Artigo trata da importância dos chatbots

Chatbots: adote ou fique para trás

*Por Wellington Alves

Atualmente contamos com diversos aplicativos baixados em nossos smartphones e muitos deles possuem funções bastante específicas, como os de previsão do tempo, para solicitar táxi ou até mesmo para pedir comida. Mas em breve este cenário deve mudar e estes apps serão substituídos pelos chatbots – você já ouvir falar deles, não é mesmo?

Os chatbots são software de comunicação que conversam com os usuários dentro de aplicativos de mensagem, buscando usar uma linguagem o mais próxima possível do natural – eliminando a impressão de que se está interagindo com um programa de computador. Apesar de não percebermos, eles já estão em nosso dia a dia. Dados do Gartner Institute apontam que, até 2020, 85% das interações dos consumidores serão conduzidas por um mecanismo automático.

Sabe aquelas caixas de diálogo “posso ajudar” que alguns sites e aplicativos possuem? São chatbots. Assim como a recarga de celular realizada por mensagem, por exemplo. Esses são os tipos de software mais frequentes nos dias de hoje. São programados para entenderem comandos pré determinados. Por isso, têm sido bastante utilizados para atendimento aos clientes em um primeiro nível.

Já os mais sofisticados – e menos comuns – utilizam inteligência artificial e machine learning, aprendem a cada conversa realizada e vão aprimorando suas interações. Nestes casos, podem ser utilizados para realizar campanhas de marketing, vendas, pesquisas de opinião e satisfação, qualificação de base de dados e também para o entretenimento.

Apesar de serem os substitutos naturais dos aplicativos – há quem diga que já estamos na era pós-apps – os chatbots não facilitam apenas a vida dos usuários. As empresas também se beneficiam e muito desta nova tecnologia. Afinal, não é novidade que a automatização de alguns serviços resulta em redução de custos. Por isso, têm sido tão utilizados no atendimento aos clientes. As demandas mais básicas podem ser atendidas pelo software, que transfere o contato quando as solicitações forem mais complexas. Outra vantagem é a escalabilidade, pois está disponível 24X7 e pode realizar atendimentos simultâneos.

O fato é que os chatbots serão o futuro da interação entre as marcas e seus clientes. E todos serão beneficiados. Os usuários certamente se adaptarão com mais facilidade, pois já estão acostumados com os apps de mensagem. E as companhias, independente do porte e da área de atuação, serão impactadas mais cedo ou mais tarde. Diante disso, é importante não perder tempo, pensar fora da caixa e avaliar qual a melhor forma de implementar esta tecnologia de acordo com o perfil de cada empresa.

* Wellington Alves, Head de Automação da Indigosoft, startup que oferece soluções de automação digital, focadas em simplificar o trabalho diário de empresas de todos os segmentos, além de consultoria especializada. Mais informações em: http://www.indigosoft.tech

Vaga para atuar em mídias sociais

Tem vaga aberta para mídias sociais

A agência Linhas da Comunicação tem vaga aberta. Veja as informações na arte abaixo, dê um trato no seu CV, envie e boa sorte!!!

Mais do que nunca colaborar é preciso

Precisamos falar sobre colaboração

Transformação digital e ambiente hiperconectado pedem uma mudança cultural na forma como, hoje, as empresas se organizam para trabalhar. E essa é uma boa notícia

por Rodrigo Coppola

A inércia, lei descrita no século 17 pelo físico Isaac Newton, talvez seja um dos principais freios da inovação tecnológica. A tendência de se manter a trajetória a uma mesma velocidade não é restrita somente a objetos em movimento, mas à organização social como um todo. Trazer inovação passa, portanto, pela transposição de barreiras culturais. E os temas colaboração e transformação digital estão, exatamente, nesse estágio: o de vencer as forças que visam manter o status quo.

Primeiramente, é preciso entender do que se trata, efetivamente, a transformação digital. Essa tendência tem como base a forma como as pessoas interagem com o mundo em todos os aspectos, seja em sua vida profissional, seja na pessoal, graças à capacidade quase irrestrita de conexão, mobilidade, cloud computing e acesso facilitado à informação.

