Três passos para as empresas engajarem o público certo e venderem mais na internet

Especialista em audiência na internet, Samuel Pereira explica como atrair a atenção do público mesmo com a avalanche de informações

Existe uma forma totalmente nova de se comunicar com a audiência através da internet. Segundo o especialista Samuel Pereira, autor do livro “Atenção: o Maior Ativo do Mundo” e criador do Segredos da Audiência, maior evento de tráfego e audiência da América Latina, a forma como as pessoas lidam com a propaganda mudou. “Elas preferem ir atrás da informação quando precisam dela, em vez de serem interrompidas por propagandas que não pediram para ver”, alerta.

Samuel Pereira

Para ajudar os empreendedores e profissionais responsáveis por marcas e empresas a compreenderem como captar a atenção do público e transforma-lo em cliente, Samuel desenvolveu o conceito de Jornada do Engajamento, este material está presente em seu livro que já chegou à lisa dos mais vendidos. “Os três passos da jornada do engajamento ajudam a construir uma trilha com muito mais chances de fazer a audiência estar com você a escolher contratar seus produtos ou serviços”, completa Samuel, que destaca a importância de conquistar o interesse das pessoas com algo de valor em vez de apenas interromper o conteúdo que estão consumindo. “A ideia é que as marcas e empresas não tenham que correr atrás do cliente, mas sejam encontradas quando ele precisar do seu serviço”, completa, antes de listar os passos.

1- Atração do interesse:

O primeiro passo é definir o público-alvo e se tornar um verdadeiro especialista em interpretar suas dores e desejos. “O empreendedor tem que saber explicar o problema do seu público-alvo melhor do que ele mesmo”, sugere. Assim, o cliente em potencial automaticamente percebe que pode encontrar a solução para o problema. “O segredo é focar em uma comunicação para gerar identificação, trazendo características que fazem parte desse público, como a linguagem, os desenhos e os problemas, assim o consumidor vai sentir que é este o produto ou serviço que vai ajudá-lo”.

2- Doutrinação:

Ao contrário do que muitos fazem na internet, o conteúdo não deve ser composto apenas de dicas soltas. “O que as marcas ou especialistas produzem deve seguir uma lógica que leve as pessoas até o que vai ser oferecido depois”, enfatiza. Ao fazer assim, o conteúdo irá ter um objetivo na jornada do cliente. “A ideia é usar o que é ensinado para reforçar a importância do produto ou serviço que você oferece”, completa.

3- Conversão:

Por fim, deve-se oferecer o produto ou serviço que soluciona um ou mais problemas do público-alvo. “As marcas devem oferecer ao seu cliente não o meio, mas o fim, ou seja, a transformação que ele terá ao adquirir o produto ou serviço”, ensina. Um exemplo é quando se vende um produto para cabelos: a venda deve se preocuparem oferecer cabelos mais bonitos e saudáveis, e não apenas um creme. “O segredo é vender o resultado que ele terá com o serviço, método ou produto”, completa Samuel Pereira.

Definir esses três passos é fundamental para que a audiência seja alcançada no momento certo, preparada para consumir o produto, e entenda os motivos pelos quais deve comprá-lo.

Sobre Samuel Pereira

Samuel Pereira, é publicitário, empresário, especialista em tráfego e audiência na internet e criador do Segredos da Audiência Ao Vivo, o maior evento de tráfego e audiência do mundo, que em sua última edição reuniu mais de 3 mil pessoas. Concentra o seu trabalho em ajudar empreendedores a criar negócios online sustentáveis a longo prazo, por meio de estratégias de tráfego e audiência que não dependam das constantes mudanças de regras das redes sociais, atraindo um público extremamente qualificado e capaz de gerar resultados. É ainda, autor do livro “Atenção: o maior ativo do mundo – o caminho mais efetivo para ser conhecido, gerar valor para seu público e ganhar dinheiro” e co-autor de “Negócios Digitais”.

