Artigo trata do uso de robôs

Você será substituído por um robô?
*Por Ronaldo Cavalheri

Você será substituído por um robô? Essa é uma pergunta que muitos profissionais se fazem ou que deveriam começar a pensar a respeito. O mundo passa por grandes transformações desde a revolução rural, onde tudo era mais controlável e previsível. Passamos pela era industrial, onde máquinas entraram em cena com uma produção abundante. Veio a era digital onde a informação e a conectividade impulsionaram ainda mais o consumismo. São evoluções naturais que impactam o mercado de trabalho. E agora estamos vivendo uma mudança de era, na qual começamos a passar por uma revolução exponencial, porém mais acelerada, com tecnologia de ponta disponível. Termos como computação em nuvem, IoT, Big Data, robótica, inteligência artificial, impressão em 3D e nanotecnologia se tornaram comuns no nosso dia a dia. Mas como isso vai impactar na vida dos profissionais?

Uma coisa é certa, nos próximos anos teremos muitas e rápidas mudanças. Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Mais da metade das funções hoje exercidas pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão bastante curiosa é do Fórum Mundial Econômico que diz que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem. Crianças em idade escolar sendo preparadas para algo que ainda não sabemos como será. Temos um futuro cheio de incógnitas em relação ao que irá acontecer com os profissionais. Quais serão as profissões do futuro? O ser humano terá espaço? Como os profissionais devem se preparar para tudo isso?

Não me arrisco a dizer quais serão as profissões mais requisitadas, pois elas ainda não existem. Porém, com toda a certeza me arrisco a dizer quais serão os profissionais mais requisitados pelo mercado. Parece complexo, mas a resposta é muito simples. Todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os profissionais mais disputados serão aqueles com características inerentes dos seres humanos como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. Estou falando de soft skills, que são as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI. Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível. Estou falando de um cenário muito mais inteligente. O que é desafiador e prazeroso o homem faz, o contrário será direcionado para um robô.

Ronaldo Cavalheri, autor deste artigo

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, mas para isso é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências. É preciso viver experiências diferentes.

Em um trabalho voluntário é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo. Ou até mesmo em uma formação para chef de cozinha você vive experiências na qual ajudam a desenvolver suas características de líder e de trabalho em equipe. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, as pessoas devem assumir o que de fato é da sua natureza. Somos dotados de uma grande capacidade de criar e de se reinventar. Pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. Naturalmente essa mudança trará perdedores e ganhadores. Meu papel aqui é a provocação para que todos enxerguem essa necessidade e tenham atitude para serem ganhadores. Não devemos temer as máquinas, e sim usá-las a nosso favor. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai ser substituído por um robô?

*Ronaldo Cavalheri é Engenheiro Civil, Diretor do Geral do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba.

Debate-almoço do LIDE

Empresários da região tem encontro marcado com Ex-Ministro do Desenvolvimento e Chairman do LIDE em Almoço-Debate

O Presidente do LIDE Internacional e Chairman Of the Board do LIDE, Luiz Fernando Furlan, vem a região como convidado do LIDE Vale do Paraíba para falar sobre “O Brasil Pós-Crise”, em mais um Almoço-Debate. O evento será realizado no dia 17 de outubro, das 12h às 14h30, no Tangaroa Garden em Taubaté, sob o comando do Presidente da unidade, Marco Fenerich.

Na ocasião, o ex-Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e presidente do Conselho da BRF falará sobre as expectativas e projeções do cenário econômico nacional, uma vez que o retorno dos indicadores positivos à economia injetaram ânimo nas empresas e indicam a volta da aceleração do crescimento e dos investimentos. “Uma oportunidade ímpar para os empresários locais, que terão acesso às informações exclusivas e importantes para as tomadas de decisão do próximo ano”, completa Marco Fenerich, presidente da unidade.