Colaboração, por sua vez, ganha cada vez mais força em um ambiente hiperconectado. O que no passado dependia de reuniões ou encontros presenciais para ser debatido, hoje, ocorre quase que sem barreiras, independentemente de onde as pessoas estejam: conectado à internet, qualquer aparelho pode permitir troca de ideias com ajuda de soluções de áudio, videoconferência e outras tecnologias que permitem a interação entre as pessoas. Mas isso é apenas o começo.

Abraçar a colaboração é muito mais do que implantar uma solução: trata-se de uma nova maneira de estruturar a organização. Isso reflete no ambiente de trabalho – como é o caso dos workspaces do futuro, que explorem os benefícios da comunicação unificada e contenham soluções de conferência, como serviços de reuniões via web e vídeos fáceis de usar, com áudio interativo, e ferramentas que amparam as dinâmicas entre os funcionários – como ocorre com as comunicações unificadas – uma convergência de tecnologias que une todos os meios e dispositivos de comunicação e mídia, sejam eles de voz, texto ou vídeo. Tudo isso para permitir que os colaboradores se comuniquem com mais efetividade e criem uma dinâmica de trabalho mais produtiva.

Mas como mudar o status quo?

Para que a inovação supere a inércia e consiga derrubar as barreiras que impedem o posicionamento digital das organizações, é preciso que sejam vistas vantagens de uma transição. Qualquer adoção de nova tecnologia deve ser feita após uma profunda avaliação do negócio e o entendimento de seus pontos positivos – cenário que é avaliado caso a caso, dependendo da realidade de cada empresa. Mas uma coisa é certa: no médio prazo, a pressão, que já é feita, hoje, pelos clientes, virá de dentro da própria empresa. E com força: a Deloitte estima que até 2020, cerca de 75% da força de trabalho mundial será formada por Millennials.

Esse grupo já está inserido, a partir de suas experiências digitais, no ambiente hiperconectado proporcionado pela transformação digital. A produtividade do negócio dependerá disso. Por isso, antes que seja tarde demais, precisamos falar sobre colaboração.

*Rodrigo Coppola é Gerente de Desenvolvimento de Negócios de Colaboração para América Latina na Orange Business Services.

Fonte: About.com – Danilo Fernandez

Ótima ação no Twitter

Setor de mídias sociais do Spani emplaca case de relacionamento

Em época de ampla atuação nas mídias sociais todas as marcas buscam forte interação e engajamento com seus públicos. Em muitos casos isso ocorre sem a necessidade de ações mirabolantes e grande investimento. Basta estar atento ao monitoramento e às interações e ser criativo.

Tiago Ferreira, da área de mídias sociais do atacadista, nos conta que um cliente no dia 1 de dezembro foi até a loja em São José dos Campos e postou um twitt dizendo que gostou das músicas dos anos 1980 que estava tocando. A partir disso, Tiago começou a trocar twitts com o cliente e começou uma relação interessante. Ele e a namorada tem uma banda e o mesmo até enviou o link para que o pessoal do Spani conhecesse a música deles.

Atacadista e cliente seguiram trocando twitts. O cliente comprava produtos e dizia que comprar tal coisa ouvindo tal música era muito melhor.

Foi então que Tiago teve uma ideia a partir de um twitt do cliente dizendo que ia na loja mais tarde. Tiago disse a ele para nos avisar quando chegasse. O cliente pediu uma música. E o responsável pelo diálogo no Spani disse que mandaria tocar a música quando ele chegasse à loja.

Aí ocorreu a ação surpresa: quando o cliente chegou a música que tocou no sistema interno de som da loja foi da banda dele. Ele e a namorada, que é a vocalista da banda, chegaram na loja e tocou a música deles.

Impacto total! Uma ação regional, com investimento zero e que gerou um grande buzz.

O cliente, emocionado, postou vários twitts de agradecimento.

Tim no MasterChef Junior

TIM realiza ação interativa no MasterChef Júnior

A TIM, que aposta em ações interativas para compor sua estratégia de marketing, realizou nesta semana mais uma campanha durante o programa MasterChef Júnior da BAND. Durante a exibição do reality, nesta terça-feira (8), a apresentadora Ana Paula Padrão filmou com um celular a chef Paola Carosella – integrante do júri do programa – preparando um bolo de banana. O vídeo com a receita foi imediatamente postado no perfil da TIM no Twitter (@TIMBrasil) e prontamente compartilhado pelos internautas, que iniciaram uma conversa com a marca para ter mais informações sobre os ingredientes.

