ACI lança projeto especial de apoio à mídia

“Mídia & Você” traz descontos especiais dos principais veículos de comunicação de São José dos Campos para associados da ACI nestes tempos de crise

A Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos sabe dos impactos causados pela pandemia do novo coronavírus nas nossas vidas, nos negócios e no cotidiano das nossas empresas. Mas sabe também que as empresas –sejam elas grandes, médias, pequenas, micro ou MEIs– não podem parar, principalmente em um momento de crise.

Vidas, empregos e empresas não são conceitos excludentes, mas, sim, valores interligados, defendidos pela ACI, nessa ordem.

Por isso, a ACI de São José dos Campos entrou em contato com os principais veículos de comunicação de nossa cidade e negociou, com cada um, propostas e descontos exclusivos para as empresas associadas. Afinal, diz o ditado, a propaganda é a alma do negócio. E, com a pronta adesão dos veículos, a ACI criou o projeto “Mídia & Você”, com descontos para publicidade nas emissoras de TV, emissoras de rádio, jornais e portais noticiosos de São José dos Campos.

Aberta a todas as empresas de comunicação interessadas, “Mídia & Você” reúne, nesta largada, os seguintes veículos: TV Band Vale, Rede Vanguarda, Record TV; as rádios Antena 1, Band Vale FM, Nativa, Stereo Vale, SP-Rio+; o jornal “O Vale” e o Grupo Meon de Comunicação.

E, agora, a ACI faz um convite especial: se você é nosso associado, pesquise no site da ACI (www.acisjc.com.br) as propostas do projeto “Mídia & Você”, veja qual se encaixa melhor no seu perfil e no seu bolso, e, a seguir, veja o passo a passo para transformá-la em realidade. Se você é veículo de mídia e quer levar sua proposta aos nossos associados, entre em contato com a ACI.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Na atividade

Outback inova com campanha produzida totalmente à distância para relançar o seu fondue

Com assinatura das agências Santa Clara e Ionz, projeto contou com conteúdo dirigido remotamente e com produtor, fotógrafo e diretor de arte como personagens

O Outback Steakhouse segue inovando em seus processos criativos e anuncia essa semana sua campanha direcionada para as plataformas digitais e que contempla o relançamento do fondue da marca. Como grande diferencial, essa é a primeira vez que a marca aposta em conteúdos feitos 100% à distância, respeitando as orientações atuais de distanciamento. Para isso, a empresa contou com a ajuda da tecnologia para criar formas disruptivas de produção e continuar se comunicando com os seus clientes em um tom divertido, como sempre fez.

O projeto, que tem assinatura das agências Santa Clara e Ionz, traz com um filme que será veiculado nas redes sociais oficiais do Outback (@OutbackBrasil). Além disso, a produção também contou com a parceria dos fotógrafos Ricardo De Viqc e Danilo Quadros, que fizeram todas as sessões do novo produto para as redes sociais da marca. Todo o processo também foi coordenado à distância pela equipe de marketing do Outback e todas as peças fotografadas foram produzidas na casa dos profissionais, que tiveram que preparar um “miniestúdio” com utensílios de cozinha que trouxessem a identificação do restaurante, levando em consideração objetos icônicos e cores.

“A inovação está no nosso DNA e o desejo de sempre querer pensar em novas experiências está refletido nessa campanha. Para nós foi um processo completamente diferente do que estávamos acostumados, porque levamos em consideração diversos fatores, como o atual cenário e como a gente poderia continuar conversando com os fãs da marca”, explica Renata Lamarco, diretora de Marketing do Outback Brasil.

Como principal desafio, a companhia fixou o objetivo de garantir o padrão de qualidade da produção para que os consumidores – já acostumados com a linguagem da marca – fossem impactados logo no primeiro momento. Por isso, para o filme, a empresa decidiu usar profissionais que já estavam escalados para trabalhar no projeto (fotógrafos, assistente de direção e a diretora de arte) para serem os próprios personagens da campanha. Afinal, essas pessoas já são familiarizadas com fundamentos técnicos.

