Entrevistamos Victor Riolfi

Batemos um papo com Victor Riolf

O entrevistado da vez do Publicitando é o publicitário Victor Riolfi, o profissional que responde pela área comercial da Decoli Mídia. E é sobre o que e como a Decoli faz que nossa conversa se deu. Acompanhe:

 

Publicitando – Que pacote de veículos e soluções de comunicação a Decoli pode oferecer para agências e anunciantes?

Victor – A Decoli Mídia é uma agência especializada em mídia Out of home e mídia digital. Possuímos outdoor, empenas e painéis. Focamos em pontos estratégicos, em locais de grande fluxo que possam aumentar o ROI do cliente. Em parceria também oferecemos busdoor em linhas industriais e de turismo. Em mídia digital temos Totens de propaganda digital em shoppings, que fornecem um canal dinâmico, com alto índice de impacto e segmentação de publico, número elevadíssimo de inserções e possibilidade de conteúdo maleável, possibilitando campanhas diárias, semanais, progressivas. Além de atuar no gerenciamento de redes sociais, desde a concepção de campanhas até a veiculação estratégica. Atuamos nesses mercados, além de termos parceria com os shoppings na comercialização dos produtos internos, que oferecemos no mix de produtos.

Publicitando – Como o mercado anunciante do Vale do Paraíba tem reagido? A Decoli tem encontrado boa aceitação?

Victor – Já somos referência no mercado de outdoor. Essa mídia é muito querida pelas agências e marcas. Temos clientes regionais e nacionais. A mídia digital indoor estamos iniciando os processos de inbound e outbound, aperfeiçoando, mas temos uma aceitação interessante até o momento. Tem muito a ser feito, mas temos muito otimismo para 2018.

Publicitando – Quais as principais vantagens no uso da mídia exterior ou do OOH?

Victor – Cada campanha tem um objetivo. Oferecemos mídias de grande impacto que podem fixar uma marca ou uma ideia, alcançar um público elevado para posicionamento da marca, assim como podemos gerar um impacto grande para eventos pontuais. A gente procura entender e escutar o cliente, identificar quais suas “dores” para oferecer qual a melhor solução. Muitas vezes, o cliente quer fazer outdoor de qualquer jeito, mas não é o caso. A Decoli orienta e busca direcionar o cliente para obter os resultados que precisa, seja fixação e posicionamento de marca, seja impacto promocional pontual, seja uma necessidade específica a longo ou médio prazo.

Vaga aberta para mídia

Vaga aberta para Mídia On e Off na Molotov

Então envie seu CV até dia 28/3 (quarta-feira)

Atribuições:
– Atuar na elaboração de planos de mídia e gerenciamento em campanhas de mídia de performance (Google AdWords, Facebook Ads, Instagram Ads e outras mídias digitais);
– Gerenciar campanhas de social media (Facebook, Instagram e Linkedin);
– Analisar e monitorar as campanhas ativas;
– Construir relacionamento com veículos;
– Atuar com elaboração e análise de relatórios de resultados;
– Conhecimento avançado em compra de mídia programática;
– Capacidade de monitorar ações, mensurar resultados e transformar em insights e oportunidades de comunicação;
– Suporte ao desenvolvimento de propostas e planejamentos dentro da área de Mídias Digitais;
– Elaboração de cronogramas e relatórios;
– Reporte de resultados e cumprimento de tarefas e deadlines.

Pré-requisitos:
– Conhecimento avançado em Google Analytics;
– Formação Superior preferencial em Publicidade e Marketing;
– Perfil de liderança focada em resultados;
– Experiência comprovada na área digital de acordo com as atribuições do cargo;
– Capacidade de gerenciar equipe e estabelecer prioridades;
– Proatividade, comprometimento, dinamismo e criatividade;
– Excelente domínio da Língua Portuguesa.

Mais informações sobre a vaga:
Horário: Segunda a sexta-feira, das 9h às 18h
Local: Centro – Taubaté
Regime de contratação: CLT

Quer se candidatar?
Envie seu perfil no Linkedin + pretensão salarial + seu currículo/portfólio para: atendimento@molotovpropaganda.com.br com o assunto “Vaga – Mídia”.

