Dança das cadeiras

Mais um pouco da movimentação do mercado

Acompanhamos mais uma parte da movimentação do mercado de comunicação e marketing do Vale do Paraíba. Veja o que está acontecendo:

Camilla Lenice, publicitária, assumiu posição na área de Produção gráfica na Verge Studio e Comunicação Ltda, em Taubaté.

A Rádio ANTENA 1 FM (São José dos Campos) admitiu José Mariano Ramos Junior como Executivo de Contas.

Já a Relações Públicas Mariana Amábilis Lucio assumiu o cargo de Assistente de Relacionamento com o Cooperado e Ouvidoria na UNIMED Pindamonhangaba.

Oficina ajuda empresas a conquistar mercado

ACIT traz 2ª edição da Oficina “Ganhe Mercado”

No próximo dia 16 de agosto, quinta-feira, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realiza a oficina “Ganhe Mercado”, dentro do Projeto Empreende, desenvolvido em parceria com o SEBRAE.

Voltada para empresários e empreendedores, o curso tem como foco ensinar as empresas a vender mais e sensibilizar o participante para a utilização de alguns conceitos de marketing na gestão do negócio, visando o posicionamento correto da empresa no mercado e a adequação do produto, ponto, preço e promoção, de acordo o público.

O evento será oferecido gratuitamente e as vagas são limitadas. As inscrições podem ser realizadas diretamente na ACIT. Maiores informações podem ser obtidas pelo email cursos.acit@taubate.com.br ou pelos telefones (12) 2125-8210/8211 e whatsapp 99189-7964.

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté trabalha sempre com foco na consolidação do comércio local, prestação de serviços e indústria, buscando excelência em seus produtos para manter a cidade como referência na região e fazer com que a economia local seja fortalecida.

Projeto Empreende – Foi implementado em 2016 e surgiu da necessidade de desenvolver e capacitar os empresários de Taubaté, oferecendo cursos, oficinas e treinamentos de qualidade, voltados para cada setor especificamente. Para 2018, o Projeto mantém o mesmo formato e traz novidades nos temas das atividades, que acontecerão ao longo do ano, com realização da ACIT em parceria com o SEBRAE.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Dança das cadeiras

Veja as mais recentes movimentações de profissionais

O mercado de comunicação mantém muito ativa a dança das cadeiras.

A profissional de relações públicas Belisa Ferreira assumiu recentemente o cargo de Social Media na Árvore Propaganda & Marketing, agência localizada em São José dos Campos.

Belisa Ferreira

Já Thaiz Wertz começou a dar expediente como  Diretora de Social Media na Yázigi, escola de idiomas de Caçapava.

Thaís Wertz

E a publicitária Bruna Bernardes assumiu o cargo de Analista de Comunicação Interna na Monsanto através da Supera Comunicação na Monsanto Company.

Bruna Bernardes

Juliana Matheus, publicitária que começou carreira aqui no Vale do Paraíba, acaba de chegar ao Google (SP), na função de Project Manager, Marketing.

Juliana Matheus

Assim como Juliane Shizuko, também publicitária com início de carreira em nossa região, que passa a atuar como Senior Account Supervisor na Africa (SP)

Juliane Shizuko

Mercado em movimento

Novidades em agências e veículos

Mais movimentação de profissionais no mercado da RM Vale do Paraíba.

O ainda estudante de terceiro semestre de publicidade e propaganda da Unitau, Leonardo Krupinsk, acaba de assumir novo cargo como Estagiário de criação na Prospecto Marketing & Training

.

Já  a publicitária Fabiana Uehara assumiu o cargo de Analista de Mídias Sociais na Focusnetworks – OnLife Business Group.

E a Relações públicas Zilma Cardoso é a nova Executiva de Negócios na Jornal O Vale.

Mercado em movimento

Gente nova em função nova

O jovem publicitário Matheus Pacca acaba de assumir o posto de Analista de Marketing da DLGF Estratégia, Comunicação e Marketing. Com o foco no mercado imobiliário, a agência é parte integrante da Franco Consultoria de Imóveis, e faz trabalhos para a própria imobiliária e seus clientes.
Neste novo desafio, Matheus vai atuar no desenvolvimento de campanhas, coordenação da equipe de comunicação e gestão de orçamentos.

Já a Bruna Resende assume posição como estagiária, a partir de hoje, nos quadros da Macost Brasil Comunicação e Marketing, agência sediada também em Taubaté.

Entendendo as fintechs

Entenda o mercado de fintechs no Brasil

A revolução digital está proporcionando inúmeras mudanças no mercado financeiro, e uma resposta a isso são o crescimento das fintechs no Brasil. Com a proposta de ser uma plataforma online e sem burocracias, ela vem ganhando espaço e fazendo grandes instituições financeiras se preocuparem e acompanharem seus passos. Vamos entender agora como anda esse mercado e suas vantagens, nesse infográfico preparado pelo site Rebel

Veja como ficou o infográfico:

Fonte: Marketing Ninja – Nayrison da Costa

Assumiu as redes sociais

Publicitária assume redes sociais

A jovem e recém formada publicitária Marina Teixeira acaba de assumir o trabalho de redes sociais do Protetores do Saber, empresa que oferece aula particular de todas as matérias para todas as idades, acompanhamento escolar e preparatórios.

