Equipe do Vale do Paraíba vence festival

Ex-alunos da Comunicação Social da UNITAU vencem o GO Film Festival

No último dia 21, os ex-alunos do Departamento de Comunicação Social da UNITAU Marcela Barreto (PP), Eduardo Spinelli (PP) e André Pires (JO) reuniram um grupo de profissionais de audiovisual do Vale do Paraíba para um grande desafio: criar um curta-metragem em apenas 24 horas. O desafio foi proposto pela 2ª edição do GO Film Goiânia Film Festival e a equipe do Vale participou com o curta “Tudo Vira Filme”, que aborda o tema “o lado bom da vida” e presta uma homenagem aos grandes nomes do Cinema Nacional. O curta venceu a categoria “Melhor Curta Nacional (Público)”.

“Tivemos 24 horas para criar o roteiro, produzir, gravar, editar, finalizar e entregar o filme. E sem nenhuma verba. Foi corrido, mas foi uma experiência incrível, o resultado final valeu a pena. Ficamos muito felizes de sermos eleitos pelo público”, revela Marcela Barreto, produtora executiva do projeto.

A equipe foi composta por Eduardo Spinelli (Roteiro), Marcela Barreto (Produção Executiva), André Pires (Montagem), Marcos Alves (Direção de Cena / Fotografia), Guilherme Midões (Câmera), os atores Jean Oliveira e Rodrigo Pinelli e o músico Cassinho Vieira (Trilha Sonora Original).

“Produzir um curta era um sonho de todos nós. Reunimos pessoas movidas pela paixão pelo cinema e pela vontade de fazer acontecer. Pessoas que colocaram todo o seu tempo, talento e energia no projeto para realizar o melhor trabalho possível. Este troféu é o reconhecimento de todo esse esforço coletivo”, conta Spinelli.

No total, foram 156 equipes inscritas, sendo 152 do Brasil e 4 do exterior. As inscrições internacionais incluem cidades como New York (EUA) e Almada (Portugal). O curta “Tudo Vira Filme” foi selecionado entre os 38 classificados do GO Film. Os vencedores foram revelados na cerimônia de premiação, realizada no dia 29 de outubro, no Cinema Lumière do Shopping Bougainville, em Goiânia.

Oportunidades de negócio através da economia criativa

A Economia Criativa e as oportunidades de mercado

*por Ronaldo Cavalheri

O Brasil é o quarto consumidor de jogos digitais do mundo, sendo um importante empregador de mão de obra especializada e se fixando como um mercado bilionário, com expetativa de crescimento de 13,5% ao ano, segundo pesquisa encomenda pelo BNDES. Com mais de 60 milhões de usuários, esse mercado vem ampliando o seu perfil de consumo, que até então era em sua grande maioria de público jovem masculino e hoje já conquista mulheres, crianças e idosos. Muito disso se explica pela facilidade de acesso aos smartphones e as redes sociais, além é claro da utilização de games em muitas outras áreas como na educação, nos negócios e na medicina, não sendo mais uma exclusividade voltada apenas ao entretenimento.

Ronaldo Cavalheri Diretor Geral do Centro Europeu

Outro mercado em ascensão é do audiovisual. Em 2011, foi regulamentada pelo Congresso Nacional a Lei 12.485, que determina a veiculação de conteúdos nacionais e inéditos na programação das televisões por assinatura. Com isso, além de valorizar a cultura local a produção audiovisual no Brasil, o segmento ganhou ainda mais espaço e já se posiciona a nível global como a 12ª maior economia nesse mercado que corresponde por 0,57% do PIB brasileiro. Em pesquisa realizada pela Ancine, foi apontado um crescimento de 65,8% entre os anos de 2007 e 2013, um salto de R$ 8,7 bilhões para R$ 22,2 bilhões, uma evolução bem superior aos outros setores da economia.

E liderando o ranking de crescimento no Brasil, temos a indústria da moda. Nos últimos 10 anos, o varejo de moda fez com que o país saltasse da sétima posição para a quinta no ranking dos maiores consumidores mundiais de roupas. Uma pesquisa realizada pela A.T. Kearney, renomada empresa de consultoria empresarial norte-americana, aponta uma arrecadação de US$ 42 bilhões em vendas, sendo que 35% é através de capturas online, sendo facilmente explicado pelo poder de influência das redes sociais e blogs de formadores de opinião dessa área.

O mercado dos Jogos Digitais, do Audiovisual e da Moda são apenas três exemplos dos 13 segmentos que englobam o que chamamos de Economia Criativa. Um setor da economia que vem ganhando destaque e driblando o cenário atual de crise pelo qual o Brasil vem passando. São empresas que se destacam pelo talento e pela capacidade intelectual de seus empreendedores e funcionários, e que não dependem do tamanho da sua estrutura ou de quanto tem de capital.

