Aumento de publicidade online abre espaço para mídia em Apps

Projeções apontam que até 2023 marcas brasileiras vão investir mais verba em formatos digitais

De acordo com um levantamento da PwC, atualmente o investimento feito em publicidade digital no Brasil equivale a aproximadamente 30% do valor total que as empresas empregam na divulgação de suas marcas. A consultoria estima que, em 2023, a fatia do bolo equivalente ao digital deva se igualar às demais mídias. Ou seja: para cada real gasto em publicidade offline¸ outro será investido no digital.

À mesma velocidade, o mercado de aplicativos tem crescido exponencialmente. Apenas no primeiro trimestre de 2020, houve aumento de 30% no número de downloads, comparado ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o último levantamento da Apps Annie, que também demonstrou que apenas em março deste ano, somando as compras em lojas da App Store e da Google App Store houve uma soma de R$123 bilhões, um total de 31 bilhões de dowloads, destes 40% eram jogos.

“O aumento de downloads de apps de jogos é um número muito grande e existem jogos para todas as faixas etárias. Todo mundo precisa se divertir, relaxar, esquecer da rotina por alguns minutos, que na verdade, os dados já nos mostram que não são minutos, são horas, o que, quando encaramos os apps de jogos como uma plataforma de mídia, nos oferece a oportunidade de levar ao encontro do público a mensagem de forma extremamente qualificada”, comenta André Sales, consultor técnico e comercial para América Latina da YZ Media, startup focada em melhorar a performance de aplicativos por meio de campanhas que incentivam o download pelo público.

Quando mídias digitais como anúncios em websites, Google Ads, Facebook Ads, Instagram Ads, entre outras ferramentas começaram a surgir, muitas agências, e por vezes até mesmo clientes, eram resistentes em incluir verbas em campanhas online, mas atualmente lançar uma campanha sem presença digital é inimaginável, pois tudo já é planejado para conquistar seguidores, engajamento, leads, novos clientes, visibilidade e reunir todos os dados em um resultado de mensuração que apenas AI é capaz de oferecer.

Para Sales, o mercado de Mobile Ads está em expansão e oferece inúmeras oportunidades.

“O objetivo é incentivar o usuário não só a fazer download de um novo app, mas também a promover a interação e rentabilização desses apps através de uma compra, cadastro ou de qualquer outra ação que seja objetivo da marca anunciante. Se ele já é usuário de um app, já estamos a meio caminho andado. Usuários de jogos são heavy users de smartphones e estão acostumados a fazer tudo pelo celular, então se a marca precisa melhorar a performance de seus produtos via app, ela deve pensar em estratégias de interagir com seu público também por apps. Existe forma correta, linguagem, abordagem, não deixa de ser publicidade, e também não deixa de ser uma interrupção em meio a um jogo, então tudo tem que ser planejado para oferecer uma experiência interessante para usuário e anunciante, lembrando que precisamos ligar essas duas pontas”, finaliza.

Fonte: Arebo – Paulo Scalabrin

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Dia do social media: quem é esse profissional e qual a sua importância?

Especialista comenta sobre o trabalho de gestão das redes sociais, comemorado no dia 30 de junho

Você já deve ter ouvido falar em social media. É uma profissão que vai ganhar ainda mais mercado no futuro, mas que já se faz presente e ajuda a manter a comunicação certeira em tempos de crescimento do marketing digital e relacionamentos entre pessoas e empresas via internet. No dia 30 de junho é comemorado o dia desse profissional, constantemente posto à prova para mostrar que o trabalho vai além de ser um usuário assíduo das redes sociais.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

O social media é, hoje, alguém capacitado que se especializa em diferentes ferramentas da comunicação digital e trabalha em conjunto com outras áreas da comunicação para fazer a mensagem chegar clara e precisa ao potencial cliente de uma empresa via mídias digitais. Quem explica é a especialista em marketing digital Paula Tebett, defensora da valorização da função que exige estudo em múltiplas competências.

“Não basta apenas a formação em comunicação para saber expressar um posicionamento pelas plataformas digitais. É preciso atualização constante em relação a ferramentas da tecnologia. Também é difícil pensar em conteúdo, estratégias, saber como e onde se marcar posição, os melhores dias de postar, criar anúncios e estar bem informado. Para ser social media precisa entender um pouquinho de tudo, da criação ao tráfego de dados”, afirma Paula. Ela considera ainda que existe algum preconceito sobre o social media, principalmente por falta de conhecimento sobre o que ele é capaz de produzir.

“Ainda há essa relutância, que pode ser percebida, principalmente, por parte das pessoas de gerações mais velhas, muitas delas empresárias que estão presas ao marketing tradicional offline. Mas esses também têm que entender que é um bom investimento ter um social media para cuidar das marcas, e não um gasto”, diz a especialista.

