Mídia programática e a exposição das marcas

“Na mídia programática, exposição indesejada da marca não é e nem nunca foi regra”

Durante algumas décadas em nosso país, quando uma empresa desejava comunicar os reais atributos de seus produtos ou serviços aos seus consumidores finais, os caminhos para fazer essa comunicação eram os mesmos. Além da TV aberta, meio de comunicação com mais de 90% de penetração junto aos brasileiros, as empresas e suas agências de publicidade encontravam, ainda, a mídia impressa e, claro, o forte e importante rádio.

Porém hoje, muitos anos mais tarde, ainda que com o máximo respeito aos veículos e aos profissionais que atuam nessas frentes, devemos entender que é tudo muito diferente de antes. As coisas mudaram e a possibilidade das marcas entenderem o que seus targets realmente querem, como eles querem e onde eles estão tornou-se absolutamente possível.

A exposição paga de marcas no ambiente online trouxe às empresas anunciantes características bastante vantajosas e nunca encontradas até então nas mídias tradicionais, como por exemplo a possibilidade de mensuração de resultados de campanha, a interatividade com seus públicos em real-time, além da importante e tão desejada segmentação de público.

Poderíamos aqui até tratar detalhadamente das questões de interatividade e da mensuração, enormemente importantes e que permitem às marcas serem mais assertivas, estabelecerem um diálogo com seus consumidores e, claro, atuar de forma mais otimizada e rentável. Porém, o que queremos aqui discutir é a característica da segmentação de público.

A mídia programática é uma das mais relevantes formas de atuação em mídia digital e tem atraído bastante a atenção de gestores de marketing não só no Brasil, mas em todo o mundo. É uma mídia inclusive bastante democrática e, por isso, tem levado empresas pequenas e médias a anunciar até pela primeira vez. O fato ainda de possibilitar às marcas anunciantes maior otimização na compra da mídia, na implementação e na mensuração dos resultados obtidos, a torna por consequência também mais assertiva, contribuindo rapidamente para os objetivos de negócio das empresas.

Mas talvez a maior das diferenças esteja no fato de que a mídia programática quebra uma lógica imposta por profissionais de propaganda e publicidade por muitos anos: o foco não está mais no veículo de comunicação e sim, no target. Desta forma, nesse tipo de mídia estuda-se o comportamento das pessoas no ambiente digital e então a marca aparecerá somente para aqueles que desejam e que tenham demonstrado interesse naquele conteúdo. A mensagem de marca surge então, de forma contextualizada, para quem deseja receber aquele conteúdo, no momento que deseja, na frequência ideal e onde esse público estiver. Pode ser num site de esportes, na mídia social preferida ou mesmo dentro de um aplicativo que utilize. Certeza de gol.

Ocorre que nas últimas semanas, acompanhamos pela mídia um verdadeiro massacre ao setor de mídia programática. O trabalho realizado pela chamada CPI das Fake News identificou e tornou público que o Governo Federal teria exibido ‘milhões de propagandas em sites maliciosos’ nos últimos meses e que isso ocorreu porque a veiculação se deu através de mídia programática.

“Na mídia programática, exposição indesejada de marca não é e nem nunca foi regra. O problema não está no uso da mídia programática. Está no uso inadequado da plataforma. Um planejamento bem feito cria filtros de brand safety, e a mensagem de marca aparece apenas em um ambiente seguro.”, diz Rodolfo Darakdjian, CEO da OPL Digital.

A OPL Digital é uma dessas empresas especializadas no tema. Com sede em São Paulo e também em Miami, nos Estados Unidos, a empresa investiu pesado na compra de tecnologia nos últimos anos, atua com uma DSP própria, e hoje tem como clientes governamentais, sendo alguns deles: Ministério da Saúde, Ministério do Turismo, Prefeitura de São Paulo, Eletrobrás, Caixa e Governo do Estado de São Paulo, além de clientes do setor privado como Schneider Electric, BRF, Seara, Unilever, Latam, Porsche, CCR, entre outras.

Para um anunciante que decida por comunicar seus produtos e serviços em mídia programática é extremamente importante que busque por empresas que sejam capacitadas e especializadas no tema. Prover cuidados básicos que impeçam as marcas de aparecerem em ambientes não seguros é essencial para quem trabalha com mídia programática.

