Bolsas em cursos no Senac Taubaté

Senac Taubaté tem bolsas para cursos de comunicação

O Senac Taubaté esta com inscrições abertas para cinco (05) vagas de bolsas para o curso COMUNICAÇÃO INTERNA E ENDOMARKETING.

Inscreva-se no próprio Senac Taubaté de 06/02/2017 a 15/03/2017, segunda e quarta: 19 às 22 horas.

Gente nova na comunicação da Novelis

Reforço na comunicação interna

Após um longo processo seletivo iniciado em Agosto e encerrado em Dezembro de 2016, Débora Fernandes, 22 anos e atualmente cursando o 5˚semestre de Relações Públicas – Unitau ingressou na Novelis.

Débora Fernandes assume posição no setor de Comunicação, atuando especificamente com Comunicação Interna.

A vaga aberta no processo seletivo era para comunicação em Pindamonhangaba, e junto com a Débora concorreram estudantes de Publicidade, Jornalismo e Relações Públicas.

Coluna {De dentro pra fora}

A lista dos nãos

O que a gente mais gosta de fazer nesta época do ano? Listas!
Lista de pendências para acabar o ano, lista de prioridades, lista de presentes, lista do supermercado, lista de metas para o próximo ano. E por aí vai…

Para entrar no clima e não quebrar sua rotina com um textão (sei que todos estão naquela correria-fim-de-ano), decidi montar minha listinha para a coluna do mês. Vai ser a ~Lista do que não fazer em 2017~.

1 – Não comece o ano sem definir os objetivos de comunicação.

2 – Não faça um planejamento sem realmente entender a cultura da sua empresa (eu espero do fundo do coração que você já tenha um planejamento de comunicação para o próximo ano).

3 – Não gaste tempo desnecessário com atividades que não resolvam os problemas definidos em seu planejamento.

4 – Não faça nada sem sair do seu lugar de “comunicador” e se colocar no lugar do seu público. Não se esqueça de que o principal objetivo é que eles entendam, não você.

5 – Não deixe a liderança de lado. Pelo contrário, incentive, treine, promova a comunicação dela com suas equipes.

6 – Não caia no erro de construir mensagens lindas que não sejam sustentadas pelas ações e práticas corporativas. O dia a dia diz muito mais que nossas palavras.

7 – Não permita que a Comunicação Interna seja apenas o e-mailzinho e o jornalzinho. Eleve a CI para o nível estratégico, faça a presidência entender como nós podemos contribuir para o negócio.

8 – Não siga “tendências de mercado” só porque são tendências. Seja analítico e reflita se aquilo realmente faz sentido para a cultura da empresa, os públicos e segmento do negócio.

9 – Não subestime seu público. Não deixe de entender suas aflições, necessidades de informação e sempre promova o diálogo na organização.

10 – Não se esqueça de agradecer a sua agência, os seus colegas de trabalho e todo mundo que ajuda a encarar os desafios.

Que 2017 seja um ano surpreendente!
Que a gente aprenda a falar mais não e focar no que realmente é importante.

Coluna “Discutindo a relação…”

Comunicar bem só faz bem

A comunicação é sempre muito discutida e falada dentro das empresas. A maioria dos presidentes, CEO’s e gerentes sempre destacam sua importância em variados momentos e conversas no dia-a-dia empresarial.

Infelizmente, nem sempre esse discurso se transforma em ações concretas. Mais do que isso: nem sempre as indústrias, empresas comerciais e prestadoras de serviços enxergam a comunicação como elemento constituinte de seu planejamento estratégico. Essas formas de pensar o uso da comunicação são bastante comuns em nossa região.

Já há, é verdade, honrosas exceções a essa regra. Alguns empresários e executivos já pensam a comunicação como elemento essencial da estratégia de mercado de suas empresas. Algo tão importante quanto a logística, as vendas e a maneira de administrar o fluxo de caixa.

A verdade é que a comunicação deveria ser um dos pilares do pensamento administrativo. E tratamos aqui não só da comunicação externa – aquela que se dirige ao consumidor final de seus produtos e/ou serviços, ou mesmo aos intermediários – mas também a interna aquela dirigida aos que trabalham na empresa.

A comunicação externa é capaz de criar imagem corporativa, imagem de marca e motivação para a compra. Imagem corporativa e imagem de marca são importantes (até essenciais) para qualquer tipo de empresa, mesmo aquelas que não tenham produtos voltados diretamente ao consumidor final. Já a motivação para a compra é determinante para empresas quem vendem produtos e serviços diretamente ao usuário final (varejo e prestadores de serviços).

Já a comunicação interna é fundamental para motivar as equipes de sua empresa e para fazer com que todos tenham claro quais são os objetivos, metas e até mesmo a missão de sua corporação. As empresas em alguns casos investem bastante em treinamento, mas pouco ou nada em comunicação interna.

Os cursos de administração deveriam ter disciplinas da área de comunicação, comumente encontradas nas grades curriculares dos cursos de comunicação social em suas diferentes habilitações (basicamente jornalismo, relações públicas e publicidade e propaganda). O mesmo deveria ocorrer nos diversos MBA’s e pós-graduações.
Você que é dono ou dirige uma empresa de qualquer segmento e/ou porte deveria começar a pensar de forma mais estratégica a sua comunicação interna e externa.

