Smartphone é a principal ferramenta de compra

Smartphone já é principal ferramenta de compra online para 33% dos internautas,
aponta estudo do SPC Brasil e CNDL

74% dos internautas usam celular em ao menos uma etapa de compra online e 64% já desistiram de uma aquisição na internet na hora de realizar o pagamento, principalmente por causa do frete

Imagem: Pixabay

O consumidor digital brasileiro está mais maduro e familiarizado com as mudanças tecnológicas no mercado. Um estudo feito em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) descobriu que os smartphones já são a principal ferramenta de compra para 33% dos internautas que costumam adquirir produtos pela internet. O uso do dispositivo móvel para compras é ainda maior entre o público jovem (48%), pessoas das classes C, D e E (38%) e mulheres (37%). O computador, seja um desktop ou um notebook, ainda é o instrumento mais usado na hora de adquirir produtos na internet, com 66% de preferência.

Considerando o processo de compra pela internet como um todo, a pesquisa revela que o celular já é utilizado por 74% da amostra em ao menos uma de suas etapas, como pesquisa de produtos e serviços (32%), comparação de preços (28%) e pagamento (14%). Apenas 24% dos entrevistados admitem não contar com o auxílio do celular nas compras que faz online.

Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, o protagonismo dos dispositivos móveis para o comércio online tende a aumentar ainda mais nos próximos anos, principalmente, com a popularização de pacotes de dados de internet móvel e do alcance maior da banda larga. “Com a evolução constante dos meios de pagamento online, ficará cada vez mais rápido e seguro comprar pelo celular. Basta lembrar que ele é mais acessível à população, pois, no geral, é mais barato investir em um smartphone do que em um computador ou notebook”, explica o presidente.

Para os consumidores conectados, as lojas online já ocupam a primeira posição dos canais mais utilizados para fazer compras no último ano: 93% de menções, ficando à frente das lojas de rua (62%) e dos shopping centers (58%).

Frete grátis é o que mais estimula compras online; 67% pesquisam índice de reclamações quando planejam comprar em um site pela primeira vez

De acordo com a pesquisa, os fatores que os internautas mais levam em consideração ao escolher um site ou aplicativo de compras é a possibilidade de frete grátis (58%), o preço dos produtos (51%) e a reputação da loja (37%). Em cada dez entrevistados, sete (68%) se sentem mais estimulados a comprarem pela internet quando não há cobrança de frete e 42% quando o tempo de entrega é reduzido.

Na opinião dos internautas que têm como hábito consumir pela internet, a principal vantagem percebida nesse tipo de compra é o preço mais baixo (53%), a comodidade de comprar sem sair de casa (43%) e a flexibilidade de poder realizar compras no momento em que quiser (33%). Em contrapartida, as desvantagens mais notadas são o pagamento de frete (64%) e o fato de não poder experimentar ou tocar o produto (58%).

Segundo o levantamento, 64% dos internautas admitem que já desistiram de uma compra pela internet no momento de concluir o pagamento e, nesses casos, o preço do frete, que encarece o valor final do produto (54%), é o principal empecilho. “O frete é um dos pontos mais sensíveis do comércio online. Muitas pessoas desistem da compra quando veem que a taxa pode encarecer o valor total a ser desembolsado, o que torna um desafio de custo e de logística para quem vende. Com o perfil cada vez mais exigente do consumidor digital, o frete grátis passa a ser um diferencial decisivo para os negócios dos varejistas na internet”, analisa a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Outra informação observada na pesquisa é a fidelidade do cliente online. Quando a experiência de compra é positiva, o consumidor tende a visitar novamente a loja online para novas aquisições. Exemplo disso, é que 91% dos entrevistados já compraram mais de uma vez em um mesmo site ou aplicativo, sobretudo em virtude da confiança na marca (53%) e pelos melhores preços (43%). Outro dado é que quando querem comprar um produto em uma loja online desconhecida, 67% pesquisam o seu índice de reclamação em sites e aplicativos.

Na hora de ir às compras, os conteúdos que os clientes mais esperam encontrar na internet sobre o produto ou serviço desejado são a ficha técnica e especificações (60%), depoimentos de pessoas que já comparam (56%) e fotos dos detalhes e ângulos do produto (44%).

