Uma pergunta

Novidade no Publicitando

O Publicitando tem um novo formato de conteúdo. É uma série intitulada “Uma pergunta”. Como o próprio nome deixa bem claro faremos apenas uma pergunta a um profissional de comunicação e/ou marketing. Este novo formato não terá periodicidade definida, podendo pintar a qualquer momento por aqui.

E para inaugurar este “novo quadro” convidei meu grande parceiro de blogagem Filipe Crespo.

13820338_1068140346588866_1177197275_n

Filipe Vietri Crespo é publicitário formado pela Universidade Católica de Santos. Certificado pelo Grupo de Mídia de São Paulo (1ª turma), possui cursos de especialização realizados no Brasil e exterior. Iniciou carreira em anunciante, onde atuou por quase oito anos. Passou ainda por grandes agências como Ogilvy&Mather, África, Y&R, JWT e AG_407 atendendo os clientes: P&G (Gillette), LG Electronics, Perdigão, Peugeot, Casas Pernambucanas, RaiaDrogasil, Gomes da Costa, Turner International, entre outros. Já como docente, lecionou na Universidade Pró Educar, SENAC e Uni Sant’Anna, onde exerceu por quatro anos, a função de professor de Mídia. Atualmente é Gerente de Mídia na agência W/McCann atendendo exclusivamente o cliente Bradesco. Também atua como professor titular da cadeira de Mídia e Planejamento de Mídia da FECAP, (São Paulo) e professor do PlugSchool. É ainda, o idealizador e mantenedor do Blog do Crespo, um dos principais blogs especializados em mídia no país.

Vamos lá!

Publicitando: O cenário da propaganda e da comunicação mudou muito. Como fica a atuação do mídia dentro desta nova realidade?

Filipe: Passa a ser obrigação do profissional de mídia acompanhar todas essas mudanças. Caso contrário, ele perderá relevância junto ao cliente e consequentemente, seu espaço dentro da agência. O novo cenário obriga ao mídia ser extremamente estratégico e acompanhar de perto, todo o processo desde o momento em que o briefing “pisa” no Atendimento até às avaliações dos resultados obtidos na campanha. Sendo assim, plataformas que possibilitam controle e mensuração de resultados em tempo real ganham força na recomendação de comunicação dos clientes.

Vaga de atendimento em agência

Vaga de Atendimento – Agência de Publicidade e Propaganda

Área e especialização profissional: Comercial, Vendas – Atendimento
Nível hierárquico: Consultor
Local de trabalho: São José dos Campos, SP
Jornada: Período Integral
Salário: Comissão de venda + salário (a combinar)

banner-1398363_640

Conhecimentos em: Marketing, Publicidade e Propaganda.
Desejável: Ser desinibido que saiba negociar; Habilidade de negociação e persuasão.
Atividades: Atendimento a clientes (externo); irá cuidar de cada projeto de cada cliente; interação e reuniões com equipe interna de criação e planejamento; captação de novos clientes; descrição de documentos como briefings e contratos de cliente.

Enviar curriculo para: rh@comuniq.com.br

Curso para redatores

APP promove curso Intensivo para Redatores

Através de experiências pessoais, Alexandre Peralta compartilha processos, técnicas de construção de conceitos e desdobramentos em diferentes mídias. Além de seu próprio trabalho, usa referências de cinema, tv e literatura.

Peralta é o instrutor do curso Intensivo de Redatores

Peralta é o instrutor do curso Intensivo para Redatores

Ao final, propõe um exercício prático com briefing real e faz análises individuais dos portfólios dos participantes.

Cronograma
. Processo criativo – Experiências pessoais
. Filmes – Técnicas de construção de roteiros
. Criação de títulos – Humor e construção de argumentos
. Leitura de textos – Encadeamentos de raciocínio
. Elaboração de conceitos – Tema central e fio condutor
. Fontes e referências – Inspirações em literatura e cinema
. Ações fora da caixa – Ideias não convencionais
. Análises de campanhas – Cases recentes
. Exercício – Exercício prático a partir de um briefing real
. Portfólio – Análise individual de portfólio e recomendações

Quando?
Dias 09 e 10 de abril de 2016

Onde?
Praça dos Omaguás 106, Pinheiros.

