Conhece o Music Branding?

Cresce interesse de marcas por Music Branding
Sócios de agência especializada na construção de identidade musical de dezenas de marcas no país, Bananas Music Branding, que deve faturar R$ 1,2 milhão neste ano, garantem, a escolha da música certa pode ajudar a fidelizar o cliente

Juli Baldi e Rafael Achutti – crédito: Lucas Neves

Marcas e consumidores nunca estiveram tão conectados como hoje. A troca de informações entre eles têm se dado pelos mais diversos canais, seja através dos produtos ou serviços entregues ou até mesmo por meio da internet e de suas mais diversas redes sociais. É neste contexto que a música ganha cada vez mais espaço, dizem os sócios-fundadores do Bananas Music Branding, Juli Baldi e Rafael Achutti. “A música é muito poderosa, mexe com a emoção das pessoas e ajuda a traduzir sensações e sentimentos, tornando o diálogo entre pessoas e empresas mais real”, explica Juli.

Fundada em 2013, em Porto Alegre, a agência está entre as principais empresas do país especializadas em curadoria e estratégia musical para marcas. Oferece serviços que vão da criação de trilha para lojas a a canais de marca em plataformas de streaming, passando por projetos especiais, conteúdo musical, discotecagem e eventos.

Hoje, a agência conta uma carteira de 20 clientes fixos, entre eles Youcom, Gang, Ford, Ministério da Saúde, SOS Mata Atlântica e Shopping Iguatemi de Porto Alegre, e prevê um faturamento de R$ 1,2 milhão neste ano. Crescimento marcante para uma empresa que começou com investimento de R$ 6 mil e que, em 2014, faturou R$ 60 mil.

O serviço de gerenciamento de canais de marcas no streaming, mais especificamente no Spotify, maior plataforma de mídia musical do mundo, com 140 milhões de usuários mensais ativos, é o principal serviço prestado atualmente pelo Bananas e responde por 60% do seu faturamento. Para a plataforma, a agência já criou e cuidou do conteúdo e estratégia dos canais de mais de 60 marcas, entre elas: Ford Brasil, Motorola, YouCom, Intimus, O Boticário, MECAFestival e muitas outras. “A criação da identidade musical personalizada diferencia a marca dos concorrentes, principalmente em relação à experiência de compra dentro da loja. Por isso, buscamos criar uma identidade musical que reforce os principais atributos e associações que a marca deseja passar, intensificando a identidade de marca através da música”, diz Rafael Achutti.

Criar uma boa playlist exige muito conhecimento, explicam os empreendedores. Do contrário, o que se tem é uma lista com mais dos mesmos e pouca identidade de marca agregada a ela. Para evitar o problema, a agência criou o Bananas Music HUB, a maior rede de curadores musicais do mundo, com mais de 600 colaboradores cadastrados, todos apaixonados e especializados em música. “Mais do que criar uma playlist, criamos uma estratégia que consiga comunicar ao cliente final o que a marca deseja, usando a música como ferramenta. Esse cuidado é percebido e assimilado pelo público tanto nos ambientes físicos mantidos pela empresa, como lojas, shoppings e restaurantes, como no ambiente digital”, explica Juli.

Em média, o valor cobrado pelo Bananas para criar uma única playlist para plataforma streaming é de R$ 3.000. Se a marca optar por fazer duas playlists ou mais, o preço de cada uma delas gira em torno de R$1.250 a R$ 1.800. Já para criar um conceito e playlist para estabelecimento físico, com cerca de 70 horas de música, o custo pode variar entre R$ 2.500 e R$ 5.000, dependendo do perfil da marca. A atualização mensal de cada playlist é de R$ 400 para plataforma streaming e varia entre R$ 350 a R$ 90 para estabelecimentos físicos, dependendo do número de pontos de vendas.

Para as marcas que desejam fortalecer suas identidades, a agência oferece a curadoria musical 360 º. Através deste serviço, cria e cuida da trilha sonora em todos os pontos de contato da marca, da loja física às redes sociais. E, para inovar ainda mais, deve lançar, em breve, um sistema de cruzamento de dados que permitirá às marcas saber qual o impacto real da música nas vendas. “Será possível cruzar a música que toca na loja, com o fluxo de clientes, o tempo de permanência e o volume de compras”, finaliza Achutti.