Fonte: Sigma Six Comunicação Integrada – Taiana Bueno

A força dos vídeos na internet

Áudio trata da força do vídeo

Desta vez nosso conteúdo de áudio trata da força e da importância que os vídeos on line tê. E de como isso pode ser importante para as marcas e anunciantes.

Lembrando sempre que nossos conteúdos de áudio são exibidos em primeira mão no programa Panorama da Rádio Unitau. O programa vai ao ar de segunda a sexta feira das 16 às 18 horas e o conteúdo inédito do Publicitando vai ao ar toda terça.

Confira todos os conteúdos já exibidos aqui. E o da semana passada você pode ouvir clicando aí embaixo:

 

Por que as pessoas deixam de comprar pela internet?

8 motivos pelos quais as pessoas não compram um produto na internet

Conhecer as principais objeções dos clientes do mundo online é um dos principais passos que o empreendedor pode dar em direção ao aumento de vendas e faturamento

Foto: Pixabay

Aquela história de “nadar, nadar e morrer na praia” é um pesadelo para quem empreende, ainda mais pela internet; no entanto, não deixa de ser comum. Muitas vezes, mesmo que o empreendedor circule um conteúdo de qualidade, possua uma audiência consistente e seja visto como autoridade no negócio em que trabalha, o momento da venda ainda tem um final infeliz. E isso acontece porque “costumamos esbarrar nas objeções dos compradores e não convertemos nossas vendas”, explica Samuel Pereira, publicitário e especialista em tráfego e audiência na internet.

Motivado a entender sobre onde caía a responsabilidade desse insucesso em um momento tão crucial, que é o da compra, Samuel desvendou as 8 principais objeções do consumidor e ensina como driblar cada uma delas a seguir:

1º Isso não funciona

É comum que o consumidor “duvide”, ou ao menos questione se o produto ou serviço realmente cumpra tudo o que está prometendo. “Você mata essa objeção mostrando estudos de caso. Mostre como você ou alguém que já tenha usufruído do seu produto ou serviço conseguiu alcançar o resultado que está mostrando”, detalha o especialista.

Samuel dá o próprio exemplo: no lançamento do primeiro curso online criado por ele, o prestigiado “Segredos da Audiência”, o especialista mostrou vários casos de como alcançou 300 mil visitas por mês em alguns dos sites em poucos meses. “Gravei um vídeo com as métricas e compartilhei na internet. Esse conteúdo mostrou que o método que usei funciona e gerou bastante autoridade para mim”, conclui.

2º Não confio no vendedor

Mais uma vez, a dúvida se faz presente na mente do consumidor, ainda mais se for o primeiro contato com o produto ou com a marca. Quem não gosta de conhecer a procedência do que está comprando, não é mesmo? Desse modo, Samuel recomenda: “Ter muitas pessoas falando sobre você no mercado gera autoridade. Pode ser desde gente interessada no assunto que você aborda até profissionais do seu mercado que admiram seu trabalho”.

A partir do momento em que um especialista analisa o serviço ou produto de outro especialista da mesma área de forma positiva, uma parcela da autoridade dele é transferida para o outro, e isso gera confiança e segurança ao consumidor.

3º Isso não funciona pra mim

Nesta objeção, Samuel traz duas estratégias que podem ser usada tanto juntas como separadamente. A identificação com o outro é o primeiro passo. É comum que as pessoas encontrem motivos para diferenciar o negócio delas do restante e, desse modo, gerar a impressão de que aquela fórmula não é a melhor opção para ela. “Apesar de termos um conhecimento a mais, não somos melhores ou mais espertos que ninguém”, explica Samuel. É preciso lembrá-la que negócios bem-sucedidos são construídos através de riscos tomados e, especialmente, de erros cometidos. “Quanto mais você mostra que é uma pessoa comum, mais identificação e conexão você gera”, continua o especialista.

