Coluna “Discutindo a relação…”

Os dados não vão nos impedir de errar… Que bom!

“Errar é só parte do processo de criar.”

Essa frase, dita por Ed Catmull, co fundador da Pixar e presidente da Disney e da Pixar, está na primeira página da Meio&Mensagem desta semana.

Ela é relevante, apesar de simples. Há muito entusiasmo com os dados nos dias atuais. E é justificável. Nunca pudemos reunir e tratar um volume tão grandioso de dados e informações. As tecnologias estão, sem dúvida nenhuma, ajudando muito (ia escrever ajudando pacas, mas essas expressões denunciam a antiguidade do escrevente).

É preciso que fique claro que toda essa maravilha aí presente não vai eliminar o erro. Mesmo com dados e tantos insights vindos da análise dos mesmos, o erro está logo ali, escondido atrás da próxima pilastra e pronto para nos dar um susto.

E é bom que sempre nos lembremos de que o erro deve continuar fazendo parte do processo criativo. Não se deve em hipótese alguma pensar em acabar com ele. Sou taxativo em relação a isso: todo processo criativo, de inovação, deve envolver erro(s).

Podemos e vamos ficar ficar mais assertivos em comunicação e marketing, mas errar faz parte do jogo. Os anunciantes terão que entender isso. Alguns já entenderam.

Uma excelente análise de uma grande quantidade de dados pode nos levar a bons insights. Sem dúvida. Daí pra frente nada pode garantir que teremos uma sucessão de acertos. Por uma ideia em pé, fazê-la realidade, é bem diferente. O processo criativo é tortuoso e até certo ponto deliciosamente caótico.

Essa semana fotografei e postei no perfil deste blog no Instagram a seguinte frase (também publicada no Meio&Mensagem, desta vez na semana passada, e parte de um artigo escrito por Alessandro Cauduro – sócio-fundador da W3haus:

“Enquanto as máquinas são infinitamente melhores que a gente em varrer grandes quantidades de dados e identificar padrões, nós temos a consciência e a capacidade de abstrair conceitos que ainda estão longe de se reproduzir no mundo binário.”

Bingo! É isso! Nossa capacidade de abstrair, de fabular, de conectar coisas absolutamente sem relação em um primeiro momento é, ainda, imbatível. E como não somos máquinas podemos e vamos errar. Aliás, leia o artigo, pois lá o Alessandro mostra que até as máquinas erram.

Temos que entender que para quem trabalha com processos criativos e inovação – não só em propaganda, comunicação e marketing – o uso de dados não pode virar um selo de garantia de “não erro”. Mais do que isso: devemos continuar ensinando que errar é fundamental!

E os dados? E o big data, e a Inteligência Artificial, e o machine learning e o deep learning? Serão sempre muito bem vindos, obrigado!

Os dados podem ficar melhores com IA

A inteligência artificial e o enriquecimento de dados

por Rafael de Albuquerque*

Os dados já são hoje mais preciosos que o combustível, mas por si só não são suficientes para expressar algo. Para que tenham um significado útil e relevante na tomada de decisão eles precisam passar antes por algum tipo de análise e interpretação.

Imagem: Pixabay

Sinal dos tempos, os dados gerados no mundo todo têm aumentado de forma exponencial ao longo dos anos – e esse ritmo deve ser mantido em um futuro próximo. Contudo, até o momento, apenas 0,5% de tudo isso é analisado. É possível imaginar todo o potencial existente nos outros 99,5% que nunca foram explorados por soluções de big data e inteligência artificial? Temos, portanto, um imenso oceano para navegar.

Por meio do Wi-Fi, que passou a ser um grande sensor de informações, coexistem a mobilidade, que pode ser tanto indoor como outdoor, e o enriquecimento de dados e a consequente aplicação da inteligência artificial sobre as informações enriquecidas e trabalhadas dentro de um ecossistema. Em outras palavras: transforma-se o pouco em muito.

A mobilidade indoor diz respeito ao fluxo de pessoas em locais de grande concentração de público, como parques de diversão, estádios de futebol e shopping centers. O usuário não precisa nem sequer estar logado em uma rede para que sua movimentação seja acompanhada. Por meio de um mapa de calor pode-se visualizar dados de densidade de pontos e obter uma visão geral do comportamento dos visitantes, além de saber o que mais curtem e do que menos gostam e, assim, aprimorar as estratégias de vendas e publicidade.

Já a mobilidade outdoor compreende o fluxo externo dos usuários, seja ao saírem do transporte público ou acessarem uma loja de departamentos. Ao gerir a inteligência artificial, a empresa consegue saber, por exemplo, o percentual de pessoas que frequentam aeroportos e rodoviárias ou quem vai apenas ocasionalmente a esses locais. São informações muito ricas e insights valiosos sobre o comportamento do cliente que podem se tornar uma vantagem competitiva para as corporações que investem nessa prática.