A hora e a vez das tecnologias de voz

A vez das tecnologias (e das experiências) por voz

* por Luciana Castro

Não importa onde você vá, as frases “Alexa”, “Ok, Google” e “Hey, Siri” estão sendo ditas mais do que nunca. Nos últimos dois anos, os preços atraentes e a mudança das preferências dos consumidores mudaram rapidamente os dispositivos habilitados por voz, tanto no mercado quanto nas casas das pessoas. Somente em 2017, os dados da Adobe Analytics Cloud mostram que as vendas on-line desses dispositivos aumentaram 103% na comparação ano a ano.

Antes um recurso novo, o uso de comandos de voz já se tornou muito mais comum. Uma pesquisa recente encomendada pela Adobe mostra que apenas 16% das pessoas se sentem desconfortáveis usando comandos de voz na frente dos outros. Quer se trate de música, de notícias do dia ou controle das luzes de uma sala, a tecnologia está rapidamente se tornando parte da vida cotidiana. No entanto, apesar de a voz ter surgido como um concorrente para as interfaces touchscreen, ela exigirá um ecossistema amplo de “habilidades” para prosperar. Como ocorreu com os smartphones há quase uma década, isso representa uma grande oportunidade para as marcas.

Luciana Castro

As principais empresas de tecnologia no mundo estão anunciando soluções para oferecer experiências de voz verdadeiramente personalizadas. Os consumidores poderão interagir com as marcas favoritas da mesma forma que se envolvem com um padeiro local ou um atendente de banco conhecido – com relevância e contexto que mantêm os usuários fidelizados. Tudo isso é suportado pela análise e estudo de audiência, bem como capacidades de AI que automatizam processos difíceis e se tornam um mecanismo de decisão nos momentos necessários.

Saiba com quem você está falando

Imagine procurar um voo em um dispositivo Amazon Echo e encontrar o melhor horário pelo melhor preço. A companhia aérea já conectou os pontos e você pode reservar instantaneamente, seguido de uma confirmação de viagem enviada diretamente ao seu smartphone. Ou, considere um resumo de notícias da manhã em que cada novo conteúdo se torna cada vez mais alinhado com seu interesse. A tecnologia começa, então, a recomendar as playlist que você viu em serviços de streaming de música.

Estes são os tipos de experiência de voz deliciosas que mantêm os clientes ‘querendo mais’. São experiências relevantes, envolventes e entregues no contexto certo. agora permitem que as marcas proporcionem esses tipos de experiências. Com recursos aprimorados, os profissionais de marketing podem personalizar a experiência para cada indivíduo atuando em seus próprios dados, aproveitando as informações existentes e fornecidas pelo usuário. Soluções de análises de dados servem como a plataforma de insights subjacente, capturando dados de dispositivos de voz, desktop e mobile. A garantia é que os dados estejam alinhados para que as marcas envolvam pessoas, não dispositivos.

Ao longo dos anos, as marcas mais bem-sucedidas em experiências mobile foram as que operavam em um constante estado de interação. Em vez de transferir a experiência de desktop completa para o celular, eles testaram continuamente recursos diferentes e desembarcaram os que ofereceram o maior valor. As empresas agora podem fazer o mesmo em interfaces de voz. Um varejista, por exemplo, pode experimentar diferentes serviços oferecidos. Podem ser executadas simulações em que as marcas começam a ver quais recursos são usados com mais frequência, as várias ações dos usuários após cada reação e as situações que levam as pessoas a desconectarem.

O poder da Inteligência Artificial (AI)

Uma vez que uma marca descobriu como personalizar uma experiência de voz para o cliente, o desafio é implementar isso para milhões de consumidores. Por meio de tecnologias como o Sensei – a AI da Adobe – e de estruturas de machine learning, as marcas agora têm a capacidade de fazer isso. Como motor de decisão, a AI pode aproveitar o machine learning e os algoritmos preditivos para ajudar a garantir uma experiência perfeitamente personalizada para cada cliente.

Com tantas oportunidades, as marcas também devem ter em mente que os erros nos dispositivos de voz certamente acontecerão, assim como os anúncios que erroneamente te seguem após visitar um produto em uma loja online, mesmo após já ter efetuado a compra. A empresas de tecnologias em marketing estão aí para ajudar as marcas a navegar neste cenário complicado e a ficar à frente dos demais. Vimos isso há uma década, quando muitos perderam o barco dos smartphones e alguns ainda estão pagando por isso. Com a disciplina correta e as tecnologias mais recentes, as marcas possuem as ferramentas para garantir que isso não aconteça com a voz. Elas podem oferecer excelentes experiências que ampliam a presença de sua marca e, em última instância, geram mais fidelidade no cliente.