Afinal de contas, boa comunicação só trás benefícios. Boa comunicação só faz bem.

Vaga para analista de comunicação

Analista de Comunicação

Formação: Superior Completo em Marketing ou Publicidade e Propaganda

mockup-863469_640

Atividades a serem desenvolvidas: Desenvolver ações de comunicação interna; responsabilidade pelo site da empresa; elaboração de conteúdos para internet: site, mídias sociais e comunicados institucionais; criação de artes para divulgação impressas e virtuais; identidades visuais, tratamento de foto; suporte na organização de eventos e cobertura fotográfica; responder pela divulgação de meios de comunicação interna.

Experiência: Na função e conhecimento em CorelDraw, Ilustrator, Indesing, Photoshop e básico em HTML.

Residir em: São José dos Campos/SP

Mande seu CV por aqui

Coluna {De dentro pra fora}

Precisamos falar sobre isso. Mais uma vez

vitor-2016

Talvez você já tenha lido mais de um texto meu falando sobre observar o ambiente de trabalho, as pessoas e os líderes. Porém, é fundamental repetir o assunto. Veja o porquê.

Numa conversa com amigos, comentávamos sobre como a sociedade ainda tem preconceitos e traços patriarcais bem fortes. Alguns assuntos nós pensávamos que já estavam socialmente resolvidos, como preconceito, mulheres e por aí vai. Mas vira e mexe a gente esbarra num preconceito disfarçado.

Já uma outra amiga afirma que a gente vive numa bolha. Somos a galera da Comunicação. A turma mais mente aberta, mais flexível e contestadora. Porém, a realidade do mundo continua a mesma. Somos nós que estamos fora dela.

Numa terceira conversa, com um amigo que visita empresas e conhece suas diferentes realidades, ele relatava algumas situações que encontra por aí. Dessas que a gente imagina que não existem mais, sabe?

Ou seja, tudo que a gente vê na sociedade ainda tem um reflexo muito forte nas relações de trabalho. Não adianta a gente pensar em aplicativo, em fazer a revista linda, se nossos empregados não têm nem as condições básicas de trabalho. Se eles ainda sofrem assédio. Se os líderes abusam do poder.

Vitor, que texto chato. Sim, infelizmente ainda precisamos falar sobre isso. Observar o ambiente de trabalho, os processos e a relação com os líderes é um pequeno passo para entender a real cultura da sua empresa e não ter um discurso totalmente diferente da prática. Afinal, enquanto discurso e prática não estiverem muito bem alinhados, nada que a gente disser (ou tentar) terá credibilidade. Triste.

Coluna {De dentro pra fora}

Trabalhar em equipe; transformar problemas em desafios
{Spoiler: este texto pode parecer autoajuda}

vitor-2016

A nossa rotina pode ser resumida em resolver problemas. E eles são os mais variáveis possíveis: problemas de comunicação, tráfego lotado, expectativa dos clientes, relacionamento de equipe e por aí vai.

O primeiro erro é encarar tudo isso como problema. Pode soar meio autoajuda -eu sei-, mas acho importante a gente olhar para esses pontos como desafios. E não é só mudar a palavrinha que a gente usa, é mudar nossa percepção e reação sobre o que acontece.

(Abre parêntese para falar sobre equipe)
Quando eu observo histórias de amigos, nos mais variados ambientes de trabalho, sempre penso: se a situação fosse entendida como um desafio de todos, a solução seria bem mais fácil. Ou seja, desaprendemos a trabalhar em equipe. A gente quer departamentalizar tudo. O famoso “isso não é comigo”. Principalmente dentro das agências, esse fator é decisivo para que os processos realmente funcionem. Todo mundo precisa se comprometer com uma necessidade do cliente. Criação precisa entender que não é inflexibilidade do atendimento. Atendimento precisa entender que não é birra de criação. Porém, ainda mais importante, todos precisam dialogar: falar, ouvir, compreender e chegar a uma solução, por favor. Sei que isso parece básico, mas vejo muitas empresas ainda batendo a cabeça porque as pessoas não se falam.
(fecha)

connect-20333_640

Voltando aos desafios. Quando a gente recebe um pedido do cliente interno, uma demanda do atendimento, um planejamento ferrado, uma gestão de crise, acho que é importante responder duas perguntas:
– O que eu posso aprender com isso?
– O que eu posso fazer para ir além das expectativas (da área, do cliente, da demanda)?

Essas duas perguntinhas vão nos ajudar a encarar o ponto como um desafio, e não como um problema. Deixe de enxergar a situação como algo negativo, pesado, desgastante. Lembre-se de que ela vem acompanhada de oportunidades, de desenvolvimento, de mais conhecimento. Seja positivo que tudo flui melhor. Além da satisfação pessoal, o resultado final tem muito mais chance de encantar. É um ciclo do bem: você trabalha mais leve, todo mundo participa, o resultado é melhor, supera as expectativas, o cliente fica feliz, elogia o trabalho, confia mais em você, e assim a vida segue.

