O humano mesmo no digital

A transformação é digital, mas o fator ainda é humano

por Federico Grosso*

Quando se fala em transformação digital – já há algum tempo -, o uso e implementação das tecnologias em voga são rapidamente associados e dados como passos principais. No entanto, passada a fase do buzz inicial em torno do tema, as empresas vêm, mais recentemente, sendo pressionadas para efetivamente fazer a grande virada e executar suas estratégias de transformação. Muitas ainda nem começaram. Tantas outras se perderam no caminho.

Passou da hora de entender o porquê. E me arrisco a dizer que grande parte do problema é o não entendimento da força motriz de qualquer processo real de transformação: as pessoas. Mais precisamente no mundo corporativo: a força de trabalho.

No entanto, esta outra metade da equação é bastante complexa. Consiste em atrair as pessoas certas e prepará-las para o futuro – algo que, a exemplo de investimentos em recursos tecnológicos, devem ser grandes prioridades para os líderes. Sempre me surpreendo com o esforço que as marcas fazem ao investir na escolha de tecnologias, sem pesar o impacto do talento na execução de todo o grande plano.

A estratégia de talentos e de negócios: paralelas e perpendiculares

Uso aqui nosso próprio exemplo. A Adobe de hoje não existia há sete anos. Todos se lembram: vendíamos caixas com softwares, com atualizações a cada 12 ou 18 meses. Queimamos nossos próprios barcos para fazer a virada. Fomos sinceros com nós mesmos e com o mercado. Sabíamos que seria uma transformação complexa e isso exigiu mudanças em toda a organização, envolvendo estrutura, habilidades e competências.

Os números de evolução do negócio vieram antes do previsto. Foi uma mudança cultural. Foi uma mudança liderada por pessoas e para pessoas.

Muitas vezes, seguir o caminho da transformação não significa uma correção de rumo, mas sim a evolução diante das tendências que se apresentam e visão de futuro. O exercício fiscal de sua empresa pode ter encerrado o ano com números incríveis em todas as linhas, mas não se pode fechar os olhos para o que está por vir. Ou de como o que está por vir pode representar ainda mais ganhos para todo o ecossistema da companhia.

Embora as decisões de tecnologia de uma organização geralmente sejam da TI ou do CTO, as pessoas que mais as sentem – os usuários – nem sempre têm clareza ou visão do que se espera delas – uma vez que é da natureza humana evitar a mudança. Mudar é difícil – ainda que essencial para a sobrevivência de muitas marcas. Mexe com a cultura da empresa. Com o mercado. Com pessoas. E é aí que está o real desafio de conduzir a transformação digital.

Internamente, precisamos fornecer aos colaboradores o conhecimento e as habilidades necessárias para dar vida à estratégia comercial. Como gestor de um time, é preciso continuamente mostrar o cenário completo e o caminho a ser seguido até que todos, inclusive os gestores, perguntem-se: “como estou trabalhando coletivamente para chegar lá?”

O poder das redes

Pessoas engajam pessoas, por isso identifique quem são os primeiros simpatizantes da transformação dentro da organização e dê voz a eles. Uma ideia pode até ocorrer em silos, mas a mudança é moldada e efetiva quando espalhada em redes. Elas ajudarão a impulsionar a mudança e podem mostrar na prática o que a estratégia organizacional geral significa. Além disso, esteja ciente de que uma pequena porcentagem de indivíduos “pessimistas” pode inviabilizar a capacidade de uma organização de seguir uma nova direção. Se você consegue de 80% a 90% do time apoiando a mudança, ótimo, mas há uma parte de sua força de trabalho que nunca chega lá.

Storydoing > Storytelling

Recentemente, em nosso evento anual de Digital Marketing – o Adobe Summit – tive o prazer de ouvir do Jensen Huang, CEO da Nvidia, no palco, uma frase inspiradora: “não há outro caminho para a transformação do que arregaçar as próprias mangas”. Se como dito acima, ‘pessoas engajam pessoas’, os líderes são peças fundamentais nesse processo.

Eles são o exemplo

Um estudo recente da Wunderman descobriu que apenas 42% das pessoas dentro das organizações se veem como transformadoras, o que, em outras palavras, significa que apenas uma parcela menor de pessoas se sente à vontade para experimentar coisas novas e assumir riscos. Além disso, 72% das organizações não sacrificam benefícios de curto prazo para ganhos de longo prazo. Então, isso levanta a questão: “como você mantém os funcionários envolvidos? Como você os lidera para a transformação?”

