Aumento de publicidade online abre espaço para mídia em Apps

Projeções apontam que até 2023 marcas brasileiras vão investir mais verba em formatos digitais

De acordo com um levantamento da PwC, atualmente o investimento feito em publicidade digital no Brasil equivale a aproximadamente 30% do valor total que as empresas empregam na divulgação de suas marcas. A consultoria estima que, em 2023, a fatia do bolo equivalente ao digital deva se igualar às demais mídias. Ou seja: para cada real gasto em publicidade offline¸ outro será investido no digital.

À mesma velocidade, o mercado de aplicativos tem crescido exponencialmente. Apenas no primeiro trimestre de 2020, houve aumento de 30% no número de downloads, comparado ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o último levantamento da Apps Annie, que também demonstrou que apenas em março deste ano, somando as compras em lojas da App Store e da Google App Store houve uma soma de R$123 bilhões, um total de 31 bilhões de dowloads, destes 40% eram jogos.

“O aumento de downloads de apps de jogos é um número muito grande e existem jogos para todas as faixas etárias. Todo mundo precisa se divertir, relaxar, esquecer da rotina por alguns minutos, que na verdade, os dados já nos mostram que não são minutos, são horas, o que, quando encaramos os apps de jogos como uma plataforma de mídia, nos oferece a oportunidade de levar ao encontro do público a mensagem de forma extremamente qualificada”, comenta André Sales, consultor técnico e comercial para América Latina da YZ Media, startup focada em melhorar a performance de aplicativos por meio de campanhas que incentivam o download pelo público.

Quando mídias digitais como anúncios em websites, Google Ads, Facebook Ads, Instagram Ads, entre outras ferramentas começaram a surgir, muitas agências, e por vezes até mesmo clientes, eram resistentes em incluir verbas em campanhas online, mas atualmente lançar uma campanha sem presença digital é inimaginável, pois tudo já é planejado para conquistar seguidores, engajamento, leads, novos clientes, visibilidade e reunir todos os dados em um resultado de mensuração que apenas AI é capaz de oferecer.

Para Sales, o mercado de Mobile Ads está em expansão e oferece inúmeras oportunidades.

“O objetivo é incentivar o usuário não só a fazer download de um novo app, mas também a promover a interação e rentabilização desses apps através de uma compra, cadastro ou de qualquer outra ação que seja objetivo da marca anunciante. Se ele já é usuário de um app, já estamos a meio caminho andado. Usuários de jogos são heavy users de smartphones e estão acostumados a fazer tudo pelo celular, então se a marca precisa melhorar a performance de seus produtos via app, ela deve pensar em estratégias de interagir com seu público também por apps. Existe forma correta, linguagem, abordagem, não deixa de ser publicidade, e também não deixa de ser uma interrupção em meio a um jogo, então tudo tem que ser planejado para oferecer uma experiência interessante para usuário e anunciante, lembrando que precisamos ligar essas duas pontas”, finaliza.

Fonte: Arebo – Paulo Scalabrin

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

WhatsApp cresce 900%

Número de usuários mensais do WhatsApp cresceu 900% nos últimos 7 anos

Manter-se em contato constante com as redes de amizades e de apoio é da vontade de todos, principalmente com a ajuda da tecnologia. Sabendo que o WhatsApp garante tal relação com apenas um clique, o Cuponation, plataforma de descontos online e integrante da alemã Global Savings Group, reuniu informações sobre a mídia social no mundo e também indica o por quê de este ser um dos aplicativos mais usado pelos brasileiros.

Recentemente a plataforma Statista divulgou uma pesquisa realizada entre 2013 e 2020 na qual registra, em milhões, o número de usuários ativos mensalmente no WhatsApp em todo o mundo. Os dados apontam que, desde março deste ano, cerca de dois milhões de indivíduos estão conectados o mês inteiro no App.

Analisando os pulos de crescimento desses números, o Cuponation observou que entre o começo e o fim do estudo o WhatsApp conquistou por volta de 900% de novos usuários mensais, já que em abril de 2013 havia em média 200 milhões de pessoas apenas.

