Coluna Propaganda&Arte

Você precisa falar com os haters mais do que com os brand lovers?

Você já deve ter ouvido falar do termo “haters”? Possivelmente sim, pois o termo é muito difundido no universo das redes sociais como aquelas pessoas que seguem você apenas para denegrir sua imagem, xingar ou criticar duramente. (com ou sem razão).

Os brand lovers, por sua vez, são os queridinhos da marca, quem protege e defende você de graça. O que às vezes acontece é que nem sempre queremos tê-los ou não lidamos com eles. Quer ver provas disso?

Bem me quer ou mal me quer: como as marcas estão lidando com os Haters?

Com a exposição das marcas nas redes sociais (aquelas que se aventuraram nesse caminho sem volta), vem tem a enxurrada de críticas e alguns elogios. Quem se coloca no meio digital precisa saber se planejar para se comunicar com pessoas de diferentes origens e intenções.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

Os trolls são aqueles internautas que não querem contribuir em nada na construção da sua marca, estão criticando ou falando coisas aleatórias apenas para confundir. Com esse público, é quase impossível conversar.

Os haters podem ter várias origens e a forma que você vai lidar com ele, pode definir o seu sucesso na rede. Um bom exemplo são os cases de Burguer King, Skol, Chevrolet e Sprite.

De Burguer King a Chevrolet, quem está falando dos seus haters sem medo?

No primeiro caso, a rede de fast-food percebeu uma série de críticas sobre um comercial de vídeo que mostrava um trisal, ou seja, um tipo de casal com três pessoas.

O poliamor, que fora criticado, se transformou em poliamigos, fazendo uma sátira e tirando com bom-humor um assunto importante que é o respeito das diferenças.

A Skol já recebia suas críticas dos haters pontualmente, mas ao invés de não escutar, apagar os comentários ou simplesmente “xingar muito no Twitter” a marca resolveu abraçar esses pedidos, colheu todas as reclamações dos produtos e lançou uma cerveja Puro malte, feita para “haters” e pelos “haters”.

Outra empresa que entendeu bem o ambiente digital foi a Chevrolet que apresentou seu novo carro com comentários dos clientes, tentando entender suas intenções e aproveitar o que era válido em um novo produto para mostrar que todo comentário, negativo ou positivo, pode ser um insight para uma melhoria.

Já a Sprite, apresentou um homem, profissional de pole dance que precisa conviver com diversos comentários na internet, de todo tipo: invalidando aquilo que ele faz ou simplesmente sendo preconceituoso. A marca se aproximou da situação e mostrou sua postura, mostrou seu DNA. Tudo a ver como momento de valorização do propósito das marcas que estamos vivendo.

Brand lover indesejado: a sociedade é mesmo incontrolável

Você já percebeu que se posicionar nas redes sociais é complicado. Sempre temos que conter crises, saber ser transparente e lembrar dos objetivos da marca. Se você estiver fazendo algo fora disso, sendo hipócrita em algum momento, as pessoas vão cobrar. Assim, nascem muitos haters, pessoas que dedicam seu tempo e saúde para expor raivas, injustiças ou incompreensões ligadas a sua marca. Mas nem todo brand lover, ou amante da sua marca, pode te proteger desse cenário. Na verdade, o próprio brand lover pode ser um problema. Sabe como?

Veja a nova onda de moda “outfit”. Não são apenas roupas de marca caras e com foco no público urbano e jovem (até adolescente), estamos falando de uma grande tendência que vai conversar com públicos além da classe A, que deveria ser o público-alvo.

Precisamos ir além do público-alvo, haters e brand lovers

As marcas de luxo são um bom exemplo de quando seu público-alvo nem sempre é o grande brand lover. Às vezes, a classe C está mais ligada a uma marca cara do que a classe B ou até A.

Essa busca por status pode gerar brand lovers indesejados, pois essa camada poderá se esforçar para comprar algo original ou fomentar o comércio de réplicas ou falsificados. Mas será que isso é ruim? A marca quer vender não importa para quem?

Nem sempre. Acho que como todo publicitário e “marketeiro” de plantão, precisamos entender as relações da sociedade como algo caótico que merece estudo e ações pontuais. Por exemplo, o crescimento do consumo de classes menores pode sim movimentar altos valores de marcas de luxo, mas nunca esse será o foco da marca, pois ela preza por outros elementos, um estilo que vai muito além da roupa. Na verdade, a roupa acaba sendo um acessório, muitas vezes de menor fidelidade para uma classe maior. Ela tem tantas marcas de luxo que não elege uma favorita. Por incrível que pareça, essa pode ser a realidade de muitas pessoas que consomem, mas estão longe de serem brand lovers.

