Consultoria chega ao mercado para oferecer gamificação

Ale Santos cria a Savage Fiction

Muitas empresas observam os mega faturamentos e níveis absurdos de engajamentos que os Games conquistam e se perguntam como levar um pouco disso para dentro do seu negócio, projeto ou para sua marca.

Ale Santos

Ale Santos tem ajudado algumas delas com essas questões e em outras vai além, desenvolvendo sistemas totalmente gamificados. Passou por várias fases até decidir unificar esses esforços em um nome. Savage Fiction, uma consultoria de Gamificação e Narrativas Interativas.

O que a Savage Fiction pode fazer?

– Cursos in company sobre Gamificação, Inteligência Gamer, Transmídia e Game Design;
– Desenvolvimento de Rankings com lógica de Game Design;
– Trilhas de ações Gamificadas para Eventos;
– Mecânicas para aumentar o engajamento e desenvolver habilidades;
– Dinâmica para Treinamento Empresarial;
– Gamificação de Eventos;

A consultoria sempre tem disponibilidade para projetos mais customizados. Um dos trabalhos iniciais da Savage é para uma startup internacional do campo da genética que pretende gamificar seu programa, além de uma consultoria de Design e Inovação de S.Paulo (SP).

Quem se interessou pode seguir a página no Linkedin: https://www.linkedin.com/company/savagefiction/

eSports: descubra mais sobre este mundo de gente grande

Brasil está em 3º lugar em audiência global dos torneios de esportes eletrônicos

A Comic Con Experience (CCX), evento de origem britânica com o intuito de reunir os fãs de quadrinhos, vem crescendo no Brasil desde sua primeira edição em 2014, que recebeu 97 mil pessoas para as mais 200 mil esperadas para a edição de 2017. Encerrada neste domingo dia 10, a atração é recomendada a todos que se interessam pelo mundo geek e pop.

Além dos quadrinhos, os visitantes também se deparam com outras atrações relacionadas, como roteiristas, quadrinistas e até atores internacionais de grandes séries e filmes. Além disso, o evento também abre espaço para os gamers e o mercado de eSports, este tão promissor que aos poucos vem conseguindo lugar em mídias mais tradicionais, como a televisão.

Os esportes eletrônicos mostram a seriedade de um mercado consolidado: em 2016 o faturamento global chegou aos 493 milhões de dólares, e expectativa de alcançar 696 milhões de dólares em 2017, com a previsão de crescimento de 41,3% ao ano, chegando aos 1.488 bilhões de dólares em 2020, segundo a consultoria Newzoo.

O Brasil já é considerado o 3º maior em audiência de torneios de eSports no mundo, ficando atrás da China e Estados Unidos, com estimativa de 11.4 milhões de espectadores entusiastas em 2017. Estes torneios abrem oportunidades não somente com a venda de produtos e ingressos, mas também para patrocínios e propaganda direta entre as desenvolvedoras dos jogos e os atletas, que contam com um grande preparo por trás de suas trajetórias. No Brasil já há espaços dedicados aos expectadores dos jogos casuais e torneios eletrônicos, além de contar também com o treinamento dos jogadores profissionais, as chamadas Gaming Houses.

A consultoria também aponta que no Brasil o eSport mais popular entre os jogadores é League of Legends, representando 31% dos pesquisados, seguido por Counter Strike, (21%). League of Legends, ou LoL para os fãs, teve o campeonato (World Championship) que gerou a maior receita em 2016, 3 milhões de dólares.

Veja mais alguns dados no infográfico preparado pelo CupoNation, plataforma de descontos online pertencente ao Global Savings Group. Conheça os streamers com o maior número de seguidores e outros dados do gigante mercado dos esportes eletrônicos.

Fonte: Global Savings Group – Luciana Saiuri

Submarino lança equipe

Submarino cria equipe de eSports e traz de volta “YoDa” com um time de streamers

O Submarino, referência em tecnologia e inovação, se posiciona no crescente mercado de esportes eletrônicos. Em parceria com Felipe “YoDa” Noronha, maior streamer brasileiro de eSports e o terceiro maior do mundo, cria o “Submarino Stars”, um projeto que promete revolucionar o cenário competitivo nacional.

A iniciativa de criar um time de super streamers, foi idealizada pelo próprio YoDa. O astro volta aos campos virtuais, após ter vencido o campeonato brasileiro de League of Legends, em maio de 2017. Yoda foi convidado para liderar a equipe “Submarino Stars” e convocou para o time Daniel “Blury”, Luca “Grátis 150ml”, Flávio “Jukes” e Gabriel “Pimpimenta”. Juntos, eles somam mais de 5 milhões de fãs em suas redes sociais.

