E-commerce é canal de vendas estratégico e viável para as indústrias

*por Rafael Jakubowski

Criar proximidade com o consumidor, reforçar o branding, analisar o comportamento do cliente e, por meio dele, desenvolver novas soluções são apenas algumas das vantagens que podem ser alcançadas pelas indústrias ao investir no e-commerce como canal de vendas.

Aliás, se levarmos em conta que esse é um dos canais de vendas que mais cresce em todo o mundo, ano a ano, as indústrias não devem perder tempo e precisam começar a adequar seus negócios visando a prática de um modelo inovador, ao qual chamo de B2B2C. Por este conceito, a indústria (B) tem seu próprio e-commerce e repassa as oportunidades de vendas às revendas parceiras (2B) para que estas possam efetivamente concretizá-las junto ao consumidor final (C).

O comércio eletrônico, porém, é visto como um desafio para quase 30% das indústrias brasileiras. Se pensarmos que 61% dos consumidores aumentaram o volume de compras pela internet no último ano, torna-se mais alarmante ainda o fato de que apenas 5% das indústrias estejam realmente preparadas para aproveitar ao máximo todas as oportunidades do ambiente digital, de acordo com um levantamento realizado pela PwC.

Independente do segmento de atuação ou do porte da indústria, implantar e estabelecer um canal de vendas pela internet a fim de facilitar, ao consumidor final, o acesso direto aos seus produtos é uma estratégia de negócios necessária. Ingressar no universo B2B2C pode representar um importante aumento no faturamento e significar o passo definitivo para o sucesso dessas companhias, visto que, apenas nos oito primeiros meses de 2020, o varejo digital cresceu 56% e a tendência é seguir em constante evolução.

A estratégia está, no entanto, em conciliar a abertura deste canal de vendas e o relacionamento direto com o consumidor sem perder as relações ou criar um conflito com as revendas, que foram e seguem como as grandes parceiras de negócios das indústrias até o momento. Este é um cuidado importante e um desafio que precisa ser tratado com a máxima atenção.

Uma saída interessante é utilizar o e-commerce não apenas como um canal de vendas para a indústria, mas como um gerador de oportunidades para os revendedores e, com isso, estreitar ainda mais o relacionamento com esses parceiros. Posso exemplificar. Se a revenda possui um determinado produto, que foi adquirido pelo consumidor por meio do e-commerce da indústria, disponível em estoque e está próximo da região onde a entrega deve ser realizada, por que não passar essa venda ao parceiro? Se nenhuma das revendas parceiras tiver o produto vendido à disposição do cliente, que mal há na própria indústria atender diretamente ao consumidor?

É interessante notar que ao operar de maneira integrada, indústria e revendas saem ganhando. É possível que ambas ampliem o volume de vendas, os consumidores possam ser atendidos de forma mais rápida e eficiente e as revendas ainda ganham a vantagem de enxergar uma série de oportunidades de negócio ao observar a demanda por determinados produtos, que podem não fazer parte do mix adquirido para a sua loja. O e-commerce, definitivamente, é um canal de vendas estratégico e viável para as indústrias. Não apenas sob a ótica do aumento do faturamento, mas especialmente pelas oportunidades de negócios que podem surgir do meio digital. Pense sobre isso!

*Rafael Jakubowski é CMO do da Energy Connect, empresa especializada no desenvolvimento de soluções inovadoras em tecnologia, detentora do Sellerfy, solução que viabiliza a implantação do e-commerce como um canal de vendas para as indústrias e gerador de oportunidades para revendedores.

Fonte: Scaramella Press – Paula Yokoyama

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Startup cria novos negócios para empresas e acelera o crescimento de empreendedores

Onawa conecta marcas e consumidores por meio de uma poderosa ferramenta de vendas por relacionamento e estratégia customizada

Com a visão de que a melhor maneira de gerar e acelerar negócios é unir diversas marcas e consumidores oferecendo soluções customizadas para companhias e empreendedores de todos os tamanhos, a startup Onawa anunciou o lançamento de sua operação nesta semana, durante o Vtex Day – um dos maiores eventos multicanais da América Latina -, realizado em São Paulo.

