Coluna “Discutindo a relação…”

As duas faces da moeda

Desta vez quero abordar um assunto que é controverso. E sobre o qual nem mesmo eu tenho um ponto de vista ou uma opinião definitiva.

Quero falar do modelo de agências de propaganda no Brasil no que se refere especificamente à manutenção, nas estruturas destas agências, do departamento de mídia.

Sim, pois não sei se todos sabem, mas o Brasil é um dos poucos países do mundo em que a mídia continua sendo uma área dentro da estrutura da agência de propaganda. Na maioria esmagadora dos países a mídia tornou-se empresa apartada, externa, especializada e independente.

Por aqui isso não ocorreu e não ocorre.

E por que a questão é difícil? Vamos lá!

Nos países em que a mídia deixou de ser um departamento ou área da agência houve a percepção – há umas três décadas – de que essa era uma área ténica, sofisticada e estratégica demais para permanecer apenas como mais um “pedaço” da estrutura maior. A evolução e o desenvolvimento da área de mídia acabou por levá-la para fora da agência. Surgiram empresas especializadas em planejamneto, estratégia e tática de mídia. Então, a partir do momento da cisão, o anunciante contratava planejamento de campanhas e criação em uma agência de propaganda e planejamento e estratégia de mídia em outra.

Parte importante desta saída da mídia de dentro da estrutura das agências se deve ao fato de que nos principais mercados de propaganda não ser tão fundamental (ou nem acontecer) o comissionamento pela compra de mídia.

Houve muita confusão conceitual, pois também mais ou menos na mesma época surgiram empresas especializadas apenas na compra de mídia. Ficaram conhecidas como “brokers”. Elas compravam espaços nas mais diferentes mídias em grande quantidade e negociando altos descontos e depois revendiam estes mesmos espaços para anunciantes e até mesmo para agências de propaganda. Foram danosas em muitos mercados. A Argentina, aqui em nossa região, é um exemplo de como as empresas que compravam mídia poderiam ser prejudiciais ao cenário de comunicação. O mercado de agências de propaganda quase foi extinto no nosso vizinho.

Aqui no Brasil a mídia segue até hoje sendo parte da estrutura das agências. Uma das principais razões para não termos acompanhado a mudança quase global é que aqui o comissionamento, o desconto concedido às agências de propaganda seguiu e segue existindo. E mais do que isso: segue sendo a maior forma de remuneração das agências brasileiras.

Tão pesada e importante é a comissão paga pelos veículos de comunicação às agências que muitas delas cobravam muito pouco ou, em casos mais radicais, nada pelos outros serviços – planejamento e criação, principalmente.

O fato é que hoje vemos muitas agências, redes e holdings multinacionais elogiando a decisão brasileira e pensando em rever a mudança de mais ou menos três décadas e… trazer a mídia de volta para casa. Os que defendem essa decisão dizem que o modelo brasileiro faz com que haja maior interação e envolvimento nas decisões estratégicas para os anunciantes. E isso é fato!

Fato também é que, infelizmente, ganhar pela compra de mídia fez com que as agências nacionais deixassem de saber cobrar por serviços pra lá de importantes. Conheci inúmeras casos de agências que abriam mão totalmente de cobrar pela criação para ter clientes, faturando apenas com o comissionamento. Daí minha indecisão a respeito do tema.

Por um lado é claro que ter o departamento de mídia integrado ao planejamento e à criação, principalmente, faz grande diferença em favor dos clientes. Por outro lado esse modelo existe muito em função de um certo “vício” pela receita da compra de mídia. Já faz muito, muito tempo que a figura de agenciar compra de espaços em veículos deixou de ser aquela que melhor representa e traduz o papel de uma agência de propaganda.

E mais! Em muitos aspectos pode significar certa distorção, uma vez que sabemos, embora muitos neguem até a morte, que coisas como BV e fome por gordas receitas pode levar a decisões não tão técnicas na hora de utilizar veículos em prol de uma anunciante.

Fica o impasse. Eu tendo a achar que há mais vantagens no modelo brasileiro. E que se as agências deixarem de ser dependentes da remuneração do agenciamento e passarem a cobrar melhor por outros serviços a coisa fica toda melhor resolvida. As chamadas agências digitais estão aí para provar que é possível e viável atuar de modo sustentável e rentável no mercado de comunicação sem ganhar comissionamento.

Vaga de estágio de criação

Supera abre vaga de estágio

A Supera é uma agência especializada em Comunicação Estratégica com Empregados e procura um estagiário para a equipe de Criação.

Pré-requisitos:
• Cursando Publicidade e Propaganda ou Design
• Apresentação de portfólio (trabalhos acadêmicos estão valendo!)
• Gostar de Comunicação Interna

Diferenciais (não exigências, ok?):
• Ter conhecimento dos softwares: Photoshop, Illustrator e Indesign
• Ter passagem por agências

Interessados deverão enviar CV e portfólio para selecao@superacomunicacao.com.br, até 16/02/2018. No assunto, coloque “Estágio Criação/SJC” e também envie sua pretensão salarial.

