Coluna “Branding: a alma da marca”

Uma ideologia presente

Nós comunicadores estamos acostumados a trabalhar com ideologias. Criar símbolos que portem discursos ideológicos é, antes de mais nada, um dos grande objetivos que um profissional desta área deve buscar. Não vejo possibilidade de um publicitário, jornalista ou relações públicas estar fora dessa imensidão, por isso a tamanha necessidade da presença do pensamento ético entre estes profissionais.

Na publicidade, a propaganda ideológica está em exemplos cotidianos, como o Itaú usando discurso do técnico da seleção para motivar o pensamento positivo ao consumo e ao trabalho, ou da Chevrolet tomando para si o conceito de mudança das ruas com seu “find new roads”.

Ideologias são grandes materiais brutos que na mão de bons comunicadores tomam fins diversos, sendo moldadas, encabrestadas ou até manipuladas às necessidades dos objetivos da sociedade.

No entanto, há momentos na história que precisamos prestar atenção para uma construção simbólica, que nasce quase espontaneamente e que aos poucos materializa uma proposta que nem sempre é a imagem do cavalo domável da comunicação social.

Este é o caso do fenômeno midiático de Marielle Franco, ou mais especificamente do símbolo “Marielle Presente”, bordão herdado pela vereadora após um discurso seu na câmara dos vereadores, onde ela respondia a palavra “presente” a chamada de mulheres assassinadas, as quais ela defendia o direito à justiça, e portanto representava.

Desde já, para que não me compreendam mal, deixo claro que não estou analisando o contexto político da vereadora, nem de quem é a culpa pelo ato bárbaro acontecido a ela, o qual repudio muito mas deixo a opinião àqueles que tem mais conhecimento sobre a história da vereadora e sobre como se faz segurança pública.

Trato neste texto apenas da construção comunicacional dos símbolos antes e após o ato da morte da representante popular, e das repercussões midiáticas e das ruas.

Filósofos clássicos gregos como Platão falavam que um ideal nasce primeiro em um mundo incorpóreo, esperando por receptáculos físicos aptos a mostrar seus sinais e aos poucos ir se manifestando. Veja que usei o adjetivo “apto”, mas não necessariamente “certo” pois, como grandes potências simbólicas naturais se mostram em tudo aquilo que tem condições de representá-las, sem fazer distinção de juízo.

Acredito até que este tipo de construção faz parte de uma evolução coletiva de nossa consciência humana, pois, se apoia no nosso papel nesta história.

O ser humano é o único “animal” com possibilidade de fazer este juízo de valores por escolha, o nosso ” livre arbítrio” é o elemento que tem fundamentação na moral. As escolhas que fazemos na condução dos nossos símbolos que representam estes ideais nos levam a construção da nossa História. Se acertamos na condução simbólica costumamos viver períodos felizes, mas se erramos vivemos então grandes depressões.

Estas ideias são “substâncias” tão imensas que não cabem em um contexto de um comercial de TV apenas. Vão se apresentando em oratórias, em comunicações de massa, em atitudes populares, até que enfim, algo se consolide em uma única representação.

Tenho lido a comparação do símbolo Marielle ao de Vladmir Herzeg, jornalista morto durante a ditadura militar que foi o símbolo usado como estopim para o fim deste período. A representação da resistência ao militarismo.

A movimentação de massa por todo Brasil acontecida após essa tragédia da vereadora mostra que a opressão popular chegou ao limite em nosso país e não é mais tolerada pela sociedade brasileira, algo que só é comparável às movimentações durante a ditadura militar realmente, como diz a antropóloga Alba Zaluar.

No entanto, antes mesmo do acontecimento com Marielle, um compartilhamento em massa de uma ilustração do tabloide francês Le Monde havia me chamava a atenção nesse sentido, pois era compartilhado por “gregos e troianos”, pelos dois lados da moeda política brasileira. O que me pareceu ser o retrato de um pensamento unificador.

