Coluna “Discutindo a relação…”

Pequenas, ágeis e enxutas

Semana passada aconteceu uma discussão muito legal no Linkedin a partir de um texto postado pelo grande Luiz Buono, sócio e fundador da Fábrica. O Luiz tem se destacado nesta plataforma com textos e reflexões sempre muito bacanas e úteis.

No texto ele narrou um acontecimento de três anos atrás: uma pessoa na fila do SXSW lhe disse que o futuro seria das agências ágeis, enxutas e que tivessem liberdade maior de movimento. Agências independentes. E o Luiz relacionou isso com o recente destaque que três agências brasileiras com esse perfil obtiveram na edição deste ano em Cannes. As agências são a David, a AKQA e a W+K. Esse assunto também foi capa da Meio&Mensagem de 01 de julho.

Comentei na postagem do Buono que acreditava fortemente em um futuro breve no qual as estruturas independentes e ágeis terão mais espaço, enquanto as grandes holdings de comunicação passarão por mais dificuldades.

Olhando para nosso mercado, o mercado do Vale do Paraíba e de interior de SP como quase um todo, podemos constatar que as estruturas condensadas de nossas agências – mais por necessidade do que por inventividade –  têm garantido espaço para  competirem até mesmo nos centros maiores. O digital e suas ferramentas deixaram tudo mais horizontal e como sempre tivemos talento agora podemos competir com a vantagem da estrutura pequena (mas competente), do preço inferior (nosso custo é menor) e da agilidade e multioferta de serviços.

Imagem de Gerd Altmann por Pixabay

As primeiras a desbravarem essa trilha e abrirem espaço no mato do mercado das capitais e até do exterior foram as chamadas agências digitais.

Muitas agências – tradicionais e digitais – optam inclusive por trabalhar por projetos, montando equipes de freelancers de acordo com cada demanda. Mesmo em São Paulo capital esse modelo já é bastante encontrado. Tive uma conversa muito boa com o Filipe Crespo da criativosbr sobre isso. O modelo de operação deles é exatamente assim. Dois sócios e uma equipe de frilas de acordo com cada demanda de cada cliente.

Também acredito que muitos modelos operacionais de prestação de serviços em comunicação passem a coexistir. Um necessariamente não exclui o outro. Todos os tipos e modelos de negócios em comunicação, marketing e propaganda estão buscando aprimorar suas armas e caprichar cada vez mais na entrega. Uns permanecerão, outros talvez não.

O mercado é assim. E novos modelos de negócios em comunicação ainda estão por surgir. É aguardar para ver.

Minalba aposta em gastronomia em C.Jordão

Minalba leva à Campos do Jordão o principal festival de alta gastronomia da América

Assinado por renomados chefs, o Gastronômade chegará à cidade em comemoração ao Festival de Inverno, lançando oficialmente o novo posicionamento da marca de água mineral natural Minalba.

Um convite a experimentar sair da rotina, viver novos desafios e experiências. Assim é a proposta da Minalba aos consumidores. Para esse novo momento, a Minalba levará a Campos do Jordão um dos principais eventos da alta gastronomia do país: o Gastronômade Brasil. A edição, que ocorrerá no próximo dia 20 de julho, propõe um banquete diferenciado, ao ar livre, cercado pela natureza, num cenário encantador nas dependências da Minalba, sob o friozinho da serra da Mantiqueira, na região do Vale do Paraíba.

“Estamos vivendo um momento de transformação, de experiências e queremos oportunizar cada vez mais aos nossos consumidores e parceiros vivenciarem tudo isso. Dentro dessa proposta, acreditamos que o Gastronômade, um evento consolidado, que tem em seu DNA o diferente, o novo, o desafio de ser sustentável, se encaixa perfeitamente no propósito da marca Minalba”, afirma Camila Coutinho, gerente nacional de marketing da Minalba Brasil.

Destinado para 100 pessoas, o evento exclusivo acontece na área de proteção ambiental mantida pela Minalba, a 1.700m de altitude, e terá seu cardápio produzido com insumos locais, valorizando o regionalismo e fortalecendo a cadeia local. O menu de sete passos dessa edição será assinado pelo chef Eugênio Lorainev e desenvolvido especialmente para o momento.

