Artigo aborda geração de valor via tecnologia e inovação

Como enxergar se a Inovação e Tecnologia estão gerando valor ao negócio?*

A transformação digital é um processo que as empresas estão enfrentando há algum tempo. As principais mudanças já estão sendo notadas, como: a proximidade com os clientes em busca de uma vivência sob sua ótica, melhoria nos processos operacionais para integração das áreas e novos formatos de modelos de negócios para a oferta de produtos e serviços inovadores.

É visível também que há um grande investimento em Internet das Coisas (Iot), ou seja, equipamentos e objetos físicos que possuem tecnologia embarcada com sensores e conectados na Internet. Imagine que você não precise ir ao supermercado fazer suas compras e que a sua geladeira identifique os produtos que faltam e os solicite automaticamente a uma rede de supermercados. Ou então, a possibilidade de ler notícias em seu microondas e automóveis, que estacionem sozinhos.

Fabio Correa, consultor de Vendas da MC1 Win The Market

Essas parecem cenas de um filme dos anos 80, mas muitas dessas tecnologias já estão sendo testadas e, em breve, estarão no mercado. Com certeza, isso trará muita agilidade para o nosso cotidiano já que não gastaremos tempo com atividades tão manuais.

Diante desse cenário, em que tudo muda de forma rápida e intensa, é preciso que as empresas estejam preparadas para melhor atender às necessidades de seus clientes de uma forma eficiente.

Para isso, é importante criar áreas de inovação e pesquisa para prever e antecipar solução para as necessidades. Um exemplo disso é a empresa Uber, criada em uma tarde de neve em Paris em 2008, quando Travis Kalanick e Garrett Camp sofriam com dificuldades em pegar um táxi. Então, eles tiveram uma ideia: chamar um carro pelo celular apertando apenas um botão.

Isso demonstra que o mercado exige transformação constante das empresas e se elas não inovarem o concorrente será mais rápido e o fará. Sendo assim, elas correm o risco de perder vendas e, consequentemente, market share. Por isso, acompanhamos o crescimento e destaque das chamadas startups, microempresas conhecidas pela agilidade, inovação e soluções a baixo custo.

Diante disso, vemos cada vez mais companhias investindo em uma cultura criativa, por meio de campanhas de incentivo para novas ideias e ambientes corporativos descontraídos com games e atividades lúdicas. Com a meta de continuarem sólidas e na vanguarda.

Outro exemplo do que é ser inovador é atender um pedido rapidamente e mostrar o trânsito de mercadorias em tempo real. São criações assim que agregam valor para toda a cadeia, desde a indústria até ao usuário final. As empresas que se diferenciam ganham vantagens como satisfação do cliente, melhoria no modelo de negócio, oferta de novos produtos e serviços, contribuindo para mudanças na vida de seus consumidores.

Só nos resta acompanhar e participar ativamente dessa transformação, seja como empresa ou como consumidor.

*Fabio Correa – consultor de Vendas da MC1 Win The Market – Multinacional brasileira com foco em processos de inteligência de negócios utilizando soluções tecnológicas de mobilidade. Presente em mais de 21 países com soluções de gestão de equipes de campo para Vendas, Merchandising e Utilities. Mais informações no site: www.mc1.com.br

Fonte: Conecte – Eliane Tanaka

A mais importante das datas comemorativas

Natal, o recorde de vendas em datas comemorativas

O que significa Natal para a maioria das pessoas? Comemorado em diversos países mundo afora, o dia 25 de dezembro pode ser associado aos mais variados significados, quando questionamos pessoas de diferentes culturas, hábitos e religiões.