“No mundo digital, os protagonistas são os consumidores e não as marcas. São eles quem participam ativamente do processo de construção de reputação das empresas, que devem promover um relacionamento mais próximo e de confiança com seus clientes. É o compartilhamento de experiências que influencia a decisão de outras pessoas e não, meramente, a propaganda” explica Pellizzaro Junior.

85% dos internautas ficaram satisfeitos com sua última compra online; entrega fora do prazo e não recebimento do produto são principais queixas

De modo geral, os resultados da pesquisa apontam que o comércio online já conquistou a confiança de grande parte dos consumidores conectados. Levando em conta a última aquisição que fizeram pela internet, 85% dos internautas ficaram satisfeitos, contra apenas 10% de compradores que se dizem arrependidos.

Imagem: Pixabay

Além disso, em cada dez consumidores ouvidos, oito (78%) afirmam não ter enfrentado problemas em sua última compra feita pela internet. Outros 21% não passaram por uma experiência positiva, sendo que as queixas mais comuns foram a entrega fora do prazo (12%) e o não recebimento do produto (6%). Entre os que lidaram com algum contratempo, 44% conseguiram, de algum modo, solucionar o problema. Nesse caso, 16% receberam o produto com atraso, 14% tiveram o dinheiro devolvido e 7% ficaram com crédito na loja. Outros 45% não conseguiram resolver o problema, sendo que 19% até mesmo desistiram da situação.

Internauta fez, em média, quatro compras online no último trimestre; 57% receberam oferta de desconto caso pagassem à vista

A pesquisa revela que, nos últimos três meses, cada comprador online fez, em média, quatro aquisições na internet. Os itens mais adquiridos nesse período foram peças de vestuário, calçados e acessórios (40%), artigos para casa (26%), eletrodomésticos (26%), ingressos para atividades de lazer (25%), perfumes e cosméticos (25%) e também celulares (23%). E o valor desembolsado para levar os produtos para casa na última compra foi, em média, de R$ 323,84. Para o pagamento, 58% utilizam o cartão de crédito parcelado diretamente com a loja e 56% o boleto bancário.

A pesquisa ainda mostra que a internet ganha força quando o assunto é parcelar as compras. Entre os consumidores que realizaram compras nos últimos três meses, sete em cada dez (71%) dividiram alguma dessas aquisições, sendo que, em média, foram cinco prestações.

Apesar de a maioria ter optado pelo parcelamento nesse período, 57% dos internautas disseram ter recebido oferta de desconto caso o pagamento fosse à vista, principalmente no boleto bancário (40%) e no cartão de crédito em parcela única (21%). “O parcelamento é um mecanismo útil para o consumidor adquirir bens de maior valor, mas é comum varejistas oferecerem descontos para pagamento à vista nas compras online, especialmente via boleto bancário. Se a pessoa pesquisar, pode ser mais vantajoso optar por esse meio de pagamento, desde que o valor não ultrapasse os limites do orçamento pessoal. Mas se a opção for o parcelamento, vale ficar atento para não ceder às compras por impulso que desajustam as finanças”, alerta o educador financeiro do portal ‘Meu Bolso Feliz’, José Vignoli.

Metodologia

A pesquisa ouviu 815 consumidores de ambos os gêneros, todas as classes sociais, capitais e acima de 18 anos que fizeram alguma compra online nos últimos 12 meses. A margem de erro é de no máximo 3,43 pp a uma margem de confiança de 95%. Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas

Fonte: Assessoria de imprensa SPC Brasil – CNDL

Pesquisa mostra relação das crianças com gadgets

Pesquisa da CRESCER revela que 38% das crianças de até 2 anos possuem algum dispositivo eletrônico

Estudo também traz queda positiva no comportamento dos pais ao liberarem os gadgets na hora das refeições: 37% liberam o uso, atualmente, contra 84% em 2013

A tecnologia digital e a internet fazem parte do nosso dia a dia e da rotina das crianças. E tudo indica que esse é um caminho sem volta. Uma pesquisa realizada pela CRESCER, e que estará nas páginas da edição de julho da revista a partir do próximo dia 27, revela a influência da tecnologia no dia a dia das crianças brasileiras. Segundo o levantamento, feito com 2.044 pais e mães, com filhos de 0 a 8 anos, 38% das crianças já têm um dispositivo eletrônico, como celular, tablet, computador, videogame ou TV.

