Criador do Photoshop no Brasil

Adobe e MIS trazem criador do Photoshop para exposição de fotografias no Brasil

Lançamento da exposição é neste sábado (05/08), com painel que terá a participação de Thomas Knoll para debater a fotografia, digitalização e edição de imagens

Há mais de 27 anos, Thomas Knoll, junto com o irmão John, uniam duas de suas principais paixões – a fotografia e a programação em computadores – para criar uma ferramenta capaz de realizar ajustes em imagens. Mal sabiam eles que estavam desenvolvendo o principal software de edição de imagens do mundo – o Adobe Photoshop. Para celebrar tantos anos de sucesso desde a criação dos irmãos Knoll, o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS), Instituição da Secretaria de Estado da Cultura, em parceria com a Adobe, realiza entre os dias 5 a 20 de agosto, a exposição fotográfica “Infinitude” – uma coletânea de imagens de diversas viagens pelo mundo registradas por Thomas Knoll, que visita o Brasil para o dia da abertura da exposição.

O lançamento ocorre neste sábado (05/08), a partir das 17h00, com programação especial e entrada gratuita (sujeito à lotação). Thomas Knoll estará presente no MIS para um painel em que debaterá fotografia, digitalização e edição de imagens, seguido de um coquetel de abertura. Os ingressos para o público podem ser retirados na recepção do MIS uma hora antes do início do painel, que tem início programado para as 18h00.

Infinitude

“Infinitude” propõe um passeio criativo pelas imagens de Thomas Knoll, que desde garoto é um amante da fotografia. “No meu aniversário de 11 anos, meu pai me deu minha primeira câmera e criamos um laboratório analógico no nosso porão, onde ele me ensinou a revelar filmes e fazer impressões em preto e branco. Passei muitas horas tirando fotos e mais horas ainda trabalhando dentro do laboratório”, relembra Thomas.

Na exposição, o visitante poderá conhecer 12 imagens, 4 delas reproduzidas em um cubo retroiluminado. Dentre as fotografias em destaque estão vistas das Montanhas Amarelas, na China, e do Deserto de White Sands, nos EUA.

Nascimento do Photoshop

Sobre a criação do Photoshop, Knoll conta como foi essa união de dois hobbies – fotografia e programação – e o nascimento da ferramenta. “Estava fazendo um doutorado no campo da visão computacional, que é o processo de ensinar um computador a enxergar como um humano. O primeiro passo em muitos algoritmos da visão computacional é o processamento de imagem. Meu irmão John também estava começando a pesquisar esse assunto, então coloquei meus algoritmos em um aplicativo e dei a ele uma cópia”.

Após ajustes para entrar com o Photoshop no mercado (inicialmente com o nome ImagePro), veio a parceria com a Adobe e o lançamento do Photoshop 1.0, na época exclusivamente para Macintosh. Knoll afirma que com a comercialização e sucesso do software, ficou totalmente focado no desenvolvimento da ferramenta durante 12 anos. “Até que em 2002 comprei minha primeira câmera digital de alta qualidade. As câmeras digitais me fizeram redescobrir meu amor pela fotografia. Desde então, fiz diversas viagens a lugares longínquos ao redor do mundo, registrando algumas das fotos que agora estão nessa exposição”.

Como o primeiro engenheiro do desenvolvimento do Adobe Photoshop, Thomas Knoll colaborou com a codificação de seis versões do famoso software. Depois disso, colaborou com a Adobe no desenvolvimento do Adobe Color Engine para um gerenciamento de cores mais consistente no Photoshop e criou a tecnologia Adobe Camera Raw. Ele também é o criador do formato de arquivo Digital Negative (DNG) que resolveu o problema crítico de diferentes formatos exclusivos proprietários dos fabricantes de câmeras. Em 2012, Thomas Knoll passou a integrar a seleta comunidade de consultores executivos da Adobe, ajudando a definir estrategicamente o roteiro de produtos da empresa para imagens digitais e explorando fluxos de trabalho alternativos e novas interações com os serviços e dispositivos da Adobe Creative Cloud.

