Mercado em movimento

Gente nova em função nova

O jovem publicitário Matheus Pacca acaba de assumir o posto de Analista de Marketing da DLGF Estratégia, Comunicação e Marketing. Com o foco no mercado imobiliário, a agência é parte integrante da Franco Consultoria de Imóveis, e faz trabalhos para a própria imobiliária e seus clientes.
Neste novo desafio, Matheus vai atuar no desenvolvimento de campanhas, coordenação da equipe de comunicação e gestão de orçamentos.

Já a Bruna Resende assume posição como estagiária, a partir de hoje, nos quadros da Macost Brasil Comunicação e Marketing, agência sediada também em Taubaté.

Entendendo as fintechs

Entenda o mercado de fintechs no Brasil

A revolução digital está proporcionando inúmeras mudanças no mercado financeiro, e uma resposta a isso são o crescimento das fintechs no Brasil. Com a proposta de ser uma plataforma online e sem burocracias, ela vem ganhando espaço e fazendo grandes instituições financeiras se preocuparem e acompanharem seus passos. Vamos entender agora como anda esse mercado e suas vantagens, nesse infográfico preparado pelo site Rebel

Veja como ficou o infográfico:

Fonte: Marketing Ninja – Nayrison da Costa

Assumiu as redes sociais

Publicitária assume redes sociais

A jovem e recém formada publicitária Marina Teixeira acaba de assumir o trabalho de redes sociais do Protetores do Saber, empresa que oferece aula particular de todas as matérias para todas as idades, acompanhamento escolar e preparatórios.

O Protetores do Saber atua em Pinda e Taubaté.

Coluna “Discutindo a relação…”

Ainda é legal ser publicitário, jornalista e relações públicas!

O ano que está perto de acabar foi marcado basicamente pela crise política e financeira. Esta crise afetou de modo arrasador todos os setores da economia brasileira. Praticamente sem exceção!

O setor de comunicação e propaganda não ficou, portanto, alheio aos efeitos da crise. Mas a propaganda mais especificamente foi alvo de muitos questionamentos e discussões neste ano. Houve muitas críticas ao modelo de atuação das agências (excesso de horas trabalhadas e outras coisas não tão legais também), houve a pesquisa do GP (Grupo de Planejamento) apontando e revelando o quão insalubres podem ser as relações profissionais nos ambientes de trabalho (a pesquisa fez foco na questão do assédio), perfis mal delineados na hora de abrir uma vaga ou com exigências exageradas na hora de selecionar estagiários.

Há mais coisas que não consigo lembrar bem agora. Há inverdades e há fatos. Há lendas e mitos e há novas questões verdadeiras que devem ser enfrentadas.

Já escrevi antes aqui que a chegada da tecnologia digital alterou e vem alterando substancialmente o mercado da comunicação, da propaganda e do marketing. O momento é de absoluta transição. Estamos operando em beta. E é meio que óbvio que em momentos assim as coisas fiquem mais difíceis, menos claras e que as relações profissionais fiquem conturbadas.

Tudo isso acabou refletindo na imagem da profissão. No desejo de ser publicitário. Tenho conversado com muitas pessoas e recebido muita informação que dá conta de que a procura nos cursos de comunicação caiu. Há universidades/faculdades demitindo professores dos cursos de comunicação. Claro, há o peso enorme do fator econômico, mas com muita gente com quem conversei abordou a questão da queda de interesse por parte da garotada pelos cursos de propaganda, jornalismo e relações públicas. Alguns artigos de publicações especializadas também esbarraram no tema.

Alguns alunos comentaram comigo que nos diferentes programas de reality show sempre há publicitários tentando deixar a profissão. Coincidência? Talvez sim, talvez não. Acredito que foi tanta notícia ruim, foi tanta gente comentando que trabalhar com propaganda já não era tão legal, foi tanta gente comentando nas redes sociais que quem estudou publicidade e propaganda ia morrer de fome que… a vontade de ser publicitário (principalmente) diminuiu.

A indústria da propaganda (da comunicação e do marketing como um todo) tem sua enorme parcela de culpa nisso. Houve e há erros, abusos, más intenções e enganos.