Já para as gravações, que foram dirigidas remotamente pelas agências por videoconferências, a empresa utilizou uma estrutura especial, com câmeras, celulares e equipamentos de luz que pudessem ser ajustados de longe. Todas as filmagens aconteceram dentro das casas dos personagens – o fotógrafo contracenou com a sua família, a diretora de arte com os seus colegas de apartamento, a assistente de arte com o seu namorado e o outro fotógrafo com a sua esposa, que é culinarista. Dessa forma, a empresa conseguiu construir diferentes enredos, considerando três diferentes temáticas: amigos, famílias e casais. E o mais importante: sem nenhum produtor precisar ir até à casa dessas pessoas.

“Foi um grande desafio filmar um comercial, nos padrões Outback, à distância. Para trazer o appetite appeal de sempre e a identificação com os diferentes públicos da marca – no contexto atual – precisamos usar a criatividade também na produção. O formato do filme, com visão table top, foi pensado para que pudesse ser filmado em qualquer lugar mantendo um padrão estético. Uma família, um grupo de amigos e um casal, todos morando juntos, receberam direto do restaurante os produtos e foram dirigidos com maestria pelos Los Pibes, da produtora Awake. Os recursos e tecnologias usados nessa produção trouxeram novas possibilidades que certamente vão ser utilizadas nas produções futuras, mesmo que sem as restrições atuais”, conta Bernardo Machado, sócio-diretor de criação da Santa Clara.

“Esta campanha é inovadora e tem sua raiz no digital. A filmagem foi realizada de uma forma diferente e contemporânea de produção, totalmente adequada ao nosso período. Mas o diferencial é o uso de uma ação que já é presente na estética do digital: trazer o ponto de vista no olhar do consumidor. As pessoas se filmam e interagem com nossos produtos dando uma sensação de participação maior que somente os formatos Top View conseguem traduzir. Esta linguagem atualiza nossa comunicação e traz maior identificação junto ao público” diz Marcio Villar, diretor de criação da ÍONZ.

Ao todo, foram três dias de gravação à distância que resultaram em clipes com versões de 30, 15 e seis segundos. Os novos fondues da marca já estão disponíveis no delivery, pelo aplicativo iFood.

Confira aqui o filme oficial da campanha. E aqui, o making of da produção.

Fonte: Alameda Comunicação – Laís Reis

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Facebook mostra força no Brasil

Brasil ocupa 4º lugar do ranking de audiência do Facebook na quarentena

As mídias sociais são sistemas de grande distrações online para quem as usa, principalmente neste momento de isolamento social. Sabendo que o Facebook é uma das redes favoritas do brasileiro, o Cuponation, plataforma de descontos online e componente da alemã Global Savings Group, compilou dados sobre seu público no Brasil e no mundo.

De acordo com o levantamento da plataforma Statista, o Brasil aparece no ranking dos 20 países com a maior audiência de usuários no Facebook durante o mês de abril. Com cerca de 120 milhões de pessoas acessando a rede social diariamente durante a quarentena, nosso país está na quarta posição da lista.

Dentre as demais posições do ranking, a nação que ocupa o primeiro lugar é a Índia – que pertence ao continente asiático e possui a marca de segundo país mais populoso do mundo – totalizando a audiência de 280 milhões de indianos na mídia social no mesmo mês.

O país que se posiciona em segundo lugar é o Estados Unidos, maior potência mundial, com 190 milhões de usuários ativos no Facebook. Em contrapartida, o território que ocupa a último posição – o estudo leva em conta 20 países participantes da pesquisa – é Myanmar, com média de 23 milhões de pessoas utilizando a rede.

O Cuponation analisou um segundo estudo do Statista e foi registrado que o Facebook, dentre as 15 mídias apontadas, foi a rede social mais popular no mês de abril, com 2.498 milhões de indivíduos ativos no dia a dia. Veja os dois rankings divulgados no infográfico interativo do Cuponation.

Os aplicativos que estão em segundo e terceiro lugar são Youtube e Whatsapp, ambos com 2 milhões de acessos. O Pinterest está em último lugar da lista em questão, com apenas 366 milhões de usuários diários.

Fonte: Comuniquese – Giovanna Rebelatto

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Centennials e Millennials esperam mais das marcas, usam mais redes sociais como TikTok, mas se descuidam da alimentação durante a pandemia

Gerações mais jovens são mais digitais e esperam um posicionamento mais proativo das marcas

Uma nova análise do Barômetro Kantar COVID-19, o principal estudo que explora as influências do coronavírus nas atitudes, comportamentos e expectativas de pessoas em mais de 50 mercados, revelou como os jovens das gerações Centennials (18-24 anos) e Millennials (25-34 anos) se diferenciam das faixas etárias seguintes.