Fonte: Assessoria de imprensa – Baião de 3 – comunicação – Patricia Larsen

A YouPix vem aí

YouPix Con, o evento mais relevante do ecossistema de influenciadores digitais, acontece dia 25 de outubro

Evento oferece um espaço de negócios e discussão sobre tendências e rumos da indústria de produção de conteúdo online. Interessados em acompanhar a terceira edição podem assinar o serviço de streaming e ter acesso a todo o conteúdo on demand pelo período de 6 meses.

No dia 25 de setembro, veículos, plataformas, marcas, agências, profissionais do mercado e produtores de conteúdo digital se reunirão para a terceira edição do YOUPIX CON. O evento é obrigatório para quem quer entender os rumos, práticas e as possibilidades de negócios em meio a um cenário em que a linha entre quem cria, distribui e monetiza conteúdo digital já não existe mais.

Em 2017, a curadoria de conteúdo feita por Bia Granja, Cofundadora e Diretora Criativa do YOUPIX, partiu de quarto macro-temas – Conteúdo, Negócios, Distribuição e Tendências. O resultado é um evento com o dobro de conteúdo em relação aos anos anteriores. Além do Key Note Stage, voltado para discutir tendências e temas pertinentes à indústria de conteúdo, e o How To Stage, com ênfase mais prática sobre temas que envolvem a produção de conteúdo digital, o evento conta com dois novos palcos: Creator Talks by YouTube que receberá diversas entrevistas individuais com creators, como Felipe Neto, Kondizila e Luba; bem como um palco promovido pelo ViU Hub, empresa especializada em produção de conteúdo digital da Globosat. As atividades vão discutir desde o caminho do vídeo dentro das plataformas digitais até tendências do segmento de entretenimento, passando por questões sobre o que engaja os adolescentes no digital hoje em dia.

Em paralelo aos palcos acontece o Influencers Sprint, um projeto especial do YOUPIX CON, liderado pela Tera, escola de design, tecnologia e negócios que é uma das principais referências atuais em educação para a economia digital. Durante 4 horas, creators, marcas e membros da indústria digital na missão de co-criar uma estratégia de influência que traga visibilidade e possibilidades de engajamento para um centro de cultura e acolhimento LGBT (Casa 1), uma escola de jornalismo para jovens das periferias (Énóis) e uma instituição que cria projetos pra desmistificação do câncer para crianças e adolescentes diagnosticados com a doença (Beabá). O resultado deste trabalho é apresentado no palco do Key Note Stage.

Este palco receberá, ainda, o Creators Pitch, concurso de talentos do YOUPIX pelo qual já passaram nomes como: Julio Cocielo, Pyong Lee, o pessoal do Canal das Bee e outros. Este ano, foram mais de 350 inscritos. Cinco deles serão selecionados para apresentar seu projeto durante o YOUPIX CON e concorrer a prêmios que contribuam para seu desenvolvimento como criador de conteúdo.

“O YOUPIX CON é um evento de conteúdo da próxima geração (the next generation content). Uma audiência que tem acesso à informação há um clique de distância, on demand e sem interrupções. Iremos trazer insights e provocações sobre como ser relevante, construir melhores narrativas e ser criativo neste novo cenário tanto para agências e marcas, quanto para criadores de conteúdo. Um evento que traduz a essência do YOUPIX de fomentar a indústria de conteúdo digital.” diz, Bia Granja.

Outra novidade é que este ano, em uma ação inédita, o YOUPIX realizou a venda de ingressos presenciais para o evento. “As duas últimas edições do YOUPIX CON eram apenas para convidados. Este ano, para atender a demanda do mercado, abrimos 50 vagas presenciais que, para a nossa surpresa, esgotaram em menos de 48 horas. Apesar do sucesso, não temos a pretensão de expandir o evento, que deve receber esse ano cerca de mil pessoas. Nosso objetivo é oferecer um espaço para networking e conhecimento e entendemos que, para isso, temos que manter um número seleto de pessoas”, diz Daniela Costa, Diretora Geral do YOUPIX.

As palestras, painéis e demais atividades que ocorreram nos quatro palcos do YOUPIX CON 2017 poderão, entretanto, ser acessadas ao vivo via streaming pelo valor de R$390. O conteúdo na íntegra fica disponível por mais seis meses após o evento para que o participante possa acompanhar todo o conteúdo.