Fonte: Engaja Comunicação – Leonardo Heffer

Confira como foi o lançamento do Desenvolve Vale

De olho na geração de emprego, Desenvolve Vale reúne empresários para ampliar investimentos no Vale do Paraíba

Fundador da Embraer, Ozires Silva está entre os conselheiros do grupo; plataforma foi lançada no dia 3 de julho, com palestra do ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega

Maílson da Nóbrega

Grupo de empresários preocupados com o desenvolvimento sustentável do Vale do Paraíba, o Desenvolve Vale foi lançado oficialmente nesta quarta-feira (3 de julho) em São José dos Campos (SP), em um encontro com 200 convidados ligados aos setores produtivo, industrial e de serviços da região, além de representantes do poder público e convidados.

Na ocasião, o anfitrião do evento e presidente do Conselho Desenvolve Vale, Kiko Sawaya, apresentou a plataforma do grupo, os primeiros conselheiros e convidou o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega para uma palestra, na qual ele falou sobre as “Perspectivas da Economia Brasileira”.

Entre os presentes, estavam o ex-ministro e cofundador da Embraer Ozires Silva e o fundador do Inpe, Fernando de Mendonça, além do prefeito de Jacareí, Izaias Santana, do secretário de Gestão Administrativa e Finanças de São José dos Campos, José de Mello Correa, e do presidente da Câmara de São José dos Campos, Robertinho da Padaria.

“O Vale do Paraíba já é reconhecido nacional e internacionalmente pelo sucesso e pujança da indústria, mas os setores produtivos e de serviços precisam estar unidos numa mesma pauta. Queremos colocar todo mundo em uma discussão para entender a economia local, com foco na geração de empregos e riqueza, o que está diretamente ligado ao desenvolvimento da sociedade”, afirmou Kiko Sawaya.

Kiko Sawaya

A premissa básica do Desenvolve Vale é colocar na mesa empresários de destaque e com participação importante no PIB da região com o intuito de gerar novos negócios. “E também valorizar o papel e a importância do empresariado dos setores produtivo, industrial e de serviços, que precisam ser vistos como aliados do desenvolvimento”, explicou Kiko Sawaya.

Apresentados no evento de lançamento, estã entre os primeiros conselheiros o próprio Ozires Silva, além de Alfredo Freitas (Nova Freitas), Cassiano Terra Simão (Terra Simão Construtora), Claudio Giordani (Band Vale), José Wagner de Macedo (TPlan Construtora), Jorge Neto (Osten), Marcelo Demori (JR Madeiras), Marcelo Tomba, Oscar Constantino (Grupo Oscar), Oscar Gonçalves (Colégio Cassiano Ricardo) e Paulo Neto (KPR). Ao longo do mês, novos nomes serão integrados ao grupo.

Para o secretário de Gestão Administrativa e Finanças de São José, a iniciativa é bem-vinda. “A força que vem do poder público, sozinha, não resolve todas as situações. A força que vem dos empresários pode colaborar para que tenhamos uma conurbação no Vale, além da ligação física com a Dutra, mas institucionalmente”, afirmou Mello Correa.

O prefeito de Jacareí também elogiou a proposta do Desenvolve Vale. “Aproximar setores públicos e privados, criando pautas e agendas em comum é um ganho importante para a região. Você potencializa os investimentos”, disse Izaias Santana.

Palestra com Maílson da Nóbrega

Em pouco mais de uma hora de palestra, o ex-ministro da Fazenda defendeu a reforma da previdência, que destacou como o principal desafio do governo de Jair Bolsonaro.

“Se o resultado da reforma não corresponder à expectativa do mercado financeiro, nós vamos entrar em um problema muito sério. Mas ainda acredito que vamos atender esta expectativa e evitar o que os economistas chamam de insolvência fiscal. Em dois ou três anos, poderemos ter cerca de 20 estados, que não vão ter condições para pagar sua folha de salário. Isso é uma catástrofe”, diz.

Maílson da Nóbrega ainda listou o que seriam ventos contra e a favor no panorama político e econômico do país. Para ele, pesam contra o país duas conjunturas: a guerra comercial entre China e Estados Unidos e o que apontou como “dúvidas sobre capacidade de liderança do presidente, bem como de definir prioridades e gerir crises”.

Já na lista de ventos a favor, ele cita a “boa herança do governo Temer”, o que inclui a reforma trabalhista e o teto de gastos, a inflação sob controle e o fim da recessão econômica.