Luiz Fernando Furlan assumiu sua função no LIDE em 1º de outubro de 2015 e, desde então, vem contribuindo com expertise e o fomento do relacionamento nacional e internacional do grupo. “Participei da gênese do LIDE em 2003. Para mim, é um orgulho ver o crescimento do Grupo e fazer parte dele. Tenho aceitado diversos desafios com o objetivo de compartilhar experiências e contribuir com a expansão do LIDE”, afirma Furlan, que acumula a posição de presidente do LIDE INTERNACIONAL, hoje com 15 unidades no Brasil e outras 15 no exterior.

Pela primeira vez em Taubaté, o encontro deve reunir cerca de 80 CEO’s de empresas do Vale, além de autoridades, imprensa e convidados de forma exclusiva. Outros eventos são previstos até o fim do ano.

Fonte: Pilares Relações Públicas – Mariana Guedes

Mais uma do Projeto Empreende

Oficina “Ganhe Mercado” será apresentada para empresário e empreendedores na ACIT

No próximo dia 5 de outubro, quinta-feira, às 18h30, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realiza a oficina “Ganhe Mercado”, dentro do Projeto Empreende, desenvolvido em parceria com o SEBRAE.

Voltada para empresários e empreendedores, o curso traz como foco ensinar as empresas a vender mais e sensibiliza o participante para a utilização de alguns conceitos de marketing na gestão do negócio, visando o posicionamento correto da empresa no mercado e a adequação do produto, ponto, preço e promoção, de acordo o público.

Nesse mesmo dia, das 14h às 17h, acontece também a Oficina Fluxo de Caixa.

Ambas são oferecidas de forma gratuita pela ACIT e acontecem no auditório da instituição. As inscrições podem ser feitas pelo telefone (12) 3621-5223 ou pelo site www.agenda.sebraesp.com.br.

Fonte: AconteceComunicação e Eventos

Conheça o Empresômetro

Empresômetro oferece informações sobre o mercado em tempo real

Com metodologia diferenciada e atualização constante de dados, empresa oferece ferramentas que auxiliam os empresários a terem mais assertividade

As dificuldades enfrentadas pelos empresários na hora de identificar novos clientes, quando se trata de Business to Business (B2B, relação em que o público-alvo é uma empresa, e não o consumidor final) recai na falta de informações técnicas suficientes para que se atinjam as metas e novos mercados sejam descobertos. Buscando alimentar essas empresas é que nasceu o Empresômetro. A iniciativa partiu da visão do empresário e hoje diretor executivo do empreendimento, Otávio Amaral.

O projeto Empresômetro foi gerado dentro do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, tradicional instituto e referência em projetos sociotecnológicos na área tributária e fiscal. “Inicialmente o projeto se mostrou um verdadeiro censo das empresas e entidades públicas/privadas atuantes no mercado nacional, capaz de contabilizar em tempo real o número de novas empresas e apresentar estatísticas atualizadas por setor, atividade, tipo jurídico, estado, cidade, matrizes e filiais”, conta Amaral.

Vislumbrando a mercantilidade e a necessidade cada vez mais pujante do empresariado brasileiro pela capacidade de mapear mercado, reduzir o tempo de captação de clientes, fornecimento de informações fidedignas, o Empresômetro se tornou uma organização a parte do IBPT. “Hoje somos uma equipe que trabalha exclusivamente com a inteligência de mercado, oferecendo soluções como o Empresômetro Listas, além de consultorias mais detalhadas como Estudos e Pesquisas de Mercado, e listas de empresas que compõem nossas Prospecções Qualificadas, de acordo com a necessidade do cliente”, destaca Otávio.

Com sede na capital paranaense, conta com equipe altamente qualificada, que gerencia incessantemente as informações obtidas, muitas vezes, através de requisições aos órgãos relacionados às matérias fiscais e tributárias.