48% deles acreditam que as marcas precisam servir de exemplo e guiar a mudança, contra 31% das pessoas com 55 anos ou mais; 35% deles esperam que as marcas usem seu conhecimento para explicar e informar seus consumidores, contra 28% com 55 anos ou mais. “Isso revela que em comparação com outras gerações, os jovens adultos têm uma expectativa maior de uma participação mais proativa das marcas na sociedade”, afirma Valkiria Garré, CEO de insights da Kantar Brasil.

Comportamento digital, consumo de mídia

Os Centennials e Millennials saem na dianteira como as gerações que aumentaram suas compras online em decorrência do COVID-19 (39%) em relação a população geral (32%), entre 35 e 54 anos (30%) e com 55 ou mais (24%). 47% deles também esperam aumentar seus pedidos de e-commerce em relação ao mês anterior (apenas 25% dos entrevistados com 55 ou mais farão o mesmo).

Essas duas gerações também se destacaram no uso de todas as redes sociais, sendo que a novata TikTok mostrou um crescimento expressivo desde o início da pandemia. Confira o gráfico:

“Com os desafios que geram engajamento em massa e viralizam, o TikTok se tornou uma forma de entretenimento rápido e de socialização digital em tempos de isolamento social”, afirma Valkiria. “Mas YouTube e Instagram ainda continuam líderes devido ao crescimento de transmissões ao vivo (lives) que incluem treinamento virtual, receitas de culinária e, claro, os shows de música.”

Já o consumo tradicional de mídia doméstica, assim como o online, cresceu significativamente durante a quarentena, principalmente entre os mais jovens: 63% dos Centennials e Millennials consumiram mais TV tradicional depois do COVID-19 (56% da população geral e 22% com 55 anos ou mais fizeram o mesmo); 58% começaram a consumir mais TV streaming (51% da população geral e 39% dos 55+; e 77% passaram a assistir mais vídeos online em diferentes plataformas (67% da população geral e 48% dos 55+).

“Os hábitos de consumo de mídia digitais das gerações mais jovens se acentuaram consideravelmente com o distanciamento social. Mas é interessante ver que eles também recorreram à TV Tradicional como fonte de entretenimento e informação”, diz Valkiria.

Muito tempo em casa, pouco tempo para a dieta

Em contrapartida, os entrevistados com 55 anos ou mais não deixaram a nova rotina mudar sua dieta: apenas 25% se preocuparam menos com a dieta durante a quarentena (38% dos Centennials e Millennials se descuidaram nesse ponto). 55% dessas gerações mais jovens também falaram que passaram a fazer mais lanches ao longo do dia (44% dos brasileiros com 55 ou mais fizeram o mesmo).

Isso não impediu, porém, essas gerações mais jovens de entrar na cozinha: 61% estão tentando novas receitas durante a quarentena (em comparação a 58% da população geral e 49% dos brasileiros com 55 anos ou mais).

“Não é à toa que estamos vendo um boom de conteúdo sobre receitas e comidas nas redes sociais. Ele leva ao engajamento e cria uma conexão com as pessoas que estão distantes em tempo de quarentena”, afirma Valkiria.

Sobre o Barômetro COVID-19

A pesquisa foi realizada online com 500 brasileiros com 18 anos ou mais entre os dias 13 e 16 de março (primeira onda), 27 e 31 de março (segunda onda) e 13 a16 de abril de 2020. A versão completa conta com 17 questionamentos sobre hábitos dos entrevistados relacionados à pandemia. Ele foi feito em 30 mercados com mais de 25 mil consumidores. Entre os temas abordados estão: atitudes dos consumidores; hábitos de mídia; hábitos de viagem; impacto nos comportamentos de compra online e off-line; e expectativas em relação às marcas. Para saber como ter acesso a todos os dados, clique aqui.

Fonte: Tamer Comunicação – Karina Rodrigues/Assessora de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Especialista dá 5 dicas para reconhecer as fake news

Pesquisa diz que 62% dos brasileiros não sabem reconhecer notícias falsas

As notícias falsas têm ganhado cada vez mais credibilidade entre os brasileiros. De acordo com um estudo feito pela empresa de cibersegurança Kaspersky, 62% dos brasileiros não sabem reconhecer uma fake news. Além disso, segundo o Massachusetts Institute of Technology (MIT), as notícias falsas circulam 70% mais do que as notícias verdadeiras na internet.