A segunda estratégia é mostrar estudos de caso mais uma vez. No entanto, é hora de partir para algum caso extremo. Desse modo, a pessoa se convence que, se deu certo “até” com tal negócio, é mais provável que o dela também tenha um final feliz.

4º Eu não vou conseguir implementar

Não há argumentação mais valiosa que o “baseado em fatos reais”. É por isso que Samuel bate na tecla dos estudos de caso. Exemplos de pessoas que se deram bem com o produto em um contexto “pior” do que o do consumidor que ainda não comprou é a chave para convencê-lo. “O objetivo é fazer seu público ter a seguinte sensação: ‘se ele conseguiu, eu também consigo!’”, completa o publicitário.

5º Não preciso disso agora

Uma das frases ditas pelo consumidor e mais ouvidas por quem tem um negócio é “Vou deixar para o mês que vem!”. As pessoas tendem sempre a postergar a compra de algo que ela julga não tão urgente por um motivo simples: elas sabem que poderão voltar para comprar quando quiserem. Samuel resume a solução desta objeção em uma só palavra: escassez. “Fechar as suas inscrições ou um evento mudar de lote, isso faz com que o cliente tenha vontade de aproveitar antes que aumente o preço ou se encerrem as inscrições – senão, vai perder a oportunidade”, são algumas das sugestões do especialista.

Contudo, Samuel ressalta que este recurso deve ser sempre usado com integridade.

6º Não tenho dinheiro

Essa objeção parte da mesma premissa da frase “Não tenho tempo”. Mas essas não são verdadeiras questões. A questão aqui é prioridade. Desse modo, o segredo é transformar a oferta do produto ou serviço em prioridade para o consumidor. Primeiro passo: ressaltar como o preço está bom. Segundo passo: trazer de volta a estratégia da escassez. Samuel dá um exemplo: “você já deixou de fazer um trabalho de escola ou de estudar para uma prova porque a data de entrega do trabalho ou da prova ainda estava longe, mas um dia antes da data você deu prioridade máxima ao tema? Portanto, gere senso de prioridade no seu cliente”.

Foto: Pixa

Essa sensação de escassez pode ser trabalhada com eficiência no texto de venda, a chamada “copy”, no marketing digital. Produzida tanto em formato de vídeo como em formato de texto, a estratégia é tornar a oferta o mais irresistível possível. É válido mostrar o quanto a pessoa vai perder no futuro por ter deixado escapar a oportunidade agora.

Quando a questão do consumidor é não ter, de fato, dinheiro para pagar, a ideia é concentrar-se nas formas de pagamento possíveis e, se for o caso, “ancorar o preço”, sugere Samuel, mas com a ressalva de que “se a pessoa tem prioridade, ela pega o cartão de crédito do vizinho emprestado e compra”.

7º E se eu não gostar?

O medo do arrependimento. A pessoa pode até estar convencida que conseguiria implementar o que foi planejado e vai dar um jeito de pagar, mas há algo que ainda a impede: o medo de não gostar do produto ou serviço. Para esta objeção, Samuel recomenda aplicação de garantias. É necessário encontrar a que mais combine com o negócio em questão e oferecê-la aos clientes. “Geralmente, a garantia para venda de produtos digitais é de trinta dias. Funciona da seguinte forma: se em trinta dias o seu cliente não conquistar um resultado proporcional ao que seu produto oferece, ou por qualquer desaprovação dele, você devolve o dinheiro”, exemplifica o especialista.

Outras garantias que, segundo ele, são mais fortes ainda: a devolução do dinheiro investido, caso o consumidor não tenha o resultado esperado em trinta, sessenta dias; ou a cobertura da passagem de deslocamento do consumidor até o serviço comprado. É possível lançar garantias ainda mais ousadas, mas também é preciso ter segurança para fazê-las.