Um teste simples, para identificar as principais associações feitas às comemorações de Natal, pode ser feito em um rápido passeio pelo escritório e uma breve conversa com seus colegas de trabalho. Certamente, as respostas serão diferentes umas das outras e poderão ter um viés mais pragmático do que sugerem as histórias narradas sobre o tema. Fizemos essa experiência entre os membros de nosso escritório. Pedimos que todos citassem as três primeiras coisas relacionadas ao Natal que lhes viessem à cabeça. “Comida” foi um das respostas mais comuns, mas isso já era esperado. Outro aspecto recorrente foi o tema “presentes/compras”. Como resultado, sete em cada dez pessoas incluíram em suas respostas algo relacionado ao consumo.

A partir desse simples experimento e levando em consideração toda mobilização do mercado para as vendas nessa época do ano, subjetividades à parte, sabemos que é disso que se trata o Natal: comprar e presentear.

O movimento gerado pela compra de presentes pode ser observado claramente na dinâmica de vendas das lojas que utilizam a plataformas como o Mercado Livre nos últimos anos. A ocorrência da Black Friday, associada ao início das vendas para o Natal, contribuem para que novembro aponte um pico nas vendas, que se sustenta nas primeiras semanas de dezembro, fazendo com que a compra de presentes para o Natal nesses dois meses seja o equivalente ao dobro, ou até ao triplo, de vendas em um mês comum para muitos.

Segundo a Real Trends, uma ferramenta que brinda as informações certas e em tempo real para quem opera com e-commerce, no ano de 2016, os segmentos mais procurados em lojas online para os presentes natalinos, foram: celulares e telefones, moda, beleza e cuidado pessoal e eletrônicos, somando 65% das opções disponíveis. O total de vendas para o Natal atingiu o valor de 262.000.000 reais.

Javier Goilenberg, CEO e Co-fundador da plataforma salienta que “há um aumento significativo das transações e vendas efetuadas via mobile, o que pode ser apontado como tendência real de mercado e enfatiza a relevância de ter um site responsivo para celulares e tablets”.

Em fim do ano é natural que o mercado aqueça ainda mais, mesmo em anos de crise econômica. Esse pico de vendas, apesar de desejado, pode também sobrecarregar os servidores e promover falhas em seu site, caso não sejam tomadas as devidas precauções. A velocidade de carregamento da página afeta sua taxa de conversão e até mesmo o SEO.

Também nesta época, tendo em vista o aumento das ofertas em diversos canais, os potenciais clientes se convertem em comparadores seriais de preços. Será um outro grande desafio para os vendedores converter esses consumidores em vendas concretas.

“Com ferramentas como a nossa, os lojistas do Mercado Livre podem conhecer tudo sobre a concorrência. Segui-los em tempo real, saber tudo o que fazem, e atuar mais rápido. Conhecer quando mudam os preços e até quando criam novas publicações. Só no Natal de 2016 foram geridas quase dois milhões de perguntas com o apoio da Real Trends”, assinala Goilenberg.

Em razão do aumento da demanda, outro erro de logística muito comum é o não cumprimento dos prazos de entrega dos produtos. Como bom lojista, deve se planejar com antecedência e tomar as medidas necessárias para não frustrar o cliente; ainda mais nessa época do ano, onde os sentimentos ficam à flor da pele e entrega antes do dia 25/12 é fundamental.

A primeira coisa a fazer é ter certeza de que sua loja tem estrutura suficiente para atender a todos os clientes. Outra bem importante é caprichar no seu marketing. Para chamar a atenção das pessoas para sua loja, você pode fazer um post especial no seu blog, chamadas e concursos nas redes sociais, enviar campanhas de e-mail marketing e investir em anúncios pagos no Google AdWords, ou Facebook Ads. As possibilidades são infinitas! Só tome cuidado para não bombardear o cliente de informações e esquecer do principal: converter vendas.

“O e-commerce é uma atividade que veio para ficar. É uma excelente porta para quem deseja entrar no mundo do empreendedorismo, ser seu próprio chefe, conquistar a independência financeira e deixar sua marca no mundo”, conclui Goilenberg .

Provavelmente, você já deve estar convencido da evolução do comércio eletrônico nos últimos anos e que 2018 promete grande crescimento. O que acha de começar o próximo ano dando um grande salto neste Natal?

