observar.

E você, o que considera ser mais importante para investir em sua empresa hoje?

*Rodrigo Segalla Uehara – graduado em Ciências da Computação, com MBA em Business Intelligence – diretor de Tecnologia e Soluções da IN

Tem vaga para planejador digital

Vaga para Planejamento Digital

A Focusnetworks está com uma vaga aberta

71935_443402932401566_1423857100_n

O profissional irá, basicamente: fazer o trabalho de pesquisas, análises, métricas, relatórios de presença online/web analytics e planejamento de campanhas digitais.

A empresa busca pessoas com perfil analítico e estratégico e, principalmente, multidisciplinar. Se você acha que se encaixa mande o currículo.

Vaga em marketing digital

Vaga aberta em Marketing Digital

wordcloud-679949_640

Requisitos:

Graduação: Cursando ou superior completo em Marketing, Administração ou Ciência da computação;

Área de atuação: Marketing Digital;

Principais Atividades: Profissional para a área de marketing digital, conhecimento em SEO, Marketplace, Analytics, Adwords, E-mail marketing, Social Media, ERP x CRM com experiência e conhecimento em marketing digital e SAC 3.0. Cursos de capacitação e certificações na área de marketing digital serão diferenciais.

Perfil: Heavy user de internet e perfil Geek, dinâmico, criativo e inovador, voltado para metas e resultados. Experiência em liderança, planejamento, gerenciamento de projetos e gestão de equipes completam o perfil desejável.

Horário: Segunda a Quinta das 08h às 18h e Sextas das 08h às 17h

Salário: Encaminhar pretensão;

Benefícios: Vale Transporte e Vale Refeição

Envie seu CV por aqui