Mais do que um patrocinador, o Submarino quer incentivar o crescimento da comunidade gamer no Brasil. O projeto dá oportunidade aos apaixonados por games de entrar para um time de estrelas dos eSports. Por meio de uma seletiva aberta ao público, duas vagas serão disputadas ainda em dezembro.

O caminho escolhido pelo Submarino promete atrair milhões de fãs de LOL e dos próprios streamers, que juntos combinam um alto potencial competitivo e de geração de conteúdo. “A ideia é mostrar de forma divertida para toda a comunidade, a rotina e os desafios de jogadores profissionais. Vamos transmitir os treinos ao vivo na Twitch.TV, com todos os Streamers da equipe, o que nunca foi feito por nenhum time profissional”, afirma YoDa.

O esporte eletrônico, um dos segmentos mais expoentes do cenário digital global, atrai milhões de jogadores, espectadores, e movimenta bilhões de dólares. Segundo a Neewzoo, empresa especializada em pesquisas sobre este universo, os eSports movimentarão aproximadamente US$ 700 milhões em 2017 em patrocínios, direitos de mídia, audiência e premiações, chegando à impressionante marca de US$ 1,5 bilhão em 2020.

O Brasil ocupa posição de destaque no cenário global sendo a terceira maior audiência, atrás apenas dos EUA e China. Na Twitch.TV, principal plataforma assistida pelos fãs de eSports, foram mais de 800 milhões de horas de streaming na plataforma consumidas no Brasil no ano de 2016. A base doméstica de gamers ultrapassa os 60 milhões.

A equipe “Submarino Stars” foi lançada oficialmente no dia 09 de dezembro, no stand do Submarino na Comic Con Experience.

O primeiro desafio do time será em um dos maiores campeonatos do mundo, que acontecerá na Suécia, nos estúdios da Dreamhack, em janeiro de 2018.

No cenário nacional, o Submarino Stars irá disputar a divisão de acesso ao Circuito Desafiante de League of Legends, com o objetivo de concorrer a uma vaga no CBLoL, principal campeonato da modalidade no país.

Os fãs poderão acompanhar ao vivo os treinos e partidas do time nos canais do Submarino e dos streamers.

Fonte: In Press Porter Novelli Assessoria de Comunicação – Fernanda Viegas

Especialistas discutem o futuro dos games para smartphones

MediaTek reúne especialistas para discutir futuro dos games para smartphones

TechDive contou com a participação da desenvolvedora de jogos Gameloft e abordou questões como a evolução das GPUs e o que é necessário para a criação de um título triple A

A MediaTek realizou na sede da Punto Comunicação Multimeios, em São Paulo, a quinta edição do TechDive, programa de disseminação do conhecimento sobre novas tecnologias destinado à imprensa. O evento teve como tema “Tendências de hardware e software para o mundo dos games para smartphones” e os palestrantes Samir Vani, country manager da MediaTek no Brasil; Hernan Descalzi, Sales & Marketing Manager da MediaTek; e Rodrigo Russano Dias, social media & community manager da Gameloft.

Apresentação de Samir Vani (country manager da MediaTek no Brasil) durante o TechDive

“Os smartphones já representam a principal plataforma para games e o hardware dos celulares passa por uma evolução constante para poder entregar uma experiência de usuário cada vez melhor”, destaca Samir Vani, country manager da MediaTek no Brasil. Segundo o executivo, os fabricantes de processadores precisam equilibrar questões como desempenho, consumo de energia e temperatura para oferecer a melhor combinação aos usuários de smartphones.

“Os nossos jogos triple A exigem muito dos devices e existe uma série de requerimentos que os celulares precisam atender”, ressalta Rodrigo Russano Dias, social media & community manager da Gameloft, empresa que desenvolve jogos mobile há 17 anos. A equipe de “testers” da Gameloft só libera o jogo para um aparelho se todos os requerimentos forem atendidos. “Se o celular não suporta aquele game, o jogo nem aparece na Loja de Aplicativos daquele usuário”, afirma.

No evento, os especialistas também abordaram as novas tecnologias que estão surgindo no mercado, como o uso de óculos de realidade virtual. “Estamos no limiar de uma nova era em relação à demanda por processamento, para atender à evolução de tecnologias como realidade aumentada”, afirma Vani, referindo-se aos requisitos de hardware que as novas tecnologias irão demandar.