Fonte: Partner Press&PR – Daniel Salman

“Casa do Papai Noel” e “Árvore de natal” no centro de Taubaté

ACIT traz espírito natalino para centro de Taubaté em homenagem aos 372 anos da cidade

Em homenagem ao aniversário de Taubaté e em comemoração à data festiva do Natal, a Associação Comercial e Industrial de Taubaté, com a intenção de incentivar o comércio local, trouxe para a Praça Dom Epaminondas a “Casa do Papai Noel” e a “Árvore de natal”.

A Casa irá funcionar no antigo prédio de controle da segurança municipal, próximo à banca de jornais e revistas, e estará aberta até o dia 23 de dezembro, das 13h às 22h. No local, as pessoas podem visitar e tirar fotos com o Papai Noel. A realização é da ACIT, com apoio da Prefeitura Municipal de Taubaté. Para que fosse possível realizar essa atração, a Associação teve como patrocinador master o banco SICREDI, e ainda contou com a parceria e patrocínio da Lojas Teddy, Fashion Vale Outlet, Meyre Kajita Arquiteta&Interiores, Depósito Casa Nova e Baltazar Bananas.

Já a Árvore de Natal está bem próxima da Igreja Catedral de São Francisco das Chagas, e estará em exposição até o dia 24 de dezembro. Para a montagem, a ACIT contou também com apoio da Prefeitura e patrocínio do Colégio Idesa, Only Entretenimentos, Ana Luisa Patrick Arquitetura, Taubafer Ferro e Aço e Ambienttá – Móveis e Decoração.

E para completar as atrações, a ACIT ainda oferece passeios de trenzinho pelas ruas da cidade. Para ter direito ao passeio, os consumidores devem trocar os cupons promocionais, que ganham ao realizar compras nas lojas participantes da promoção, pelo ticket de acesso na Casa do Papai Noel, onde é realizado o embarque e desembarque. O trem percorre o seguinte trajeto: início na Praça Dom Epaminondas, seguindo pela Rua Dr. Pedro Costa, Praça Santa Terezinha, Rua 4 de Março, Av. 9 de Julho, Rua Conselheiro Moreira de Barros, Rua XV de Novembro, Rua Jacques Felix, Rua Juca Esteves, Av. Desembargador Paulo de Oliveira Costa, Rua São José, Rua Sacramento, encerrando na Praça Dom Epaminondas.

O horário de funcionamento do trem será até o dia 19 de dezembro, de segunda à sexta-feira das 13h às 21h, a aos sábados e domingos das 09h às 13h.

Todos os horários podem sofrer mudanças de acordo com horário de funcionamento do comércio a região central da cidade.

Todas essas ações somam-se à promoção “Super Compras – Natal”, dentro da campanha TAubateAMO, em que serão sorteados 17 cartões presentes em três datas diferentes, sendo:
– Dia 08 de dezembro (sexta-feira): 10 cartões no valor de R$ 1.000,00 cada e 10 vendedores contemplados com cartão de R$ 300,00 cada.
– Dia 15 de dezembro (sexta-feira): 5 cartões no valor de R$ 2.000,00 cada e 5 vendedores contemplados com cartão de R$ 500,00 cada
– Dia 20 de dezembro (quarta-feira): 2 cartões no valor de R$ 5.000,00 cada e 2 vendedores contemplados com cartão de R$ 1.000,00 cada.

Para participar, o consumidor que realizar suas compras no valor mínimo de R$ 50 nas lojas participantes do fundo promocional, ganha um cupom que deve ser preenchido completamente e depositado em uma das dezenas de urnas que podem ser encontradas nas empresas participantes da campanha ou na Casa do Papai Noel ACIT. Importante ressaltar que os consumidores que ao longo do ano participaram das promoções anteriores (dia das mães, namorados, pais e crianças) também participam da grande campanha do natal e tem uma segunda chance de concorrer.

