A idade mídia

Repercutindo as ideias de Walter Longo

por Josué Brazil

Hoje volto a escrever sobre um conteúdo que tive a oportunidade de absorver em uma das palestras do Fest’up Tendências 2019 que ocorreu no último sábado, dia 28/09. Desta vez quero escrever um pouco sobre o que ouvi do genial Walter Longo, o palestrante que fechou – de forma brilhante – o evento.

O título da palestra de Longo foi “O fim da idade média e o início da idade mídia”. Também é título de seu novo livro lançado – ou a ser lançado – agora em outubro.

Walter começou explicando que tudo até agora era – e ainda em grande parte é – avaliado, medido, pela média. Quase não há individualização. A média dos gostos, a média das preferências etc.

E completa: marketing e propaganda agiam assim!

Com o advento e rápida disseminação do Big Data, da Inteligência Artificial (IA) e do Analytics está acontecendo uma mudança significativa. Cada um de nós passou a ser uma mídia. Cada empresa ou instituição passou a ser uma mídia. Até mesmo máquinas passaram a ser mídia. Isso muda tudo!

Os consumidores atuais, segundo Walter Longo, passaram a ser “mimados” pela internet. Querem tudo a seu tempo, do seu modo, onde estiverem e com facilidade e rapidez. Sem dúvida, um consumidor muito mais exigente e complicado. Com ampla capacidade de escolha e muito poder!

Foto: Divulgação

Em função disso, Walter afirma que a publicidade, a comunicação, deve ser:

  • individualizada no target;
  • sutil na forma;
  • didática;
  • verdadeira;
  • relevante no propósito.

Deve ser assim para atender a demanda de um consumo cada vez mais individualizado, com forte customização de produtos e até mesmo de serviços. Estamos num momento de vida sincronizada, onde vão valer aspectos essenciais como simplicidade, flexibilidade e individualidade.

Já estou louco de vontade de ler o livro!

Coluna propaganda&Arte

Futurologia: pare de falar de tendências e comece a agir

Todos os anos nós vemos pipocar, em grandes eventos de comunicação e discutimos nos papos de bar, assuntos que vão ser tendências no mundo: a próxima cor da moda, a próxima série revolucionária, as próximas tecnologias, as próximas big ideas, a próxima astrologia hypster, o próximo som do verão e por aí vai. Mas só ficar na futurologia pode ser um pecado, sem perdão.

Já se fala de Realidade Aumentada, Virtual Reality, Georreferência, Foco no Mobile, Inteligência artificial, Internet das coisas e novos valores do Marketing 3.0 há um bom tempo. Realmente, as previsões estão acertando com o passar dos anos, mas de tanto falar e não ver acontecer aqueles cenários que imaginávamos nos filmes de ficção científica dos anos 80, acabamos ficando um pouco desapontados. Será que isso não é culpa nossa?

Estamos vivendo um futuro que não imaginamos

Estou falando de Big Data, grande quantidade de dados que são usados por corporações para diversos fins, alguns duvidosos. Seus dados, meus dados, os dados de comportamento de compra e político de milhares de pessoas estão sendo monitorados e usados livremente. Esse parece um cenário futurista, mas de um filme pós-apocalíptico. E o pior, onde nós não percebemos que está acontecendo porque ainda estamos presos na “Matrix”, no superficial das coisas.

Imagem de Tumisu por Pixabay

Você vive 100% as possibilidades atuais de tecnologia?
Quais aplicativos mais usa? Sabe dosar o uso de redes sociais e celular para não prejudicar sua vida social e equilíbrio mental? Acredite estamos usando muito pouco do potencial atual para nossa vida (pessoal e profissional) ou usando mal. Só para se ter uma ideia, é possível hoje contratar inteligências artificiais por valores bem mais acessíveis (algumas até de graça), para fazer funções de atendimento, outras mais complexas para sua empresa e até para fins de pesquisa. Você tem usado isso como?

Veja novamente quantos aplicativos você tem e quantos você usa no seu celular? Dá pra você controlar seus gastos, medir seu rendimento na academia, ver sua dieta diária em calorias, praticar algum jogo que exercite sua mente e pensamento lógico, aprender idiomas em poucos toques, criar filmes, editar fotos e até ver dicas de astrologia se você é ligado nestas coisas. Tudo com a escolha certa dos seus parceiros tecnológicos.

