Um papo bom com o Alexandre

De volta com as entrevistas

Após um longo tempo sem conseguir realizar entrevistas – a correria diária nos priva de algumas boas coisas, as vezes – o Publicitando volta ao formato.

E desta vez batemos um ótimo papo com o Alexandre Lemes. Ele é formado em publicidade e propaganda pela Unitau na turma de 2004. Fez graduação em 2012 e rodou um tempo pelo mercado de Sampa. Agora é Diretor de Criação na Verge.

Confira a entrevisa:

1 – Você esteve um bom tempo no mercado de S.Paulo e resolveu voltar ao Vale do Paraíba. Como foi sua carreira na capital?

Foram oito anos trabalhando em São Paulo. Logo que saí de Taubaté tive uma passagem rápida pela FAV Ogilvy, agência especializada no mercado imobiliário, onde participei do desenvolvimento de campanhas para empresas como Lopes e Rossi a nível nacional.

Após essa experiência, trabalhei três anos na agência interna da Artefacto Móveis, onde desenvolvi campanhas para a marca a nível internacional, materiais de comunicação, anúncios e revistas, além do desenvolvimento e gestão dos sites e portal da marca. Foi um momento muito inspirador para minha carreira, pois tive contato com grandes players do mercado, entre veículos e anunciantes, além de profissionais com larga experiência em direção de arte, fotografia, tratamento de imagem e eventos.

Em busca de novos desafios entrei para a equipe de Tecnologias Aplicadas à Educação do Senac São Paulo, o TAE, na função de designer multimídia. Foram cinco anos e durante esse período trabalhei no desenvolvimento dos cursos EAD. Foi um mergulho no desenvolvimento multimídia para a área de educação incluindo a produção de vídeos em estúdio, edição, design de interface, design da experiência do usuário, acessibilidade, branding, design de produto e business intelligence.

Além das experiências de trabalho fixo, também desenvolvi trabalhos como freelancer incluindo o desenvolvimento de campanhas, identidades visuais, catálogos, interfaces, apresentações e publicações impressas.

Em julho de 2018, aceitei a proposta de entrar para a equipe de criação da Verge, em Taubaté, como diretor de criação.

2 – Você voltou para uma agência regional em uma posição de liderança criativa. Quais têm sido os principais desafios?

Fui contratado pela Verge em um momento de expansão da agência com o objetivo de organizar e implementar técnicas de processos e projetos na criação, além de estruturar os cargos e salários da equipe.

Meu principal desafio tem sido criar uma mentalidade interna de gestão, através da captação e análise de dados do ínício ao fim do processo, para toda a agência. Isso implica em uma mudança de metodologias, além de crenças e valores.

Um outro fator que tem se mostrado como um desafio é a expansão da equipe de criação. Tenho tido dificuldades na captação de profissionais qualificados para atender contas de grandes players nacionais e multinacionais. A formação de um bom banco de talentos tem exigido olhares para outras cidades do Vale e região.

Um dos trabalhos do portfólio do Alexandre: Outdoor para Persiana & Cia

3 – Em um mundo repleto de formatos criativos novos e plataformas que mudam o tempo todo como fazer para continuar sendo relevante?

A comunicação de mão única perdeu sua eficiência e deu lugar à experiência, e a tecnologia é o meio pelo qual essa experiência acontece. Isso pode ser percebido através da crescente importância que as empresas estão dando para o design centrado no usuário. Técnicas como storytelling, user experience, arquitetura da informação, design thinking e afins, são cada vez mais presentes nos processos de desenvolvimento de produtos e na divulgação dos mesmos.
Portanto, para ser relevante, a empresa ou produto precisa criar uma relação de empatia com seu consumidor e saber coordenar, de forma eficiente, os formatos e plataformas disponíveis a favor dessa empatia. Hoje, não basta entender o público-alvo. É preciso vivê-lo.

Três passos para as empresas engajarem o público certo e venderem mais na internet

Especialista em audiência na internet, Samuel Pereira explica como atrair a atenção do público mesmo com a avalanche de informações

Existe uma forma totalmente nova de se comunicar com a audiência através da internet. Segundo o especialista Samuel Pereira, autor do livro “Atenção: o Maior Ativo do Mundo” e criador do Segredos da Audiência, maior evento de tráfego e audiência da América Latina, a forma como as pessoas lidam com a propaganda mudou. “Elas preferem ir atrás da informação quando precisam dela, em vez de serem interrompidas por propagandas que não pediram para ver”, alerta.