A empresa oferece uma série de soluções inéditas e inovadoras. A primeira é o desenvolvimento e gestão de marketplaces de afinidade. Sob a bandeira de uma entidade que agrega consumidores com interesses em comum, a Onawa desenvolve plataformas digitais que aproximam grandes marcas de compradores, identificando ofertas de produtos e serviços exclusivos, por meio de uma curadoria com diversas empresas, gerando negócios sob medida para a comunidade. Neste ambiente, as marcas podem desenvolver o marketing one to one e apresentar ofertas customizadas para um público qualificado, aumentando sua taxa de assertividade.

A outra solução é criar canais de vendas diretas para empresas que querem se relacionar e gerar novos negócios com seus clientes finais, no formato “white label”. Neste caso, a Onawa desenvolve a estratégia de um canal de vendas diretas para grandes empresas, com a utilização de um aplicativo mobile personalizado e apoio total na ativação desse novo canal. A ideia é atuar como uma consultora estratégica que desenha o modelo de negócios customizado, gerando oportunidades para todas as partes envolvidas. As marcas geram negócios incrementais por meio de especialistas em seus produtos e segmentos, com uma tecnologia inovadora que permite capacitar e estimular a troca de informações, além de facilitar lançamentos de novos formatos de serviços e vendas.

O modelo de Autosserviço foi pensado para empreendedores individuais e micro empresas que buscam expandir seus negócios. Com a solução da Onawa, terão acesso a um app que funciona como uma loja virtual na tela do smartphone, proporcionando processos de vendas diretas de forma rápida e prática.

Para estas soluções, a Onawa criou um time de especialistas em análise de dados, estratégia de mercado, comportamento de consumo e inteligência de negócios, que analisa as informações, gera insights e contribui no direcionamento, tomada de decisões e atualizações dos ambientes com o objetivo de gerar mais negócios para todas as partes. A empresa desenvolveu uma plataforma mobile com tecnologia própria, capaz de suportar todas as transações e inovações necessárias que também pode ser rodada em ambientes desktop.

De acordo com Jorge Rosolino, CEO da Onawa e ex-executivo da Natura e Johnson&Johnson, “a empresa chega ao mercado com soluções inéditas reunindo, em uma única empresa (one-stop-shop), plataforma móvel, serviços e estratégia de vendas diretas com soluções customizadas para diversos públicos, desde pequenas empresas, entidades de classe e grupos de interesse ou de afinidade até grandes empresas que precisam inovar a forma de se relacionar no modelo B2B2C”.

“Oferecemos muito mais do que uma plataforma com tecnologia de ponta. Nós conseguimos viabilizar negócios e criar estratégias verdadeiramente personalizadas, atuando junto com as empresas. Hoje, com a evolução dos negócios online e do crescimento exponencial do uso de tablets e celulares, surgimos como uma ótima possibilidade para complementar o omnichannel ou criar um novo negócio”, diz Jorge Rosolino.

O CEO explica ainda que Onawa significa, em um dialeto indígena americano, “wide awake”, ou manter-se acordado e aberto para as oportunidades. “Assim como o nome, nossa marca nasceu com esse propósito – aproximar pessoas e auxiliar nossos clientes a despertarem para todas as oportunidades”, diz Jorge.

Sobre a Onawa

A Onawa gera soluções customizadas para empresas e empreendedores de todos tamanhos, desde micro e pequenas empresas à grandes corporações, empreendedores independentes, grupos de afinidades até artistas e formadores de opinião. Para cada público oferece uma solução ideal às suas necessidades por meio de uma plataforma 100% proprietária, que conecta, de forma inteligente, marcas e consumidores.

Fonte: Helena Heringer – Art Presse

Share and Enjoy !

0Shares
0 0