Projeto Empreende em 2018

ACIT lança Projeto Empreende 2018 em parceria com Sebrae

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) inicia o calendário de atividades de capacitação de 2018 no próximo dia 25 de janeiro, quinta-feira, às 8h30, com o lançamento da agenda do Projeto Empreende para esse ano. Estão programados cursos em diversas áreas e para diversos segmentos, tais como: formalização, formação de preços, marketing, vendas, gestão de pessoas, gestão financeira, fluxo de caixa, entre outros.

Durante o evento de lançamento, que acontece em parceria com o Sebrae, acontece uma oficina com o tema “Inove para ganhar mais”, que será ministrada por Tatiana Amorim e Maria Lucia Baltazar Candido, que irão abordar porque é necessário inovar, o que é inovação, as ferramentas e como utiliza-las além de colocar em discussão como está a inovação em sua empresa, com o intuito de levar à redução de custos e otimização de processos.

As inscrições para esse evento, que é gratuito, já estão abertas e são limitadas. Podem ser feitas na ACIT pelo telefone (12) 2125-8211 ou pelo email cursos.acit@taubate.com.br e também no Sebrae pelo telefone (12) 3621-5223

Na ocasião, os interessados já poderão adquirir os cursos e oficinas do Projeto Empreende. Associados ACIT tem desconto e facilidades no pagamento.

Projeto Empreende – Foi implementado em 2016 e surgiu da necessidade de desenvolver e capacitar os empresários de Taubaté, oferecendo cursos, oficinas e treinamentos de qualidade, voltados para cada setor especificamente. Para 2018, o Projeto mantém o mesmo formato e traz novidades nos temas das atividades, que acontecerão ao longo do ano, com realização da ACIT em parceria com o SEBRAE.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Robôs não vão substituir pessoas, vão deixá-las melhor

Não se preocupe, os Bots vão deixar as pessoas ainda mais importantes!

*Por Ricardo Pena

É muito comum, quando se fala em atendimento através de Bots, as pessoas questionarem se isso vai acabar com os empregos ou não. O foco, no entanto, deveria ser outro: como o fator humano vai ser ainda mais valorizado depois do uso dos Bots.

Dois fatores contribuem para essa outra perspectiva em torno da utilização dessa tecnologia emergente:

1. Quem vai pilotar o Bot?

É importante ter em mente que para implantar uma solução automatizada alguns trabalhos humanos são essenciais para o sucesso. Neste sentido, três exemplos de profissionais são extremamente bem-vindos. O primeiro deles tem como principal atribuição definir a estratégia de utilização da ferramenta, bem como qual script será adotado. Se a ferramenta não for bem implementada e não estiver aderente às respostas da empresa, o cliente vai usar uma única vez e evitará ao máximo uma nova utilização. Se necessário, provavelmente tentará descobrir algum atalho para ser atendido por um agente. O segundo profissional é justamente o agente. Se a resposta do Bot não for a que o cliente necessita, uma pessoa vai precisar ajudá-lo e – dependendo do estado emocional do consumidor – a habilidade de atendimento do agente vai fazer toda a diferença – e em sinergia e parceria com o canal tecnológico. Dessa forma, o atendimento torna-se um diferencial ainda maior do que já é. Por último, o profissional envolvido com o suporte. Por se tratar de tecnologia, é muito importante que a equipe técnica esteja bem treinada para resolver rapidamente qualquer problema que apareça e para a manutenção constante da solução para usar os seus recursos ao máximo.

2. Melhoria contínua

O Bot é apenas um pedaço do atendimento. Hoje em dia já existem diversas opções para atender o cliente e a tendência, com essa rápida evolução, é que cada vez mais canais de atendimento apareçam. É aí que a criatividade humana começa a fazer a diferença e onde podemos surpreender o cliente – indo muito além da execução de atividades rotineiras – para pensar em caminhos novos. Isso é o que fará com que ele continue se relacionando com a empresa e, consequentemente, optando por seus produtos e serviços.

Além disso é sempre importante ter em mente que consumidores são pessoas – e como tais, são diferentes. Por exemplo, há aqueles que quando vão numa loja gostam de fazer tudo sozinhas, fogem dos vendedores, enquanto existem outros que adoram perguntar e ter alguém para ajudar em seu processo de decisão. Essa variação de postura também é estendida para as formas de relacionamento com as marcas – sobretudo num contexto de acelerada evolução tecnológica, que empodera cada vez mais e mais o consumidor.