As maiores empresas que estão utilizando bem essas tendências (que são realidade hoje) são as empresas que se posicionam bem nas redes sociais, criando relações diretas, reais e espontâneas com seus clientes. Eles não estão presos a pensamentos de “será que vai ser assim?” e estão agindo, colocando em prática aquilo que muitas pessoas ainda acham que é “papo do futuro”, até se arriscando em alguns momentos.

Bons exemplos são os bancos que estão investindo em IA
Chega uma hora que não basta saber, ter domínio das tendências ou até mexer nas ferramentas mais modernas do mercado. É preciso agir com o pouco que você já sabe que funciona, porque essa história de prever o futuro é bem mais teórica e tem sua função, que não podemos negar, é importante, mas muitas vezes fica limitada aos slides de power point por aí, apenas despertando nossa imaginação.

Não estou falando que futurologia é furada (mas pode ser… rs). Existe inclusive profissionais que trabalham com isso, como os investidores, provando que nós publicitários somos todos futurólogos por paixão, mesmo que amadores.

Qual marca não sai da sua cabeça?
Provavelmente, de algum aplicativo que usa muito e resolve a sua vida, certo? No final das contas, vai ser lembrada a marca que está agindo agora, com o que já assimilou que é vital, com ferramentas disponíveis hoje. Com ou sem tecnologia envolvida, mas sempre focando no público e em como eles estão lidando com este mundo maluco que está mais para um filme de sessão da tarde, onde o personagem se mete em confusões e tem que se virar com o pouco tempo que tem para solucionar o grande problema da trama.

Imagem de Free-Photos por Pixabay

No caso dos comunicadores, o problema é saber fazer certo hoje, não comer bola e procurar acertar amanhã. Seria como ter os olhos no futuro, mas ficar com as mãos na massa vivendo 100% o AGORA e colocando sempre o cliente como personagem principal desse filme que estamos fazendo ao vivo e dirigindo coletivamente.

E aí? Já sabe qual vai ser o seu papel nessa história?

Startups transformam mercado de comunicação e marketing

Mais de 6.200 martechs nasceram no mundo em 2018 e Brasil também vive “boom”

A nova era pós-industrial proporciona uma transformação na forma como as empresas usam a tecnologia para otimizar serviços e, ao mesmo tempo, se tornam acessíveis a pequenos e médios negócios. Surgem daí as “techs”, que nada mais são do que startups que estão mudando a realidade de vários segmentos. Na comunicação e marketing não poderia ser diferente e as chamadas martechs começam a tomar conta do mercado.

O termo pode parecer estranho e pouco conhecido, mas já é uma realidade em um setor que já sofre enorme desestruturação com o avanço da internet. De acordo com estudo do Chief Marketing Technology Blog, mais de 6.200 martechs surgiram em 2018, valor equivalente ao registrado entre 2011 e 2016.

Todas elas têm em comum o fato de utilizarem ferramentas digitais para melhorarem sua performance, como big data, inteligência artificial, análise de métricas digitais, algoritmos, microtargeting, geolocalização, entre outras.

“Boom” de martechs no Brasil

O Brasil também mergulha nessa onda, com novas empresas surgindo em diversas categorias da comunicação e do marketing. É o caso da StartHub Press, startup de São Paulo que está revolucionando o mercado de assessoria de imprensa com serviço de alto impacto, garantia de publicações e baixo preço, como principal target as pequenas e médias empresas. “A internet impactou diretamente o tradicional modelo de comunicação, quando tudo estava ancorado em grandes companhias de jornais, rádios e TVS. O que vemos agora é uma fragmentação generalizada, o que também desestruturou o negócio das assessorias de imprensa”, diz Luiz Fernando Moraes, um dos fundadores da StartHub Press.

Moraes ainda complementa que esse é um cenário transformador. “A atividade não vai acabar, mas é preciso que se encontre alternativas que atendam às demandas corporativas e estejam alinhadas à nova realidade”, afirma. O novo modelo da StartHub Press vem chamando atenção. A empresa é indicada como finalista na categoria Startup do Ano (2019), do Prêmio da ABCOMM – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, que reúne associados como Magazine Luiza, Hering, TriFil, ComSchool, entre outros.