Próximos passos do Desenvolve Vale

A partir do lançamento da plataforma, o grupo de conselheiros vai se reunir periodicamente para discutir pautas e ações alinhadas aos interesses econômicos da região, além de receber convidados do poder público, gestores corporativos e especialistas, entre outros, para reuniões intimistas com foco no desenvolvimento econômico da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, a RMVale.

Também serão realizados fóruns voltados ao desenvolvimento e à competitividade das cidades do Vale do Paraíba, além de palestras temáticas.

A RMVale, criada em 2012, é composta por 39 municípios, situados entre as duas Regiões Metropolitanas mais importantes do país: São Paulo e Rio de Janeiro. Três das cidades – São José dos Campos, Taubaté e Jacareí – estão entre as que mais concentram riquezas no país.

Com 2,5 milhões de habitantes, destaca-se nacionalmente por intensa e diversificada atividade econômica. A produção industrial é altamente desenvolvida, predominando os setores automobilístico, aeronáutico, aeroespacial e bélico nos municípios localizados no eixo da rodovia Presidente Dutra.

Fonte: CABANA | Suzane Rodrigues Ferreira

Lançamento do Desenvolve Vale em São José dos Campos

Com palestra de Maílson da Nóbrega, Kiko Sawaya lança Desenvolve Vale em São José dos Campos

Grupo com lideranças dos setores produtivo, industrial e de serviços vai propor uma agenda de desenvolvimento sustentável para o Vale do Paraíba, voltada ao crescimento econômico e à geração de empregos e renda; lançamento é dia 3 de julho

Kiko Sawaya

Plataforma de negócios para debater e estimular o desenvolvimento sustentável da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, a RMVale, o Desenvolve Vale será lançado no dia 3 de julho para convidados, autoridades, formadores de opinião e imprensa, em evento no auditório Hyde Park, em São José dos Campos, a partir das 13h30. Na ocasião, o economista e ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega vai prestigiar o evento e comandar a palestra “Perspectivas da Economia Brasileira”, sobre soluções para a retomada do crescimento e geração de emprego e renda.

O anfitrião do evento é Kiko Sawaya, fundador e presidente do Conselho Desenvolve Vale, no qual vão participar lideranças dos setores produtivo, industrial e de serviços, todos com compromisso com os princípios democráticos e a gestão eficiente.

Antes do bate-papo com um dos economistas mais renomados do país e reconhecido mundialmente, Kiko Sawaya apresentará a nova plataforma de negócios ao público. “Vamos apresentar a missão do Desenvolve Vale, a composição inicial do grupo de conselheiros e as dinâmicas que pretendemos adotar para a confecção de uma agenda de desenvolvimento sustentável para a região”, explica o presidente do conselho.

O evento de lançamento do Desenvolve Vale também contará com a presença do engenheiro e fundador da Embraer Ozires Silva, além de prefeitos, vereadores, empresários e outras autoridades das cidades do Vale do Paraíba.

Discussões

A partir do lançamento da plataforma, o grupo vai se reunir periodicamente para discutir pautas e ações alinhadas aos interesses econômicos da região, além de receber convidados do poder público, gestores corporativos e especialistas, entre outros, para reuniões intimistas com foco no desenvolvimento econômico da RMVale.

Maílson da Nóbrega

Também serão realizados fóruns voltados ao desenvolvimento e à competitividade da Região Metropolitana do Vale do Paraíba, além de palestras temáticas, em eventos serão abertos a convidados, imprensa, formadores de opinião e ao público em geral.

“Queremos pautar uma discussão sobre o futuro da região e sobre a importância e o espaço dos empresários nesse processo. Qual é o Vale do Paraíba que queremos? Como a região vai crescer, amparada em quais setores? Temos que agir em conjunto e reunir os agentes envolvidos, que são aqueles que pensam as cidades, que geram empregos. Só sairemos dessa crise se todos nos movimentarmos”, afirma Kiko Sawaya.

A RMVale, criada em 2012, é composta por 39 municípios, situados entre as duas Regiões Metropolitanas mais importantes do país: São Paulo e Rio de Janeiro. Três das cidades – São José dos Campos, Taubaté e Jacareí – estão entre as que mais concentram riquezas no país.