Para este estudo, também foi feito um comparativo com dados de outra análise similar de 2013, com 1.045 participantes com filhos na mesma faixa etária. Neste mesmo quesito, no passado, só 6% eram donas de um aparelho. Isso significa um aumento de seis vezes em cinco anos.

Outro destaque do levantamento é que 47% das crianças têm algum influenciador digital ou canal que acompanha com frequência. Para este caso, a neuropediatra Liubiana Arantes de Araújo, presidente do Departamento de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria, alerta que é preciso avaliar se o conteúdo é violento, sexual ou incentiva o consumismo, o que é comum em vídeos feitos para e por crianças. “É natural que as crianças copiem os gestos, o linguajar e até a forma de pensar dos youtubers, o que nem sempre condiz com a educação que a família preconiza”, afirma a médica.

Entre os achados que mais se destacam, eis uma boa notícia: caiu o número de famílias que permitem o uso de aparelhos eletrônicos durante as refeições ou antes de dormir. Por outro lado, aumentou o tempo que meninos e meninas passam diante de algum tipo de tela – dos televisores aos smartphones. Hoje, 47% deles gastam mais de três horas com a atividade. Há cinco anos, o volume era de 35%.

Confira dados da pesquisa completa:

Aumentou o número de crianças com seu próprio gadget

● 38% das crianças até 2 anos possuem algum dispositivo (computador, smartphone, tablet, TV, videogame). Em 2013, apenas 6% tinham seu próprio aparelho.

● 49% das crianças já têm seu próprio tablet.

● 20% das crianças já têm seu próprio smartphone.

O computador é o dispositivo mais compartilhado na casa pela criança com os outros moradores e/ou irmão (93%). Na sequência aparecem TV (83%), Smartphone (80%), tablet.

● 47% das crianças têm algum influenciador digital e/ou canal que acompanha com frequência.

● 45% das crianças passam mais de 3 horas por dia no videogame.

● 5% das crianças até 2 anos já têm perfil nas redes sociais (em 2013, apenas 1% tinha perfil).

Cresce o tempo das crianças gasto em frente as telas

● 43% das crianças passam mais de 3 horas em frente ao computador. Em 2013, somente 2% ficavam em frente a essa tela nesse mesmo período de tempo

● 30% passam mais de 3 horas diárias no tablet.

● 26% passam mais de 3 horas diárias no celular.

Comportamento dos pais

● 60% acham que os dispositivos preparam melhor o filho para o futuro.

● 59% acreditam que os gadgets são importantes para distrair os filhos enquanto fazem suas atividades.

● 51% ficam preocupados com o fato de o filho deixar de brincar para usar os gadgets.

Queda positiva

● Em 2013, 84% dos pais deixavam o filho usar algum dispositivo na hora de ele comer. Em 2018, somente 37% permitem esse hábito.

● A maior preocupação de 83% dos pais em relação aos dispositivos é sobre os conteúdos impróprios para a idade

Atividade preferida

O que as crianças mais gostam de fazer nos gadgets é assistir a vídeos, sendo essa atividade preferida para:

● 72% no smartphone

● 67% no tablet

● 65% no computador

Fonte: Assessoria de imprensa Revista Crescer – Giuseppe Mari

Novo ‘app’ permite busca de mais de 22 mil imóveis em SP

Ferramenta online da Lello contém informações detalhadas sobre unidades em oferta para venda e locação, com fácil acesso pelo celular

A evolução da tecnologia também chegou ao mercado imobiliário. Antigamente os cadernos de imóveis eram a forma mais comum de se buscar uma nova casa. Um pouco mais recentemente, houve migração de quase 100% dos que buscam um imóvel para o computador, via desktop. E hoje a Lello, imobiliária e administradora paulistana, já registrou 57% das pessoas que buscam imóveis na empresa usando o celular.

Baseados nesses números, a Lello que, além de já oferecer a busca de seus imóveis pelos smartphones, de forma responsiva, trás também ao mercado o seu aplicativo, que permite buscas ainda mais ágeis e dinâmicas aos mais de 22 mil imóveis que a empresa tem disponível na capital paulista. De norte a sul o app da Lello leva aos usuários o mundo imobiliário até a palma de suas mãos.

A ferramenta fornece informações detalhadas sobre unidades residenciais e comerciais ofertadas para venda ou locação, com fotos e descrição dos imóveis, permitindo, por exemplo, a busca por mapas, onde usuário pode traçar rotas, ver distâncias, ver o que há por perto – metrô, lista de estabelecimentos, como escolas, hospitais e supermercados – e, por meio do street view, a imagem da localização do imóvel.