O marketing de influência também é outra área que ganha notoriedade com a incorporação de novas tecnologias. Para Ségio Tristão, CEO da First 4 Digital é necessário incorporar tecnologias ao processo de trabalho. “Essas ferramentas possibilitam a modernização da empresa, melhoria no atendimento e sistema de informações, controle e gerenciamento capazes de gerar menores custos. O grande diferencial das martechs é otimizar os resultados e custos do cliente, e a possibilidade de um novo modelo de negócios”, explica Sérgio.

A cidade de São Paulo concentra cerca de 42% das martechs brasileiras, de acordo com levantamento da Liga Ventures, mais outros centros também despontam como hubs dessas startups, como Florianópolis, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Campinas, São José dos Campos, Recife, Londrina e Goiânia.

Fonte: Cunha Vaz Brasil

Coluna Branding: a alma da marca

A arte sempre encontra uma maneira

Muito se fala sobre uma revolução digital que mudará o jeito como nos relacionamos com o mundo. O futuro com a internet das coisas parece reservar a todos uma conexão virtual que identifica nossos passos e controla cada vez mais aceleração do comprar e vender. A big data conhecerá tão bem as individualidades que o tropeçar em anúncio será substituído pelo tropeçar no consumo e promoverá a formação dos desejos latentes através dos seus clicks em redes sociais e inteligência artificial transformará toda essa prática de venda em autônoma, quase que deixando para escanteio a necessidade da relação humanizada, podendo ser substituída pela relação racionalizada.

No entanto, o que não parece estar presente nesta equação e que pode mudar muito o que as previsões desse futuro almejam é o fator da angústia juvenil e sua natural rebeldia criativa.

Está energia psíquica que naturalmente movimenta as gerações e muda o modo de pensar, pode exigir um modo diferente de lidar com os valores que atribuímos às coisas e desvalorizar em muito está automação do meio de viver.

Sinto que as expressões artísticas da juventude já deixam claro essa resignação, ou melhor a ressignificação, e esta não se parece em nada com a grande expectativa que o mercado ostenta para este futuro tecnológico.

Tenho reparado no caminho que os criativos das agências de propaganda têm tomado para fugir deste mundo que os incomoda e os aprisiona. Muitos deles deixaram o mundo de glória das agências para viver seus pequenos sonhos artísticos, que graças a internet ganharam fãs e patrocinadores. São canais de ensino, produtos manuais e arte pela arte.

Imagem: Pixabay

A solução que parte deles encontrou é a volta para as “artes e ofícios” agora conectada pela grande rede e patrocinada por nichos de prestigiadores do mundo analógico.

Algo tão revolucionário quanto o pensamento de William Morris que peitou a revolução industrial mantendo sua arte por manufatura, com um design que sobreviveu aos séculos.

Criativos encontram formas de viver através da sua arte e encontram ressonância na internet, porque há um grande público que já despertou desta Matrix em que ela nem ao menos tenha chegado.

É fato que a grande massa será levada por essa enxurrada digital, mas se o meu empirismo estiver certo ainda haverá romantismo em meio a tanta racionalidade, é que como diz o filme Jurassic Park: “a vida sempre encontra uma maneira.”

Um casamento feliz: big data e mkt digital

A união do Marketing Digital com o Big Data: Um casamento que chegou para ficar!

O marketing digital já é uma realidade consolidada no Brasil, e este tipo de publicidade, pode ajudar muito na hora de vender mais e acertar no público alvo. Para isso, algumas empresas estão usando um antigo conhecido do mundo digital, o Big Data. O fornecimento de dados específicos às marcas que necessitam entregar a mensagem correta, à pessoa correta, no momento indicado, gerando uma experiência integral e eficiente entre anunciante e consumidor.

Foto: Pixabay

“A indústria da publicidade digital no Brasil é conhecida por ter profissionais com práticas de alta performance e, sobretudo, por uma capacidade única para desenvolver soluções, práticas, processos e experiências que funcionam especificamente no mercado local” assinala Mario Rubino, novo Country Manager da Retargetly, principal fornecedora de soluções de marketing baseadas em dados para o mercado latino-americano.

Big data é um termo que descreve o grande volume de dados — tanto estruturados quanto não-estruturados — que sobrecarrega as empresas diariamente. Mas não é a quantidade de dados disponíveis que importa; é o que as organizações fazem com eles. O big data pode ser analisado para obter insights que levam a decisões melhores e ações estratégicas de negócio.