Paula Tebett

Ainda segundo Paula Tebett, o marketing digital é a primeira estratégia de vendas para profissionais de diversos segmentos, o que reforça a tendência e a necessidade de ter gente especializada capaz de anunciar nas redes sociais. No Brasil, a relevância é maior ainda quando se sabe que, em média, os brasileiros já estão usando a internet por quase 9h ao dia, sendo o uso das redes sociais correspondente a quase 5h diárias. Dentre as principais vantagens de se fazer o marketing digital, está a possibilidade de perceber alguns resultados gratuitamente, e, por isso, pensar e adaptar a comunicação estratégica com os potenciais clientes nas redes.

“Em mídias sociais a gente consegue fazer análises e ter métricas de forma mais simples e diretas, como respostas e comentários nos posts, sejam positivos ou negativos, curtidas e salvamento das postagens, além de rastrear cliques. Em mídias tradicionais como o outdoor, rádio e TV não existe isso. Tem como fazer estimativas de alcance, mas não se sabe quem, de fato, gravou a mensagem de uma marca, sem contar que hoje ainda é bastante caro investir em mídias físicas. Na mídia digital dá para atingir objetivos gastando menos”, pontua Paula, que começou a carreira ligada às mídias sociais em um período anterior ao marketing digital. “Eu fazia o marketing com publicações de forma orgânica, usando o Orkut, o MSN, o ICQ. Era muito primitivo, não existia anúncio nem plataformas próprias, mas a internet já indicava um caminho a ser seguido”, lembra Paula, que, atualmente, cria conteúdos para plataformas do Brasil e do exterior, como a MLabs, e cuida digitalmente da marca Insetisan.

Fonte: Goldoni Conecta – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Movimento reúne grandes marcas para oferecer descontos especiais a estudantes

Iniciativa do PRAVALER, #PRAESTUDANTE já teve adesão de marcas como Burguer King, Colgate Palmolive, Continental, Descomplica, Faber-Castell, Kanui e Saraiva

O movimento #PRAESTUDANTE, lançado na noite de terça-feira (23), está convidando empresas de diversos setores para oferecerem descontos e benefícios para estudantes de todo Brasil. Em apenas algumas horas, a iniciativa conquistou atenção de grandes marcas pelas redes sociais. O Burger King, por exemplo, já anunciou um combo especial; a Saraiva, descontos no site; a Faber-Castell, descontos no site e em cursos de desenho; e a Kanui montou um hotsite exclusivo. O movimento foi criado pelo PRAVALER, maior fintech de soluções financeiras para educação, em parceria com a agência CL.

O #PRAESTUDANTE nasce para ajudar na redução dos custos de estudantes e, assim, auxiliar que eles mantenham seus investimentos em educação. Uma pesquisa da ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior) aponta que 58,4% dos estudantes têm medo de ficarem desempregados, enquanto 11,9% estão preocupados com a possibilidade de a família não conseguir arcar com os custos das mensalidades.

“Temos visto muitas notícias de jovens e estudantes com dificuldades financeiras. Por isso, expandimos nosso olhar para além da educação e criamos o #PRAESTUDANTE para apoiar a renda dos alunos e de suas famílias, na tentativa de evitar que eles deixem de estudar por falta de dinheiro”, explica Fabio Castro, Head de Marketing do PRAVALER.

Para Alê Alves, CEO e CCO da CL, agência responsável pelo conceito, o movimento quer ampliar os benefícios da meia-entrada de estudante que, geralmente, dá descontos em cinemas, teatros e shows. “Por que não incentivar que outros produtos e serviços tenham descontos aos estudantes em um momento tão difícil? Quanto mais empresas aderirem ao movimento, mais jovens terão acesso à tecnologia, alimentação, moda e bem estar, sem ter que escolher entre investir o pouco que têm na educação ou em outras necessidades”, disse.

Até o momento, 14 empresas aderiram ao #PRAESTUDANTE, oferecendo promoções e benefícios para todos os estudantes do Brasil. As informações estão detalhadas no perfil @PRAESTUDANTE no Instagram, onde novas parcerias são anunciadas em tempo real. Os jovens também podem buscar as ofertas pela #PRAESTUDANTE nas redes sociais.

Instagram: https://www.instagram.com/praestudante/
Twitter: https://twitter.com/praestudante

Fonte: Tulom Comunicação – Gislaine Oliveira

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Artigo trata de inteligência artificial e jornalismo

Inteligência artificial no jornalismo: atravessamos a mais recente fronteira tecnológica, e agora?

por Guilherme Carvalho*

O dilema entre seres humanos e máquinas é, sem dúvida, um dos mais instigantes temas da modernidade. Seja por instrumentos movidos por força mecânica, a vapor, carvão, ondas eletromagnéticas, eletricidade, bytes ou algoritmos, este assunto é motivo de medos e, ao mesmo tempo, fascínio. Filmes como “Blade runner” (1982), “Matrix” (1999), “A.I. Inteligência Artificial” (2001), “Eu Robô” (2004) e “Ela” (2013), além da série “Black Mirror” (2019) não fizeram sucesso à toa. Além dos efeitos especiais, são produções que tocam na ferida e apontam para um futuro possível na convergência humana e tecnológica, geralmente retratada de modo conflituoso.