Não se pode generalizar, e as recentes notícias que trataram das ações do Governo Federal não podem ‘carimbar’ ou marginalizar todo um mercado, que é composto por empresas e profissionais sérios e comprometidos com os resultados dos clientes. Uma ou duas empresas que tiveram tais equívocos não podem ser vistas como representantes de todo um setor. É importante ressaltar que mídia programática não financia o crime e nem patrocina e nem compactua com nenhum tipo de fake news. Atualmente existem políticas de brand safety que, inclusive, são atualizadas constantemente e que eliminam os sites impróprios ou maliciosos. As chamadas passlists, de uso bastante comum em mídia programática, possibilitam que a marca anunc iante es colha exatamente os sites e aplicativos em que serão exibidos os anúncios, evitando destinos indesejados. Segurança na rede é preocupação número um de qualquer marca que esteja na rede.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Pesquisa aponta caminhos na relação clientes-agências

A Meio&Mensagem trouxe uma excelente matéria sobre pesquisa desenvolvida pela agência The Heart em parceria com a Bistrô Estratégia que tenta desvendar como será a relação entre agências e anunciantes no mercado pós pandemia do Covid 19. Tentarei aqui repassar alguns pontos importantes.

A pesquisa misturou aspectos quantitativos e qualitativos e ouviu 30 líderes de marketing de grandes anunciantes nacionais

Um dos aspectos levantados nesta pesquisa diz respeito à remuneração dos trabalhos das agências. O que se extraiu é que deverá acontecer uma adequação em função dos impactos econômicos causados pela pandemia.

O levantamento aponta que 50% dos clientes que contratam agência por fee devem mudar essa forma de remunerar no período pós Covid 19. Um dos caminhos será a adoção de contratação por projetos ou jobs. Nesta linha, outras informações relevantes: para 26% dos entrevistados a relação custo-benefício é decisiva e 19% querem parceiros estratégicos bem preparados para vencer novos desafios e que tenham capacidade de adaptação ao novo cenário.

Modelo ideal

Um ponto importantíssimo detectado é o que mostra que a busca de um formato ideal de relação passa pela criação de um modelo de atuação das agências que equilibre os seguintes aspectos: custos, consistência, fluidez e inovação.

Image by Gleen Ferdinand from Pixabay

Um aspecto fundamental, em minha opinião, levantado pela pesquisa diz respeito ao fato dos anunciantes acreditarem em um modelo de agência “não departamentalizado”, em que possa acontecer integração de ideias e haja um time multifuncional resolvendo problemas de forma criativa.

Sinergia entre dados e criatividade

Importante destacar que o levantamento aponta que para os clientes “a relação é menos sobre estar presente em todos os canais e mais sobre estar onde a marca, o budget e o target estão, para gerar mais sinergia com o resultado esperado”. Também vale destacar que os clientes/anunciantes desejam agência que gerem sinergia entre dados e criatividade.

Creio que os dados levantados sejam de suma importância para que as agências possam encontrar o melhor caminho para prosseguirem fortes e saudáveis após o fim das dificuldades impostas pelo período de pandemia e isolamento social.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Coleta de dados faz diferença no desempenho de empresas

Gartner diz que empresas em crescimento são mais ativas na coleta de dados de experiência dos clientes

As organizações que têm registrado crescimento positivo de receita coletaram mais dados de experiência dos clientes (CX – Consumer Experience, em inglês) do que as companhias que não cresceram, de acordo com recente pesquisa do Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas. O estudo indica que quase 80% das organizações em crescimento usam pesquisas para coletar dados de experiência dos clientes, comparado com apenas 58% das organizações sem crescimento.

Image by emudria from Pixabay

“Há uma clara tendência, entre as empresas que crescem, em coletar ativamente dados de CX usando uma ampla variedade de ferramentas, como pesquisas, testes de usabilidade, grupos focais e análises em tempo real”, diz Jessica Ekholm, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Isso é o que chamamos de abordagem de fora para dentro – a ideia de que a criação de valor para o cliente e a abordagem orientada à experiência dos clientes impulsionará o sucesso dos negócios a longo prazo.”

Uma organização em crescimento é definida como aquela que teve um crescimento positivo da receita de 2018 a 2019. Além disso, tem expectativa de crescimento positivo da receita de 2019 a 2020. Uma organização sem crescimento teve receita inalterada ou em declínio entre 2018 e 2019, com o mesmo ritmo esperado para 2019 a 2020.