Neste sentido, e referindo-se especificamente a combinação entre Big Data e MarTech, Rubino acrescentou que “vive-se um momento especial no Brasil, a medida que se consolida o uso da tecnologia em publicidade e as companhias embarcaram no intrincado processo de aprender como e em que profundidade usar os dados que possuem”.

O caminho para a união entre big data e marketing digital foi natural, uma vez que o ambiente online é propício para a captação de informações dos clientes. Todo movimento do usuário online gera uma série de dados sobre o comportamento deste usuário, e o Big Data torna possível captar tais dados e utilizar as informações, por meio do marketing digital, para tomar a melhor decisão e prever os resultados das ações propostas.

Em 2017, os investimentos em publicidade digital superaram os da TV pela primeira vez, nos EUA, segundo dados do Interactive Advertising Bureau (IAB). Pesquisa do Instituto Provokers, feita em parceria com o Google Brasil e o Youtube, no ano passado, reforça essa tendência. Estudo realizado com 1500 brasileiros, entre 14 e 55 anos, das classes A, B e C – uma amostragem que representa 123 milhões de pessoas – indica que, em três anos, o consumo de vídeos online saltou 90,1%, enquanto a TV se manteve próximo do estável. O smartphone se consolida nessa frente: é usado por 83% das pessoas. Além do fato de 87% dos pesquisados permanecerem online enquanto assiste a algo na TV.

Processar e analisar os dados gerados a partir dos comportamentos na rede, então, é fator chave no marketing digital. A tecnologia chegou para ficar!

ᐧFonte: Kipus Comunications & Media Lab

Nova marca e novo posicionamento

Avalanche muda de nome e apresenta um novo modelo de atuação

A Avalanche, agência sediada em SJCampos e liderada por Gustavo Gobbato apresentou ao mercado hoje o seu novo posicionamento e sua nova marca. A agência passou por um processo de rebranding e não mais adotara “agência” como palavra definidora de seu negócio. Agora o negócio atende pelo nome de Alchemy.

De acordo com Gustavo, “a Avalanche SJCampos muda de branding e de posicionamento. Não mais como agência. Temos nossos contratos e eles seguem vivos.”

Ainda de acordo com Gustavo, a nova proposta está alicerçada em três pilares: marca, comportamento&posicionamento e serviços.

Em relação a marca o publicitário diz que a mudança de marca foi algo amigável e um processo que foi sendo conduzido ao longo do ano (2018).Necessário para dar conta do segundo aspecto: comportamento&posicionamento. Em relação a esse pilar, Gustavo relata diz: “Nosso comportamento sempre foi além do comportamento de agência. Até mesmo os clientes nos falam isso. A solução foi incluir os serviços de marketing e nossos contratos dentro de um modelo de serviços que já era a Alchemy como empresa de Big Data, acrescentando várias esferas de serviço. Para o já cliente muda apenas a marca, a transição é suave. Isso também colabora para fazer um trabalho de marketing baseado em dados e trabalhos de dados que tenham visão de negócio.”

O terceiro pilar é serviços. E a ideia da Alchemy é gerar relações de confiança para transformar negócios. Para tanto, estruturou 4 esferas de serviços: assessoria, big data, building e valuation.

Em relação à assessoria, Gustavo explica que muitas empresas precisam compreender melhor que direção o mercado está tomando. Ele diz, “a assessoria são horas de diálogos, mentoria e direcionamento. São pacotes de horas on demand de apoio em marketing, modelagem comercial e mentoria digital e inovação. Mas o empreendedor pode apenas contratar as horas. Desde uma pessoa que deseja começar um negócio, uma startup, a uma empresa em uma situação em que precisa de apoio.”

Em big data a Alchemy trabalha com dados e são oferecidos serviços de levantamento, análise e fornecimento de dados. A quantidade e tipo de dados vai depender do que demandar cada projeto.

Em building a ideia, o foco, está nas soluções de marketing, de propaganda. Segundo Gustavo “é o que já vinhamos fazendo. Os clientes Avalanche seguem aqui. O trabalho operacional de Marketing. São os contratos que já temos da Avalanche que passam a fazer parte dessa esfera. Aqui haverá forte ênfase no marketing digital, mas quem define os meios é o planejamento a partir das demandas de cada cliente.”

Gustavo Gobbato

Já no que se refere a valuation, a proposta é de um desenvolvimento de negócios por completo. Ou, como afirma Gustavo Gobbato, “aqui tiramos do zero o negócio, transformamos processos, ajustamos formas de atuar das empresas. É um tipo de serviço mais complexo. É uma consultoria de negócio mesmo.”

