Startup mineira possibilita que todos aceitem cartão de crédito direto no celular

Aplicativo Pagatela oferece praticidade para vendedores de produtos e serviços

Quantas vezes deixamos de comprar ou vender algo porque não aceitamos cartão? A cena é muito comum para muitos de nós que não temos ou usamos sempre as famosas “maquininhas”. Atualmente, é cada vez mais habitual que os brasileiros optem por pagar suas compras com cartões de crédito ao invés do dinheiro de papel.

Segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), no ano passado, quase um terço dos pagamentos realizados no Brasil foram feitos por meio de cartões. Pensando nesse público e nos usuários deste serviço que Augusto Brighenti e Thiago Haddad fundaram a Pagatela: uma startup mineira que desenvolveu um aplicativo que oferece a “famosa” maquininha de pagamento direto na tela do celular.

Como não pensamos nisso antes? É uma pergunta que em tempos atuais tem sido feita com frequência. E justamente por estarem atentos, que a empresa desenvolveu um aplicativo específico para agilizar os processos de compra e venda de pessoas físicas e jurídicas. “Nosso objetivo é fazer com que todos aceitem cartão, ajudando aos prestadores de serviços e vendedores na agilidade das transações e otimizando os custos”, ressalta Thiago Haddad, sócio da startup.

Mas a Pagatela mira mais longe que isso. Enquanto o app oferece a simplicidade para os seus vendedores, no seu desenvolvimento há uma complexa e segura cortina de produção que fica a cargo de seus especialistas, desenvolvedores e analistas de segurança. O destaque para o aplicativo ainda é a sua evolução constante, com o uso de inteligência artificial, a empresa está aprimorando progressivamente tecnologias para combater fraudes. “Todos as transações são criptografadas e os dados dos cartões não são armazenados, diminuindo o risco de fraudes. Além disso, escanear o cartão aumenta a praticidade na transação, sem comprometer a segurança. Resumindo, usamos tecnologia de ponta para deixar a vida do usuário Pagatela mais prática”, pontua Augusto Brighenti.

A ideia é que todo mundo tenha uma maquininha de cartão no seu celular, evitando taxas mensais, pagamentos iniciais e qualquer valor de manutenção facilitando a vida de todos. Com foco na simplicidade e usabilidade prática, o aplicativo, que pode ser baixado gratuitamente em qualquer celular com sistemas iOS e Android, oferece cadastro simples e saque prático. Para ter acesso ao serviço, os empreendedores não precisam pagar nenhuma taxa de adesão ou mensalidade, como é feito nas maquininhas convencionais. São cobrados apenas taxas por transação, que variam de 3,99% a 4,99%, dependendo da quantidade de parcelas escolhida.

Fonte: Grupo Balo – Bianca Crispim

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dia dos Namorados rima com presentes

Pesquisa ACI-Unitau mostra que maioria dos consumidores de São José dos Campos planeja comprar presentes neste Dia dos Namorados

O amor está em alta: apesar da crise, a maioria dos consumidores de São José dos Campos planeja comprar presentes neste Dia dos Namorados.

Isso é o que aponta a nova rodada de pesquisas feita pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos em parceria com a Universidade de Taubaté, feita por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação). Segundo o levantamento, 52,2% dos consumidores da cidade pretendem comprar presentes nesta data. Dos 47,8% restantes, quase 60% tem um só motivo: disseram não estar em um relacionamento sério.

A pesquisa ACI-Unitau ouviu 382 consumidores entre os dias 29 e 31 de maio no Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e nos shoppings CenterVale e Vale Sul. O nível de confiança do levantamento é de 95% e a margem de erro é de 5 pontos para mais ou para menos.

“O Dia dos Namorados é uma das datas mais importantes do ano para o comércio. E os números da pesquisa deixam o setor otimista” disse Humberto Dutra, presidente da ACI. Para ele, o trabalho da ACI-Unitau ajuda o setor a ajustar suas estratégias de venda nesta reta final de compras para o Dia dos Namorados.

A pesquisa ACI-Unitau mostra que roupas e acessórios são os presentes preferidos neste Dia dos Namorados (36,1%), seguidos de calçados (11,3%) e perfumes e cosméticos (10.9%). E que o tíquete médio a ser gasto pelos consumidores deve ficar entre R$ 100,1 e R$ 200, valor considerado positivo pelos lojistas.