Sobre a MediaTek
A MediaTek Incorporated é uma fabricante global de semicondutores com produção terceirizada (fabless). Seus chips equipam mais de 1,5 bilhão de produtos conectados ao ano. Somos um dos líderes de mercado no desenvolvimento de inovadores SoCs (systems-on-chip) altamente integrados e energeticamente eficientes para dispositivos móveis, entretenimento doméstico, conectividade e Internet das Coisas. Nossa dedicação à inovação tem nos posicionado como referencial no mercado em várias áreas da tecnologia, incluindo tecnologias móveis altamente eficientes na economia de energia e soluções avançadas para multimídia, em toda uma gama de produtos, como smartphones, tablets, TV digital, OTT boxes, wearables e soluções automotivas. A MediaTek capacita e inspira pessoas a expandir seus horizontes e atingir suas metas com maior facilidade, por meio do uso de tecnologias inteligentes. Chamamos esse conceito de Everyday Genius e ele guia tudo o que fazemos.

Fonte: Punto Comunicação Multimeios – Daniel dos Santos/Bruna Valentim/Fabiana Macedo

As possibilidades de trabalho no mercado de games

Entenda sobre a atuação do desenvolvedor de jogos na área de tecnologia

Os jogos eletrônicos no Brasil deixaram de ser apenas passatempo de adolescente. Hoje, eles também são uma das alternativas de negócio de maior rendimento. E quando se fala em criar seu próprio jogo, parece mais interessante ainda.

Henrique Sanches, docente da área de tecnologia da informação do Senac São José dos Campos, afirma que um dos motivos que levam ao crescimento surpreendente do mercado de jogos é o fato da atividade ser agradável. “Por incrível que pareça, um dos principais motivos da procura pelo desenvolvimento de games é que ele é divertido. Além disso, o mercado de mobiles cresceu muito e vários desenvolvedores estão mais focados nesse ramo, devido ao alto número de usuários”, explica.

Segundo o docente, para quem deseja entrar nessa área, o fundamental é gostar de tecnologia e investir em um curso de desenvolvimento de games. Pois, por mais que o jogo seja simples, como um aplicativo de celular para entreter e passar o tempo, é preciso seguir algumas regras básicas. “Etapas como a concepção da ideia e do roteiro, criação do design do jogo (personagens e cenários), programação dos códigos, criação e aplicação de efeitos e sons, testes e lançamento, só são realizados com conhecimento técnico. Por isso, uma especialização é necessária para o seguir neste mercado”, afirma Henrique.

As possibilidades de atuação são inúmeras. O profissional independente é conhecido como desenvolvedor indie. Neste caso, ele precisa conhecer um pouco de todas as etapas de desenvolvimento de um jogo, roteiro, design, programação, som, e todos os outros detalhes, já que a responsabilidade do jogo toda é dele.

Já em empresas, o profissional pode atual como roteirista, designer de games, programador, animador, editor de som e vídeo, tester, que é o responsável por testar diversos aspectos do jogo e relatar os erros ou os pontos a serem melhorados. Existem também profissões específicas de programação, que o desenvolvedor de games pode colaborar, como programador de web ou de redes, programador de algoritmos de inteligência artificial usados em jogos e os chamados combat designers, que projetam o combate entre o jogador e o computador, entre outros.

Por fim, o docente do Senac São José dos Campos enfatiza a necessidade de dominar uma segunda língua. “O inglês faz parte do cotidiano de um profissional da área, pois diversas empresas não são do Brasil. Uma outra dica para quem deseja entrar nessa área é estar sempre estudando e se atualizando sobre as novas tecnologias para aplicar em seus jogos”, finaliza.

Tecnologia da informação

O Senac São José dos Campos oferta em sua programação diversos cursos na área de TI, como o Games 2D – Criando o seu primeiro jogo, que visa capacitar os alunos para o desenvolvimento de jogos 2D, utilizando conceitos de lógica de programação aplicados ao desenvolvimento de jogos digitais e introduzindo a utilização de imagens e áudio criados especificamente para esse tipo de jogo. A turma tem início previsto para o dia 4 de abril e término em 11 de maio, com aulas às terças e quintas-feiras, das 13h30 às 17 horas.

Para informações sobre esse e outros títulos e, como se inscrever, entre em contato com a unidade pelo telefone (12) 2134-9000, pessoalmente ou acesse o portal www.sp.senac.br/sjcampos.

Fonte: KMS Comunicação – Natalee Neco

Curso ensina narrativa

Workshop inédito de Narrative Design

Nos dias 21 e 28 de Janeiro (Sábados) São José dos Campos recebe o Workshop inédito de Narrative Design, que vai ensinar as bases do Storytelling Interativo dos Games.