Por isso, é preciso estar atento e entender como descobrir se as notícias compartilhadas por amigos, familiares e conhecidos, são verdadeiras ou não. Para isso, a professora do curso de Marketing Digital do Centro Universitário Internacional Uninter, Maria Carolina Avis, dá cinco dicas de como verificar uma fake news. Confira:

DICA 1

Verifique se essa notícia é recente ou antiga. Muitas vezes a informação não é falsa, só é antiga. Após esse texto, foi publicada alguma atualização que seja mais recente? Então antes de repassar algo para frente, analise quando o texto foi escrito e se houveram atualizações. O Google Notícias pode ajudar nessa verificação.

DICA 2

Isso realmente é uma notícia? Não é uma propaganda que parece uma notícia? Cuidado com o compartilhamento de “notícias” de produtos milagrosos que se disfarçam de informação. Além disso, analise se o produtor do conteúdo tem credibilidade, se a fonte é confiável. Prefira repassar informações verificadas por grandes canais de comunicação.

DICA 3

Muitas informações disponíveis na internet são análises pessoais, e não informações baseadas em dados. Essas não necessariamente são falsas, mas têm uma intenção clara pelo autor que expôs sua opinião.

DICA 4

Se uma notícia é verdadeira, vários canais de comunicação a publicarão. Antes de compartilhar, faça uma breve pesquisa e analise essa questão. Neste momento, leia as várias versões de uma mesma notícia para ter a sua opinião sobre.

DICA 5

Tem muitos erros de português? Pelo link conseguiu ver que o nome da empresa está incorreto? Desconfie.

As notícias falsas são muito atraentes, por isso são tão compartilháveis. É importante verificar antes de repassar, afinal nem sempre as pessoas que receberão sua mensagem pensarão em verificar a veracidade, antes de compartilhar com ainda mais gente.

Fonte: Página 1 Comunicação – Lorena Oliva Ramos

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Na atividade

Veloe cria novo canal de vendas por WhatsApp

Em tempos de pandemia, a marca criou uma nova opção de vendas pelo aplicativo para ajudar seus colaborares e prestadores de serviços em home office e agilizar o contato com o consumidor

Desde que se tornou necessário permanecer em casa, a Veloe tem tomado todas as medias necessárias de prevenção à saúde de seus colaboradores, prestadores de serviços e clientes. Para auxiliar o trabalho dos consultores de vendas das unidades móveis, que em geral trabalhavam nas ruas, a marca criou uma nova opção de vendas: o WhatsApp. E, em parceria com a BETC/Havas, desenvolveu peças e anúncios digitais exclusivos que levam os consumidores interessados direto ao vendedor. É só clicar no link da mídia e ele já é direcionado para um consultor.

“Assim, mesmo sem nenhum contato físico, os clientes continuam sendo atendidos por um consultor da sua região e a equipe de vendas de unidades móveis consegue manter a rotina de trabalho, mesmo remotamente”, explica André Turquetto, direto de Marketing e Produtos da Alelo. “Em tempos de crises, todos nós precisamos nos reinventar e encontrar outros meios de manter a rotina de trabalho sem grandes impactos para o nosso negócio. Este projeto contribui para a capacitação e transformação digital dos colaboradores e prestadores de serviços e agiliza o processo de compra para o cliente”.

“Pensar em mobilidade do futuro é pensar em um algo melhor para todos. É bom ver que temos ao nosso lado um cliente que se adapta para atender as necessidades dos negócios, mas sem deixar de ser solidário com as pessoas e que sabe da importância do isolamento e da distância segura”, comenta Laura Azevedo, diretora de criação da BETC/Havas.

A ação conta com mais de 50 peças dirigidas para São Paulo e Rio de Janeiro, por meio do Facebook, Instagram e mídia programática.