Como é característica de toda polêmica, este assunto é permeado por um dualismo. Parafraseando Umberto Eco, os “apocalípticos” tendem a traçar um futuro sombrio, no qual o trabalho humano se torna obsoleto. Para muitos destes, as máquinas são inimigas e o discurso soa conservador, percepção que remete aos tempos de ludismo, quando operários resolveram quebrar máquinas de tear no início do século XIX ao notaram que estavam sendo substituídos.

Esta percepção muitas vezes pessimista é confrontada pelos “integrados”, que tendem a ver os benefícios do desenvolvimento científico e tecnológico, sobretudo para o mundo dos negócios. Para estes, o uso de máquinas, robôs, e outras tecnologias é imperativa e um caminho sem volta que deve ser considerado como o futuro da humanidade. Temos então uma visão mais otimista que se referencia nos benefícios que isto pode trazer.

Eu, que não gosto de ditados populares, principalmente aqueles que reforçam o senso comum, me rendo em busca de uma frase que possa explicar de forma simples meu pensamento. “Nem tanto ao céu, nem tanto à terra”, meus amigos.

O jornalismo, atividade profissional como poucas que trabalha no tratamento da informação, vive intimamente uma relação de amor e ódio com as tecnologias. De um lado, acelerou a produção de conteúdos, facilitou o acesso a dados e fontes de informação, diversificou as atividades destes profissionais, expandiu de forma ilimitada a circulação de produtos jornalísticos, comprimiu tempo e espaço aumentando a produtividade. Ninguém negaria que estes são bônus colecionados ao longo dos anos para o jornalismo. Entretanto, vemos também as demissões de jornalistas, o esvaziamento das redações, a explosão de notícias falsas e desinformação, o cenário de hiperconcorrência midiática, o fim do monopólio da informação e as crises do modelo de negócios, entre tantos fatores que impactam negativamente a profissão.

A mais recente fronteira tecnológica atravessada pelo jornalismo é a do uso de inteligência artificial (IA) para a produção de notícias. Acontece que comparado a outras áreas como a indústria, o mercado financeiro, a medicina e a engenharia, o negócio jornalístico está ainda engatinhando. Apesar que devemos reconhecer as iniciativas que já circulam em nosso meio. É o caso da Narrative Science, empresa norte-americana que processa dados e os transforma em textos noticiosos. A agência Associated Press utiliza a ferramenta Automated Insights. O Washington Post, o Heliograf. O Los Angeles Times, o Bot Quake, que produz pequenas notas sobre tremores de terra. CNN, Forbes e The Wall Street Journal também já utilizam estes recursos. Em um nível intermediário, encontramos iniciativas como a Local Labs que opera pequenos jornais regionais e oferece edições locais e outros serviços para jornais de metrôs nos subúrbios. Também a ProPublica, que inspira vários projetos brasileiros, já utiliza um aplicativo de notícias, a Opportunity Gap. Estes exemplos são empregados desde 2009.

No Brasil, tirando alguns poucos casos (um exemplo é o Aos Fatos, que oferece aos leitores um robô checador de informações chamado “Fátima”), o assunto ainda é um tabu entre muitos jornalistas e pesquisadores. Parte deste silêncio se deve ao desconhecimento sobre o assunto. Termos como Machine learning e NLG e mesmo a utilização de algoritmos são pouco tratados no meio. Talvez, seja esta a sina expressa naquela velha máxima jornalística de que o jornalismo fala de tudo, menos de jornalismo.

É o que explica porque notícias que apontam a adoção de Inteligência artificial no jornalismo causem ainda arrepios. O episódio mais recente foi o anúncio da Microsoft Notícias e da MSN e que estaria demitindo 50 jornalistas para substituí-los por IA. Casos semelhantes já haviam sido publicados em outros lugares. A editora portuguesa MotorPress já havia sido denunciada pela demissão de 28 funcionários em 2009 pelo mesmo motivo.

Um dos desafios atuais, portanto, daqueles que vivem o meio jornalístico, seja profissional ou academicamente, é justamente o de entender o uso destas ferramentas e compreender de que maneira podem ser utilizadas para o bem do próprio jornalismo. Se partirmos da premissa descrita pelo pesquisador finlandês Carl-Gustav Linden, ou seja, de que se trata de um sistema regido por “um conjunto de operações autossuficientes a serem desempenhadas passo-a-passo, como cálculos, processamento de dados e raciocínio automatizado – um conjunto de regras que definem precisamente uma sequência de instruções que serão compreendidas por um computador”, perceberemos que a ação humana é insubstituível. Afinal, quem programa estes sistemas, quem define o que é mais ou menos relevante, qual estrutura hierárquica de informações deve ser considerada na elaboração do conteúdo?