A segunda via de entendimento gerada pela inteligência artificial aplicada em redes de Wi-Fi é o enriquecimento dos dados. Aqui temos a inteligência artificial aliada ao machine learning e ao deep learning. O primeiro é a prática de usar algoritmos para coletar dados, aprender com eles, e então fazer uma determinação ou prognóstico sobre alguma coisa no mundo. O segundo trabalha com análise de dados brutos, o que possibilita um campo de atuação ainda mais amplo, e pode classificar informações contidas em diferentes formatos, como áudios, textos, imagens, sensores e bancos de dados.

Imagem: Pixabay

No nosso entendimento, uma experiência se transforma em inesquecível quando sai do convencional e o grande responsável por proporcionar esse encantamento do usuário é o big data. Juntas, inteligência artificial, machine learning e deep learning conseguem, por meio da informação, individualizar a experiência do usuário final e, ao mesmo tempo, ser um diferencial estratégico para o cliente.

*Rafael de Albuquerque é fundador e CEO da Zoox Smart Data

Fonte: Textual Comunicação

Jornada de dados

Quanto mais dado melhor? – A importância da jornada de dados para sua empresa

Por Felipe Stutz*

Um trilhão de gigabytes ou 163 zettabytes. Você já pensou em quanta informação esse número representa? Apesar de ser uma quantia inimaginável, esse é o número de dados digitais que o mundo terá em 2025, de acordo com estudo do IDC. Esse valor é 10 vezes maior do que o que foi gerado em 2016, por exemplo.

Em teoria, empresas de diversos setores utilizam a análise de dados para tomar decisões de negócios, entender clientes e parceiros, ou ainda tomar decisões estratégicas e fazer diagnósticos de problemas internos. Para essas organizações, parte-se do princípio que essa quantia de dados que geraremos nos próximos anos seja excelente para a inteligência estratégica.

No entanto, na prática, é muito fácil ser rico em dados, mas pobre em insights para o negócio, caso tudo que for coletado não seja analisado de maneira eficiente. Para fazer uma análise inteligente dos dados gerados por uma empresa, e da relação com clientes e parceiros, é necessário saber separar o que é crucial para a tomada de decisões do que é menos relevante.

Apesar de faltar 7 anos para a previsão do IDC se cumprir, é fundamental começar desde já a se preocupar com isso, até porque, a quantidade de dados gerados atualmente pelas empresas já é bastante grande.

Para lidar com essa demanda, as empresas precisam adotar procedimentos e tecnologias que permitam que em poucos anos consigam utilizar as informações geradas para liderar boa parte de suas decisões de negócios.

A jornada de dados é um passo importante nesse sentido. As organizações necessitam pensar inicialmente na coleta de dados, em como transportá-los, protege-los, e armazená-los, mas também, no que farão a partir daí. Estes dados precisam ser encaminhados para plataformas que permitam seu processamento e posterior análise, para então se identificar o que é válido.

Ou seja, a partir de tecnologias de análise de dados e o estudo de uma equipe de cientistas da informação, é possível entender o que deve ser descartado ou mantido. A partir disso, a área encarregada poderá definir para quais setores da empresa as informações coletadas trazem maior inteligência e definir como serão utilizadas.

Para se ter uma ideia, isso é tão importante que, segundo a pesquisa Global Data and Analytics survey, da PWC, 39% das empresas se veem como altamente direcionadas por dados, sendo que 36% delas conseguem prever melhor do que as demais organizações os próximos passos a tomarem. Ao mesmo tempo, até as empresas que não se veem como data-driven, percebem essa necessidade crescente e têm a consciência que suas organizações poderiam confiar muito mais em análise de dados e menos na intuição de seus gestores.

Isso mostra que a urgência da jornada de dados existe e já é percebida inclusive por empresas que ainda não adotaram qualquer medida de transformação digital. Em um mundo altamente conectado, muitas informações continuarão sendo geradas, e isso não é necessariamente bom. É preciso cuidado para não cair na armadilha de que ter uma imensa quantidade de dados será um diferencial para os negócios. As empresas que já se preocupam em processar, analisar e tomar decisões inteligentes com base nos dados coletadas certamente terão vantagem nessa corrida.

*Felipe Stutz é Diretor de Soluções da Orange Business Services para América Latina

Fonte: aboutCOM – Natália Diogo

Otimismo para o Dia das Crianças

Segundo pesquisa da ACIT, lojistas estão otimistas para vendas do Dia das Crianças

Uma pesquisa realizada pela Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) em parceria com o NUPES (Núcleo de Pesquisas Econômicas e Sociais) da Universidade de Taubaté, aponta que as vendas para a data em que se comemora o dia das crianças devem ter uma aumento de 10%.