Por isso, é importante que a estratégia de atendimento seja focada sempre no cliente e não apenas nos objetivos de redução de custos ou automatização de processos e tarefas repetitivas. Muitas vezes é necessário descobrir o que é mais conveniente e o que é mais efetivo e para isso não existe uma receita de bolo. Cada empresa terá que descobrir por meio da entrega de diferentes experiências.

Como é o caso dos Bots, cada vez mais presentes tornando nossa vida melhor e mais fácil. A tecnologia é um bem inexorável – e graças a ela aprenderemos a valorizar ainda mais o fator humano.

*Ricardo Pena é diretor de Pré-Vendas e Consultoria da Avaya para o Brasil

Fonte: Comuniquese – Rafael Bueno

Faça feira via internet

Novo negócio on line

A jovem publicitária Leticia Akahori Toledo teve a ideia de juntar duas de suas expertises: o conhecimento em comunicação/propaganda (é formada em publicidade e propaganda pela Unitau) e a vivência de sua família no comércio de hortaliças, verduras, frutas etc. Dessa junção nasceu o Feirinha Express, um varejo digital para quem não tem tempo ou disposição de ir ao mercado municipal, à quitanda ou mesmo ao supermercado.

A pessoa escolhe o que quer e precisa comprar, coloca em seu carrinho e aguarda a mercadoria ser entregue no endereço combinado. O pagamento é realizado na entrega da mercadoria.

O site é www.feirinhaexpress.com.br e Leticia desenvolveu a identidade visual e todos os layouts, artes e peças de divulgação do novo negócio.

 

 

Startup Kakau reinventa o mercado de seguros ao apostar em tecnologias como IA e Big Data

Objetivo da InsurTech é oferecer o seguro mais barato e descomplicado do Brasil

Ao falar sobre seguros, a maioria dos brasileiros ainda pensa em muita burocracia e papelada para assinar. Mas a startup Kakau acaba de chegar ao mercado com o intuito de mudar essa visão. 100% digital, a InsurTech (termo que nasceu da junção de insurance – seguro – com technology) se apoia no uso de tecnologias como inteligência artificial e big data para descomplicar a aquisição e o uso do seguro. Com mensalidades a partir de R$19,00, a startup deseja que cada vez mais brasileiros possam proteger o seu patrimônio.

Henrique Volpi, co-fundador e CEO da Kakau Seguros

Por enquanto, a Kakau comercializa seguro residencial, com diferentes planos para casas e apartamentos. Futuramente, outras modalidades de seguros irão entrar para o catálogo da empresa. O principal atrativo para novos clientes é o fato de a plataforma ser muito mais acessível para o usuário, sendo o primeiro seguro por assinatura do mercado, isso significa que, o próprio segurado pode solicitar a aquisição ou o cancelamento do serviço quando quiser através de um computador, tablet ou smartphone.

No caso de um sinistro, a inteligência artificial é utilizada para gerar índices de precisão e facilitar o processo de assistência. Por isso, o serviço é oferecido ao segurado de maneira ágil e transparente.

Vale ressaltar também que o trabalho desenvolvido com a assistente pessoal de seguros Anna, inteligência artificial que realiza atendimentos on-line e está programada para aprender a cada atendimento e, com isso, tornar-se referência em informação e assistência para os clientes da Insurtech, melhorando constantemente a experiência do usuário.

A cada contratação, uma nova doação

Além de descomplicar o conceito de seguro e oferecer aos brasileiros a possibilidade de proteger seu patrimônio com um preço justo e sem burocracia, a Kakau também deseja criar uma comunidade on-line que traga benefícios para toda a população. Por isso, a cada contratação, a startup faz uma doação para a ONG Teto.

Com mais de 10 anos de atuação na América Latina e Caribe, a Teto realiza um trabalho nas comunidades carentes para superar a pobreza e a exclusão, por meio do trabalho conjunto entre voluntários e as famílias atendidas. A ONG constrói moradias mais dignas e cria lideranças representativas para as comunidades.

Três sócios e um investimento de R$ 650 mil

A Kakau Seguros é fruto da união de três sócios: Henrique Volpi, Marcelo Torres e Diogo Russo. A ideia surgiu quando Henrique realizava um curso sobre fintechs no MIT e as InsurTechs foram o seu tema no projeto de avaliação. “Gostei muito do tema e queria trazer algo assim para o Brasil. Quando voltei, apresentei a proposta para o Diogo e o Marcelo e juntos desenvolvemos o negócio. Para começar, realizamos um período de testes e depois recrutamos uma seguradora e uma corretora como parceiras estratégicas”, explica Volpi. Com lançamento oficial realizada no mês de setembro, a Kakau conta atualmente com mais de 1.000 usuários cadastrados.

