Algumas mudanças

Publicitando de cara nova

O Publicitando colocou roupa nova hoje. Foram alteradas,no blog, a imagem de cabeçalho e a cor de fundo. Pequenas modificações que atualizam e melhoram o visual.

A página do Facebook do Publicitando também teve a imagem de capa atualizada.

Ambas as imagens (fotos incluidas), a de cabeçalho do blog e a de capa do Facebook, foram desenvolvidas pelo designer e diretor de arte Guilherme Brito. Ele já foi notícia aqui no blog e atua em direção de arte na agência Rua Zero. Além disso, toca seu projeto solo, o Coffee Art.

 

Vaga de Social media em SJCampos

OnHead quer um profissional de Social media

A OnHead Marketing procura um profissional de Social Media para compor a sua equipe de planejamento estratégico. Desejam alguém que pense e conheça ferramentas além das de Facebook / Instagram. O profissional será responsável por redes sociais por contas de nível nacional.

Localização: Rua Paraibuna, 811 – SJC

Horário de trabalho: Segunda a Sexta – 8h às 18h

Salário a combinar.

Obrigatória experiência na função.

Enviar currículo para rh@onhead.com.br / campanha@onhead.com.br / marketing@onhead.com.br

Smart Offices: o trabalho mudou!

Smart Offices e a transformação da cultura de trabalho

por Renato Batista, CEO da NetGlobe

Desde a primeira metade do século XX que se discute a importância e o impacto dos espaços de trabalho no bem-estar e na produtividade dos trabalhadores. A célebre frase de Winston Churchill “We shape our buildings; thereafter they shape us” não se refere exatamente à vida nos escritórios, mas ajuda a definir a importância de se criar um ambiente de trabalho que propicie o conforto e o bem-estar, gerando o aumento da produtividade. Nós moldamos os espaços e eles, em seguida, moldam a nós mesmos.

Renato Batista

Outro agente transformador da vida humana, inclusive no âmbito do trabalho, é a tecnologia. Algumas das maiores empresas do mundo, como Facebook, Google e Yahoo recentemente apostaram em espaços de trabalho que estimulam encontros casuais e o convívio entre profissionais de diversas áreas, para que novas ideias floresçam de modo natural. Então, esse modelo passou a ser replicado no mundo todo. Porém, o design do espaço de trabalho apenas se tornará completo se contemplar as novas tecnologias de comunicação e colaboração digital.

Soluções integradas de gerenciamento de salas de reunião, por exemplo, trarão mais assertividade no uso dos espaços dentro de um escritório, diminuindo o tempo ocioso, tanto das salas quanto dos profissionais que esperam para utiliza-las. Ferramentas de videocolaboração encurtam distâncias, favorecendo as interações e trocas de experiências entre funcionários, o que, comprovadamente, auxilia no aumento de produtividade dentro de uma empresa. Investir na infraestrutura de um escritório, trazendo tecnologia de ponta para sistemas de som, projetores sem fio e serviços de conectividade, dão retorno garantido.

Além de atuar como agente facilitadora do dia a dia de trabalho, a tecnologia é quem vai fornecer dados concretos da efetividade do investimento em espaços de trabalho mais abertos e colaborativos. Sem ela, tudo pode não passar de provas de conceito. Em um mundo cada vez mais competitivo, o espaço para tentativa e erro é menor. Portanto, sairão na frente as empresas que pensarem seus escritórios e demais locais de trabalho como verdadeiros Smart Offices, combinando as inteligências da arquitetura e da tecnologia.

Fonte: About Com -Danilo Fernandez

Infográfico mostra as marcas de tecnologia mais influentes

As 5 marcas de tecnologia mais influentes do Brasil atualmente

Somos influenciados direta ou indiretamente por muitas marcas no nosso cotidiano. Uma pesquisa realizada pelo instituto Ipsos revelou quais são as marcas mais influentes entre os brasileiros em 2017. Elas estão nos celulares que usamos, nos softwares do nosso computador pessoal, do trabalho, são donas dos sites que usamos. Enfim,estão por toda parte!