Para a realização da pesquisa, foram levantadas informações como o tipo de presente que pretendem comprar, o valor médio, a forma de pagamento, bem como o local da compra. Em relação à expectativa dos consumidores foi feito comparação com a pesquisa de 2013, período em que o país apresentava crescimento econômico. Assim, é possível identificar como a desaceleração das atividades econômicas dos últimos 4 anos pode ter influenciado no comportamento do consumidor. Foram entrevistados 78 empresários associados à ACIT e 278 consumidores com a intenção de presentear na data As entrevistas ocorreram entre os dias 08 e 22 de setembro do ano corrente e apontam um intervalo de confiança de 90%.

De modo geral, os lojistas estão otimistas em relação às vendas do ano passado. Para
42,53% dos comerciantes, as vendas vão crescer uma média de 10%, enquanto 37,93% disseram que vão permanecer como está e 15,94% apontaram redução nas vendas na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Os resultados apresentam que os brinquedos continuam sendo a o item mais citado em 2017 (52,20%). No entanto, quando comparada à intenção em 2013 (71,17%) há uma redução acentuada dessa preferência. O seguimento de roupas e calçados vem como segunda opção e foi citada por cerca de 30,80%, o que demonstra uma mudança no perfil, pois esses itens são considerados mais essenciais do que os brinquedos. Essa mudança pode ser considerada devido à redução da renda disponível das famílias.

O ticket mais citado na pesquisa são os que tem valores médios de R$ 50, e a preferência para pagamento à vista foram bem superiores às outras formas de pagamento.

“Já há algum tempo percebemos a mudança de comportamento na compra de presentes, com a redução do valor médio. Mas os consumidores não deixam de presentear. O mercado sente uma leve retomada na intenção de compra. Muitos setores estão conseguindo reverter a queda de venda que se constatou nos anos de 2015 e 2016. Isso é um indicativo positivo para o país, pois o empreendedor volta a investir em máquinas e equipamentos, dando mais força a esta retomada econômica. As datas festivas deste ano foram boas e tudo leva ao entendimento que o dia das crianças será melhor que o ano passado” ressalta Felipe Bom Meihy, diretor de marketing da ACIT.

E para incentivar mais as vendas, a ACIT realiza junto ao comércio local a Campanha “Super Compras” TaubateAMO e traz a promoção Mês das Crianças, com o sorteio de 3 cartões presentes no valor de R$ 500 cada e ainda mais 3 cartões de R$ 200,00 cada para os vendedores registrados nos cupons sorteados para serem utilizados nas lojas participantes da promoção.

Com essa ideia a ACIT busca movimentar o comércio e prestação de serviço local fazendo com a economia circule pelo município e que as promoções tenham sempre mais de um ganhador. Os associados que ainda não estão participando do fundo promocional podem fazer sua adesão diretamente na ACIT. Maiores informações pelo telefone (12) 2125-8225.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Artigo trata de análises a partir de BI

Três análises que podem impulsionar os resultados extraídos das ferramentas de BI

* por Rodrigo Segalla Uehara

Para utilizar os dados a favor do negócio é preciso muito mais do que uma ferramenta de Business Intelligence. Atualmente, empresas investem milhões em soluções para coleta de informações valiosas de seu histórico, mas poucas ainda sabem a importância de aliar esse fator com a previsão de eventos futuros, ou o que conhecemos como análise preditiva.

Essa investida tem se mostrado tão relevante ao mercado que, segundo previsão do Gartner, em 2020 a análise preditiva e a prescritiva irão atrair 40% dos investimentos das companhias relacionados a BI e analytics. A partir deste cenário será possível ter controle de eventos nas empresas e do desenvolvimento da habilidade de entregar experiências personalizadas aos clientes.

Esse novo olhar às soluções de BI auxilia equipes de inteligência a tirarem o melhor proveito dessas ferramentas, promovendo uma mudança cultural em toda a organização – afinal, dados isolados não dizem nada! Para tomar decisões assertivas, que ajudem a reduzir perdas, melhorar a eficiência operacional e aumentar a lucratividade, deve-se realizar diversos tipos de análises em relação às informações coletadas.

Pensando nisso, listo abaixo exemplos que são amplamente praticados pelas organizações em prol de resultados favoráveis.

Análise Preditiva

O primeiro é o modelo de análise preditiva que utiliza os dados para fazer previsões sobre o resultado de uma determinada ação. Para entender como funciona, vamos imaginar que sua empresa vai lançar um novo produto no mercado e você precisa entender o que exatamente vai agradar seu público-alvo. Ao realizar a análise preditiva dos dados, é possível identificar tendências, entender e prever o comportamento dos clientes, por exemplo. Tudo isso é fundamental para traçar um plano assertivo.

