Coluna Branding: a alma da marca

A definição da marca

Costumo dizer aos meus alunos que, ao apresentarem seus trabalhos a mim, definam o que suas criações nos contam. Este é um exercício de síntese que sempre é muito desafiador a todos eles, mas, que para mim diz muito sobre a capacidade do aluno em fazer design de logotipos.

A palavra “definir” por origem é a descrição do completo fim de um assunto (DE- completamente, FINIS -fim, limite).

É possível entender isso em 2 formas: o assunto está completo e, portanto, não há nada mais a entregar ou, o meu conhecimento sobre este assunto está por completo e se limita a este espaço.

É na hora que definimos uma criação, que vemos qual dos dois entendimentos estamos falando, principalmente na criação de um logotipo, e a maioria dos alunos pensa que deve entregar um assunto por completo, pois assim estará mostrando seu grande conhecimento, sendo mais digno de uma boa nota.

No entanto, entendo que o segundo entendimento é mais propício a um designer do que o primeiro.

Foto: Pixabay

Explico: As vezes criamos conceitos visuais que tem formas tão perfeitamente arranjadas que completam o sentido daquilo que se tem a dizer. São imagens cuja representação é sinônima da informação, e que não geram dúvidas a quem lê o seu trabalho. Nesses momentos, em muitas vezes DESCARTO ESTA IDEIA, pois entendo que um bom trabalho de design gráfico é aquele que contém o mistério.

O valor da criação está no mistério, nossa compreensão precisa ser fustigada e estimulada em busca de algo mais. Como já falei em outros textos, é necessária uma certa rebeldia criativa. Aquela vontade de não estar satisfeito, de querer dominar o assunto, sem ter o poder para isso.

O designer precisa ter apenas consciência da limitação da sua criatividade, mas esta precisa estar em expansão sendo ampliada pela interferência e uso do leitor. Deve poder ser retrabalhado, reconstruído e reestruturado com o tempo, por ter ganho mais corpo e mais significado. É como um filhote de pássaro que quanto mais cresce mais colorido fica.

Uma marca com estas características por mais misteriosa que possa parecer é também mais forte e definida, pois, os seus consumidores vão estar ansiosos por compreendê-la, e assim, também mais relacionados a ela.

Nós os designers de marca precisamos estar imersos nestes mistérios quando criamos. Percebendo o encantamento dele, para que este nos diga mais sobre o assunto, e para que seja possível dar novas formas.

Por fim, a resposta para esta prova que sempre faço aos meus alunos é saber que o designer, é aquele que alimenta sua criação como se esta fosse viva, e usa para isso, a poderosa intuição do criativo e a sua capacidade de formalizá-la, assim, aumenta a compreensão e a definição do seu trabalho.

Coluna Branding: a alma da marca

Grandes depressões transformaram a arte

É fato que a criatividade é estimulada na dificuldade, que as limitações fazem o profissional criativo transgredir e com essa rebeldia surge a inovação.
Períodos de grande instabilidade na humanidade deram origem a grandes movimentos artísticos, e se hoje vivemos esta instabilidade social temos grande possibilidade de estar presenciando o surgimento de novas formas de expressão.

Como professor de design gráfico tenho obrigação de estar atento aos movimentos artísticos que influenciam nossos jovens e tenho que confessar que uma influência apresentada por um de meus alunos me incomodou o suficiente a ponto de chamar a minha atenção.

O vaporwave não me tocaria visualmente se não o visse em sua amplitude pelos olhos de meus alunos.

Ao olhar apenas um de seus frutos, seja na música, no design ou no vídeo, acharia feio desconecto, amador e sem sentido. Mas é exatamente esta a proposta da ideia. Me parece que o vaporwave é a porta da juventude fechada aos adultos, um espaço privado aos novos, por onde a nossa sociedade não pode passar, nem estar, é o verdadeiro chillout dos novos.

Se chamamos de movimentos os conceitos artísticos, é por algum motivo. Mover-se de um lado a outro é o caminho natural das coisas. Buscamos o equilíbrio quando há desequilíbrio, mas coisas equilibradas demais cessam seu movimento, sendo preciso recomeçar.

A contemporaneidade tentava dizer que havia um espaço onde tudo é possível estar em harmonia, mas os novos movimentos como o vaporwave e o glitch nos contam outra coisa.

São mausoléus da tecnologia, retalhos das religiosidades, críticas a esse conhecimento dito humano, desse progresso advindo das luzes de neon azuis e vermelhas. É a face do nosso fim de ciclo social, a imagem de um músico que toca após a rendição de sua nação, a sensação de paz no pós-guerra. Dessa forma é como se os nossos jovens já estivessem vivendo a pós-queda da nossa sociedade tida contemporânea.

Por isso que não é fácil de entender, principalmente para àqueles que ainda trabalham na construção desta sociedade. É preciso se sentir tão fora disso, tão desconectado dos valores desse nosso tempo, que ele então não exista e o que será visto é um loop de uma música dos anos 80, repetindo a exaustão, enquanto tudo a sua volta está fragmentado.