Pesquisas de clientes usadas pela maioria das organizações em crescimento – As pesquisas com consumidores continuam sendo o meio mais popular entre as organizações que crescem e as que não crescem para coletar dados de experiência dos clientes, segundo a pesquisa do Gartner. Embora as pesquisas podem fornecer aos gerentes de produto um entendimento básico das experiências e sentimentos dos clientes, elas têm algumas limitações. Os consumidores estão experimentando cada vez mais uma sensação de “cansaço de pesquisas”, com os levantamentos mostrando taxas de resposta em declínio para cada pesquisa subsequente que um cliente recebe. Além disso, as respostas das pesquisas geralmente são escritas às pressas ou fornecem informações ambíguas, diminuindo a qualidade dos dados coletados. As pesquisas são incapazes de trazer informações em tempo real. “Apesar de seu amplo uso, as pesquisas com clientes apresentam algumas falhas que limitam sua capacidade de coletar dados com qualidade da experiência dos clientes”, diz Ekholm. “Reconhecendo isso, as empresas em crescimento estão começando a usar análises em tempo próximo ou real para complementar ou aproveitar os dados coletados nas pesquisas.”

Análise em tempo real acelera e aprofunda insigths da experiência dos clientes – O uso de analytics em tempo próximo e real para coletar dados de Consumer Experience é uma tendência crescente entre empresas em crescimento, com 43% dos gerentes de produtos dessas operações usando ferramentas de analytics para coletar e analisar dados de percepção e sentimentos dos clientes, em comparação a apenas 22% dos gerentes de produtos em empresas que não crescem. As tecnologias de Inteligência Artificial (IA) podem ajudar as organizações a coletar dados em tempo próximo e real sobre os problemas e experiências atuais dos clientes. Esses dados podem ser usados ​​para prever a próxima ação dos consumidores, recomendando proativamente recursos, soluções ou ações que melhoram a jornada do cliente. “As empresas que aproveitam aplicações de Inteligência Artificial e analytics em tempo próximo e real para coletar dados de clientes se destacarão como líderes nos índices de experiencia dos consumidores nos próximos cinco a 10 anos”, afirma Ekholm.

A pesquisa Gartner “Mudando Abordagens para o Desenvolvimento de Produtos” foi realizada on-line entre julho e setembro de 2019, entre participantes com o título de gerente, equivalente e superior, em organizações do setor de alta tecnologia com receita prevista em 2019 de mais de US$ 100 milhões. No total, 214 participantes foram entrevistados nos EUA, China, Índia, Canadá, Reino Unido, França e Alemanha.

Fonte: Planin – Assessoria de Comunicação e de Imprensa do Gartner no Brasil –
Caroline Belleze

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Coluna Propaganda&Arte

Tudo vai (realmente) mudar depois da pandemia?

Ainda estamos no olho do furacão. Alguns dizem que as coisas vão piorar, outros ainda acreditam que tudo é uma conspiração, mas afinal: a propaganda e toda nossa compreensão do mercado vai realmente mudar após a covid-19?

Nós aprendemos na faculdade que a propaganda mostra aquilo que as pessoas querem, desperta desejos e nos oferece soluções, certo? E se todo o sistema que conhecemos estiver mudando, não só por uma mudança brutal da economia, mas por mudanças nas pessoas, como seres humanos? Isso pode mudar a regra do jogo e mudar DE jogo.

Eu trabalho com marketing e publicidade há mais de 10 anos e sinto que a partir de 2020, as pessoas vão começar a valorizar outros aspectos, muito além de produtos e marcas. As pesquisas de comportamento apontam a segurança como o principal atributo das marcas do futuro. Na verdade, já é do presente.

Ninguém está mais vendendo, ninguém mais quer falar de produto e com razão

Todas as campanhas que estou vendo/produzindo são ou 100% comerciais (como o serviço de delivery) ou 100% conteúdo para informar, entreter, auxiliar as pessoas. No final, as marcas estão tendo que ser mais humanas na marra. Claro, estamos revendo nossa Humanidade, nosso papel e nossa força como grupo.

Marcas globais e regionais estão buscando soluções, tanto comerciais como de comunicação. A hora da grande virada da propaganda parece que chegou, principalmente a digital. Quem está no celular nesse momento? Em casa? Todos nós (ou deveríamos). Quem está vendo mais séries do que nunca, vídeos no Youtube e canais pagos cheios de propagandas? Nós. Isso mesmo.

