Shopping recebe o “Total Design Art”

Exposição de peças feitas a partir de sucata chega ao Via Vale Garden Shopping

Obras de arte foram feitas por um grupo de artistas de Taubaté e mostram como a criatividade pode reaproveitar materiais descartados em depósitos de sucata da cidade

O olhar apurado precisa ir além das aparências. Para encontrar a peça perfeita, a sensibilidade nasce espontaneamente e revela a alma do artista. Garimpada feito um cobiçado tesouro, a sucata mostra sua riqueza bruta, pronta para ser lapidada por talentosas mãos.

O empresário Sidnei Santos reuniu os melhores profissionais das áreas de design, ferramentaria, arquitetura e artes plásticas do Brasil e criou um projeto em Taubaté que reaproveita materiais descartados em depósitos de sucata e transforma em móveis e peças de design funcionais e decorativas.

O resultado final das obras impressiona pelo cuidadoso e requintado acabamento. “Quando estamos diante daquele amontoado de resíduos, que levaria séculos para se decompor na natureza, temos ali o nosso primeiro desafio: encontrar uma nova funcionalidade para aquelas peças consideradas lixo. Por isso, a criatividade é a nossa matéria-prima nesse fascinante processo de transformação. Provamos que a sucata só precisa de uma nova oportunidade para renascer em uma nova forma, uma arte exclusiva”, diz Sidnei.

O projeto, batizado de “Total Design Art”, nasceu em fevereiro deste ano. Inicialmente, a ideia era criar uma oficina para customizar motos, mas logo os rumos dessa parceria mudaram e o grupo decidiu partir para uma proposta sustentável relacionada a itens de decoração e mobiliários. O Sidnei divide o ateliê, que fica na estrada do Barreiro, com outras quatro feras da área: André Maeda, designer e especialista em pinturas especiais, Vagner Cunha, designer e ferramenteiro, Ralf Santos, arquiteto e técnico em eletrônica, e Paulo Saloni, artista plástico e especialista na utilização de bambu e madeira em peças decorativas e funcionais. “O que fazemos é criar uma nova funcionalidade para aquilo que foi descartado e permitir que a tendência da sustentabilidade envolva e inspire a nossa arte, diminuindo a quantidade de resíduos no meio ambiente”, explica o idealizador do projeto.

Entre as raridades encontradas pela equipe do Sidnei, seis poltronas de um cinema da década de 50, completamente desfiguradas pelo tempo, foram recuperadas e ficaram novinhas em folha, prontas para a estreia de um filme nas telonas outra vez. Elas e outras peças feitas pelo grupo vão estar em exposição no Via Vale Garden, Shopping em curta temporada nos dias 18 e 19 de agosto, das 11h às 22h. No sábado, 18, o visitante ainda pode participar de palestras com a arquiteta especialista em Feng Shui, Raíza Pastorell, e com a engenheira florestal Jéssika Luane que fala sobre sustentabilidade corporativa e economia circular.

No domingo, a conversa é com o artista plástico e mestre bambuzeiro Paulo Saloni que fala sobre as tecnologias associadas ao bambu. “O nosso trabalho mostra como a arte pode contribuir com a natureza. Devolvemos para a casa das pessoas aquilo que um dia elas descartaram. Com criatividade tudo pode ser transformado, inclusive a consciência”, diz Sidnei.

Para a gerente de marketing do Garden, Bruna Marcon, o projeto vai ao encontro de uma das missões do shopping, a sustentabilidade. “Abrir as portas do Via Vale para esses profissionais com um trabalho admirável como o deles é apoiar uma iniciativa onde natureza e arte se completam. O resultado das peças feitas por esses artistas com certeza vai impressionar”, finaliza.

Fonte: Assessoria de Imprensa Via Vale

Coluna Propaganda&Arte

O que Dolly, Chaves e guarda-chuva de chocolate têm em comum?

Além do famoso Dollynho, do programa do Chaves e daqueles chocolatinhos em formato de guarda-chuva, o seriado La Casa de Papel, faz parte de um seleto grupo de coisas ruins que adoramos.