Serviço

Exposição Infinitude, por Thomas Knoll
Data 05 a 20 de agosto de 2018
Horário 11h às 20h (terça a sexta-feira/permanência até às 21h); 10h às 21h (sábados/ permanência até às 22h); e 10h às 19h (domingos e feriados/ permanência até às 20h). A bilheteria abre uma hora antes da visitação
Local Espaço Expositivo 2º andar
Ingressos R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia]. Terças-feiras gratuitas. O acesso à exposição Infinitude se dá pela exposição Steve Jobs – O Visionário

Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18
Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

MIS receberá exposição de Steve Jobs

Steve Jobs, o visionário chega em 15 de junho ao MIS, em São Paulo
Mostra sobre a vida e obra de um dos maiores gênios do século XX fica na cidade até 20 de agosto

Homem que impactou o mundo com sua personalidade e capacidade de inovação, Steve Jobs é o tema da exposição Steve Jobs, o visionário, que abre ao público de São Paulo a partir do dia 15 de junho, no Museu da Imagem e do Som (MIS), instituição da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. A mostra do gênio americano permanece no Museu até o dia 20 de agosto, com apresentação do Ministério da Cultura e Bradesco.

Cartaz Oficial – Exposição “Steve Jobs, O Visionário”, entre os dias 15 de junho e 20 de junho, no MIS, em São Paulo.
Crédito: Photo by Albert Watson

Na exposição, o público tem acesso ao rico universo de Steve Jobs. São fotos, objetos pessoais, filmes, reportagens e produtos históricos que mostram a forma como pensava e criava uma das maiores personalidades do século XX. Steve Jobs, o visionário conta ainda com patrocínio da Cielo e apoio da Superga. A realização é da agência ítalo-brasileira FullBrand e co-realização do Museu da Imagem e do Som.

“Steve Jobs é uma grande inspiração para as nossas criações. Ele buscava sempre apresentar tecnologias inovadoras através de uma interface fácil para o usuário, porém, sua visão de mercado sempre estava atrelada não apenas a forma de consumo, mas principalmente ao conteúdo de alta qualidade e criatividade enaltecido através da tecnologia. Somos grandes fãs e admiradores tanto que resolvemos montar esta exposição inédita em sua homenagem”, explica Marco Guidone, presidente da FullBrand Brasil. “Sua personalidade e carreira impactaram o mundo. Steve Jobs abriu portas para uma revolução digital, personificando e unindo elementos como mobilidade, design e tecnologia. Buscamos em nossos projetos essa mesma interação para nossos clientes, com o objetivo de conquistar o público e mercado“, complementa Eduardo Sallouti, sócio da empresa.

“Steve Jobs defendeu a ideia de que pequenos gestos mudam o mundo. Espero que essa exposição traga um pouco dessa essência e inspire o público do MIS”, revela Isa Castro, diretora artística e de programação do MIS.

O Bradesco é um dos principais viabilizadores do projeto no país e, para Márcio Parizotto, diretor de Marketing do Banco, é extremamente importante inserir o Brasil na rota de exposições de relevância internacional. “Steve Jobs é um case de inovação e empreendedorismo que impactou o mundo com suas criações. Trazer essa exposição ao Brasil cumpre o nosso papel de fomento e democratização da cultura e do conhecimento”, avalia.

Sobre a exposição

Em Steve Jobs, o visionário, um percurso estruturado por células narrativas – Espiritualidade, Inovação, Competição, Fracasso, Negócios e Sonho – concebido pelo escritório Migliore + Servetto Architects traz uma experiência rica e profunda do universo de Jobs. Nela, o público terá acesso a 209 itens entre fotos, reportagens, objetos pessoais, filmes e produtos históricos que mostram a forma como o empresário pensava e criava.

Macintosh – Uma das peças expostas em “Steve Jobs, O Visionário”, entre os dias 15 de junho e 20 de agosto, no MIS, em São Paulo

Uma das facetas mais emblemáticas de Steve Jobs é sua espiritualidade. Na célula dedicada ao tema, a primeira da exposição, o público encontra itens ligados à sua relação com o budismo além de uma videoinstalação que ilustra a escolha pelo nome Apple.

“Só há verdadeira inovação, quando a tecnologia é acessível a todos”. Essa frase de Jobs inspira a coleção disponível na célula Inovação que exibe importantes produtos desenvolvidos por ele e que foram saltos evolutivos na tecnologia de informação. Centenas de pequenas e grandes inovações foram criadas por ele. Nesta seção, o público tem acesso a ícones como o Apple II, o Macintosh, iMac, e a primeira geração do iPod, IPhone e iPad, entre outros.