A programação completa está no site www.youpixcon.com.br. Além do evento ter o oferecimento do Bradesco, Folha de São Paulo e UOL Ad_Lab, conta com patrocínio de ViU HUB, Globo.com, Magazine Luiza, Agência 1927, YouTube, Facebook, Instagram, Lomadee, Airstrip, Hysteria, TNT, 3 Corações, IBM, Printi, Heineken, Stilingue, Today, Gold&Co e Lover Ipsum.

SERVIÇO
Evento: YOUPIX CON
Data: 25 de setembro, das 9h00 às 22h00
Os interessados em acompanhar a conferência podem assinar o serviço de streaming através do site www.youpixcon.com.br (R$ 390,00)
Obs: as entradas para o evento presencial estão esgotadas.

SOBRE O YOUPIX
Ao longo de 11 anos, o YOUPIX se tornou o principal hub de conexões e negócios da indústria de conteúdo e entretenimentos digital. Pioneiro no estudo e fomento do universo de criadores de conteúdo e da cultura de jovens digitais, estabeleceu uma influente rede de contatos dentro e fora do Brasil.

Além de organizar o YOUPIX CON, o YOUPIX promove encontros de relacionamento; cursos para profissionais e in company sobre o mercado de influenciadores; consultoria de planejamento e relacionamento com influenciadores digitais; curadoria de eventos; viagens de estudos e benchmark para VidCon e Los Angeles; e o Creators Boost, programa semestral de aceleração de criadores de conteúdo. Todos os projetos contribuem com o propósito da empresa de fomentar a indústria de criação de conteúdo digital.

Fonte: YouPix – Yasmine Luna

Coluna Papo Reto

O que a propaganda faz!

Tenho percebido em boa parte dos estudantes de comunicação uma dificuldade em explicar o que de fato este profissional faz.

Separando a comunicação em suas áreas, me atreverei em falar apenas da minha, Publicidade e Propaganda.

Andando estes dias no trânsito me deparo com um Fusca e nele um adesivo da Estrela, sim, a famosa marca de brinquedos que embalou tantas infâncias.

Ao olhar o adesivo, instantaneamente vieram lembranças fortes, distintas, confusas, e por fim, estava sorrindo.

Esse é o poder da nossa profissão. Fazer com que marcas participem da vida das pessoas de forma marcante e positiva.

Quem é que não se lembra de, ao menos, uma porção de propagandas na TV inesquecíveis ?

Jingles das antigas companhias aéreas. As saudosas propagandas dos chocolates garoto. Minha Caloi e por aí vai.

Identifique algo que marcou a vida de uma pessoa e você verá como a Publicidade teve papel determinante nesse processo.

Coluna Branding: a alma da marca

A aula da palavra “marca”

Gosto de refazer alguns caminhos, tentando observar e melhorar os passos que havia dado anteriormente. Encontrando olhares que passaram despercebidos.

Em um destes momentos, quando refazia uma de minhas aulas lecionadas neste semestre que, me deparei com um princípio sutil, mas muito profundo sobre o Branding.

Ao ensinar gestão de marcas é preciso explicar a origem das coisas. É na origem histórica das coisas que se encontra a “alma” que define qualquer símbolo. Uma palavra, assim como uma ilustração ou uma imagem pictórica, é um símbolo portador de um conceito.

E foi exatamente na origem semântica e histórica da palavra “Brand” que encontrei um conceito interessante que parecia estar escondido e protegido, pouco comentado no meio de estudo desta ciência.

“Branding não é um princípio da guerra mercadológica que promove a conquista, mas sim, uma ação de colonização.” E, a história das palavras que a constroem parece corroborar para entender este sentido.

No Brasil, a palavra que define os símbolos representantes de um conceito institucional é MARCA. Mas de onde vem esta palavra?

Em minhas pesquisas encontrei que a origem desta palavra é “MARKA” advindo do germânico. Está associada a um pequeno espaço delimitado de terra usado tanto para indicar um ponto estratégico de ataque, como também uma conquista de batalha que recebia a bandeira hasteada. Portanto, marca está ligado à arte da guerra, à propriedade conquistada em batalha.

Como exemplo, podemos citar a chegada à Lua, o símbolo de posse americano foi o hasteamento da bandeira estrelada. Esta é, portanto, a marca da conquista. Dessa forma, do pertencimento da Lua.

Mas há outra palavra na língua inglesa, de origem escandinava e que representa a ciência da gestão de marcas, do “Branding”, que é Brand, palavra derivada de “BRANDR” que representa a consequência da queima por fogo que modifica a carne deixando uma marcação.