Quando falo que algo é ruim, não estou entrando no mérito de uma avaliação artística, no caso dos programas de TV, ou uma análise de qualidade técnica, no caso dos alimentos. Por isso, para que nosso texto seja produtivo e minha linha de raciocínio fique clara, vamos considerar as seguintes questões:

1- O que significa dizer que algo é “ruim”?
Não estamos pensando nos campos morais ou éticos, de algo bom e ruim. E sim, de algo simples, com poucos elementos em sua composição, barato, com baixos investimentos e, por esse motivo, de baixo valor final.

Esse conceito explicaria as propagandas e os comerciais de baixo custo do refrigerante Dolly, assim como sua mascote que até meme virou, tamanha proximidade esse personagem tem com o público brasileiro.

Já os guarda-chuvas de chocolate, docinhos de décadas atrás, assim como as moedinhas de chocolate e os polêmicos cigarrinhos, oferecem um chocolate comum e barato, com um gosto característico, se diferenciando pelo formato. O resultado é um sucesso gigante com o grande público que consome o que é barato ou se afeiçoa por algum ponto desse produto.

2- Tudo o que é ruim é simples? E tudo que é simples é ruim?
Esse outro conceito precisa ser quebrado. O artista Romero Britto é bastante criticado por apresentar um estilo bastante colorido, simples e até infantil. Ele fez sucesso assim e agradou pessoas de todas as classes sociais. Esse é um feito que precisa ser reconhecido.

Outros artistas também usaram a simplicidade para expressar sua arte e, no meio artístico, são consagrados e colocados no hall da arte moderna. É o caso do movimento Minimalista que surgiu na década de 60 em New York e até hoje faz muito sucesso.

3- Eu preciso ter vergonha de gostar de algo “ruim”?
Claro que não. Cada um tem um tipo de gosto e cada pessoa aprecia um tipo de complexidade da arte ou produto. Seja de um seriado, como La Casa de Papel, que apresenta um roteiro forçado em algumas cenas e personagens estereotipados, mas agrada pelo conjunto da obra e o carisma de certos personagens. Ou então, o seriado mexicano Chespirito (Chaves e Chapolin) que conta com poucos atores, cenários baratos e personagens planos para conseguir cativar o público e gerar empatia de seus telespectadores.

É interessante, porém, saber que existem sempre produtos de melhor qualidade, seja um tipo de bebida, um chocolate, filmes ou séries, que demandaram mais tempo, investimento e raciocínio de seus criadores para conseguir chegar ao seu produto final. Isso também precisa ser valorizado.

4- E se eu não ligar para essas coisas de ruim ou bom?
Eu coloquei essa questão aqui, pois sei que cada um tem o direito de considerar ruim ou bom algo que viu, consumiu ou gosta. A análise aqui é mais no mérito de entender os motivos que levam algo de baixo investimento a fazer tanto sucesso. E o ponto que eu acredito responder à pergunta é a SIMPLICIDADE, que gera uma unidade mais palpável e comunica com mais pessoas.

Uma propaganda ruim, uma mascote comum, um programa de baixo investimento, um alimento extremamente barato e com sabor exagerado. Todos estes são caminhos que indústrias e profissionais escolheram para trilhar e, pelo jeito, sempre vai existir mercado para esse tipo de produto. Ruim ou não, o importante é que a gente consome, adora e não esquece. No final, é disso que trata a propaganda, não é?

Evento que reúne arquitetura e design chega a 11ª edição

BOOMSPDESIGN 2018: traz grandes nomes da arquitetura, arte e design para São Paulo

O BOOMSPDESIGN, Fórum internacional de arquitetura, design e arte, segue para a sua 11ª edição com data já marcada: dias 27, 28 e 29 de agosto, no Lounge da Bienal, no Parque do Ibirapuera, São Paulo. O evento, idealizado pelo Beto Cocenza, tem como premissa discutir, atualizar, explorar, pensar e repensar o design.

