Examanas, uma comunidade para desmistificar o “sou de humanas” na prática de análise de dados

Liderado pela Keep.i e com o apoio de nomes importantes do mercado, a comunidade quer descomplicar o entendimento dos dados para os profissionais de comunicação

A crise causada pela Covid-19 acelerou de forma significativa o processo de digitalização das empresas, e até mesmo os hábitos dos consumidores, considerando que 56% dos brasileiros acreditam que a situação incentivou o uso da tecnologia no dia a dia, de acordo com o Kantar Ibope Media.

Com o aumento do uso de tecnologia em quase tudo que fazemos, os dados ganham ainda mais importância daqui em diante. Em pesquisa recentemente publicada pela Altimeter, 42% dos profissionais de comunicação entendem que análise de dados é a habilidade que mais desejam desenvolver em 2021.

Neste cenário, a Keep.i, startup que oferece tecnologia em dados para o mercado de comunicação, reuniu profissionais que atuam em diferentes disciplinas da comunicação para oferecer conteúdo descomplicado sobre o tema.

“Abriu-se um espaço enorme para desmistificar o assunto para aqueles que ainda refutavam a ideia de que os dados fazem parte da sua rotina. Examanas, é mais que uma comunidade, é uma definição do que é o profissional do presente e do futuro.” explicou Kaique Oliveira, idealizador e um dos embaixadores do projeto.

A comunidade é gratuita e deve ao longo do tempo trazer cursos que tentam na prática mostrar o universo de dados por uma outra perspectiva.

Para conhecer mais acesse: www.examanas.com.br

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna Propaganda&Arte

Marcas mais humanas. Pessoas mais marcantes

O Marketing é aquele tipo de palavra coringa, usada para qualquer coisa (erroneamente), como a palavra gourmet. Mas muito além de uma palavra da moda ou sem significado, o Marketing em essência propõe uma relação de troca entre pessoas com necessidades e outras, com seus produtos e serviços que irão satisfazê-las.

Como qualquer relação de mercado, as relações comerciais podem e devem ser medidas, ainda mais em tempos de internet e mídias sociais onde tudo vira dados. Por isso, os conceitos de marketing e muitos outros conceitos estratégicos estão aí na rede para quem quiser acessar e colocar em prática, democratizando uma informação que é extremamente importante para uma empresa ou marca sobreviver.

MARCAS MAIS HUMANAS

Vivemos então uma Era de maior conexão entre pessoas, sem limites de distâncias, já que a internet pode chegar a lugares longínquos. Não é a toa que as redes sociais se tornaram o centro nervoso dessa nova dimensão digital.

Com o passar dos anos, as redes sociais e a tecnologia por trás delas também evoluiu e caiu no gosto popular. Afinal, se tornou um objeto de desejo, muito além da necessidade de manter as pessoas em comunicação. Hoje, temos dados detalhados de comportamento de nossos clientes, algo que não sonharíamos 20 anos atrás. Por isso, as marcas viram a necessidade de surfar nessa “onda” e apostar, mesmo que tardiamente, no meio digital como o futuro e o presente de seus negócios. Assim, foi necessário modular sua comunicação, tornar-se mais “legalzona” ou rever os protocolos para poder se aproximar dos clientes de forma mais livre. As marcas perceberam que precisariam se tornar mais humanas para poder se relacionar com o mercado e com seu público, o motivo de sua existência.

PESSOAS MAIS MARCANTES

Simultaneamente à mudança do marketing das empresas, migrando e integrando suas ações com os meios digitais, aconteceu uma grande expansão de consciência da sociedade enquanto indivíduos e agentes participantes desse mercado (marketing outra vez!).

Nós percebemos que, como clientes e e potenciais consumidores, temos força, podemos nos engajar em grupos com gostos e ideias parecidas, podemos comprar e questionar a origem dos produtos e detalhes dos processos industriais que antes não nos importavam.

Estamos percebendo que somos peças importantes nesse jogo. Assim, nos colocamos também no mercado como marcas e nos tornamos produtos com nossos valores pessoais. Já pensou qual é a sua imagem no digital?

Image by Free-Photos from Pixabay

Calma, não estou falando de uma imagem que você deve montar, como um profissional dedicado ou uma pessoa com uma cultura ou hábitos incríveis e que não correspondem com a sua realidade. Não é isso. Aliás, pessoas que tentam vender uma imagem “montada” tendem a ser desmascaradas cedo ou tarde (como a influencer digital que se dizia vegana, mas comia carne escondido).