A imagem mais associada a origem dessa palavra é a do FERRETE, o ferro que marca o gado após ser aquecido.

Alguém pode se perguntar, mas qual a diferença entre os dois conceitos? Se ambos definem a posse!?

Sim, marca de forma genérica é garantia da posse. Mas essa posse pode vir por combate e tomada ou por pertencimento e cultura.

Mesmo a queima por fogo uma outra forma de ver o Brand é um ato de cultura, é uma transformação natural.

O limite entre o significado dessas duas palavras é sutil, estreito, mas não pouco importante. Podemos construir uma marca pensando em conquistar mercados ou cultivar mercados.

Para o ato da conquista, a estratégia é de fortalecer suas vantagens para aproveitar as fraquezas do outro lado, portanto, a pesquisa de público tem como objetivo achar as vulnerabilidades para que possa levar vantagem na entrada, se preocupando apenas com a tomada do espaço na cabeça do consumidor.

Já o ato da cultura tem a preocupação com o transformar do consumidor, tem como objetivo procriar e reproduzir uma ideia.

De forma prática, o primeiro se baseia na atitude da propaganda clássica, que invade e reforça sua presença, e o segundo na construção da imagem a partir do cuidado com seus valores e seus pontos de contato com o consumidor.

Uma aula inteira, e o princípio da palavra já era o suficiente. E como uma boa cultura, precisava apenas que eu voltasse para alimentá-la. Um bom exemplo de que refazer caminhos tem muito mais a ver com fazer “Brand” do que com conquistar “marcas”.

Importante aquisição na indústria do entretenimento

Cirque du Soleil adquire o fenômeno de entretenimento Blue Man Group

O líder mundial de entretenimento Cirque du Soleil anunciou hoje a aquisição do Blue Man Productions, uma empresa de entretenimento ao vivo mais conhecida pelo premiado show Blue Man Group. Desde 1991 foi visto por mais de 35 milhões de pessoas em mais de 20 países.

A aquisição do Blue Man Group expande consideravelmente a participação do público do Cirque du Soleil, somando ao seu portfolio seis produções residentes nos Estados Unidos e na Alemanha,  e ainda duas turnês mundiais.

A transação está alinhada com a visão do Cirque du Soleil de expandir mundialmente a força criativa sediada em Montreal tem procurado diversificar sua oferta de entretenimento além das artes circenses. Seguindo aparência  original mais o talento musical premiado e o profundo know-how a aquisição do Blue Man Group também representa mais um ativo  para a equipe criativa do Cirque du Soleil.

“Queremos ampliar nossos horizontes, desenvolver novas formas de entretenimento, alcançar novos públicos e expandir nossas próprias capacidades criativas. Hoje, estamos dando um passo decisivo para materializar essas ambições “, disse Daniel Lamarre, presidente e CEO do Cirque du Soleil. “Estamos muito felizes em receber o icônico Blue Man Group em nosso portfólio de shows. Sua criatividade desenfreada se encaixa perfeitamente para o Cirque du Soleil. Nossa extensa pesquisa de marketing confirma que existe um grande amor pela marca Blue Man Group, e um número extenso de fãs – mais uma coisa que as duas marcas têm em comum “.

O Grupo Blue Man ao longo de 25 anos adquiriu uma reputação inigualável na área de entretenimento. Com uma história e valores semelhantes aos do Cirque du Soleil, a empresa nasceu de um sonho louco nas mentes criativas de seus três fundadores. Com uma mistura de tecnologia, música e comédia, eles criaram apresentações coloridas, divertidas e inesquecíveis. A empresa atualmente opera shows residentes em Nova York, Boston, Las Vegas, Chicago, Orlando e Berlim, bem como duas produções itinerantes.

O co-fundador do Blue Man Group, Phil Stanton, explica: “Quando começamos a nossa jornada Blue Man, nossa ambição era criar um show que reunisse as pessoas e ao mesmo tempo conecta-las. Fomos honrados, surpreendidos e inspirados pela resposta do público que recebemos ao longo destes anos “.

O co-fundador Chris Wink acrescenta: “Agora, estamos prontos para dar nosso próximo passo, com grandes ideias para o futuro. Somente uma potência criativa de peso internacional como Cirque du Soleil poderia nos ajudar a alcançar nossa visão. Seu compromisso com a qualidade e originalidade artística é incontestável    e seus recursos criativos são gigantescos. É uma honra unir forças com a organização deles “.

