Oportunidades de negócio através da economia criativa

A Economia Criativa e as oportunidades de mercado

*por Ronaldo Cavalheri

O Brasil é o quarto consumidor de jogos digitais do mundo, sendo um importante empregador de mão de obra especializada e se fixando como um mercado bilionário, com expetativa de crescimento de 13,5% ao ano, segundo pesquisa encomenda pelo BNDES. Com mais de 60 milhões de usuários, esse mercado vem ampliando o seu perfil de consumo, que até então era em sua grande maioria de público jovem masculino e hoje já conquista mulheres, crianças e idosos. Muito disso se explica pela facilidade de acesso aos smartphones e as redes sociais, além é claro da utilização de games em muitas outras áreas como na educação, nos negócios e na medicina, não sendo mais uma exclusividade voltada apenas ao entretenimento.

Ronaldo Cavalheri Diretor Geral do Centro Europeu

Outro mercado em ascensão é do audiovisual. Em 2011, foi regulamentada pelo Congresso Nacional a Lei 12.485, que determina a veiculação de conteúdos nacionais e inéditos na programação das televisões por assinatura. Com isso, além de valorizar a cultura local a produção audiovisual no Brasil, o segmento ganhou ainda mais espaço e já se posiciona a nível global como a 12ª maior economia nesse mercado que corresponde por 0,57% do PIB brasileiro. Em pesquisa realizada pela Ancine, foi apontado um crescimento de 65,8% entre os anos de 2007 e 2013, um salto de R$ 8,7 bilhões para R$ 22,2 bilhões, uma evolução bem superior aos outros setores da economia.

E liderando o ranking de crescimento no Brasil, temos a indústria da moda. Nos últimos 10 anos, o varejo de moda fez com que o país saltasse da sétima posição para a quinta no ranking dos maiores consumidores mundiais de roupas. Uma pesquisa realizada pela A.T. Kearney, renomada empresa de consultoria empresarial norte-americana, aponta uma arrecadação de US$ 42 bilhões em vendas, sendo que 35% é através de capturas online, sendo facilmente explicado pelo poder de influência das redes sociais e blogs de formadores de opinião dessa área.

O mercado dos Jogos Digitais, do Audiovisual e da Moda são apenas três exemplos dos 13 segmentos que englobam o que chamamos de Economia Criativa. Um setor da economia que vem ganhando destaque e driblando o cenário atual de crise pelo qual o Brasil vem passando. São empresas que se destacam pelo talento e pela capacidade intelectual de seus empreendedores e funcionários, e que não dependem do tamanho da sua estrutura ou de quanto tem de capital.

O Brasil, de certa forma, vem dando seus primeiros passos para se fixar nessa economia. Países como EUA, China e Inglaterra já se consolidaram e juntos já correspondem a 40% da economia criativa global. Muitas cidades no Brasil já possuem iniciativas de estimulo à Economia Criativa, como por exemplo, Recife, Porto Alegre e São Paulo. A cidade de Curitiba, também, se destaca como uma das mais atuantes, e por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento, circula por todo o ecossistema que engloba a economia criativa, conectando coworkings, startups, iniciativas públicas e privadas e estimulando o empreendedorismo de alto impacto.

A Economia Criativa, que hoje já apresenta uma média de remuneração superior a outros setores, será um dos grandes empregadores em um futuro breve. E as cidades que enxergarem essa oportunidade, sairão na frente. O olhar sobre a formação de seus jovens, que é a geração que mais impulsiona esse mercado, é um fator decisivo para o melhor aproveitamento de uma fatia do mercado na qual o maior recurso é o potencial criativo.

*Ronaldo Cavalheri é Coaching de Negócios Criativos, mentor do Projeto Jovem Empresário e Diretor Geral do Centro Europeu – escola pioneira em Economia Criativa no Brasil.

Fonte: P+G Comunicação Integrada – Eduardo Betinardi

Economia criativa é tema de evento

Estadão promove sua primeira Semana de Economia Criativa

Evento acontece entre 13 e 16 de setembro, debaterá tendências sobre mídia, tecnologia e inovação na era do empoderamento nas redes sociais

unnamed (9)
Como estão as áreas de tecnologia, inovação, cultura, publicidade, arquitetura, design, moda e os novos modelos de negócios em tempos de economia criativa? Como obter ótimos resultados nesse contexto? Essas serão algumas das frentes de debate da primeira Semana de Economia Criativa, promovida pelo Estadão, entre 13 e 16 de setembro (terça à sexta-feiras), no UNE Vila Madalena (Av. Natingui, 862 – Vila Madalena), das 12h às 19h.

O evento reunirá alguns dos principais players da Economia Criativa do País, abordando as tendências mais relevantes sobre mídia, tecnologia e inovação na era do empoderamento nas redes sociais. A Semana de Economia Criativa tem correalização da revista KAZA, patrocínio da Ideia Zarvos, apoio da Appnexus, Rádio Eldorad, Fundação Instituto de Administração (FIA), Lock, Marton Estúdio, Wi–Fi Max e parceria de conteúdo de O Panda Criativo.

Cada dia terá um tema específico: 13 – Negócios Disruptivos e Nova Economia; 14 – Criatividade, Inovação e Moda; 15 – Mídia Lab; e 16 – Novos Comportamentos. O evento contará com palestras, debates, food trucks, espaço bar e pockets shows. No dia 13, até dia 23, no mesmo local, também será realizada a exposição Ocupação Plural.