Análise Descritiva

Análise descritiva costuma ser realizada quando é necessário tomar uma decisão de imediato. Diferente da preditiva, os dados, nesse caso, não serão usados para avaliar uma situação futura. Ela é muito utilizada, por exemplo, pela área financeira para análise de crédito. Ao verificar a situação atual do cliente, a instituição se certifica de que ele terá condições de honrar o compromisso.

Análise Estatística

Por fim temos a análise estatística. Diariamente, as organizações acumulam um grande volume de dados brutos em seus aplicativos operacionais. Eles mostram os produtos que foram comprados, quem os comprou, quando a venda foi realizada, qual a quantidade vendida etc. Essas informações podem ser usadas para realizar uma análise que, quando bem empregada, auxilia, por exemplo, no gerenciamento do estoque de uma loja ou também na identificação de tendências de compra. Isso é possível ao fazer a checagem de uma grande quantidade de dados e chegar a um cenário estatístico fiel ao que se deseja observar.

E você, o que considera ser mais importante para investir em sua empresa hoje?

*Rodrigo Segalla Uehara – graduado em Ciências da Computação, com MBA em Business Intelligence – diretor de Tecnologia e Soluções da IN

Plataforma possibilita insights de dados mobile

In Loco Media e Serasa Experian lançam a primeira plataforma de insights de dados de mobilidade

RWA – Real World Audience permite a compra de mídia programática mais inteligente, por meio do conhecimento do fluxo de consumidores de uma determinada região

A In Loco Media, criadora da plataforma de geolocalização mais precisa do mundo e reconhecida pela Microsoft Research, lança hoje, em parceria com a Serasa Experian, a Real World Audience (RWA), primeira plataforma brasileira baseada em dados de geolocalização e sócio-demográficos que, cruzados, permite entender o comportamento do consumidor dentro e fora dos estabelecimentos dos anunciantes.

“Trabalhamos durante seis meses para desenvolver um sistema que permitisse juntar os dados de mobilidade, tipo de público, classe social, gênero e idade, locais mais frequentados, visitas por horário, tempo de permanência e deslocamento de mais de 55 milhões de consumidores brasileiros e 5 milhões de estabelecimentos à plataforma Mosaic Serasa, que já classificou mais de 2,3 bilhões de consumidores em 29 países”, comenta Fernando Rosolem, da Serasa Experian.

No Brasil, o Mosaic classifica a população brasileira em 11 grupos e 40 segmentos baseados em aspectos financeiros, geográficos, demográficos, de consumo, comportamento e estilo de vida.

“Com a integração das informações é possível saber quais os horários de maior visitação nos pontos de venda, as razões que motivam a visita física às lojas, a média de tempo que o consumidor permanece na loja física e quais são os outros locais que o público frequenta além da loja física“, conta Rodrigo Junco, Head of Business Development e Data Innovation na In Loco Media. “Uma questão importante a colocar é que não temos acesso aos dados pessoais do consumidor e sim ao comportamento daquele determinado dispositivo móvel”, reitera Junco.Dentre as vantagens da RWA para marcas e anunciantes estão o fornecimento de dados de mobilidade, que permite definir estratégias e ações de trade marketing mais assertivas, além de avaliar melhor as ações em andamento. O monitoramento da audiência em diversos pontos de venda, o levantamento de informações precisas sobre o posicionamento dos pontos de venda em relação aos concorrentes fazem com que a RWA seja uma ferramenta precisa o suficiente para reduzir custos e tempo na coleta de dados, sendo uma alternativa para a necessidade de se investir em pesquisas extremamente custosas e demandantes em termos de tempo. Além disso, a partir dos dados coletados pela ferramenta, também é possível reduzir o tempo gasto na formatação de relatórios e apresentações.

Já em uso por marcas como Coca-Cola, Subway, por meio da agência Wieden + Kennedy, a Real World Audience também possibilita compartilhar a audiência dos pontos de interesse, áreas de influência, e acioná-las nas Plataformas Parceiras de AdTech, como Oracle (Bluekai), Facebook, BrightRoll (Yahoo), Clear Channel (Out Of Home) e AOL, entre outras. Desta forma, além do inventário In Loco, com mais de 600 aplicativos parceiros e 11 bilhões de impressões ao mês, a solução permite aos profissionais de marketing agregar dados de comportamento offline para melhorar o desempenho das campanhas on-line através das DSPs e DMPs que já utilizam a compra programática. Essa ferramenta possibilita integrar todos os dados com o ecossistema de digital marketing da agência/empresa.

“Desenvolver a RWA, um produto mundialmente inédito, nos permitiu trazer uma solução inovadora que permitirá ao mercado entender cada vez mais o comportamento do consumidor para oferecer os melhores serviços, no momento certo”, finaliza André Ferraz, CEO da In Loco.

Para mais informações, visite: www.inlocorwa.com.br

Fonte: Yonara Santana