* Luciana Castro é head analytics e marketing cross-channel da Adobe para América Latina

Fonte: RMA Comunicação – Alisson Costa

Uma ótima entrevista

Das grandes agências a dono de emissora de rádio

O Publicitando entrevistou Maurício Guisard, Diretor Geral da SPRIO FM (101,5 FM). Dono de uma trajetória única no mercado de comunicação, o Mauricio passou por várias das principais agências de propaganda do país até resolver empreender e ter sua própria emissora de rádio.

Confira tudo que ele contou para o Publicitando:

Publicitando – Você trabalhou em grandes agências de propaganda no mercado paulistano. Fale um pouco desta experiência para os leitores do Publicitando.

Mauricio – Iniciei minha carreira na publicidade em 1993 como assistente de Diretor de Arte, passando por várias funções numa empresa familiar, a Guisard Faria Propaganda.

Já formado sempre tive como objetivo me transferir para grandes agências e minha primeira posição foi na McCann Erickson, hoje WMcCann. No fim dos nos 90 a McCann era a maior agência do pais, ingressei no Grupo GM participando de inúmeros lançamentos da indústria nacional.

Após quatro anos fui convidado para atender a conta do Unibanco na WBrasil, no começo mal acreditava que ia encontrar o Washington todos os dias, o mito da publicidade da minha geração. Fiquei na W até migração da conta do Unibanco para a F/Nazca, mas como na época W e Lew/Lara eram sócias na Holding Prax, acabei indo para a Lew/Lara. Considero essa a fase da virada na minha carreira.

Luiz Lara e Marcio Oliveira, hoje presidente da DM9DDB, me colocaram num novo patamar de Atendimento. Na Lew/Lara atingi meu primeiro cargo de direção, dirigindo a conta do SECOM BR, coordenando a maior PPP de Publicidade que o país já produziu, a campanha de Autoestima do Governo Lula “O Melhor do Brasil é o Brasileiro”, que ajudou nos índices de popularidade do seu governo e se tornou parte da cultura popular.

Em 2006 me transferi para o Grupo Talent para atender a ainda pequena Cacaushow, um ano depois recebi um convite para atender o Bradesco na NeoGama/BBH, uma outra inesquecível experiência. Alexandre Gama estava no auge, lá permaneci por dois anos, só então passei a trabalhar no meio rádio.

Vivi uma época que trabalhávamos e éramos contratados pelos donos das agências, a agência do Celso Loducca, do Júlio Ribeiro, do D do P ou do Z ou do Ale Gama. Um Diretor de Atendimento bem relacionado, com boas contas atendidas não ficava fora do jogo. Tive muita sorte atendendo a GM, Unibanco, Bradesco entre outras contas, o que me proporcionou conhecer clientes maravilhosos, os melhores Diretores de Criação e Produtoras.

Só produzíamos com os Tops, conheci Breno Silveira, Flavia Moraes, Clovis Mello e Julinho Xavier, o Diretor do filme da Valisère, que privilégio. Uma campanha para um novo carro era uma verdadeira saga, da reunião de pré-produção até a sua primeira veiculação, na maioria das vezes no Fantástico.

Hoje as agências são grupos, BBDO, Interpublic, Dentsu, TBWA, os interesses são diferentes, mas o bom produto criativo feito por publicitários geniais sempre vai prevalecer, no Digital, no Off-Line no Live Marketing.

Publicitando – Como surgiu a ideia de empreender no Vale do Paraíba? E por que escolheu o meio rádio?

Mauricio – Uma mistura de coisas.

Filho de taubateanos, família fundadora da primeira emissora de rádio no Vale, meu avô foi contador da Rádio Difusora, meu pai uma das vozes mais marcantes da Rádio Bandeirantes – Celso Guisard Faria – eu cresci nos corredores da antiga Rua Radiantes 13, vendo verdadeiras lendas do rádio brasileiro. O meio rádio já estava no meu sangue.

Após 16 anos trabalhando em agências, decidi migrar minha carreira e me tornar um executivo de veículo e ingressei na RBS. Como Gerente Comercial comercializava oito emissoras Gaúchas e Catarinenses, agora para os meus amigos mídias das agências (kkkk).