Com 2,5 milhões de habitantes, destaca-se nacionalmente por intensa e diversificada atividade econômica. A produção industrial é altamente desenvolvida, predominando os setores automobilístico, aeronáutico, aeroespacial e bélico nos municípios localizados no eixo da rodovia Presidente Dutra.

Lançamento Desenvolve Vale

Com a palestra “Perspectivas da Economia Brasileira”, de Maílson da Nóbrega

Quando: 3 de julho (quarta-feira), às 13h30

Onde: Auditório Hyde Park (Av. Cassiano Ricardo, 401, Jardim Aquarius, São José dos Campos)

Evento para convidados

Fonte: CABANA | Suzane Rodrigues Ferreira

Faap terá evento focado em UX

UXConf BR Redux 2019 em São José dos Campos

O UXConfBR Redux São José dos Campos é uma versão reduzida da UXConf 2019, a maior Conferência de UX do Brasil que aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio em Porto Alegre, destinada a discutir os mais variados tópicos sobre Design de Experiência.

Neste Redux, iremos trazer 3 palestrantes que participaram do evento com suas palestras originais.

LIVIA GABOS
Como criar conteúdo para pessoas com deficiência visual num mundo visual
Trabalho a mais de 10 anos na área de tecnologia, e atuei principalmente com testes de usabilidade e acessibilidade no interior de São Paulo. Fiz mestrado na área de visualização de informação aplicada no processo de desenvolvimento de software. Hoje além de ser consultora sobre experiência do usuário, voltada para a parte de usabilidade e acessibilidade, eu também dou aulas de lógica e programação frontend e backend para pessoas com deficiência visual.

ALVARO ROSA
Design Ágil na prática: construindo um marketplace de educação de sucesso sem as práticas convencionais de UX
Vim de uma geração formada em Desenho Industrial – inspirada pela Bauhaus e focada em servir universalmente e em escala industrial – que viveu nos anos 2000 a segmentação do design, onde Branding, Design Gráfico e Web Design começaram a formar a nova geração de designers extremamente orientados a experiência. Hoje como Design Manager na Quero Educação, tenho o privilégio de estar usando design e tecnologia para democratizar o acesso ao ensino superior no Brasil para milhares de brasileiros.

ELIAS FERNANDES
Pesquisa com usuários surdos: como entender o estrangeiro em seu próprio país
Profissional graduado em Design de Mídia Digital, pós-graduando em em Arquitetura da Informação e UX + Módulo Avançado em Usabilidade, com mais de 10 anos de atuação como designer. Autor de um livro para Crianças Surdas e intérprete da Língua de Sinais há 20 anos.

SERÁ GRATUITO! Então corre que as inscrições já estão abertas!

Coluna Propaganda&Arte

A criatividade morreu na Propaganda? Pode ser que sim.

Em tempos de evoluções tecnológicas e comunicações instantâneas, o trabalho do designer ou publicitário caricato parece não mais fazer sentido. Mas será que a criatividade não tem mais espaço nesse novo mundo digital onde tudo já é pré-definido e cada vez mais automático?

Para entender alguma palavra ou a relação entre elas é sempre bom buscar seu real significado. Isso clareia o raciocínio. Vejamos. Propaganda é: divulgação de uma ideia, crença, religião”.

Dentre outras definições específicas, podemos entender que a Propaganda de ontem, a de hoje e, arrisco dizer, a de amanhã vai ser sobre divulgações de ideias. Não importa como: vídeos, fotos, impressos, aplicativos, tendências, crenças, marcas etc.

Já a palavra arte, que está intimamente ligada à criatividade, significa, dentre outras coisas: “uso dessa habilidade nos diversos campos do pensamento e do conhecimento humano”.

Dessa forma, complementamos a definição de criatividade, para encontrarmos o ponto em comum destes itens: “inteligência e talento, natos ou adquiridos, para criar, inventar”.

Então, vemos que a arte é apenas uma das resultantes de alguém que possui criatividade. Assim, é um ponto a ser considerado, pois entendemos então que, pelo menos do ponto de vista lógico, é possível ser criativo em qualquer área do conhecimento humano. Até na hora de escolher qual exercício físico fazer ou como preparar seu almoço ou até na hora de levar o cachorro para passear, alternando caminhos e inovando.

E quando este conhecimento humano trata da comunicação?

Então, entramos no campo da propaganda, que pode ser de qualquer cunho, político, comercial, religioso, social etc., mas respeita algumas regras atuais, ainda mais neste novo cenário digital.