Por falar em troianos, algo que se destaca nesta imagem é a figura de um pato de Tróia ilustrado pelo jornalista, a clara representação do uso de um símbolo de ideal de um povo voltado para manipular o mesmo povo. Exatamente o que me parece intolerável e que é a causa dos problemas do Brasil.

Marielle, assim como a ilustração do Lê Monde, representam um país cujo a sua liderança, nos três poderes, estão desconectados da população que representa, e isso é a causa da grande revolta!

Veja que o símbolo da Marielle não pode ser transformada no novo pato brasileiro, que é preciso que nossa sociedade compreenda o recado sem cair na manipulação dos aproveitadores de plantão. Se hoje ela é a representante de um povo cansado de ser manipulado, oprimido e deixado a margem, deve continuar sendo seu símbolo legitimo, sem que seja usada para vender carro, banco ou lado político.

Afinal, ela é a imagem de um povo corajoso que quer discursos reais, protagonismo e heroísmo patriótico verdadeiro. Aquele que conseguir realmente ser esta pessoa, leva consigo o direito de sair como representante dessa nação.

A palavra “presente” que Marielle usava e que foi gritada por muitos no Brasil após a sua morte condensa grande importância, pois presente não é estar perdido no passado, nem estar voltado para as disputas futuras, é antes de mais nada estar consciente de suas escolhas, de estar certo que não existem lados horizontais nessa disputa, mas sim uma busca por uma representação melhor no caminho vertical.

Precisamos estar presentes, ligados, pois, estamos chegando muito perto de uma nova rota para o Brasil, que não me parece ser assim tão bonita e segura como na propaganda de carros e nem assim tão palpável e infalível como nas propagandas de um banco, porque na vida real o símbolo não cessa seu movimento ao apagar a TV e o sangue dado pelos idealistas não é produção feita em estúdio.

Cores são importantes para a identidade visual

Como escolher as cores da sua marca

Acertar as tonalidades do seu logo é uma decisão baseada na psicologia das cores, e não apenas nas suas preferências. Foi devido a essa técnica que as grandes empresas se consagraram no mercado, e é por isso que você também pode chegar lá.

Confira esse infográfico:

 

Fonte: Luana Santos – Link Building/Logomaker

Claudia Leitte e Wanessa Camargo são as novas embaixadoras de campanha de marketing da Rainha

Cantoras são referências em versatilidade e estilo no cenário nacional e participarão de ativações da marca esportiva

A RAINHA – marca esportiva presente no dia a dia dos brasileiros – começa o ano dando as boas-vindas para as novas embaixadoras da marca, que apresenta um portfólio para os públicos feminino e masculino voltado para a esportividade, incluindo criações para treinos e momentos casuais. As cantoras Claudia Leitte e Wanessa Camargo, nomes que são referência em versatilidade e estilo no cenário nacional, vão estrelar campanha publicitária que teve início nesta quarta-feira (24).

Wanessa Camargo e Claudia Leitte são as novas embaixadoras da marca Fotos: Divulgação

Com foco na versatilidade de uso do estilo esportivo, a campanha de marketing inclui ações de mídia digital com investimento nas redes sociais da marca para forte interação com os consumidores. Na estratégia da marca, também estão previstas ativações de trade marketing nos principais pontos de venda da marca no Brasil com a comunicação das cantoras e ações especiais com as duas ao longo do ano.

A Claudia Leitte é a embaixadora da nova tecnologia System, que marcou a história da marca na década de 80 e surge em versão moderna. São duas linhas, a esportiva e a casual, com modelos despojados que vão combinar no dia a dia dos brasileiros, entre eles o Kush, Classic 3000 e Classic 5000.

Já a Wanessa traz as linhas Lifestyle e Linha Athletic, que têm como principais modelos Storm e Progress com o diferencial da tecnologia Fluid Gel.

“A Wanessa e a Claudia Leitte são grandes nomes na música pop nacional e vivem uma vida marcada pela versatilidade. Assim como elas, a Rainha aposta em uma vida repleta de estilo e muito movimento em busca de bem-estar, alegria e com uso em variadas ocasiões. As novas linhas de tênis são os principais lançamentos da marca para este ano”, comenta Leonardo Chamsin, CEO da BR Sports, detentora da marca Rainha.