Em 2009 fui convidado pelo Mario Baccei VP da Band até hoje, outra pessoa que mudou os rumos da minha carreira, para assumir a gerência comercial da recém-criada Rádio SulAmérica e seis meses depois me promoveu a Diretor Comercial, mas como acontece em todos as empresas, em 2011 a Band fez vários cortes e entrei na lista, não imaginava que uma oportunidade estava nascendo.

Havia acabado de chegar dos Estados Unidos da “Radio Show” em Washington, lá conheci o segmento de rádio estrada. Com quase 40 anos, vontade de empreender, fortes origens no meio rádio e no Vale do Paraíba – situado entre São Paulo e Rio – nasceu a SP/Rio FM.

O primeiro ano foi extremamente difícil, comecei alugando um prefixo, pensei em desistir várias vezes, mas aí minha vivência na indústria da publicidade me ajudou, alguns meses após o lançamento da SP/Rio FM, trouxe a bandeira Conectcar do Grupo Ipiranga para patrocinar o projeto.

A emissora passou a se chamar Conectcar SP/Rio FM. Neste momento meus 20 anos de mercado valeram muito, as histórias do Seu Altino de Barros da McCann (recém-falecido), as inúmeras conversas com Luiz Lara e a oportunidade dada por Mario Baccei, me trouxeram até aqui.

O patrocínio permaneceu na operação por 5 anos até o Itaú assumir a gestão da marca em 2017, o que nos ajudou a manter e consolidar a operação nos anos de recessão. Em poucos meses completaremos sete anos de vida, com a saída da ConectCar eu e meus sócios da Rede DS desde 2012, decidimos não procurar um novo “naming”, por entender que a nossa marca tem enorme potencial para um voo solo.

Publicitando – O meio rádio está enfrentando dificuldades junto a anunciantes e agências?

Mauricio – Esta como todos, mas ao mesmo tempo é o que mais se reinventou.

Veja a repercussão dos excelentes programas de rádio, eles fazem parte das nossas rodas de conversa.

As convicções do Reinaldo Azevedo na Band News, o comentário do Villa na JP, as brigas do Datena na Rádio Bandeirantes, a entrevista do João Dória para Renata Lo Prete na CBN ou as alfinetadas do Paulo Skaf nos Tucanos na Rádio SP/Rio, e sabe o que é o mais legal? Estamos seguindo o conteúdo do rádio nas mídias sociais, no app e também no dial obviamente.

Nós, gestores de rádio, se entendermos como rentabilizar todas estas plataformas no nosso negócio, nunca deixaremos de ter nossos anunciantes e de estar na estratégia e no radar das agências.

Publicitando – Como você vê o futuro do rádio em nossa região?

Mauricio – Meu pensamento é bem claro neste sentido.

O Eixo SP/Rio, Alto Tietê, Vale do Paraíba e Vale Histórico, está separado em dois segmentos únicos, a rádio jovem não existe mais.

De um lado, a enorme maioria que escolheu a audiência popular, essas emissoras irão se matar eternamente pela audiência, promoções, shows, música, música e música.

Do outro, as rádios formadoras de opinião, a grande minoria, que buscam a audiência qualificada e querem prestar um bom serviço. Falando particularmente da SP/Rio é a nossa escolha há quase sete anos, nunca mudamos nossa linha editorial, nem o nosso posicionamento “A rádio que viaja com você”.

Para quem não pode ouvir

O drops do Publicitando

Como publicado aqui na segunda feira, o Publicitando passou a ter um drops dentro do novíssimo Panorama, programa da Rádio Unitau (FM, 107,7 mhz). O Panorama vai ao ar de segunda a sexta feira das 14h00 às 16h00.

O drops do Publicitando será inserido no programa toda terça. E caso você não tenha conseguido ouvir ao vivo pela rádio, aqui vai o link para você conferir o conteúdo:

 

Agência quer contratar para a área de mídia

Vaga para atuar em Mídia

A Verge busca profissional para atuar em seu setor de mídia.