Sócios: Marcelo Torres, Diogo Russo e Henrique Volpi

Para a estruturação e lançamento da empresa, os sócios não contaram com nenhuma ajuda externa, investindo R$ 650 mil reais próprios. Agora em 2017, a empresa já conta com apoio de anjos e pretende aumentar isso em 2018.

Sobre a Kakau Seguros
A Kakau é uma empresa de tecnologia que convida você a ter um futuro seguro. Primeira InsurTech brasileira 100% digital, a plataforma oferece acesso rápido e fácil para que o próprio segurado consiga solicitar ou cancelar serviços. A seguradora inova também ao fazer o uso de tecnologias como inteligência artificial e big data.

Com planos a partir de R$19,00 para seguro residencial, a startup tem como objetivo oferecer a cada vez mais brasileiros a possibilidade de protegerem seu patrimônio com um preço justo e sem burocracia. Saiba mais no site: https://www.kakau.co/

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Novidade no mercado do Vale

Nova agência surge em Taubaté

Lucas Resende anuncia a chegada da Aproxima Marketing, empresa situada em Taubaté. Lucas também é o nome por trás da Espaço Inove, espaço de coworking também localizado em Taubaté.

Segundo Lucas, a Aproxima é a versão atualizada de sua antiga agência, a Target. Ele declara, inclusive, que continua atendendo com a Aproxima algumas contas da antiga agência.

10ª edição da Semana Global de Empreendedorismo

Senac Taubaté participa da 10ª edição da Semana Global de Empreendedorismo
Com atividades gratuitas voltadas ao tema, ação acontece em todas as unidades e campi do Senac São Paulo

Durante o mês de novembro, o Senac participa de mais uma edição da Semana Global de Empreendedorismo com extensa programação, em 57 unidades do Estado e nos três campi – em Santo Amaro, na capital, e em Águas de São Pedro e Campos do Jordão, no interior.

Com o tema Empreender é para Qualquer Idade, o movimento articulado pela Endeavor, organização que apoia a questão no Brasil, reunirá milhares de organizações em mais de 125 países para debater a importância do assunto no desenvolvimento econômico e social.

No Senac Taubaté, a abertura da Semana Global de Empreendedorismo acontece nesta terça-feira, dia 7, com a palestra Planejamento Financeiro de um Empreendimento, ministrada por Sebastião Leite Marques, que possui experiência como analista em empresas de grande porte e é docente na área financeira. A apresentação abordará as etapas mais importantes na elaboração de um planejamento financeiro eficiente de um empreendimento.

Ao longo do mês, diversas atividades gratuitas sobre o tema serão realizadas na unidade. Confira a programação completa da Semana Global de Empreendedorismo no Senac Taubaté:

Palestra: Planejamento Financeiro de um Empreendimento
A palestra vai abordar as etapas mais importantes na elaboração de um planejamento financeiro eficiente de um empreendimento. A apresentação será ministrada por Sebastião Marques, que é formado em ciências contábeis e administração de empresas, e pós-graduado em administração financeira e auditoria.
Data: 7 de novembro, terça
Horário: das 20 horas às 21h30

Palestra: Liderança Empreendedora
A palestra, ministrada por Sandra Maria Costa e Souza, aborda o novo perfil de liderança que desenvolve equipes motivadas, engajadas e com espírito empreendedor. Sandra Souza é docente do Senac Taubaté na área de gestão e negócios e interlocutora de empreendedorismo da unidade, com formação em administração de empresas e especialização em finanças, psicopedagogia e gestão da inovação.
Data: 14 de novembro, terça
Horário: das 19h30 às 21 horas

Palestra: Marketing para as Mídias Sociais
A palestra aborda a importância da utilização das mídias sociais para divulgação de uma empresa e será apresentada por Carlos Eduardo Silva, publicitário graduado na Universidade de Taubaté, com especialização em marketing de serviços pela FGV e pós-graduado em administração de marketing pela Faap. Carlos Eduardo é docente da área de administração e negócios do Senac Taubaté, trabalhou em diversas agências de propaganda da região e também atuou em ONGs.
Data: 16 de novembro, quinta
Horário: das 20 horas às 21h30