Samuel Pereira

Para ajudar os empreendedores e profissionais responsáveis por marcas e empresas a compreenderem como captar a atenção do público e transforma-lo em cliente, Samuel desenvolveu o conceito de Jornada do Engajamento, este material está presente em seu livro que já chegou à lisa dos mais vendidos. “Os três passos da jornada do engajamento ajudam a construir uma trilha com muito mais chances de fazer a audiência estar com você a escolher contratar seus produtos ou serviços”, completa Samuel, que destaca a importância de conquistar o interesse das pessoas com algo de valor em vez de apenas interromper o conteúdo que estão consumindo. “A ideia é que as marcas e empresas não tenham que correr atrás do cliente, mas sejam encontradas quando ele precisar do seu serviço”, completa, antes de listar os passos.

1- Atração do interesse:

O primeiro passo é definir o público-alvo e se tornar um verdadeiro especialista em interpretar suas dores e desejos. “O empreendedor tem que saber explicar o problema do seu público-alvo melhor do que ele mesmo”, sugere. Assim, o cliente em potencial automaticamente percebe que pode encontrar a solução para o problema. “O segredo é focar em uma comunicação para gerar identificação, trazendo características que fazem parte desse público, como a linguagem, os desenhos e os problemas, assim o consumidor vai sentir que é este o produto ou serviço que vai ajudá-lo”.

2- Doutrinação:

Ao contrário do que muitos fazem na internet, o conteúdo não deve ser composto apenas de dicas soltas. “O que as marcas ou especialistas produzem deve seguir uma lógica que leve as pessoas até o que vai ser oferecido depois”, enfatiza. Ao fazer assim, o conteúdo irá ter um objetivo na jornada do cliente. “A ideia é usar o que é ensinado para reforçar a importância do produto ou serviço que você oferece”, completa.

3- Conversão:

Por fim, deve-se oferecer o produto ou serviço que soluciona um ou mais problemas do público-alvo. “As marcas devem oferecer ao seu cliente não o meio, mas o fim, ou seja, a transformação que ele terá ao adquirir o produto ou serviço”, ensina. Um exemplo é quando se vende um produto para cabelos: a venda deve se preocuparem oferecer cabelos mais bonitos e saudáveis, e não apenas um creme. “O segredo é vender o resultado que ele terá com o serviço, método ou produto”, completa Samuel Pereira.

Definir esses três passos é fundamental para que a audiência seja alcançada no momento certo, preparada para consumir o produto, e entenda os motivos pelos quais deve comprá-lo.

Sobre Samuel Pereira

Samuel Pereira, é publicitário, empresário, especialista em tráfego e audiência na internet e criador do Segredos da Audiência Ao Vivo, o maior evento de tráfego e audiência do mundo, que em sua última edição reuniu mais de 3 mil pessoas. Concentra o seu trabalho em ajudar empreendedores a criar negócios online sustentáveis a longo prazo, por meio de estratégias de tráfego e audiência que não dependam das constantes mudanças de regras das redes sociais, atraindo um público extremamente qualificado e capaz de gerar resultados. É ainda, autor do livro “Atenção: o maior ativo do mundo – o caminho mais efetivo para ser conhecido, gerar valor para seu público e ganhar dinheiro” e co-autor de “Negócios Digitais”.

Fonte: Sigma Six Comunicação Integrada – Taiana Bueno

ACIT também pesquisou o Dia das Crianças

ACIT realiza pesquisa de expectativas para o Dia das Crianças

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realizou uma pesquisa para identificar a expectativa do comércio local com as vendas para o Dia das Crianças.

O estudo foi realizado em parceria com o Núcleo de Pesquisas Econômicas e Sociais (NUPES) com o objetivo de identificar, além das expectativas, também as preferências de consumo das pessoas para essa data. Abordou-se, neste contexto, o tipo de presente que pretendem comprar, o valor médio, a forma de pagamento e o local da compra.

Foram entrevistados 253 pessoas na cidade de Taubaté, entre os dias 17 e 28 de setembro. A margem de erro é de 6 pontos percentuais para mais ou para menos, e um intervalo de confiança de 95%.