Descrição da vaga

Principais Responsabilidades

– Desenvolvimento de estratégia, planejamento e execução de mídia off-line;

– Avaliar projetos e campanhas, incluindo análise de resultados;

– Ter bom relacionamento com os veículos e seus formatos de veiculação;

– Apresentar propostas, supervisionar os orçamentos e fornecer cronogramas e escopo;

– Acompanhar processos de faturamento de ponta a ponta;

Requisitos

– Residir no Vale do Paraíba;

– Experiência mínima de 02 anos na área de Mídia, atuando na compra e execução de campanhas de mídia off-line;

– Ter relacionamento com os veículos regionais.

Perfil do Candidato

– Ser organizado e capaz de construir projetos diferenciados aos clientes, buscando sempre os melhores resultados com a verba existente.;

– Ser estratégico, com capacidade de escolher os melhores caminhos da comunicação;

– Ser antenado as novas soluções de mídia.

Enviar seu portfólio com pretensão salarial para contato@verge.com.br

Comgás lança “Eu encanei”

“Eu Encanei”: em nova campanha, Comgás se apropria da categoria de gás natural encanado

Iniciativa tem como objetivo descolar a marca dos concorrentes da categoria de gás de botijão

A Comgás (Companhia de Gás de São Paulo) lança hoje sua campanha de marca assinada pela Bullet. Com o desafio de destacar a categoria de gás natural encanado, a campanha traz o mote “Eu Encanei”, apresentando pessoas que encanaram e mudaram o cotidiano de suas vidas pra melhor.

“É possível, por exemplo, ‘encanar’ com mais conforto e transformar o aquecimento do chuveiro; ou ‘encanar’ com mais praticidade e transformar o churrasco. Da mesma forma, as pessoas podem ‘encanar’ com uma situação profissional melhor, se preparar e buscar um novo emprego”, exemplifica a Head de Marketing da Comgás, Milena Brito.

Outro objetivo da campanha é valorizar os benefícios do gás natural encanado, como praticidade, conforto, lazer e eficiência, ressaltando todas as melhorias que as soluções da Comgás podem proporcionar no cotidiano das pessoas, em suas residências, comércios, veículos e até mesmo na indústria.

Estratégia

O plano de mídia da campanha 2018 contempla uma estratégia 360º, com foco no ambiente digital. Os dois principais filmes, cada um com 30 segundos, serão exibidos na internet. Há também versões de 15 e 6 segundos que enfatizam como cada segmento pode tirar proveito da melhoria proporcionada pelo gás natural encanado, destacando aplicações como churrasqueira, aquecimento para piscina e aquecedor para chuveiro, além, é claro, do fogão.

A estratégia de comunicação conta com ferramentas de geolocalização para segmentar perfil de público e área de atuação, com o objetivo de garantir menos dispersão da mensagem e levar conhecimento sobre o gás natural encanado e o seu poder de transformação para potenciais consumidores.

A ação também contempla spots de rádio, materiais Out Of Home, mídia programática, search, redes sociais e ações de branded content. Para isso, serão produzidos conteúdos exclusivos em um canal da marca dentro do portal de notícias UOL, que terá a participação de transformadores da vida real que serão apresentados por dois embaixadores: o chef do restaurante Mocotó, Rodrigo Oliveira, e o arquiteto e apresentador do Decora, do GNT, Maurício Arruda. A campanha contará também com investimento em patrocínios e eventos de gastronomia e arquitetura – os dois principais territórios a serem explorados pela Comgás, buscando democratizar esses temas e tornar a marca ainda mais próxima do consumidor.

“Nos preocupamos em passar a mensagem de forma clara, brincando com essa ambiguidade de “encanar”, ou seja, colocar uma ideia fixa na cabeça, fazer acontecer, e instalar o gás natural encanado, mostrando que Comgás realmente não é só gás”, comenta o Diretor Geral de Criação e Planejamento da Bullet, César Leite.