Sobre o Grupo Blue Man
O Blue Man Group foi criado em 1991 por três amigos de longa data na cidade de Nova York: Chris Wink, Phil Stanton e Matt Goldman, eles estavam determinados a encontrar um sentido para a vida seguindo o seu próprio caminho. Foi então que criaram uma apresentação ousada centrada em um personagem careca e azul que eles chamaram de Homem Azul ou Blue Man. A Blue Man Productions é agora uma empresa de entretenimento global mais conhecida pelo premiado show do Blue Man Group, atuando em mais de 20 países e visto por mais de 35 milhões de pessoas em todo o mundo desde 1991. Uma combinação dinâmica de arte, música, comédia e tecnologia. O espetáculo que fala da conexão humana tem um apelo universal para qualquer idade, por não apresentar dialogo. O Blue Man Group pertencia aos co-fundadores Chris Wink e Phil Stanton, e pelo fundo GF Capital Private Equity Fund. A Goldman Sachs & Co. LLC atuou como consultor financeiro exclusivo do Blue Man Group.

Sobre o Cirque du Soleil
Começou com um grupo de 20 artistas de rua no início de 1984, o Cirque du Soleil evoluiu para uma organização líder mundial que reinventou o conceito de circo para se tornar um provedor mundial de entretenimento ao vivo. De sua sede em Montreal, no Canadá, o Cirque du Soleil levou espetáculos deslumbrantes para mais de 180 milhões de espectadores em mais de 450 cidades em 60 países em seis continentes. Somente em 2017, 18 shows estão sendo apresentados simultaneamente em todo o mundo. O Cirque du Soleil também traz a mesma energia e espírito que caracterizam cada um de seus shows para outras esferas de atividade, mantendo padrões rigorosos de qualidade artística e originalidade. Atualmente, a empresa possui cerca de 4.000 funcionários, incluindo 1.300 artistas de 50 países diferentes. Para mais informações sobre Cirque du Soleil, visite www.cirquedusoleil.com

O Cirque du Soleil é representado pela Ideas4brand no Brasil e em toda América Latina.

Coluna Branding: a alma da marca

“Festas” juninas

Rapidamente o ano está passando. Mal se viu e junho já está acabando, junto com o primeiro semestre de 2017. Neste artigo vou rever uma notícia que pode ter passado despercebida neste Brasil de “festas” juninas, mas que sob a ótica da gestão da marca pode ser importante.

Rojões
Entre tantos estouros e delações bombásticas que a mídia se ocupou em noticiar, levanto a bola para um fato que ela não valorizou muito, mas que não pode passar despercebido.

O fato é que pela primeira vez em décadas, um jogo da seleção brasileira de futebol não foi transmitido por uma grande emissora de TV aberta, a detentora do monopólio destas transmissões e, que aliás, pode ter seus dias contados.

O teste de transmissão da CBF TV pela internet não foi lá algo muito memorável, mas, pode ter mudado o rumo de uma cultura desenvolvida no Brasil.

Balão
Se a CBF achava que o advento da tecnologia poderia substituir a cultura da transmissão aberta pela emissora líder em audiência, facilmente, esse balão perdeu a tocha rapidinho e não alçou grandes voos.

Está claro que em termos de audiência, o teste não foi nenhuma sensação, principalmente pelo boicote da emissora em questão, quanto a cobertura dos jogos, onde se ocupou apenas em relatar o resultado e o pós jogo.

Não será assim tão fácil transformar uma manhã de terça em horário nobre brasileiro, pelo simples fato da seleção estar jogando e estar sendo transmitido pelo Facebook. Porém, não podemos descartar o importante passo que foi dado para uma abertura de mercado, e a transferência do dinheiro vindo dessa relação para outras mãos que não o da grande emissora.

Não é a primeira derrota da emissora neste novo cenário da tecnologia audiovisual, e entendo ser este um caminho irreversível para a mesma.

Para a CBF o fato agora é ver se existe alguma outra TV aberta interessada em botar uma grana preta nessa transmissão sem exclusividade, caso contrário, acredito que este teste foi um voo de balão de papelaria, bem curtinho. Pois, será preciso um trabalho muito mais profundo para mudar a cultura do brasileiro em assistir o seu futebol por sua mídia predileta.

Pau de sebo
Ainda sobre este assunto, podemos concluir que, construir marca não é trabalho de um dia para outro, mas destruí-la é bem rápido.