Um dos pontos altos do evento, seu idealizador, Beto Cocenza, anuncia o Designer do Ano homenageado em 2018: o atelier oï. Fundado em 1991 em La Neuveville, na Suíça, por Aurel Aebi, Armand Louis e Patrick Reymond, o atelier oï nasceu com a intuitiva e emocional afinidade de moldar materiais diferentes. Os profissionais apresentam como lema do atelier oï a transdisciplinaridade, o espírito de equipe e o relacionamento íntimo com os materiais.

Em sua programação, o BOOMSPDESIGN conta com palestras de renomados profissionais do cenário mundial. Como o espanhol Nino Bauti, designer e consultor criativo que já contribuiu com marcas como Giorgio Armani, Alexander McQueen e Givenchy. Outro nome de peso é arquiteto, designer e artista conceitual Luis Pons, o venezuelano radicado em Miami, que ficou conhecido pelos projetos de hotéis, residências e comerciais, também apresenta coleções de móveis e objetos.

atelier oï nomeado como Designer do Ano

A edição 2018 também divulga os primeiros nomes que estarão na Exposição Design 2×2: os profissionais do Studio Alfaia e os arquitetos Enzo Sobocinski e Eloísa Piardi. Junto com renomadas referências no Brasil, o grupo apresentará suas peças de design autoral.

As inscrições para participar gratuitamente do BOOMSPDESIGN já estão disponíveis por meio do site: www.boomspdesign.com.br/cadastrese

Sobre o BOOMSPDESIGN

Idealizado por Beto Cocenza, desde 2007, o BOOMSPDESIGN faz parte do calendário de design e arte de São Paulo e chega à 11ª edição com o propósito de discutir, atualizar, explorar, pensar e repensar o design em sua melhor forma.

Serviço BOOMSPDESIGN:

Data: 27, 28 e 29 de agosto de 2018

Local: Lounge Bienal, no Parque Ibirapuera – São Paulo (SP)

Inscrições: www.boomspdesign.com.br/cadastrese/

Fonte: dc33 Comunicação – Camila Santos

Coluna Propaganda&Arte

A arte da Inteligência Artificial chegou para ficar. E você?

A cada nova ferramenta, sejam bots para chat, programas de IA que facilitam a vida dos designers, até alguns robôs artistas, vemos que o ser humano está ficando para trás. Você está se preparando para isso?

Nos últimos meses, estou sendo bombardeado de máquinas e robôs. São bots que respondem as minhas perguntas em sites, são novas experiências do Google ou da Sony, que estão criando verdadeiros robôs artistas. E no meio de tanta novidade, estou pensando comigo: estamos nos preparando para esse futuro com máquinas artistas?

Vejamos o experimento da Sony, que criou um programa que reconhece padrões musicais e compõe as suas próprias melodias (https://super.abril.com.br/tecnologia/ouca-as-duas-primeiras-musicas-criadas-por-inteligencia-artificial/). Ou então, o projeto da Google que já alimentou o nosso amigo robô com obras de grandes pintores e agora a máquina reconhece o estilo e reproduz com fidelidade pouco vista em humanos (http://www.b9.com.br/89559/artista-alemao-cria-inteligencia-artificial-que-pinta-como-pintores-do-seculo-xix/).

Se você gostou do que viu e ouviu, estamos caminhando para um mundo artístico bastante confuso. Onde pouco irá importar se aquele artista existe ou não (em carne e osso).

IA é assim: você ensina padrões, ela aprende e reproduz. Tudo sai perfeito? Ainda não, as criações precisam de um “empurrão” humano, mas a tendência é essa dependência acabar. E aí teremos robôs superinteligentes interagindo mais do que nunca com a gente. E competindo.

Você está estudando, se aperfeiçoando para o mercado de trabalho? Se as coisas já andam bem competitiva entre humanos, imagine quando entrar de vez no mercado de trabalho inteligências autônomas. Elas irão fazer o seu trabalho, artístico ou não, com maestria invejável e não teremos nada o que fazer, a não ser, compreendê-las e evoluir com elas.