Ficou evidente a força das gigantes da tecnologia Não é muito novidade o fato delas dominarem a lista. Mas você sabe quais são essas marcas? Por isso, criamos esse infográfico com as 5 marcas de tecnologia mais influentes no Brasil atualmente.

Fonte: Nayrison da Costa

Tem vaga para atuar em mídia social

Vaga de social media em Taubaté

Necessária vasta experiencia em Mídias Sociais (Facebook E Instagram), impulsionamentos e desenvolvimento de conteúdos.

Oferecemos salário fixo de R$ 1.500,00 + VT

Horário: das 9 às 18 horas

Disponibilidade para início imediato.

Envie seu CV por aqui

Novo formato digital

Estadão inova forma de apresentar conteúdo com realidade virtual

Jornal lança aplicativos Estadão Realidade Virtual, com viagem 360º por Bonito (MS), e Caderno Interativo da série O Brasil que o Brasil quer, com conteúdo especial

unnamed-4

Um novo olhar na forma de ler e ver suas matérias. Assim o Estadão apresenta na próxima semana duas grandes novidades em sua mais recente incursão tecnológica, que possibilitará ao leitor “entrar” nas reportagens. Nesta segunda-feira (5), o público pode ter em suas mãos o caderno interativo da série “O Brasil que o Brasil quer”, com vídeos, áudios, infográficos interativos e galeria de fotos. Já hoje, terça-feira (6), estará disponível o Estadão Realidade Virtual, que colocará o veículo na vanguarda dos veículos de comunicação. São dois aplicativos inovadores que ampliarão as fronteiras multimeios do jornal.

“O objetivo é propiciar um formato inovador de imersão nos conteúdos do Estadão, onde quer que o leitor esteja, bastando apenas um smartphone. Apresentará novo olhar na apresentação de suas matérias. Dará a experiência de extrapolar as fronteiras do conhecimento. Com a realidade virtual, cada vídeo e mídias apresentados trarão infinitas possibilidades de imersão no conteúdo”, explica Marcelo Moraes, diretor de Marketing Publicitário do Estadão.

A primeira iniciativa do Estadão em realidade virtual (RV) foi em Bonito (MS), com um especial de aventura produzido pela blogueira Karina Oliani, que resultou em quatro atividades diferentes na companhia da apresentadora – trilha 4X4, rapel, mergulho e rafting, todos em RV. Segundo ela, a escolha por começar o trabalho em Bonito foi proposital. “Quando o Estadão veio com a proposta, me perguntei qual seria o lugar no mundo todo que mais gostaria de mostrar ao público. Não tive dúvidas na escolha e na sugestão que fiz ao jornal. Bonito é um dos lugares mais lindos do planeta e ideal para ser mostrado em uma realidade imersiva como essa”, afirma a aventureira, que tem no currículo viagens para mais de 90 países.

Além de blogueira do Estadão, está no ar na TV paga no programa “Desafio Celebridades” da Discovery. “A ideia é levar ao leitor as aventuras mais espetaculares do Brasil e do mundo. Muita coisa boa vem por aí.”
A realização e produção da “viagem” é da Academia de Filmes, uma das pioneiras em vídeos RV360. Toda a ação tem oferecimento da Mitsubishi. Para Tadeu Jungle, sócio da produtora, a realidade virtual trouxe uma mudança na narrativa que não se via desde a invenção do cinema e o Estadão está na vanguarda dessa disrupção tecnológica na forma de narrar uma notícia.

“Em 2017, 60% do tráfego na internet será por meio de vídeos. Imagina um jornal produzindo matérias em realidade virtual e levando seu leitor para dentro da notícia, com mudança na narrativa, pois nos leva a um mergulho no local onde o fato está acontecendo. Essa não é uma visão muito distante de acontecer. Posso afirmar, sem exagero, que essa experiência do Estadão dá início a uma nova era para o jornalismo, com infinitas possibilidades”, defende Jungle. Para ele, o jornal mostra seu valor, pois aposta em uma tecnologia que está apenas começando no Brasil e que tem muito futuro e será acessível a todos, bastando ter óculos especiais e um smartphone.