Oficina: Fazendo Arte com Produtos Recicláveis
Oficina em que os participantes terão contato com a transformação de material descartado em objetos de decoração e presentes. Será aplicada por Ana Paula dos Santos Novaes Pereira, que é formada em engenharia ambiental e sanitária, com especialização em segurança no trabalho, e possui experiência em sistema de gestão integrada e educação ambiental.
Data: 23 de novembro, quinta
Horário: das 10 horas às 12h30

Oficina: Fazendo Arte com Produtos Recicláveis
Oficina em que os participantes terão contato com a transformação de material descartado em objetos de decoração e presentes. A atividade será coordenada por Ester de Oliveira Gimenes, formada em administração de empresas e técnico em segurança do trabalho, com especialização em gestão para educação ambiental. Ester possui experiência de mais de 28 anos em indústrias do Vale do Paraíba e também na implementação da Norma ISO 14001.
Data: 27 de novembro, segunda
Horário: das 14 horas às 16h30

Palestra: Direitos do Consumidor para o Empreendedor
A palestra aborda os direitos do consumidor e o olhar que o empreendedor precisa ter para respeitá-los. A apresentação será ministrada por Patrícia de Abreu Leite Machado, que é formada em direito, possui experiência em direito público desde 2003 e é docente da área de gestão e negócios do Senac Taubaté desde 2010.
Data: 28 de novembro, terça
Horário: das 20 horas às 22 horas

Serviço:
Semana Global de Empreendedorismo
Tema: Empreender é para Qualquer Idade
Data: 7 a 28 de novembro
Local: Senac Taubaté
Endereço: Rua Nelson Freire Campello, 202 – Jardim Eulália
Inscrições e programação: www.sp.senac.br/semanaglobal
Participação gratuita

Fonte: Alameda Comunicação – Laís Reis

Vendas, IoT e IA

Vender no século 21: o impacto da Internet das Coisas e da Inteligência Artificial

* por Marcos Both

Robôs superinteligentes, sistemas de alta complexidade, automação de processos… essas imagens vêm à mente quando falamos de conceitos como Inteligência Artificial (A.I, de Artificial Intelligence) e Internet das Coisas (IoT, de Internet of Things), que permeiam a discussão sobre tecnologia atualmente. Não seria precoce dizer que as inovações trazidas pelas ferramentas que utilizam essas tecnologias estão revolucionando nossa sociedade de uma forma geral. E, assim como acontece com diversos outros, essas novidades chegaram ao setor de vendas com um oceano de possibilidades.

A.I: você e o robô
O termo A.I foi criado na década de 1950 pelo matemático e cientista da computação John McCarthy, e define, grosso modo, a capacidade de máquinas executarem tarefas de maneira “inteligente”. Essa condição é atingida através de modelos matemáticos compostos por algoritmos que permitem que os softwares “aprendam” com os cálculos anteriores (o chamado “machine learning”). Em outros termos, as máquinas, expostas a diversas situações, acumulam informações que as tornam cada vez mais competentes.

No terreno das vendas, essa tecnologia representa a oportunidade de criar uma estratégia muito mais eficiente. Isso porque, reunindo um grande conjunto dos mais variados dados, os softwares analisam e apontam à equipe de vendas quais são os clientes mais promissores e quais produtos são mais indicados para eles. Ao contrário do que muitos pensam, a automação não pretende substituir os vendedores de carne e osso, e sim direcionar seus esforços para tornar seu trabalho muito mais dinâmico e preciso.

Chamadas de análises preditivas, essas técnicas, aplicadas ao forecast de vendas, elevam o poder de tomada de decisão e jogam para baixo o Custo de Aquisição de Clientes (CAC), alguns dos objetivos mais perseguidos por todas as equipes de vendas. Há até soluções que permitem identificar os clientes mais próximos via GPS.

O resultado da aplicação dessas ferramentas é uma conversão muito maior de novos negócios. Estamos falando de um impacto realmente grande: uma pesquisa de Harvard revelou que companhias que usam A.I em vendas registraram aumento de 50% nos leads, redução de gastos entre 40% e 60% e economia de tempo de mais de 60%.

IoT: tudo e todos interconectados
Criado em 1999 pelo pesquisador britânico Kevin Ashton, o termo Internet das Coisas significa exatamente o que ele diz: as coisas e pessoas estão cada dia mais interconectadas entre si e em rede. Vivemos em um ambiente de profunda interatividade, onde o mundo “real” e o digital estão em um processo de constante entrelaçamento.