Comparando a informação de 2020 com o penúltimo dado levantado na pesquisa lá em dezembro de 2017, a diferença é menos gritante, mas ainda assim significante: houve um aumento de 98,67% de usuários. Veja a pesquisa completa no infográfico interativo do Cuponation.

Anteriormente, a plataforma de estatísticas já havia produzidos outros dois levantamentos sobre a penetração global de uso ativo das principais redes e as mídias sociais mais populares do mundo, ambas em 2020.

Com semelhanças, nos dois estudos o WhatsApp garantiu o terceiro lugar, ficando atrás do Facebook e do Youtube. Enquanto no primeiro levantamento o assunto penetração mundial do uso regular do aplicativo foi de 48% (ou seja, quase metade do mundo), a segunda proposta aponta que o app conseguiu se posicionar em tal colocação justamente por causa dos dois milhões de usuários ativos que vem mantendo nas últimas semanas.

No Brasil, nem há a necessidade de qualquer comprovação: o Whatsapp é uma das “redes sociais” mais utilizadas pela população. Não porque é possível enviar isso ou aquilo, mas por que é fornecido de forma gratuita no país, já que o sistema de SMS e ligações é pago – ao contrário dos Estados Unidos, por exemplo, em que este sistema é 100% de graça, o que torna o aplicativo quase desconhecido pelos norte americanos.

Fonte: Comuniquese – Giovanna Rebelatto

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Dia do social media: quem é esse profissional e qual a sua importância?

Especialista comenta sobre o trabalho de gestão das redes sociais, comemorado no dia 30 de junho

Você já deve ter ouvido falar em social media. É uma profissão que vai ganhar ainda mais mercado no futuro, mas que já se faz presente e ajuda a manter a comunicação certeira em tempos de crescimento do marketing digital e relacionamentos entre pessoas e empresas via internet. No dia 30 de junho é comemorado o dia desse profissional, constantemente posto à prova para mostrar que o trabalho vai além de ser um usuário assíduo das redes sociais.

Image by Gerd Altmann from Pixabay

O social media é, hoje, alguém capacitado que se especializa em diferentes ferramentas da comunicação digital e trabalha em conjunto com outras áreas da comunicação para fazer a mensagem chegar clara e precisa ao potencial cliente de uma empresa via mídias digitais. Quem explica é a especialista em marketing digital Paula Tebett, defensora da valorização da função que exige estudo em múltiplas competências.

“Não basta apenas a formação em comunicação para saber expressar um posicionamento pelas plataformas digitais. É preciso atualização constante em relação a ferramentas da tecnologia. Também é difícil pensar em conteúdo, estratégias, saber como e onde se marcar posição, os melhores dias de postar, criar anúncios e estar bem informado. Para ser social media precisa entender um pouquinho de tudo, da criação ao tráfego de dados”, afirma Paula. Ela considera ainda que existe algum preconceito sobre o social media, principalmente por falta de conhecimento sobre o que ele é capaz de produzir.

“Ainda há essa relutância, que pode ser percebida, principalmente, por parte das pessoas de gerações mais velhas, muitas delas empresárias que estão presas ao marketing tradicional offline. Mas esses também têm que entender que é um bom investimento ter um social media para cuidar das marcas, e não um gasto”, diz a especialista.

Paula Tebett

Ainda segundo Paula Tebett, o marketing digital é a primeira estratégia de vendas para profissionais de diversos segmentos, o que reforça a tendência e a necessidade de ter gente especializada capaz de anunciar nas redes sociais. No Brasil, a relevância é maior ainda quando se sabe que, em média, os brasileiros já estão usando a internet por quase 9h ao dia, sendo o uso das redes sociais correspondente a quase 5h diárias. Dentre as principais vantagens de se fazer o marketing digital, está a possibilidade de perceber alguns resultados gratuitamente, e, por isso, pensar e adaptar a comunicação estratégica com os potenciais clientes nas redes.