Ficha Técnica

Agência: Bullet
Cliente: Comgás

Título: Eu Encanei
Criação: Mentor Neto, Cesar Leite, Rubens Casanova, Alê Palermo, Leo Russo, Cristiano Santos e Flavio Carvalho
Planejamento: Cesar Leite, Janaína Navarrette e Vinicius Medeiros
Atendimento: Fernando Figueiredo, Eduardo Andrade, Stenio Moura e Amanda Borklian
Mídia: Franciane Cravo

Produção Agência: Neila Ceródio, Renata Montoro e Pablo Reato
Produtora: Trator Filmes

Produção Executiva: Gabriela Lemos e Armando Ruivo

Coordenadores de Produção: Kiko Ribeiro e Eduardo Saraiva

Direção de Cena: Will Mazzola

Direcão de Fotografia: Alberto La Salvia

Direção de Produção: Eduardo Saraiva e Eduardo Miranda

Diretor de Arte de Cena: Joaquin Corsiglia

Gerente de Projeto: Renata Prado

Assistente de Atendimento: Bruna Chamlian

Montagem: Matheus Akkari

Finalização: Trator Filmes
Produtora de Áudio: Lua Nova

Fotógrafo: Chico Audi

Aprovação cliente: Milena Brito e Luiza Carvalho

Fonte: Alameda Comunicação – Laís Reis

Mestra abre vaga para mídia digital

Vaga para Analista de Mídia Digital

REQUISITOS
• Experiência em agência de publicidade na função de mídia online
• Conhecimento do pacote office, principalmente Excel e PowerPoint
• Conhecimento e dominio Google AdWords – Search, Vídeo, Display, Google Analytics e Facebook Ads
• Conhecimento de Remarketing
Conhecimento em ferramentas de teste A/B e otimização de bid
• Saber interpretar e analisar dados de mídia para construção de relatórios
• Domínio do processo de parametrização e codificação de URLs
• Domínio do processo de execução de mídia – pedido de produção, especificações, pedido de inserção, controle financeiro

Características fundamentais:
• Boa escrita;
• Análise crítica;
• Organização;
• Dinamismo e Criatividade;
• Ser heavy user de mídias sociais;
• Paixão por Marketing Digital.

BENEFÍCIOS
• Vale-transporte
• Vale-refeição
• Convenio Odontológico e Médico

Envie seu curriculum para temosvagas@mestracomunicacao.com.br

Coluna “Discutindo a relação…”

As duas faces da moeda

Desta vez quero abordar um assunto que é controverso. E sobre o qual nem mesmo eu tenho um ponto de vista ou uma opinião definitiva.

Quero falar do modelo de agências de propaganda no Brasil no que se refere especificamente à manutenção, nas estruturas destas agências, do departamento de mídia.

Sim, pois não sei se todos sabem, mas o Brasil é um dos poucos países do mundo em que a mídia continua sendo uma área dentro da estrutura da agência de propaganda. Na maioria esmagadora dos países a mídia tornou-se empresa apartada, externa, especializada e independente.

Por aqui isso não ocorreu e não ocorre.

E por que a questão é difícil? Vamos lá!

Nos países em que a mídia deixou de ser um departamento ou área da agência houve a percepção – há umas três décadas – de que essa era uma área ténica, sofisticada e estratégica demais para permanecer apenas como mais um “pedaço” da estrutura maior. A evolução e o desenvolvimento da área de mídia acabou por levá-la para fora da agência. Surgiram empresas especializadas em planejamneto, estratégia e tática de mídia. Então, a partir do momento da cisão, o anunciante contratava planejamento de campanhas e criação em uma agência de propaganda e planejamento e estratégia de mídia em outra.

Parte importante desta saída da mídia de dentro da estrutura das agências se deve ao fato de que nos principais mercados de propaganda não ser tão fundamental (ou nem acontecer) o comissionamento pela compra de mídia.

Houve muita confusão conceitual, pois também mais ou menos na mesma época surgiram empresas especializadas apenas na compra de mídia. Ficaram conhecidas como “brokers”. Elas compravam espaços nas mais diferentes mídias em grande quantidade e negociando altos descontos e depois revendiam estes mesmos espaços para anunciantes e até mesmo para agências de propaganda. Foram danosas em muitos mercados. A Argentina, aqui em nossa região, é um exemplo de como as empresas que compravam mídia poderiam ser prejudiciais ao cenário de comunicação. O mercado de agências de propaganda quase foi extinto no nosso vizinho.

Aqui no Brasil a mídia segue até hoje sendo parte da estrutura das agências. Uma das principais razões para não termos acompanhado a mudança quase global é que aqui o comissionamento, o desconto concedido às agências de propaganda seguiu e segue existindo. E mais do que isso: segue sendo a maior forma de remuneração das agências brasileiras.

