Coluna “Discutindo a relação…”

Virar o jogo

Um dos pontos mais comentados em congressos, palestras, artigos, textos, podcasts e etc é a perda de valor das agências de propaganda. Podemos traduzir essa perda de valor por perda de importância e/ou relevância.

Há uns cinco ou seis anos esse tema passou a ser mais frequente e as mudanças recentes que vimos acontecer nas grandes holdings de propaganda parecem corroborar o ponto de vista defendido por muitos: as agências perderam relevância.

Isso se deu muito especificamente na relação com os anunciantes.

Há muitos fatores que são apontados para que esse recuo de importância no cenário de marketing e comunicação acontecesse. Concordo com a maioria deles. Mas vou destacar um que ouvi ou li recentemente e que acredito ser o mais decisivo: as agências não desenvolveram outros músculos além da criatividade ligada à comunicação.

Imagem de Lukas Bieri por Pixabay

Sim! O que é o maior trunfo das agências também pode ser visto como fator limitador. Vejamos: as agências não perceberam que os clientes tinham demandas que estavam além de uma boa ideia e de uma boa campanha traduzida em belas peças publicitárias.

As novas demandas dos clientes passavam e passam pela solução de problemas de negócios. Trata-se do já famoso e repetido “fazer o ponteiro de resultados mover-se para cima”. Trata-se de pensar na experiência total e completa do consumidor, em resolver gargalos e antecipar saídas a partir de novos comportamentos, usos e necessidades do consumidor.

Está bem além de ter ideias de comunicação! É pensar com cabeça de “resolvedor de problemas do cliente”. O que o fará bater as metas? Atingir os resultados? Virar líder do segmento? Ganhar consumidores novos? Ter novos produtos? E novos serviços?

E foi neste ponto crucial que as consultorias acharam a brecha de ouro para fazer sangrar ainda mais o já combalido grau de relevância das agências. Eles discutem isso: soluções voltadas para incrementar o negócio. E agora as consultorias, para o temor geral dos publicitários, investem também em comunicação e criatividade.

Calma lá, entretanto. Não é o fim do mundo das agências. Boa parte delas, principalmente as menores, independentes e ágeis já percebeu o que está rolando. Já sacaram. E estão jogando o jogo dentro do novo esquema tático. Tem mais facilidade porque são rápidas, enxutas e com poucos níveis hierárquicos. Algumas das grandes agências ligadas às grandes holdings também já sacaram. Mas tem mais dificuldades porque são lentas, grandes e com muitos níveis hierárquicos.

Imagem de rawpixel por Pixabay

Eu acho que dá pra igualar e até virar o jogo. As agências ainda voltarão a jogar bonito. E com eficácia! Eu boto fé!

“Afinal de contas, não tem cabimento. Entregar o jogo no primeiro tempo.
Nada de correr da raia, nada de morrer na praia.
Nada, nada, nada de esquecer.
Do balanço de perdas e danos.
Já tivemos muitos desenganos.
Já tivemos muito que chorar.
Mas…”

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

O que vai virar

Na semana passada na esteira da notícia da aquisição da Droga5, uma das maiores, mais criativa e mais competente agências independentes do mundo, pela Accenture Interactive, uma consultoria, escrevi em meu perfil do Linkedin: As consultorias querem ser agências de propaganda. As agências de propaganda querem ser consultorias… Que tempos confusos!

Caso não tenha acompanhado os fatos veja aqui e aqui.

Realmente há muita discussão em torno do fato de as consultorias cada vez mais partirem para cima do mercado sempre ocupado e atendido (muitas vezes mal atendido, aceitemos) pelas agências.  Alguns estudiosos e observadores do mercado de comunicação e marketing acreditam que as consultorias terão grande dificuldade em incorporar em suas estruturas o principal ativo ofertado pelas agências: a criatividade. Daí a enorme repercussão da aquisição.

Explicando: há muita dúvida se o modelo racional das consultorias absorverá de modo correto o pensamento criativo, a liberdade criativa e até mesmo parte do modelo de operação das agências.

Post no Twitter dá a notícia da aquisição

Do outro lado da moeda vemos as agências correndo contra o tempo para mudar seu modelo de negócio e ficar cada vez mais “com cara de consultoria”. Mudanças e acréscimos de funções e departamentos, novos cargos, novas áreas. Também vemos as grandes holdings de comunicação (WPP, Interpublic, Publicis, Dentsu, Omnicom) buscando mais integração entre suas diversas agências e empresas de comunicação e tratando de apostar mais em dados e inteligência de mercado para entregar um pacote mais amplo de serviços e soluções.

Quem vai prevalecer?

Eu creio que os dois modelos de negócios vão conviver por um bom tempo no mercado. Creio que a adaptação e a convivência entre consultorias e modelos baseados em criatividade vão dar certo em alguns casos e falhar em outros. Também creio que muitas agências descobrirão um modelo que equilibre foco em negócios, soluções e consultoria com a expertise da criatividade. Tudo vai depender das lideranças. E também de quem paga a conta: o anunciante.

Costumo afirmar com frequência que quem realmente causa as mudanças no mercado são os clientes. Suas demandas e suas necessidades de solução de problemas de mercado e comunicação são fatores determinantes para as mudanças verdadeiras.