8º Objeção na hora da compra

Após vencer todos os obstáculos descritos acima, o consumidor só precisa dar o clique da compra. Mesmo assim, algumas vezes, isso não acontece. É hora de entender os motivos específicos da marca. Samuel sugere manter sempre um feedback e coletar depoimentos das pessoas que compraram o produto ou serviço; certamente houve quem hesitou na hora de efetivar a compra. “Ter esses depoimentos pode ajudá-lo até a pensar em estratégias de persuasão com futuros clientes”, explica o especialista em marketing digital. “Você pode usar a experiência de seus clientes e incluí-la num vídeo de venda: ‘Eu estava pensando em comprar, mas achava que o cara era picareta. Mas, decidi e comprei assim mesmo. Percebi que eu estava totalmente errado e ter comprado foi a melhor decisão que tomei’”, continua Samuel. A pessoa que está assistindo ao depoimento pode se identificar com a opinião daquele cliente e ser motivada a comprar.

Quando o assunto é empreender, é preciso atentar-se não apenas às estratégias para atrair o cliente, como também às situações que podem dificultar a venda e que gerarão efeitos indesejados. Dessa maneira, aquele medo de “morrer na praia”, como foi comentado no início, tende a desaparecer e os bons resultados vêm naturalmente. Todas as estratégias para o sucesso de um negócio estão reunidas no livro “Atenção: o maior ativo do mundo”, escrito por Samuel Pereira e considerado uma referência quando o assunto é tráfego e audiência na internet.

Mais sobre Samuel Pereira:

Samuel Pereira é autor de “Atenção: o maior ativo do mundo”, livro que chegou a best seller da Revista Veja e Top1 na Loja Kindle da Amazon.com.br. Samuel também é o idealizador do maior evento anual de tráfego e audiência, o “Segredos da Audiência Ao Vivo”, que já teve 5 edições, reúne grandes empresários brasileiros e um público de quase 3 mil pessoas para revelar as estratégias mais inovadoras do segmento.

Fonte: Sigma Six Comunicação Integrada – Taiana Bueno

FAAP discute Marketing Digital em eventos abertos ao público

Os encontros ocorrem nos dias 27 e 29 de setembro na FAAP SJC

Marketing Digital domina a pauta dos eventos da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP), em São José dos Campos, na próxima semana. No dia 27/9 (quinta-feira), será realizada a mesa-redonda Marketing Digital e o Código de Ética da Advocacia. Já no sábado (29/9), o campus reúne diversos profissionais da área para discutir conteúdo e performance na 2ª edição do Arena Digital. Ambos são abertos ao público.

Com mediação da professora Talita Ribas, coordenadora da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP, a mesa-redonda Marketing Digital e o Código de Ética da Advocacia recebe os advogados Alexandre Thomaz e Rafael Spadotto, da OAB- SJC, e Klaus Coelho Calegão, da OAB- SP.

A ideia, segundo a professora da FAAP, é mostrar de que forma o advogado pode usar a Internet para divulgar os seus serviços sem ferir o Código de Ética, que é bem restritivo em relação à publicidade. “Nada melhor do que a própria OAB para esclarecer todas as dúvidas do que pode ou não ser feito”, explica a especialista, adiantando que o marketing de conteúdo é uma das saídas.

Para participar da palestra é necessário fazer a inscrição, gratuita, pelo link: http://bit.ly/MkdigitalFAAP

“Feras” do Marketing

Eduardo Costa, owner e CEO na Focus Interact e diretor de novos negócios na Resultage

A segunda edição do Arena Digital, no dia 29/9, contará com a apresentação de Diego Reis, CEO da UNIC Marketing Digital; Rebeca Diniz, analista de dados e estratégia de performance; Gustavo Ono, especialista em campanhas de branding e performance; Rafael Rez, especialista em marketing de conteúdo e estrategista de marketing digital; Eduardo Costa, owner e CEO na Focus Interact e diretor de novos negócios na Resultage; e Rafael Kiso, CMO na Focusnetworks, vice-presidente na MidiaNext e fundador da MLabs, patrocinadora do Arena Digital.