Vaga para conteúdista

Supera busca profissional para seu time de conteúdo

 

13956977_10210373825161283_1413949619_n

Em Comunicação Interna, conteudista é aquele profissional que tem uma visão ampla das necessidades de comunicação da empresa. Ele analisa as oportunidades, pensa nos melhores canais e produz as mensagens.

Temos vagas para dois perfis de conteudista, em São José dos Campos:
• Focado em veículos.
• Focado em campanhas e peças.

Ter habilidades nos dois perfis é um diferencial.

Envie currículo, portfólio e pretensão salarial para selecao@superacomunicacao.com.br, até 17 de agosto.

Coluna {De dentro pra fora}

O que aprendi com a crise

Vitor 2016

Em tempos de vacas magras, a verba de comunicação é uma das primeiras a ser cortada, certo? Errado. E, se é assim, a culpa é toda nossa. Reflita aí: como estamos acompanhando e entregando os resultados de ~comunicação~?

Mês passado, estava num dos principais congressos de Comunicação Interna do Brasil e achei muito curioso a abordagem que os temas foram ganhando. Meu Diretor de Estratégia fez um comentário que resume tudo: “discutimos muito menos sobre comunicação e muito mais sobre engajamento, transparência, reputação, gestão, liderança, temas fundamentais para a recuperação das organizações e das atribuições que envolvem os comunicadores” – José Luis Ovando/Supera Comunicação.
Esse é um dos primeiros pontos. Entender como a comunicação afeta outros temas dentro das organizações e, mais que isso, como ela pode colaborar para outros índices importantes.

E o segundo é como estamos mensurando tudo isso. Não estamos? Então, precisamos falar sobre isso. Nesse cenário instável, mensurar é ainda mais importante. (Aliás, sempre foi, né?).

credit-squeeze-522549_640

A Ligia Vannucci (Corporate Communications Manager da Braskem) também disse uma frase que parece simples, mas me deixou pensando por horas: “não existe área de comunicação sem números”. Sabe aquela história de que somos de humanas? Esquece. Precisamos encarar os números e trazê-los para a nossa realidade. Mais que isso, precisamos obter esses números, aprender a analisá-los e usá-los para decisões mais certeiras.

E, quando a gente fala em mensuração, ela vai desde indicadores básicos até os mais complexos. Se você ainda não faz nenhum, comece pelos básicos e vá aprimorando suas mensurações. Você pode começar analisando quais assuntos seus canais de comunicação interna mais abordam, quais assuntos têm mais audiência pelo seu público. Depois, analisar se esses assuntos são os temas mais relevantes para a sua empresa nesse momento. Lá na frente, você pode aprimorar essa análise e mensurar se os colaboradores realmente entenderam as mensagens. Mensurar é um pouco complexo, então chame uma agência que domina o assunto para ajudá-lo. O que não dá pra fazer mais é esperar. Se queremos mais verba, se buscamos reconhecimento, se acreditamos na comunicação como uma ferramenta de desenvolvimento das organizações, precisamos comprovar com dados.

Coluna {De dentro pra fora}

Viramos escravos dos canais?

Vitor 2016

Reflita sobre os processos na sua empresa:
A) Corremos atrás de conteúdo para conseguir fechar mais uma edição dos nossos canais de comunicação interna. Ou:
B) Identificamos conteúdos relevantes e, então, distribuímos entre nossos canais, conforme seus objetivos.

Parece meio complexo, mas é simples. Se a gente corre atrás de conteúdo e pauta pra, com muito suor, elaborar mais uma edição dos nossos canais, estamos, na verdade, com o objetivo de fazer o canal. Porém, o canal não deve ser o objetivo final. Ele deve ser apenas a ferramenta para comunicar. E é isso que muda na opção B, e faz toda a diferença. Os canais estão à nossa disposição, para escoar as mensagens que identificamos e que são coerentes ao momento da empresa.

O que isso quer dizer?
Muitas vezes, temos um mix de canais nas empresas que não funciona mais. E a gente vive se desdobrando pra conseguir alimentar todos eles. E, nesse processo todo, o que realmente deveria ser comunicado se perde.
Por isso, é extremamente importante reavaliar os canais e sua efetividade com certa frequência. O que funcionava ano passado pode não funcionar mais este ano.

Outro ponto importante: estabeleça objetivos para seus canais.
A é para informações estratégicas, com profundidade. B é para notas e processos do dia a dia. C é para ações e necessidades das áreas. Assim, fica mais fácil organizar o fluxo e a natureza das informações dentro da empresa.

O que não dá mais é para sair caçando conteúdo e virar escravos dos canais. Uma comunicação estratégica começa com objetivos bem definidos e um olhar atento ao que acontece na empresa.

• Organize seus canais: estabeleça o objetivo de cada um.
• Crie um fluxo de prioridades e relevância: primeiro identifique o que precisa ser divulgado na empresa, depois análise a natureza da informação e, então, selecione o canal mais adequado.
• Avalie o mix de canais pelo menos uma vez por ano.