O Protetores do Saber atua em Pinda e Taubaté.

Coluna “Discutindo a relação…”

Ainda é legal ser publicitário, jornalista e relações públicas!

O ano que está perto de acabar foi marcado basicamente pela crise política e financeira. Esta crise afetou de modo arrasador todos os setores da economia brasileira. Praticamente sem exceção!

O setor de comunicação e propaganda não ficou, portanto, alheio aos efeitos da crise. Mas a propaganda mais especificamente foi alvo de muitos questionamentos e discussões neste ano. Houve muitas críticas ao modelo de atuação das agências (excesso de horas trabalhadas e outras coisas não tão legais também), houve a pesquisa do GP (Grupo de Planejamento) apontando e revelando o quão insalubres podem ser as relações profissionais nos ambientes de trabalho (a pesquisa fez foco na questão do assédio), perfis mal delineados na hora de abrir uma vaga ou com exigências exageradas na hora de selecionar estagiários.

Há mais coisas que não consigo lembrar bem agora. Há inverdades e há fatos. Há lendas e mitos e há novas questões verdadeiras que devem ser enfrentadas.

Já escrevi antes aqui que a chegada da tecnologia digital alterou e vem alterando substancialmente o mercado da comunicação, da propaganda e do marketing. O momento é de absoluta transição. Estamos operando em beta. E é meio que óbvio que em momentos assim as coisas fiquem mais difíceis, menos claras e que as relações profissionais fiquem conturbadas.

Tudo isso acabou refletindo na imagem da profissão. No desejo de ser publicitário. Tenho conversado com muitas pessoas e recebido muita informação que dá conta de que a procura nos cursos de comunicação caiu. Há universidades/faculdades demitindo professores dos cursos de comunicação. Claro, há o peso enorme do fator econômico, mas com muita gente com quem conversei abordou a questão da queda de interesse por parte da garotada pelos cursos de propaganda, jornalismo e relações públicas. Alguns artigos de publicações especializadas também esbarraram no tema.

Alguns alunos comentaram comigo que nos diferentes programas de reality show sempre há publicitários tentando deixar a profissão. Coincidência? Talvez sim, talvez não. Acredito que foi tanta notícia ruim, foi tanta gente comentando que trabalhar com propaganda já não era tão legal, foi tanta gente comentando nas redes sociais que quem estudou publicidade e propaganda ia morrer de fome que… a vontade de ser publicitário (principalmente) diminuiu.

A indústria da propaganda (da comunicação e do marketing como um todo) tem sua enorme parcela de culpa nisso. Houve e há erros, abusos, más intenções e enganos.

Quero trazer um pouco o outro lado da moeda. Li uma coluna muito boa na Meio&Mensagem que afirmava que a propaganda não morreu e nem vai morrer. Ela mudou. E vai mudar ainda mais. Vai mudar por que é preciso, é necessário! E as mudanças já estão acontecendo de forma positiva. Já há ilhas de prosperidade e excelência emergindo aqui e ali e acolá. Os novos desafios trazidos pelos ventos ruidosos da mudança são tremendos. E, por isso mesmo, sensacionais! Há muita oportunidade profissional novinha em folha, há muitas novas abordagens e fronteiras para descortinar, há muito diálogo para buscar ideias e soluções, há sim muitos motivos pra lá de bacanas para ser publicitário, jornalista e relações públicas.

Sim, senhoras e senhores! Eu vos digo: essa ainda é e continuará sendo uma atividade/profissão/mercado muito intrigante e genial. Ainda é e será uma atividade que junta pessoas, marcas, propósitos, ideias, empresas e negócios. Ainda é e será uma atividade que constrói projetos e compartilha atitudes e comportamentos benéficos para o todo da sociedade!

E mais! Dá para fazer mais. Dá para fazer diferente. Dá para fazer melhor! Tenho certeza disso.

Podem ter certeza. Ainda é muito legal ser publicitário. Ainda é muito legal atuar em comunicação. Essa é uma atividade que, como todas as outras tomou muita porrada com as mudanças, a crise, a desordem moral, ética e política do país. Mas ela está longe de ser desinteressante e moribunda.

Esse é o último artigo para essa coluna em 2017. O ano em que sobrevivemos. Em 2018 já vamos colher alguns frutos mais bonitos. Até lá!

Coluna “Discutindo a relação…”

Um delicioso desafio

Trabalhar com propaganda tem sido alvo de inúmeras críticas nos últimos anos. Tais críticas em grande parte são justas e consequência de modelos de negócios exauridos (especificamente em relação às agências de propaganda) e das constantes mudanças de cenário ocorridas recentemente.

Posso dizer também que há uma questão de geração. Mas não quero entrar nesta discussão aqui. Ela já deu muito pano pra manga. Tanta gente já falou e escreveu sobre isso. Volta e meia aparece um texto sobre o assunto, como este aqui, por exemplo.