Quero trazer um pouco o outro lado da moeda. Li uma coluna muito boa na Meio&Mensagem que afirmava que a propaganda não morreu e nem vai morrer. Ela mudou. E vai mudar ainda mais. Vai mudar por que é preciso, é necessário! E as mudanças já estão acontecendo de forma positiva. Já há ilhas de prosperidade e excelência emergindo aqui e ali e acolá. Os novos desafios trazidos pelos ventos ruidosos da mudança são tremendos. E, por isso mesmo, sensacionais! Há muita oportunidade profissional novinha em folha, há muitas novas abordagens e fronteiras para descortinar, há muito diálogo para buscar ideias e soluções, há sim muitos motivos pra lá de bacanas para ser publicitário, jornalista e relações públicas.

Sim, senhoras e senhores! Eu vos digo: essa ainda é e continuará sendo uma atividade/profissão/mercado muito intrigante e genial. Ainda é e será uma atividade que junta pessoas, marcas, propósitos, ideias, empresas e negócios. Ainda é e será uma atividade que constrói projetos e compartilha atitudes e comportamentos benéficos para o todo da sociedade!

E mais! Dá para fazer mais. Dá para fazer diferente. Dá para fazer melhor! Tenho certeza disso.

Podem ter certeza. Ainda é muito legal ser publicitário. Ainda é muito legal atuar em comunicação. Essa é uma atividade que, como todas as outras tomou muita porrada com as mudanças, a crise, a desordem moral, ética e política do país. Mas ela está longe de ser desinteressante e moribunda.

Esse é o último artigo para essa coluna em 2017. O ano em que sobrevivemos. Em 2018 já vamos colher alguns frutos mais bonitos. Até lá!

Coluna “Discutindo a relação…”

Um delicioso desafio

Trabalhar com propaganda tem sido alvo de inúmeras críticas nos últimos anos. Tais críticas em grande parte são justas e consequência de modelos de negócios exauridos (especificamente em relação às agências de propaganda) e das constantes mudanças de cenário ocorridas recentemente.

Posso dizer também que há uma questão de geração. Mas não quero entrar nesta discussão aqui. Ela já deu muito pano pra manga. Tanta gente já falou e escreveu sobre isso. Volta e meia aparece um texto sobre o assunto, como este aqui, por exemplo.

Quero falar na verdade que, apesar de tudo, acredito ainda que trabalhar com propaganda traz ao menos uma grande recompensa : aprender muito e quase sempre.

Isso não é novidade. De fato é bem antigo este negócio. Mas… explico.

Não sou daqueles que crê que em propaganda nunca há rotina. É claro que há. Mas é verdade que é uma atividade bem menos rotineira de que outras. E isso se dá pela diversidade de situações, casos, mercados, produtos e serviços com que podemos nos deparar na atividade publicitária. É aquela velha, mas ainda verdadeira conversa: num dia podemos trabalhar com um cliente de varejo de ferramentas e no outro lançar um empreendimento imobiliário. Podemos fazer feirão de automóveis para uma concessionária e ao mesmo tempo pensar em como fazer com que uma escola de inglês tenha mais alunos matriculados. Tentar vender túmulos num novo, bonito e moderno cemitério e lançar a moda primavera/verão para o publico jovem das classes B e C.

Isso sem falar no interessantíssimo esforço de se colocar no lugar do outro. De se livrar de pré conceitos e de preconceitos. De usar estereótipos mas não ficar preso a eles de maneira superficial.

A questão importante aqui é o quanto temos que aprender para fazer bem feito cada um destes trabalhos. Foi isso que sempre me motivou em propaganda. E acho que quem quer trabalhar com propaganda deve ter como principal característica a curiosidade. Ou melhor: a vontade de aprender.

De meus tempos de agência trago inúmeros aprendizados. A maioria deles obtive com clientes. Um outro tanto com fornecedores e uma outra parcela generosa com os veículos de comunicação. Entender cada mercado, cada cenário competitivo, cada público consumidor, cada produto ou serviço é um desafio delicioso.

Em conversas recentes tenho dito que as agências terão que forçosamente rever seu modelo de atuação ou implodirão ( veja esse texto). E dessa revisão é bem provável que apareçam mais agências bacanas para se trabalhar. Na verdade já estão surgindo. E por esse motivo sigo acreditando que muita gente vai continuar querendo ser publicitário.

Gente talentosa, inteligente e disposta a aprender sempre terá vez no mercado publicitário. E sempre será disputada pelas melhores agências, assessorias e consultorias. As agências, assessorias e consultorias por sua vez, terão que se esforçar para voltar a atrair gente talentosa, inteligente e disposta a aprender.

