Curso trata de conteúdo em redes sociais

Aproxima lança curso

O curso foi pensado exatamente para quem está com problemas na mensuração dos resultados da sua marca ou negócio no digital e no processo criativo de conteúdo para mídias sociais.

Vamos ajudar a criar um processo para manter a consistência de publicação, o nível de alcance da sua marca ou negócio e o relacionamento bem estruturado com seus clientes e seguidores.

O workshop “Conteúdo para Mídias Sociais” é voltado para todas essas necessidades e vai te ajudar a criar um conteúdo matador para seu público em todas as plataformas digitais.

O curso será ministrado em Taubaté no dia 19 de outubro e em Santa Catarina, na cidade de Itajaí no dia 26 de outubro. Os módulos serão trabalhados durante todo o dia, das 9h às 18h, com atividades práticas e teóricas.

Garanta sua inscrição e marque o @ daqueles profissionais que você conhece e precisam aprender mais sobre esse conteúdo!

Ao vivo: como criar seu curso online

Entrevista ao vivo trata de cursos on line

Juliana Belmudes e Ana Martha Tex participam de entrevista ao vivo para falar do tema “Use seu talento para criar seu primeiro curso on line”.

Uma realização da Marketex Plataforma de Negócios, o conteúdo vai ao ar nesta quarta feira, dia 18/09 (mais conhecido como hoje) às 19h00.

Confira! Vale a pena!

Estágio em marketing

Vaga de estágio em marketing

A vaga é para Taubaté e para estudantes de publicidade e propaganda. Confira mais informações no print abaixo.

Há urgência para o preenchimento da vaga, então corre!!!

Vaga para atuar em marketing digital

Empresa quer alguém para atuar em seu marketing digital

Empresa busca jovem que trabalhe com marketing digital e desenvolva artes para redes sociais. A pessoa interessada deve saber produzir conteúdo atual e ter conhecimentos em e saiba Corel Draw, Photoshop e programas similares.

Disponível para meio período ou tempo integral em loja de Taubaté!

Mandar portfólio para capricharainha@gmail.com

Coluna Comunica com conteúdo

Por que empresas com Conteúdo lucram mais?

É fácil notar que os hábitos dos consumidores mudaram muito nos últimos anos e com isso o marketing também. Você já reparou qual a primeira coisa que faz quando pensa em comprar algo? Geralmente a resposta a essa pergunta é: pesquisar na internet sobre o produto ou fornecedor, e com isso milhares de informações são disponibilizadas em um clique.

Vamos exemplificar essa experiência de compra. Quando você pesquisou, encontrou exatamente as informações que você tinha dúvida e percebeu que esse produto é muito necessário para resolver um problema que você tenha.

Pois é aí que eu quero te mostrar porque empresas com conteúdo lucram mais, esse conteúdo é a fase inicial de uma estratégia de marketing de resultado. É a fase do conteúdo que usamos para atrair potenciais clientes.

Qual é o mais eficiente: marketing de atração ou marketing tradicional?

Aqui vale você analisar e decidir o que é mais interessante para seu negócio. O marketing tradicional é aquele que atinge a massa, por exemplo, panfletagem, comerciais em TVs, rádios, outdoors, entre outros.

Imagem de jeferrb por Pixabay

O marketing de atração se baseia em atrair o cliente que tem a necessidade do seu produto. Você atrai ele partir dos conteúdos para sanar uma necessidade real dele. Assim, você foca nas pessoas que realmente necessitam do seu produto ou serviço.

Mas qual conteúdo eu devo entregar?

Hoje a internet dispõe de muito conteúdo e as pessoas têm informações a um clique. Então as informações que você entrega têm que ser relevantes e têm que agregar valor ao seu prospect. Como ele fará parte de uma estratégia, você tem que guiá-lo durante o caminho para a conversão e para os outros estágios até a compra do seu produto.

Portanto, é importante definir o conteúdo de acordo com a fase do seu prospect e que esteja alinhado a sua estratégia.

Mas é caro investir em conteúdo?

Essa é uma pergunta muito simples de se responder, basta você se perguntar quantas vezes já gastou com propaganda e marketing e praticamente não teve resultado? Com o marketing de atração iremos atrair pessoas que querem comprar de você, portanto seu dinheiro não será desperdiçado com pessoas que não estão interessadas no seu produto ou serviço. Então aqui já podemos dizer que o seu investimento será de acordo com o seu resultado.