“Em mídias sociais a gente consegue fazer análises e ter métricas de forma mais simples e diretas, como respostas e comentários nos posts, sejam positivos ou negativos, curtidas e salvamento das postagens, além de rastrear cliques. Em mídias tradicionais como o outdoor, rádio e TV não existe isso. Tem como fazer estimativas de alcance, mas não se sabe quem, de fato, gravou a mensagem de uma marca, sem contar que hoje ainda é bastante caro investir em mídias físicas. Na mídia digital dá para atingir objetivos gastando menos”, pontua Paula, que começou a carreira ligada às mídias sociais em um período anterior ao marketing digital. “Eu fazia o marketing com publicações de forma orgânica, usando o Orkut, o MSN, o ICQ. Era muito primitivo, não existia anúncio nem plataformas próprias, mas a internet já indicava um caminho a ser seguido”, lembra Paula, que, atualmente, cria conteúdos para plataformas do Brasil e do exterior, como a MLabs, e cuida digitalmente da marca Insetisan.

Fonte: Goldoni Conecta – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Vaga para designer gráfico

Agência busca novas pessoas pra fazer parte do seu time de criação

Agência que trabalha exclusivamente com projetos de Marketing Digital para área da Saúde: Infoprodutos, Captação de Leads, Gestão de tráfego, Funil de Vendas Online e Mídias Sociais abre vaga

Se você quer uma oportunidade para aprender mais sobre esse universo e tem os requisitos abaixo é só mandar um e-mail com seu currículo para contato@conectamkt.com com o assunto Designer Gráfico.
Vaga para São José dos Campos, confira abaixo os requisitos :
.
Formação:
Superior em áreas Comunicação / Designer Gráfico ou cursando.
.
Requisitos Técnicos:
– Ser fera no pacote Adobe (Photoshop, Illustrator, InDesign);
– Ter noções de edição de vídeos para redes sociais e campanhas online;
– Experiência com Edição de Posts para Mídias Sociais, campanhas patrocinadas para Instagram Ads, Facebook Ads e Google Ads.
– Experiência na criação de logos e identidade visual;
.
Requisitos Pessoais:
– Ser responsável;
– Saber trabalhar em Equipe;
– Cumprir prazos e cronogramas;
– Saber dar e receber feedback;
– Capacidade de transformar conteúdo em peças gráficas e/ou vídeos;
– É mão na massa! Você é responsável por fazer acontecer!
.
Responsabilidades:
– Interface com a equipe de conteúdo para criação das peças para as mídias sociais (Feed, Stories (Enquetes, testes e outros formatos com objetivo de aumentar interações);
– Participar, dar ideias e formatar campanhas patrocinadas no Facebook, Instagram, Linkedin e Google (Rede Display);
– Desenvolver junto com a Equipe de Conteúdo roteiros e scripts para captação de imagens das campanhas (vídeos e fotos).
– Desenvolver Layouts para Landing Pages com objetivo de vendas ou captação de leads;
– Desenvolver materiais gráficos para Funis de Vendas (E-books, infográficos e etc.)

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Facebook anunciou que vai colocar em funcionamento o Reels

“O TikTok entrou de vez no Instagram (?)”

*por Paula Tebett

A nova função lançada pelo Instagram promete fazer o aplicativo ganhar força em uma disputa sobre produção de conteúdo de vídeo com o TikTok. A plataforma do Facebook anunciou que vai colocar em funcionamento nesta quarta-feira, 24 de junho, o Reels, um jeito diferente de criar os vídeos que podem ser compartilhados nos stories e no feed de cada perfil.

O Reels, como é conhecido no exterior, é o antigo Cenas, e vai permitir que o usuário edite os vídeos, insira músicas e salve rascunhos da criação, sendo bem parecido e incorporando algumas ideias do TikTok, da empresa chinesa ByteDance. A preocupação do Facebook, detentora do Instagram, é a forte concorrência dos chineses, que tiveram o aplicativo mais baixado nos últimos meses e bombaram com o crescimento durante a quarentena.