Fonte:Acontece Comunicação e Eventos

Em 2017, a Black Friday gerou um aumento de 135% no volume de visitas ao varejo físico em todo o Brasil

Estudo feito pela In Loco mostra que a Black Friday deste ano também se consolidou no varejo físico

As pessoas saíram muito mais às ruas na última Black Friday. Na sexta (24), o volume total de visitas aos locais mapeados pela In Loco foi 135% maior do que a média dos dias comuns do mês de novembro de 2017. O dado indica que o dia de promoções trazido ao Brasil pelo varejo online superou as fronteiras do e-commerce e se consolidou também no mundo físico.

Os locais com maior destaque no aumento do fluxo de visitas foram os locais da categoria livraria (+159%) e lojas de eletrônicos (+148%). A elevação das visitas no mundo físico conversa com picos de crescimento de até 32% na busca na web** pelos principais produtos relacionados a estas categorias de locais (livrarias, comércios de smartphones e tablets). “O aumento do fluxo de visitas registrado pela In Loco demonstra que o brasileiro está aderindo a Black Friday do varejo físico”, revela André Ferraz, CEO e cofundador da In Loco.

Já os shoppings e lojas de departamento tiveram, respectivamente, aumento de 119% e 77% no fluxo de visitas, indicando que o consumidor, além de buscar promoções específicas, também saiu em busca de oportunidades de compra em ambientes mais abrangentes.


As compras não planejadas da categoria supermercado ganharam espaço: durante a Black Friday, foi registrado um aumento de 39% no fluxo de visitas em relação ao mesmo período do mês no restante do ano. É interessante observar que a data foi capaz de aquecer as vendas da categoria mesmo no final do mês (dia 24/11), período que costuma ter um volume de vendas mais baixo em supermercados e mercearias.

O brasileiro também aproveitou a data para avaliar produtos de maior complexidade, seja comprando ou pesquisando: concessionárias e lojas de carros seminovos registraram 26% mais fluxo de visitantes que num dia comum.

Um dado surpreendente foi o crescimento de visitas em farmácias e drogarias: +140% visitas na Black Friday, impulsionado pela tendência de compras de conveniência que inclui itens de higiene, perfumaria e cosméticos nesse tipo de estabelecimento.

Fonte: GrupoCASA – Yonara Santana/Vanessa Mayumi/Nathalia Crivellaro

Feira de livros agita shopping

Feira do Livro acontece no Via Vale
Durante os meses de dezembro e janeiro, os apaixonados por literatura contarão com mais de 9 mil títulos, com preços a partir de R$5,00

Um lugar que está reunindo mais de 9 mil livros, além de muita cultura e entretenimento. Assim está sendo a Feira do Livro Cosmos, instalada no Via Vale Garden Shopping, em Taubaté. O evento conta mais livros para o público infantil, infanto-juvenil e adulto, com preços a partir de R$5,00.

A feira, que fica no shopping até o dia 30 de janeiro, trouxe para Taubaté desde os clássicos da literatura infantil, como livros lúdicos de dinossauros, mágica, atividades e interativos com fantoches, até romances e poesias para os adultos.

“Procuramos sempre trazer novas experiências para os nossos clientes. Pensando em quem é apaixonado por leitura, estamos com esse evento especial, com mais de 9 mil títulos disponíveis para todas as idades”, ressalta Bruna Marcon, responsável pelo Marketing do Via Vale Garden Shopping.

Serviço:
Feira do Livro Cosmos – Via Vale Garden Shopping
Data: Dezembro/2017 a Janeiro/2018
Horário: No horário de funcionamento do shopping
Local: Via Vale Garden Shopping, Av. Dom Pedro I, 7181 – São Gonçalo, Taubaté – SP

Concurso de Presépios

Via Vale Garden Shopping realiza 2º Concurso de Presépios do Vale do Paraíba
Clientes podem conferir as melhores produções de presépios artesanais. O ganhador do concurso será decidido por voto popular

Não há como não se encantar com a beleza e os ricos detalhes dos presépios de Natal. Para quem gosta deste tipo de arte, o Via Vale recebe a partir do dia 01/12, a exposição dos melhores presépios do 2º Concurso de Presépios do Vale do Paraíba.