“Rainha é uma marca alegre e que explora uma vida mais leve. E como todo mundo sabe, eu não abro mão da alegria! O relançamento da tecnologia System traz um conceito atual e vem com tudo nas linhas esportiva e casual. São modelos ideais para circular no trio, nas ruas, na academia e em qualquer lugar. É massa!”, diz a cantora Claudia Leitte.

“Estou muito feliz com esta parceria, já que a Rainha explora este conceito de versatilidade que eu tanto busco na minha rotina de shows com os meus fãs e nos meus momentos de lazer. As linhas Lifestyle e Athletic têm como diferencial tecnologia Fluid Gel, que traz retorno de energia imediato. Daqui pra frente, é estilo e conforto em cada pisada”, anuncia a cantora Wanessa Camargo.

A campanha se estende ao longo do ano com atuação em todo o território nacional.

Fonte: Medialink Comunicação – Eduardo Vella

Coluna Branding: a alma da marca

As muitas faces da propaganda

Bem-vindos caros leitores ao ano 2018, em tempo, desejo a todos um ano de restauração. Que seja restaurada nossa esperança, a nossa confiança no país, nossa capacidade de trabalhar e desfrutar do resultado de nosso trabalho, enfim, que nossa profissão seja restaurada e ofereça objetivos futuros.

Janeiro ainda é férias, e em nossa primeira coluna tenho como tema a capacidade do mercado publicitário de reagir a crise, se transformando e apresentando caminhos diferenciados, um verdadeiro dragão de muitas cabeças, digno das 7 faces do dr. Lao, um filme clássico das tardes de férias.

As principais redes globais de publicidade deram a boa nova, 2018 chega com perspectiva de crescimento no mercado publicitário mundo a fora, algo entre 3,5 e 4,5% alavancado principalmente pela copa do mundo da Rússia. Para o Brasil esta perspectiva é ainda maior 5%, dado ao fato de termos eleições neste mesmo ano.

Esta seria uma notícia a comemorar em nosso pequeno mercado, se não fosse o fato de que esta “publicidade global” esta cada vez mais centrada em poucos e grandes grupos, o que significa dizer que a grande verba estará nas mãos das grandes agências e um pouquinho mais espalhado no mercado digital, que tem números melhores e mais pulverizados, mas que vive a tendência da integração do on-line e off-line.

Na prática significa dizer que o mercado crescerá para as grandes agências, mas para aqueles que se seguraram fazendo da mídia digital seu porto seguro, com pequena estrutura, vem aí uma nova onda que terá que reinventar tais agências para atender aos demais segmentos muito em breve.

Então você pode me perguntar, por que mesmo assim diz nesta coluna que espera restaurar expectativas no mercado?

Respondo que tenho visto o mercado se metamorfosear com outras formas de empregabilidade para os comunicadores, o que deve dar uma nova face para esta profissão, e que nos pequenos centros tem surgido um outro tipo de agência que me chama atenção e que embora não goste, tem bastante mercado.

Vamos começar pela empregabilidade. No ano passado, menos de 5% dos meus alunos conseguiram emprego em agências de propaganda. O que pode parecer assustador à primeira vista, não passa de um reflexo histórico do que sempre foi a taxa de conversão de aluno de publicidade em profissional de agências de propaganda. A formação dava ao aluno 2 possibilidades: se fosse destacado ia para as agências, mas se não era, ficava nos periféricos fornecedores ou se encontrava no comercial de industrias e do varejo por ter boa técnica de venda.

A boa notícia é que neste mesmo ano, pelo menos outros 20% dos alunos encontrou um caminho distinto e novo, a “houseficação”. Cabelereiros, centros médicos, mercadinhos, lojas do comercio local e pequenas indústrias solicitaram estagiários para a comunicação das suas marcas.

O que em primeiro impacto parece ser um fenômeno das mídias sociais que se transforma em pesadelo de agências digitais, é um caminho mais interessante do que parece.