Artigo trata do uso de robôs

Você será substituído por um robô?
*Por Ronaldo Cavalheri

Você será substituído por um robô? Essa é uma pergunta que muitos profissionais se fazem ou que deveriam começar a pensar a respeito. O mundo passa por grandes transformações desde a revolução rural, onde tudo era mais controlável e previsível. Passamos pela era industrial, onde máquinas entraram em cena com uma produção abundante. Veio a era digital onde a informação e a conectividade impulsionaram ainda mais o consumismo. São evoluções naturais que impactam o mercado de trabalho. E agora estamos vivendo uma mudança de era, na qual começamos a passar por uma revolução exponencial, porém mais acelerada, com tecnologia de ponta disponível. Termos como computação em nuvem, IoT, Big Data, robótica, inteligência artificial, impressão em 3D e nanotecnologia se tornaram comuns no nosso dia a dia. Mas como isso vai impactar na vida dos profissionais?

Uma coisa é certa, nos próximos anos teremos muitas e rápidas mudanças. Segundo uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em torno de 57% das vagas de emprego estão suscetíveis à robotização e automação. Mais da metade das funções hoje exercidas pelo homem podem ser substituídas por máquinas. Outra previsão bastante curiosa é do Fórum Mundial Econômico que diz que 65% das crianças vão trabalhar em empregos que ainda não existem. Crianças em idade escolar sendo preparadas para algo que ainda não sabemos como será. Temos um futuro cheio de incógnitas em relação ao que irá acontecer com os profissionais. Quais serão as profissões do futuro? O ser humano terá espaço? Como os profissionais devem se preparar para tudo isso?

Não me arrisco a dizer quais serão as profissões mais requisitadas, pois elas ainda não existem. Porém, com toda a certeza me arrisco a dizer quais serão os profissionais mais requisitados pelo mercado. Parece complexo, mas a resposta é muito simples. Todo trabalho que envolva atividades repetitivas e com uma lógica previsível, que não precise de socialização e intervenção criativa, que não resolva nenhum tipo de problema complexo e que ainda coloca em risco a vida será substituído por uma máquina.

Com isso fica fácil concluir que os profissionais mais disputados serão aqueles com características inerentes dos seres humanos como criatividade, capacidade de aprendizado e de adaptação, visão do momento e facilidade para se relacionar. Estou falando de soft skills, que são as competências e habilidades mais desejadas para os profissionais do século XXI. Mais relevante do que uma coleção de diplomas e certificados técnicos, as características comportamentais e sociais é que manterão o espaço das pessoas no mercado combinada com toda a tecnologia disponível. Estou falando de um cenário muito mais inteligente. O que é desafiador e prazeroso o homem faz, o contrário será direcionado para um robô.

Ronaldo Cavalheri, autor deste artigo

E como desenvolver as soft skills? Algumas pessoas têm habilidades natas e outras precisam correr atrás. E sim, é possível desenvolver essas características, mas para isso é preciso treino. Erroneamente muitos profissionais só enxergam o ensino tradicional como ambiente de capacitação. Falamos de comportamento, logo temos que estar em contato com outras pessoas onde possamos exercer essas competências. É preciso viver experiências diferentes.

Em um trabalho voluntário é possível desenvolver habilidades como relacionamento interpessoal e o espírito colaborativo. Em um Hackathon, que são iniciativas que estimulam a inovação, os participantes colocam a prova o seu potencial de resolver problemas complexos e extrapolar sua visão empreendedora. Em um curso de Fotografia é possível desenvolver um pensamento crítico e estimular o olhar criativo. Ou até mesmo em uma formação para chef de cozinha você vive experiências na qual ajudam a desenvolver suas características de líder e de trabalho em equipe. Independente da área de atuação é preciso se colocar em situações desafiadoras que auxiliem no desenvolvimento de características fundamentais para qualquer profissional de sucesso.

O avanço da tecnologia é inevitável, a robotização em massa será uma realidade, as pessoas devem assumir o que de fato é da sua natureza. Somos dotados de uma grande capacidade de criar e de se reinventar. Pode ser que nem todos acompanhem essa evolução. Naturalmente essa mudança trará perdedores e ganhadores. Meu papel aqui é a provocação para que todos enxerguem essa necessidade e tenham atitude para serem ganhadores. Não devemos temer as máquinas, e sim usá-las a nosso favor. A vida é feita de escolhas, nós somos feitos de escolhas. Você vai ser substituído por um robô?