E para os seus mais de 10.000 locatários, há a opção de tirar a segunda via de boleto de aluguel.

Pesquisas comprovam que pessoas que compram ou alugam imóveis distanciam-se apenas três quilômetros de sua residência atual. Por isso a ferramenta de geolocalização do “app” vai facilitar e agilizar muito a busca de imóveis pelos usuários.

O novo “App” Busca de Imóveis da Lello, disponível gratuitamente para IOs e Android, ainda possibilita “favoritar” as escolhas e fazer solicitação de visita aos imóveis desejados. Disponibiliza, ainda, a relação com endereço e telefone de todas as 18 lojas, que compõe a Rede própria da Lello.

O aplicativo foi desenvolvido inteiramente pela equipe de Inovação/TI da imobiliária. “O objetivo foi o de oferecer aos usuários uma jornada de busca de imóvel mais ágil e agradável, com informações mais detalhadas e, ao mesmo tempo, de navegação simples e intuitiva”, afirma Elaine Fouto, gerente de Marketing da Lello Imóveis.

Fonte: Assessoria de imprensa Lello

ACI traz novo sistema de celular para São José

ACCelular tem como objetivo reduzir custos com telefonia móvel para pequenas e médias empresas associadas à ACI

Quer reduzir seus gastos com telefonia celular?

A Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos assinou nesta terça-feira um contrato com a Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo) para implantação do ACCelular na cidade. Pelo sistema, oferecido a associados da ACI, pequenos e médios empresários terão acesso a um sistema de comunicação móvel que pode gerar uma redução de até 20% na tarifa em relação aos sistemas convencionais.

“O ACCelular é uma solução para quem precisa do serviço de telefonia coorporativa e encontra problemas com contas e serviços que não se encaixam em sua realidade” disse o presidente da ACI, Humberto Dutra.

O programa é uma iniciativa elaborada sob medida para os associados da ACI. O sistema garante gestão do consumo on-line, contrato flexível, atendimento personalizado feito diretamente pela ACI, chamadas gratuitas entre celulares do mesmo grupo (com o mesmo código de área), cobrança de apenas duas tarifas (local e interurbano), entre outras vantagens.

Além da redução de tarifa, a implantação do sistema e o treinamento para usá-lo será feito pela ACI, por meio de profissionais treinados. Assim, o serviço de monitoramento vai eliminar todos os erros que eventualmente possam aparecer nas faturas.

Para garantir a qualidade do serviço, a ACI vai disponibilizar três operadoras para contratação de seus associados – Vivo, Tim e Claro. O programa estará disponível para adesão de associados em 30 a 45 dias.

No ato da assinatura do contrato,, Humberto Dutra representou a ACI. Pela Federação estiveram presentes Giovanni Guerra, superintendente de Produtos e Serviços da Facesp, e Felipe Cury, vice-presidente da Facesp para a RA-6, área que abrange 23 ACIs do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Serra da Mantiqueira.

Vantagens

O presidente da ACI, Humberto Dutra, afirma que o projeto terá custo-benefício melhor que o sistema convencional e vai resultar em economia para os associados. “Além disso, teremos uma central de vendas do ACCelular e estas vendas vão gerar descontos para o associado, além de renda para a ACI. Renda que será revertida em investimento para os associados”, disse.

Para o superintendente da Facesp, entre as principais funcionalidades do ACCelular estão o controle da conta on-line, que permite que o empresário administre todas informações da linha por meio de um aplicativo, o atendimento personalizado, no qual a ACI ficará responsável pelo atendimento, sem que o empresário precise falar com a operadora, e tarifas fixas para ligações locais e interurbanas isentas de cobranças. “Essas singularidades do contrato tendem a beneficiar os usuários, já que reduzem o tempo e o custo que eles precisam disponibilizar para ter serviços telefônicos.”