Image by fernando zhiminaicela from Pixabay

As agências estão revendo formas de trabalhar, os clientes delas também. Todo mundo quer entender o momento, quer superar essa fase, ver um cenário melhor. E tudo só vai melhorar quando a comunicação for eficiente. Das marcas, governos e pessoas. As mensagens de união e esperança parecem disputar espaço com as manchetes de desespero e angústia. A voz de uma marca agora não parece mais alta do que de uma pessoa. Todos têm valor, mas o que dizer nessa hora?

(Silêncio)

Desafio: pense em uma marca que está se sobressaindo nesse momento

Conseguiu pensar em alguma? Provavelmente você ficou sabendo de alguma empresa fazendo doações para hospitais, famílias, etc. Ou então ajudando de alguma forma filantrópica, mas nem todas estão divulgando. Parece que agora a propaganda percebeu que precisa ser real. Propaganda para mostrar que ajuda não pode ser mais importante que a própria ajuda. Ou seja, o marketing pensando na imagem só pela imagem não se sustenta.

Marcas mais humanas para pessoas mais humanas

Eu sei que muita coisa ainda vai acontecer e está acontecendo na vida de cada um. Estamos mais conectados, mais ligados, mais próximos e distantes. Esse dicotomia é reflexo de uma transição que já estava acontecendo e só vai acelerar daqui pra frente. Você quer se relacionar com marcas verdadeiras e com pessoas reais. Mesmo que esse contato seja virtual, pois agora, mais do que nunca, o virtual nunca foi tão real. Que esta mudança seja um ótimo motivo para nos tornarmos pessoas melhores. Assim, as marcas vão precisar acompanhar, afinal, para quem nós vendemos mesmo?

Fique seguro, cuide dos outros e se comunique melhor.

#FiqueEmCasa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Momento de adaptação e mudança acelerados

As mudanças impostas pela pandemia do virus Covid 19 impactaram todos os setores da atividade econômica mundial, brasileira e, óbvio, regional. Esses impactos tiveram que ser absorvidos em prazo de tempo curtíssimo pelas agências, veículos e fornecedores de nossa região.

Discutir a relação tem sido fundamental para superar esse momento complicado e absolutamente único em nossa história.

O Publicitando foi buscar a opinião de algumas lideranças regionais para entender como tem sido a adaptação principalmente à necessidade do trabalho remoto. Veja na sequência o que eles nos disseram:

Eduardo Costa – Resultage

Aqui na Resultage entramos em home-office no dia 18/3, alguns dias antes do anúnciio oficial da quarentena na cidade.

Já tínhamos uma certa cultura de home office esporádica, em casos de doença ou compromisso, o colaborador já fazia isso. Mas foi a primeira vez que isso aconteceu massivamente.

Quem não tinha um computador em casa levou a máquina. Na rotina, como tínhamos processos e ferramentas bem estruturadas , não foi tão difícil.

Eu tenho 2 times bem específicos: o de desenvolvimento, que cuida basicamente do Widgrid, nosso produto que é um CMS para construção de sites e o time de Mkt digital.

Cada time tem ferramentas próprias de gerenciamento de projetos e tarefas (Trello, no Widgrid e Basecamp no Mkt DIgital), o que facilitou muito a adoção em massa.

Cada time criou seu processo de reunião diária. Como exemplo, no Mkt, todo dia de manhã o time se reúne via call usando Hangout e faz uma mini reunião (como os daily meeetings do Scrum) onde é analisado o dia anterior, erros, acertos e problemas surgidos e depois traçam-se as tarefas macro do dia , que já estão no Basecamp em detalhes. E durante o dia, micro-reuniões sobre assuntos específicos ou micro-gerenciamento de alguns colaboradores ou assunto específico.

Quanto aos clientes, assim como todos tivemos reduções, cancelamentos e congelamentos, mas estamos abraçando a todos eles, independente de escopo, contrato ou assinatura pois nossa meta é ajudar a todos nesse momento já que o lema é não deixar ninguém para trás.