Não perceber esta realidade pode relegar os jornalistas a um papel secundário neste processo, enquanto programadores, engenheiros, gestores e tecnólogos da informação, entre outros profissionais, assumirão este posto.

A partir de uma compreensão mais técnica, podemos vislumbrar o uso destas tecnologias no processamento de grande volume de dados, a busca de informações em bases restritas ou segmentadas, o acesso a informações de arquivos históricos, na checagem de informações e declarações de autoridades, na produção de notas complementares que podem ser somadas a reportagens e outros conteúdos. Enfim, são várias as possibilidades.

Estou convencido de que ponto fundamental deste debate deve seguir no sentido de compreender os aspectos técnicos da IA associado aos princípios éticos do jornalismo e seu caráter de interesse público, que incluem a honestidade para com os consumidores de produtos jornalísticos. Nesse sentido, é preciso superar o dualismo entre humanos e máquinas e começar a pensar sobre as aplicações e implicações desta associação, reconhecendo o papel do trabalho humano, crítico, criativo, sensível às condições sociais e aos mais variados contextos.

A superação destas limitações pode não apenas apontar a superação da crise de legitimidade do jornalismo aberta com a difusão da internet, mas colocar o jornalismo de fato no século XXI, associando precisão, volume e rapidez, aspectos que caminham de braços dados com a sustentação financeira e relevância social dos veículos.

*Guilherme Carvalho é pós-doutor em Jornalismo e coordenador do curso de Bacharelado em Jornalismo do Cento Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Facebook anunciou que vai colocar em funcionamento o Reels

“O TikTok entrou de vez no Instagram (?)”

*por Paula Tebett

A nova função lançada pelo Instagram promete fazer o aplicativo ganhar força em uma disputa sobre produção de conteúdo de vídeo com o TikTok. A plataforma do Facebook anunciou que vai colocar em funcionamento nesta quarta-feira, 24 de junho, o Reels, um jeito diferente de criar os vídeos que podem ser compartilhados nos stories e no feed de cada perfil.

O Reels, como é conhecido no exterior, é o antigo Cenas, e vai permitir que o usuário edite os vídeos, insira músicas e salve rascunhos da criação, sendo bem parecido e incorporando algumas ideias do TikTok, da empresa chinesa ByteDance. A preocupação do Facebook, detentora do Instagram, é a forte concorrência dos chineses, que tiveram o aplicativo mais baixado nos últimos meses e bombaram com o crescimento durante a quarentena.

O Instagram já tem algumas estratégias definidas para o Reels. A maneira diferente de gravar e produzir os vídeos pode ser encontrada como uma das diferentes opções ao entrar na tela de criação dos Stories. De lá, é fácil seguir os passos de forma intuitiva e começar a filmar e editar o conteúdo. Mas o ponto central está no espaço dedicado aos vídeos produzidos no formato do Reels. O Instagram vai dar mais destaque a esse tipo de conteúdo na seção “explorar”, onde o usuário pode pesquisar e ver os conteúdos sugeridos pela mídia. Nesta parte o Instagram vai se aproximar do TikTok ao disponibilizar conteúdos que estão em alta, independentemente da escolha do usuário. O Reels também chega nos perfis com ícone de destaque ao lado do ícone do IGTV, tornando o acesso aos conteúdos produzidos bem intuitivo e simplificado.

Toda essa estratégia do Instagram tem ainda outro motivo. O TikTok permite que os seus vídeos sejam compartilhados em mais plataformas, incluindo na rede do Facebook. Quando isso acontece, o Instagram automaticamente diminui o engajamento dos posts vindos com a marca d’água do concorrente, para não dar muita visibilidade à outra mídia. Assim, a adaptação do Cenas no Reels vai dar mais força ao conteúdo nativo do Instagram gerado pela funcionalidade. Para os usuários e influencers no Instagram, será uma boa fonte de crescimento na rede em futuro próximo.

Vale lembrar que o Instagram tem esse perfil de incorporar conceitos dos concorrentes para também crescer. A criação dos stories, que hoje fazem tanto sucesso, foi um dos casos, quando a plataforma se utilizou das ideias do Snapchat, aplicativo que fez sucesso e foi superado no Brasil, por exemplo. O Reels já está disponível em três países, entre eles o Brasil. Os brasileiros são grandes criadores de conteúdo e sempre se adaptaram muito bem às redes que estimulam a produção de vídeos, além, é claro, de constituem um grande mercado para o Instagram. A plataforma também disponibilizou a função Reels na Alemanha e na França.

Parece que o TikTok entrou mesmo no Instagram.

*Paula Tebett é carioca, especialista em marketing digital e empreendedora apaixonada por comunicação. Graduada pela FACHA (jornalismo) e Fundação Getúlio Vargas (marketing). Tem experiência de mais de 10 anos em Marketing e hoje atua como consultora e palestrante, ministrando treinamentos em mídias sociais.