Ficha Técnica

  • Agência: BETC/Havas
  • Cliente: Veloe
  • Produto: Adesivo Pagamento Eletrônico
  • CCO: Erh Ray
  • Diretora Executiva de Criação: Andrea Siqueira
  • Diretora de Criação: Laura Azevedo
  • Criação: Carolina Araujo e Mariana Roxo
  • Marcas & Negócios: Fabiane Veiga, Felipe Sakai, Nathalia Del Moral e Henrique Nunes.
  • Canais & Engajamento: Carlinha Gagliardi, Gabriela Pereira, Mariana Castilho, Allan Rupp e Nerilson Ibernon.
  • Estratégia: Agatha Kim, Bianca Brandão, Gustavo Oliveira, Thiago Jorge e Mirella Nascimento
  • Produção: Anna Ferraz e Juliana Arantes
  • Aprovação do Cliente: André Turchetto, Cynthia Kitasato, Vanessa Ricci, Mauricio Siqueira, Carla Moretto e Gisele Freitas

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Vagas na Rede Aparecida

Rede Aparecida abre vaga

A Rede Aparecida de Comunicação abre vaga para redator publicitário. Confira abaixo o perfil desejado para a vaga.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

O rádio aproveita o embalo digital

Praticidade e dinamismo garantem vida longa e relevância ao rádio em meio à revolução digital

Crescimento no consumo de ‘podcasts’, arquivos de áudio disponíveis na internet e que abordam temas diversos, prova que a mídia está longe do fim.

Poucas mídias são tão dinâmicas e práticas quanto o rádio. Quem vê toda a euforia com que o veículo é tratado hoje em dia nem imagina que um dia chegou a ser condenado à extinção, quando a televisão surgiu, no início do século XX. Com o passar dos anos, o rádio se reinventou e hoje desponta como um dos canais mais promissores do século. E foi justamente a chegada da internet que permitiu essa grande virada: a rede mundial facilitou o acesso a gravações de entrevistas, análises e até mesmo programas de entretenimento. Tudo isso impulsionado pelos populares ‘podcasts’.

O recurso ainda está em fase de consolidação, mas já é visto como um dos responsáveis pela revitalização da plataforma. Segundo dados de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Podcasters (Abpod) com duas mil pessoas que estão regularmente conectadas À internet, 32% nunca ouviram falar de podcast. Por outro lado, 40% do público já acompanhou ao menos um programa desse tipo. A variedade de conteúdo impressiona: mais de três mil projetos foram produzidos em 2018, em todo o território nacional. Os maiores consumidores são os paulistas, que correspondem a 37% do total. São Paulo também é o lar de 80% dos apresentadores que comandam os cinquenta programas campeões de audiência.

Surfando na onda
O investimento em dinamismo e entretenimento passou a ser essencial para manter a audiência. Programas exibidos nas grades tradicionais das rádios mudaram para se beneficiar da nova onda. É o caso do ‘Esquenta’, exibido diariamente na Rádio 89 FM, o programa conquistou um público cativo e hoje assumiu a liderança de audiência no horário, segundo o IBOPE. O conteúdo tem como base pautas modernas e a presença de formadores de opinião para cativar o público durante o horário de apresentação. Exibido ao vivo, a partir das 22h, o programa é conduzido por Fitinha, Marcele Becker, Wendell e Bia Sato. Além dos temas diferenciados, a interatividade com o público é uma das marcas do Esquenta.

As mudanças na grade de programação também ajudam a promover novas bandas nacionais. Tudo isso porque uma das estratégias foi o desenvolvimento de programas com foco no ouvinte. Como resultado, a rádio ocupa a liderança na audiência da Grande São Paulo, de segunda a domingo, das 5h à meia noite, tanto nos rádios dos carros como também durante o trajeto dos ouvintes nos horários de pico, segundo dados do Ibope. No ranking geral, o programa é líder de audiência, em toda a Grande São Paulo, oferecendo muito rock n’roll e relacionamento com o público.

Mercado americano
Nos Estados Unidos, os podcasts fazem parte da rotina mensal de 26% da população. A abrangência ajudou a conquistar dinheiro e promoveu adaptações para a televisão e outras mídias. Consultores especializados estimam investimentos de quase US$ 700 milhões nesse tipo de mídia, neste ano, em todo o país.

Fonte: Valle da Mídia

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Coluna Propaganda&Arte

Assistir séries: perda de tempo ou arte de uma Era?

A arte está sempre mudando. Reflexo da tecnologia que avança, mudança de hábitos e da comunicação. Até por isso, a febre das séries e de streamings criaram um novo verbo para o dicionário: maratonar. (e não é sobre exercícios físicos intensos) é sobre assistir muitos episódios de uma série, sem paradas. Mas seria isso uma perda de tempo e um problema para nossa saúde?

Aqui, vou abrir com vocês um pensamento que sempre me deixou inquieto como criativo:

será que o entretenimento, como um todo, é uma perda de tempo?