A iniciativa do Via Vale em parceria com a Associação Artística Cultural Oswaldo Goeldi e com Ametista Eventos, vem da ideia de promover a preservação da confecção artística de presépios, que são verdadeiras obras de arte. Ao todo, 15 obras já passaram por uma seleção do júri técnico e seguem em exposição até o dia 08/01/2018, para o voto popular que decidirá o ganhador do concurso.

Para votar basta ir até a loja solidária de artesanato onde se encontra a urna de votação, ou acessando o site www.artesanatobrasil.org.br para voto online. Todos os votos válidos computados serão divulgados no dia 08 de janeiro, com premiação de R$800,00 para o primeiro colocado. Todas as pessoas que votarem concorrerão a um presépio exposto e o resultado do vencedor sairá no mesmo dia do anúncio do ganhador do concurso.

E-commerce brasileiro triplicou o número de transações durante a Black Friday

Comparativo entre Black Friday e semana anterior foi a maior de sete mercados mundiais

Dados exclusivos da Adyen, fintech responsável por processar os pagamentos de alguns dos maiores e-commerces do país, como Netshoes, Dafiti e Amaro, mostram que o Brasil ficou novamente em destaque global na Black Friday. Durante o dia 24 de novembro, o volume de transações do e-commerce brasileiro na plataforma da Adyen triplicou em relação ao volume apresentado na sexta-feira anterior (17/11).

Esta é a maior taxa de aumento em comparação com sete grandes mercados onde a Adyen atua, incluindo EUA, que no mesmo período viu um aumento de 2,3x; a Grã-Bretanha, com 1,9x; Alemanha com 1,7x, e França (1,5x). Esse número também supera o crescimento de 2016, quando o volume de transações em comparação à semana anterior à Black Friday cresceu 2.5 vezes.

O levantamento mostra também que o consumidor brasileiro foi o que mais investiu nas compras, com um ticket médio 1,8 vezes maior em relação à sexta-feira anterior. Nos outros mercados avaliados, esse crescimento também ocorreu, mas ficou entre 1,1 e 1,3 vezes maior. “Este número pode indicar uma tendência do brasileiro a aguardar a Black Friday para investir em produtos de ticket médio mais alto, como dispositivos eletrônicos. Além disso, como os descontos são expressivos nas lojas online, o consumidor também acaba aumentando o número de itens que coloca em seu carrinho em comparação a uma data regular do varejo”, diz o vice-presidente Sênior da Adyen para a América Latina, Jean Mies.

Um grande facilitador dessa adesão à Black Friday é a forma como os e-commerces investem na experiência de compras, que precisa ser rápida, eficiente e com tecnologia robusta, capaz de lidar com altos picos no volume de acessos e transações. Essa experiência inclui o processo de pagamentos, que precisa inovar a cada ano para atender às necessidades de segurança, mobilidade e personalização do consumidor. Novas tecnologias anunciadas este ano no Brasil, como Pagar com Google, Account Updater e pagamento em débito sem autenticação, são alguns exemplos de como a tecnologia de pagamentos está facilitando a vida de quem faz compras online – e a Adyen foi a primeira a oferecer estes serviços aos e-commerces do país.

Fonte: Smart PR – Rodrigo Sérvulo

O desafio de expandir as oportunidades de negócio dentro da base de clientes

Entenda o papel das equipes comerciais na era do Customer Success e veja três dicas para ampliar relações com uma carteira de consumidores

*Por Régis Lima

O que é mais difícil: conquistar novos clientes ou expandir a venda de produtos e serviços a partir de uma base de clientes fiel? A grande verdade é que estamos tratando de dois desafios diferentes e igualmente importantes para uma equipe comercial.