Fonte: Goldoni Conecta – Assessoria de imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Arroz e Feijão Fantástico estreia projeto com aulas de culinária online

Culinarista da marca, Claudete Brescancini ensina receitas e dá dicas de cozinha nas redes sociais

A partir de quarta-feira (24), às 17h, o Arroz e Feijão Fantástico oferece aulas de culinária online em sua redes sociais. O projeto Receitas Fantásticas tem a culinarista da marca, Claudete Brescancini, ensinando receitas e dando dicas de cozinha.

Dona Clau

Com o arroz e o feijão, a culinarista ensina o passo a passo de diferentes receitas, como massa de coxinha com arroz, e minestrone de feijão. As aulas serão divulgadas no YouTube, Facebook e Instagram da marca.

O projeto foi criado com o intuito de ensinar, de forma dinâmica, os pratos mais pedidos pelos seguidores do Fantástico, por meio de técnicas que surpreendem até mesmo a cozinheira mais experiente.

As aulas serão realizadas todas as quartas-feiras, às 17h. A participação é gratuita e acontece nas redes sociais da marca: @fantasticoalimentos.

Arroz Carreteiro

Sobre a Ruston Alimentos
A Ruston Alimentos está desde 1975 no mercado de grãos, quando lançou a marca “Fantástico”. Atualmente, é reconhecida como uma das principais empresas no setor de beneficiamento e comercialização de arroz e feijão, especialmente pela tecnologia empregada e controle de qualidade, e é líder em vendas na região do Vale do Paraíba. Além da linha “Fantástico”, a Ruston Alimentos também beneficia e comercializa os produtos: arroz e feijão “Saboroso” e arroz “Santo Gourmet”, entre outras marcas.

Fonte: CABANA – Alexia Silva

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Boa gestão de influencers gera grandes resultados

Gestão de campanhas com Influenciadores gera volume de negócios que já atrai gigantes

Por Thiago Cavalcante (*)

Se havia dúvidas sobre o poder de impacto dos influenciadores digitais, o Covid-19 serviu para acabar com elas. Por meio de diversas campanhas realizadas nos primeiros meses deste ano, as chamadas celebridades do mundo virtual ajudaram a convencer pessoas a ficarem em suas casas, usarem máscaras, doar alimentos aos necessitados e uma série de outras iniciativas que garantiram a construção de uma imagem simpática junto aos clientes para várias marcas no período da pandemia.

Image by Markus Winkler from Pixabay

Um indício de como a utilização desta estratégia já foi incorporada definitivamente ao orçamento das agências foi o faturamento alcançado pela startup brasileira Inflr, que superou os R$ 5,4 milhões entre janeiro a abril. A empresa desenvolveu a primeira plataforma que conecta anunciantes a influenciadores dentro de um marketplace onde os anunciantes promovem seus produtos e serviços utilizando a influência dos ‘famosos’ junto a seus seguidores nas redes sociais. Essa receita veio de clientes como Itaú, Droga Raia, Laureate, Porto Seguro, Heineken, GSK, Amstel, entre outros

Pesquisas estimam que a atividade publicitária com influenciadores deve movimentar até US$ 7 bilhões no mundo em 2020 e este montante, como era previsível não passou despercebido pelas gigantes globais da tecnologia.

Desta forma, marcas como Alibabá e Playstation anunciaram recentemente o lançamento de soluções que prometem fomentar ainda mais este setor.

A gigante chinesa acaba de lançar a AliExpress Connect. O objetivo da empresa é criar um serviço no qual pequenas e médias empresas possam contratar influenciadores com apelo comprovado ao seu público-alvo. Dentro do serviço, o influenciador conecta seus perfis em redes nas redes sociais e faz a solicitação para participar das campanhas, que podem variar desde a replicaca de conteúdo, passando pelo uso de hashtags ou geração de conteúdo original. O influenciador é pago de acordo com as vendas geradas por meio da sua divulgação.

Já o PlayStation Brasil lançou a plataforma Jogando na Rede, que possibilita conexão entre a empresa, os criadores de conteúdo e o público final. Os influenciadores precisam fazer as missões, disponibilizadas pela PlayStation Brasil, para ganhar pontos, que podem ser trocados por prêmios exclusivos dentro da própria plataforma.

Estudos recentes mostraram que a maioria dos internautas brasileiros segue personalidades nas redes sociais e até 50% destes seguidores consomem produtos indicados pelas novas vozes da era digital. Mas, apesar de toda a efervescência em torno de seus nomes e atitudes, é ainda preciso profissionalizar este mercado formado por influenciadores de diversos nichos e alcances. Isto porque os profissionais de marketing se deparam com muitas dúvidas no momento de tomar uma decisão sobre este tipo de estratégia. Qual é o melhor nome? Qual o real nível de engajamento dele ou dela junto aos seus seguidores? E é aí que a tecnologia preenche a lacuna.