É preciso ter claro o público que iremos falar, hoje conseguimos segmentações espetaculares nas mídias sociais, sabendo direcionar nossas campanhas para uma pessoa que torce para o time X, que gosta de comer Y, e curte a marca de roupa Z. Tudo fica mais fácil e, às vezes, nem precisamos ser muito criativos nessa comunicação. Certo? Talvez.

Hoje encontramos programas que enviam e-mails, criam layouts, fazem vídeos, criam imagens personalizadas, fazem logotipos com base nas suas indicações e até fazem todo o planejamento e monitoramento de mídia, com base em inteligências artificiais dos programas, tudo visando uma otimização de tempo, dinheiro e resultados. Mas sempre existe um risco.

Então, você quer dizer que não podemos aproveitar a (da) tecnologia?

Não sou do tipo contra os avanços tecnológicos, mas acho que alguns sinais precisam ser considerados antes de abraçar uma nova ferramenta ou facilidades on-line que prometem fazer todo o seu trabalho de publicitário, por exemplo, selecionar suas paletas de cores, as melhores palavras-chave, as fotos e trilhas sonoras que são ideais para despertar aquele sentimento no público. Isso precisa ser um complemento do conhecimento seu, não uma bengala criativa.

Ainda penso que temos que aprender sim, sobre tecnologia, mergulhar nesse mundo, mas não se afogar. A ciência humana não é exata, por isso, o ser humano precisa ser sempre o foco. Tanto na hora de criar novas peças publicitárias, como na hora de planejar novas campanhas, ainda mais as que forem focadas em valores.

Máquinas ainda não selecionam os melhores valores para a sua marca. Ainda.

Como esta nova geração se preocupa ainda mais com valores das marcas que compram, é preciso entender que uma má escolha vai prejudicar qualquer campanha. Definido isso: tendo um planejamento transparente e uma comunicação bem alinhada com seu cliente, as propagandas só vão acompanhar aquele universo lógico. Daí podemos ser criativos. Não necessariamente na arte, mas talvez na forma, no jeito de falar, no ambiente em que aparecemos, na voz, no momento que a marca ganha destaque dentro da vida do público ou até na forma de se posicionar como marca.

A criatividade precisa existir em algum lugar. Mesmo que não seja na arte.

Se você não sabe os valores da empresa, não entende os quereres do público, não conhece as ferramentas, os prazos, a verba e as possibilidades, você não vai conseguir articular as ideias para ser criativo. Vai ficar lá no passado, achando que a arte precisa ser surrealista, minimalista, impactante ou animada, para fazer sucesso. Vai achar que ter uma marca conhecida já vai bastar. Que as pessoas falarem de você já vai ser suficiente. Vai ficar no campo superficial da antiga criatividade que já morreu. Faz tempo. E renasceu como várias outras formas de se inovar. Será que você está trabalhando com um cadáver e não sabia? Acho que já passou da hora de repensar a criatividade na sua empresa, sua agência ou até na sua vida. Vamos mudar o trajeto de volta do trabalho, só para começar?

Relevância, relacionamento, ideias, churrasco e um mantra

Pra continuar relevante

por Josué Brazil

Tem havido muita discussão em torno do fato das agências de propaganda terem perdido sua relevância. Muitos líderes do setor concordam que muita coisa precisa ser feita para que as agências retomem seu protagonismo. Eu também concordo.

Dentro deste contexto fique bastante bem impressionado com a entrevista principal da Meio&Mensagem desta semana. O entrevistado é o Antônio Fadiga, que acabou de assumir como CEO das duas unidades da Artplan (SP e Rio, ele era CEO apenas da unidade SP).

O Fadiga afirma que para ele quatro coisas são fundamentais na gestão de sua agência. Ele as chama de quatro pilares. São elas:

1 – Fazer com que a agência seja recomendada pelos já clientes;

2 – Ampliação da reputação criativa;

3 – Ambiente interno (cultura);

4 – Rentabilidade/resultado aos acionistas.

Ele chegou a esse modelo de gestão ao observar o que os clientes mais apontavam como negativo na relação com as agências. Os clientes, em um estudo promovido pela Agency Scope, desde 2010 apontam que a maior expectativa que eles têm em relação às agências é que elas REALMENTE conheçam os negócios dos clientes. E que isso não ocorre de fato.

