Artigo aborda geração de valor via tecnologia e inovação

Como enxergar se a Inovação e Tecnologia estão gerando valor ao negócio?*

A transformação digital é um processo que as empresas estão enfrentando há algum tempo. As principais mudanças já estão sendo notadas, como: a proximidade com os clientes em busca de uma vivência sob sua ótica, melhoria nos processos operacionais para integração das áreas e novos formatos de modelos de negócios para a oferta de produtos e serviços inovadores.

É visível também que há um grande investimento em Internet das Coisas (Iot), ou seja, equipamentos e objetos físicos que possuem tecnologia embarcada com sensores e conectados na Internet. Imagine que você não precise ir ao supermercado fazer suas compras e que a sua geladeira identifique os produtos que faltam e os solicite automaticamente a uma rede de supermercados. Ou então, a possibilidade de ler notícias em seu microondas e automóveis, que estacionem sozinhos.

Fabio Correa, consultor de Vendas da MC1 Win The Market

Essas parecem cenas de um filme dos anos 80, mas muitas dessas tecnologias já estão sendo testadas e, em breve, estarão no mercado. Com certeza, isso trará muita agilidade para o nosso cotidiano já que não gastaremos tempo com atividades tão manuais.

Diante desse cenário, em que tudo muda de forma rápida e intensa, é preciso que as empresas estejam preparadas para melhor atender às necessidades de seus clientes de uma forma eficiente.

Para isso, é importante criar áreas de inovação e pesquisa para prever e antecipar solução para as necessidades. Um exemplo disso é a empresa Uber, criada em uma tarde de neve em Paris em 2008, quando Travis Kalanick e Garrett Camp sofriam com dificuldades em pegar um táxi. Então, eles tiveram uma ideia: chamar um carro pelo celular apertando apenas um botão.

Isso demonstra que o mercado exige transformação constante das empresas e se elas não inovarem o concorrente será mais rápido e o fará. Sendo assim, elas correm o risco de perder vendas e, consequentemente, market share. Por isso, acompanhamos o crescimento e destaque das chamadas startups, microempresas conhecidas pela agilidade, inovação e soluções a baixo custo.

Diante disso, vemos cada vez mais companhias investindo em uma cultura criativa, por meio de campanhas de incentivo para novas ideias e ambientes corporativos descontraídos com games e atividades lúdicas. Com a meta de continuarem sólidas e na vanguarda.

Outro exemplo do que é ser inovador é atender um pedido rapidamente e mostrar o trânsito de mercadorias em tempo real. São criações assim que agregam valor para toda a cadeia, desde a indústria até ao usuário final. As empresas que se diferenciam ganham vantagens como satisfação do cliente, melhoria no modelo de negócio, oferta de novos produtos e serviços, contribuindo para mudanças na vida de seus consumidores.

Só nos resta acompanhar e participar ativamente dessa transformação, seja como empresa ou como consumidor.

*Fabio Correa – consultor de Vendas da MC1 Win The Market – Multinacional brasileira com foco em processos de inteligência de negócios utilizando soluções tecnológicas de mobilidade. Presente em mais de 21 países com soluções de gestão de equipes de campo para Vendas, Merchandising e Utilities. Mais informações no site: www.mc1.com.br

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

Artigo mostra como atuam os integradores de tecnologia

Integração tecnológica: expectativas e desafios

por Fábio Camara

O que vem a sua cabeça ao ouvir o termo ‘Tecnologia da Informação’? Há muita novidade nesse mercado, ao ponto de o termo “Informação” não ser mais suficiente para representar esse “guarda-chuva”.

Internet das Coisas (IoT) – que vai além do uso de dados -, Inteligência Artificial e Arquitetura Orientada a Serviços (AOS) são só alguns exemplos do que temos visto por aí, cada dia com mais força. Se a sua empresa ainda não adotou nenhum desses recursos, sem dúvida o fará em breve. Entretanto, o ponto de atenção que levanto diante desse cenário é o preparo do mercado para gerir tantas tecnologias. Estamos, de fato, prontos para torná-las diferenciais de negócios?

Acredito que as empresas que estão abertas a adotarem estratégias aderentes com as suas necessidades – e investirem nisso – conseguem administrar o uso das tecnologias de forma inteligente e, sim, torná-las de fato um gerador de oportunidades.

Até mesmo porque tenho observado que os projetos voltados a área de Tecnologia da Informação não são mais concebidos como eram antes. Isso porque evoluíram diante do crescimento de tantos recursos e possibilidades. O que não mudou foi o fato dos clientes ainda precisarem de soluções completas, que de fato permitam a gestão de suas informações de forma clara e rápida.