As empresas que já estão no mercado há algum tempo, que viram dias bons e dias ruins, estão bem posicionadas para ver quando e onde a mudança é necessária. Geralmente, a maneira de manter os colaboradores engajados é garantir que eles estejam construindo uma cultura que pode mudar, mas os valores permanecem os mesmos, pois empresas que duram muito tempo estão realmente se mantendo fiéis a seus valores centrais.

As marcas também precisam construir uma cultura que abrace a diversidade e a inclusão, porque trazer perspectivas diferentes será a chave para o sucesso de uma empresa. Como temos uma grande variedade de clientes, também precisamos de uma grande variedade de pessoas, sendo que diversidade e inclusão dizem respeito a todos. Todos devem sentir que têm a oportunidade de participar. E é preciso haver sistemas e processos para permitir que todos participem.

Transformar é penoso. Leva tempo. Se o ‘x’ da questão é descobrir as tecnologias emergentes que melhor se encaixam para o negócio, o ‘y’ é a força de trabalho. Sem o componente humano, a conta nunca fecha.

*Federico Grosso é vice-presidente e diretor geral da Adobe para a América Latina.

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Tecnologias, comunicação, empresas, clientes e eficácia

Tecnologias tornam a comunicação entre empresas e clientes mais eficaz mesmo em momentos de crise

* Por Cassio Bobsin

Em momentos de graves crises, a comunicação pode se perder em meio ao caos, gerado principalmente pela falta de informação qualificada e preocupação quanto aos seus impactos. Na última greve que o País enfrentou, a paralisação dos caminhoneiros por dez dias, houve desabastecimento em vários setores e um impacto de R$ 280 milhões no comércio eletrônico, de acordo com a consultoria Ebit. Impressionante, não? E observe que estou falando apenas do universo online.

Imagem: Pixabay

Pensando de forma mais ampla e ainda considerando a recente greve para isso, vale destacar que não só negócios foram afetados, mas a rotina da população também foi modificada. Muitas pessoas não conseguiram chegar ao trabalho por falta de transporte ou combustível – a Prefeitura de São Paulo, por exemplo, suspendeu o rodízio no dia 24 de maio devido à redução de 40% na frota -, atividades produtivas em montadoras foram afetadas e entregas foram suspensas pelos Correios, o que ainda gera insegurança próximo a uma data bem importante para o comércio eletrônico: o Dia dos Namorados.

Uma situação como a que vivemos é de extrema complexidade e requer a devida atenção, principalmente no que diz respeito ao atendimento aos cliente. Mais do que nunca, é imprescindível que as empresas adotem uma comunicação transparente, simples e eficaz com os seus consumidores em todos os canais disponíveis, seja no envio de mensagens, no site da companhia ou nas redes sociais.

As marcas também precisam ter em mente que, hoje, o mobile é o canal preferido dos clientes para se comunicar com as empresas, algo já comprovado por estudo global da Deloitte. É fácil entender essa preferência olhando dados recentes da FGV, que identificou que há no Brasil mais de um smartphone por habitante (somos mais de 207 milhões, de acordo com o IBGE).

Imagem: Pixabay

Por isso, as tecnologias feitas para os smartphones são fundamentais na comunicação de qualquer marca, ainda mais em momentos de greve. Em qualquer necessidade de negócio, o SMS e os chatbots saem em disparada, podendo evitar recompras, logística reversa e outras situações dolorosas para empresas e clientes.

O SMS pode ser implementado em minutos e tem 98% das mensagens lidas em até 2 minutos. Além disso, é uma solução de fácil utilização, não depende do pacote de dados ou de conexão e pode ser aplicada a diversos usos como, por exemplo, confirmação de consultas, horário de aula, posição de mercadoria, horário de funcionamento ou disponibilidade de produto, dentre outras muitas aplicações.

Já o chatbot é capaz de automatizar tarefas e trazer resoluções rápidas em uma conversa simples e natural com o cliente, por texto ou voz, em uma interface de chat online. A tecnologia é comum em plataformas digitais, como o Facebook Messenger, mas também pode ser aplicada a sites e plataformas personalizadas, com a identidade da empresa. E se a dúvida ou informação pedir um atendente humano, o transbordo é imediato.