Isso funciona? Pois já uso redes sociais na minha empresa, mas elas não geram o retorno que eu esperava

Ouço muito essa afirmação no meu dia a dia e resolvi compartilhar com vocês o motivo pelo qual isso ocorre.

Em tudo que vamos praticar na internet temos que ter uma estratégia aplicada a isso, além de um objetivo final que deve ser usado o tempo todo.

Publicar só por publicar pode te tornar no máximo conhecido, e isso irá resultar nas métricas de vaidade que no final das contas não resultam em clientes a mais ou então em um retorno sobre o investimento satisfatório..

A rede social é uma ótima ferramenta de atração, portanto, quando unimos essa ferramenta a uma estratégia correta, aí sim ela resultará em mais clientes.

A Comunica – Marketing de Resultado é especialista em Marketing de Atração, que tal vir tomar um café conosco e conhecer mais sobre essa estratégia?
Ligue: (12) 99726-8928

Agência em busca de um redator

A Deze7 quer um redator

A agência de Taubaté busca uma pessoa que goste de atuar com grandes clientes desenvolvendo campanhas, tenha facilidade com a escrita e queira trabalhar em um ambiente agradável e descontraído.

Para participar da seleção você precisa ter:

– Experiência de no mínimo 1 ano em redação publicitária;
– Vivência em criação de textos para campanhas/peças online e off-line;
– Pesquisa e imersão em marcas e conteúdo dos clientes;
– Copywriter;
– Criação de roteiros;
– Edição e revisão.

Ficou interessado?
Envie seu currículo para: contato@deze7.com.br

Coluna Comunica com conteúdo

Redes Sociais, Google ou Blog? Qual a sua estratégia?

Hoje o perfil do consumidor mudou e muito, na era digital todos têm acesso a muita informação diariamente, o que fez com que as estratégias em marketing fossem atualizadas para essa nova necessidade: o “conteúdo”.

O novo consumidor quando quer algo vai atrás e tem acesso a milhares de informações com apenas alguns cliques. E é exatamente aí que o inbound marketing atua, na atração desses consumidores, mostrando a esse cliente – que é compatível com sua oferta – a sua empresa.

Em outras palavras, em vez de massificar a propaganda, direcionamos ela para o público alvo e atraímos por meio de um conteúdo relevante àquele consumidor. A partir desse momento as pessoas impactadas por meio do conteúdo tendem a se sentir mais confiantes em relação a empresa e iniciam um relacionamento saudável, caminhando até as oportunidades de vendas.

Mas como gerar essas oportunidades de vendas?

Para nós, o inbound marketing é a estratégia traçada para alcançarmos objetivo de ter mais oportunidades de vendas, aqui traçamos as estratégias tendo como base três pilares: Atração, Nutrição e Conversão. Usamos as redes sociais sim, e muito, mas elas deixam de ser somente um canal de comunicação (não que isso não seja importante) para se tornarem autoridades ou referências em um determinado nicho, ou então aumentar o conhecimento sobre a sua empresa/marca, e se tornam um canal de atração, nutrição e conversão. Assim também como o Google, o tão famoso Blog e e-mail marketing.

Já sei que irão dizer: “e-mail marketing não funciona”, “isso já não se usa mais”, assim também como o blog, e até mesmo as redes sociais. Quem é que não conhece alguém que investiu nas redes sociais e não obteve resultado algum? Sempre sou questionada sobre isso e minha resposta é sempre com uma pergunta: Qual era o objetivo final e a estratégia aplicada? A maioria responde: Eu não sei. Porque geralmente não há uma estratégia.

Ok, mas por que usar e-mail marketing na minha estratégia? Porque funciona!

Segundo dados da McKinsey, empresa americana referência em consultoria empresarial, os e-mails são 40 vezes mais eficientes para adquirir novos clientes do que o Facebook e o Twitter juntos. Ele ainda converte três vezes mais do que as redes sociais. Para a Convince and Convert, empresa que presta consultoria de mídia digital, o e-mail marketing tende a aumentar em 138% as vendas, assim também como o blog, que é uma ferramenta importantíssima na educação e na nutrição dos leads.

Para que tudo isso funcione dois fatores são importantes: seu objetivo e sua estratégia.