Entender de Narrativas de Jogos está se tornando um artifício cada vez mais essencial para empresas de Entretenimento e Marketing. Bons game writers são capazes de produzir histórias e mundos fantásticos que conectam as emoções experimentadas pelos romances e filmes. Esse curso vem trazer a base necessária para se tornar um verdadeiro escritor de jogos.

As aulas acontecerão na escola Kinoene Arts e as inscrições acontecem pelo site – http://kinoenearts.com.br/cursos/storytelling-e-concept-art-para-games/

Segunda edição de evento que aborda games

Confirmada a segunda edição do primeiro curso de game writing no Vale#Onceuponagame

“Jogos não são romances , não são roteiros , eles precisam desenvolver o seu próprio formato .” Wendy Despain, IGDA

OUAGAME-2016

Entender de Narrativas Interativas está se tornando um artifício cada vez mais essencial, não apenas na indústria de games, mas em várias outras frentes empresariais como a Comunicação & Marketing. Para construir um Branded Game ou um Indie mobile um escritor precisa conhecer as ferramentas ideais para transmitir a sua mensagem, contando uma boa história. Podemos ver nas recentes investidas cinematográficas de produtoras como a Blizzard e Ubisoft o quanto elas são valiosas para construir uma base sólida de fãs.

Na segunda edição do curso Once Upon a Game, além de conhecer o tollkit do storytelling interativo, os alunos vão entender o conceito de remediação, quando a experiência de um conteúdo é levado para outra plataforma, como de um game para um filme. Todo o conteúdo das aulas é focado em formar escritores que concebem um roteiro interativo, mas com bases que possam expandi-lo em uma narrativa mais ampla – com possibilidades de ser utilizada em um romance ou HQ. O curso acontecerá em Julho e as inscrições são feitas pelo telefone e email da escola Kinoene Arts.

(12) 32090633
(12) 32094851
contato@kinoene.com.br

O Professor
Ale Santos, é Game writing e designer de narrativas do Board Game Selene The Fantasy, autor do livro “Narrativas interativas: O legado dos jogos de RPG”, juiz da edição brasileira do concurso de SCIFI “Tomorrow Project” da Intel e autor do conto “A Cor dos seus Olhos” que foi lançada, na antologia mundial publicada nos EUA. Já palestrou sobre roteiros de jogos em eventos da saga School of Art Game and Animation de Guarulhos, World RPG Fest (patrocinado pela Ongame) e na terceira edição do Fórum Transmídia. Criador e editor do blog RPG Vale, premiado 4 vezes como Top Blog profissional de games. Neste ano trabalhou no primeiro evento gamificado com transmidia storytelling no Brasil, o IT Forum e é um dos autores da Storytellers Brand’Fiction, o primeiro escritório de Innovative Storytelling do Brasil.

http://alesantos.me/

TIM Tec lança curso online e gratuito de Programação de Games

Aulas são ministradas por professor da USP e capacitam participantes para desenvolver seus próprios jogos

Cerca de um em cada quatro brasileiros dizem jogar videogame. Mais que uma paixão nacional, os games também se traduzem em um mercado promissor, que faturou R$ 1 bilhão em 2014 e cresceu a taxas entre 9% e 15% nos últimos cinco anos, segundo a Associação Brasileira de Games (Abragames). Pensando em oferecer ainda mais oportunidades para quem quer apostar nesse segmento, TIM Tec – plataforma do Instituto TIM que oferece cursos profissionalizantes gratuitos à distância – acaba de lançar o curso de Programação de Games. Ministrado pelo doutor em Ciências João Bernardes, da Universidade de São Paulo (USP), o curso tem como objetivo apresentar os principais elementos que compõem um jogo eletrônico e suas técnicas de manipulação, capacitando os alunos para desenvolver seus próprios games.

code-647012_640

O novo curso é voltado tanto para estudantes como para profissionais das áreas de tecnologia da informação ou design, com conhecimentos prévios de programação e da linguagem Javascript e que se interessem pelo desenvolvimento de jogos eletrônicos. A formação inclui aulas em vídeo, testes e atividades online, exercícios individuais e material didático de apoio, totalizando dez capítulos.
“O conteúdo teórico será acompanhado pelo desenvolvimento de exemplos práticos que, ao longo do curso, resultarão no desenvolvimento de um jogo simples, em duas dimensões, visando facilitar o aprendizado e aumentar a motivação dos alunos”, explica o professor João Bernardes.

Como funciona
TIM Tec é uma iniciativa do Instituto TIM baseada em três pilares: software livre, produção de cursos e parcerias com instituições de ensino. O projeto começou em 2013 com o objetivo de desenvolver uma plataforma virtual que disponibilizasse cursos online, livres e gratuitos sobre tecnologia, produzidos especialmente para esse fim e, hoje, já conta com mais de 12,6 mil alunos cadastrados em 17 cursos.