Para uma experiência completa, o leitor deverá usar óculos de realidade virtual e ter um experimento completamente imersivo nessa viagem, produzidos pela Beenoculus. Parceria do Estadão na iniciativa, a empresa é inovadora e está na vanguarda do desenvolvimento de projeto 360/realidade virtual, tendo desenvolvido os primeiros óculos de realidade virtual produzidos no Brasil, com uma inovadora “metodologia de educação imersiva em primeira pessoa”. Há também alternativa para os que não tiverem os óculos, pois o material também será repercutido na TV Estadão, Instagram e Facebook do jornal.
Projeto interativo especial – A outra frente vem de um projeto especial, mas que pode ter inúmeras alternativas e oportunidades. O caderno interativo da série “O Brasil que o Brasil quer”, patrocinado pela Siemens, proporcionará nova forma de ler jornal que vai além do texto, com vídeos, áudios, infográficos interativos e galeria de fotos.

O leitor que tiver o aplicativo terá acesso a conteúdo diferenciado da série e que também conta com eventos e boletins na Rádio Estadão. Para ler, basta baixar o app, posicionar o smartphone em cima do jornal e começar a viagem pelo material exclusivo.

Os aplicativos Estadão Realidade Virtual e Caderno Interativo Siemens estarão disponíveis para os sistemas Android e IOS e podem ser baixados gratuitamente. Assinantes do Estadão terão direito a desconto na compra dos óculos de RV.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Marco Barone

Para usar ainda melhor o Facebook

Faculdade Bilac promove o Facebook Training Day

A partir da constatação de que muitos pequenos empresários têm utilizado o Facebook como principal plataforma de divulgação dos negócios e apostando no fato de que a ferramenta está dando retorno, mas que pode dar muito mais resultado se o empresariado conhecer todo seu potencial, a Clínica de Negócios da Faculdade Bilac resolveu dar sua contribuição para dar um up nas vendas nesse Natal: o Facebook Training Day.

14956410_1006782332782243_8963191525660489324_n

As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas pelo www.even.tc/facebook — com Maciel Eustaquio.

Coluna Entre Parenteses

Novas tecnologias: Nós e o mundo moderno

coluna renata

“Todos os dias quando acordo não tenho mais o tempo que passou, mas tenho muito tempo” – Já dizia o sábio músico Renato Russo. Não temos mais aquele tempo que passou, não temos mais aquela infância pacata com jogos no Super Nintendo e alguns gibis espalhados pela casa. No entanto, nos dias de hoje temos muito mais que ontem, seja em termos de bagagem cultural, como em termos de tecnologias.

Como jovem nascida nos anos 90, eu pude assistir de perto todos esses avanços e também, todas as mudanças trazidas pelas novas tecnologias. A princípio, a possibilidade de poder se comunicar com pessoas que nem sequer estavam no mesmo continente que nós, parecia algo atraente, mas pouco provável. Com a evolução do mundo e também com os novos meios de comunicação, os paradigmas da distância foram rompidos e a ligação com pessoas de todo o mundo foi, com certeza, um marco para a sociedade que com o passar do tempo foi cada vez mais ampliando seus acessos ao mundo moderno.

Dito isto, o que quero é chamar sua atenção para a nossa relação atual com toda essa tecnologia. Afinal, no mundo moderno, é muito natural mudarmos de gostos e opiniões a todo o momento. No entanto, o que um dia já diminuiu distâncias, hoje acabou por aumenta-las ainda mais.

Em busca de likes e views, perdemos a essência dos relacionamentos, o contato próximo e profundo. Tornamo-nos pessoas rasas, lemos apenas manchetes, compartilhamos links e sem ao menos nos importar com os conteúdos, copiamos e colamos notícias em todas as nossas redes sociais. Uma atitude que pode ser considerada normal para uma geração denominada por y ou z, mas que releva tamanha carência de conteúdo. Afinal nascemos com tudo isso e aprendemos que nossas relações na internet acabam por ser mais importantes que nossas relações no mundo real.

facebook-1084449_640

Façamos uma breve comparação:
Estamos no ano de 2005, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos riem, conversam e se divertem. Agora, em 2012, você e seus amigos saem para ir a um barzinho, todos tuitam, publicam fotos no facebook e acabam por nem trocar meia dúzia de palavras, mas todos que visualizaram as publicações viram a ‘diversão’ que vocês tiveram.