Quero falar na verdade que, apesar de tudo, acredito ainda que trabalhar com propaganda traz ao menos uma grande recompensa : aprender muito e quase sempre.

Isso não é novidade. De fato é bem antigo este negócio. Mas… explico.

Não sou daqueles que crê que em propaganda nunca há rotina. É claro que há. Mas é verdade que é uma atividade bem menos rotineira de que outras. E isso se dá pela diversidade de situações, casos, mercados, produtos e serviços com que podemos nos deparar na atividade publicitária. É aquela velha, mas ainda verdadeira conversa: num dia podemos trabalhar com um cliente de varejo de ferramentas e no outro lançar um empreendimento imobiliário. Podemos fazer feirão de automóveis para uma concessionária e ao mesmo tempo pensar em como fazer com que uma escola de inglês tenha mais alunos matriculados. Tentar vender túmulos num novo, bonito e moderno cemitério e lançar a moda primavera/verão para o publico jovem das classes B e C.

Isso sem falar no interessantíssimo esforço de se colocar no lugar do outro. De se livrar de pré conceitos e de preconceitos. De usar estereótipos mas não ficar preso a eles de maneira superficial.

A questão importante aqui é o quanto temos que aprender para fazer bem feito cada um destes trabalhos. Foi isso que sempre me motivou em propaganda. E acho que quem quer trabalhar com propaganda deve ter como principal característica a curiosidade. Ou melhor: a vontade de aprender.

De meus tempos de agência trago inúmeros aprendizados. A maioria deles obtive com clientes. Um outro tanto com fornecedores e uma outra parcela generosa com os veículos de comunicação. Entender cada mercado, cada cenário competitivo, cada público consumidor, cada produto ou serviço é um desafio delicioso.

Em conversas recentes tenho dito que as agências terão que forçosamente rever seu modelo de atuação ou implodirão ( veja esse texto). E dessa revisão é bem provável que apareçam mais agências bacanas para se trabalhar. Na verdade já estão surgindo. E por esse motivo sigo acreditando que muita gente vai continuar querendo ser publicitário.

Gente talentosa, inteligente e disposta a aprender sempre terá vez no mercado publicitário. E sempre será disputada pelas melhores agências, assessorias e consultorias. As agências, assessorias e consultorias por sua vez, terão que se esforçar para voltar a atrair gente talentosa, inteligente e disposta a aprender.

Artigo trata do uso de robôs

Você será substituído por um robô?
*Por Ronaldo Cavalheri

Você será substituído por um robô? Essa é uma pergunta que muitos profissionais se fazem ou que deveriam começar a pensar a respeito. O mundo passa por grandes transformações desde a revolução rural, onde tudo era mais controlável e previsível. Passamos pela era industrial, onde máquinas entraram em cena com uma produção abundante. Veio a era digital onde a informação e a conectividade impulsionaram ainda mais o consumismo. São evoluções naturais que impactam o mercado de trabalho. E agora estamos vivendo uma mudança de era, na qual começamos a passar por uma revolução exponencial, porém mais acelerada, com tecnologia de ponta disponível. Termos como computação em nuvem, IoT, Big Data, robótica, inteligência artificial, impressão em 3D e nanotecnologia se tornaram comuns no nosso dia a dia. Mas como isso vai impactar na vida dos profissionais?

Uma coisa é certa, nos próximos anos teremos muitas e rápidas mudanças. Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Mais da metade das funções hoje exercidas pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão bastante curiosa é do Fórum Mundial Econômico que diz que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem. Crianças em idade escolar sendo preparadas para algo que ainda não sabemos como será. Temos um futuro cheio de incógnitas em relação ao que irá acontecer com os profissionais. Quais serão as profissões do futuro? O ser humano terá espaço? Como os profissionais devem se preparar para tudo isso?

Não me arrisco a dizer quais serão as profissões mais requisitadas, pois elas ainda não existem. Porém, com toda a certeza me arrisco a dizer quais serão os profissionais mais requisitados pelo mercado. Parece complexo, mas a resposta é muito simples. Todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os profissionais mais disputados serão aqueles com características inerentes dos seres humanos como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. Estou falando de soft skills, que são as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI. Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível. Estou falando de um cenário muito mais inteligente. O que é desafiador e prazeroso o homem faz, o contrário será direcionado para um robô.

Ronaldo Cavalheri, autor deste artigo

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, mas para isso é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências. É preciso viver experiências diferentes.

Em um trabalho voluntário é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo. Ou até mesmo em uma formação para chef de cozinha você vive experiências na qual ajudam a desenvolver suas características de líder e de trabalho em equipe. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, as pessoas devem assumir o que de fato é da sua natureza. Somos dotados de uma grande capacidade de criar e de se reinventar. Pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. Naturalmente essa mudança trará perdedores e ganhadores. Meu papel aqui é a provocação para que todos enxerguem essa necessidade e tenham atitude para serem ganhadores. Não devemos temer as máquinas, e sim usá-las a nosso favor. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai ser substituído por um robô?

*Ronaldo Cavalheri é Engenheiro Civil, Diretor do Geral do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba.