Formato de áudio trata de diversidade na propaganda

Diversificar é preciso!

Mais um conteúdo de áudio e desta vez o assunto gira em torno da busca do mundo da comunicação pela diversidade.

Vale a pena conferir! E se quiser ouvir todos os programetes já produzidos é só clicar aqui.

 

Estudo trata da relação marcas e diversidade

Consumidores querem marcas que apoiam verdadeiramente a diversidade

Pesquisa Diversidade, da Officina Sophia, aponta os temas que as pessoas consideram mais relevantes para apoio das marcas e identifica a relação disso com a propensão de compra

O Brasil e o mundo vivem dois fortes movimentos sociais: de um lado, o forte apoio às minorias e o respeito à diversidade; de outro, um crescimento de movimentos conservadores, culminando muitas vezes na tomada do poder político por esses. Segundo Paulo Secches, presidente Officina Sophia Conhecimento Aplicado, empresa membro da HSR Specialist Researchers, que coordenou o estudo sobre a Diversidade, é nesse universo amplo, múltiplo e diverso que as marcas e empresas devem se posicionar diante do tema.

O estudo aponta nortes importantes para a estratégia das marcas a partir de alguns questionamentos em torno de pontos marcantes ligados à diversidade. Deveriam as marcas fazer de conta que o assunto não é com elas? Ou manter uma posição de neutralidade? Ou ainda adotar uma posição explícita de apoio, mesmo que lidando com as manifestações críticas de correntes mais conservadoras da sociedade? Com base nessas perguntas, a pesquisa colheu insights para subsidiar a discussão, bem como fornecer parâmetros para a gestão das marcas e dos negócios.

O levantamento mostra claramente que as pessoas querem se aproximar de marcas com propósitos e crenças semelhantes às suas. Porém, algumas causas têm mais valor que outras e o estudo identificou quais os temas em que a sociedade é mais favorável:

A pesquisa Diversidade comprova ainda que as Marcas devem ter uma atuação forte e verdadeira, com engajamento genuíno. De modo geral, o brasileiro é favorável ao apoio de causas sobre diversidade. Entretanto, por parte das empresas, entende que deve haver pertinência com relação a esses temas, sem oportunismos. As entrevistas evidenciaram as bandeiras mais pertinentes para o apoio das marcas:

Outro ponto fundamental é que definir propósitos e se posicionar de forma transparente ao levantar algumas bandeiras pode resultar em um bom negócio, com reflexo em vendas de produtos e/ou serviços. Segundo o estudo, existe relação direta entre o apoio a causas e a propensão de compra dos consumidores:

“O consumidor se identifica mais com marcas que respeitam a diversidade de forma contínua e verdadeira no seu dia a dia. As empresas, portanto, devem estar atentas às demandas da sociedade ao definir suas estratégias de negócios. Ademais, o envolvimento de maneira superficial e a defesa de causas por oportunismos ou modismos pode ser um verdadeiro tiro no pé”, assegura Secches.

Amostra – A pesquisa quantitativa Diversidade foi realizada nacionalmente, no mês de julho. Foram entrevistadas 2 mil pessoas, entre 18 e 50 anos, homens e mulheres, de classes sócio-econômicas ABCD (Critério Brasil), de São Paulo (Capital e interior), Rio de Janeiro, Belo Horizonte, regiões Sul, Centro-Oeste e Nordeste. O estudo sinaliza ainda que, em média, o apoio aos temas e causas identificadas como mais relevantes é maior nas classes sociais C2D, seguidos pelas B2C1. As classes AB1 também demonstram apoio significativo, mas em menor percentual. Em todos os casos, a proporção de apoio é maior na amostra feminina.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Marco Barone

Social Media Week São Paulo já está recebendo inscrições

Social Media Week São Paulo destaca as tendências do mercado digital em 280 atividades

Com uma curadoria colaborativa, o evento traz assuntos como transformação digital, diversidade, marketing de causas entre as 20 trilhas de conteúdo.

A Social Media Week São Paulo, o maior evento de mídias sociais da América Latina, está com inscrições abertas. A expectativa para este ano é de reunir 7000 participantes, para as 20 trilhas de conteúdo, em 280 atividades. A décima primeira edição do evento acontece do dia 10 ao dia 14 de setembro nos 2 campi da ESPM na Vila Mariana: ESPM Tech, rua Joaquim Távora , 1240 e ESPM Graduação, rua Dr. Álvaro Alvim, 123. As inscrições podem ser feitas por palestra em www.smwsp.com.br/agenda, não há limite para participação, os ingressos custam R$ 20,00, com opção de 50% de desconto oferecida pelos patrocinadores, para lugares reservados e existe a opção gratuita pelo app SMWSP disponível na Apple Store e Google Play Store.

A cada edição, novos assuntos são incorporados para discussão: diversidade, transformação digital, marketing de causas e o universo das agencias digitais — como estão sobrevivendo às mudanças do mercado — se destacam em trilhas com palestras, workshops, painéis e debates.