Todavia, embora ambas questões sejam fundamentais para o fortalecimento de um negócio, o fato é que, muitas empresas investem um capital considerável em treinamentos e capacitação para a conquista de mercado, mas não trabalham de modo eficiente com aqueles que, por já nutrirem uma relação com a marca, podem apresentar maior abertura para novas ofertas comerciais.

Esta, aliás, tornou-se uma problemática especialmente relevante em tempos de economia de recorrência e Customer Success: hoje, não basta mais vender um determinado serviço e contar com um bom suporte ou SAC. Os clientes querem mais. Eles desejam travar relações com empresas que entendam seu perfil, necessidades e sejam capazes de investir em suas experiências de consumo.

Este plus, essa capacidade de enxergar além e favorecer o sucesso contínuo de meu cliente pode, sim, ser conduzido ou contar com o auxílio de uma equipe comercial qualificada. Pensemos, por exemplo, em uma companhia que faz uso de um ERP que, por sua vez, é fornecido por uma consultoria que também disponibiliza para o mercado soluções de Compliance.

Neste cenário, um time de vendas mais afiado pode muito bem ser capaz de identificar novas necessidades por parte da empresa-cliente e ofertar o serviço de Compliance como forma de tornar mais segura as operações do contratante. Para tanto, será necessária uma comunicação muito próxima entre equipes de atendimento (identificação do problema) e comerciais (oferta da solução), agentes indispensáveis em um time de Customer Success.

Tal exemplo serve para demonstrar que não só é possível, como também é recomendável, ir além na relação com uma base fiel de clientes, posto que tal atitude demonstra que seu negócio está alinhado com o objetivo de fortalecer sua comunicação com os consumidores e ampliar seus níveis de satisfação.

Dito isso, gostaria de listar três estratégias eficientes para que você gere oportunidades de negócio dentro de sua carteira de clientes. Confira:

01. Transforme o Customer Success em um dos principais pilares do seu negócio

Para que você consiga, de fato, gerar novos negócios a partir de sua base de clientes, o Customer Sucess não só deve fazer parte de seu negócio, ele precisa ser um dos principais centros motores da empresa. Unindo esforços de especialistas em marketing, vendas, atendimento e análise de mercado, será possível criar estratégias para ofertar serviços complementares, premium ou adicionais, de acordo com as necessidades de um determinado grupo de clientes.

02. Abra espaço para a inovação

Mentes criativas e inovadoras devem fazer de seu negócio pois elas é que serão as principais responsáveis pela criação de novos produtos e serviços capazes de encantar seus clientes e convencê-los a expandir a relação deles com sua empresa. Além disso, colaboradores com espírito inovador tem maior potencial para desenvolver estratégias e insights para atrair, ainda mais, sua base de clientes em novas ações comerciais.

03. Entenda, surpreenda e crie experiências significativas

Por fim, o consumidor busca experiências de consumo significativas e surpresas positivas são sempre bem-vindas nesta relação. Para tanto, você precisará investir todo o tempo que for necessário na compreensão e entendimento das demandas de seus clientes. Do contrário, como poderá suprir tais necessidades com produtos ou serviços adicionais? Esteja atento, cultive relações sólidas, saiba ouvir e tenha em mente que seu sucesso é fruto do sucesso de seus clientes.

*Régis Lima tem mais de 16 anos de experiência em Gestão de Equipes e atuação em cargos executivos de empresas nacionais e multinacionais do mercado de TI. Atualmente é diretor executivo na Lumen IT, sendo responsável pelas áreas comercial, financeira e de marketing da empresa.