Não vejo estes estilos como genial, mas isso não significa que não seja real. 13 reason why, fez sucesso porque apresentou aos pais aquilo que eles não conseguiam ver, e ainda não vêem. Essa sociedade que trabalhamos tanto para deixar para os nossos filhos, não conversa com eles e na visão dos meninos e meninas que amamos não passa de um amontoado de tecnologia velha sem uso e triste.

Acredito que Nicola Tesla explica melhor esta situação ao dizer que “a ciência é, portanto, uma perversão de si mesma, a menos que tenha como fim último, melhorar a humanidade”, o que não parece ser nossa verdade, mas sim uma grande mentira sendo contada e recontada há muitos anos.

Vaporwave faz alusão a um conceito de Marx “vaporware”: um produto que é só anunciado e nunca realmente lançado ao público, instigando a competitividade entre as empresas e o interesse do consumidor.

A onda de vapor que construímos é nosso pensamento capitalista que se esvai em sí mesmo, e se a arte é capaz de prever já entendeu que em algum momento isso não se sustentará.

Se queremos deixar um futuro aos nossos filhos, diferente daquilo que eles estão prevendo, teremos que mostrar a eles algo mais belo do que fazemos hoje. Caso contrário, teremos que nos acostumar com estas vinhetas estranhas da MTV e as referencias que não nos dão grandes esperanças, pois, talvez nosso destino se pareça realmente bastante com um produto que é criado apenas para ser uma jogada de marketing.

Oportunidade de estágio em SJCampos

Olha a vaga de estágio

Cursos aceitos: PUBLICIDADE E PROPAGANDA – PROPAGANDA E MARKETING – MARKETING – DESIGN GRÁFICO

Ano/Período: ALUNOS A PARTIR DO 1° SEMESTRE
Bolsa: R$650,00
Benefícios: Auxílio transporte, recesso remunerado, premiações.

Observações: ESTUDANTES DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

Horário: Segunda à Sexta-feira das 11h00 às 18h00

Código: 95856

Os interessados devem acessar: www.portalabre.com.br ou entrar em contato com a agência ABRE – SÃO JOSÉ DOS CAMPOS no seguinte endereço: Rua Maestro Egydio Pinto, 165, sala 4 – Jardim São Dimas – SAO JOSE DOS CAMPOS – Telefone: 12-39421111

Vaga de estágio em Marketing

Estágio em Marketing em Jacareí

Requisitos:

Residir em Jacareí

Cursar Superior em Marketing.

Conhecimento em Design Gráfico, Marketing Digital e Corel Draw.

Salário R$800,00 + VT

Horário comercial de Segunda a Sábado

Interessados e dentro do perfil encaminhar o CV em anexo

Disponibilidade para início imediato

Candidate-se por aqui

Vaga para designer gráfico

Designer Gráfico urgente

chalk-1173287_640

Desejável superior em Publicidade e Propaganda (Mínimo ensino médio completo);

Experiência na função de Designer Gráfico;

Domínio das ferramentas do Pacote Adobe;

Residir em Taubaté, Tremembé ou Pindamonhangaba;

Vaga Efetiva.

Dias a trabalhar: A Combinar.

Disponibilidade De Início Imediato.

Candidate-se aqui

Vaga para designer gráfico

Vaga em Design Gráfico

Residir em São José dos Campos/Jacareí.

pc-1207834_640

Possuir experiência na função, boa habilidade em criação e edição de banners, email-marketing, arte para mídias sociais e material gráfico em geral.

Ter domínio em Pacote Adobe e Corel Draw. Enviar currículo e portfólio.

Irá trabalhar em E-commerce, atendendo a demanda do setor para manter o site atualizado.

Ensino médio completo ou Superior Cursando em Publicidade e Propaganda/Marketing, Design Gráfico.

Horário de trabalho: De segunda a sexta, das 08h00 ás 17h48.

Salário a combinar.

Benefícios: VT+VR

Candidate-se por aqui

Para aprender mais sobre design gráfico

Aprenda tudo sobre Design e crie materiais mais eficientes e atrativos

12715741_952034024912405_4249792599251423246_n

Arison Sonagere, o nome por trás da Atributo Branding, professor universitário e articulista deste blog comandará esse treinamento.

Mais informações, acesse: http://bit.ly/1KHN3Qt

Curso gratuito de design

Prefeitura de Tremembé abre inscrições para curso gratuito de Design Gráfico

Em mais uma iniciativa da Prefeitura Municipal através do Fundo Social de Solidariedade e em parceira com o Colégio Vesper e Paróquia Jesus Ressuscitado estão abertas inscrições para curso gratuito de Design Gráfico.

CARTAZ-ANDREA

As inscrições podem ser feitas na Paróquia Jesus Ressuscitado de terça à quinta-feira das 14h às 16h ou no Fundo Social de Solidariedade de segunda à sexta-feira das 8h30 às 17h na Rua José Monteiro Patto, 325 – Jardim Bom Jesus, informações podem ser obtidas através dos telefones 3674-3910 e 3674-3660.

Haverá uma palestra inaugural com Alexandre Keese no dia 24/10 das 9h às 11h.

Faça sua inscrição e participe. Vagas limitadas!