O algoritmo criado pela Inflr, por exemplo, calcula o valor de influência do post baseado no real engajamento promovido pelo influenciador. A ferramenta gera um índice de qualidade que considera vários quesitos, mas principalmente o engajamento do post. Para que a análise seja precisa, o algoritmo é integrado em diversas API’s de machine learning, o que gera um score e, posteriormente, o valor do post.

mage by Gerd Altmann from Pixabay

Desta forma a startup consegue entender, por exemplo, porque duas pessoas com 500 mil seguidores podem entregar resultados bastante diferentes e, portanto, cobrar mais ou menos pelo serviço.

Outros avanços podem ser vistos na possibilidade de fazer campanhas de remarketing e inclusive multissegmentar essa entrega por: idade, sexo, geolocalização, comportamento de compra etc.

Dessa forma, é possível concentrar em um único lugar tanto um repositório de influenciadores (divididos por diversos nichos) como uma central que pode ser usada por empresas de diversos tamanhos para impulsionar vendas.

E este é só o início.

Pelo que parece, a consolidação deste novo mercado para os influenciadores só depende de que eles se mantenham relevantes para os seus respectivos públicos. Isto feito, a tecnologia fará todo o resto para que eles influenciem cada vez mais e melhor, trazendo os resultados que o mercado publicitário tanto espera.

* Thiago Cavalcante é diretor de novos negócios da Inflr

Fonte: Compliance Comunicação – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Pós-pandemia: Novas tensões socioculturais exigem novas respostas por parte das marcas

Empresas devem ajudar a criar produtos e serviços que abordem essas necessidades que surgiram durante a quarentena

Quase chegando à marca dos três meses de quarentena, o Brasil vislumbra uma possível flexibilização. A vida durante o lockdown alterou coisas que considerávamos garantidas e fundamentalmente afetando nossos valores e comportamentos. Ainda assim, a maioria das marcas está se comunicando de forma homogênea. “As marcas precisam entender essa nova realidade e precisam ‘consertar’ seu ponto de vista dentro dela para poderem ser ouvidas”, afirma Luis Bosisio, diretor de atendimento e planejamento e responsável pela área de Brand da Kantar Brasil.

Image by Tumisu from Pixabay

Para entender esse novo cenário e as tensões identificadas, a Kantar explorou o isolamento e a criatividade usando a EVA, plataforma de análise de imagem nas redes sociais, e especialistas em insights culturais:

  • Foi analisada uma amostra de mais de 20 mil posts no Instagram;
  • Eles foram reunidos pela tecnologia de reconhecimento de imagem da EVA para revelar grandes códigos e temas sobre o tópico;
  • Esses temas foram analisados para entender como eles refletem as tensões humanas e o que isso significa para as marcas.

Tensão 1: Produtividade vs. Bem-estar

As pessoas foram forçadas a rever os significados de sucesso e progresso e a buscar realizações de outras formas. Com isso, as marcas têm a oportunidade de “recalibrar” o conceito de sucesso e oferecer produtos e serviços de acordo.

Tensão 2: Comunidade vs. Desigualdade

Na mídia, vimos muitos conteúdos sobre a crise unindo as pessoas e fortalecendo as comunidades. Mas a realidade da COVID-19 é brutal e evidencia as desigualdades gritantes entre diferentes grupos da nossa sociedade. A oportunidade está em enfrentar essas divisões, se posicionar e assumir um papel relevante em relação à responsabilidade social.

Tensão 3: Introversão vs. Extroversão

A quarentena evidenciou os comportamentos desses dois grupos. Enquanto os introvertidos investiram mais em atividades como desenho, leitura ou meditação, os extrovertidos buscaram novas formas criativas de socializar e ganhar energia por meio de interações virtuais. Com isso, as marcas precisam planejar uma estratégia de marketing e mídia para alcançar os diferentes perfis e pensar em produtos e serviços que possam ser mais adaptáveis.

O entendimento dessas tensões permite que as marcas lidem com essas novas necessidades enquanto continuam fiéis ao propósito central delas. “Posicione-se. As pessoas esperam que as marcas ajudem se puderem, comportem-se de forma responsável e ofereçam novos produtos/serviços relevantes para essas grandes mudanças”, diz Bosisio.

Fonte: Tamer Comunicação – Karina Rodrigues/Assessora de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Na atividade

Outback inova com campanha produzida totalmente à distância para relançar o seu fondue

Com assinatura das agências Santa Clara e Ionz, projeto contou com conteúdo dirigido remotamente e com produtor, fotógrafo e diretor de arte como personagens

O Outback Steakhouse segue inovando em seus processos criativos e anuncia essa semana sua campanha direcionada para as plataformas digitais e que contempla o relançamento do fondue da marca. Como grande diferencial, essa é a primeira vez que a marca aposta em conteúdos feitos 100% à distância, respeitando as orientações atuais de distanciamento. Para isso, a empresa contou com a ajuda da tecnologia para criar formas disruptivas de produção e continuar se comunicando com os seus clientes em um tom divertido, como sempre fez.