Nos adaptamos ao momento , estamos preparados para continuar assim o tempo que for necessário, fazendo as adequações que houverem. Estamos dando consultoria para alguns clientes e amigos sobre processo, inclusive. Gerei uma aula que dei para empresários sobre a crise, como se adaptar a esse momento.

Telma Marcondes – Qualicom Diálogos Estratégicos

Estamos há 36 dias em trabalho remoto. Como já é rotina uma reunião online semanal com os atendimentos in-house dos clientes, mantivemos a prática com toda equipe, intensificamos as conversas entre departamentos e centralização de informações no sistema de gerenciamento de projetos.

Além disso, estamos priorizando as reuniões com vídeo para não perdermos a identidade da equipe e tb trabalhando em projetos de comunicação que apoiem comerciantes locais a manterem seus negócios e empregos aqui na nossa região.

Bom humor e alegria! Fotos de gente queimando arroz, pano de prato queimado, pets queridos, doces e cenas do distanciamento da família. Distantes, mas juntos!!!

Gustavo Gobbato – Alchemy

Em face ao trabalho remoto, nós já havíamos nos adaptado ao Home Office há 3 anos, quando deixamos a operação física a um mínimo. Com equipe in company no cliente e uma sede compartilhada com a Holding da qual fazemos parte.

A gente não teve dificuldade porque já vivemos isso e temos um aprendizado já há algum tempo. Temos software de gerenciamento de atividades, o que auxilia muito.

Estamos acostumados a nos falarmos o tempo todo e aos grupos de whatsapp. O mesmo acontecendo com clientes, com quem a gente se relaciona digitalmente apesar das distâncias, já que a maioria de nossos clientes não está na região do Vale.

O maior desafio está sendo por conta dos fechamentos devido ao isolamento. Nossa carteira tem como base os clientes de varejo, que diante do isolamento, reduziram ou suspenderam contratos. Isso trouxe um movimento de redução indesejada do time, pois vínhamos em crescimento extremamente forte nos últimos 3 anos com metas ambiciosas, mas realizáveis para 2020, que agora já estão sendo revistas.

A bem da verdade, elas já foram revistas e estamos já na fase de implantarmos o plano de ação para nos adequarmos.

Lucas Rodrigues – Casa 33

Aqui na agência já tínhamos o hábito do trabalho remoto, então esta adaptação foi tranquila.

Tivemos apenas que adaptar as reuniões por vídeo conferência. Desde de o começo mantivemos a relação de parceria com os clientes nos disponibilizando a ajuda-los neste momento de crise.

Não sabemos quanto tempo ainda vai durar, mas estamos juntos, criando e buscando oportunidades para ajudar a economia local.

Vitor Morais
Diretor de Criação e Conteúdo na Supera (Agência de Comunicação especializada em Estratégia e Cultura Organizacional)

Naturalmente, a gente já tinha o desafio de fazer os alinhamentos e processos com equipes trabalhando de diferentes lugares. Por exemplo, toda a criação está na unidade de São José dos Campos, mas temos profissionais na unidade de São Paulo, em Fortaleza, em Salvador, alguns que ficam dentro dos clientes, então o nosso cotidiano já é muito organizado por plataformas e relações digitais.

Mesmo assim, as equipes 100% em home-office, por tanto tempo, foi uma adaptação diferente. As rotinas específicas de cada área precisaram ser migradas para plataformas, as interações com outras equipes precisam de um aviso prévio (Pode falar agora? Vamos fazer uma vídeo?), os processos colaborativos precisam ser provocados; caso contrário, o trabalho passa a ser individual. Mas nada é impossível, e de fato o isolamento reforçou essa possibilidade.

Fizemos uma mobilização para entender se todas as equipes tinham os recursos básicos, alguns profissionais precisaram levar o desktop para dar conta de edições mais pesadas, organizamos todo um acesso remoto para possibilitar que todos continuem acessando os arquivos necessários.

A gente já usava um sistema interno, além do Workplace, então a adaptação da rotina foi muito mais uma questão de incentivar as conexões digitais e intensificar nosso uso dessas ferramentas. Para ajudar, a gente está produzindo pílulas com dicas práticas e mensagens diárias para manter o engajamento.

Alguns trabalhos foram congelados, como treinamentos presenciais e pesquisas, mas em geral as demandas continuam. Até apresentar concorrência por videoconferência já aconteceu. De certa forma, vejo que a situação nos acelerou a tomar uma decisão que estava ali na frente: flexibilizar o formato de trabalho.