Eu sempre fiz esse questionamento justamente, pois trabalho diretamente com isso. Além de publicidade, adoro escrever livros, contos, roteiros de curtas e longas, podcasts etc. Mas a pergunta da utilidade dessa arte para o mundo sempre me deixou com o pé atrás.

Você já parou para pensar quanto tempo da sua vida “perdeu” assistindo séries?

Quando falamos de arte ou entretenimento, estamos falando de um momento de descontração. Ou então, de sonhos, protestos, questionamentos sociais e algo a mais. Esse “algo a mais” que sempre gostei de buscar na arte que consumo, sejam livros ou séries, me fez acender uma luz. E, com o recente boom de streamings, essa nova forma de consumir arte, que vem crescendo muito, fiquei mais preocupado, comigo e com todos.

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

A TV a cabo, por exemplo, perdeu 1,4 milhões de assinantes em 12 meses (2019). No Brasil, aumentou-se o consumo de streaming de vídeos (Youtube e afins) em 130%. Estamos falando de uma mudança brusca e relevante na vida das pessoas e no tempo delas. E tudo isso para o quê?

A Era das séries e o foco nas pessoas

Em meio a esse caos filosófico e existencial, aproveitei minhas merecidas férias para “maratonar” algumas séries que estavam na lista de “to do”. E sabe o que descobri? As séries que mais gostei não foram as mais mirabolantes, com milhões investidos ou cheias de efeitos especiais. (e olha que eu adoro ficção científica). Eu pirei e viciei mesmo em séries tradicionais com histórias bem humanas que se passam em ambientes de trabalho, com personagens arquetípicos, situações que muitas pessoas passam, passaram ou passarão. Segue a listinha e considerações:
-The Office: uma série já antiga, mas que demorei para pegar firme e estou adorando. Ela mostra o cotidiano de um escritório (uau, quem manja de inglês já sacou) e como um chefe bem tradicional precisa se virar para lidar com os problemas da empresa e situações do mercado, como cortes de pessoal, relacionamento dentro do trabalho etc.;
-Parks and Recreation: com prêmios merecidos para a atriz principal, a série mostra uma repartição do governo responsável pelos parques de uma pequena cidade. O que vemos é um retrato do funcionalismo público que, pelo jeito, é igual no mundo todo. Muita burocracia, vontade de fazer acontecer mesclado com procrastinação, uso do dinheiro público de formas não ideais e todo tipo de funcionário (dos que trabalham bastante aos que só querem receber o salário fazendo menos possível);
-Brooklyn 99: uma delegacia precisa sobreviver às mudanças do mundo, revela pontos da sociedade como preconceito, questões de gênero, equilibrando tudo isso com a solução de casos investigativos, festas, brincadeiras, descobertas pessoais e muita amizade.

Se serviu para sorrir ou pensar, já valeu!

A escolha das séries anteriores não foram ao acaso. Elas possuem um estilo cinematográfico bem particular, aquele “reality” com câmera balançando e personagens falando com a câmera, mas bem fake, sem compromisso de parecer real. Às vezes, até esquecemos que a câmera está ali. E todas as histórias abrangem casos ligados ao trabalho e à vida. Seja num escritório, num órgão do Governo ou numa delegacia, no fim, estamos falando de problemas, soluções e convívio entre pessoas diferentes. Se essas séries marcaram uma geração, ganharam prêmios e tudo mais, devem ter uma função social, de resgate ou questionamento de valores interessantes: igualdade, respeito, humildade, amizade e amor ao próximo.

E a arte serve para alguma coisa?

Acho que pode sim, desde que você faça escolhas certas e pense na sua vida, em como melhorar algum aspecto dela. Até mesmo para dar algumas risadas já está valendo, como no caso destas séries de humor ou pensar em como melhorar seu ambiente de trabalho.
Segundo pesquisas de uma Universidade americana, rir é capaz de aumentar nossa expectativa de vida, pois aumenta circulação sanguínea, estimula respiração, melhora colesterol e diabetes, digestão, autoestima, diminui estresse e aumenta a imunidade. Se isso já não é motivo para maratonar, eu não tenho outro remédio para indicar.

Qual série você recomenda? Qual delas fez bem para sua vida?