Print do vídeo que faz parte da ação da TIM

Print do vídeo que faz parte da ação da TIM

A repercussão e o buzz gerados pela ação da TIM ao longo da segunda edição do MasterChef Brasil – quando a operadora anunciou em seu perfil no Twitter o vencedor da disputa final com alguns segundos de antecedência em relação ao programa na TV ao vivo – motivou a empresa a participar da versão infanto-juvenil do famoso reality show de gastronomia. Na ocasião, foram mais de 1,5 milhão de tweets com a hashtag #masterchefbr apenas durante a final.

“Estamos presentes com inserções e interações no Twitter nos principais momentos do programa e alcançamos índices excelentes de engajamento dos consumidores com a nossa marca. Associar a TIM a eventos de grande repercussão como o Masterchef é muito importante e contribui para aumentar a proximidade com os nossos clientes”, afirma Livia Marquez, diretora de Advertising e Brand Management da TIM Brasil.

Fonte: Alameda Comunicação – Camila Garcêz

Climão de Natal

Bateu saudade!

Sabe, sou do tempo em que esperávamos ardentemente pela chegada de novembro para degustar os incríveis comerciais de Natal dos anunciantes tradicionais. Os jingles e filmes da Varig, os da Coca-Cola, o do Banco Nacional e seu famosos jingle. Era uma época divertida, lúdica, quase mágica.

Todos aqueles filmes e mensagens de paz e amor aumentavam a expectativa e a ansiedade pela chegada da noite de natal. Eu ficava pilhado. Muito ansioso!

Os anunciantes caprichavam. Sempre havia mensagens bacanas e que ajudavam a nos transportar para o clima natalino. Não sei o que aconteceu. Se foi urgência por resultados, se descuido com o institucional e o branding, falta de verba, preferência por ações promocionais… não sei. O fato é que estes filmes natalinos foram rareando até praticamente acabar.

É claro que há honrosas exceções aqui e ali. Há ainda marcas e produtos que separam uma parte da verba para caprichar no Feliz Natal e Próspero Ano Novo. Uma das marcas que resgatou este clima neste ano foi o Vale Sul Shopping. Filme de fim de ano com cara, clima, mensagem e emoção de fim de ano. Já falamos dele neste blog. Confira aqui.

Outra coisa que me veio a mente em uma das minha muitas idas e vindas entre o ABC e o Vale do Paraíba foi a época em que as empresas situadas às margens da Rodovia Presidente Dutra enfeitavam seus jardins e fachadas com decorações natalinas. Algumas, pelo menos na minha memória, eram incríveis.

Lembro de sempre admirar bastante as decorações feitas pela Johnson&Johnson em sua unidade fabril de São José dos Campos. Ficaram para sempre em minha memória. Estas decorações também foram minguando e, salvo engano de minha parte, sumiram.

Em Santo André, um conhecido hospital-maternidade faz uma belíssima decoração de Natal que vira atração das festas de fim de ano. As calçadas próximas ficam lotadas e as pessoas se aglomeram para ver, fotografar e elogiar. Virou tradição! E cria uma empatia enorme com o público.

Parte da decoração de Natal de um hospital em Santo André

Parte da decoração de Natal de um hospital em Santo André. Tem até neve artificial!

Acredito que esta ação (a decoração de jardins e fachadas) tinha um custo relativamente baixo e um incrível impacto, principalmente entre a comunidade próxima. Será que atualmente é tão oneroso assim para as empresas fazer tal ação? Acredito que não!

Comentei isso com minha esposa e ela me disse que, quando criança, ao voltar a noite de visita a casa da avó em São Paulo, ela e a irmã brigavam com o sono só para ver as indústrias iluminadas. Isso não tem preço!

Não sei se ao ficarmos mais velhos aquele clima natalino vai perdendo força em meio a correria do dia a dia adulto ou se realmente parte (significativa) deste sentimento deixou de ser trabalhado pelas marcas. Em tempos em que a empatia e a interação com o público são fatores decisivos, o uso desta época do ano para estreitar laços, criar fortes conexões emocionais e ganhar “share of heart” me parece perfeita. Uma janela indispensável.

Quem sabe mais ações como as do Vale Sul Shopping – e com a mesma criatividade e qualidade – surjam nos anos seguintes.