Para os novos profissionais a “houseficação” oferece o desenvolvimento tanto comercialmente como tecnicamente em marketing e publicidade e ainda dá ao mercado uma tendência à profissionalização, o que pode ser um benefício para as agências no futuro, pois, com um mercado mais profissionalizado, o papel das agências pequenas pode ser muito amparado. Imagine que um pequeno comercio tem seu departamento de marketing que oferece briefing coerente e coordena o trabalho publicitário sem que o atendimento da mesma tenha que fazer a doutrinação do cliente. É um avanço, por linhas tortas, mas é um avanço.

O segundo fenômeno que observei, estou chamando de varejo de marca uma referência ao termo usado por Oswaldinho Rodrigues, conhecido publicitário do Vale do Paraíba, para expressar a marca que usa da propaganda para repetir sua estética no maior número de vezes e na máxima possibilidade de comunicação possível.

Não sei bem se ele já tinha em mente a ideia de que haveriam no futuro essas agências que se tornariam uma espécie de varejo. Mas que este termo define tais lojas de propaganda que vendem serviços em pacotes prontos de criação e produção, não há dúvida.

Posso receber até algumas críticas por incentivar esse tipo de modelo de propaganda pouco diferenciada e nada científica, mas o fato que baratear custo oferecendo volume de materiais e criações diversas e rápidas não está em discordância com um dos princípios da propaganda: a necessidade de frequência e dinamismo.

Se juntarmos os dois fenômenos veremos um cenário muito interessante no futuro próximo. Serão clientes “houseficados” com departamentos de comunicação com funcionários que pelo menos tem formação na publicidade e propaganda, e agências que barateiam o custo por brigarem no mercado varejista, oferecendo produtos diferenciados por preço e volume.

Assim espero em breve ver mais de uma loja de publicidade concorrendo em um mesmo shopping e onde vários comunicadores se encontrando para as compras de suas marcas.

Nesse cenário há espaço para muita gente e um crescimento de volume de investimento que pode superar os míseros 5% que tanto aclamamos. As vezes é preciso olhar para este monstro que surge, pois de perto ele não é nada mais do que a nossa velha e boa a propaganda com suas muitas faces.

Que venha logo o carnaval para que as férias acabem e voltemos logo ao trabalho, que o novo mercado clama por investimento.

Micro-influenciadores e seu papel no marketing

Especialista explica a importância do marketing com micro-influenciadores

O marketing com micro-influenciadores é uma tendência forte no universo digital e parece que vai se manter em alta por muito tempo. Mesmo empresas que ainda não estão investindo nesta vertente do marketing digital pensam em começar o quanto antes, pois é uma estratégia que tende a gerar bons resultados a baixo custo.

Porém, há quem ainda pense que os micro-influenciadores não são tão importantes, pois são comparados com os números de seguidores de celebridades ou líderes da indústria. Porém, o que deve ser destacado é o envolvimento direto que ele tem com seu público, geralmente muito mais relevante do que seu número de seguidores como um todo.

“O que ocorre é que os micro-influenciadores, apesar de possuírem um público relativamente menor em comparação com celebridades da internet, tendem a ser extremamente ativos e fiéis, gerando uma alta taxa de resposta para praticamente qualquer coisa que publicam”, explica Rodrigo Darzi, CEO e sócio da Agência de Marketing Digital IMMA.

Rodrigo também comenta que os micro-influenciadores dão um ar de autenticidade maior do que celebridades quando comentam algo sobre uma determinada empresa ou produto. “As pessoas sabem que as celebridades são pagas para fazer propaganda, mesmo em suas páginas pessoais. Por outro lado, elas veem os micro-influenciadores como pessoas que estão simplesmente dando uma opinião sincera”.

Como os seguidores de um micro-influencidor costumam confiar em sua opinião, o engajamento acontece de forma natural, rápida e econômica. E empresas de diversos portes tem visto com bons olhos como uma estratégia fundamental no marketing digital, principalmente as menores, que não possuem uma grande verba para gastar com publicidade.