Entendo que será difícil a CBF TV conquistar a mesma audiência e influencia dessa TV aberta, mas a imagem que o novo público internauta tem desta emissora, gera um cenário futuro dos piores possíveis para a emissora.

A se julgar pelo vídeo gravado nesta transmissão e principalmente pelos comentários nele contidos, a marca da emissora tem hoje sérios problemas de rejeição, e não será fácil se desvincular da imagem de gananciosa, manipuladora e de vínculo político.

Mas o que isso traz realmente de problema?
É fato que a tecnologia irá obrigar todos nesse ramo a se reinventar, e a extensão de marca que poderia ser uma solução para o negócio, hoje, para mim, seria impossível para esta TV.

O exemplo para explicar isso é simples:

Vemos uma marca como a Coca Cola conseguir colocar sua reputação e prestígio em uma camiseta ou tênis com grande sucesso de venda. Mas a pergunta é: você usaria uma camiseta que tivesse a estampa da marca dessa emissora? Mesmo que fosse de graça?

Se sua resposta for não. Você é mais um dos que rejeitam a credibilidade desta marca. E esta parecem ser a opinião de muitos no Brasil.

Quadrilha
O ditado “diga-me com quem tu andas e eu te direi quem és” vale muito para explicar esta gestão da marca.

Ao tomar posição em fatos políticos em seu conteúdo jornalístico, ao boicotar tudo o que não lhe trazia dinheiro imediato, ao assumir um posicionamento ganancioso e criar polêmicas com nomes das marcas e produtos em suas transmissões, a marca dessa emissora foi sendo deteriorada, criando rejeição no publico internauta, que passou a trocar informações contrarias a este posicionamento e influências negativamente quanto a sua credibilidade.

Fogueira
É uma pena imaginar que uma marca como essa pode ter seus anos de história colocados em risco porque deixou de ouvir seus consumidores e se voltou para o poder que detinha de influenciá-los a seu bel prazer, sem se preocupar que o que tinha de mais importante era a proteção de sua imagem isenta e imparcial.

Do meu ponto de vista, não fico feliz por esta situação!
Sendo coerente com minha forma de ver as coisas, a desvalorização dessa marca BRASILEIRA me entristece. Assim como me entristeceu o trabalho de difamação da marca Petrobras, como me chateou o desprestígio com que foi tratado a marca Odebrecht, com o desrespeito que a política e a mídia tiveram com o papel institucional da presidência da republica e de partidos que destruíram suas marcas ideológicas por ganância.

No entanto é interessante ver que muito dessas fogueiras que queimaram as outras marcas brasileiras foram incendiadas por essa emissora que agora se vê tomada pelo próprio fogo que ajudou a atear.

Aguardemos o que o futuro poderá nos revelar, por enquanto viva as “festas” Juninas!

Estudo traz revelações sobre a Geração X

Viacom International Media Networks revela resultados de sua mais nova pesquisa global: ‘GEN X TODAY: MY LIFE. MY WAY.’

Novo estudo mostra que a Geração X valoriza mais o sexo do que a amizade, não enfrenta a crise da meia-idade, desconstruiu os papéis familiares e os gêneros tradicionais e redefiniu o ambiente de trabalho.

A Geração X tem prioridades quando o assunto é relacionamentos e no topo da lista está o sexo (57%), que vem antes de amizade (49%)

A Viacom International Media Networks (VIMN), divisão da Viacom Inc. (NASDAQ: VIAB, VIA), divulga o seu mais novo estudo global: ‘GEN X TODAY’. Para esse estudo, os pesquisadores da VIMN entrevistaram 12 mil adultos em 21 países por meio de um questionário online. Aproximadamente nove mil tinham entre 30 e 49 anos, com uma amostra de 18 a 29 como comparação. Os países incluídos na pesquisa, além do Brasil, foram: Austrália, Bélgica, Colômbia, República Tcheca, Alemanha, Hungria, Indonésia, Itália, Malásia, México, Holanda, Filipinas, Polônia, Romênia, Singapura, África do Sul, Suécia, Tailândia, Reino Unido, Estados Unidos. Além disso, a VIMN capturou 1.000 imagens via álbuns de fotos e conduziu 36 entrevistas pessoais em profundidade em 8 países: México, Colômbia, Brasil, Reino Unido, Alemanha, Hungria, África do Sul e Tailândia.