Essa tendência se manifesta no mundo físico através de objetos que estão conectados à rede e carregam tecnologia embarcada. Através de mecanismos inteligentes, “coisas” que sempre estiverem presentes em nosso dia a dia, como carros, prédios e geladeiras, hoje estão presentes na internet. Segundo relatório da Cisco, líder mundial em TI e redes, a previsão é que, até 2020, 50 bilhões de dispositivos estarão conectados (em 2010, eram “apenas” 10 bi). A empresa estima que até lá a indústria da Internet das Coisas valerá US$ 309 bilhões.

É evidente que os frutos dessas inovações vêm revolucionando o modo como fazemos negócios, logo, já foi incorporada ao universo das vendas. Por transformar a forma como coletamos e transferimos dados, aumentando a velocidade e quantidade de informações disponíveis, a IoT será uma grande aliada das empresas no esforço de aprofundar o relacionamento com os clientes, com ganhos animadores em suporte e retenção.

A Cisco prevê que a IoT trará às empresas um aumento em 21% nos lucros, graças à redução de custos, ganho em produtividade, aperfeiçoamento na experiência do cliente e menor tempo de compra. Porém, para desfrutar dessas vantagens, as empresas terão de pensar à frente e aceitar os desafios que se apresentam nesse momento. Na verdade, o que se exige é que as organizações repensem todo seu processo de vendas para acompanhar as necessidades do mercado, dos vendedores e dos clientes.

O impacto do IoT no mundo das vendas será notado também no e-commerce. Com a ascensão de modelos integrados, boas oportunidades para cross-selling (ou vendas cruzadas) e upsell passam a ser mais frequentes. E, à medida que novos dispositivos se tornam compatíveis com a IoT, haverá uma crescente na compreensão do comportamento do consumidor. Por outro lado, essa integração também demanda um olhar mais atencioso e ágil para o suporte ao cliente, por exemplo.

Independentemente das tecnologias que possam surgir num futuro breve ou o que já temos à disposição, o que se espera de um departamento de vendas do século 21, acima de tudo, é a capacidade de aceitar e se adequar rapidamente aos novos modelos e movimentos do
mercado. Sua empresa está preparada para o desafio?

* Marcos Both é coordenador de vendas no VendasExternas, empresa que oferece soluções tecnológicas integradas para prospecção e vendas fora do estabelecimento; atua há mais de 14 anos na intermediação de vendas, dos quais 8 anos no mercado de software para comércio, indústria e distribuição.

Fonte: Renown – Assessoria de Imprensa Digital – Felipe Silva

Conferindo a RM Vale TI

Um evento interessante e importante

Josué Brazil

Estive ontem a tarde no Parque Tecnológico de SJCampos para visitar a 4ªFeira de Tecnologia e Inovação – RM Vale TI.

O evento tem quatro áreas de concentração: Smart City, Indústria 4.0, Varejo e Agro Negócio. Ontem, segundo dia de feira, o foco era em Indústria 4.0 e Agro Negócios.

Tive a oportunidade conversar pessoalmente com o pessoal da Click Now, agência digital e de live marketing. A conversa girou em torno de novas tecnologias e comunicação.

Também passei pelo stand da resultage, nova empreitada de Eduardo Costa (que também comanda a Phocus Interact). A nova empresa está localizada no Parque Tecnológico Univap e seu core business é marketing digital. Aliás, tive a chance de acompanhar uma pocket palestra no stand da resultage com Everton Vianna, youtuber e titular do canal android4all.

Também estive no espaço do Meon. E lá pude rever um antigo amigo, Ivo Santaniello. Ele está há pouco na área comercial do portal, atuando como executivo de contas.

Por fim, devo lembrar que fui muito bem recebido pela Elaine Rodrigues,jornalista e assessora de imprensa do parque tecnológico de SJCampos.

Josué Brazil e Elaine Rodrigues

A feira acaba hoje e está recheada de palestras e painéis muito interessantes. Vale a visita!