Para isso, investem no desenvolvimento do setor de tecnologia na empresa ou recorrem a parceiros que façam essa ponte. Neste processo, o que fica evidente é o importante papel dos profissionais que atuam como integradores de tecnologia, que hoje contam com uma série de metodologias que ajudam no desenrolar dos projetos. O reconhecimento das empresas que atuam nesse campo é uma tendência em evidência nos últimos anos.

Vejo que esse reconhecimento é reflexo do amadurecimento dos clientes, que estão mais bem preparados para lidar com iniciativas que lhes permitam melhorar seus indicadores de eficiência e ferramentas de produtividade. Além disso, as empresas também passaram a compreender a necessidade de ter um parceiro com visão “agnóstica” em termos de produtos e fabricantes.

Por isso, acredito que o DNA de uma empresa integradora de tecnologia deve ser o seu potencial exploratório. É preciso que ela detenha habilidades e conhecimentos diferenciados. Mais do que a escolha da melhor solução tecnológica, é necessário ver como ela afeta a organização. A consultoria, engenharia, projetos e a implementação devem ser previstas já no pré-projeto. Quanto maior o conhecimento das dores do cliente e da previsibilidade do contrato, melhor o resultado final.

Como profissional que atua diretamente na gestão de projetos que envolvem integração tecnológica, acredito que o melhor é olhar para o mercado com total objetividade e rigor – sabendo aproveitar quais tendências encaixam-se melhor ao seu negócio.

Em resumo? O importante é não perder de vista os objetivos da empresa e escolher parceiros comprometidos. Só assim seu negócio de fato conseguirá extrair o melhor do que este big mercado de Tecnologia da Informação tem a oferecer.

Fábio Camara é CBO da Engemon IT

Road Show TI 2017 em SJCampos

Internet das Coisas, A Era dos Youtubers e Virtualização Sem Complicação serão alguns dos assuntos debatidos no Road Show TI 2017
Evento gratuito no Senac São José dos Campos promove diálogo e reflexão diante de temas atuais, por meio de palestras

Segundo publicações da Associação Softex, a previsão é que haja um déficit de cerca de 400 mil profissionais de TI no Brasil até 2022. Diante deste cenário, o Senac São Paulo realiza, de 2 de maio a 30 de junho, o Road Show TI em 13 unidades distribuídas em todo o Estado de São Paulo.

Apresentando as tendências do mundo da tecnologia da informação, o evento irá debater questões relacionadas ao mercado de trabalho, temas técnicos da área e promover diálogo e reflexão sob temas como Internet das Coisas, A Era dos Youtubers e Mercado Brasileiro de Jogos Digitais, entre outros.

“Nesta edição, além de promover discussões e trazer informações sobre as novas tecnologias e demandas do mercado, os participantes terão oportunidade de conhecer os diferenciais de cada perfil profissional, além de participar de palestras, oficinas e workshops práticos com especialistas do segmento”, afirma Márcio Roberto Seraggi, coordenador da área de redes e infraestrutura de TI do Senac São Paulo.

O Road Show TI é tradicional no calendário de eventos da instituição e acontece desde 2011. Para conferir a programação completa desta edição e se inscrever, acesse o Portal Senac: www.sp.senac.br/roadshow. Vagas limitadas.

Confira abaixo a programação do evento na unidade São José dos Campos que é totalmente gratuita e voltada para os profissionais da área de tecnologia da informação e interessados no assunto:

Palestra: Tendências do Mercado para o Desenvolvedor de Games
As novidades da área e o perfil do desenvolvedor independente de games são alguns dos temas da palestra
Dia: 9 de maio
Horário: 19h30

Palestra: Web das Coisas e Segurança Digital
Na pauta do encontro, temas como a internet das coisas, segurança digital, tendências da área e os principais desafios para o desenvolvimento web.
Dia: 10 de maio
Horário: 19h30

Palestra: Windows Server 2016 – conceitos e novidades
As principais ferramentas, recursos e novidades do Windows Server 2016 são os destaques do encontro.
Dia: 11 de maio
Horário: 19h30.

Serviço:
Road Show TI 2017
Data: 9 de maio a 11 de maio
Preço: Gratuito
Inscrições: www.sp.senac.br/roadshow

Senac São José dos Campos
Endereço: Rua Saigiro Nakamura, 400 – Vila Industrial
Informações: (12) 2134-9000 / www.sp.senac.br/sjcampos

Fonte: KMS Comunicação – Thaís Mazini – Natalee Neco