Ele afirma que as agências têm que mudar o foco e apostar no relacionamento verdadeiro com os clientes. Ele diz: “O objetivo é sempre mover os números dos clientes…” Também diz: “Quem gosta de propaganda é o publicitário, não o anunciante. O cliente precisa de propaganda, pois, se não precisasse, usaria essa verba de outra forma.”

Em outra matéria deste mesmo número de Meio&Mensagem um outro publicitário, Paulo Buffagni,  apresenta uma ideia um pouco diferente mais que tem muita aderência ao que Antônio Fadiga propõe.

Imagem de Christo Anestev por Pixabay

O Paulo é argentino e depois de atuar em várias das grandes agências multinacionais resolveu abrir seu próprio negócio, a BBQ Agency.  A empreitada  tem sede em Los Angeles (EUA) e é focada no mercado hispânico.

O que o Paulo disse afinal de contas que tem relação com o que Antônio disse???

Ele afirma que para abrir sua agência uniu duas coisas que ama: ideias criativas e churrasco (tamo junto nessa, Paulo).  Por quê? Porque ambos podem ser feitos em um ambiente descontraído. E mais. A metáfora do churrasco, de acordo com ele, ajuda a explicar o que ele e seu time acreditam ser uma demanda primordial do mercado anunciante:  um acesso mais direto à equipe que administra “a cozinha”.  Ou seja, um relacionamento sem muitas camadas, sem interfaces, sem barreiras e sem desperdício de tempo.

Bacana né? Eu adorei!

São boas sacadas para fazer com que as agências retomem seu papel de relevância junto aos clientes/anunciantes.

Pra fechar vou citar aqui uma frase do Fadiga que também está na mesma entrevista: “Para liderar essa transformação, é preciso sempre manter a estratégia de premiar o erro e castigar a inércia. A inquietude deve ser constante.”

Pra mim isso já virou um mantra!

Dia da Internet: 6 grandes inovações que levam ao desenvolvimento da IoT

Estudo aponta ações que estão contribuindo para que a Internet das Coisas melhore a qualidade de vida das pessoas

Hoje, dia 17 de maio, é celebrado o Dia da Internet, e um dos avanços que estão alavancando a rede mundial de computadores é a IoT, ou Internet of Things (Internet das Coisas), que conecta objetos à internet.

A IoT possibilita que os dispositivos sejam inteligentes e estejam conectados, produzindo dados que geram conhecimento e tornam nosso cotidiano mais eficiente e nossa economia mais aquecida. A Internet das Coisas está transportando todo o potencial dos softwares e da internet para o mundo físico, revolucionando nosso modo de viver por meio de sensores, informações, criptografia e nuvens.

Imagem de Niran Kasri por Pixabay

“Diversas ferramentas tecnológicas revolucionárias estão convergindo para multiplicar as oportunidades geradas ao conectar dispositivos que fazem parte do nosso dia a dia”, explica o country manager da BSA no Brasil, Antônio Eduardo Mendes da Silva, conhecido como Pitanga. “Estamos no caminho certo para que a revolução dos dispositivos conectados melhore nossa qualidade de vida e transforme a maneira como trabalhamos, além de ser um gás na nossa economia, criando empregos, indústrias e oportunidades para um futuro mais próspero.”

As principais inovações que permitem o desenvolvimento da IoT são apresentadas no estudo “Sensor Sensibility – Getting the Most from the Internet of Things”, da Software.org – organização de pesquisa internacional, independente e apartidária.

Conheça os 6 principais avanços apresentados pelo estudo:

1 – Os sensores estão ficando cada vez menores, baratos e poderosos, permitindo que dispositivos vejam, escutem e sintam além da capacidade humana. Possibilitar que os dispositivos sintam e controlem o ambiente é parte fundamental para a criação de uma rede conectada.

2 – Softwares inteligentes podem ser embutidos em qualquer produto ou solução, permitindo sua conexão com a internet e com a nuvem, deixando-os mais inteligentes, bem como possibilitando sua integração a um sistema. Igualmente, viabiliza que o sistema seja aperfeiçoado por meio de simples atualizações de software. A presença dos códigos em nossas vidas cresceu tanto que hoje as geladeiras de última geração, por exemplo, tenham mais linhas de código do que um computador de mesa há 20 anos.