O Instagram já tem algumas estratégias definidas para o Reels. A maneira diferente de gravar e produzir os vídeos pode ser encontrada como uma das diferentes opções ao entrar na tela de criação dos Stories. De lá, é fácil seguir os passos de forma intuitiva e começar a filmar e editar o conteúdo. Mas o ponto central está no espaço dedicado aos vídeos produzidos no formato do Reels. O Instagram vai dar mais destaque a esse tipo de conteúdo na seção “explorar”, onde o usuário pode pesquisar e ver os conteúdos sugeridos pela mídia. Nesta parte o Instagram vai se aproximar do TikTok ao disponibilizar conteúdos que estão em alta, independentemente da escolha do usuário. O Reels também chega nos perfis com ícone de destaque ao lado do ícone do IGTV, tornando o acesso aos conteúdos produzidos bem intuitivo e simplificado.

Toda essa estratégia do Instagram tem ainda outro motivo. O TikTok permite que os seus vídeos sejam compartilhados em mais plataformas, incluindo na rede do Facebook. Quando isso acontece, o Instagram automaticamente diminui o engajamento dos posts vindos com a marca d’água do concorrente, para não dar muita visibilidade à outra mídia. Assim, a adaptação do Cenas no Reels vai dar mais força ao conteúdo nativo do Instagram gerado pela funcionalidade. Para os usuários e influencers no Instagram, será uma boa fonte de crescimento na rede em futuro próximo.

Vale lembrar que o Instagram tem esse perfil de incorporar conceitos dos concorrentes para também crescer. A criação dos stories, que hoje fazem tanto sucesso, foi um dos casos, quando a plataforma se utilizou das ideias do Snapchat, aplicativo que fez sucesso e foi superado no Brasil, por exemplo. O Reels já está disponível em três países, entre eles o Brasil. Os brasileiros são grandes criadores de conteúdo e sempre se adaptaram muito bem às redes que estimulam a produção de vídeos, além, é claro, de constituem um grande mercado para o Instagram. A plataforma também disponibilizou a função Reels na Alemanha e na França.

Parece que o TikTok entrou mesmo no Instagram.

*Paula Tebett é carioca, especialista em marketing digital e empreendedora apaixonada por comunicação. Graduada pela FACHA (jornalismo) e Fundação Getúlio Vargas (marketing). Tem experiência de mais de 10 anos em Marketing e hoje atua como consultora e palestrante, ministrando treinamentos em mídias sociais.

Fonte: Goldoni Conecta – Assessoria de imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Agência disponibiliza vagas

Agência abre diferentes vagas

Agência  abre vagas para diferentes áreas de atuação e com foco no setor imobiliário. Confira:

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Boa gestão de influencers gera grandes resultados

Gestão de campanhas com Influenciadores gera volume de negócios que já atrai gigantes

Por Thiago Cavalcante (*)

Se havia dúvidas sobre o poder de impacto dos influenciadores digitais, o Covid-19 serviu para acabar com elas. Por meio de diversas campanhas realizadas nos primeiros meses deste ano, as chamadas celebridades do mundo virtual ajudaram a convencer pessoas a ficarem em suas casas, usarem máscaras, doar alimentos aos necessitados e uma série de outras iniciativas que garantiram a construção de uma imagem simpática junto aos clientes para várias marcas no período da pandemia.

Image by Markus Winkler from Pixabay

Um indício de como a utilização desta estratégia já foi incorporada definitivamente ao orçamento das agências foi o faturamento alcançado pela startup brasileira Inflr, que superou os R$ 5,4 milhões entre janeiro a abril. A empresa desenvolveu a primeira plataforma que conecta anunciantes a influenciadores dentro de um marketplace onde os anunciantes promovem seus produtos e serviços utilizando a influência dos ‘famosos’ junto a seus seguidores nas redes sociais. Essa receita veio de clientes como Itaú, Droga Raia, Laureate, Porto Seguro, Heineken, GSK, Amstel, entre outros

Pesquisas estimam que a atividade publicitária com influenciadores deve movimentar até US$ 7 bilhões no mundo em 2020 e este montante, como era previsível não passou despercebido pelas gigantes globais da tecnologia.