Entre os nomes já confirmados para palestrantes/debatedores estão Anielle Guedes (palestrante internacional, que já fez discurso nas Nações Unidas), Anna Raquel Serra (UX Lead na Huge, Carla Mayumi (The Mob, Talk Inc. e Box 1824), Daniela Cachich (vice-presidente de Marketing da Heineken). Diana Assenato, Diane Lima (roteirista), Ernesto Bernardes (Estadão), Felipe Braga (diretor e roteirista), Fernando Tassinari (Event Manager Brazil & Latam da Criteo), Fiamma Zarife (diretora de Marketing no Twitter), Flávia Aranha (stilista e diretora da marca da Slow Fashion e Moda Sustentável), Flávio Padovan (consultor do setor automotivo), Jules de Faria (fundadora da ONG Think Olga), Laura Sobral (urbanista especializada em espaços públicos e sua produção urbana), Letícia Abraham (vice-presidente executiva, Latam at WGSN Mindset Brasil, WGSN), Lucas Foster (psicólogo e idealizador do Projecthub), Lucas Mello (CEO da Livead e sócio-fundador da Box 1824, Profilepr, Aquiris Game Studio e Grupo Chez), Luis Guedes (FIA), Patrícia Weiss (chairman da BCMA South America), Peter Gervai (managing director latam na Appnexus), Reinaldo Roveri (Stratica), Ricardo Saigon (country manager do Pinterest), Rosana Hermann (jornalista), Vitor Knijnik (sócio-fundador da Snack) e Wolf Menke (House of Work e House of Food). Além disso, estão programados os pocktes shows de Larissa Baq, Marina Melo e Galego.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site www.secriativa.com.br, onde podem ser vistas a lista de palestrantes e a programação completa do evento. Jornalistas que quiserem participar devem confirmar presença pelos telefones (11) 3277-8891, ramal 32, e 99462-9496 ou e-mail marco@luciafaria.com.br.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Marco Barone

Portal de cultura é lançado no V.Paraíba

Novo site exclusivo para divulgar arte e cultura regionais chega a São José

O portal ArteKula será colaborativo e o conteúdo das agendas culturais virá da contribuição de artistas, formadores de opinião, empresários, entre outros poderes associados à disseminação da cultura e da arte no Vale do Paraíba

artekula_novo

Acontece na próxima quarta-feira, 21 de outubro às 18h30, o lançamento do ArteKula, o primeiro portal colaborativo de arte e cultura da região. A proposta inovadora do site, que será lançado em evento promovido na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) de São José dos Campos, consiste em dar mais movimento ao universo cultural da região do Vale do Paraíba.

No ArteKula, todas as informações a respeito de atividades artísticas e culturais estarão concentradas em um só lugar, trazendo ao público o conhecimento necessário para desfrutar de toda a programação da cultura regional e acabar com aquela sensação de que um evento cultural muito importante aconteceu, mas nem todos puderam marcar presença pela falta de um meio de divulgação mais eficiente e especializado no assunto.

O conteúdo será produzido e divulgado de forma colaborativa. Artistas, formadores de opinião, gestores culturais, incentivadores da arte e da cultura, empresários, associações de classe e do poder público e privado serão responsáveis por divulgar e compartilhar diferentes tipos de informação relacionada à cultura regional. Portanto, o site será um espaço aberto para valorizar e dar maior visibilidade à rica diversidade valeparaibana de cultura e arte.

Além de dar mais luz às manifestações artísticas da região, o portal pretende promover um encantamento do público, fazendo com que a comunidade esteja mais próxima da arte, não mais enxergando estas manifestações como algo fora de seu alcance, seja essa manifestação popular ou erudita. A ideia é mostrar que a cultura está ao alcance de todos, pode e deve fazer parte do dia a dia das pessoas.

O projeto é idealizado pela empresária e empreendedora social Andréa Mourão e será implantado em duas fases, sendo a primeira agora, com o lançamento do portal, e a segunda dentro de alguns meses, com a expansão do conteúdo e das atividades disponíveis no site.

Lançamento
O evento de lançamento do portal ArteKula já tem presença confirmada de uma das maiores referências em cidade criativas em todo o mundo, Ana Carla Fonseca, sócia-diretora da Garimpo de Soluções. Ana Carla ministrará palestra a respeito da economia criativa e como soluções inovadoras podem modificar um cenário de crise.

Boa dica de leitura

Economia criativa

Ontem mesmo falei sobre isso para os calouros de comunicação social da Unitau: economia criativa. Então aí vai uma boa sugestão de leitura nessa área.

Economia criativa
Como ganhar dinheiro com idéias criativas

Economia Criativa, mostra que a criatividade é um ótimo negócio.

Mas como transformar criatividade em dinheiro, capital e lucro? Simplesmente ter uma ideia brilhante não interessa o que interessa é o que você faz com ela.

John Howkins, destacado especialista em economia criativa, nos mostra nesta edição atualizada o que realmente é criatividade, fornecendo dados concretos sobre sua representatividade na economia mundial (US$2,7trilhões por ano) e descrevendo as principais regras para o sucesso.

Este livro trata da relação entre a criatividade e a economia. A criatividade não é algo novo, tampouco a economia, mas a novidade está na natureza e na extensão da relação entre elas e como elas se combinam para criar valor e riqueza extraordinários.

 

economia_criativa_big

 

SOBRE O AUTOR

John Howkins : É presidente executivo da Tornado Productions Ltd., que desenvolve transmissões pela web para clientes de mídia e clientes corporativos. Atuou como consultor de governo para Austrália, Canadá, China, México, Marrocos, Polônia, Singapura, Reino Unido, Estados Unidos e outros 15 países, tendo atuado de maneira ampla na Europa Oriental. Diretor Executivo da International Institute of Communications, com membros em mais de 100 países, no período de 1985 a 1990. Ele é visiting professor da City University, de Londres, Inglaterra; e vice-reitor e visiting professor da Shanghai School of Creativity, Shanghai Theatre Academy, China.

Fonte: http://www.mbooks.com.br