 

Com relação a intenção de comprar presentes na data comemorativa do dia das crianças, 83% dos entrevistados responderam que pretendem comprar presentes, enquanto 17% disseram não ter intenção. Os resultados apontam que os “Brinquedos” continuam sendo o item mais citado em 2018 (62,38%), com aumento de 10,18 pontos percentuais em relação ao ano de 2017. Já no seguimento “Roupas/Calçados” a opção por compra desse item em 2018 foi citada por 24,76%, observando-se ligeira queda em relação ao ano de 2017, que registrava 30,80%. Em relação aos produtos “Eletrônicos” ocorreu pequeno aumento, na intenção de compra em 2018 (12,86%), ante em 2017(7,60%).

Este ano parece que se pretende voltar ao que as crianças preferem (brinquedos e brinquedos eletrônicos). Porém vale ressaltar que, na medida do possível, o consumidor não pretende extrapolar seu orçamento. O intervalo mais citado foi o gasto entre R$ 50 e R$100, seguido pelo em segundo lugar com tickets de compra entre R$ 100 e R$ 300.

Também foi feito um levantamento da opinião de lojistas em 30 estabelecimentos comerciais associados à ACIT. De um modo geral, 13,33% dos comerciantes estão mais otimistas em relação às vendas do ano passado. Para estes empresários, as vendas devem crescer até 10%, em relação à 2017. A maioria dos estabelecimentos visitados (56,67%) esperam estabilidade, e 30% apontaram expectativa para redução nas vendas na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Podemos concluir que, apesar do momento econômico pelo qual o país atravessa, ainda há lojista otimistas, que esperam ver as vendas crescerem, porém em menor número que em 2017, quando o estudo apontava que cerca de 42,53% acreditava no aumento das vendas. No outro extremo, aqueles que acreditam quer irão vender menos somaram 30% dos respondentes, apresentando aumento em relação ao ano de 2017 (19,54%). De forma geral, há expectativa de viés negativo. Ou seja, em 2017 tinha-se um número maior somando o item “estável” e “crescimento” (80,46%), do que em 2018 (70%), o que aponta uma redução de 10 pontos percentuais. Isto quer dizer que os comerciantes estão mais cautelosos no que se refere ao volume de vendas para este ano.

Como conclusão da pesquisa, podemos dizer que: o resultado das expectativas dos lojistas indicam maior cautela, no que tange a expectativa sobre o volume de vendas neste ano, em relação ao ano passado. “Brinquedos” mantém, como esperado, o item preferido para presentear nos “Dias das Crianças”, e apresentou crescimento na comparação com 2017, assim como a proporção daqueles que irão presentear com item “eletrônico”. Aumentou, também, a proporção de pessoas de irão “pagar a prazo”, de 30,85% em 2017 para 43,33% em 2018. O local preferido para realizar as compras ainda é o centro, no entanto reduziu de 60,73% em 2017 para 49,05% em 2018. A opção pela compra por meio da internet praticamente dobrou em relação ao ano anterior. Isto pode ter contribuído, também, para o aumento da preferência por compras em “CARTÃO”, que registrou 62,54% em 2018, em comparação aos 40,43% em 2017, visto que no e-commerce esta opção de pagamento é muito empregada.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Pesquisa traz números positivos para o dia das crianças

Consumidor pretende pagar o presente de Dia das Crianças à vista

A nova pesquisa da ACI-Unitau traz números positivos para os lojistas durante as vendas de Dia das Crianças. 38% dos joseenses procura gastar um ticket médio de R$100,01 a R$200,00 reais com presentes para a data.

O levantamento da Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos, feita em parceria com a Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Informação), da Universidade de Taubaté, mediu a intenção de compras para o Dia das Crianças, festejado em 12 de outubro. A pesquisa ouviu 301 consumidores entre os dias 21 e 26 de setembro em pontos estratégicos da cidade: Rua Sete de Setembro (Calçadão), AV. Quinze de Novembro, Shopping CenterVale e Vale Sul Shopping da Rua 7. A margem de erro é de 5,56 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Para a alegria da criançada, brinquedos continuam sendo a primeira opção de compra para a data, com 50,3%, seguido de roupas (20,1%), eletrônicos (12,1%), calçados (10,1%), livros (2,7%), dinheiro (2,0%), outros (2,8%).

Já considerando os valores a serem gastos, 38,3% dos entrevistados pretendem investir entre R$ 100,01 a R$200,00, seguido dos valores entre R$ 50,01 a R$ 100,00 (28,09%) e em terceiro lugar (18,1%) entre R$ 200,01 a R$ 300,00.

A pesquisa apontou que os consumidores também tem intenção de fazer esse pagamento à vista (68,7%) e em dinheiro (47%). Na sequencia, 31,1% irá parcelar no cartão de crédito, 15,9% no cartão de débito, 4,6% no cartão de crédito à vista e apenas 1,3% no crediário da loja.