Rafael Kiso, CMO na Focusnetworks, vice-presidente na MidiaNext e fundador da MLabs

A inscrição no evento pode ser feita por aqui. O ingresso é solidário: 2 kg de alimentos não perecíveis, exceto sal e açúcar, ou R$ 10,00 em benefício ao Grupo de Apoio a Crianças com Câncer.

Fonte: OBOÉ COMUNICAÇÃO CORPORATIVA – Fabiana Dourado

Empresa busca estagiário em marketing

Vaga de estágio em marketing

Interessados, por favor, enviar currículo até 28/09/2018 (sexta-feira), para o e-mail: renan@valevendasonline.com.br

Área atuação: Marketing e Vendas – Gênero: Feminino

Principais atividades:

– Suporte para criação de textos para postagens nas redes sociais;

– Suporte para criação de anúncios patrocinados no facebook, Instagram e google;

– Criação e edição de imagens;

– Atualizações gerais de site wordpress;

– Atualizações gerais de site ecommerce wordpress com plugin WooCommerce;

– Cadastramento de produtos da loja virtual através do plugin WooCommerce;

– Interface com a agência de marketing terceirizada para ações diárias de inbound marketing;

– Interação com a audiência das redes sociais (Instagram, facebook, youtube, twitter)

– Interação com a audiência/clientes do whatsapp;

– Interação com influenciadores digitais para campanhas de marketing;

– Acompanhamento de métricas das redes sociais;

– Interação com a audiência/clientes através de e-mail;

– Atendimento telefônico;

– Relatório de estágio.

Conhecimentos básicos:

– WordPress (não precisa dominar códigos ou qualquer linguagem de programação.);

– Redes sociais (Instagram, facebook, youtube, twitter, google);

– Adobe Photoshop ou outros programas de edição de imagens.

Experiência:

– Não é necessário.

Cursar:

– Marketing/Comunicação/Publicidade/Jornalismo em qualquer período.

Jornada Trabalho:

– 6 horas, dás 10h às 17h com 1 hora de almoço

Salário/Bolsa:

– De R$500 a R$700

Benefícios:

– Vale transporte

Empresa:

– Varejista no Ecommerce, Setor de Vestuário Feminino situada em Taubaté.

Para engajar clientes na Era Digital

Era digital: ferramentas e práticas com foco no engajamento do cliente

“Só há um patrão, o cliente. E ele pode despedir todo mundo na empresa, do presidente para baixo, simplesmente gastando seu dinheiro em algum outro lugar.” A frase, dita por Sam Walton, fundador de uma das principais multinacionais de lojas de departamento estadunidense, nunca esteve tão atualizada. A transformação digital e as consequentes mudanças nas relações de consumo fizeram com que o conceito “consumer centric” – ou o consumidor no centro – se firmasse como mantra central da estratégia de negócios.

Hoje, a Deloitte define a Era do Cliente pelo reconhecimento das necessidades no ponto de contato, para que elas decidam como maximizar, dinamizar e personalizar a melhor experiência possível, gerando o máximo retorno de seus esforços.

De maneira prática, a necessidade de atender à demanda cada vez mais rigorosa e ágil do consumidor, força as organizações a se adequarem à realidade digital. Para isso, é preciso desenvolver uma estratégia que garanta a efetividade das práticas de engajamento do cliente. A base está na total compreensão de como um serviço ou produto pode contribuir da melhor maneira para o dia a dia dos compradores; e em seguida, o desafio de apontar o real valor agregado do que está sendo oferecido.

De informações sobre comportamentos presentes em sites e redes sociais – como os cookies, por exemplo – até dispositivos conectados por Internet das Coisas (Internet of Things, ou IoT), que captam os dados, há um infinidade de ferramentas disponíveis para compreender exatamente o que o cliente quer, a partir da ciência de dados. Ao analisar as informações, inicia-se uma cultura de cocriação com os interlocutores, no qual pessoas participam – direta ou indiretamente – do processo de e desenvolvimento de produtos e serviços.