O projeto, que tem assinatura das agências Santa Clara e Ionz, traz com um filme que será veiculado nas redes sociais oficiais do Outback (@OutbackBrasil). Além disso, a produção também contou com a parceria dos fotógrafos Ricardo De Viqc e Danilo Quadros, que fizeram todas as sessões do novo produto para as redes sociais da marca. Todo o processo também foi coordenado à distância pela equipe de marketing do Outback e todas as peças fotografadas foram produzidas na casa dos profissionais, que tiveram que preparar um “miniestúdio” com utensílios de cozinha que trouxessem a identificação do restaurante, levando em consideração objetos icônicos e cores.

“A inovação está no nosso DNA e o desejo de sempre querer pensar em novas experiências está refletido nessa campanha. Para nós foi um processo completamente diferente do que estávamos acostumados, porque levamos em consideração diversos fatores, como o atual cenário e como a gente poderia continuar conversando com os fãs da marca”, explica Renata Lamarco, diretora de Marketing do Outback Brasil.

Como principal desafio, a companhia fixou o objetivo de garantir o padrão de qualidade da produção para que os consumidores – já acostumados com a linguagem da marca – fossem impactados logo no primeiro momento. Por isso, para o filme, a empresa decidiu usar profissionais que já estavam escalados para trabalhar no projeto (fotógrafos, assistente de direção e a diretora de arte) para serem os próprios personagens da campanha. Afinal, essas pessoas já são familiarizadas com fundamentos técnicos.

Já para as gravações, que foram dirigidas remotamente pelas agências por videoconferências, a empresa utilizou uma estrutura especial, com câmeras, celulares e equipamentos de luz que pudessem ser ajustados de longe. Todas as filmagens aconteceram dentro das casas dos personagens – o fotógrafo contracenou com a sua família, a diretora de arte com os seus colegas de apartamento, a assistente de arte com o seu namorado e o outro fotógrafo com a sua esposa, que é culinarista. Dessa forma, a empresa conseguiu construir diferentes enredos, considerando três diferentes temáticas: amigos, famílias e casais. E o mais importante: sem nenhum produtor precisar ir até à casa dessas pessoas.

“Foi um grande desafio filmar um comercial, nos padrões Outback, à distância. Para trazer o appetite appeal de sempre e a identificação com os diferentes públicos da marca – no contexto atual – precisamos usar a criatividade também na produção. O formato do filme, com visão table top, foi pensado para que pudesse ser filmado em qualquer lugar mantendo um padrão estético. Uma família, um grupo de amigos e um casal, todos morando juntos, receberam direto do restaurante os produtos e foram dirigidos com maestria pelos Los Pibes, da produtora Awake. Os recursos e tecnologias usados nessa produção trouxeram novas possibilidades que certamente vão ser utilizadas nas produções futuras, mesmo que sem as restrições atuais”, conta Bernardo Machado, sócio-diretor de criação da Santa Clara.

“Esta campanha é inovadora e tem sua raiz no digital. A filmagem foi realizada de uma forma diferente e contemporânea de produção, totalmente adequada ao nosso período. Mas o diferencial é o uso de uma ação que já é presente na estética do digital: trazer o ponto de vista no olhar do consumidor. As pessoas se filmam e interagem com nossos produtos dando uma sensação de participação maior que somente os formatos Top View conseguem traduzir. Esta linguagem atualiza nossa comunicação e traz maior identificação junto ao público” diz Marcio Villar, diretor de criação da ÍONZ.

Ao todo, foram três dias de gravação à distância que resultaram em clipes com versões de 30, 15 e seis segundos. Os novos fondues da marca já estão disponíveis no delivery, pelo aplicativo iFood.

Confira aqui o filme oficial da campanha. E aqui, o making of da produção.

Fonte: Alameda Comunicação – Laís Reis

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

As marcas mais transformadoras durante a pandemia

Magazine Luiza, Netflix e iFood são as marcas mais transformadoras durante a pandemia, aponta estudo

HSR Specialist Researchers realiza maior estudo de marcas do País e aponta as que se mantiverem de forma mais consistente entre as que estão construindo maior relevância

Especialistas em sustentabilidade indicam que mudanças radicais de comportamento ocorrem quando o ser humano é forçado a seguir um curso diferente do usual, exatamente como ocorre neste momento. Desde 24 de março, início da pandemia em razão do novo coronavírus, a HSR Specialist Researchers vem realizando o ranking Marcas Transformadoras, com o objetivo de identificar as empresas mais capazes de construir relevância para o consumidor e a força desse ativo no longo prazo. Dez empresas têm se destacado como as marcas que se mantiverem de forma consistente no ranking que já realizou 18 mil entrevistas, sendo o maior estudo de marcas já realizado no Brasil.