Utiliza metodologia IBPT, no cruzamento de informações empresariais com dados fiscais e tributários, inovando num mercado em que poucos detêm o know-how para trabalhar com inteligência de mercado. “Sendo uma spin off do IBPT, usou-se muito da experiência do Instituto para se chegar a um método e modelo de trabalho que sempre forneça as informações atualizadas acerca do mercado brasileiro, e de forma personalizada. Buscamos oferecer aos nossos clientes toda a precisão de informações qualificadas, pois entendemos que assim, o mercado aquece, as empresas crescem e o país se desenvolve”, informa o empresário.

Com a missão de oferecer sempre as mais sofisticadas soluções ao mercado B2B, visando potencializar a competitividade empresarial no Brasil, sempre pautada pela excelência, respeito, ética moral, sustentabilidade e responsabilidade social.

Tratando de responsabilidade social, o Empresômetro tem sua parcela. É apoiador de diversas causas, além de apoiar diretamente o Instituto Amigas dos Sonhos, entidade que realiza os sonhos de crianças, mulheres e idosas em situação de vulnerabilidade. Outra iniciativa apoiada pela empresa é a campanha “Contrate um Desempregado”.

Com mais de 21 milhões de empresas cadastradas nas bases de dados do Empresômetro, estes atualizados a todo momento, é uma empresa sem igual no mercado, com toda a expertise de uma equipe renomada e multidisciplinar, em que o objetivo maior, é o fomento da economia e o avanço da Inteligência de mercado no país.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 2117-7300 ou pelo site WWW.empresometro.com.br.

Fonte: Descomplica Agência de Mídias

Oportunidades de negócio através da economia criativa

A Economia Criativa e as oportunidades de mercado

*por Ronaldo Cavalheri

O Brasil é o quarto consumidor de jogos digitais do mundo, sendo um importante empregador de mão de obra especializada e se fixando como um mercado bilionário, com expetativa de crescimento de 13,5% ao ano, segundo pesquisa encomenda pelo BNDES. Com mais de 60 milhões de usuários, esse mercado vem ampliando o seu perfil de consumo, que até então era em sua grande maioria de público jovem masculino e hoje já conquista mulheres, crianças e idosos. Muito disso se explica pela facilidade de acesso aos smartphones e as redes sociais, além é claro da utilização de games em muitas outras áreas como na educação, nos negócios e na medicina, não sendo mais uma exclusividade voltada apenas ao entretenimento.

Ronaldo Cavalheri Diretor Geral do Centro Europeu

Outro mercado em ascensão é do audiovisual. Em 2011, foi regulamentada pelo Congresso Nacional a Lei 12.485, que determina a veiculação de conteúdos nacionais e inéditos na programação das televisões por assinatura. Com isso, além de valorizar a cultura local a produção audiovisual no Brasil, o segmento ganhou ainda mais espaço e já se posiciona a nível global como a 12ª maior economia nesse mercado que corresponde por 0,57% do PIB brasileiro. Em pesquisa realizada pela Ancine, foi apontado um crescimento de 65,8% entre os anos de 2007 e 2013, um salto de R$ 8,7 bilhões para R$ 22,2 bilhões, uma evolução bem superior aos outros setores da economia.

E liderando o ranking de crescimento no Brasil, temos a indústria da moda. Nos últimos 10 anos, o varejo de moda fez com que o país saltasse da sétima posição para a quinta no ranking dos maiores consumidores mundiais de roupas. Uma pesquisa realizada pela A.T. Kearney, renomada empresa de consultoria empresarial norte-americana, aponta uma arrecadação de US$ 42 bilhões em vendas, sendo que 35% é através de capturas online, sendo facilmente explicado pelo poder de influência das redes sociais e blogs de formadores de opinião dessa área.

O mercado dos Jogos Digitais, do Audiovisual e da Moda são apenas três exemplos dos 13 segmentos que englobam o que chamamos de Economia Criativa. Um setor da economia que vem ganhando destaque e driblando o cenário atual de crise pelo qual o Brasil vem passando. São empresas que se destacam pelo talento e pela capacidade intelectual de seus empreendedores e funcionários, e que não dependem do tamanho da sua estrutura ou de quanto tem de capital.