A pesquisa fornece um novo olhar sobre a chamada Geração X – que atualmente representa quase 2 bilhões de pessoas em todo o mundo e uma média de mais de 180 milhões de espectadores das marcas Viacom – para entender o que aconteceu quando a geração de jovens cínicos, rebeldes e “vagabundos” dos anos 80 e 90 cresceu, entrou no mercado de trabalho e constituiu novas famílias.

O estudo revela que enquanto o mundo estava focado nos Millennials e nos Boomers, a Geração X reinventou o que significa ser adulto. À medida que envelhece, essa geração continua a fazer as coisas à sua maneira, seja no trabalho, no lazer ou na vida em geral.

“Com tanto foco nos Millennials, Pós-Millennials e até mesmo nos Boomers, a Geração X foi deixada de lado quando o assunto é pesquisa e hoje só é compreendida por uma visão antiquada da vida adulta e devido à reputação ‘preguiçosa’ de sua juventude”, avalia Christian Kurz, Vice Presidente Sênior de Global Consumer Insights da Viacom. “Com ‘Gen X Today’, pudemos ver o verdadeiro impacto da Geração X no mundo, desde o impulso global para a inovação e a quebra dos papéis tradicionais de gênero até a redefinição do que significa ser um ‘adulto’ hoje em dia”.

PRINCIPAIS CONCLUSÕES DO ESTUDO

She-conomy: a Geração X está liderando o caminho no que diz respeito a mulheres, trabalho e dinheiro. 55% das mulheres ganham mais ou igual do que seus parceiros no lar.

Assuntos de Família: assim como as mulheres da Geração X estão assumindo um papel maior no ambiente de trabalho, o mesmo acontece com os homens no ambiente familiar. Mais de 80% dos entrevistados concorda que um homem pode criar uma criança tão bem quanto uma mulher. A Geração X tem prioridades quando o assunto é relacionamentos e no topo da lista está o sexo (57%), que vem antes de amizade (49%). Esse é um grande contraste com os Millennials, que valorizam em primeiro lugar a amizade.

The Brat Pack: a Geração X prefere menos amigos, porém mais próximos, do que os enormes grupos dos Millenials – os entrevistados da Geração X têm em média 53 amigos, 15 a menos do que seus equivalentes Millennials.

São 3h da manhã, Mas Eles Não Estão Solitários: a Geração X tem 13% menos propensão a se sentir solitário, em comparação com os Millennials.

Procurando Conforto em Si Mesmo: a rebeldia da juventude se transformou em uma independência confiante quando os adolescentes da Geração X abraçaram – e reinventaram – a vida adulta. 90% consideram-se felizes com suas vidas como elas são hoje e 96% consideram-se confiantes.

Encontrando o Equilíbrio: a grande maioria (84%) dos entrevistados da Geração X preferem o equilíbrio trabalho/vida ao sucesso somente no trabalho.

Sem Crise da Meia-Idade: eles podem ter envelhecido, mas a Geração X não ficou necessariamente mais “madura”. Eles continuam jovens de espírito, com hobbies e outros interesses não relacionados ao trabalho e, por isso, estão pulando a crise da meia-idade. De fato, o estudo não mostrou nenhuma “crise” significativa para essa geração como um todo.

Para mais informações sobre ‘GEN X TODAY’ e outras pesquisas da VIMN, visite: http://internationalinsights.viacom.com/

Fonte: Fundamento Marketing – Junia Sanches

Para trabalhar melhor com influenciadores

inCast agrega novas funcionalidades para que marcas possam medir resultados de campanhas com Influenciadores
inCast reposiciona sua marca para oferecer acesso a valores, alcance e pesquisa por segmento e nicho de influência, permitindo escolhas mais assertivas

A inCast (www.incast.com.br), primeiro banco de profissionais e empregos da economia criativa fundado em 2015, com mais de 20 mil profissionais reposiciona sua marca e lança uma nova plataforma, onde poderão ser encontrados os melhores influenciadores digitais e também criar campanhas de marketing no Instagram.

A novidade para os usuários é que, agora, a inCast intermediará as transações entre agências, empresas e influenciadores, identificando os que melhores se encaixam, de acordo com o perfil buscado. Além disso, ao final da campanha, a entrega um relatório com informações completas como engajamento, curtidas e comentários em todas postagens no Instagram.

De acordo com a CEO da inCast, Vera Kopp, o mercado tem direcionado o foco em uma demanda maior para a divulgação dos influenciadores digitais e ainda existe uma carência do mercado em acessar as informações desses profissionais, para fazerem as melhores escolhas e também o acesso aos dados de retorno das campanhas realizadas.