Tão pesada e importante é a comissão paga pelos veículos de comunicação às agências que muitas delas cobravam muito pouco ou, em casos mais radicais, nada pelos outros serviços – planejamento e criação, principalmente.

O fato é que hoje vemos muitas agências, redes e holdings multinacionais elogiando a decisão brasileira e pensando em rever a mudança de mais ou menos três décadas e… trazer a mídia de volta para casa. Os que defendem essa decisão dizem que o modelo brasileiro faz com que haja maior interação e envolvimento nas decisões estratégicas para os anunciantes. E isso é fato!

Fato também é que, infelizmente, ganhar pela compra de mídia fez com que as agências nacionais deixassem de saber cobrar por serviços pra lá de importantes. Conheci inúmeras casos de agências que abriam mão totalmente de cobrar pela criação para ter clientes, faturando apenas com o comissionamento. Daí minha indecisão a respeito do tema.

Por um lado é claro que ter o departamento de mídia integrado ao planejamento e à criação, principalmente, faz grande diferença em favor dos clientes. Por outro lado esse modelo existe muito em função de um certo “vício” pela receita da compra de mídia. Já faz muito, muito tempo que a figura de agenciar compra de espaços em veículos deixou de ser aquela que melhor representa e traduz o papel de uma agência de propaganda.

E mais! Em muitos aspectos pode significar certa distorção, uma vez que sabemos, embora muitos neguem até a morte, que coisas como BV e fome por gordas receitas pode levar a decisões não tão técnicas na hora de utilizar veículos em prol de uma anunciante.

Fica o impasse. Eu tendo a achar que há mais vantagens no modelo brasileiro. E que se as agências deixarem de ser dependentes da remuneração do agenciamento e passarem a cobrar melhor por outros serviços a coisa fica toda melhor resolvida. As chamadas agências digitais estão aí para provar que é possível e viável atuar de modo sustentável e rentável no mercado de comunicação sem ganhar comissionamento.

Revlon lança campanha LIVE BOLDLY

Ashley Graham, Adwoa Aboah, Imaan Hammam e Raquel Zimmermann são as novas embaixadoras globais da marca

Nesta semana a Revlon lançou sua campanha Live Boldly em Nova York e apresentou quatro novas embaixadoras globais, que se unem à atriz icônica Gal Gadot. Ashley Graham, Adwoa Aboah, Imaan Hammam e Raquel Zimmermann foram escolhidas para representar a nova campanha, porque elas são a expressão do que é “viver corajosamente”.

Como modelo e advogada, Graham tem usado sua fama e voz para desafiar percepções convencionais e inspirar as mulheres. Seu otimismo, sua compaixão e sua força tem modificado a perspectiva da indústria ao criar uma definição mais inclusiva de beleza.

“Estou emocionada por fazer parte desta oportuna e inovadora campanha, com diferentes tipos de mulheres, de todas as raças, idades e medidas, e influenciar esta plataforma a continuar a criar mudanças positivas”, disse Graham. “Viver corajosamente é o mantra da minha vida. Todo dia, em frente ao espelho, eu digo para mim mesma, ‘Eu sou corajosa, eu sou brilhante’, e junto com a Revlon, posso inspirar todas as mulheres a fazerem o mesmo.”

Aboah, Hammam e Zimmermann são inspirações por mérito próprio e exemplificam muitas características-chave da campanha Live Boldly. Aboah foi recentemente nomeada a modelo do ano e fundou a Gurls Talk, uma comunidade online dedicada a fornecer para garotas uma ferramenta para compartilhar suas histórias, empoderando-as por meio de uma comunidade mais ampla. Como uma modelo afro, Hammam foi agraciada com inúmeras capas de revista e desfiles de moda, e a ambientalista Zimmermann, descoberta aos 14 anos, foi nomeada pela VOGUE Paris uma das 30 top modelos dos anos 2000.

“Revlon nos deu uma plataforma que nos permite ser acessíveis a todos os tipos de mulheres”, disse Aboah. “Para mim, viver corajosamente significa ser desencana, viver sem limites, ser vulnerável, forte, autêntica com você mesma.”

A plataforma multimídia Live Boldly impulsiona interações sociais, digitais e pessoais para engajar, dar suporte e empoderar as mulheres por meio do desenvolvimento da comunidade, de experiências dinâmicas e conversas inspiradoras.

Fonte: Tacla Consultoria de Comunicação – Camila Hirano