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

Fim do bloqueio na TIM

TIM anuncia o fim do bloqueio da internet móvel pré-paga em nova campanha
Ação desenvolvida pela WMcCann reforça que operadora voltou a oferecer navegação na internet após fim da franquia nas ofertas pré-pagas diárias de internet

tim1

A TIM ouviu seus milhares de clientes e trouxe para o segmento pré-pago a opção de manter a conexão à internet mesmo após o consumo completo do pacote de dados, com navegação em velocidade reduzida. Para marcar mais essa atitude inovadora da operadora – em linha com seu posicionamento “Evoluir é fazer diferente” – a empresa estreia nova campanha, com filme em TV aberta e outras mídias. Desenvolvida pela WMcCann, a ação também conta com um vídeo para internet com o Super Chip, personagem lançado pela TIM recentemente e que conta com voz do humorista Marcos Veras.

O filme de 30 segundos para TV apresenta anseios dos clientes por mais liberdade no uso da internet. A atendente de um restaurante quer “uma operadora que desbloqueie a internet do seu celular”. Já o jovem, em seu trajeto de ônibus, declara que quer usar a internet “em qualquer lugar, mesmo longe do Wi-Fi”. A skatista, por sua vez, pede uma internet que caiba no seu bolso. O locutor então anuncia: “A TIM te ouviu e resolveu desbloquear a internet do plano Infinity. Agora, quando a sua franquia de internet diária acaba, você pode escolher se compra mais um pacote ou se continua navegando de graça em velocidade reduzida”.

Já a campanha digital traz, desta vez, uma nova linha criativa, inspirada em história em quadrinhos, mas sem deixar de lado o tom bem-humorado característico do Super Chip. O personagem aparece voando com sua capa e pergunta: “sua internet acabou?”. Logo em seguida, ele mesmo responde: “só que não!”, e apresenta a novidade: “com Infinity Pré, você desbloqueia sua internet e continua navegando de graça”. Os vídeos serão postados nas redes sociais da operadora e no canal da TIM no YouTube.

#FazerDiferente

A decisão da TIM de voltar a oferecer navegação na internet após fim da franquia nos planos pré-pagos foi anunciada no mês passado e teve grande repercussão. A ideia é garantir a liberdade de escolha dos usuários, que poderão decidir se querem continuar navegando gratuitamente com velocidade reduzida ou se preferem recontratar o pacote atual ou migrar para uma oferta com mais internet.

A medida é válida para clientes das ofertas pré-pagas com tarifação diária, que hoje representam cerca de 85% da base de clientes do segmento pré-pago da TIM. A navegação com velocidade será uma opção gratuita até o dia 31/08. Durante esse período, a empresa irá avaliar o comportamento dos usuários e poderá prorrogar o prazo da gratuidade.

“Fazer diferente é nossa missão. A TIM vai seguir liderando os movimentos do mercado e, parte muito importante desse processo é ouvir o que os nossos clientes desejam e responder com agilidade. Por isso, estamos dando maior liberdade de escolha para quem usa as ofertas de internet diárias, porque entendemos que os pacotes são menores e o cliente é impactado mais frequentemente com o fim da franquia. A ideia é mantê-lo conectado para resolver boa parte de sua vida no smartphone, o que é uma real necessidade nos dias atuais”, explica Rogerio Takayanagi, diretor de marketing da TIM Brasil.

Fonte: Alameda Comunicação – Tawana Miquelino

TIM lança projeto pioneiro de leitura de emoticons para pessoas com deficiência visual

Iniciativa faz parte da campanha #DaPraSerAssim da Live TIM, ultra internet fixa da operadora, e oferece uma linguagem inédita para pessoas com deficiência visual se relacionarem na Internet

Projeto Emoti Sounds foi idealizado pela agência Artplan e desenvolvido com colaboração do Instituto Benjamin Constant.

29202329429710

Uma nova associação cognitiva para pessoas com deficiência visual. É este benefício do novo projeto da Artplan para a Live TIM, ultra internet fixa da TIM, batizado de Emoti Sounds. Por meio de um plugin que torna a leitura dos emoticons mais emotiva para quem usa o leitor de tela livre NVDA (NonVisual Desktop Access) em desktop, a iniciativa traz uma sensibilidade maior à interpretação das imagens que até então eram lidas de maneira fria, por meio de uma gravação de voz que descreve a imagem.

Ao instalar o plugin associado ao leitor NVDA, a ferramenta permite que as pessoas com deficiência visual tenham uma experiência equiparada a qualquer outro leitor na utilização de uma linguagem tão usada hoje. Como exemplo prático, o leitor de tela reproduzirá o som de um beijo, em vez de dizer “Emoticon Beijo”, por exemplo, e assim sucessivamente com as 68 imagens ‘traduzidas’ pelo plugin. A concepção dos sons contou com a colaboração da equipe do Instituto Benjamin Constant, centro de referência nacional para questões da deficiência visual.