Deborah Meister – Triadaz – Propaganda e Marketing

Bom, embora alguns já fizessem home office, ainda tínhamos o hábito da equipe reunida. Percebemos a possibilidade de migrar para o home office antes de ser declarada a pandemia, o que nos deu tempo de preparar um pouco mais a nós e a equipe.

Estamos trabalhando remotamente desde o dia 16. Entendemos que muitos funcionários vivem e convivem também com idosos e isso valia para resguardar todos.

Assim, desenhamos uma nova rotina há um mês. Desde então, Skype tem sido a principal comunicação interna da agência. Com os clientes, muitos deles já estavam habituados com o uso de meios digitais, assim sendo, apenas uma ou outra reunião teve a plataforma alterada, migrando para zoom, FaceTime, WhatsApp e afins.

No geral, acho que chegamos numa nova normalidade. Todos da equipe já nos adaptamos, conseguimos prover máquinas e acessos a servidores, bancos de imagens e afins.

E os “bom dia”, cafezinho e reuniões continuam, só de uma outra forma.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Dança das cadeiras (edição especial)

Mudança em liderança de agência

O publicitário Thiago Luz anunciou recentemente sua saída da sociedade da agência Árvore, localizada em São José dos Campos.

O publicitário Thiago Luz

 Thiago tornou pública sua decisão em um texto postado nos seus perfis de redes sociais. Reproduzimos o texto abaixo:

MINHA SAÍDA DA ÁRVORE

Você acorda todo dia e se enche de esperança? Acreditando que as coisas vão dar certo? Sinto dizer, mas você não acordou ainda.

“Esperança” é uma palavra inspiradora em alguns contextos. Se você naufragar no mar – por exemplo – a esperança poderá manter você vivo (tom hanks que o diga). Mas no mundo dos negócios não dá pra esperar milagres acontecerem.

É preciso que você saiba que a Árvore está bem e tenho fé de que, mesmo com a minha saída, vai continuar firme com as raízes fortes que têm.

Há alguns anos, a minha conta “ação + realização” não fechava mais. A vida vinha me cobrando caro por eu não dar ouvidos a quem mais precisava de mim: eu.

Em 2010 criamos o que se tornaria uma das agências mais premiadas do mercado, quando me dei conta, putz, 10 anos se passaram. Neles realizei sonhos, me tornei conhecido, trabalhei para marcas gigantes e conheci muita gente foda.

Mas chegou um momento em que eu não me reconhecia mais ali.

A empresa foi se desprendendo do que eu acreditava, cada galho em uma direção, e um sentimento de que minha missão ali havia sido cumprida.

Decidi fechar a conta, levantar da cadeira que eu estava sentado e começar a agir para responder as perguntas que a vida estava me fazendo e eu não conseguia responder.

Mergulhei em um recomeço, troquei o “medo de perder” por “o que eu tenho a oferecer?”. O “quero 1 milhão de reais” por “quero ajudar 1 milhão de pessoas”, troquei também a “esperança” pela “ação”.

Saio da Árvore sentindo muita gratidão por tudo que conquistei, por todas as pessoas que convivi e por todas as transformações em minha vida. Assim como uma árvore no outono, deixo minhas certezas e crenças caírem, para que na próxima estação eu possa crescer de outro jeito, em outro lugar, em novas formas.

Gratidão à minha família, por segurar a barra e me apoiar em minhas decisões. Gratidão a todos os clientes, fornecedores e parceiros (muitos me seguem aqui). Gratidão aos meus ex-sócios pela longa caminhada. Gratidão aos colaboradores que ficaram por lá, máximo respeito.

Seguimos forte: Eu, meus valores na armadura e um propósito na espada.

A Árvore continuará atuando sob o comando de Lucas Bornal e de Ramon Toledo.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Na atividade

Pilares Relações Públicas anuncia quatro novos clientes

Entre os novos clientes da agência estão: Sicoob Cressem, FAEL SJC (Faculdade Educacional da Lapa), Capeletti & Barini Advogados e a loja da franquia Croasonho em Taubaté

A agência de RP, localizada em São José dos Campos, comemora o primeiro trimestre deste ano com a conquista de novos clientes na RM Vale. Atuando há 4 anos na região, a Pilares busca oferecer soluções estratégicas para que os clientes tenham presença em todas as plataformas.