Desta forma, marcas como Alibabá e Playstation anunciaram recentemente o lançamento de soluções que prometem fomentar ainda mais este setor.

A gigante chinesa acaba de lançar a AliExpress Connect. O objetivo da empresa é criar um serviço no qual pequenas e médias empresas possam contratar influenciadores com apelo comprovado ao seu público-alvo. Dentro do serviço, o influenciador conecta seus perfis em redes nas redes sociais e faz a solicitação para participar das campanhas, que podem variar desde a replicaca de conteúdo, passando pelo uso de hashtags ou geração de conteúdo original. O influenciador é pago de acordo com as vendas geradas por meio da sua divulgação.

Já o PlayStation Brasil lançou a plataforma Jogando na Rede, que possibilita conexão entre a empresa, os criadores de conteúdo e o público final. Os influenciadores precisam fazer as missões, disponibilizadas pela PlayStation Brasil, para ganhar pontos, que podem ser trocados por prêmios exclusivos dentro da própria plataforma.

Estudos recentes mostraram que a maioria dos internautas brasileiros segue personalidades nas redes sociais e até 50% destes seguidores consomem produtos indicados pelas novas vozes da era digital. Mas, apesar de toda a efervescência em torno de seus nomes e atitudes, é ainda preciso profissionalizar este mercado formado por influenciadores de diversos nichos e alcances. Isto porque os profissionais de marketing se deparam com muitas dúvidas no momento de tomar uma decisão sobre este tipo de estratégia. Qual é o melhor nome? Qual o real nível de engajamento dele ou dela junto aos seus seguidores? E é aí que a tecnologia preenche a lacuna.

O algoritmo criado pela Inflr, por exemplo, calcula o valor de influência do post baseado no real engajamento promovido pelo influenciador. A ferramenta gera um índice de qualidade que considera vários quesitos, mas principalmente o engajamento do post. Para que a análise seja precisa, o algoritmo é integrado em diversas API’s de machine learning, o que gera um score e, posteriormente, o valor do post.

mage by Gerd Altmann from Pixabay

Desta forma a startup consegue entender, por exemplo, porque duas pessoas com 500 mil seguidores podem entregar resultados bastante diferentes e, portanto, cobrar mais ou menos pelo serviço.

Outros avanços podem ser vistos na possibilidade de fazer campanhas de remarketing e inclusive multissegmentar essa entrega por: idade, sexo, geolocalização, comportamento de compra etc.

Dessa forma, é possível concentrar em um único lugar tanto um repositório de influenciadores (divididos por diversos nichos) como uma central que pode ser usada por empresas de diversos tamanhos para impulsionar vendas.

E este é só o início.

Pelo que parece, a consolidação deste novo mercado para os influenciadores só depende de que eles se mantenham relevantes para os seus respectivos públicos. Isto feito, a tecnologia fará todo o resto para que eles influenciem cada vez mais e melhor, trazendo os resultados que o mercado publicitário tanto espera.

* Thiago Cavalcante é diretor de novos negócios da Inflr

Fonte: Compliance Comunicação – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Facebook mostra força no Brasil

Brasil ocupa 4º lugar do ranking de audiência do Facebook na quarentena

As mídias sociais são sistemas de grande distrações online para quem as usa, principalmente neste momento de isolamento social. Sabendo que o Facebook é uma das redes favoritas do brasileiro, o Cuponation, plataforma de descontos online e componente da alemã Global Savings Group, compilou dados sobre seu público no Brasil e no mundo.