No final, fica o aprendizado que nem sempre temos os brand lovers que desejamos, mas precisamos reconhecer e tratar todos bem. Como? Daí eu deixo para vocês pensarem em como e se devemos agir quando haters e lovers saem do nosso controle. Como você está lidando com os seus?

Obs.: E não se esqueça, como diria o filósofo dessa geração: “haters gonna hate”. Sendo assim, seja você, seja verdadeiro como marca e siga em frente!

Vaga para diretor de arte

Verge busca DA

A Verge Parceria Estratégica busca um(a) Diretor(a) de Arte. O escolhido para a vaga irá trabalhar criando peças e campanhas para clientes que são referência em seus mercados.

Seu Trabalho No Dia a Dia Irá Envolver:

Criação de campanhas publicitárias,
Criação de posts para redes sociais,
Criação de peças de e-mail marketing,
Criação de banners,
Criação de layouts de landing pages e sites em geral;
Fechamento de arquivos;
Trabalho em equipe, muito próximo ao social media e redator.

Requirements:
Buscamos alguém com experiência, muita vontade de trabalhar em equipe e com todo o seu potencial;
Graduação completa em Publicidade / Design Digital / Web Design – não estamos buscando estagiários!
Conhecimento e domínio nas ferramentas do Pacote Adobe.
Organizado e comprometido com prazos.

Desired Skills:
Experiência prévia em agência de comunicação digital;
Cursos na área do mkt digital.

Enviar CV e Portfólio para selecao@verge.com.br com o assunto: Vaga DA Digital.

Coluna “Discutindo a relação…”

Café, dúvidas e boas ideias

Estou tendo uma semana bem agitada, mas bastante rica em encontros e trocas de ideias.

Na última quarta tive a oportunidade de tomar um café a tarde com meu amigo e brilhante ex aluno Arison Sonagere. O Arison foi meu aluno no curso de publicidade e propaganda, é domo da Atributo Branding e professor/coordenador na unidade de SJCampos da Anhanguera. Também já foi articulista deste blog.

A conversa foi fantástica e falamos bastante sobre o ensino superior de publicidade. Trocamos ideias sobre a dinâmica da sala de aula, do papel do professor, do perfil do alunado atual e sobre soluções/projetos para melhorar a forma como ensinamos.

A conversa toda foi toda muito interessante (o Arison continua afiado, inteligente ainda mais), mas quando conversamos sobre a possibilidade de definir um modelo para atuar no mercado publicitário a coisa ficou pra lá de interessante. O Arison me disse que pretendia dar novo gás para sua Atributo, mas não conseguia identificar um modelo de atuação que o levasse a um “oceano azul”.

Confessei a ele que várias vezes pensei em voltar a ter uma negócio em comunicação e que o nome “agência” definitivamente não caberia mais em qualquer modelo/proposta de atuação. E ficamos divagando como seria esse modelo que nos levasse para longe do “oceano vermelho” do mercado de “agências de propaganda”.

Uma das coisas na qual concordamos é que ter foco em digital já era. Já foi! Tudo e todo mundo mundo é digital. Focar em redes sociais é mais do mesmo. E começamos a pensar num modelo que misturasse arquitetura, experiência do consumidor, branding, design, estratégia e construção de significado e reputação para marcas.

Será que viajamos muito?

A única certeza é de que o papo foi bom demais e que conversar com gente inteligente é um santo remédio para mente, corpo e alma.

Dança das cadeiras

Mais movimentação

Mais uma edição do “Dança” para deixar os leitores do Publicitando em dia com o vai e vem de profissionais de comunicação em nosso mercado.

Confira!

Natália Machado é agora Analista de marketing na Cooperativa De Laticinios Serramar.

Pelos lados da Alchemy Big Data Solutions a novidade é Gustavo Farias que acaba de chegar para ser Estrategista Criativo.