Horário?
Sábado das 10hs às 17hs (com parada de uma hora para almoço);
Domingo das 9hs às 14hs (sem parada).

Investimento:
Associados da APP: R$ 880,00
Não Associados: R$ 1.100,00

Inscrições aqui

Vaga para atendimento

Apoena abre vaga

foto-apoena-1

Vaga para Atendimento de Clientes em  Agência de Publicidade

Desejável experiencia na área
SEG A SEXTA – DAS 8H30 AS 18H20

Funções:

– Atendimento de clientes, elaboração de briefing, planejamento estratégico e de midia, levantamento de orçamentos
– Prospecção de novos clientes, envio de apresentações, agendamento de reuniões, visitas a possíveis clientes.

PERFIL: dinâmico, criativo, saiba lidar com pressões e diversos tipos de situação.

Enviar CV para: rh@aapoenacom.com.br
ASSUNTO: ATENDIMENTO COMERCIAL

Coluna {De dentro pra fora}

O outro lado da moeda (ou um roqueiro num show de axé)

Vitor coluna

Depois de storytelling e conteúdo, a nova palavra do momento é engajamento. Em digital, a gente ouve muito sobre público engajado. Em Comunicação Interna não é diferente. Toda empresa quer ver seus empregados engajados. Vestindo a camisa, pra sermos mais leves e próximos. Pode vasculhar os briefings dos últimos tempos. Sem dúvida, engajamento vai estar entre os objetivos. Como se fosse assim: bum! Despertamos o engajamento. Não vou me aprofundar em definições de engajamento, mas partimos do princípio de que todos sabem que engajamento não é um botãozinho que será acionado e mudará tudo na mente do empregado. Muito menos que apenas comunicação será capaz de gerar engajamento.

Entendido isso, começa a batalha de RH e comunicação para o tão desejado engajamento. É pesquisa, é imersão, é alinhamento estratégico, é desenvolvimento de pessoas, é retenção de talentos, é clima organizacional. Movemos tudo para conseguir um nível de engajamento melhor. É pra funcionar, mas tem um fator muito importante nisso tudo. É o que eu chamo de o outro lado da moeda: o empregado.

Não dá pra engajar um roqueiro num show de axé. Ele pode até ir pra micareta em pleno Carnaval. Talvez como uma prova de amor! Porém, não dá pra sustentar isso por muito tempo. Ele vai, vive aquele momento e depois volta pro bom e velho rock. Vai ver o som que toca no carro dele!

Deixando essa comparação clara: o empregado precisa ter a mesma visão da empresa. Os valores precisam ser, pelo menos, parecidos. Se a empresa pensa de um jeito e o funcionário totalmente de outro, será quase impossível um engajamento verdadeiro. Ele poderá se envolver em um ou outro momento, mas não será algo constante. E inconstância afeta muita coisa no dia a dia profissional.

Resumindo: vai procurar um emprego ou contratar alguém? Cruze a cultura, a missão, a visão, os valores da empresa com os do candidato. Eles precisam ser coerentes. Os dois precisam ter uma visão de mundo parecida e um jeito de agir semelhante. E não me venha com essa história de que os opostos se atraem, rs. Não estou dizendo que a empresa não terá pessoas diferentes, de pensamentos distintos e plurais. Mas os pilares culturais precisam ser semelhantes para essa relação funcionar melhor.

Quando as empresas considerarem isso, o engajamento será quase natural. Quando você trabalha numa empresa em que você acredita e faz o que acredita, o envolvimento é espontâneo.

O engajamento nasce nos interesses comuns, quando o empregado acredita na empresa e quer fazer parte do que ela está fazendo no mundo. Dificilmente ele será despertado em uma campanha. É um processo que começa lá na seleção do candidato. Se queremos engajamento, precisamos dos empregados certos.