Vaga de estágio em design

Estagiário(a) de Design / Computação Gráfica

A empresa busca alguém apaixonado por design, entendedor do ponto de vista do cliente e principalmente possuidor do mindset de um hacker! A vaga é para São José dos Campos.

É imprescindível:

Ser “cabeça aberta” para novas ideias;

Ter sede de conhecimento e amor ao Design e tecnologia;

Saber trabalhar em equipe;

Agilidade.

Estudante da área de Design ou Computação Gráfica;

Conhecimento em edição no AI, Ps e In;

Edição de vídeos em Pr e Ae;

Ter conhecimento em Branding;

Se tiver aquele portfa, manda pra gente!

Benefícios:

– Bolsa-Auxílio;

– Trabalhar em uma das 7 Startups que estão mudando o mercado jurídico.

Candidate-se a vaga por aqui

Vaga de estágio em propaganda

Agência abre vaga de estágio

Requisitos da vaga de estágio:

– Cursando 2º, 3º ou 4º ano de Publicidade e Propaganda
– Experiência com ferramentas de criação Adobe ou Corel Draw
Contratação:
– Remuneração (Fixo + Ajuda Custo)

Enviar CV com portfólio: vagas@interativamix.com.br

Vaga para trabalhar com conteúdo

Vaga aberta para Curador de Conteúdo

A Aproxima busca alguém para atuar como curador de conteúdo.

HABILIDADES
– Cursando ou formado na área de comunicação, publicidade e propaganda, design ou marketing;
– Boa noção de diagramação e criação;
– Experiência mínima com criação de conteúdo para mídias sociais ou mídia impressa;
– Experiência com texto (mesmo que tenha apenas um blog pessoal, o importante é demonstrar capacidade de redigir com linguagem atual seguindo as normas gramaticais;
– Capacidade de estabelecer contato com os clientes e sugerir ideias de pauta;
– Ser adepto de um um trabalho com times horizontais;
– Familiaridade com os seguintes softwares: Trello, Google –
Agenda, Google Drive, MLabs, Mailchimp e programas de edição e diagramação como Photoshop, Corel, Illustrator e afins.

O TRABALHO
– Criar e programar conteúdo nas mídias sociais;
– Fazer curadoria de conteúdo;
– Ser extremamente atualizado e interessado em tendências;
– Criação de E-mail Marketing;
– Desenvolvimento de material impresso variado;
– Incentivar o engajamento nas mídias sociais dos clientes principalmente respondendo e comentando suas mensagens e comentários.

Coluna Propaganda&Arte

Sobre ideias brilhantes e gárgulas

Trabalhar com comunicação e publicidade nos dá o prazer que poucos trabalhos oferecem: conhecer universos e negócios diferentes a cada novo job. Diante de tantos desafios da nossa geração, será que estamos realmente respondendo aos anseios com projetos relevantes?

Gárgulas são estátuas de seres alados ou bizarros que ficam no alto das igrejas ou prédios góticos. Uma figura da Idade Média que ficou popularmente conhecida nas histórias e desenhos como o do corcunda de Notre-dame, mas que revelam uma origem um pouco menos fantasiosa. Ao contrário do que parece, ela não foi criada para espantar maus espíritos ou gerar pesadelos nos visitantes que passam abaixo delas. A funcionalidade da gárgula é bem prática e menos mística: esconder os canos das calhas e ajudar a escoar as águas das chuvas para longe das paredes das construções.

Foi em uma pesquisa para um Naming de uma nova marca que eu descobri essa história e naquele momento todo um véu de mistério que eu mantinha sobre essas criaturas antigas caiu. Foi como se uma luz misteriosa se apagasse para se acender uma nova. “A gárgula é impactante e útil” – conclui. Assim deveriam ser as propagandas.

O grande W. Olivetto em uma recente entrevista criticou as novas gerações de publicitários, dizendo que antigamente as ideias eram mais divertidas, brilhantes e vendiam mais. Em partes, concordo com o cara. Afinal, com o acesso (ilimitado) de informação e envolvimento cada vez maior das pessoas nas redes sociais, temos o terreno perfeito para abraçar nossos clientes com propagandas que realmente façam a diferença. Eu sinto também que não estamos fazendo nossa parte, mas ao mesmo tempo, não acho que tenhamos que ser brilhantes sempre. Aliás, o que é ser brilhante? Será que podemos acompanhar tantas mudanças sociais e tecnológicas? A propaganda precisa buscar um novo papel na sociedade?

Com mais perguntas do que respostas, eu fico observando, do alto do meu prédio, como as gárgulas fazem, imaginando o que se passa na cabeça dos clientes, lá embaixo. Como me aproximar sem assustar? Como envolver? Como alçar novos voos?

E você? O que vê do seu prédio?