Agilidade, disponibilidade e economia são outros grandes diferenciais, tanto do SMS quanto do chatbot que, combinados, garantem mensagens com performance e alcance ainda maiores. Assim, atualmente, são tecnologias de grande valor para o dia a dia de um negócio.

Com essas tecnologias, as empresas não só estreitam o relacionamento com o consumidor, mas garantem o fluxo de comunicação também em situações adversas.

* Cassio Bobsin é CEO da Zenvia, empresa líder em soluções conversacionais no Brasil

Fonte: Grupo RMA

Transformação digital e a produtividade em vendas

Aumentando a produtividade de vendas com a Transformação Digital na indústria de Bens de Consumo

* por Sandra Vaz

A Transformação Digital nasce com a adoção de novas tecnologias. Novas máquinas, IoT, IA, robots e softwares representam o primeiro passo. O segundo é envolver seus colaboradores dentro da nova realidade. Quando estamos falando da equipe de vendas, esse é um ponto ainda mais crucial.

Aumentar a produtividade em vendas é provavelmente o sonho de 10 em 10 CEOs. O crescimento em vendas é o termômetro do sucesso de uma organização, é um tema para o qual todos olham e lutam pelo crescimento. Já a produtividade é a capacidade de, com os mesmos recursos, melhorar os resultados obtidos, a margem da empresa e a Transformação Digital é um passo decisivo para essa conquista.


Sandra Vaz, Chief of Sales & Marketing da MC1

Mas quais são os impactos desse novo momento para a área de vendas? Os primeiros reflexos são, certamente, os clientes e os vendedores. Com os avanços das tecnologias, cada um deles adquire uma nova postura. Os consumidores de hoje são pessoas empoderadas, que estudam sobre seu produto de desejo na Internet e muitas vezes chegam até as lojas já com todas as informações necessárias para concluir sua compra. Eles conhecem os produtos da concorrência e lutam pelos seus direitos. Nesse cenário, os vendedores precisam estar preparados para lidar com clientes bem informados e com pouco tempo para tomar decisões.

Por outro lado, as empresas e seus vendedores também possuem informações valiosas sobre seus clientes. Através de tecnologias como big data e redes sociais, os clientes estão muito mais abertos para receber e também ceder suas informações. Na busca por uma verdadeira experiência do usuário, o cliente permite acesso aos seus perfis nas redes, dados demográficos e muito mais.

As empresas e lojas, principalmente através do CRM, conseguem traçar facilmente o perfil de cada indivíduo e ter informações como a frequência das compras, preferências de marca, etc. Os dados não são captados apenas no momento final da compra. Isso prova que, com a Transformação Digital, o processo de venda foi fragmentado, dividindo-se a responsabilidade com mais áreas da empresa, e não apenas com a equipe de vendas. O Marketing, a Logística, o Pós-Venda: tudo tem reflexos importantes no momento da venda, pois geram dados e insights poderosos para gerar uma nova venda com menos esforço e mais assertividade. Isso aumenta a produtividade sem necessariamente aumentar os custos.

Sempre com o apoio dos dados coletados, o vendedor consegue conhecer a fundo o comportamento do mercado, a jornada de compra do seu cliente e até mesmo algumas de suas informações pessoais e preferências. Cabe ao profissional aprender a utilizar esses dados para otimizar seus processos, aumentando suas vendas.

Com o desenvolvimento tecnológico, teremos ainda mais pontos de coletas de dados durante a cadeia de conhecimento, interesse e compra do cliente. Com a interpretação correta dessas informações, as empresas saberão exatamente quando o cliente precisa realizar uma nova compra, pois seu perfil já terá sido estudado e suas necessidades e dores já são conhecidas. Hoje, as empresas já conseguem trabalhar com análise preditiva de dados. Em pouco tempo, acredito que teremos números surpreendentes e uma produtividade recorde para as equipes de vendas através da inteligência artificial, imagem e voice recognition. Os ganhos passarão facilmente da ordem dos bilhões.

A Transformação Digital representa um ganho em produtividade sem precedentes para qualquer negócio. Não basta apenas conhecer as novas técnicas e receber os novos dados: é preciso redesenhar processos e aplicar as diferentes soluções e plataformas, integrando-os à rotina de suas equipes. Para isso, um bom caminho é consultar empresas especialistas no assunto. A adoção das mais recentes tecnologias pode necessitar de treinamento inicial , mas profissionais com experiência nesse tipo de implantação poderão testemunhar sobre todas as suas vantagens. A transformação começa no digital, se torna real dentro da cultura da empresa e gera resultados formidáveis e sustentáveis quando bem aplicada.