Diferente das agências de comunicação tradicionais da região, a empresa trabalha com um atendimento personalizado e especializado para cada segmento, focando em planejamentos de Relações Públicas, redes sociais, assessoria de imprensa, organização e planejamento de eventos, pesquisas direcionadas, criação de conteúdo interno, gerenciamento de crise e consultoria de comunicação.

Hoje, a empresa integra quatro novos clientes de categorias distintas e trabalha no relacionamento das marcas com o público. O objetivo é prestar um serviço de qualidade focando nos valores que cada empresa quer transmitir para o público.

Entre os novos clientes da agência de RP estão a FAEL SJC (Faculdade Educacional da Lapa) que está há treze anos em São José dos Campos; Sicoob Cressem, cooperativa de crédito dos servidores municipais, presente em nove cidades do Vale do Paraíba e Litoral Norte; Capeletti & Barini Advogados, que trabalha com advocacia corporativa em geral, atendendo as mais diversas demandas empresariais; Croasonho, franquia localizada dentro do Taubaté Shopping a partir de março.

A Pilares RP vem fazendo um trabalho com excelência na cidade e já coleciona cases de sucesso. Buscando conectar as ideias e propor soluções para seus clientes, com transparência e qualidade, a expectativa para este ano é de crescimento.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

KTBO investe no Brasil para ampliar atuação na América Latina

Uma das maiores agências independentes da América Latina consolida seu crescimento no Brasil

Com uma abordagem “digital first” e clientes como Kellogg, Mattel e Electronic Arts, a KTBO cria estruturas personalizadas para liderar processos de transformação para grandes empresas da região

A KTBO, uma das líderes no mercado de publicidade independente na América Latina e entre as três principais agências no México, anuncia a expansão de suas operações na América Latina. O escritório no Brasil, o primeiro fora do país de origem, terá importância estratégica fundamental para expansão e consolidação regional como uma das maiores agências independentes da região. Fora do Brasil, grandes marcas, como Coca-Cola, AT&T, Grupo Bimbo, Colgate-Palmolive, Pandora, entre outras, brilham em seu portfólio. No total, são mais de 40 clientes, atendidos por cerca de 250 funcionários em sua sede na Cidade do México.

No Brasil, a KTBO é a agência digital da Kellogg’s, Mattel e Electronic Arts. “Para nós, ter uma base com uma equipe local em uma das maiores economias do mundo é um passo natural. Os acordos regionais com grandes clientes nos permitem estabelecer uma operação no Brasil com talentos locais”, afirma Armando David Ortigosa, fundador e CEO da empresa, presente no Brasil para o evento de lançamento.

A operação local será liderada por Mário Reys (profissional de Planejamento, que já trabalhou na F.biz e TV1) com apoio de Andrea Tornovsky (ex-Ogilvy, YDreams Global, Fábrica e Heads), responsável pelo Atendimento e pela área de Novos Negócios. A liderança criativa é de Maria Lígia Monteiro, que já atuou na AZZA, AG2 e Casa Mar.

Maria Lígia Monteiro, Mário Reys, Armando Ortigosa, Andrea Tornovsky e Paulo Diaz

Segundo Ortigosa, em um primeiro momento, o desempenho do escritório brasileiro visava o desenvolvimento de campanhas digitais para a Kellogg’s e a Mattel. “Acreditamos e estamos investindo pesadamente no país. Nosso objetivo é ganhar novas contas no primeiro semestre, agindo de forma independente da sede”, acrescenta. “Não importa onde estejamos – México, Brasil, Argentina, Colômbia ou em qualquer lugar do mundo -, nosso objetivo é entregar soluções de classe mundial como uma única unidade “.

Para ele, México e Brasil sofrem vícios no mercado de comunicação e modelos operacionais obsoletos. “Buscamos criar experiências relevantes, independentemente da mídia. O Brasil é um país de talentos criativos. Para nós, unir equipes criativas a especialistas em dados e idéias, prática já adotada pela KTBO no México, é o modelo do futuro ”, enfatiza. Este modelo já se mostrou vitorioso. Em 2019, o estudo Agency Scope, realizado com executivos de marketing no México, identificou a KTBO como a principal agência digital do país. “Somos uma agência criativa, nativa digital, para um mundo onde o digital está em primeiro lugar”, explica Ortigosa, reforçando o perfil full service da agência.

