Como tudo começou…

A origem da propaganda comercial

por Josué Brazil

A propaganda é uma atividade bastante antiga.

Em Roma, a propaganda tinha atuação garantida no Império – as paredes das casas frontais às ruas eram pintadas de branco e sobre esse fundo escrevia-se as mensagens publicitárias.Depois, na Roma já católica, a Igreja criou uma congregação religiosa para “propagar a fé” – hoje, a maioria absoluta do ocidente é cristão.

A atividade teve grande impulso com a industrialização, mas nos últimos cinqüenta anos é que seu impacto e presença passou a ser significativo na vida social, econômica e cultural das comunidades.Podemos afirmar que a propaganda é fruto da Revolução Industrial, da Era Industrial.

A propaganda ligada ao mundo dos negócios, a chamada propaganda comercial e/ou moderna que hoje percebemos e sentimos seus efeitos, teve origem em dois fatores que se interligam:

a) o aperfeiçoamento dos meios físicos de comunicação;
b) o aumento da produção industrial através do aperfeiçoamento tecnológico.

Em relação ao primeiro fator, o passo inicial foi a expansão do jornal, que deixou de ser um órgão veiculador de notícias restrito a pequenas comunidades e transformou-se numa indústria complexa, com grandes parques gráficos que exigiam investimentos cada vez maiores. Era preciso transformar seu espaço editorial em mercadoria, ou seja, o jornal começava a vender espaços para propaganda para poder cobrir os altos custos operacionais e até obter lucro.

Podemos dizer que, a partir da evolução dos jornais, teve origem, realmente, a propaganda moderna ligada ao mundo dos negócios.

Mas a expansão dos jornais não ocorreu isoladamente. Era também decorrência do desenvolvimento tecnológico que desde a revolução industrial vinha alterando toda a sociedade capitalista que nela se iniciara.

Máquinas cada vez mais rápidas determinavam o crescente aumento da produção, fosse da tiragem de um jornal diário ou de bens de consumo.

Com a produção em larga escala os industriais se sentem forçados a encontrar maneiras igualmente rápidas de escoar os estoques. O meio mais eficaz encontrado foi a propaganda.

Aqui é que os dois fatores se interligam, pois o meio de comunicação mais abrangente da época (o jornal, que já possuia capacidade de se comunicar com um grande número de possíveis consumidores) queria e necessitava receber propaganda. Foi o que passou a ocorrer.

A propaganda passou então a aprimorar suas técnicas de persuasão para poder induzir grandes massas a aceitar e consumir produtos que não correspondessem apenas a satisfação de suas necessidades básicas.

Referência bibliográfica:

SANT’ANA, A. Propaganda – Teoria, técnica e prática da comunicação. 7ª ed. São Paulo, Pioneira, 1998.

CABRAL, Plínio. Propaganda: técnica da comunicação industrial e comercial. 3º Ed. São Paulo, Atlas, 1990.

SAMPAIO, R. Propaganda de A a Z: como usar a propaganda para construir marcas e empresas de sucesso. Rio de Janeiro, Campus, 1995.

ACIT comemora data especial

ACIT – 119 anos de história em Taubaté

No último domingo, dia 04 de março, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) completou 119 anos desde sua fundação, figurando como uma das Associações Comerciais mais antigas do país

De lá pra cá, vem escrevendo sua história a cada dia, sempre acompanhando as páginas da história de Taubaté, estando totalmente ligada ao desenvolvimento da cidade, figurando de maneira expressiva nos diversos períodos econômicos vivenciados pelo país.

Felix Guisard foi o grande responsável pela fundação e liderou um grupo de comerciantes para enfrentar as dificuldades apresentadas diante do cenário instalado com a crise do café, em 1899.

Com a intenção de estimular o associativismo e o empreendedorismo, o papel da Associação é ser um agente de desenvolvimento social, sempre em defesa da classe empresarial, oferecendo serviços que atendam às necessidades e anseios desse público, para fazer com que Taubaté se mantenha no topo da lista entre os municípios considerados como referência em comércio, indústria e prestação de serviços.

A ACIT procura estar sempre à frente, inovando e se atualizando num mundo cada vez mais tecnológico e com informações que correm à velocidade da luz. Aliado à isso, busca manter parceria e um bom relacionamento com os poderes executivo, legislativo e judiciário para buscar melhorias e ações que possam beneficiar o comércio local.

O grande desafio é oferecer ao associado excelência na prestação dos serviços que estimulam a criatividade em qualquer momento econômico e político. É função da ACIT mostrar ao empresário as mais variadas possibilidades para manter seu negócio vivo e rentável, com soluções práticas e viáveis.

A capacitação faz parte da história da ACIT desde seu primeiro ano de existência, quando foi anunciada a criação do primeiro curso noturno sobre Direito e Geografia Comercial, naquela época já preocupada em oferecer treinamento para o mercado.