Fonte: Assessoria de imprensa Lumen IT/IDEIACOMM – Ana Beatriz Felicio

Aplicativos para fidelizar o consumidor

Pesquisa indica que marcas devem usar aplicativos para fidelizar consumidor

Os hábitos e preferências do brasileiro no uso de aplicativos de marcas foram avaliadas em pesquisa inédita, realizada pela TopperMinds e a MindMiners, que traçou o perfil do relacionamento do público com apps, entendeu quais as propostas de valor que justificam o download, as principais vantagens percebidas pelo consumidor e as oportunidades de funcionalidades dos aplicativos. A pesquisa comprova que as marcas precisam investir melhor nos aplicativos, não apenas enriquecendo-os com conteúdo, mas principalmente gerando utilidade real no dia a dia do usuário, para gerar fidelidade e vendas.

Participaram da pesquisa 1.000 brasileiros, 50% de homens e 50% de mulheres, de todas faixas etárias acima de 18 anos, das classes ABC das cinco regiões brasileiras. Os objetivos do estudo “Uso de aplicativos: pesquisa inédita revela hábitos e preferências dos brasileiros” foram compreender a motivação de uso, se consumidores pagariam por downloads, quais aplicativos são mais úteis, quais os app “queridinhos” e identificar o comportamento de compra por esse canal.

A principal conclusão é que o brasileiro está aberto para pagar por aplicativos que tenham utilidade, que ofereça benefícios reais, facilitem o dia a dia ou proporcione entretenimento, mas as marcas não entenderam como explorar tantos recursos tecnológicos e seus canais de venda.

“Agora está sacramentado: o único fator decisor para o consumidor manter o aplicativo da sua marca instalado no seu aparelho móvel é utilidade. A pesquisa realizada pela TopperMinds em parceria com a MindMiners evidencia, ainda mais, a importância da “transformação cultural e digital” que as marcas precisam atravessar para entender realmente a nova jornada de compra do seu público alvo. Apenas replicar conteúdo e funcionalidades do desktop no mobile é pura perda de tempo, é essencial entregar valor por meio de muita utilidade, com ainda mais facilidade e relevância do que os demais ambientes da marca, para se tornar parte do dia a dia do usuário ou seremos todos, pouco a pouco, deletados.”, explica Fabrizzio Topper, diretor executivo da TopperMinds.

Quem consome pelo app, prefere a praticidade de poder comprar em qualquer hora e lugar, pela rapidez do processo e vantagens de algumas lojas como desconto exclusivo ou frete grátis, por exemplo.

A pesquisa foi dividida em três partes: uso de smartphones, uso de aplicativos e experiência de compra.

Sobre o uso de smartphone, 90% usam sistema operacional android e 58% utilizam há mais de cinco anos. A maioria já baixou ou instalou aplicativo, sendo que jogos e redes sociais são os mais baixados, além dos apps úteis como de bancos e transporte, mas 59% nunca pagou para instalar aplicativo.

Entre as pessoas que baixam aplicativos: 78% usam aplicativo gratuito por serem mais atrativos, 83% priorizam os que auxiliam nas atividades pessoais, 60% porque recebem vantagens e ofertas, mas só 36% compram por aplicativo. A surpresa fica para os 57% de usuários dispostos a pagar pelo aplicativo se perceber que será útil.

Os estímulos para uso de aplicativo se baseiam em: facilidade de comunicação (41%), ajudam nas tarefas práticas do dia a dia (22%) e alternativa para diversão e entretenimento (22%).

Enquanto 72% já compraram pelo aplicativo, principalmente moda, eletrônicos, celular e livros; tem consumidor usando app dentro da loja física para obter benefícios, sendo que 77% garantem que usaram para obter desconto. Por ser um ativo ao consumidor, 71% estão dispostos a pagar por um aplicativo (de R$ 1,00 a mais de R$ 10,00), desde que perceba valor e utilidade.

A grande vantagem da loja física ainda é poder levar o produto para cada na hora. Site e apps ganham pela praticidade. Em pergunta aberta, o Mercado Livre foi indicado, espontaneamente, como o app de compras favorito de 20% dos entrevistados.