Para ter sucesso com o marketing por micro-influenciadores, conhecer o público da marca é fundamental, pois são as interações e discussões da comunidade que irão indicar as pessoas que se destacam como influenciadores de opinião.

Fonte: Agência de Marketing Digital IMMA

Coluna Propaganda&Arte

Que tal criar filmes dadaístas para vender chocolate?

Em uma época de Netflix, renomadas séries e grandes filmes, o papel dos roteiristas se torna cada vez mais relevante. Mas será que vale a pena abrir mão disso para vender chocolate?

Recentemente foram divulgados, por uma marca de chocolate, 3 curtas-metragens, que foram criados a partir de comentários dos próprios seguidores da marca. São os famosos roteiros colaborativos. Títulos como: O TRANSPORTADOR GALÁCTICO TEMPORAL E OS ROBÔS JURÁSSICOS DE MARTE ou O CURIOSO CASO DOS CLONES DO MAL NO FANTÁSTICO REINO MÁGICO DIMINUTO demonstram o tom dadaísta e cômico que os filmes tomaram.

Se por um lado, ações como essa geram filmes engraçados e interagem de alguma forma com o público-alvo, eu me pergunto se estamos tão fracos de ideias novas a ponto de precisarmos virar o microfone para a galera igual alguns cantores fazem, quando não lembram a letra da música?

Nessas horas é inevitável recorrer aos grandes roteiros do cinema mundial, Casablanca de Julius J. & G. Philip Epstein e Howard Koch, O Poderoso Chefão de Mario Puzo e Francis Ford Coppola ou até Cidadão Kane de Herman Mankiewicz e Orson Welles, só para citar alguns. Em todos brilham o talento, o olhar diferente do mundo, a emoção, a criatividade e, claro, uma boa produção e direção para fazer jus nas telonas.

De fato, essa campanha do chocolate teve um olhar crítico na seleção dos comentários, uma boa produção, pode virar um case de sucesso, divulgar a marca e dar resultados para a empresa, porém, me deixou com uma fome de filmes mais criativos, provocativos e interessantes no cenário nacional. Até quando vamos engolir esse tipo de solução criativa? Será que vamos encontrar saídas mais originais? Enquanto não tenho as respostas, fico torcendo por um final feliz.

Coluna Branding: a alma da marca

O estudo técnico está acabando com o estudo mágico

Tenho me deparado com muitos amigos cometendo o erro de substituir conhecimento por informação, e isso tem me deixado muito intrigado.

Parece que aos poucos o mundo anda perdendo a capacidade de discernir sobre os assuntos, tendo a necessidade de responder a tudo rapidamente, sem a famosa contemplação filosófica.

Há algum tempo, tive o prazer de ouvir o filósofo Michel Echenique, infelizmente já falecido, dizer em suas palestras que todo planejamento deveria contemplar não só funções operacionais, táticas e estratégicas, mas também um elemento misterioso, chamado de mágico.

Para ele, quando um valor adere à um grupo de pessoas e isso passa de uma mera informação para um conhecimento vivenciado por todos, a compreensão dos princípios faz com que tudo o que precisa ser feito aconteça com mais facilidade e naturalidade.

É o que o popular chama de “natureza conspirando a favor”, mas deixando de lado a “mística”, o filósofo explicava que podemos entender isso como um conhecimento supra-racional, que se não pode ser medido ainda, pode ser intuído e contado sempre, pois, se repete com sequência.

Uso o futebol para dar meu exemplo prático:

Após um primeiro turno fora da realidade, mantendo uma invencibilidade histórica no campeonato brasileiro, a equipe do Corinthians, míngua um segundo turno com resultados proporcionais aos times últimos colocados. O que fez isso acontecer?

Explicações de preparo fisico, de reconhecimento da técnica, de perda de confiança, de queda de rendimento de um ou outro atleta, tentam explicar o fato mas são só apostas que não se sustentam por si só.

No entanto, existe um fato simbólico que é impossível de negar. Quase que ao mesmo tempo esta equipe bateu recordes de invencibilidade, conquistou o primeiro turno e passou 10 dias em descanso.