Confira o vídeo do segundo dia da Feira:

Artigo trata do uso de robôs

Você será substituído por um robô?
*Por Ronaldo Cavalheri

Você será substituído por um robô? Essa é uma pergunta que muitos profissionais se fazem ou que deveriam começar a pensar a respeito. O mundo passa por grandes transformações desde a revolução rural, onde tudo era mais controlável e previsível. Passamos pela era industrial, onde máquinas entraram em cena com uma produção abundante. Veio a era digital onde a informação e a conectividade impulsionaram ainda mais o consumismo. São evoluções naturais que impactam o mercado de trabalho. E agora estamos vivendo uma mudança de era, na qual começamos a passar por uma revolução exponencial, porém mais acelerada, com tecnologia de ponta disponível. Termos como computação em nuvem, IoT, Big Data, robótica, inteligência artificial, impressão em 3D e nanotecnologia se tornaram comuns no nosso dia a dia. Mas como isso vai impactar na vida dos profissionais?

Uma coisa é certa, nos próximos anos teremos muitas e rápidas mudanças. Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Mais da metade das funções hoje exercidas pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão bastante curiosa é do Fórum Mundial Econômico que diz que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem. Crianças em idade escolar sendo preparadas para algo que ainda não sabemos como será. Temos um futuro cheio de incógnitas em relação ao que irá acontecer com os profissionais. Quais serão as profissões do futuro? O ser humano terá espaço? Como os profissionais devem se preparar para tudo isso?

Não me arrisco a dizer quais serão as profissões mais requisitadas, pois elas ainda não existem. Porém, com toda a certeza me arrisco a dizer quais serão os profissionais mais requisitados pelo mercado. Parece complexo, mas a resposta é muito simples. Todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os profissionais mais disputados serão aqueles com características inerentes dos seres humanos como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. Estou falando de soft skills, que são as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI. Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível. Estou falando de um cenário muito mais inteligente. O que é desafiador e prazeroso o homem faz, o contrário será direcionado para um robô.

Ronaldo Cavalheri, autor deste artigo

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, mas para isso é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências. É preciso viver experiências diferentes.

Em um trabalho voluntário é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo. Ou até mesmo em uma formação para chef de cozinha você vive experiências na qual ajudam a desenvolver suas características de líder e de trabalho em equipe. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, as pessoas devem assumir o que de fato é da sua natureza. Somos dotados de uma grande capacidade de criar e de se reinventar. Pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. Naturalmente essa mudança trará perdedores e ganhadores. Meu papel aqui é a provocação para que todos enxerguem essa necessidade e tenham atitude para serem ganhadores. Não devemos temer as máquinas, e sim usá-las a nosso favor. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai ser substituído por um robô?

*Ronaldo Cavalheri é Engenheiro Civil, Diretor do Geral do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba.

Debate-almoço do LIDE

Empresários da região tem encontro marcado com Ex-Ministro do Desenvolvimento e Chairman do LIDE em Almoço-Debate

O Presidente do LIDE Internacional e Chairman Of the Board do LIDE, Luiz Fernando Furlan, vem a região como convidado do LIDE Vale do Paraíba para falar sobre “O Brasil Pós-Crise”, em mais um Almoço-Debate. O evento será realizado no dia 17 de outubro, das 12h às 14h30, no Tangaroa Garden em Taubaté, sob o comando do Presidente da unidade, Marco Fenerich.

Na ocasião, o ex-Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e presidente do Conselho da BRF falará sobre as expectativas e projeções do cenário econômico nacional, uma vez que o retorno dos indicadores positivos à economia injetaram ânimo nas empresas e indicam a volta da aceleração do crescimento e dos investimentos. “Uma oportunidade ímpar para os empresários locais, que terão acesso às informações exclusivas e importantes para as tomadas de decisão do próximo ano”, completa Marco Fenerich, presidente da unidade.

Luiz Fernando Furlan assumiu sua função no LIDE em 1º de outubro de 2015 e, desde então, vem contribuindo com expertise e o fomento do relacionamento nacional e internacional do grupo. “Participei da gênese do LIDE em 2003. Para mim, é um orgulho ver o crescimento do Grupo e fazer parte dele. Tenho aceitado diversos desafios com o objetivo de compartilhar experiências e contribuir com a expansão do LIDE”, afirma Furlan, que acumula a posição de presidente do LIDE INTERNACIONAL, hoje com 15 unidades no Brasil e outras 15 no exterior.

Pela primeira vez em Taubaté, o encontro deve reunir cerca de 80 CEO’s de empresas do Vale, além de autoridades, imprensa e convidados de forma exclusiva. Outros eventos são previstos até o fim do ano.

Fonte: Pilares Relações Públicas – Mariana Guedes