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Investimentos em digital vão ultrapassar os realizados nas mídias tradicionais

Brasil seguirá os passos dos EUA na publicidade digital

Lá fora os investimentos na internet já ultrapassaram os realizados nos meios tradicionais, o que deixa evidente que estar na mídia online é condição para o sucesso real independente do mercado de atuação

por Thiago Cavalcante*

Pela primeira vez, o investimento em publicidade digital superou o realizado nos meios tradicionais nos Estados Unidos, um feito importante para o setor que foi alcançado ano passado. Segundo levantamento da eMarketer, o mercado publicitário do setor no país recebeu cerca de US$ 130 bilhões em 2019, o que corresponde a um crescimento de 19% em relação ao ano anterior e a 54% do bolo total. Google e Facebook lideram como principal destino.

É uma tendência que deve se repetir no Brasil em algum momento. Muito embora, grosso modo, a distribuição de verba continue sendo puxada pela TV aberta, o movimento de expansão já sinaliza que não vai demorar muito.

O Conselho Executivo das Normas-Padrão, o Cenp, que reúne os principais anunciantes, veículos de comunicação e agências de publicidade do País, divulgou dados que ainda mantém a TV como líder, seguida por Internet e Mídia exterior.

Mas quando comparada às mídias tradicionais, a projeção de investimento em TV é de 5,5% de crescimento ao ano. Nos jornais e revistas, deve cair para 3% e 5% por ano, respectivamente. E, em mídias digitais, a expansão estimada é de 12% ao ano até 2021.

Parece desproporcional, mas faz todo sentido. A TV aberta fala para as massas enquanto na internet, graças à tecnologia programática, é possível uma segmentação inteligente. Assim, entende-se melhor o perfil dos consumidores para definir quem são os potenciais clientes e, a partir daí, criar mensagens personalizadas. Ao se direcionar a melhor mensagem ao canal mais adequado e, ao consumidor com maior chance de compra, se garante também a comprovação do retorno sobre o investimento, permitindo mensurar os resultados finais de cada ação com precisão.

Isso, contudo, não muda o ranking dos maiores anunciantes. Dados do Kantar Brasil mostram que o “top 5” setores entre os maiores anunciantes é formado por Comércio; Serviços ao Consumidor; Financeiro e securitário; Higiene pessoal e beleza; e Farmacêutico. Já o “top 5” categorias inclui Lojas de departamento; Supermercados, Hipermercados e Atacadistas; Campanhas públicas; Mercado Financeiro; e Mídia eletrônica.

O que é possível afirmar diante desse cenário é que ter presença digital é um pré-requisito básico para ter sucesso no mercado atual independentemente do setor. Isso porque o número de pessoas que têm acesso à internet vem crescendo dia após dia. São mais de 100 milhões de pessoas conectadas em todo o Brasil, somando mais de 63% dos domicílios do país. E as pessoas, de diferentes faixas-etárias e gênero, estão cada vez mais buscando soluções cotidianas nos meios digitais.

Pesquisa da SEO Trends estima um aumento de 70% de novos investimentos em marketing digital pelas empresas no País nos próximos anos. A estimativa foi feita baseada em análise de investimentos em publicidade móvel nos últimos cinco anos e revela como a internet, associada ao marketing digital, tem se tornado um lugar rentável.

As redes sociais também tiveram um grande impacto não só na forma como as empresas fazem publicidade, mas também no modo de se relacionar com seu público. Na internet, possuem a possibilidade de se posicionar de forma mais efetiva que nas plataformas tradicionais. Através do conteúdo produzido para Facebook e Instagram, por exemplo, a marca consegue afirmar sua personalidade, defender causas e se tornar mais popular.

O público exposto ao conteúdo se identifica com o posicionamento da empresa e passa a divulgar e defender o negócio. Além disso, as redes sociais são ferramentas excelentes para garantir um atendimento mais ágil e eficiente. Algo que antes demoraria horas para ser resolvido pelo telefone, hoje com ajuda do chat e direct, por exemplo, pode ser resolvido muito mais rápido.

Fora a agilidade, as redes sociais permitem que as empresas ofereçam atendimento cada vez mais personalizado, o que é essencial para a fidelização do cliente.

* Thiago Cavalcante é diretor de Novos Negócios e sócio-fundador da Adaction, startup especializada em ações de mídia digital, que tem na carteira clientes como Bradesco, Banco Next, Nestle e Bayer.

Fonte: Compliance Comunicação – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0