Se você não tem um amigo robô ainda, acho melhor rever sua network e rede de amizades. O grande lance aqui é viver grandes experiências, revelações artísticas. Se do outro lado é uma pessoa física ou um programa, não importa. Não importará no futuro. Se tudo é arte, quem somos nós para dizer que isso não é? Qual será o futuro da Inteligência Artificial? Com certeza, se tornarão mais inteligentes e menos artificiais.

Coluna Propaganda&Arte

Pense com Rodin, o futuro da escultura está ameaçado?

Todos nós já tivemos alguma experiência com a 4ª arte: a escultura. Com tantos avanços das impressoras 3D, será que o trabalho de escultor está ameaçado?

Você pode não ser um expert na história da escultura (também não sou), mas com certeza você já viu “O pensador” de Auguste Rodin, uma escultura em bronze de 1904 que se encontra hoje na França, e continua lá, pensando nas questões interiores e talvez no seu futuro.

O Pensador – Rodin

Quando criança, fomos introduzidos ao mundo dos volumes através de brinquedos e massas de modelar. Uma brincadeira que pode um dia até se tornar trabalho, quem sabe desenvolvendo personagens fantásticos para o próximo filme de Guilhermo Del Toro, já imaginou?

A notícia de que impressoras avançadas estão construindo as mais diversas ferramentas, sapatos, próteses e até casas, demonstra que o trabalho do escultor está passando por uma grande mudança. Por um lado, essa tecnologia pode trazer facilidades, por outro irá democratizar a criação de peças em três dimensões, desvalorizando-as.

Será que todo o processo criativo de selecionar um material, seja bronze, mármore, madeira ou argila, até a concepção do objeto, da cena e todo o know-how artístico irá ser substituída por programas? Se isso acontecer, irá revolucionar não só o mundo da arte, mas do mercado como um todo. Se hoje podemos “imprimir” uma casa em 24 horas, o que dizer das obras de arte?

Quem sabe em um futuro muito mais próximo do que você imagina, poderemos selecionar uma obra-prima, como essa de Rodin, e mandar imprimir em casa para decorar a sua sala. Ou então, mandar imprimir a casa toda, já com os móveis e a decoração 100% pronta.

Coluna Propaganda&Arte

Qual a relevância dos filmes do Oscar para as futuras gerações?

Quando se fala em filmes logo se pensa em ficar em casa tranquilo em um momento de puro entretenimento, mas para muitas pessoas fazer a sétima arte exige muito trabalho, estudo e sacrifícios. Ainda mais se você sonha em ganhar um Oscar.

Eu gosto muito de ver filmes, tanto para aproveitar um fim de semana preguiçoso, quanto para analisar as fotografias, os roteiros, os efeitos especiais e sonoros que fazem toda a diferença no produto final. Não quero entrar no mérito se os filmes ganhadores do Oscar são bons ou não, se o sistema de votação é justo ou não. Até porque esse é um elemento de arte, e arte é técnica, é subjetiva, é momento de vida e é História. Isso mesmo.

Eu sempre questionei esses filmes que se aproveitam de discussões do momento para mostrar situações nas telonas. Atualmente vemos muitos indicados falando de diversidade, sexualidade, preconceito, dentre outros assuntos polêmicos. Confesso que sempre achei forçada essa linha da Academia querer premiar os filmes que representam um momento da sociedade, um assunto relevante para aquele ano, pois para mim arte é atemporal e deveria premiar o que é bom e ponto final. E quando eu achava que nada me faria mudar de ideia, tcham! Um ponto de virada.

Depois de analisar filmes vencedores do Oscar dos anos 70 para cá, percebi a importância dessas premiações. Além de valorizar a parte técnica que só tem se aprimorado com a tecnologia e com novos autores de diversos países aparecendo, nós podemos fazer uma verdadeira viagem no tempo ao vê-los.