 

 

Redes sociais servem de inspiração para Skol

SKOL lança latas inspiradas em gírias das redes sociais

Arroba, Fanfiqueira, Biscoiteira, Afrontosa, Atenta ou Embuste? Novo pack de SKOL incentiva pessoas a mostrarem quem são nas internets da vida

Dizem que a arte imita a vida. Mas nos tempos atuais, podemos afirmar que a internet e as redes sociais assumiram o papel de guiar e influenciar a nossa realidade. Inspirada por gírias populares do mundo virtual, SKOL traz para a vida real latas especiais saídas diretamente de sua novela social, a “Tour das Tours”.

Se o conteúdo inédito produzido por SKOL – ao lado de Facebook e da Endemol Shine Brasil – nasceu nas redes sociais (e foi produzido especificamente para a internet), nada melhor do que trazer mais inspirações desse ambiente para a vida das pessoas. Assim, esse pack exclusivo com seis latas de 269ml traz seis gírias muito comuns do mundo virtual: Arroba, Fanfiqueira, Biscoiteira, Afrontosa, Atenta e Embuste. Além da palavra, os consumidores encontrarão o significado de cada uma delas. Afinal, quem é você nas internets da vida?

Esse kit está sendo vendido exclusivamente no site do Empório da Cerveja por R$ 12.

Sucesso na internet, a “Tour das Tours” é uma novela social inspirada nas histórias do LDRV, um grupo da plataforma que conta com mais de 400 mil membros. SKOL é a primeira marca brasileira a acreditar nesse ambiente de conversa da rede social, afinal, o Facebook está cheio de histórias prontas para extrapolar a internet, principalmente dentro dos Grupos de discussão. Com 11 capítulos, o conteúdo conta com roteiro e a produção pensados para o formato vertical para atender o hábito do consumidor de conteúdo mobile. A última parte desse conteúdo entrou no ar nesta segunda-feira, dia 4.

“A novela social de SKOL mostra tudo o que os grupos das redes sociais têm de mais engajador, com histórias reais e muito interessantes. Agora, conseguimos levar para a vida das pessoas alguns elementos que fazem parte dessas conversas virtuais, como essa linguagem única e divertida”, afirmou Leandro Thot, gerente de marketing de SKOL.

Para assistir ‘Tour das Tours’ basta acessar as redes sociais de SKOL. Já é possível conferir os 11 episódios completos.

Ficou na dúvida do que significa cada uma das latas?

– Arroba: pessoa que te faz quase enfartar do coração. Vulgo crush. Já teve outros nomes, como: paquera, paixonite, lance… mas a sofrência é a mesma.

– Fanfiqueira: pessoa cheia dos migué, que adora uma historinha falsa. Nem sempre é ruim: bons fanfiqueiros criam famas dignas de prêmio.

– Biscoiteira: pessoa que faz tudo para hitar no grupo. Exagera, faz drama, tenta ser afrontosa e chamar a atenção. Tudo em nome do like.

– Afrontosa: pessoa que não tem papas na língua. Diz, faz e posta tudo o que lhe convém, sem medo de ser feliz.

– Atenta: pessoa esperando ansiosamente por alguma coisa, alguma tour, algum fato, alguma thread, algum flop ou alguém.

– Embuste: pessoa com atitudes e ideias questionáveis. Alguém difícil de lidar e muito fácil de pegar ranço.

Fonte: Comuniquese – Guilherme Cardoso

Dança das cadeiras

Mulheres dominando a cena

Nesta nova edição do Dança das cadeiras temos a constatação de que as mulheres vão mesmo dominar o mundo da comunicação e do marketing! Só mulheres nesta edição. Confira:

A publicitária Marina Teixeira agora é Growth Marketing B2B na Quero Educação. Anteriormente, e na mesma empresa, ela vinha atuando como Analista de Inbound Marketing B2B.

Já Lerrine Lisie, profissional com origem em nossa região, é a mais nova Diretora de arte da Orkestra Comunicação (Niterói, RJ). Ela já acumulava passagens como Diretora de Arte na Frase Conteúdo Estratégico e na Supera Comunicação – Agência de Comunicação Estratégica com Empregados como Assistente de Arte Sênior.

E a ainda estudante de Relações Públicas, Adrielle Mattos, é a mais nova Estagiária de Comunicação do  Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, em SJCampos.

Agência está em busca de redator

Arriba! busca redator

A Arriba! está contratando um Assistente de Redação que possua boas referências, com bom domínio de gramática e que tenha repertório publicitário.

Se você já se identificou agora, então confira os requisitos na arte e envie seu CV para criacao@arribamkt.com.br.