Não é estranho? Mas não me entenda mal, as tecnologias devem ser nossas aliadas em nossas comunicações profissionais e pessoais. Percebam quantas vantagens nós temos em relação àqueles jovens que precisaram ler centenas de livros em diferentes bibliotecas para fazer apenas um trabalho de escola. Nós temos o mundo a um clique, mas não podemos nos perder em nossas infinitas possibilidades.

É necessário buscar fontes, verificar fatos e, mais que nunca, questionar notícias, histórias e situações antes de compartilhá-las. Precisamos usar nossa liberdade a nosso favor, ao invés de nos tornamos uma geração que nada cria, mas que tudo compartilha.

Podemos e devemos usar e abusar de toda tecnologia que nos é dada, principalmente para questionarmos e reivindicarmos todos os nossos direitos. E eis o ponto que gostaria de chegar, não se contente com os links que chegam até você via WhatsApp, busque novas fontes, discuta novas ideias e desconstrua-se a todo momento. Afinal, com tanta evolução tecnológica não é possível que você se dê por satisfeito apenas com um CTRL C + CTRL V.

Coluna {De dentro pra fora}

O fim do corporativês na Comunicação Corporativa

Vitor 2016

Vai ter post de linguagem de novo. De linguagem, de formato, de brand persona.

Nos últimos meses, vários clientes quiseram trocar ideias sobre formato de veículos/canais e a abordagem que usam em seus conteúdos.

A gente tende a ter uma visão bem quadradinha de comunicação corporativa. Você já pode descontrui-la totalmente, pois tudo tem mudado rápido e consideravelmente.

Nessa discussão, acho importante considerarmos dois pontos: os canais e a linguagem.

• Os canais estão se aproximando do comportamento cotidiano do nosso público interno. Redes corporativas, grupos fechados no Facebook, Instagram, grupos no WhatsApp (com muitas ressalvas e atenção, ok? Polêmicos!) e até as queridinhas publicações estão ganhando formatos digitais, como revistas eletrônicas (cheias de interatividade) e aplicativos. Yes!

• A linguagem está cada dia mais leve. Os textos pesados e com estruturas “certinhas” estão perdendo espaço para os textos informais. Muito mais próximos e convidativos.
O conteúdo ganhou uma abordagem mais humanizada, ou seja, fala-se de estratégia, mas com foco nas pessoas, considera a opinião do leitor, busca pautas que sejam interessantes para o empregado e se estabelece um diálogo.

Antes a gente escrevia textos jornalísticos tradicionais. Hoje, a gente escreve memes!

Esses dois pontos me lembram uma técnica que eu gosto muito de aplicar em CI: Brand Persona. Uma Brand Persona corporativa não pode mais ser chatinha. A gente ainda tem segmentos bem tradicionais, mas em geral a Comunicação Corporativa acompanhou as necessidades de relacionamento de todos nós. Então, ao definir a personalidade de sua marca, os comportamentos dela, o modo de falar com os públicos, os atributos, características e interesses, lembre-se de que o mundo passa por discussões importantes sobre preconceito, empoderamento, democracia e muitos outros.

Não existe espaço para mais uma marquinha. É preciso ser uma grande marca. E grandes marcas ficam longe do café com leite.

Ficou interessado na história do Whats? Cadastre-se neste estudo: http://www.comunicacaocomempregados.com.br/#!whatsapp/cdec

Vaga de estágio

Empresa abre vaga

redessociais-icones

A Sorrix Odontologia 360º está buscando um estagiário. Veja o perfil da vaga:

A empresa busca alguém que saiba lidar com Facebook, Instagram e Youtube. Também é desejável conhecimento em software de criação/edição de imagens.

O candidato deve estar cursando graduação em publicidade/propaganda/marketing e residir em são José dos Campos.

Os interessados devem enviar CV e portfólio para: max@sorrix.com.br