Estreia com o Tigre Tony – A KTBO logo mostrou seu cartão de visita com uma campanha digital de “relançamento” do Tigre Tony, mascote do cereal Sucrilhos, que estava afastado da mídia. Com apoio de influenciadores, a campanha “Recreate the Game” pediu a pais e crianças que reinventassem suas brincadeiras, transformando objetos banais do dia-a-dia em peças de um grande jogo.

De acordo com Damian Pirichinsky, diretor de marketing da Kellogg’s para o Mercosul, a iniciativa mostra um novo momento da empresa na região. “Nossa parceria estratégica e criativa com a KTBO está inovando a forma como monitoramos o público-alvo de nossas principais marcas. Isso nos dá insights diferenciados para testar diferentes execuções e projetos-piloto que nos permitem alcançar milhões de consumidores em diferentes momentos do dia”, afirma o executivo.

Prova dessa confiança está no investimento em uma extensão de sua unidade especial de atendimento, a Kellogg’s Unit for Brand Engagement (KUBE), em São Paulo, que há cinco anos funciona com sucesso no México. Na estrutura da KTBO, as unidades especiais são núcleos de trabalho totalmente dedicados a determinadas contas, como Coca-Cola (Media House) e Colgate (CODE). Seu foco é a promoção de engajamento do público com as marcas nos ambientes digitais.

Primeira dessas unidades especiais, o KUBE surgiu em 2015 a partir de uma iniciativa de Ortigosa e Omar Carrión, gerente-geral da multinacional para a América Latina. A proposta era unir a empresa e todos os seus pontos de contato digitais com os consumidores sob uma única liderança.

De acordo com Carrión, os primeiros anos de experiência do KUBE foram altamente proveitosos. “A KTBO está ajudando a revolucionar nosso modelo de engajamento em toda a América Latina, no qual o Brasil é um mercado-chave para o êxito de nossas estratégias comerciais”, garante.

Outra campanha lançada recentemente no Brasil pela KTBO foi a de reposicionamento da marca de sucos Trink, da Parati, com criação de personagens com características diferentes para cada um dos sabores: os Trinkinos, que fizeram sua estreia no Instagram e logo já foram até para blocos de Carnaval.

Fonte: Galbraith PR – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Shopping Pátio Pinda recebe exposição com mais de 100 carros antigos

Encontro é gratuito e acontece neste domingo (26)

Com modelos nacionais e importados, fabricados até o ano de 1990, um encontro de carros antigos vai reunir diversas marcas em mais uma edição no Shopping Pátio Pinda, que acontece neste domingo (26), a partir das 9h, no estacionamento do centro de compras e lazer. Entre os modelos disponíveis ao público estarão Dodges – com seu motor V8 –, Opalas, Fords das décadas de 1920 e 1930, Pumas e MP Lafer.

Além da exposição, os clientes do shopping poderão conferir também um tradicional “mercado de pulgas” – estandes com peças e acessórios exclusivos para autos antigos. Muitos colecionadores encontram nesses locais aquele item especial que estava faltando para concluir a restauração de um veículo. “Os encontros reúnem apaixonados por carros, pessoas que não medem esforços para recuperar e restaurar, deixando-os como ‘novos’, explica Aldo Fusco, presidente do CAAT e um dos organizadores do evento.

Serviço
Encontro de carros antigos
Data: domingo (26)
Hora: a partir das 9h

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Vaga para Representante Comercial em veículo

 A Rádio Antena 1 FM São José busca profissional da área comercial

Vaga destinada aos profissionais que desejam desenvolver uma carteira de clientes selecionados para veiculação na ANTENA 1 FM de São José.

Desafios:
Prospecção
Vendas
Atendimento
Planejamento de Mídia
Interação com o cliente
Gestão de prazos e metas

Requisitos:
Ensino Superior Completo
Experiência em vendas/veículos de comunicação
Possuir bom relacionamento interpessoal
Ser responsável e organizado
Ter empresa aberta

Área de atuação:
São José dos Campos e região

Regime de contratação:
Representante comercial via Empresa individual, contrato com valor mensal + ajuda e custo + comissões. Horário Comercial.

Envie o seu currículo e pretensão salarial até 27/01 para gerenciasjc@antena1.com.br com o assunto:
Vaga Representante Comercial

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0