“As compras pelo celular também se tornam cada vez mais comuns. Dentre aqueles que nunca vivenciaram a experiência, a maior justificativa é a falta de oportunidade. As marcas parecem ainda não ter entendido como explorar tantos recursos tecnológicos dentro de seus canais de venda. Vantagens e descontos exclusivos são vistos com bons olhos pelos entrevistados e um grande estímulo para o download de um app”, explica Danielle Almeida, diretora da MindMiners.

Sobre MindMiners – empresa de tecnologia especializada em soluções digitais de pesquisa. Com plataformas exclusivas e a curadoria de uma equipe altamente experiente, entrega inteligência de marketing com agilidade, transparência e qualidade de forma acessível a todos os perfis de clientes. https://mindminers.com/

Sobre TopperMinds – Consultoria de modelagem de negócios digitais com foco em planejamento, gestão e transformação digital dos diversos tipos de negócios: industria, varejo, distribuidores e também startups. http://topperminds.com/

Fonte: Vera Moreira – Assessora de Imprensa/Fabrizzio Topper – TopperMinds e Danielle Almeida – MindMiners

Comércio de São José está otimista com o Natal

Inflação controlada, queda na taxa de juros e retomada do emprego prometem aquecer setor, aponta nova pesquisa ACI-Unitau

Uma boa notícia: apesar de cautelosos, os comerciantes de São José dos Campos estão otimistas para o Natal deste ano.

Esse é o cenário que aponta nova rodada de pesquisas feita pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos em parceria com a Universidade de Taubaté, por meio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação). Realizado entre os dias 7 e 9 de novembro, o levantamento ouviu 249 comerciantes no Calçadão da Rua 7, rua 15 de Novembro e nos shoppings Vale Sul e CenterVale. O nível de confiança da amostra é de 95% e a margem de erro é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos.

“Esse Natal vai ser embalado pela recuperação lenta, mas gradual da economia, com inflação dentro da meta, redução de juros e retomada do nível de emprego. Tudo isso, somado ao projeto “Natal Iluminado”, com a retomada da decoração natalina nas ruas e praças do centro da cidade, favorece o comércio” – disse o presidente da ACI de São José dos Campos, Humberto Dutra.

Nesse cenário, 40,2% dos entrevistados acreditam que as vendas para o Natal desse ano serão maiores que em 2016, contra 26,9% que esperam que o movimento fique no mesmo patamar e 16,1% que prevêem redução nas vendas. Os setores mais otimistas são viagem e turismo, cosméticos e perfumaria, tecidos e armarinhos, roupas e acessórios, além de drogarias.

Para a maioria do setor, o tíquete médio desembolsado pelo consumidor vai atingir até R$ 150. Esse patamar é citado por 52,2% dos entrevistados.

Sobre o desempenho da economia do país, o empresário do comércio está cauteloso. A expectativa da grande maioria (58,6%) é que o ritmo de crescimento da economia se mantenha igual para os próximos meses. Outros 32,9% acreditam em aumento do ritmo contra 3,6% que acreditam em uma retração.

Emprego

A pesquisa ACI-Unitau aponta ainda que 63,9% dos lojistas pretendem contratar funcionários temporários para o Natal. O número médio de contratações por loja deve girar de um a três funcionários. E os setores que mais devem contratar são os de drogarias, eletroeletrônicos, alimentação, calçados, bolsas e acessórios, jóias e bijuterias, cosméticos e perfumaria, além de roupas e acessórios.

Transformar a vaga temporária em vaga efetiva, no entanto, não vai ser fácil no comércio de São José dos Campos.

Dos 249 lojistas ouvidos na pesquisa ACI-Unitau, apenas 13,3% planejam aumentar o ritmo de contratações em sua empresa nos próximos três meses, contra 79,1% que planejam manter o quadro atual e 5,6% que admitem reduzir o quadro de pessoal. A maioria dos estabelecimentos pesquisados é formado por microempresas, que empregam, atualmente, até 9 funcionários.

Fonte: Matéria Consultoria e Mídia – Nathália Barcellos