O mesmo ruído de valores acontece com as marcas que fingem lutar por causas de momento e que nunca foram dela. Ou pior, vão contra anos de trabalho contrário a isso (Recentemente o McDonald’s apresentou uma lanchonete-conceito usando energia solar, mas as críticas vieram por falta de medidas efetivas sobre as fazendas parceiras de onde vem a carne e o efeito no meio ambiente). Por isso, essas empresas correm o risco de serem atingidas na imagem e reputação, saindo como uma marca pouco confiável ou oportunista.

O PODER DA ESCOLHA É NOSSO

Estamos vivendo uma Era onde nós selecionamos nossas amizades por afinidade ou interesse. Eu escolho produtos e escolho pessoas com quem quero dividir minhas redes sociais, consumir e trocar conteúdos. Inicia-se então uma nova busca por pessoas que façam diferença positiva em nossas vidas. A verdade é que buscamos pessoas mais marcantes em nossas vidas. Buscamos mais verdade e direções.
No fim, queremos sonhar, desejar, conviver e nos surpreender com todas as trocas que o marketing tem a oferecer. Seja comprando um produto novo ou passando a seguir uma pessoa que você admira nas redes sociais.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna Propaganda&Arte

Tudo vai (realmente) mudar depois da pandemia?

Ainda estamos no olho do furacão. Alguns dizem que as coisas vão piorar, outros ainda acreditam que tudo é uma conspiração, mas afinal: a propaganda e toda nossa compreensão do mercado vai realmente mudar após a covid-19?

Nós aprendemos na faculdade que a propaganda mostra aquilo que as pessoas querem, desperta desejos e nos oferece soluções, certo? E se todo o sistema que conhecemos estiver mudando, não só por uma mudança brutal da economia, mas por mudanças nas pessoas, como seres humanos? Isso pode mudar a regra do jogo e mudar DE jogo.

Eu trabalho com marketing e publicidade há mais de 10 anos e sinto que a partir de 2020, as pessoas vão começar a valorizar outros aspectos, muito além de produtos e marcas. As pesquisas de comportamento apontam a segurança como o principal atributo das marcas do futuro. Na verdade, já é do presente.

Ninguém está mais vendendo, ninguém mais quer falar de produto e com razão

Todas as campanhas que estou vendo/produzindo são ou 100% comerciais (como o serviço de delivery) ou 100% conteúdo para informar, entreter, auxiliar as pessoas. No final, as marcas estão tendo que ser mais humanas na marra. Claro, estamos revendo nossa Humanidade, nosso papel e nossa força como grupo.

Marcas globais e regionais estão buscando soluções, tanto comerciais como de comunicação. A hora da grande virada da propaganda parece que chegou, principalmente a digital. Quem está no celular nesse momento? Em casa? Todos nós (ou deveríamos). Quem está vendo mais séries do que nunca, vídeos no Youtube e canais pagos cheios de propagandas? Nós. Isso mesmo.

Image by fernando zhiminaicela from Pixabay

As agências estão revendo formas de trabalhar, os clientes delas também. Todo mundo quer entender o momento, quer superar essa fase, ver um cenário melhor. E tudo só vai melhorar quando a comunicação for eficiente. Das marcas, governos e pessoas. As mensagens de união e esperança parecem disputar espaço com as manchetes de desespero e angústia. A voz de uma marca agora não parece mais alta do que de uma pessoa. Todos têm valor, mas o que dizer nessa hora?

(Silêncio)

Desafio: pense em uma marca que está se sobressaindo nesse momento

Conseguiu pensar em alguma? Provavelmente você ficou sabendo de alguma empresa fazendo doações para hospitais, famílias, etc. Ou então ajudando de alguma forma filantrópica, mas nem todas estão divulgando. Parece que agora a propaganda percebeu que precisa ser real. Propaganda para mostrar que ajuda não pode ser mais importante que a própria ajuda. Ou seja, o marketing pensando na imagem só pela imagem não se sustenta.

Marcas mais humanas para pessoas mais humanas

Eu sei que muita coisa ainda vai acontecer e está acontecendo na vida de cada um. Estamos mais conectados, mais ligados, mais próximos e distantes. Esse dicotomia é reflexo de uma transição que já estava acontecendo e só vai acelerar daqui pra frente. Você quer se relacionar com marcas verdadeiras e com pessoas reais. Mesmo que esse contato seja virtual, pois agora, mais do que nunca, o virtual nunca foi tão real. Que esta mudança seja um ótimo motivo para nos tornarmos pessoas melhores. Assim, as marcas vão precisar acompanhar, afinal, para quem nós vendemos mesmo?

Fique seguro, cuide dos outros e se comunique melhor.

#FiqueEmCasa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0