O Brasil, de certa forma, vem dando seus primeiros passos para se fixar nessa economia. Países como EUA, China e Inglaterra já se consolidaram e juntos já correspondem a 40% da economia criativa global. Muitas cidades no Brasil já possuem iniciativas de estimulo à Economia Criativa, como por exemplo, Recife, Porto Alegre e São Paulo. A cidade de Curitiba, também, se destaca como uma das mais atuantes, e por meio da Agência Curitiba de Desenvolvimento, circula por todo o ecossistema que engloba a economia criativa, conectando coworkings, startups, iniciativas públicas e privadas e estimulando o empreendedorismo de alto impacto.

A Economia Criativa, que hoje já apresenta uma média de remuneração superior a outros setores, será um dos grandes empregadores em um futuro breve. E as cidades que enxergarem essa oportunidade, sairão na frente. O olhar sobre a formação de seus jovens, que é a geração que mais impulsiona esse mercado, é um fator decisivo para o melhor aproveitamento de uma fatia do mercado na qual o maior recurso é o potencial criativo.

*Ronaldo Cavalheri é Coaching de Negócios Criativos, mentor do Projeto Jovem Empresário e Diretor Geral do Centro Europeu – escola pioneira em Economia Criativa no Brasil.

Fonte: P+G Comunicação Integrada – Eduardo Betinardi

4º edição da China Machinex e China Homelife

Associados ACIT visitam feira especializada em São Paulo

Na última quarta-feira, 20 de setembro, cerca de 42 associados e integrantes da diretoria da ACIT (Associação Comercial e Industrial de Taubaté), tiveram a oportunidade de visitar a 4º edição da China Machinex e China Homelife, atualmente o maior evento de networking com fornecedores chineses no Brasil, com mais de 1500 expositores.

Os visitantes puderam conhecer produtos como máquinas para a indústria, acessórios e ferramentas, eletricidade e novas energias, que atendem os diversos setores, cuja qualidade é comprovada por certificados internacionais. O evento é uma grande oportunidade para os empresários conhecerem o que o mercado internacional está ofertando, os lançamentos de produtos e as ofertas especiais.

A visita à China Machinex foi oferecida pela ACIT de forma gratuita aos associados. A Associação acompanha o calendário das variadas feiras que acontecem, dos diferentes setores, para organizar a visita dos associados, oferecendo à eles a oportunidade de se atualizar e trazer, em primeira mão para Taubaté, todas as novidades e tendências apresentadas no mercado.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Cresce o número de franquias em shoppings do Vale do Paraíba

Via Vale Garden Shopping tem 48% do mall ocupado por franquias que oferecem estrutura e modelo de negócio pronto

Abrir uma franquia nem sempre é fácil, mas essa escolha pode trazer diversos benefícios para o franqueado. Franquias geralmente oferecem toda uma estrutura que facilita muito a abertura do negócio. E esse fator é um dos responsáveis pelo crescimento do número de franquias abertas na região do Vale do Paraíba no primeiro semestre de 2017. Segundo dados da ABF (Associação Brasileira de Franchising) esse número deu um salto de 9% em relação ao mesmo período do ano passado, subindo de 1.432 unidades para 1.563.

E os estabelecimentos que geralmente reúnem um maior número de franquias são os Shoppings Centers. No Via Vale Garden Shopping, em Taubaté, 48% das lojas instaladas no mall são franquias. “Vemos que os empresários procuram por essa opção por ser um modelo pronto de negócio. Geralmente a franquia oferece toda uma estrutura que ajuda o franqueado a se estabelecer mais rápido no mercado. Além de trabalhar com uma marca que já é conhecida, o que também ajuda a alavancar mais rápido as vendas”, é o que explica Renato Gonçalves, Superintendente do Garden.