Não existe uma receita de bolo que sirva para todos, cada marca, cada empresa tem um objetivo e uma necessidade diferente e é nesse momento que o inbound passa a fazer parte do processo, traçando estratégias de como alcançar o seu público alvo, atraindo-o para o seu objetivo, pelos canais da internet.

Então qual eu devo utilizar?

Se eu pudesse dar uma opinião aqui seria: onde seu público está! Mas como saber isso? Estude seus clientes ideais, aqueles que você sonha em manter fidelidade.
Como eles se comportam? Eles usam mais Facebook? Mais Instagram? Ou será que utilizam o LinkedIn? Quais as perguntas que eles mais te fazem? Quais as suas dores? E seus sonhos? O que ele espera que seu produto ou serviço resolva?

Aqui você começa a identificar a ponta de uma estratégia e o que faz sentido ou não para você usar no seu marketing e começar a gerar resultados.

A COMUNICA – Marketing de Resultado: é uma agência de inbound marketing que tem como objetivo atuar no crescimento e expansão de seus parceiros/clientes. Parceira da RD Station, localizada em Taubaté, com 8 anos de experiência, atendendo clientes do Brasil inteiro.

Vaga de estágio em comunicação

Vaga para estudante de comunicação

A vaga pode ser preenchida por um estudante de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e design gráfico.

O estágio é em um escritório de advocacia. Confira mais informações na arte abaixo:

Faap terá evento focado em UX

UXConf BR Redux 2019 em São José dos Campos

O UXConfBR Redux São José dos Campos é uma versão reduzida da UXConf 2019, a maior Conferência de UX do Brasil que aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio em Porto Alegre, destinada a discutir os mais variados tópicos sobre Design de Experiência.

Neste Redux, iremos trazer 3 palestrantes que participaram do evento com suas palestras originais.

LIVIA GABOS
Como criar conteúdo para pessoas com deficiência visual num mundo visual
Trabalho a mais de 10 anos na área de tecnologia, e atuei principalmente com testes de usabilidade e acessibilidade no interior de São Paulo. Fiz mestrado na área de visualização de informação aplicada no processo de desenvolvimento de software. Hoje além de ser consultora sobre experiência do usuário, voltada para a parte de usabilidade e acessibilidade, eu também dou aulas de lógica e programação frontend e backend para pessoas com deficiência visual.

ALVARO ROSA
Design Ágil na prática: construindo um marketplace de educação de sucesso sem as práticas convencionais de UX
Vim de uma geração formada em Desenho Industrial – inspirada pela Bauhaus e focada em servir universalmente e em escala industrial – que viveu nos anos 2000 a segmentação do design, onde Branding, Design Gráfico e Web Design começaram a formar a nova geração de designers extremamente orientados a experiência. Hoje como Design Manager na Quero Educação, tenho o privilégio de estar usando design e tecnologia para democratizar o acesso ao ensino superior no Brasil para milhares de brasileiros.

ELIAS FERNANDES
Pesquisa com usuários surdos: como entender o estrangeiro em seu próprio país
Profissional graduado em Design de Mídia Digital, pós-graduando em em Arquitetura da Informação e UX + Módulo Avançado em Usabilidade, com mais de 10 anos de atuação como designer. Autor de um livro para Crianças Surdas e intérprete da Língua de Sinais há 20 anos.

SERÁ GRATUITO! Então corre que as inscrições já estão abertas!

Conteúdo nativo passou a ser decisivo

Por que o conteúdo em formato nativo se tornou ferramenta essencial para o marketing?

Não somente o conteúdo, mas também, sua distribuição, contexto e segmentação são os principais fatores de sucesso para engajar o usuário e gerar performance para a marca

Fernanda Negrini, Gerente de Marketing da Outbrain/Crédito foto: Eugênio Goulart

“A popularização da internet mudou drasticamente a maneira como as pessoas criam, consomem e compartilham informação. Neste novo cenário, quando o usuário se encontra no modo de leitura, o que ele menos deseja é ser interrompido e, por isso, sua atenção fica completamente concentrada no conteúdo”, afirma Fernanda Negrini, gerente de marketing da Outbrain Brasil. É por esta razão que os formatos tradicionais de publicidade, como a mídia display, foram perdendo a performance que tinham antes e o conteúdo, por sua vez, ganhando protagonismo.