Sandra Vaz é Chief of Sales & Marketing da MC1, multinacional brasileira especializada em inteligência de vendas utilizando soluções de mobilidade corporativa. Presente em mais de 21 países com um portfólio completo para força de vendas e trade marketing suporta cerca de 50 mil usuários e é apontada pelo Gartner como líder na América Latina “Market Guide for Retail Execution and Monitoring Solutions for the Consumer Goods Industry“. Mais informações no site: www.mc1.com.br

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Infográfico mostra desafios da comunicação interna

2018: Desafios da comunicação interna nas empresas

Quais são os principais desafios da comunicação interna numa empresa? Por que é tão importante investir nesse setor? Não é novidade para ninguém que comunicação é essencial para uma empresa! Mas será que ela é bem aproveitada dentro das empresas? Para saber mais sobre os desafios que todas as empresas vão passar no que diz respeito a comunicação interna , o Contact Telecom preparou um infográfico mostrando aqui os desafios mais enfrentados por colaboradores da área e como melhorar afim de obter o sucesso da sua empresa ou corporação.

Veja o conteúdo a seguir:

Fonte: Assessoria de Imprensa Contact Telecom – Nayrison da Costa

Aplicativo “Boca a Boca” remunera pessoas por indicação de serviços e produtos que gerem vendas para as empresas

Projeto criado por mineiros já está no ar e garante renda extra para indicações que gerem novos negócios

Ganhar uma renda extra simplesmente por indicar um produto ou serviço! Isto é o que faz o aplicativo “Boca a Boca”, que remunera pessoas que indicam clientes para empresas e esta concretiza a venda por meio da indicação. Foi pensando nisso que o fundador Denis Miranda junto ao seu sócio Filipe Guedes criaram a nova ideia que já está em funcionamento e possui mais de 2 mil clientes cadastrados.

Da esquerda para direita – Filipe Guedes e Denis Miranda – Foto: Divulgação

Disponível nas lojas de aplicativo Google Play e Apple Store de forma gratuita, o Boca a Boca tem navegabilidade simples e é pioneiro ao remunerar em dinheiro quem o utiliza. Para utilizar o app, basta que o usuário baixe o aplicativo no seu celular, faça um cadastro e selecione a empresa que deseja fazer a indicação e informe os dados do indicado. A partir deste momento, o usuário acompanha em tempo real o status da negociação e, caso a venda seja convertida, o valor é depositado direto na conta do indicador, sem descontos e sem burocracia. A bonificação é definida pela empresa recomendada, mas o ticket médio é de R$40 por indicação que concretize em novo negócio.

A ideia de criar a plataforma surgiu em março de 2017, quando o sócio fundador Denis Miranda em busca de uma ferramenta para atrair clientes para seu call center de vendas de TV por assinatura, criou um programa interno de indicações. “Na época, os clientes que recomendassem novos compradores recebiam ate R$30,00 por indicação que concluísse em vendas. O próximo passo foi validar a ideia com outras empresas que prontamente a aderiram. Com mais instituições parceiras, convidei meu sócio Felipe Guedes que desenvolveu o app”, revela.

Com pouco tempo de funcionamento, o aplicativo já possui mais de 2 mil clientes ativos e 70 empresas cadastradas e aptas para serem indicadas. “Atualmente, temos três funcionários e dois sócios full life no projeto. Nosso objetivo é fechar 2018 com mais de 100 mil usuários, 3.000 empresas cadastradas e nos tornar a maior plataforma de marketing de indicação de Minas Gerais. E, no inicio do próximo ano, começaremos o projeto de expansão para todo o país”, conta Denis.

Cadastro de empresas parceiras

A empresa que deseja fazer parte do aplicativo “Boca a Boca” precisa preencher um formulário e pagar uma taxa anual de R$149,90. O valor da bonificação pago ao cliente indicador é definido por cada empreendimento, que faz diretamente o depósito em conta, sem intermediários. “É importante ressaltar que as empresas que comercializam produtos e serviços de valor agregado baixo ou produtos de varejo não têm perfil para utilizar nossa plataforma”, explica o sócio Filipe Guedes.