De acordo com o levantamento da plataforma Statista, o Brasil aparece no ranking dos 20 países com a maior audiência de usuários no Facebook durante o mês de abril. Com cerca de 120 milhões de pessoas acessando a rede social diariamente durante a quarentena, nosso país está na quarta posição da lista.

Dentre as demais posições do ranking, a nação que ocupa o primeiro lugar é a Índia – que pertence ao continente asiático e possui a marca de segundo país mais populoso do mundo – totalizando a audiência de 280 milhões de indianos na mídia social no mesmo mês.

O país que se posiciona em segundo lugar é o Estados Unidos, maior potência mundial, com 190 milhões de usuários ativos no Facebook. Em contrapartida, o território que ocupa a último posição – o estudo leva em conta 20 países participantes da pesquisa – é Myanmar, com média de 23 milhões de pessoas utilizando a rede.

O Cuponation analisou um segundo estudo do Statista e foi registrado que o Facebook, dentre as 15 mídias apontadas, foi a rede social mais popular no mês de abril, com 2.498 milhões de indivíduos ativos no dia a dia. Veja os dois rankings divulgados no infográfico interativo do Cuponation.

Os aplicativos que estão em segundo e terceiro lugar são Youtube e Whatsapp, ambos com 2 milhões de acessos. O Pinterest está em último lugar da lista em questão, com apenas 366 milhões de usuários diários.

Fonte: Comuniquese – Giovanna Rebelatto

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Artigo trata de lives e o que é fundamental para fazê-las

 As lives estão em alta e você precisa saber o fundamental

por Paula Tebett*

As lives são uma ferramenta criada por diversas redes sociais com o objetivo de permitir que pessoas realizem transmissões ao vivo a seus seguidores. Um jeito de compartilhar conhecimento com a audiência e ao mesmo tempo interagir em tempo real. Por esse motivo, muita gente tem receio de apostar na ferramenta, seja por possuir algum bloqueio ou mesmo não saber por onde começar. Ter em mente com clareza que, na live, o conteúdo vai prevalecer, pode ser um excelente ponto de partida e ajudar a desapegar de pormenores que travam quem está transmitindo.

Paula Tebett

Aqui você confere seis dicas para falar sobre seu conteúdo de forma eficiente para a sua audiência e superar de vez o medo de transmissões ao vivo.

1 – Lembre-se: não é sobre você

Realmente não é fácil olhar para a câmera ou um celular e achar que tem gente naquela bolinha. Mas só dá para se soltar com a prática. Então, para isso, é preciso começar.

Não esqueça que o seu conteúdo não é sobre você, então não se preocupe com a aparência ou com o que os outros vão pensar. Você tem algo que ninguém possui: a sua identidade, o seu jeito. E muitas das pessoas vão se conectar com isso, com a sua maneira de transmitir informações e não com a do outro.

2 – Encontre um tema relevante e prepare um roteiro

Antes de mais nada, é necessário escolher sobre o que você quer falar. Para encontrar um tema relevante para a sua live, você pode pesquisar nos comentários dos seus posts, nos seus seguidores em suas redes sociais e até em grupos do seu segmento, quais são as dúvidas que precisam ser respondidas. Entenda as questões mais frequentes e elabore um conteúdo de valor em cima delas.

Após escolher o tema, é necessário que você desenvolva um roteiro para a sua live, para que você não se perca no meio dela. Organize seu roteiro em tópicos, sendo estes os assuntos-chave a serem abordados na transmissão. Durante a sua live, você pode consultar estes pontos importantes para que você não se esqueça de nenhum tópico e desenvolva o assunto por inteiro.

3 – Divulgue as suas lives e mantenha uma frequência

Com tema escolhido e roteiro organizado, é hora de trabalhar na divulgação da sua live. A divulgação é um processo importante para que sua audiência saiba que você está entrando ao vivo em um dia e horário específico e possa te assistir. Por isso, invista um tempo na criação de uma arte bacana, que tenha informações sobre o tema a ser abordado, a data e o horário em que a live será realizada.