Por exemplo, assisti a um filme vencedor do fim dos anos 70, chamado Kramer vs. Kramer, onde um pai muito dedicado à sua carreira (aliás, um publicitário como eu – me identifiquei!) não percebe seu casamento desmoronar e acaba perdendo a mulher que sai de casa deixando-o com a missão de criar o filho e fazer as tarefas da casa (e quem tem filho sabe que são muitas – me identifiquei parte 2!).

Resumindo, ela pede o divórcio e eles entram em uma batalha judicial pela guarda do menino. Pense no fim dos anos 70. Nesse momento, a sociedade dos anos 80 já respirava um novo panorama, as mulheres estavam vendo uma possibilidade de viver uma nova chance, uma vez que o casamento já não funcionava e buscavam cada vez mais independência e igualdade. O número de divórcios começou a crescer e no meio disso tudo, levantou-se a questão: quais são as consequências de um divórcio?

Claro, toda decisão traz consequências e eu nem preciso dizer o impacto de um divórcio para uma criança de sete anos, como é o caso do filme. Essas grandes questões nos fazem pensar como aquelas pessoas pensavam, gerando emoções muito semelhantes e conflitos que marcaram uma geração.

Quer fazer uma experiência interessante? Escolha algum filme vencedor do Oscar de qualquer década para ver e sinta o ponto alto da história. Seja transportado para as emoções que foram geradas naquela época, por aquele filme. Ainda não inventaram forma melhor de viajar no tempo. Talvez escutar a um álbum musical famoso, que marcou época, mas esse já é assunto para um novo texto.

Qual filme do Oscar, na sua opinião, marcou sua geração?

Coluna Propaganda&Arte

Que tal criar filmes dadaístas para vender chocolate?

Em uma época de Netflix, renomadas séries e grandes filmes, o papel dos roteiristas se torna cada vez mais relevante. Mas será que vale a pena abrir mão disso para vender chocolate?

Recentemente foram divulgados, por uma marca de chocolate, 3 curtas-metragens, que foram criados a partir de comentários dos próprios seguidores da marca. São os famosos roteiros colaborativos. Títulos como: O TRANSPORTADOR GALÁCTICO TEMPORAL E OS ROBÔS JURÁSSICOS DE MARTE ou O CURIOSO CASO DOS CLONES DO MAL NO FANTÁSTICO REINO MÁGICO DIMINUTO demonstram o tom dadaísta e cômico que os filmes tomaram.

Se por um lado, ações como essa geram filmes engraçados e interagem de alguma forma com o público-alvo, eu me pergunto se estamos tão fracos de ideias novas a ponto de precisarmos virar o microfone para a galera igual alguns cantores fazem, quando não lembram a letra da música?

Nessas horas é inevitável recorrer aos grandes roteiros do cinema mundial, Casablanca de Julius J. & G. Philip Epstein e Howard Koch, O Poderoso Chefão de Mario Puzo e Francis Ford Coppola ou até Cidadão Kane de Herman Mankiewicz e Orson Welles, só para citar alguns. Em todos brilham o talento, o olhar diferente do mundo, a emoção, a criatividade e, claro, uma boa produção e direção para fazer jus nas telonas.

De fato, essa campanha do chocolate teve um olhar crítico na seleção dos comentários, uma boa produção, pode virar um case de sucesso, divulgar a marca e dar resultados para a empresa, porém, me deixou com uma fome de filmes mais criativos, provocativos e interessantes no cenário nacional. Até quando vamos engolir esse tipo de solução criativa? Será que vamos encontrar saídas mais originais? Enquanto não tenho as respostas, fico torcendo por um final feliz.

Coluna Propaganda&Arte

“Ah, eu tô maluco” com os anos 90 e você precisa ficar “antenado” nisso

É natural, a cada duas décadas a moda, os estilos musicais e a propaganda precisam relembrar alguns elementos do passado e, pelo jeito, chegou a vez dos anos 90.