Em valuation, a ideia da Alchemy é atuar em modelagem de negócio. Trabalhar com Modelagem de Negócios, Plano de reposicionamento de negócio, Startup development, Entendimento de Nichos de Mercado, Gestão de produto, Business Plan, Break Even, Gestão de Riscos, Gestão Comercial, Prototipações, Análise de Métricas de Performance e Decisões Complexas.

Para finalizar, Gobbato nos disse que o mercado, a necessidade do cliente e a atuação da Avalanche levaram a esse novo modelo de atuação.
.

Coluna “Discutindo a relação…”

Os dados não vão nos impedir de errar… Que bom!

“Errar é só parte do processo de criar.”

Essa frase, dita por Ed Catmull, co fundador da Pixar e presidente da Disney e da Pixar, está na primeira página da Meio&Mensagem desta semana.

Ela é relevante, apesar de simples. Há muito entusiasmo com os dados nos dias atuais. E é justificável. Nunca pudemos reunir e tratar um volume tão grandioso de dados e informações. As tecnologias estão, sem dúvida nenhuma, ajudando muito (ia escrever ajudando pacas, mas essas expressões denunciam a antiguidade do escrevente).

É preciso que fique claro que toda essa maravilha aí presente não vai eliminar o erro. Mesmo com dados e tantos insights vindos da análise dos mesmos, o erro está logo ali, escondido atrás da próxima pilastra e pronto para nos dar um susto.

E é bom que sempre nos lembremos de que o erro deve continuar fazendo parte do processo criativo. Não se deve em hipótese alguma pensar em acabar com ele. Sou taxativo em relação a isso: todo processo criativo, de inovação, deve envolver erro(s).

Podemos e vamos ficar ficar mais assertivos em comunicação e marketing, mas errar faz parte do jogo. Os anunciantes terão que entender isso. Alguns já entenderam.

Uma excelente análise de uma grande quantidade de dados pode nos levar a bons insights. Sem dúvida. Daí pra frente nada pode garantir que teremos uma sucessão de acertos. Por uma ideia em pé, fazê-la realidade, é bem diferente. O processo criativo é tortuoso e até certo ponto deliciosamente caótico.

Essa semana fotografei e postei no perfil deste blog no Instagram a seguinte frase (também publicada no Meio&Mensagem, desta vez na semana passada, e parte de um artigo escrito por Alessandro Cauduro – sócio-fundador da W3haus:

“Enquanto as máquinas são infinitamente melhores que a gente em varrer grandes quantidades de dados e identificar padrões, nós temos a consciência e a capacidade de abstrair conceitos que ainda estão longe de se reproduzir no mundo binário.”

Bingo! É isso! Nossa capacidade de abstrair, de fabular, de conectar coisas absolutamente sem relação em um primeiro momento é, ainda, imbatível. E como não somos máquinas podemos e vamos errar. Aliás, leia o artigo, pois lá o Alessandro mostra que até as máquinas erram.

Temos que entender que para quem trabalha com processos criativos e inovação – não só em propaganda, comunicação e marketing – o uso de dados não pode virar um selo de garantia de “não erro”. Mais do que isso: devemos continuar ensinando que errar é fundamental!

E os dados? E o big data, e a Inteligência Artificial, e o machine learning e o deep learning? Serão sempre muito bem vindos, obrigado!

Coluna Propaganda&Arte

Prazer, eu sou um infográfico e tenho muito a dizer

As pessoas estão acostumadas aos infográficos mais do que imaginam, mas não têm ideia do trabalho por trás desses ícones tão divertidos que tornam assuntos complexos tão simples.

Vivemos a época da informação, porém não temos tempo para consumi-la como deveríamos. Para que os assuntos se tornassem mais interessantes, principalmente BIG DATAs (grandes e complexas redes de dados e suas conexões), criamos os infográficos. Tanto a publicidade como a mídia jornalística tem usado e abusado dessa ferramenta, afinal, ela tem muito a dizer. Olha só!

Os infográficos podem utilizar cores, gráficos, escalas, etapas, linhas do tempo e até animações para tornar o consumo de informações mais divertido e claro. Eles são, portanto, elementos não verbais e textos informativos que trabalham com o intuito de levar o maior número de informações possível, de forma inovadora e rápida.