O setor de alimentação é o que reúne mais franquias, com 31% do total. Na sequência vem o segmento de saúde, beleza e bem-estar, com 16%, e de serviços educacionais, que representa 14% do mercado. No Via Vale Garden Shopping, o setor de alimentação predomina a parte de franquias do empreendimento. “Dentre as nossas operações, as lojas de alimentação tem um bom desempenho e ocupam a maior porcentagem do nosso número de franquias”, completa Renato.

Ainda segundo a ABF, o setor que mais se destacou no primeiro semestre de 2017 foi o de hotelaria e turismo, que teve um ano de 2016 difícil e conseguiu se recuperar, crescendo 10,1%. Outro segmento com bom desempenho foi o de saúde, beleza e bem-estar, que mostrou variação de faturamento de 9,4%.

Fonte: Pilares Relações Públicas – Mariana Guedes

Lide reuniu empresários em evento

LIDE Vale do Paraíba recebeu empresários da região na última quinta-feira em uma noite de luxo e networking

Carlos Ferreirinha Foto: Diego Migotto

Em meio à carros de luxo e muito glamour, o LIDE Vale do Paraíba (Grupo de Líderes Empresariais) recebeu ontem (14) Carlos Ferreirinha, principal formador de opinião e especialista sobre a Inteligência da Gestão do Luxo e Premium na América Latina, para falar sobre “LUXO: O Mercado sem crise”, no Workshop LIDE Vale do Paraíba. O evento reuniu empresários da região na Osten Jaguar Land Rover em São José dos Campos, sob o comando do Presidente da unidade, Marco Fenerich.

Marco Fenerich, Carlos Ferreirinha e Fábio Gomes
Foto: Diego Migotto

Ferreirinha compartilhou com os presentes as novas expectativas do segmento, bem como o novo perfil de clientes, formas e influências de consumo. O evento reuniu mais de 70 CEO´s de empresas do Vale do Paraíba, imprensa e convidados em uma noite especial.

“Foi uma noite muito especial com conteúdo riquíssimo e momentos marcantes. Ferreirinha, brilhantemente, compartilhou com o LIDE Vale do Paraíba toda a sua expertise, mostrando inclusive como o luxo conversa com os valores dos novos tempos. Uma noite de muita elegância, experiência e networking”, completa Marco Fenerich, presidente da unidade local e empresário de comunicação.

Paulinho Peres, Marco Fenerich, Marcelo Pimentel, Carlos Ferreirinha, Eduardo Enari e Álvaro Canineo
Foto: Diego Migotto

Participaram ainda do workshop, o arquiteto Paulinho Peres, proprietário da Paulinho Peres Group, um dos mais renomados nomes da arquitetura e design brasileiro, além do Diretor da Osten Group, Fábio Gomes. O primeiro Workshop LIDE Vale do Paraíba teve patrocínio da Jaguar Osten Land Rover e apoio da MBM Business School.

Nova filiação
Durante o workshop, o presidente da unidade ressaltou ainda às boas vindas a mais nova empresa filiada ao grupo. A Sicredi chega para compor o hall de grandes empresas filiadas ao LIDE Vale do Paraíba com o objetivo de agregar relacionamento.

A assinatura da filiação se deu no palco do evento com a presença do Presidente Luiz Hoflinger, com participação do Comitê de Gestão.

Fonte: Pilares Relações Públicas – Mariana Guedes

ACIT traz curso de marketing

Projeto Empreende ACIT traz curso “Na Medida: Marketing”

Na próxima semana, o Projeto Empreende, desenvolvido pela Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) em parceria com o Sebrae, traz mais uma excelente oportunidade para os empresários da cidade, o curso “Na Medida: Marketing”.

A intenção de trazer esse tema para ser discutido na ACIT é desmitificar o entendimento do marketing e apresentar ferramentas para sua utilização de forma mais assertiva nas organizações. Além disso, as instruções visam oferecer maior facilidade para os alunos desenvolverem e elaborarem um plano de marketing viável para ser aplicado em seus negócios, independente da área de atuação, pois o marketing atende qualquer setor produtivo.