O levantamento revela também que 67,7% dos consumidores planeja pagar suas compras à vista, utilizando dinheiro ou cartão de débito (68,2%). Compras em cartão de crédito são opção para outros 31,3% dos consumidores. Apenas 0,5% disseram que preferem pagar utilizando o crediário das lojas. Não houve citação sobre uso de cheques. Mas, comprar mesmo, só depois de pesquisar preços, segundo 62,8% dos entrevistados.
Na geografia das compras, as lojas dos shoppings são preferidas por 58,6% dos consumidores, seguidas do centro da cidade, com 26,8% das citações.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Hélcio Costa – Nathália Barcelos

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Pesquisa mostra como foi o dia das mães

Consumidor opta por cartão de crédito no Dia das Mães

Pesquisa ACI-Unitau revela perfil das compras feitas no comércio de São José dos Campos neste Dia das Mães; levantamento sobre o Dia dos Namorados sai na próxima semana

Os consumidores de São José dos Campos optaram por comprar apenas um presente no Dia das Mães e gastaram um tíquete médio de R$ 100,1 a R$ 200. Mais: apesar de terem dito que pagariam as compras em dinheiro, a maioria deles optou pelo cartão de crédito.

Esse é o perfil é revelado pela nova rodada de pesquisas feita pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação). O levantamento foi realizado entre 22 e 25 de maio. Foram entrevistados 194 empresários de lojas que vendem produtos ligados ao Dia das Mães, localizadas no Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e nos shoppings CenterVale e Vale Sul. A margem de erro é de 5 pontos percentuais para mais oi para menos.

Os dados sobre o Dia das Mães são uma prévia da pesquisa principal, focada no Dia dos Namorados, que será divulgada pela ACI na próxima segunda-feira.

Em relação ao desempenho geral para o Dia das Mães, 38,1% dos comerciantes classificaram as vendas como regulares e 35,6% definiram as vendas como boas. Para 19,1% dos empresários, no entanto, o nível de vendas foi ruim, seguidos de 6,2% que classificaram as vendas como péssimas. Na outra ponta, 1% dos lojistas definiu o movimento como excelente. Na somatória geral, 36,6% aprovaram o resultado (bom + excelente) e 25,3% consideram o desempenho negativo (ruim + péssimo).

“De modo geral, a pesquisa mostra o consumidor receoso, o que é natural em relação ao momento do país. Isso exige que o comerciante inove cada vez mais em estratégias para estimular as vendas”, disse Humberto Dutra, presidente da ACI.

Em relação ao ano passado, houve um equilíbrio: enquanto 34,1% dos empresários classificaram as vendas de 2017 acima do patamar de 2016 (melhor + muito melhor), 35,1% disseram que as vendas foram abaixo de 2016 (pior + muito pior). Para 25,3%, as vendas foram iguais e 5,7% não souberam ou não quiseram responder.

A pesquisa revela também que a grande maioria dos lojistas não contratou mão de obra extra para o Dia das Mães: dos 194 pesquisados, 163 não contrataram temporários (84%) e apenas 31 lojistas disseram ter contratado pessoal para a data (16%).

Dois lados

A comparação entre as duas pesquisas realizadas pela ACI-Unitau este ano, uma com consumidores e outra com lojistas, mostra uma divergência. Na pesquisa feita em abril, a maioria dos consumidores disse que faria compras em dinheiro ou com cartão de débito (70%), com apenas 25,4% optando pelo cartão de crédito. Na pesquisa mais recente, feita após o Dia das Mães e com lojistas, o retrato foi outro: o cartão de crédito foi usado em 79,4% das compras. As compras em dinheiro ou cartão de débito ficaram em 16,5% das transações.

“Isso nos leva a acreditar que muitos consumidores tiveram a intenção de não contraírem dívidas com a data, mas, não tendo dinheiro, acabaram indo para o cartão de crédito”, disse o professor Laureano Rosa, um dos coordenadores da pesquisa, ao lado do diretor da Fapeti, Eduardo Enari.

Fonte:Matéria Consultoria & Mídia – Hélcio Costa/Nathália Barcelos

Share and Enjoy !

0Shares
0 0