*Ronaldo Cavalheri é Engenheiro Civil, Diretor do Geral do Centro Europeu – primeira escola de economia criativa do Brasil e Business Development Manager do Microsoft Innovation Center Curitiba.

Associação chega a SJCampos

Associação Brasileira de Recursos Humanos chega à São José

Para anotar na agenda: na próxima quarta-feira, a ABRH-SP (Associação Brasileira de Recursos Humanos) lança oficialmente sua Regional no Vale do Paraíba, em evento marcado para as 18h30 no hotel Nacional Inn, em São José dos Campos. A ABRH-SP é a principal entidade representativa dos profissionais de Recursos Humanos do Estado de São Paulo.

O evento de lançamento terá a participação do presidente da ABRH-SP, Theunis Marinho, que vai falar sobre os objetivos estratégicos da entidade.

Além de Marinho, farão uso da palavra a diretora-geral da Regional da ABRH-SP, Roberta Sanfelice, que vai expor o plano de ação da entidade para a Região Metropolitana do Vale do Paraíba, e Flávio Maneira, head da área de Treinamento da Medtronic (Divisão MITG), que proferirá a palestra “Neurociência & Liderança: qual o impacto no ambiente corporativo?”.

“Estamos orgulhosos por ampliar nossa representatividade em uma Região Metropolitana que tem um PIB de R$ 84,4 bilhões, que concentra 39 municípios e é a 12ª mais populosa do país, segundo estimativas do IBGE” – disse Theunis Marinho, presidente da ABRH-SP.

A Regional da ABRH-SP será representada por uma diretoria formada exclusivamente por voluntários, todos profissionais de empresas sediadas em cidades da RMVale. Ainda este ano, a ABRH-SP planeja criar um Grupo de Estudos para debater o tema “Coaching” e promover um evento sobre as melhores práticas de Recursos Humanos. A Regional da ABRH está acertando uma parceria com a Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos para abrigar a nova entidade na cidade.

“Queremos conhecer a realidade dos nossos RHs para lhes oferecer diferentes soluções e oportunidades de desenvolvimento” – afirmou a Roberta Sanfelice.

Perfil

A ABRH-SP é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, fundada em 15 de março de 1965. Possui atuação local e é filiada à ABRH-Brasil, presente em 21 Estados e Distrito Federal, reunindo 1.000 voluntários executivos, mais de 10 mil associados e uma comunidade de mais de 50 mil pessoas no Brasil, com a missão de promover o desenvolvimento dos profissionais de RH e gestores de pessoas por meio de eventos, pesquisas e troca de experiências, assim como de colaborar com os poderes públicos e demais entidades nos assuntos referentes à sua área de atuação.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

Como o big data pode impulsionar novos negócios

A influência da Big Data nos negócios

por Marcos Alex Rodrigues

Até alguns anos atrás, toda a informação gerada e divulgada acontecia de maneira off-line, através de cartas (mala direta), matérias em televisão, rádio, publicações em revistas, jornais, folhetins, folders e ligações (telemarketing). Aos poucos, esse cenário foi mudando e a informação começou a chegar por diversas frentes, o tempo todo.

Se por um lado isso facilitou a comunicação, por outro, há exagero na dose. Pelo menos é o que eu ando acompanhando no meu dia a dia. Com o aumento da tecnologia e com a chegada das redes sociais, a maneira de se relacionar passou por uma revolução e hoje são os consumidores e os influenciadores digitais que ditam as regras. São eles que falam abertamente o que pensam e o que não pensam; são eles que interagem com as empresas atestando ou reprovando determinados produtos ou serviços.

E embora eu acredite que algumas mudanças sejam inevitáveis e irremediáveis, é preciso ficar atento a dose, já que estas mudanças podem ser proporcionalmente drásticas se não forem bem trabalhadas, principalmente no que diz respeito a comunicação. O que parece ser ideal para a sua marca, pode ser considerado invasivo aos olhos do seu consumidor e toda a estratégia de marketing irá por água baixo.