O app é um meio seguro e confiável de realizar negócios. “Atualmente, 92% da população mundial afirma confiar totalmente em indicações de amigos e familiares. Além disso, 77% dos consumidores se sentem motivados a comprar um novo produto quando este é indicado via ‘boca a boca’”, finaliza Filipe.

Fonte: Doizum Comunicações – Érika Costa

Celebra Formaturas abre vaga

Assistente de Marketing – Profissional de Relacionamento

Requisitos:
• Completo ou cursando (a partir do 5º semestre) os cursos em Relações Públicas ou Publicidade e Propaganda.
• Técnicas em atendimento
• Conhecimento intermediário em Excel
• Organizado (a)
• CNH B
• Disponibilidade para viagens

Funções:
• Realizar parcerias com outras empresas
• Contato com veículos de comunicação
• Buscar marcas para ativações em eventos
• Orçamentos em fornecedores

Diferencial:
• Conhecimento em softwares de edição de imagem e vídeo.

Remuneração: Informação via e-mail
Benefícios: VT + VR (Em dinheiro)
Pagamento extra por evento.

Enviar currículo somente via e-mail
nilton.comark@celebraformaturas.com.br

Debate-almoço do LIDE

Empresários da região tem encontro marcado com Ex-Ministro do Desenvolvimento e Chairman do LIDE em Almoço-Debate

O Presidente do LIDE Internacional e Chairman Of the Board do LIDE, Luiz Fernando Furlan, vem a região como convidado do LIDE Vale do Paraíba para falar sobre “O Brasil Pós-Crise”, em mais um Almoço-Debate. O evento será realizado no dia 17 de outubro, das 12h às 14h30, no Tangaroa Garden em Taubaté, sob o comando do Presidente da unidade, Marco Fenerich.

Na ocasião, o ex-Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e presidente do Conselho da BRF falará sobre as expectativas e projeções do cenário econômico nacional, uma vez que o retorno dos indicadores positivos à economia injetaram ânimo nas empresas e indicam a volta da aceleração do crescimento e dos investimentos. “Uma oportunidade ímpar para os empresários locais, que terão acesso às informações exclusivas e importantes para as tomadas de decisão do próximo ano”, completa Marco Fenerich, presidente da unidade.

Luiz Fernando Furlan assumiu sua função no LIDE em 1º de outubro de 2015 e, desde então, vem contribuindo com expertise e o fomento do relacionamento nacional e internacional do grupo. “Participei da gênese do LIDE em 2003. Para mim, é um orgulho ver o crescimento do Grupo e fazer parte dele. Tenho aceitado diversos desafios com o objetivo de compartilhar experiências e contribuir com a expansão do LIDE”, afirma Furlan, que acumula a posição de presidente do LIDE INTERNACIONAL, hoje com 15 unidades no Brasil e outras 15 no exterior.

Pela primeira vez em Taubaté, o encontro deve reunir cerca de 80 CEO’s de empresas do Vale, além de autoridades, imprensa e convidados de forma exclusiva. Outros eventos são previstos até o fim do ano.

Fonte: Pilares Relações Públicas – Mariana Guedes

Conheça o Empresômetro

Empresômetro oferece informações sobre o mercado em tempo real

Com metodologia diferenciada e atualização constante de dados, empresa oferece ferramentas que auxiliam os empresários a terem mais assertividade

As dificuldades enfrentadas pelos empresários na hora de identificar novos clientes, quando se trata de Business to Business (B2B, relação em que o público-alvo é uma empresa, e não o consumidor final) recai na falta de informações técnicas suficientes para que se atinjam as metas e novos mercados sejam descobertos. Buscando alimentar essas empresas é que nasceu o Empresômetro. A iniciativa partiu da visão do empresário e hoje diretor executivo do empreendimento, Otávio Amaral.

O projeto Empresômetro foi gerado dentro do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT, tradicional instituto e referência em projetos sociotecnológicos na área tributária e fiscal. “Inicialmente o projeto se mostrou um verdadeiro censo das empresas e entidades públicas/privadas atuantes no mercado nacional, capaz de contabilizar em tempo real o número de novas empresas e apresentar estatísticas atualizadas por setor, atividade, tipo jurídico, estado, cidade, matrizes e filiais”, conta Amaral.

Vislumbrando a mercantilidade e a necessidade cada vez mais pujante do empresariado brasileiro pela capacidade de mapear mercado, reduzir o tempo de captação de clientes, fornecimento de informações fidedignas, o Empresômetro se tornou uma organização a parte do IBPT. “Hoje somos uma equipe que trabalha exclusivamente com a inteligência de mercado, oferecendo soluções como o Empresômetro Listas, além de consultorias mais detalhadas como Estudos e Pesquisas de Mercado, e listas de empresas que compõem nossas Prospecções Qualificadas, de acordo com a necessidade do cliente”, destaca Otávio.

Com sede na capital paranaense, conta com equipe altamente qualificada, que gerencia incessantemente as informações obtidas, muitas vezes, através de requisições aos órgãos relacionados às matérias fiscais e tributárias.

Utiliza metodologia IBPT, no cruzamento de informações empresariais com dados fiscais e tributários, inovando num mercado em que poucos detêm o know-how para trabalhar com inteligência de mercado. “Sendo uma spin off do IBPT, usou-se muito da experiência do Instituto para se chegar a um método e modelo de trabalho que sempre forneça as informações atualizadas acerca do mercado brasileiro, e de forma personalizada. Buscamos oferecer aos nossos clientes toda a precisão de informações qualificadas, pois entendemos que assim, o mercado aquece, as empresas crescem e o país se desenvolve”, informa o empresário.

Com a missão de oferecer sempre as mais sofisticadas soluções ao mercado B2B, visando potencializar a competitividade empresarial no Brasil, sempre pautada pela excelência, respeito, ética moral, sustentabilidade e responsabilidade social.

Tratando de responsabilidade social, o Empresômetro tem sua parcela. É apoiador de diversas causas, além de apoiar diretamente o Instituto Amigas dos Sonhos, entidade que realiza os sonhos de crianças, mulheres e idosas em situação de vulnerabilidade. Outra iniciativa apoiada pela empresa é a campanha “Contrate um Desempregado”.

Com mais de 21 milhões de empresas cadastradas nas bases de dados do Empresômetro, estes atualizados a todo momento, é uma empresa sem igual no mercado, com toda a expertise de uma equipe renomada e multidisciplinar, em que o objetivo maior, é o fomento da economia e o avanço da Inteligência de mercado no país.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (41) 2117-7300 ou pelo site WWW.empresometro.com.br.

Fonte: Descomplica Agência de Mídias

Coluna Propaganda&Arte

Marketing Olfativo: qual é a essência da marca?

Você já deve ter estudado sobre Marketing, sobre a importância de um bom atendimento, de entender os seus clientes e posicionar uma marca no mercado. Então, em algum momento você deve ter ouvido falar de Marketing Olfativo. Se não, já deve ter ao menos sentido esse mercado. O perfume, nesse caso, pode ser a essência de uma marca.

Empresas grandes e médias já utilizam cheiros personalizados: Nike, Natura, Danone, Castelo Ra-tim-bum, Novotel, só para citar alguns casos. Como podemos ver as marcas não utilizam apenas as essências diretamente em seus produtos, mas também em seus ambientes e lojas.

Sabe aquela loja de roupas que ao entrar você sente um perfume marcante? Que faz nos sentir modernos, atualizados e dispostos a comprar algo para confirmar isso?

Se já sentiu algo parecido, você estava sob o efeito do Marketing Olfativo da melhor qualidade. A ideia dessa estratégia é agregar às mensagens visuais e sonoras, seja de uma loja ou de um hotel, mais sensações incríveis e únicas.

Uma lembrança inesquecível. Um cheiro marcante. Uma marca inesquecível.

Seguindo essa lógica, o aroma de uma marca/produto tem forte poder de emocionar, convencer e criar um ambiente diferenciado de experiência de marca. Afinal, o olfato está ligado aos mecanismos do cérebro que regem as emoções. Por isso, alguns cheiros nos remetem a lembranças da infância, acontecimentos ou pessoas marcantes.

Nesse momento, em que vivemos bombardeados de anúncios, músicas, jingles e outros elementos comunicacionais, o olfato parece o mais sutil e, ao mesmo tempo, o mais eficiente para personalizar e aproximar as marcas de seus clientes.

Você já pensou em trabalhar nessa área, como avaliador olfativo? Se você se interessou saiba que é preciso muito estudo e não basta ter “faro para negócios”. As escolhas desse ramo são muito mais estratégicas, envolvendo profissionais de áreas exatas, como química e engenharia, e podem dar um novo ar para uma marca que busca se reposicionar ou se aproximar de seu público, criando vínculos inesquecíveis.