A SMWSP é o primeiro palco de muitos profissionais, a curadoria é feita de maneira colaborativa, foram cerca 800 palestrantes inscritos. O evento é organizado pela InterNey consultoria, com a ajuda de voluntários e parceiros. “A gente traz palestrantes consagrados de várias plataformas sociais brasileiras, de grandes empresas, temos profissionais de nível sênior com seus cases, que se inscrevem para compartilhar os aprendizados. Ao mesmo tempo, pessoas que estão vivenciando o palco pela primeira vez e serão os porta vozes do mercado amanhã. Temos essa missão de educar o mercado e prepara-lo”, destaca o organizador, Edney Souza.

Veja a programação completa aqui.

Serviço:

Social Media Week São Paulo

Data: 10 a 14 de setembro de 2018

Local: ESPM Tech, rua Joaquim Távora, 1240 e ESPM Graduação, rua Dr. Álvaro Alvim, 123. O local exato de cada palestra será anunciado uma semana antes do evento, de acordo com o volume de inscrições.

Inscrições: www.smwsp.com.br/agenda

Os ingressos são vendidos por um preço simbólico para organizar as salas, o evento é custeado principalmente pelos patrocinadores e parceiros. O ingresso garante a entrada na sala até 5 minutos depois do horário programado. Após isso, qualquer pessoa na fila de espera gratuita pode ocupar os lugares disponíveis.

Fonte: Mariana Bacci

Estudo mostra quais são as marcas que respeitam a diversidade

Pesquisa revela marcas que melhor trabalham sua comunicação com relação à diversidade

Estudo realizado pela Youpper juntamente com a Netquest indica que O Boticário, Natura, Coca-Cola, C&A e Skol são as marcas que melhor lidam com a diversidade em suas campanhas publicitárias

Como os consumidores avaliam a comunicação de marcas do ponto de vista da diversidade de gêneros? Para proporcionar um melhor entendimento sobre o assunto, a Youpper – Consumer & Media Insights, empresa de consultoria transdisciplinar de comunicação dos sócios Diego Oliveira e Marcelo Santos, juntamente com a Netquest, que presta serviços de pesquisa e painel online, apresentam o estudo inédito Diversidade não é # (hashtag).

Criado principalmente para ser utilizado por departamentos de marketing de anunciantes e também por agências de publicidade e de Relações Públicas, o estudo buscou a opinião de brasileiros sobre o crescente discurso das marcas frente a diversidade, radiografando sua eficiência e importância na construção de brand equity. Foram ouvidas 500 pessoas dos 26 principais estados do Brasil, incluindo o Distrito Federal, sendo mulheres e homens das classes A até E, nas idades de 18 a 50 anos.

RANKING
Quando a pergunta é sobre as marcas que melhor trabalham a questão da diversidade em sua publicidade, formou-se um ranking com 13 delas que melhor entenderam como se deve usar a diversidade em suas campanhas. Esse ranking apresenta O Boticário em primeiro lugar, seguido de Natura, Coca-Cola, C&A, Skol. Em sexto lugar aparece Dove, com Itau, Unilever e Avon empatados em sétimo lugar. Vivo, OMO, Nike e Johnson&Johnson aparecem juntos na oitava posição. O estudo indica ainda que 15% dos entrevistados acreditam que nenhuma marca está sabendo explorar a diversidade corretamente.

Ao serem questionados se a publicidade tem conseguido representar adequadamente a diversidade dos consumidores das marcas e produtos nas campanhas, 78% dos entrevistados afirmam que sim, as marcas estão fazendo seu papel corretamente, contra 22% que dizem não. Já quando a pergunta é se acham importante que as marcas se preocupem com a diversidade das pessoas, 73% considera muito importante, 25% diz que é apenas importante, 2% acha pouco importante e ninguém diz não se importar.

Com 73,6%, o principal tema a ser explorado pelas marcas nas campanhas publicitárias, segundo o público, deve ser a representação da diversidade por meio de pessoas comuns e não modelos. Em segundo lugar, com 72,4%, aparece a divisão de tarefas entre homens e mulheres no cuidado com os filhos, mostrando que o homem também pode cuidar da família. Com 69,6% e 69,2%, respectivamente, o público indica que a igualdade de direitos entre homens e mulheres e a divisão de tarefas entre homens e mulheres no lar, mostrando que o homem também pode cuidar da casa.

As afirmações dos entrevistados mostram opiniões diversificadas quando o assunto é diversidade e representatividade. Novamente sobressai com 74% que o público prefere personagens reais, ao invés de pessoas que seguem um único padrão de beleza. Em seguida, 46,8% gostaria de ver mais negros nos comerciais e 34,8% apoiam marcas que incluem gays e lésbicas em sua comunicação, contra 32,6% diz que já se sentiu ofendido por comerciais e campanhas de certas marcas e produtos.

Fonte: Casa do Bom Conteúdo – Nathália Pelegrina