Tudo está se transformando e ainda não temos a dimensão como isso será no futuro. Com base no meu modelo de negócio, posso afirmar que as ações online, quando executadas com parcimônia estão trazendo cada dia mais, resultados efetivos para os meus clientes. Mas também estamos o tempo todo, nos reinventando e tentando acompanhar essa evolução.

Até porquê, o aprimoramento constante das tecnologias, o acúmulo de dados e a informação (BIG DATA) favorecem esse quadro de transformação e acabamos tendo muito mais informação e conteúdo armazenado, do que imaginávamos lá trás. Poucas as informações que estão conseguindo ficar oculta aos olhos das máquinas e algoritmos, que avançam a cada vez que alimentamos browsers com buscas e curiosidades; eles são inteligentes o suficiente para conhecer nossos desejos e nossos próximos passos no mundo virtual.

O que quero realmente compartilhar com vocês é que hoje não somos os mesmos que éramos ontem e como empresários, temos a missão de analisar e tentar prever quais diretrizes teremos amanhã, com a tecnologia que estamos criando. Precisamos mudar nossos conceitos, assim como a tecnologia tem mudado a nossa maneira de se comunicar.

Sobre o autor:

Presidente da Central Mailing List, (www.centralmailinglist.com.br) Marcos Alex Rodrigues é um cientista de dados que há mais de 20 anos inseriu a comercialização de banco de dados no mercado. Hoje, além desse serviço, a empresa também trabalha com a correção, atualização, enriquecimento de database (banco de dados), disparos de e-mail marketing inteligente, SMS e geração de leads. Tudo isso, de maneira consciente, fazendo o uso coerente das informações e seguindo as regras de mercado com altos níveis de segurança. Projetos de consultoria mercadológica para a definição de público alvo atendendo as demandas dos departamentos de marketing, vendas, prospecção, retenção, fidelização, cobranças, pesquisas, TI e RH também faz parte da portfólio da empresa.

Fonte: Alline Carvalho

ACIT visitará a Francal

Setor calçadista é convidado pela ACIT para visitar Francal

No próximo dia 04 de julho, terça-feira, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) vai levar os empresários do setor calçadista e de acessórios de Taubaté para visitar a 49ª edição da Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios (Francal), que acontecerá no Expo Centre Norte, em São Paulo.

A feira é realizada anualmente e é considerada a principal do setor, porque é quando os fabricantes trazem os lançamentos e novas coleções da moda de calçados e acessórios para apresentar ao público. Esse mercado movimenta a economia de forma bastante importante para o país.

Durante o evento, os visitantes poderão participar das palestras, fóruns, desfiles e talk shows sobre os mais variados temas do segmento para conhecer melhor os produtos, tendências e todas as novidades.

A visita à Francal é oferecida pela ACIT de forma gratuita aos associados, mediante inscrição prévia, que deve ser feita pelo telefone (12) 2125-8210, whatsapp (12) 99189-7964 ou ainda pelo email cursos.acit@taubate.com.br. As vagas são limitadas. O embarque será feito às 7h30 na Praça Monsenhor Silva Barros.

A ACIT acompanha o calendário das variadas feiras que acontecem, dos diferentes setores, para organizar a visita dos associados, oferecendo à eles a oportunidade de se atualizar e trazer, em primeira mão para Taubaté, todas as novidades e tendências apresentadas no mercado.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Coluna Papo Reto

Um mercado sem crise

Desembarcam no Brasil, durante este ano todo de 2017, as melhores bandas, as que estão com maior visibilidade e também as que nunca saíram dos holofotes. U2, Bruno Mars, Paul McCartney, Bon Jovi, Maroon 5, Lady Gaga, Red Hot Chili Peppers, Ed Sheeran, John Mayer, Aerosmith e por aí vai…

Onde está a crise?

Com ingressos que iniciam em R$120,00, para estudantes que pagam ½ entrada, este mercado parece estar em alta pois muitos shows esgotam sua venda de ingressos em apenas horas. Sabemos também que ir a um evento destes não nos custa apenas as entradas, mas sim transporte, estacionamento, comida, bebida e etc…

Convido vocês então a mergulharem no estudo das estratégias de marketing que sustentam este mercado e a observar toda a construção destas marcas.

Crise? Não, eles não andam sabendo o que é isso.

Oceano azul? Lovemarks?

Acredito em dois aspectos que me aparentam ser impecáveis: A Estratégia e a Entrega do “Produto/Serviço”.

Será que temos algo aprender?