A exposição tem continuidade na célula Competição, outra característica marcante de Steve Jobs, na qual são destacados os embates com IBM e Bill Gates, entre outros. Em Fracasso, o público conhece a peça mais rara da exposição: o Apple 1, fabricado em 1976, que foi adquirido em um leilão da Christie’s por U$ 213,6 mil, em novembro de 2010, por Marco Boglione, fundador e presidente do Grupo BasicNet, multinacional italiana proprietárias de numerosas marcas de roupa e acessórios para esporte e tempo livre, entre as quais Superga, Kappa, Robe di Kappa e K-Way. Hoje, o computador já triplicou de valor. Outro destaque nesse tema é o Lisa, que, lançado em 1983, foi o primeiro computador pessoal a ter um mouse e uma interface gráfica – mas foi considerado como um dos maiores fracassos da Apple.

Já em Negócios, o público pode ver produtos revolucionários e que foram sucesso de vendas criados por Steve Jobs, como o MacBook, diversas gerações do iPod, o MacBook Pró e a Apple TV. Ao término da exposição, a célula Sonho apresenta parte do trabalho da Pixar (comprada por Jobs em 1986) com a exibição de 20 curtas desenvolvidos pelo estúdio, além de trechos de consagrados longas-metragens e peças de acervo.

O público verá ainda uma sala dedicada às imagens de autoria de Jean Pigozzi, francês radicado em Nova York, fotógrafo de confiança de Steve Jobs. Por mais de trinta anos, ele acompanhou Jobs em seus momentos mais íntimos e conseguiu captar a essência desse homem multifacetado. Dormindo, conversando, brincando com os amigos. São imagens inéditas de Jobs em sua vida cotidiana.

A exposição foi totalmente idealizada pela FullBrand, que reuniu um time de qualidade, dividido em conteúdo (Cecília Botta e Massimo Temporelli), cenografia (Ico Migliore), tecnologia (Giuseppe Accardi) e parte criativa da divulgação (Silvano Guidone & Associati). A inspiração surgiu a partir de uma mostra sobre o criador da Apple realizada na Itália, porém, o formato implantado no Brasil é totalmente original. Antes de São Paulo, a exposição passou pelo Rio de Janeiro, onde ficou em cartaz no Píer Mauá.

“Mais de 40 anos após o lançamento de seu primeiro produto, podemos dizer o que o Steve Jobs imaginou e desenvolveu foi uma revolução cultural surpreendente, causando impacto direto e mudanças em atividades humanas como economia, criatividade, informação, mobilidade e entretenimento”, explica a curadora Cecilia Botta, acrescentando o que pensa ser o verdadeiro exemplo deixado pelo gênio. “Este homem mostrou ao mundo que você precisa ser criativo, apaixonado e que você deve colocar toda a sua energia em suas ideias e projetos, mesmo quando as chances de sucesso não são tão altas”.

Aplicativo meCult

Na entrada da exposição, o público pode fazer o download do aplicativo gratuito meCult, desenvolvido pela Fullbrand. O aplicativo, que usa a tecnologia Beacon, funciona como portal para acessar os conteúdos extras da mostra, e também como áudio guia e mapa das atrações. O app pode ser usado pelo público logo no início da exposição, na Linha do Tempo. Nela, as datas ativam conteúdos exclusivos de cada período permitindo ter uma visão completa da vida do Steve Jobs e também do contexto histórico da época em que Steve Jobs viveu.

Steve Jobs, o visionário é a primeira exposição a ser hospedada no meCult que, no futuro, poderá conter mais exposições e eventos se tornando ponto de referência no acesso à cultura.

Sobre Steve Jobs

Nascido em 1955 em São Francisco, no Estado da Califórnia (EUA), Steve Jobs foi dado para adoção pelos seus pais, que não tinham condição de criá-lo. Desde jovem demonstrou interesse e habilidade para inovar e, em 1976, fundou a Apple, empresa consagrada seguidas vezes como a mais valiosa do mundo. Jobs revolucionou o universo da tecnologia ao lançar produtos como o Macintosh, o iPod, o iPhone e o iPad. Em 1984, demitiu-se da Apple e fundou a NeXT, companhia especializada em desenvolvimento de softwares. Anos mais tarde, em 1996, a Apple comprou a NeXT e Jobs assumiu o cargo de CEO da gigante da tecnologia, onde permaneceu até 2011, quando renunciou ao cargo em função de um câncer. Morreu ainda em 2011, aos 56 anos, em decorrência da doença.

Steve Jobs, o visionário
Data: 15 de junho a 20 de agosto
Horário: terças a sábados, das 12h às 21h; domingos e feriados, das 11h às 20h
Local: Espaço Expositivo 1º andar e Espaço Redondo
Ingresso: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)
Classificação etária: livre
Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18
Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

Fonte: Textual Comunicação – Eduardo Manães

Share and Enjoy !

0Shares
0 0