Por ser baseada no conceito MOOC (Massive Open Online Course), qualquer pessoa pode acessar a ferramenta pelo site http://timtec.com.br/pt/ e fazer os cursos gratuitamente. Ao mesmo tempo, TIM Tec é um software livre que pode ser usado por escolas, universidades, coletivos – cada instituição pode ter sua própria instalação, totalmente autônoma, da plataforma. O software pode ser baixado, instalado, modificado e melhorado (desde que os programadores envolvidos conheçam sua linguagem).

Hoje, a plataforma e os conteúdos de TIM Tec estão sendo compartilhados com Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia com o apoio da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (SETEC/MEC). As instituições parceiras conhecem o projeto, instalam o software e, se quiserem, podem adicionar os cursos de TIM Tec ou seus próprios cursos à plataforma.

No início de novembro, cerca de 70 gestores e técnicos de instituições públicas de ensino da Rede e-Tec Brasil e órgãos governamentais participaram de uma formação para a instalação e uso do software na sede do MEC, em Brasília.

Fonte: Alameda Comunicação – Tawana Miquelino

Curso de narrativas de jogos

Once Upon a Game: Escrevendo narrativas para jogos

curso_storytelling

O mercado de jogos vive um dos melhores momentos de sua história. Consegue faturar muito mais do que alguns filmes de Holywood, além disso muitos outros segmentos vem descobrindo o pode de gamificar suas ações como no caso do mercado publicitário e a área da educação em todos seus níveis.

Em meio a tudo isso a figura dos game writers se tornou essencial para o processo. Eles são os profissionais capazes de produzir histórias e mundos fantásticos que conectam as emoções experimentadas pelos romances e filmes para dentro dos jogos com seus roteiros.

Esse curso vem trazer a base necessária para criar narrativas de jogos e construir os seus domínios conhecidos como storyworld.

CONTEÚDO
Aula 01. Introdução ao Storytelling Interativo
Aula 02. Fundamentos de Narrativas para Games: Do RPG ao FPS
Aula 03. Formatos de roteiros interativos
Aula 04. Técnicas de escrita para jogos
Aula 05. Pocket Workshop de Story Bible

Material necessário:

– Caderno de anotações ou notebook
– Conteúdo em PDF distribuído para alunos
– Lápis e Canetas

Professor: Ale SantosVagas: 10 alunos por turma (mínimo 13 anos)

Datas: De 25 a 29 de Janeiro – Segunda a Sexta.

Horários: No período da Noite, as aulas serão das 19h às 21h.

TIM Tec lança mais um curso livre de tecnologia

Plataforma oferece cursos abertos e gratuitos a estudantes e interessados

São José dos Campos, setembro de 2015 – TIM Tec, projeto do Instituto TIM, que oferece cursos gratuitos sobre Tecnologias de Informação e Comunicação, acaba de publicar em sua plataforma uma nova opção de curso: Produção de Vídeos Educacionais para Web. O conteúdo é ministrado pela professora da Coordenadoria de Design do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), Catiucia Schneider, graduada em Artes Visuais, com especialização em Educação e Mestrado em Educação e Tecnologia, além de gestora da equipe de áudio e vídeo do Núcleo de Produção e Tecnologia Educacional (NPTE) do IFSul.

A plataforma, que já possui mais de 6 mil alunos cadastrados e 14 cursos publicados, utiliza o conceito MOOC (Massive Open Online Courses). Todos eles são livres, abertos e gratuitos, e estão alinhados ao Eixo Tec­nológico: Informação e Comunicação do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego).

Além de “Produção de Vídeos Educacionais para Web”, estão disponíveis na plataforma (timtec.com.br) as seguintes opções: “HTML5 – Introdução ao Front End”, “Desenho de Jogos”, “Introdução à Lingua­gem de Programação PHP”, “7 Lições para a Produção de Textos”, o curso para professo­res “TIM Faz Ciência”, “Introdução à Lógica de Programação”, “Introdução ao uso de banco de dados SQL”, “Publicação Digital em Dispositivos Móveis”, “Edição e Tratamento de Imagens”, “Arquitetura da Informação e Projeto de Sistemas”, “Javascript: conceitos e bibliotecas”, “Introdução à programação em linguagem Java” e “Programação Android”.

Outra grande novidade é que até o final do ano devem ser publicados outros três cursos, que estão em fase de pós-produção. São eles: “Introdução à criação de sites”, “Programação de games” e “Desenvolvimento de back-end”.

Fonte: Tawana Miquelino – Alameda Comunicação