Quem viver verá. E verá um mercado mais amplo e, provavelmente, muito melhor e mais repleto de oportunidades de trabalho para profissionais de comunicação.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

As coisas estão finalmente mudando?

De tempos em tempos o trabalho das agências de propaganda e/ou comunicação é questionado. Isso não é novidade. Recentemente, entretanto, a coisa ficou mais pesada, mais intensa e impossível de ser desconsiderada.

Além do enorme impacto das novas tecnologias, da criação de houses e content houses pelos clientes e da concorrência com as agências digitais, surgiu de forma avassaladora a presença das consultorias.

A entrada das consultorias em praias antes território praticamente exclusivo das agências fez acender a luz vermelha e disparar o alarme! As consultorias começaram a contratar criativos? Como assim? Pois é… Estão ampliando suas entregas para coisas muito semelhantes as que fazemos? Pois é…

As consultorias começaram a ampliar o pacote de serviços e soluções entregues a seus clientes. Mas o calcanhar de Aquiles das agências em relação às consultorias está no fato de que as consultorias não entregam só ideias criativas e sim soluções de negócios e até novos negócios.

As grandes holdings de propaganda/comunicação sentiram isso onde dói mais: no preço de suas ações e na queda de rentabilidade dos negócios de suas empresas.

O que temos visto de dois anos para cá – e quem acompanha as publicações impressas, sites e blogs do setor pode perceber – é um movimento das agências para ter um modelo de atuação mais próximo daquele apresentado e executado pelas grandes consultorias. Para tanto têm alterado parte de suas estruturas, criado novas áreas, funções e cargos e – pelo menos no discurso – têm desviado grande parte do foco para solução de problemas e geração de novos negócios. Coisa que no final gerem valor mais perceptível no resultado final de seus clientes.

A mistura de uma postura mais analítica e estratégica, ancorada firmemente em dados, com a reconhecida e quase indiscutível qualidade criativa das agências brasucas parece ser a fórmula. Com mudanças de terminologia aqui e ali, com discursos floreados lá e acolá, o que parece é que a turma tá percebendo que se não mudar pra valer vai deixar de existir. Simples assim.

Vamos acompanhar. Parece que desta vez as agências (e se der mesmo tudo certo essa denominação tende a sumir) estão mesmo “dispostas” a mudar.

Veremos!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna “Discutindo a relação…”

Um delicioso desafio

Trabalhar com propaganda tem sido alvo de inúmeras críticas nos últimos anos. Tais críticas em grande parte são justas e consequência de modelos de negócios exauridos (especificamente em relação às agências de propaganda) e das constantes mudanças de cenário ocorridas recentemente.

Posso dizer também que há uma questão de geração. Mas não quero entrar nesta discussão aqui. Ela já deu muito pano pra manga. Tanta gente já falou e escreveu sobre isso. Volta e meia aparece um texto sobre o assunto, como este aqui, por exemplo.

Quero falar na verdade que, apesar de tudo, acredito ainda que trabalhar com propaganda traz ao menos uma grande recompensa : aprender muito e quase sempre.

Isso não é novidade. De fato é bem antigo este negócio. Mas… explico.

Não sou daqueles que crê que em propaganda nunca há rotina. É claro que há. Mas é verdade que é uma atividade bem menos rotineira de que outras. E isso se dá pela diversidade de situações, casos, mercados, produtos e serviços com que podemos nos deparar na atividade publicitária. É aquela velha, mas ainda verdadeira conversa: num dia podemos trabalhar com um cliente de varejo de ferramentas e no outro lançar um empreendimento imobiliário. Podemos fazer feirão de automóveis para uma concessionária e ao mesmo tempo pensar em como fazer com que uma escola de inglês tenha mais alunos matriculados. Tentar vender túmulos num novo, bonito e moderno cemitério e lançar a moda primavera/verão para o publico jovem das classes B e C.

Isso sem falar no interessantíssimo esforço de se colocar no lugar do outro. De se livrar de pré conceitos e de preconceitos. De usar estereótipos mas não ficar preso a eles de maneira superficial.

A questão importante aqui é o quanto temos que aprender para fazer bem feito cada um destes trabalhos. Foi isso que sempre me motivou em propaganda. E acho que quem quer trabalhar com propaganda deve ter como principal característica a curiosidade. Ou melhor: a vontade de aprender.

De meus tempos de agência trago inúmeros aprendizados. A maioria deles obtive com clientes. Um outro tanto com fornecedores e uma outra parcela generosa com os veículos de comunicação. Entender cada mercado, cada cenário competitivo, cada público consumidor, cada produto ou serviço é um desafio delicioso.

Em conversas recentes tenho dito que as agências terão que forçosamente rever seu modelo de atuação ou implodirão ( veja esse texto). E dessa revisão é bem provável que apareçam mais agências bacanas para se trabalhar. Na verdade já estão surgindo. E por esse motivo sigo acreditando que muita gente vai continuar querendo ser publicitário.

Gente talentosa, inteligente e disposta a aprender sempre terá vez no mercado publicitário. E sempre será disputada pelas melhores agências, assessorias e consultorias. As agências, assessorias e consultorias por sua vez, terão que se esforçar para voltar a atrair gente talentosa, inteligente e disposta a aprender.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0