Mas como criar um infográfico incrível para arrasar no trabalho?

Colete os dados que precisa mostrar, veja as conexões e comparações possíveis e inusitadas, faça rascunhos de ideias e estruturas de apresentação de dados. Pense sempre no objetivo principal, depois nos secundários. A mensagem precisa ser transmitida e ter valor para o público.

Se a utilização de fotos ou ícones é o melhor caminho, ótimo! Você já tem um começo. Agora, se precisa mesmo é de pequenos textos, números em destaque ou uma sequência de fatos que se complementam, as linhas de tempo são mais indicadas. A jornada do leitor deve ser considerada desde o início:

• Está claro onde começa a leitura do infográfico?
• Ele nos leva a uma sequência lógica e de fácil leitura?
• As imagens estão redundantes ou complementam os textos?
• Tudo está no seu melhor estilo e concisão?
• As imagens estão contribuindo, assim como as cores, para seu objetivo principal?
• Em qual plataforma o seu infográfico será visto? Desktop? Mobile? TV? Que tal uma animação?

Depois de definido tudo isso, crie o seu próprio infográfico nesse site: https://www.canva.com/pt_br/criar/infografico/

Mas antes de sair colocando a mão na massa, vale conferir algumas soluções práticas e criativas aqui: https://br.pinterest.com/pin/150870656239187502/?lp=true

Acho que ficou bem claro que o futuro é BIG DATA. É cruzamento e análise de dados, tudo muito rápido e visual. Certo? Ficou claro que essas técnicas visuais têm muito a nos oferecer e evoluir? Você conseguiu entender a importância do infográfico para o futuro da comunicação ou quer que eu desenhe?

Personalização para aumentar o engajamento e vendas

Como a personalização contribui para aumentar o engajamento e as vendas no ambiente de e-commerce

*Por Davi Bernardes

Cada vez mais importante para o faturamento, o e-commerce se tornou crucial para as empresas. Logo, várias estratégias vêm sendo adotadas pelos sites para otimizar performance e aumentar as vendas. Hoje, a recomendação de produtos é uma das ferramentas mais utilizadas para melhorar a experiência do usuário e também aumentar a conversão.

Porém muitos sites elegem uma seleção de itens que são apresentados para todos os consumidores que acessam o ambiente, de forma aleatória e indiscriminada. A pergunta que fica é: Se minhas preferências são diferentes das suas, um e-commerce não deveria exibir os mesmos produtos pra mim e pra você, certo?

Exatamente! Lojas virtuais que oferecem uma sugestão de produtos mais precisa conseguem resultados que não se traduzem só em vendas, mas também em aumento da conversão, do ticket médio e melhor aproveitamento de mídia, aumentando assim o “Santo Graal” do marketing digital, o ROI (Return on Investment).

Grande parte dos e-commerces brasileiros peca ao recomendar qualquer produto, sem inteligência. Para que essa ferramenta seja aplicada de forma eficaz, é necessário entender o perfil comportamental do visitante do site, para então, de acordo com os dados recolhidos, sugerir produtos que sejam de fato relevantes para o consumidor.

É o que chamamos de personalização das vitrines de recomendação. Este tipo de ferramenta analisa o comportamento do visitante online, tendo como base seu histórico de navegação, para desta forma sugerir produtos que tenham sinergia com seus interesses ou necessidades.

Existem três principais tipos de recomendações que costumam trazer melhores resultados em vendas:

1) Recomendações do histórico recente de navegação – Identifica em tempo real os produtos e categorias que o cliente está navegando e gera um histórico que é aplicado em tempo real em um bloco de recomendação.

Com blocos deste tipo, o cliente consegue encontrar facilmente os produtos de que gostou, e quando ele sentir a necessidade de fechar a venda os produtos estarão lá, prontos para serem adicionados ao carrinho.

Encontrabilidade é a palavra que define esse tipo de recomendação, já que os produtos que o cliente visitou estão sempre visíveis.

2) Produtos similares com base na navegação – Diferente da recomendação anterior, neste caso a solução vai entender somente os produtos visitados pelo cliente e usar essa navegação para ser precisa em vitrines inteiras, que são moldadas de acordo com o que aquele usuário demonstra como intenção de compra.

Com uma página principal personalizada a experiência do usuário é singular; a sensação é de estar em uma loja local onde ele é atendido há muito tempo, e o vendedor dessa loja já sabe o que ele deseja.