Use suas redes sociais como veículo de divulgação, pois lá é onde os seus seguidores te encontram. É válido também manter uma frequência em relação a data e horário das suas lives. Escolha um dia e um horário da semana para realizar as suas transmissões, assim a sua audiência entende que você estará frequentemente transmitindo conteúdo de valor.

4 – Iluminação, boa internet, ação!

Para transmitir aos seus espectadores uma sensação de profissionalismo e conseguir desenvolver neles um sentimento de empatia, uma boa iluminação e uma boa internet são aliados valiosos. É importante estar em um local bem iluminado e apresentável durante as suas transmissões para que sua audiência te enxergue com clareza. Uma boa internet evita inconvenientes como queda de conexão, que, geralmente, atrapalham o desenvolvimento das ideias durante a live.

Entretanto, não se desespere se a sua conexão cair, afinal, dependemos de outros meios e é uma situação comum de acontecer. Se você precisar utilizar a sua internet móvel ou estiver em um local em que você sabe que a conexão não é tão boa, não deixe de informar aos seus espectadores e explicar a situação. O uso de fones é recomendado, pois muitos deles também funcionam como um microfone, evitam ecos inconvenientes e melhoram o seu áudio.

5 – Não se preocupe com o número de espectadores

Não se desespere se, em um primeiro momento, não houver muitos espectadores. É normal acontecer, pois nesse momento sua audiência ainda está entrando para te assistir.

Em várias plataformas, como o Instagram, por exemplo, é possível deixar a live no seu perfil para que ela seja vista posteriormente por outras pessoas. Portanto, use esses segundos iniciais para falar com aqueles que verão a reprise da sua live, cumprimente-os e introduza o assunto que você falou, mesmo que teoricamente ainda não tenha falado, afinal, você está destinando esses segundos iniciais àqueles que irão ver o reprise da sua transmissão.

Quando as pessoas começarem a entrar na sua live, durante esses trinta segundos, gradativamente cumprimente-as. Após isso, comece a explicar o conteúdo que você vai abordar independentemente do número de espectadores.

6 – Interaja com a sua audiência

Nas lives, a audiência tem a oportunidade de interagir com você, pois eles podem enviar comentários enquanto a transmissão é realizada. Logo, seus espectadores podem fazer perguntas acerca do assunto que você está abordando. Então não se atenha completamente ao seu roteiro. Não tem problema responder as perguntas da sua audiência conforme a demanda e a possibilidade.

Também é possível, para aumentar o alcance, realizar transmissões em várias mídias sociais ao mesmo tempo. Só é necessário que você tenha mais de um dispositivo filmando o momento e transmitindo-o para qualquer rede social!

Mas o que fazer se o medo da câmera ainda persistir? Você pode começar fazendo o que nós chamamos de live collab, uma transmissão ao vivo em parceria com outra pessoa. Então, se você possui um bloqueio, que tal convidar alguém para entrevistar? Você realiza as perguntas e o seu convidado as responde. Além de ser simples, seu convidado faz uma participação especial e contribui para o seu perfil, gerando, na sua audiência, curiosidade e relacionamento.

Considerações

As lives são uma ferramenta importante e essencial para o seu negócio ou marca: elas aumentam o engajamento do seu perfil e o seu alcance. São uma plataforma em que você pode compartilhar seu conhecimento com a sua audiência e gerar interação em tempo real. Portanto, supere o seu bloqueio, coloque em prática essas dicas valiosas e comece já a produzir a sua primeira live!

*Paula Tebett é especialista em mídias sociais e marketing digital

Fonte: Goldoni Conecta – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0

Estágio em mídias sociais

Vaga para Estágio em Social Media em Taubaté

É fundamental que o profissional tenha habilidade em produção de texto e que tenha habilidade para produção de conteúdos gráficos.

  • Especificar características acima no CV
  • Residir em Taubaté-SP
  • Enviar portfólio

Envie seu CV para: camila.ribeiro@interfira.com.br

Share and Enjoy !

0Shares
0 0 0