O estilo despojado com muito jeans (saia, blusa e macacão), calças altas, camisas grandes e largas, cores chamativas e adereços como gargantilhas, estão de volta na moda. As playlists dos anos 90 estão em alta, os filmes da época estão ganhando remakes ou gerando conteúdos, e até alguns brinquedos estão ganhando novas roupagens. Isso tudo ainda é só o começo de um grande movimento de resgate aos anos 90 que deve aumentar ainda mais nos próximos três anos.
Como comunicólogos, precisamos ouvir de tudo: moda, música, filmes, literatura, comportamento etc. Ficar “antenados”, para não “queimar o filme” e nem “pagar sapo” na hora de criar uma propaganda “animal”.

Além dessas gírias que até hoje estão em alta, vemos um fenômeno interessante na internet, como o vaporwave, estilo que nasceu 100% on-line em 2010 e traz elementos de música e vídeo criados a partir de comerciais televisivos, videogames e computadores, que juntos lembram muito “sons de elevadores”. Alguns dizem que ao usar comerciais clássicos dos anos 90, o movimento visa criticar o capitalismo e o consumo, porém, o que vemos é uma mistura de referências na tentativa de criar algo novo e divertido, valendo inclusive adicionar elementos da cultura japonesa, afinal tudo é meio non-sense hoje em dia.

Para que você comece a estudar todos esses movimentos e inspire o seu próximo job, criei uma playlist especial. Dê o play e aproveite essa década que para mim “é o bicho”!

 

Coluna Propaganda&Arte

O que eu acho sobre a exposição Queer que foi cancelada após críticas na internet

Eu sempre me preocupo em selecionar temas ligados à arte para expor aqui nesse espaço. Porém, hora ou outra, acabo esbarrando em assuntos polêmicos do momento como o caso do banco que patrocinava uma exposição Queer e após críticas e repercussão negativa acabou sendo cancelada.

O que aconteceu?
Uma exposição Queer (tema ligado a gays, lésbicas, trans – todos que não seguem um padrão de heterossexualidade), estava acontecendo em Porto Alegre e algumas obras acabaram caindo na internet acompanhadas de acusações de apologia à pedofilia, zoofilia e ataques à religião cristã. Para se defender dos ataques de diversos clientes, o banco decidiu se desculpar e cancelou o patrocínio que deveria manter a exposição aberta até outubro.

O que eu acho das obras polêmicas?
As poucas imagens disponíveis na internet mostram que são obras provocativas. Falam de sexualidade, infância, religião, dentre outros pontos que podem ferir e não agradar muitas pessoas. Analisando friamente a parte técnica das obras, cada uma tem o seu valor. Algumas mais simples, pobres, outras mais ricas e interessantes, mas no geral não vi nada de especial ou inovador.

O que eu acho desse tipo de arte?
Por mais polêmica que uma instalação ou quadro sejam, precisamos pensar na intenção do artista. Ele se ocupou, ele pensou, ele agiu e finalmente teve um aval para expor seu trabalho. A qualidade, a forma, as ideias por trás daquela peça podem sofrer interpretações diversas, inclusive serem consideradas ofensivas. A arte não tem forma, mas tem gosto. A arte que aborda assuntos polêmicos vai ser sempre polêmica e gerar reações diversas. No passado, muitas obras foram censuradas e criticadas, por exemplo, por mostrar o nu, hoje são expostas em grandes museus, o que mostra um caminho natural da arte e da sociedade.

O que eu acho sobre a repercussão?
No geral, não acho que provocam tanto como dizem as repercussões da internet. Vejo aqui um exagero nesse sentido, tendo em vista conteúdos muito piores que as crianças e todos nós podemos ter acesso por outros meios fora do museu. Lugar esse, aliás, dedicado à reflexão, experimentação e análise de novos conceitos. Se você ficou pessoalmente ofendido com uma arte ou exposição, a melhor maneira de expressar isso é não indo ou não divulgando a exposição. Vejo aqui uma reação totalmente contrária e incoerente. Os que são contra a exposição acabaram tornando-a nacionalmente conhecida, na luta em proibi-la (mesmo que tenham conseguido).