3 – A conectividade está ficando mais rápida, onipresente e indo mais longe. Para atingir todo o potencial de rede da nuvem, dispositivos devem estar conectados por meio de internet de alta velocidade, baixo custo e ampla abrangência. Conexões preparadas para lidar com redes mais densas já estão sendo desenvolvidas para serem mais flexíveis e rápidas.

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

4 – Softwares de análise estão utilizando a nuvem para deixar dados mais acessíveis, úteis e cada vez mais valiosos. Quando dois dispositivos se comunicam, é essencial que exista a nuvem para armazenar, processar e analisar os dados obtidos. A nuvem também garante que os dados sejam armazenados e consultados remotamente, além de permitir a criação de sistemas integrados e inteligentes que deixam os aparelhos cada vez mais smarts. A análise inteligente das informações atrelada aos dispositivos resulta em uma rede muito mais poderosa do que a simples adição isolada deles.

5 – Tecnologias de segurança evoluem continuamente para assegurar que os dispositivos fiquem conectados e os dados protegidos mesmo com a evolução das ameaças. Quanto mais os dispositivos conectados fazem parte de nossas vidas, mais precisamos que tecnologias se renovem continuamente para garantir um uso seguro da rede. A criptografia, por exemplo, já é utilizada para garantir que apenas dispositivos habilitados estejam conectados à rede e proteger dados em trânsito e armazenados na nuvem.

6 – A inovação não está restrita a grandes empresas, mas também nasce nas garagens de empreendedores e inventores independentes. Com a proliferação de dispositivos conectados e das nuvens, e a facilidade para comprar e conectar sensores, o percurso entre ideia e protótipo e entre protótipo e produto está encurtado, facilitando a criação de soluções conectadas por inventores independentes. Isso significa que a inovação não está mais limitada às grandes corporações.

Link para o estudo (em inglês): https://software.org/reports/sensor-sensibility/

Fonte: BSA The Software Alliance/ Textual – Maria Alice Vila

Dialogar é preciso!

Trocando ideias na Etec

por Josué Brazil

Na última quinta feira a noite tive a incrível oportunidade de falar com o pessoal do curso técnico de marketing da Etec Taubaté. A palestra fez parte de um evento maior, que contou com vários outros palestrantes, e que marcou a Semana do Marketing- em comemoração ao dia do profissional de marketing (08 de maio).

Foto: Marcela Lourenço

Minha fala girou em torno das mudanças que ocorreram e estão ocorrendo nos últimos anos no cenário de marketing e comunicação: a fragmentação da atenção e das audiências, as eras de mídia, a perda de poder do marketing, o empoderamento dos consumidores e a necessidade das marcas dialogarem com seus públicos para obterem mais atenção.

Há várias e diferentes estratégias para melhorar o diálogo e aumentar a captura de atenção, mas em minha palestra concentrei-me em dois aspectos que estão bastante em voga: causas e propósitos.

Disse aos alunos que as marcas precisam assumir posicionamentos que estejam 100% alinhados ao seu DNA e missão. Atrelar-se a causas e propósitos que seu público identifiquem como válidas e valiosas. Isso potencializa o diálogo. E muito!

Fiquei positivamente impressionado com o interesse e atenção da platéia. Com as participações durante e ao final da palestra e com o carinho do Marcio Yuji (que me chamou para o evento), da Marcela Lourenço e da Eliana Torri, todos professores da casa Etec Taubaté).

Você pode ver o conteúdo da minha palestra aqui

Como sempre acontece saí de lado energizado e muito feliz! Valeu Etec. Podem me chamar mais vezes que eu vou!

Vaga para redator

Agência está em busca de redator

A MaCost está à procura de Redator Junior / Copy. Para concorrer à vaga, tem que ser apaixonado por criação e seguir alguns pré-requisitos:

– Graduação em Publicidade e Propaganda, Comunicação ou Jornalismo (completo ou cursando, no mínimo, o 3º ano);
– Experiência mínima de 1 ano de atuação na área;
– Experiência em redação publicitária, excelente escrita, criatividade, ser ávido por buscar conhecimento e ter vontade de crescer profissionalmente;
– Conhecimento em marketing digital e mídias sociais;
– Desejável: conhecimento de Facebook ads, Google ads e gerenciamento de redes sociais.

Quer participar do processo de seleção? Envie seu currículo e portfolio para taise@macost.com.br