Experiência do Usuário é o termo central deste tipo de inteligência, já que a facilidade em encontrar produtos que são relevantes é o ponto-chave deste tipo de recomendação. O resultado mais expressivo é o aumento na conversão, já que o usuário tem alguns motivos a menos para abandonar o e-commerce.

3) Recomendação de itens complementares – Quando o cliente acessa um item como, por exemplo, um celular, o e-commerce recomendará um cartão de memória ou uma película.

Facilitar a compra e não permitir que o cliente faça uma compra “incompleta” é o principal atributo desta solução e o aumento do Ticket Médio sem dúvida nenhuma é seu maior retorno. Esta estratégia garante um aumento em itens/pedido e também no ticket médio do site.

Mesmo considerando todas as vantagens oferecidas pela personalização, este tipo de estratégia não é adotada em larga escala pelo e-commerce no Brasil, principalmente em função do alto custo envolvido, já que a maioria das empresas trabalha com inteligência artificial para a análise dos dados, tornando as soluções bastante caras.

Para facilitar o acesso de empresas de qualquer porte a este tipo de estratégia de marketing, foi criada a ROI Hero. Uma solução para personalização de lojas virtuais que trabalha com análise de BIG Data e Mineração de Dados, reduzindo consideravelmente os custos envolvidos na operação e, consequentemente, democratizando a concorrência no ambiente do e-commerce.

* Davi Bernardes é fundador e CEO da ROI HERO, empresa que desenvolve ferramentas para recomendações inteligentes com base no comportamento do usuário e fornece soluções de fácil implementação com preço acessível para e-commerce.

Fonte: Renown – Assessoria de Imprensa Digital – Gisele Araujo

Coluna “Discutindo a relação…”

Temos que amar um pouco mais os números

Dou aulas há 26 anos em cursos de publicidade e propaganda. Dou aulas de mídia há 26 anos. E vejo um certo desespero no rosto dos alunos quando falamos de números e nos aproximamos de qualquer coisa que pareça ser de exatas ou que de algum modo faça lembrar matemática.

Vejo a cara de quase angustia quando coloco o slide que mostra a fórmula do Custo por Mil, ou do GRP, ou do CPP. Mais recentemente, quando explico algumas métricas aplicadas a redes sociais o mesmo acontece.

É… esse povo de humanas sempre fugiu dos números!

Não trago, entretanto, boas notícias para essa galera. Os números estão se aproximando, estão nas nossas fronteiras… ou melhor, já invadiram nosso território. Eles estão entre nós!

Você já deve ter ouvido falar de monitoramento, métricas, B.I (Business Intelligence), Big Data, análise e tratamento de dados e etc, etc, etc… Não tem mais jeito. Entre as muitas mudanças da área de comunicação mercadológica esta é uma das mais definitivas. Os números vieram para ficar e estão se tornando cada vez mais relevantes no processo de tomada de decisões estratégicas e até, pasmem, criativas.

É claro que tudo isso implica em aspectos para lá de positivos: nunca tivemos tantos dados e informações disponíveis e a custo relativamente baixo (alguns até gratuitos) como temos agora. Montar um planejamento estratégico de comunicação hoje pode e deve contar com o apoio das informações coletadas no universo digital. Afinal de contas, as pessoas entregam seus hábitos, costumes, desejos, aspirações, vontades, angustias, dores e amores nas redes sociais sem que ninguém lhes peça.

Implica também em podermos saber se a linha criativa de uma campanha realmente impacta nosso público. E podemos fazer isso em tempo real. Ao vivo. Implica em colher dados ricos e necessários.

Há montanhas de programas de monitoramento e uma série de novas métricas que podem ser utilizadas.

Então, meu povo de humanas, gostemos mais de números. Tenhamos mais paciência e boa vontade para com as métricas. Façamos um desmedido esforço para amar mais esses novos vizinhos. Eles vieram pra ficar e vão nos ajudar. Bastante!

Parte importante do processo de adaptação e aprendizado é deixar de lado as brincadeiras bobas, o preconceito e o medo, parar de repetir mantras do tipo “gente de humanas detesta matemática” e buscar entender e aplicar as novas ferramentas e possibilidades.

Não precisa ser um gênio das exatas. Longe disso. Basta “ter coragem pra se libertar”. E amar. Amar os números. Eles são do bem. Estão nessa para somar (sem trocadilhos…rs).