Nós agradeceríamos. Muito!

Coluna {De dentro pra fora}

Tráfego de informações: a dor de cabeça do momento

Vitor coluna

Sim, o mundo anda cada vez mais rápido. As conexões e as relações. Tudo é importante. E todos querem interação. O meio corporativo segue o mesmo ritmo.

Agora, imagine-se no departamento de comunicação de uma empresa. Todas as áreas-clientes solicitando campanhas, as mensagens institucionais importantes, o alinhamento estratégico, seus objetivos como área de comunicação. Quanta coisa! Como definir o que realmente é importante para o momento da empresa? Como identificar o que tem mais relevância?

Exatamente aqui entram as mensagens-chave, nossas queridinhas. As mensagens-chave devem ser o norte. Eu aprendi o que eram e como usá-las com a Vivi Mansi, o Bruno Carramenha e a Thati Cappellano. Depois disso, nunca mais as abandonei. Talvez eu tenha dado uma adaptada no processo todo, mas vou falar um pouquinho sobre como elas podem orientar os esforços de comunicação.

key-74534_1920

Como criá-las?
Particularmente, apesar de não ter uma fórmula mágica, eu gosto de considerar 3 aspectos:
– O objetivo estratégico da empresa.
– O comportamento (valores e missão).
– O contexto (como está no mercado x como é o mercado).

Eu gosto de resumir cada um desses aspectos em uma palavra, pra facilitar. Um exemplo:

tabela VitorEm resumo, você precisa considerar o objetivo da empresa, sua cultura e o mercado. Feito! Suas mensagens foram definidas. Agora, em todas as demandas que aparecerem, puxe sua tabelinha e reflita: essa demanda está coerente às mensagens-chave? Qual é a sua relevância nesse cenário?

Isso, inclusive, ajuda a identificar qual deve ser o seu esforço de comunicação. Uma campanha pontual? Uma sustentação mais forte? Uma matéria na revista? Tudo depende do impacto dessa informação para o momento da empresa.

Use-as em todo processo de comunicação
As mensagens-chave também podem ser incorporadas em todas as comunicações que são necessárias. Ou seja, vai ter uma SIPAT? Tente relacioná-la às mensagens-chave. Assim, você está fortalecendo uma comunicação estratégica e alinhada aos negócios.

Você pode usar essa técnica para a empresa como um todo, para uma área específica, para um evento/campanha. E você também pode estratificar essas mensagens conforme o público. Por exemplo, para a liderança você tem algumas, para os funcionários em geral você tem outras.

Vale a pena fazer esse exercício! Ele ajuda a defender a diferente importância dos temas para diretores e áreas, por exemplo. Além de ajudar você a ter uma comunicação estratégica.

Passo a passo tem nova campanha

Molotov desenvolve campanha para a Passo a Passo com interação entre redes sociais e PDV

No dia 12 de junho, celebramos uma das datas mais importantes para o comércio e também para os casais: o Dia dos Namorados. A Molotov Propaganda desenvolveu para o Grupo Passo a Passo – rede de lojas multimarcas de calçados e acessórios – a campanha promocional “Dia dos Namorados Passo a Passo. Você e seu amor conectados.”

O diferencial dessa campanha foi a mecânica da ação. As clientes da Passo a Passo foram convidadas a visitar a loja, experimentar um look e fazer uma selfie. Nas fotos, elas seguravam uma placa com a mensagem: “Fiquei bonita, amor? Então vem pra Passo a Passo que a gente pode ganhar um jantar romântico.”.

As selfies eram postadas nas redes sociais das clientes, que marcavam os seus namorados nas publicações. Isso era um convite para que eles visitassem as lojas da Passo a Passo. Ao efetuar a compra do presente, o casal concorria a um jantar romântico no Jardim dos Pinhais Ecco Parque, em Santo Antônio do Pinhal-SP.

Além de toda a mecânica da ação, a Molotov Propaganda criou anúncio, placa, busdoor, outdoor e displays. Também foram criadas peças digitais, como banners, e-mail marketing, capa e meme para Facebook e capa para Twitter.

As lojas do Grupo Passo a Passo ficam localizadas nos seguintes endereços: Praça da Bandeira, 114, Centro, em Caçapava-SP; e no Buriti Shopping, loja 23, na cidade de Guaratinguetá-SP.

unnamed