Por que ignoramos esta informação simbólica, não tratando este elemento como um único conhecimento como propunha Michel chamando-o de “elemento mágico”.

É muito comum e repetitivo a conhecida faixa carimbada, o relaxamento após um feito extraordinário, a desconcentração de uma energia que antes estava concentrada. O Corinthians perdeu seu elemento simbólico, aquela mística que o fazia repetir resultados surpreendentes.

Ficamos preocupados em encontrar uma técnica, a explicação científica e nos esquecemos de observar, contemplar, intuir o que vem a acontecer após um fato simbólico.

Estamos esquecendo que todo princípio científico parte de um ato empírico, que todo ato heróico costuma com o tempo resumir-se em um fato simbólico. Que o símbolo mágico é de natureza superior ao ato técnico, e que o conhecimento não se resume em informação.

Este Corinthians inacreditável se formou após ser desacreditado como a quarta força do estado e principalmente após ser prejudicado em um jogo contra o Palmeiras durante o campeonato paulista de 2017. Este símbolo de oprimido se transformou em espirito de luta e obediência tática e é isso que seu técnico parece não estar conseguindo recordar aos seus jogadores.

Da mesma forma, toda marca ou campanha de comunicação precisa ter sua mística traduzida em conceituação. Não basta ter apenas um estratégia inteligente e uma boa tática. O símbolo por traz de tudo deve estar vivo e ser compreendido pelos envolvidos. Sem isso, a comunicação poderá ser bonita, mas vazia e por tanto ineficiente.

Pretendo continuar falando sobre assuntos relacionados a este tema nos próximos artigos, portanto comentários e críticas fundamentadas são sempre bem vindas.

Até a próxima.

Coluna Propaganda&Arte

A arte de criar valores falsos, mas bonitos para as marcas

Atualmente as empresas mais valiosas do mundo são Google, Apple e Amazon, respectivamente. Será que as empresas mais valiosas do planeta também são as que possuem os melhores valores para o planeta?

Toda empresa bem estruturada possui uma missão, visão e valores. Frases como: “Somos uma empresa sustentável”, “Nossa equipe prioriza materiais ecológicos”, “Nossos processos são transparentes”, são apenas algumas das mentiras que lemos muitas vezes em sites ou nas recepções das empresas. Mas se tudo isso é mentira, nós, publicitários, também somos culpados disso e eu explico porquê.

Quando se constrói uma empresa, pensa-se em tudo, inclusive na marca e nos valores que irão direcioná-la. O problema é que esses valores precisam vir antes das ações da empresa e não depois que já está em movimento e produzindo, para não se tornar uma camada artificial, cheia de propaganda bonita e frases “da moda” para vender algo que não é a essência da empresa.

Se a marca diz ser sustentável, mas não prova isso em nenhuma ação, seus vídeos, anúncios ou posts perdem peso e não são mais valorizados pelo público. Uma hora a verdade aparece e o que era um ponto positivo pode se tornar uma grande propaganda negativa.

A Google, empresa que mais valorizou nos últimos anos, tem se mostrado extremamente útil para as pessoas, investe em tecnologia, comunicação, se mostra muito preocupada com o futuro e a cultura. Muitas ações dela provam isso, como os ambientes de trabalho descolados, mais relaxados e divertidos que os padrões normais que imperam nos escritórios em todo o mundo.

As pessoas possuem valores e, por isso as marcas também devem ter. Isso ajuda na comunicação, na escolha das imagens, nas pautas, nas lutas, nas ações que devem ou não devem ser apoiadas. Se as empresas estão ainda batendo cabeça com assuntos polêmicos é porque não conseguem mostrar suas essências, onde querem chegar e como.

O futuro será de empresas que realmente são úteis para a humanidade com valores que a maioria concorda e defende. Ainda não vivemos 100% esse mundo, mas alguns fatos apontam para um dia em que você só irá consumir produtos de empresas que estão totalmente alinhadas com a sua forma de viver e entender o mundo. Ou seja, os valores das empresas serão os itens mais valiosos nas prateleiras dos supermercados.