Esse engajamento proporciona um olhar mais abrangente para os negócios, facilitando a visualização de lacunas nas demandas e prevendo eventuais tendências. Isso requer lidar com padrões elevados. É preciso focar atenção e esforços em pesquisa e desenvolvimento para estimular uma cultura de inovação nas empresas, de forma que as novidades cheguem constantemente aos clientes. Mais do que analisar as informações do mercado e dos concorrentes, o foco está nas pessoas. Compreender, efetivamente, as necessidades dos compradores – sejam elas relacionadas a serviços, soluções, ferramentas ou experiência – é o que vai definir uma experiência verdadeiramente positiva.

*José Renato Gonçalves é vice-presidente para a região da América Latina da Orange Business Services

Fonte: aboutCOM – Natália Diogo

Dicas básicas sobre redes sociais

Segredos de marketing em redes sociais que todo profissional deve saber

Para ter uma boa estratégia de divulgação na internet, existem vários segredos de marketing em redes sociais para as empresas que todo bom profissional do ramo deve saber. Nas redes sociais, o número de conteúdos compartilhados cada vez aumenta mais e competir com eles não é fácil.

Marcas que querem receber uma boa atenção devem encontrar maneiras para ter estratégias bem definidas nas mídias sociais.

Veja agora 3 grandes segredos de marketing em redes sociais

1- Não existe padrão para o sucesso: não há provas concretas ou alguma fórmula matemática mirabolante para o gerenciamento das redes sociais. Cada empresa possui sua particularidade, um público único e questões específicas que precisam de soluções para trazer audiência. Além disso, plataformas de mídia social estão mudando o tempo inteiro e, com elas, o comportamento dos grupos sociais também. Não existe maneira de obter bons resultados através uma mesma estratégia.

2- Tenha um plano de conteúdo bem documentado e moldado: para passar do primeiro obstáculo é essencial possuir um plano de marketing de conteúdo. Para que o conteúdo seja eficiente ele deve ser relevante para o seu público, desenvolvendo algum tipo de interação com o material ou com a página. A documentação da estratégia também é fundamental. Uma pesquisa do Content Marketing Institute mostrou que uma estratégia documentada pode dar mais confiança a equipe, porque auxilia na justificativa dos gastos com mídias sociais.

3- O boca a boca pode ser melhor do que o imaginado: existe a possibilidade de gerar boca a boca para sua marca através das mídias sociais. Isso porque elas costumam impactar clientes, parceiros e funcionários de maneira igual. A construção de relacionamentos com as pessoas é o grande segredo para o sucesso em qualquer tipo de negócio.

Fonte: Agência IMMA

Começa na próxima segunda a SMWSP

Social Media Week São Paulo reúne 320 profissionais para debater as práticas do mercado digital

Começa nesta segunda feira (10), o maior evento de mídias sociais da América Latina, em parceria com a ESPM, temas como transformação digital, diversidade, inovação, chatbots e social commerce estão entre as 21 trilhas de conteúdo.

A Social Media Week São Paulo apresenta 270 atividades entre palestras, workshops, painéis e debates. A décima primeira edição do evento acontece na próxima semana, do dia 10 ao dia 14 de setembro, nos 2 campi da ESPM na Vila Mariana: ESPM Tech, rua Joaquim Távora , 1240 e ESPM Graduação, rua Dr. Álvaro Alvim, 123. As inscrições podem ser feitas por palestra em www.smwsp.com.br/agenda, não há limite para participação, os ingressos custam R$ 20,00, com opção de 50% de desconto oferecida pelos patrocinadores, para lugares reservados e existe a opção gratuita pelo app SMWSP disponível na Apple Store e Google Play Store.