Em dois meses e meio de medições (dez medições semanais, no total), as dez marcas que se mantiverem de forma mais consistente no ranking foram, na ordem: Magazine Luiza (241 pontos – índice de transformação médio no período), Netflix (233), iFood (171), Natura (163), Ambev (151), O Boticário (147), Nestlé (144), Lojas Americanas (134), Mercado Livre (126) e Samsung (124).

Tanto Magazine Luiza como Netflix se consolidaram com uma distância de mais de 60 pontos em relação ao terceiro lugar, o que demonstra a consistência em ambas as gestões de marca ao longo de suas existências. “Magazine Luiza é o que todas as empresas deveriam ser, relevante para todos seus stakeholders na sua essência. A empresa respira solidariedade, engajamento social e inovação não só em momentos de mudança ou crise, apresenta um histórico de atividade social contínuo, o que em momentos críticos ressoam como verdadeiras”, comenta Valéria Rodrigues, sócia-diretora da HSR Specialist Researchers.

Apoio e comunicação direta com a sociedade – Um exemplo claro durante a pandemia, foi a inclusão gratuita dos pequenos varejistas e autônomos em suas plataformas de e-commerce, com todo o suporte necessário para quem nunca tinha tido um contato tão íntimo com o digital; além de suas campanhas contra a violência doméstica que protegem a mulher.

As ações das marcas Netflix e iFood já estão inseridas no cotidiano das pessoas, cujos serviços ganharam muita relevância durante a pandemia – entretenimento indoor e serviços de entrega. A Netflix teve maior destaque entre os jovens, já que é uma marca conhecida por comunicar-se nas redes sociais com uma persona que utiliza ironia, bom humor e transparência. No Twitter, ela se coloca com uma voz ativa, opinando e indicando séries e filmes da concorrência por meio de posts, demonstrando verdadeira preocupação com os consumidores e um espírito democrático, além de indicar também clássicos da literatura para contribuir com seus seguidores durante o período de quarentena.

iFood foi a marca mais ágil na comunicação de suas ações, atuou em diversas frentes garantindo segurança ao entregador e ao consumidor e comunicou o Fundo de Auxílio aos pequenos restaurantes, incentivando o consumo de bairro. A propaganda mais recente mostra todo o ecossistema de seu negócio e como atua, de forma criativa e incluindo ações de solidariedade. “Uma entrega leva a outra. Por isso, a nossa entrega será continuar pensando formas para que todos se entreguem ainda mais”, essa é a assinatura que garante conexão emocional com o consumidor.

“Netflix realizou ajustes na qualidade da transmissão para não sobrecarregar as redes de internet em um momento em que muitas pessoas estão usando ao mesmo tempo. Assim pode continuar a oferecer uma boa experiência para o usuário, evitando quedas de velocidade e travamento nos filmes”, completa Karina Milaré, sócia-diretora da HSR Specialist Researchers.

Inovação e soluções aos consumidores – As três marcas mais bem pontuadas conquistaram índices muito altos em inovação e soluções aos consumidores em momentos de crise e estão na liderança de Marcas Transformadoras, demonstrando o legado que as organizações terá daqui pra frente, na retomada da economia e mostrando caminhos para lidar com o novo perfil do consumidor após o período de grande isolamento social.

“Nesse sentido, as marcas precisam fazer uma leitura minuciosa do cenário para ir ao encontro das necessidades emergentes. A valorização do indivíduo, foco atual das empresas, não será suficiente para as marcas se manterem relevantes e admiradas. Essa equação passa a ter outras demandas, como postura voltada à sociedade, sustentabilidade econômica e visão de longo prazo, entre outros aspectos”, conclui Valéria Rodrigues.

Metodologia – O ranking formado pelo estudo Marcas Transformadoras vai além das métricas tradicionais, agregando atributos de imagem alinhados com as tendências de relevância de marca, visibilidade e power of voice (potencial de comunicação da marca considerando o número de seguidores nas redes sociais). A identificação das marcas mais transformadoras passa por um cálculo, combinando essas três informações, gerando pontuação entre 0 e 300 pontos, sendo 100 para cada categoria de dados. Quanto maior a pontuação, mais a marca está associada à postura transformadora.

Para se aferir a relevância da marca e chegar ao resultado final, são identificados seis atributos essenciais neste novo momento, abrangendo: ações voltadas à sociedade; investimentos na segurança de seus consumidores; preparação para oferecer soluções aos clientes em momentos de crise; busca de inovação em momentos de crise; e atuação justa e ética.

O estudo Marcas Transformadoras não faz distinção por área de atuação da empresa e quase todos os segmentos da economia estão presentes no ranking. Desde 24 de março, a HSR já ouviu mais de 18 mil pessoas, das classes sociais A, B e C, em todas as regiões do País.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0