Obs: currículos sem portfólio + pretensão não serão avaliados.

Vaga para designer gráfico

Agência quer designer gráfico 

A agência BKW está em busca de um designer gráfico. A vaga é para trabalho temporário.

Confira:

Workshop de fotografia na Galeria Poente

‘Fotografia na Palma da Mão’ é tema de workshop na Galeria Poente em São José

Aulas acontecem nos dias 17 e 19 de outubro com fotógrafo Walter Magalhães

A Galeria Poente, em São José dos Campos, recebe o workshop ‘Fotografia na Palma da Mão’ ministrado por Walter Magalhães, nos dias 17 e 19 de outubro. As oficinas tem por objetivo desenvolver noções básicas de enquadramento, composição fotográfica, além de estimular o olhar criativo dos alunos.

Idealizador do projeto, Walter Magalhães é formado em Processamento de Dados pela Unitau (Universidade de Taubaté) e Administração de Empresas pela Universidade Mackenzie (SP), fez pós-graduação em Engenharia de Software pela Univap (Universidade do Vale do Paraíba).

Fotógrafo freelance e guia de turismo, Magalhães vem se dedicando a programas ambientais de incentivo a prática do cicloturismo associado à fotografia.

Serviço

Oficina: Fotografia na palma da mão

Com Walter Magalhães

Data: 17 e 19 de outubro

Horário: 17/10 – das 19h às 22h | 19/10 – das 08h às 12h

Local: Avenida Anchieta, 1564 – Jardim Esplanada

Entrada: R$ 25

Pra ficar ligado! Dicas de conteúdo

Quer ficar sintonizado com novas tecnologias, marketing e comunicação? Veja essas dicas de conteúdo

por Josué Brazil

Não são poucas as vezes em que meus alunos e até alguns ex alunos me pedem dicas sobre o que ler, ouvir e assistir para ficar sintonizado com as novidades e tendências do mundo do marketing e da comunicação. Então resolvi dar algumas dicas aqui no blog.

Está cada vez mais evidente que entender de tecnologia fará toda a diferença. Na verdade já está fazendo. Então algumas dicas vão nessa direção também. Vamos lá!

Um bom caminho é assinar algumas newsletters. Recomendo ao menos três que são gratuitas. A primeira é a Think With Google. Normalmente eles enviam um pacote com dois ou três artigos repletos de dados e insights do Google. Ajudam demais a entender cenários e tendências.

A segunda newsletter que recomendo é a Morse, editada pelo pessoal da Hands Mobile. Atualidades do mundo digital e mobile com linguagem leve e textos curtos. Muito bom!

E a terceira newsletter que recomendo é a do Gabriel Ishida. Baita profissional, o Gabriel fala de marketing e publicidade digital, plataformas, últimas notícias etc. Também com texto leve, fácil e pra consumir rapidinho.

Outra formato de conteúdo interessante é o podcast. E aqui vou indicar dois bem interessantes. Primeiro vou repetir a dica em relação a Morse, pois eles também tem um podcast bem bacanudo e que vale a pena ouvir. Notícias e entrevistas com gente fera da área de tecnologia e negócios.O segundo podcast é o Código Aberto, da Brainstorm 9 (ou B9). Eles entrevistam muita gente interessante e importante das áreas de propaganda, marketing, comunicação e tecnologia.

Outra coisa legal é acompanhar bons documentários. Fico caçando bons documentários no Netflix. Algumas indicações:

– Abstract – The art of design – A primeira temporada foi muito boa e eles acabaram de disponibilizar a segunda. Já assisti a dois episódios desta nova temporada e eles mantiveram o ótimo nível da primeira. Caso você curta design e goste de referências de diferentes áreas pra se inspirar essa série documental é obrigatória

– Como o cérebro cria – esse documentário desvenda ( ou tenta desvendar)os mistérios da inventividade e criatividade humanas e para tanto mostra diversas atividades artísticas e a relação do processo criativo com as capacidades de nosso cérebro. Ótimo ritmo e edição. Gostoso de assistir.

– Está tudo nos números – já que só se fala de Big Data, IA, Analytics, algoritmos e dados, nada melhor do que um documentários que mostre o universo dos números. Bem bacana e quase que obrigatório para que o povo de humanas se aproxime e passe a gostar um pouco mais dos números.

Acho que por enquanto tá bom! Tente degustar alguns destes conteúdos. Vai valer a pena!