Apesar de o conteúdo ser fator determinante nas campanhas de marketing, nem sempre foi assim e, ainda, ele por si só não é responsável pelo bom desempenho da campanha. Segundo Fernanda Negrini, além do conteúdo, a distribuição, contexto e segmentação são os principais fatores de sucesso para quem quer engajar o usuário e gerar performance para a marca. “Além das mudanças na forma como os usuários consomem conteúdo, fenômenos como os adblockers também aceleraram esse processo de transformação do marketing. Com a circulação do conteúdo ganhando outra escala, as marcas precisaram encontrar uma nova maneira de estar presente nesta nova agenda social”, explica.

Neste contexto, empresas e organizações tiveram que reinventar seus planejamentos de comunicação para surfar na onda de sucesso do conteúdo. No entanto, junto ao nascimento do marketing de conteúdo, surgiu a questão de como mensurar os resultados e otimizá-los. “Comentários, compartilhamentos, curtidas e cliques são todos medidas superficiais de engajamento e, ao focar apenas em números isolados, fica impossível entender o poder do conteúdo e seu impacto em todas as frentes de comunicação”, diz Fernanda, ressaltando que a avaliação pós clique é muito mais profunda e traz muitos insights sobre a audiência e os assuntos de interesse relevantes para ela “Nesse quesito, é preciso avaliar quanto tempo o usuário ficou no seu site; quantas páginas visitou; se participou de alguma ação dentro daquele ambiente; se fez alguma aquisição; se compartilhou algum conteúdo positivo sobre sua marca”, pondera.

Além disso, outra tentação de algumas empresas foi direcionar a produção de conteúdo para plataformas sociais sob as quais elas não possuem autonomia. “Houve uma concentração de esforços em construir uma grande comunidade em torno das propriedades sociais das marcas, mas não foi levado em consideração a vulnerabilidade e a dependência que essa estratégia representava, pois diante da mudança dos algoritmos destas empresas, os anunciantes foram negativamente impactados uma vez que a entrega das mensagens de marcas perdeu relevância em detrimento dos conteúdos orgânicos do feed”. Uma pesquisa feita pela GlobalWebIndex em 2017 aponta que em média, cada pessoa possui sete perfis sociais, pois o usuário se comporta de forma diferente em cada uma delas para poder pertencer àquela comunidade. Para Fernanda, esse é o grande risco, pois os usuários nem sempre querem expor seus interesses nessas redes. “Com qual persona a marca está falando?”.

Imagem de Diggity Marketing por Pixabay

Por outro lado, Fernanda afirma que é importante diversificar as vias de acesso até a marca, já que 1/3 do conteúdo consumido enquanto o leitor navega não foi planejado. Por exemplo: ao ler um artigo em um site, ele pode descobrir algo interessante e clicar nesse link, que leva ao outro, e a outro e de repente, apresentam-se conteúdos que ele nem imaginava consumir inicialmente. “Criar conteúdo informativo sobre a empresa ou produto e distribuí-lo nos canais onde o usuário dedica atenção plena ao consumo, viabiliza uma descoberta e ainda colabora para um melhor resultado do site nos rankings dos motores de busca, alimentando todo o funil de compra”.

A gerente de marketing da Outbrain Brasil aponta que produzir um conteúdo único e associado ao propósito da marca, distribuí-los nos canais certos, para a audiência real e certa, são essenciais, mas ainda assim, dependem do contexto em que são apresentados. “A publicidade deve ser menos sobre a marca, a agência ou a empresa de tecnologia e mais sobre como a mensagem vai ressoar com os consumidores que visualizam o anúncio”, diz. “Precisamos dar aos consumidores um maior senso de controle e de poder de escolha sob o que vão consumir, como por exemplo, produzir conteúdo interessante, bem distribuído e segmentado para que vá ao encontro dos interesses da audiência e que o clique represente uma ação positiva: um clique para ter acesso ao conteúdo, e não para pulá-lo”.

Por esta razão, formatos nativos de distribuição de conteúdo têm ganhado cada vez mais espaço. Para Fernanda, uma experiência de conteúdo mais natural, menos intrusiva, que se integra perfeitamente ao meio que os usuários já estão consumindo, tende a ser mais atraente e a capturar a atenção da audiência. “Se alguém estiver lendo um artigo de notícias, provavelmente estará mais disposto a ler outro artigo recomendado a ele (mesmo que seja patrocinado)”.