O curso acontece no auditório da ACIT de 18 a 21 de setembro, somando 16 horas/aula, sempre das 18h às 22h.

As vagas estão abertas, mas são limitadas. Associados ACIT tem desconto e facilidades no pagamento. As inscrições podem ser feitas pelo email cursos.acit@taubate.com.br ou pelos telefones (12) 2125-8201 e 99189-7964.

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté trabalha sempre com foco na consolidação do comércio local, prestação de serviços e indústria, buscando excelência em seus produtos para manter a cidade como referência na região e fazer com que a economia local seja fortalecida.

Sherlock conecta dispositivo antifurto de bicicletas em rede global de IoT da Orange Business Services

Orange fornece à Sherlock conectividade contínua

A Sherlock, startup de segurança de bicicletas com sede em Turim, na Itália, assinou um acordo com a Orange Business Services para suportar seus negócios globais de conexões de IoT e um portal de gerenciamento, pelos próximos três anos.

A Sherlock usará cartões SIM integrados da Orange na sua solução antifurto para bicicletas baseada em IoT, que está sendo lançada na Europa e na América do Norte. A solução conta com um pequeno dispositivo projetado para ser escondido no guidão de qualquer bicicleta e um aplicativo móvel. O dispositivo integra um módulo GPS para localização, um módulo GPRS para conectividade e um Bluetooth de baixo consumo. Ele vem com dois anos de conectividade de rede incluída no preço de compra.

Uma vez instalado, o dispositivo é praticamente impossível de detectar e não altera o design da bicicleta. Ele também funciona como um identificador exclusivo para a bicicleta, graças ao seu “passaporte de bicicleta”. Esse documento digital foi pensado em conjunto com a Polícia da Cidade de Turim e contém todos os elementos necessários para comprovar a propriedade da bicicleta.

Quando o módulo é ativado via Bluetooth, o proprietário recebe uma notificação em tempo real no seu smartphone caso a bicicleta seja movida ou violada. Além disso, os proprietários podem acompanhar a localização da bicicleta e fornecer para as autoridades acesso temporário às informações por meio de um código de rastreamento exclusivo.

Conectividade robusta e confiável

Os dispositivos antifurto são vendidos diretamente aos consumidores que os ativam por meio do aplicativo, realizando uma instalação rápida e fácil em suas bicicletas. Os cartões SIM da Orange são instalados nos módulos durante a produção e testados antes do envio. A conectividade mundial fornecida pela Orange permite que o dispositivo de segurança funcione ‘fora da caixa’, com roaming entre diferentes redes para uma conexão sempre adequada.

“A ideia do Sherlock nasceu depois do roubo de uma bicicleta. O Sherlock estabelece uma conexão direta entre a bicicleta e seu dono, dando à bicicleta a chance de ‘pedir ajuda’. A Orange Business Services nos ajudará a proporcionar aos ciclistas a paz de espírito que eles merecem, graças à sua conectividade robusta e confiável, disponível em todo o mundo “, diz Pierluigi Freni, CEO da Sherlock.

“Nos últimos anos a popularidade do ciclismo cresceu, o que levou ao crescimento do mercado de bicicletas. Os carros tiveram dispositivos antifurto por muitos anos, mas até agora, a indústria de bicicletas estava atrasada em relação a eles. Com o Sherlock, os ciclistas não precisarão mais se preocupar em ter sua bicicleta cara roubada. A colaboração da Orange com a Sherlock prova como a transformação digital pode ser uma força disruptiva, que cria novos serviços que respondem às mudanças das necessidades e expectativas das pessoas “, diz Fabrice de Windt, vice-presidente sênior da Europa da Orange Business Services.

Fonte: AboutCom – Danilo Fernandez