O que eu acho disso tudo?
Estamos passando por uma fase social bastante conturbada. Não sabemos nos portar e respeitar a opinião dos outros (sejam liberais ou conservadores). As marcas não sabem se posicionar e estão morrendo de medo da internet. Estamos todos cuidadosos ao emitir uma opinião, pois poderemos ser incompreendidos ou pior, compreendidos e agredidos por pensar diferente. Para o público, falta essa noção de que somos todos diferentes. Para o artista, falta o entendimento de que ele poderá ofender muitas pessoas com sua provocação e precisa saber enfrentar as críticas. Afinal, esse é o mundo em que vivemos, onde a polêmica dá mais likes do que a própria arte ou reflexão.

E você? O que achou do assunto? Você acha que a arte deve ou não expor assuntos polêmicos e até “ofensivos” para alguns?

Via Vale Garden Shopping recebe Exposição Internacional de Leonardo da Vinci

Clientes poderão ver de perto réplica da Mona Lisa e da Santa Ceia, além de outras 60 peças do acervo

A exposição ‘Da Vinci – A Exibição’, que integra o roteiro das grandes mostras internacionais chega agora a Taubaté. Com abertura ao público a partir do dia 01 abril, cerca de 60 peças, sendo 44 interativas, vão proporcionar aos visitantes do Via Vale Garden Shopping uma experiência única, assim como as vivenciadas nos grandes museus do mundo.

As peças são de um acervo internacional e foram trazidas ao Brasil especialmente para essa exposição com o intuito de transportar o visitante para um ambiente completamente diferente de um simples passeio pelo shopping. “Trazer um projeto desta magnitude para localidades que estão fora do circuito cultural das grandes capitais, é dar oportunidade para todas as pessoas conhecerem a obra e a mente de um dos maiores gênios de todos os tempos, em uma exibição educacional, cultural e interativa. É um privilégio poder oferecer essa oportunidade única aos taubateanos”, destaca Renato Gonçalves, Superintendente do Shopping.

O público terá a chance de conferir e interagir com as obras idealizadas pelo gênio e executadas por artesãos especialistas que deram vida às suas invenções, muitas das quais nem chegaram a ser construídas devido à falta de tecnologias no século XVI. O parafuso aéreo (princípio do voo de helicóptero), tanque, polias, além de máquinas das áreas de robótica e mecânica, são algumas das peças interativas.

A exibição é uma parceria com do Instituto Tenco com Exhibition Club e traz, ainda, as réplicas da Mona Lisa, Anunciação e Santa Ceia. Excursões de escolas poderão ser agendadas em horários diferenciados, para que as crianças possam aprender sobre arte e estudar sobre um dos mais importantes artistas do Alto Renascimento.

Itinerância
A exposição foi escolhida pelo Instituto Tenco para levar cultura, educação e entretenimento ao público de dez cidades do interior do Brasil, percorrendo mais de 20 mil quilômetros em dois anos, na maior itinerância de Da Vinci pelo país. “Com isso, fortalecemos a nossa missão de promover o desenvolvimento nos locais onde atuamos, por meio de uma atividade extraordinária de conhecimento e reflexão”, destaca a presidente do Instituto Tenco, Adriana Gribel.
Além de Taubaté, a mostra vai passar por Juazeiro do Norte (CE); Boa Vista (RR); Macapá (AP); Arapiraca (AL), Lages (SC), Juazeiro da Bahia (BA), Varginha (MG) e Itaquaquecetuba (SP).

Serviço
Exposição Da Vinci – A Exibição
Data: 01 de abril a 15 de maio
Horário: Horário de funcionamento do Shopping
Local: Próximo a loja Mística, piso 1
Bilheteria: R$25,00 inteira, R$12,50 meia, pacote família (4 pessoas): R$60,00 – Crianças até 3 anos não pagam. Classificação: Livre

Fonte: Pilares RP – Juliane Bernini