“A grande diferença deste lançamento é agregar maior valor às marcas e será possível gerenciarmos desde o encontro dos melhores influenciadores, distribuição do conteúdo, e levantamento ao final da campanha. A empresa ou agência interessada pode submeter sua campanha à inCast e nós encontraremos a melhor opção para ele e, assim que aprovado, faremos toda a gestão da campanha, garantindo para que o resultado seja alcançado. A inCast vai acabar com a dificuldade das empresas em encontrar influenciadores para suas marcas”, complementa a CEO.

O objetivo da inCast é ser um assistente digital para os profissionais postarem seus perfis e áreas de interesses onde os clientes poderão ter acesso aos micro-influenciadores e seus valores, realizando sua escolhas de uma forma simples e ágil. Além disso, por ter grande acesso às agências e aos influenciadores, a inCast consegue negociar valores melhores dos que os praticados pelo mercado. “Enquanto outras empresas cobram 40%, nossa porcentagem é de, apenas, 20% do budget total da campanha”, explica Vera.

Criada em 2015 pela modelo e empresária do mercado de entretenimento Vera Kopp, a inCast, conta com mais de 1500 influenciadores, 24 mil profissionais e alcance de mais de 100 milhões de seguidores. Atualmente, a inCast participa do processo de aceleração no @startup farm no Google Campus, em São Paulo, que é uma das aceleradoras mais conceituadas da América Latina.

Sobre a inCast
A inCast (www.incast.com.br) é uma plataforma para profissionais, celebridades e influenciadores digitais acessarem oportunidades de trabalho. A inCast amplia o alcance das marcas e contratantes e oferece uma busca avançada por tags de categorias profissionais, números de seguidores e nicho que abrangem. Atualmente, possui mais de 25 mil profissionais cadastrados, incluindo os maiores YouTubers do Brasil, tais como Whindersson Nunes, Kéfera, Felipe Neto, blogueiras de moda, entre outros. Entre as agências parcerias, IQ, Non Stop, Digital Stars, Hypno e MapBrasil.

Fonte: Hafiki Comunicação – Marcos Viesti

Coluna Propaganda&Arte

Marketing Olfativo: qual é a essência da marca?

Você já deve ter estudado sobre Marketing, sobre a importância de um bom atendimento, de entender os seus clientes e posicionar uma marca no mercado. Então, em algum momento você deve ter ouvido falar de Marketing Olfativo. Se não, já deve ter ao menos sentido esse mercado. O perfume, nesse caso, pode ser a essência de uma marca.

Empresas grandes e médias já utilizam cheiros personalizados: Nike, Natura, Danone, Castelo Ra-tim-bum, Novotel, só para citar alguns casos. Como podemos ver as marcas não utilizam apenas as essências diretamente em seus produtos, mas também em seus ambientes e lojas.

Sabe aquela loja de roupas que ao entrar você sente um perfume marcante? Que faz nos sentir modernos, atualizados e dispostos a comprar algo para confirmar isso?

Se já sentiu algo parecido, você estava sob o efeito do Marketing Olfativo da melhor qualidade. A ideia dessa estratégia é agregar às mensagens visuais e sonoras, seja de uma loja ou de um hotel, mais sensações incríveis e únicas.

Uma lembrança inesquecível. Um cheiro marcante. Uma marca inesquecível.

Seguindo essa lógica, o aroma de uma marca/produto tem forte poder de emocionar, convencer e criar um ambiente diferenciado de experiência de marca. Afinal, o olfato está ligado aos mecanismos do cérebro que regem as emoções. Por isso, alguns cheiros nos remetem a lembranças da infância, acontecimentos ou pessoas marcantes.

Nesse momento, em que vivemos bombardeados de anúncios, músicas, jingles e outros elementos comunicacionais, o olfato parece o mais sutil e, ao mesmo tempo, o mais eficiente para personalizar e aproximar as marcas de seus clientes.

Você já pensou em trabalhar nessa área, como avaliador olfativo? Se você se interessou saiba que é preciso muito estudo e não basta ter “faro para negócios”. As escolhas desse ramo são muito mais estratégicas, envolvendo profissionais de áreas exatas, como química e engenharia, e podem dar um novo ar para uma marca que busca se reposicionar ou se aproximar de seu público, criando vínculos inesquecíveis.