“Passamos por momentos de turbulência política e econômica nos últimos anos, mas a ACIT foi mais forte e se manteve firme. Isso foi possível devido ao apoio e confiança dos mais de 1200 associados, que participam ativamente de nossas atividades e utilizam todos os serviços oferecidos em busca de melhorias constantemente. Somos desafiados diariamente à oferecer produtos e serviços que tragam soluções para os mais diversos cenários. Fico honrado de poder fazer parte dessa história e estar à frente de uma Instituição tão forte e de tamanha importância para nossa cidade.” ressalta José Saud, o 19º presidente à frente da ACIT.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Coluna Alerta Spoiler

500 dias com ela

‘’ A maioria dos dias é esquecível, os dias começam e terminam sem lembranças duradouras no final. A maioria dos dias não causa qualquer impacto no curso da vida. ‘’

Coluna Alerta Spoiler

Essa frase é usada no final do longa 500 dias com ela, que conta com a atuação da belíssima Zoey Deschanel interpretando Summer e com Joseph Leonard Gordon como Tom.

Um filme em que desde o começo você percebe que o plot inicial é mais um clichê de romance. A diferença é que não é um filme de amor, e sim sobre uma historia de amor, como é dito no inicio do longa.

O filme começa no dia 488, ao invés de 1 ou do 500, pulando para o 31 ou para o 154. E assim vai se desenrolando a história de Tom e Summer.

Tom, acredita que só será feliz quando encontrar sua alma gêmea, cara metade, amor da sua vida ou se sentir completo ao lado de outro alguém, como todos nós pensamos um dia. Essa ideologia toda veio das músicas britânicas que Tom ouvia.

Já Summer é extremamente o oposto: não acredita em paixão ou amor, muito menos quer ser a namorada de alguém. Ela só amava duas coisas: seu longo cabelo castanho e como era fácil o cortar sem sentir arrependimento algum.

tumblr_lx6xt5V8Ef1qhos5po1_500

Ambos trabalham em um escritório que desenvolve cartões comemorativos.

O primeiro contato de Tom com Summer é no elevador do trabalho, quando Tom está ouvindo Smiths em seu celular. Summer, uma apreciadora da banda, escuta e ‘’puxa’’ um papo Quando ela sai Tom percebe que já está completamente apaixonado.

Ele é um estudante de arquitetura que por acontecimentos da vida desiste do mundo da arquitetura e resolve escrever cartões Ela está apenas vivendo sua vida e fazendo o que tem vontade quando quer. Os dois são extremamente o oposto um do outro, mas se dão incrivelmente bem. Algumas coisas, entretanto, começam a dar errado, afinal Summer nunca quis um relacionamento solido, ao contrário de Tom.

O plot inicial é basicamente esse. Ele se apaixona, mas ela não. Com o desenrolar do roteiro podemos ver seu diferencial em pequenos detalhes. Por exemplo : a primeira vez em que Tom passa a noite junto dela, ele se levanta e vai trabalhar cantando, assoviando, cumprimentando todos na rua, e no meio de uma praça começa a dançar com todos ao som de Darly Hall & John Oates com You make my dreams (até um passarinho em forma de desenho senta em seu ombro). O detalhe é que todos que estão dançando com ele usam tons de azul, que era a cor do vestido que Summer usava naquela noite, na verdade ela sempre está com ao menos alguma coisa pequena na cor azul.

Um roteiro detalhado e muito cuidadoso com a historia para nos passar a sensibilidade do sentimento do personagem principal, ao mesmo tempo em que parece ser clichê consegue ser diferente por seus pequenos detalhes.
A trilha sonora se encaixa perfeitamente com cada situação, Smiths como é citada logo no inicio aparece outras vezes, a própria Summer canta em uma cena. Outros clássicos como Beatles também marcam presença.

A historia se desenrola ‘’fora de ordem’’, nos contando o longa de uma maneira diferente e sem ser monotona ou padrão, mas não perdendo o sentido. A cada dia que muda coloca-se uma imagem com o dia como se fosse um calendário para nos localizar. O legal disso é que o cenário em que esse dia é ‘’contado’’ é o local preferido de Tom.

O sentimento de devastação dele tenta ser demonstrado ao máximo, desde suas atitudes exageradas até seu simples silencio, o cuidado do roteiro foi exatamente esse, do ator não precisar nos falar o que ele está sentindo e com apenas feições ou atitudes passar claramente seus sentimentos.

O longa usa uma película que tende para os tons pastéis, caindo para o marrom, bege, um azul quase cinza e uma iluminação delicada para combinar com as cores. O drama no meio da história ocorre quando ele se vê confuso entre esquecer o grande amor da sua vida ou simplesmente aceitar o fato de que não a vai esquecer. Então começa o plot twiste que é quando ele se reencontra com ela e sente aquela felicidade de novo. Mas no fim descobre que ela está noiva de outro cara.

Ou seja, tudo que ela dizia para ele perdeu o sentido, afinal ela fez exatamente o oposto do que acreditava. Tom se vê obrigado a mudar sua vida e a seguir de qualquer jeito. Ele se demite e vai atrás de seu sonho de ser arquiteto. No fim, quando está prestes a entrar em uma sala de entrevista ele encontra Autumn, e a contagem de dias que estava em 500 zera e começa do 1 mais uma vez.

A grande sacada desse final é o fato de que o nome Summer significa verão em inglês. Todos dizem que amor de verão é só até quando o verão dura. E quando Tom encontra Autumn ele sabe que vai ser diferente, pois Autumn em inglês significa Outono e até onde sabemos não existe nada que diga que amores de Outonos só duram até o fim Outono.