“O projeto é pioneiro no segmento e compreende todas as diretrizes que o Instituto valoriza, dentro do tripé que trabalhamos, alinhando Acessibilidade, Inclusão e Cidadania. Participamos da iniciativa ‘testando’ os sons e sugerindo algumas modificações. Os jovens com deficiência visual, que hoje já se comunicam através de muitos instrumentos, vão se sentir igualados ao irmão, a um amigo ou a qualquer outra pessoa, por meio desta nova leitura com os emoticons sonoros. Para quem não tem deficiência visual, este parece um projeto simples. Mas ele humaniza uma ideia. Afinal, a emoção não afeta apenas a determinados grupos de pessoas, atinge a todos os homens”, comenta Maria da Gloria Almeida, Assessora da Direção Geral do Instituto Benjamin Constant.

O projeto faz parte de uma iniciativa maior que permeou toda a comunicação da Live TIM no decorrer do último ano, com o conceito “Dá Pra Ser Assim”.

“Lançamos um novo posicionamento para o serviço Live TIM em 2015 que reforça o compromisso da marca com a integridade e a transparência. O Emoti Sounds se encaixa perfeitamente nesse conceito, porque entendemos que essa postura de respeito e parceria deve extrapolar as ações focadas somente no produto. A ideia é torna-la tangível à população, com um projeto de acessibilidade e inclusão relevante para tantas pessoas. Estamos orgulhosos dessa iniciativa e esperamos contribuir para que os deficientes visuais estejam ainda mais conectados em seu dia a dia”, explica Livia Marquez, diretora de Advertising & Brand Management da TIM Brasil.

download

“Acreditamos que estamos inaugurando uma nova forma de comunicação, socialmente relevante e acessível e que promove uma mudança na vida das pessoas. Nesse projeto, a qualidade do trabalho foi artesanal, e contamos com a colaboração de um instituto que é referência para a inclusão de pessoas com deficiência visual, que foi a equipe do Benjamin Constant. Esta colaboração foi indispensável para colocar o projeto Emoti Sounds para funcionar”, conta Rodolfo Medina, presidente da Artplan.

O plugin Emoti Sounds é gratuito, e está disponível para leitura em português e inglês, podendo ser utilizado por qualquer pessoa que tenha o NVDA em seu desktop. Basta instalar o plugin através da área de Add On do NVDA ou através do site do projeto Emoti Sounds no link www.emotisounds.com.

Gosto popular
Os emoticons têm se popularizado em todo o mundo como uma das diversas formas de comunicação na grande rede. No final do ano passado, o dicionário Oxford elegeu a figura “chorando de rir” como a palavra mais “falada” de 2015. Foi a primeira vez na história que uma imagem que representa uma ideia foi vencedora da categoria.
O Oxford elege a palavra do ano considerando países que falam inglês como a primeira língua. A escolha é feita a partir de termos mais abordados no último ano, que definam um retrato da sociedade a partir das ideias e palavras mais usadas.

Sobre a Live TIM
A Live TIM é o serviço de ultra internet fixa da TIM, lançado em agosto de 2012. Oferece planos de 35 Mega a 1 Giga de velocidade e está disponível para consumidores residenciais e empresas em São Paulo, Rio de Janeiro, Duque de Caxias, Nova Iguaçu e São João de Meriti, contando com mais de 230 mil clientes.

Sobre a Artplan (www.artplan.com.br)
A Artplan é a maior agência de capital nacional do país e a 17ª do mercado brasileiro como um todo. Com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, foi considerada líder em performance pelo ranking Agências e Anunciantes do Meio&Mensagem nos dois últimos anos (baseado em dados do Ibope Monitor). Eleita como uma das melhores empresas de comunicação para se trabalhar pelo Great Place to Work 2014, possui 450 funcionários focados em fortalecer seu modelo de negócio, baseado na construção efetiva de campanhas integradas. Em seu portfólio, coleciona clientes como Amil, Amanco, Cartões ELO, Estácio, Itaipava, LIVE TIM, Niely, Panasonic, Rock in Rio, entre outros.

Fonte:Alameda Comunicação – Tawana Miquelino