Atleta paralímpico fecha com novo patrocinador

Braskem é o novo patrocinador do atleta André Rocha

Na manhã dessa terça-feira, 10 de outubro, aconteceu no Centro de Treinamento Paralímpico na Rodovia dos Imigrantes, a assinatura do contrato de patrocínio entre o atleta André Rocha, campeão mundial de paratletismo, e a empresa Brasken Petroquímica.

A empresa é patrocinadora da Equipe Brasileira de Paratletismo desde setembro de 2015, e acredita que o apoio ao esporte paralímpico reforça o seu propósito de que a química e o plástico melhoram a vida das pessoas. No paratletismo brasileiro, o plástico tem uma aplicação prática, já que está presente na composição das próteses, tornando-as mais leves e confortáveis às pernas dos atletas.

De olho nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, André Rocha se orgulha da nova parceria: “Quem me acompanha e conhece a minha trajetória sabe o quanto lutei até alcançar o mais alto lugar no pódio. Ter conquistado uma parceria desse nível é motivo de muito orgulho para mim”, declarou o atleta.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Coluna Brandig: a alma da marca

E aí, Fanta Guaraná ou Guaraná Antártica?

Hoje vou falar de um assunto bem dentro do branding, falo de uma estratégia que me parece acertada e bastante ousada. O “lançamento” da Fanta guaraná.

Primeiramente explico as aspas na palavra lançamento do parágrafo anterior.
Para quem não sabe já houve Fanta guaraná no final da década de 70 no Brasil, há até um bordão dos mais antigos que dizia “do tempo da Fanta guaraná”.

Pelo que pesquisei a Coca Cola Company usava a marca que surgiu durante o período da segunda guerra e consolidada na década de 70 para testar sabores antes de lança-los com outros nomes. Isso aconteceu com a Fanta limão, que virou Sprite e com a Fanta guaraná, que virou Taí. Mostrando que está no DNA da marca Fanta a capacidade de se reinventar.

Mas se no passado ela separou o guaraná da marca Fanta, por que motivo estariam voltando agora?

Essa pergunta, para mim tinham duas respostas: ou estavam testando uma nova fórmula de sabor e repetindo a estratégia da década de 70, ou descobriram que o problema de seu guaraná era cultural e estão tentando corrigir.

Minha resposta ficou mais evidente ao experimentar o produto e perceber que o sabor não é muito distinto do atual Kuat. Dessa forma nos sobra a percepção de que a empresa está tentando reposicionar seu produto e usando da estratégia da Fanta para isso.

Bingo. Acredito que acertaram em cheio! Explico:

Temos visto na última década um “rejuvenescimento” da imagem da Fanta, com propagandas repletas de personagens coloridos, animados, e ações que premiam um público recém chegados a juventude. Os pré-adolescentes.

Este reposicionamento está consolidado hoje e sua influência no público infanto-juvenil é nítido, transformando a marca na grande competidora desse público.

Pegar carona neste posicionamento então, significa introduzir o sabor de seu guaraná neste público, ainda sem opiniões bem definidas, experimentalista e que terá toda uma vida útil de consumo pela frente.

Pelo jeito, o objetivo é ganhar este público mais jovem, para que estes vejam o sabor do Guaraná da Coca Cola company mais atrativo que o da Ambev no futuro. A aposta então é na construção de cultura, para combater a já existente cultura do brasileiro adulto no Guaraná Antártica.

Estamos vendo hoje uma batalha que irá render frutos em 10 anos, uma aposta interessante e muito ousada.

O segredo aí está em crer que o peso da marca Fanta nestes infantos-juvenis já é suficiente para migrá-los do consolidado sabor do Guaraná Antártica para o novo sabor da Fanta Guaraná.

Se há uma estratégia que pode funcionar, acredito que está aí …. já que nem Taí, nem Kuat conseguiram ganhar a confiança do consumidor mais adultecido.

O resultado nos espera no futuro. Façamos nossas apostas. E aí é Fanta Guaraná ou Guaraná Antártica?