Neste ano, as mulheres marcam presença nos palcos da SMWSP, serão 169 mulheres palestrando. Entre os temas, novos assuntos foram incorporados para discussão: diversidade, transformação digital, marketing de causas e o universo das agencias digitais — como estão sobrevivendo às mudanças do mercado.

Com uma curadoria colaborativa, a SMWSP é o primeiro palco de muitos profissionais foram cerca 800 palestrantes inscritos. O evento é organizado pela InterNey consultoria, com a ajuda de voluntários e parceiros. “A gente traz palestrantes consagrados de várias plataformas sociais brasileiras, de grandes empresas, temos profissionais de nível sênior com seus cases, que se inscrevem para compartilhar os aprendizados. Ao mesmo tempo, pessoas que estão vivenciando o palco pela primeira vez e serão os porta vozes do mercado amanhã. Temos essa missão de educar o mercado e prepara-lo”, destaca o organizador, Edney Souza.

Imagem de edição anterior da SMWSP

Confira as trilhas:

Academia Aplicada ao Mercado (Curador: Tarcízio Silva)

Agências Digitais (Curadoria: ABRADi)

Chatbots (Curador: Vinícius Martins)

Consumidor 4.0 (Curadoria: Jeunesse)

Diversidade (Curadoria: Vitor Bastos & Maira Reis)

EdTech (Curador: Sthefan Berwanger)

Game Marketing (Curador: Guilherme Camargo)

Gestão de Redes Sociais (Curadoria: Swonkie)

Inbound Marketing (Curadoria: Resultados Digitais)

Influenciadores (Curadoria Colaborativa)

Inovação (Curadores: Fabrício Saad & Caio Bianchi)

Inteligência Artificial (Curadores: IBM & Julio Figueiredo)

Jornalismo Digital (Curadora: Maria Elisabete Antonioli)

Marketing de Causas (Curadora: Egnalda Cortes)

Marketing para Educação (Curadoria: 80/20)

Pequenas e Médias Empresas (Curadoria: mLabs)

Planejamento Digital (Curadoria Colaborativa)

Publicidade Digital (Curadoria: Diego Oliveira)

Social Commerce (Curadoria: NuvemShop)

Storytelling & Branded Content (Curadoria: Bruno Scartozzoni)

Transformação Digital (Curadoria: Sérgio Santos)

Veja a programação completa em www.smwsp.com.br/agenda.

Serviço:

Social Media Week São Paulo

Data: 10 a 14 de setembro de 2018

Local: ESPM Tech, rua Joaquim Távora, 1240 e ESPM Graduação, rua Dr. Álvaro Alvim, 123. O local exato de cada palestra será anunciado uma semana antes do evento, de acordo com o volume de inscrições.

Inscrições: www.smwsp.com.br/agenda

Os ingressos são vendidos por um preço simbólico para organizar as salas, o evento é custeado principalmente pelos patrocinadores e parceiros. O ingresso garante a entrada na sala até 5 minutos depois do horário programado. Após isso, qualquer pessoa na fila de espera gratuita pode ocupar os lugares disponíveis.

Fonte: Assessoria de Imprensa SMWSP18 – Mariana Bacci

Dança das cadeiras

E o mercado não para…

Mais um pouquinho da movimentação de profissionais pelo mercado de comunicação da Região Metropolitana do Vale do Paraíba.

Imobiliaria Nova Freitas passa a contar com Júlia Souza na função de  Relações Públicas.

Natalie Guimarães é a mais nova Social Media da equipe da Vincere Comunicação.

E Luciana Peloggia Gianesini acabou de assumir como Analista Web Pleno no Portal A12.com

Vaga para atuar em mídia

Coyô abre vaga de analista de mídia digital

Envie seu currículo para vempramatilha@coyo.com.br

O Analista de Mídia aqui na Coyô precisa manjar de:

– Redes sociais
– Anúncios nas principais plataformas de mídia digital.
– Conhecimento básico em Google Ads