O Brasil, de certa forma, vem dando seus primeiros passos para se fixar nessa economia. Países como EUA, China e Inglaterra já se consolidaram e juntos já correspondem a 40% da economia criativa global. Muitas cidades no Brasil já possuem iniciativas de estimulo à Economia Criativa, como por exemplo, Recife, Porto Alegre e São Paulo. A cidade de Curitiba, também, se destaca como uma das mais atuantes, e por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento, circula por todo o ecossistema que engloba a economia criativa, conectando coworkings, startups, iniciativas públicas e privadas e estimulando o empreendedorismo de alto impacto.

A Economia Criativa, que hoje já apresenta uma média de remuneração superior a outros setores, será um dos grandes empregadores em um futuro breve. E as cidades que enxergarem essa oportunidade, sairão na frente. O olhar sobre a formação de seus jovens, que é a geração que mais impulsiona esse mercado, é um fator decisivo para o melhor aproveitamento de uma fatia do mercado na qual o maior recurso é o potencial criativo.

*Ronaldo Cavalheri é Coaching de Negócios Criativos, mentor do Projeto Jovem Empresário e Diretor Geral do Centro Europeu – escola pioneira em Economia Criativa no Brasil.

Fonte: P+G Comunicação Integrada – Eduardo Betinardi

Vaga para cinegrafista

Produtora procura cinegrafista

photographer-1702074_640

A Produtora RTV contrata:

– CINEGRAFISTA

O regime de contratação é PJ

Enviar CV e portifílio para fcogina@gmail.com

Oficina de vídeo

Oficina de Vídeo no Senac Guaratinguetá

unnamed-1O Senac Guaratinguetá está com inscrições para o curso livre Oficina de Vídeo. Neste curso, o aluno é preparado para realizar vídeos experimentais, respeitando as etapas de pré-produção, produção e pós-produção, explorando as linguagens audiovisuais e compreendendo as especificidades de cada função para a realização de uma obra audiovisual.

Data: 17/10 a 12/12
Horário: 18h30 às 22 horas; segunda, quarta e sexta-feira

Serviço:
Local: Senac Guaratinguetá
Endereço: Avenida Doutor João Baptista Rangel de Camargo, nº 50, Centro
Informações e inscrições: (12) 2131-6300 ou www.sp.senac.br/guaratingueta

A abertura

Nesta segunda, 30/05, tivemos a abertura da trigésima Semana da Comunicação do Depto. De Comunicação Social da Universidade de Taubaté. E a palestra que abriu a semana foi proferida pelo Prof.Dr. Walter Lima. Ele abordou o tema “Web Social TV: Uma nova era do audiovisual.

Walter iniciou a palestra dizendo que o modelo de negócios  da TV aberta no Brasil é extremamente bem sucedido, mas colocou o questionamento sobre sua capacidade de ser colaborativa.

Ele prosseguiu afirmando que, atualmente, o audiovisual é bem mais do que apenas TV e Cinema e que muitas novas telas surgiram, alterando totalmente as possibilidades de contato.

Como o modelo atual de TV aberta no Brasil gera grande faturamento publicitário, Walter comentou sobre a dificuldade política para a instalação de TV digital. Afirmou que o país “está patinando” e perdendo tempo na adoção da digitalização total do sistema televisivo.

Na sequencia de sua palestra, Walter Lima mostrou que a tecnologia de informação atualmente disponível modifica o fluxo de informação e a forma de consumir conteúdo.

Outro ponto interessante abordado pelo palestrante diz respeito ao fato de que nem todas as pessoas realmente interagem constantemente via web. Poucas são as que também geram conteúdo 100% original, optando por retransmitir links que considerem interessantes. Daí uma certa dificuldade para a adoção de uma TV digital interativa.

Lima afirmou que veremos grandes transformações no mercado audiovisual. Novas formas de gerar conteúdo e faturamento comercial (a partir destes mesmos conteúdos) surgem a todo instante no mundo todo. O novo audiovisual, segundo ele, é: conversação, compartilhamento, recomendação, ranqueamento e deliberação.

Para finalizar, Walter Lima declarou ser essencial que o novo homem de comunicação saiba atuar a partir das novas tecnologias de forma bastante profissional, encarando o desafio de gerar novas formas e conteúdos, assim como também descobrir maneiras de faturar comercialmente com elas.

Foi uma excelente abertura de evento, com o palestrante falando de forma contundente e divertida ao mesmo tempo, promovendo junto a platéia momentos de risos e reflexões.