Entre os destinos mais requisitados para as compras, o Calçadão aparece em primeiro lugar com 46,9% das intenções, seguidos dos shoppings Vale Sul (23,8%) e CenterVale (22,4%).

Para o presidente da Associação, Humberto Dutra, a data, importante para a economia, é uma previsão de aumento de vendas nesta época. “O movimento do comércio na data deve registrar resultado positivo pelo segundo ano consecutivo, após as quedas observadas em anos anteriores”.

Fonte: Matéria & Mídia – Nathália Barcelos

Procura por produtos promocionais deve crescer 15% no segundo semestre

Estimativa é do portal Free Shop, maior marketplace brasileiro de brindes, materiais e serviços para eventos e ponto de venda

Com a proximidade do Natal e das festas de final de ano, empresas do setor de Live Marketing já sentem aquecimento na procura por produtos promocionais. A expectativa é de que a busca por esses itens cresça 15% em relação ao ano passado, segundo o portal Free Shop, maior marketplace brasileiro de brindes, materiais e serviços para eventos e ponto de venda. “O segundo semestre do ano é sempre mais movimentado para o segmento, pois é o momento em que as empresas mais compram brindes e realizam ações”, explica Auli De Vitto, diretor geral da Forma Promocional, empresa responsável pelo portal Free Shop e pela feira Brazil Promotion.

As empresas têm apostado na utilização de brindes e em ações personalizadas, criativas e inovadoras para divulgar e aumentar o recall das marcas, além de engajar os clientes. “Na hora de escolher o item ideal é importante tentar sair do lugar-comum, oferecendo algum diferencial para o público”, enfatiza De Vitto.

O Free Shop registrou mais de 103 mil orçamentos no primeiro semestre deste ano. O aumento foi de aproximadamente 15% em comparação ao mesmo período de 2017. Pesquisa realizada pelo portal no ano passado indica que o investimento médio por empresa era de R$ 50 mil, podendo aumentar mais de 32% em 2018.

Contudo, na hora de definir um produto promocional não basta escolher qualquer coisa. As empresas devem ficar ligadas nas tendências para identificar o que seus consumidores mais gostam. Produtos com a marca aparente estão sendo substituídos por itens de grifes bem discretos, com identificação na parte interna do brinde. Segundo De Vitto, o cliente continua fã das grifes mundialmente conhecidas, mas não quer parecer um outdoor ambulante. Por conta disso, as companhias estão transferindo seu prestígio para produtos promocionais que gerem essa percepção positiva.

Outra novidade em alta são os brindes contra roubo, como por exemplo, mochilas e sacolas com sistemas de segurança que dificultam o acesso a laptops ou celulares. Os itens multiuso ou integrados também despertam grande procura. Neste campo, destacam-se mochilas com powerbank integrado, permitindo ao usuário utilizar o celular, enquanto ele está sendo carregado por um sistema de energia dentro da bolsa.

A tecnologia está sempre em evidência no setor promocional. Com objetos cada vez mais acessíveis e abrangentes fica mais fácil proporcionar ao público-alvo experiências adequadas aos objetivos da marca. Os óculos 3D e os recursos de realidade aumentada e virtual comprovam esta vertente. “Os avanços tecnológicos sempre constituíram um diferencial no segmento. As marcas podem aproveitá-los de diversas formas como, por exemplo, dar ao consumidor óculos 3D e proporcionar acesso à realidade virtual com conteúdos exclusivos”, enfatiza De Vitto.

Produtos alimentícios como cup cakes, caixas com chocolates ou doces especiais também estão em evidência. Além de fugirem do comum, possibilitam o uso de embalagens especiais e têm boa aceitação do público.

Fonte: Lucia Faria Comunicação Corporativa – Tatiane Oliveira

Por que as pessoas deixam de comprar pela internet?

8 motivos pelos quais as pessoas não compram um produto na internet

Conhecer as principais objeções dos clientes do mundo online é um dos principais passos que o empreendedor pode dar em direção ao aumento de vendas e faturamento

Foto: Pixabay

Aquela história de “nadar, nadar e morrer na praia” é um pesadelo para quem empreende, ainda mais pela internet; no entanto, não deixa de ser comum. Muitas vezes, mesmo que o empreendedor circule um conteúdo de qualidade, possua uma audiência consistente e seja visto como autoridade no negócio em que trabalha, o momento da venda ainda tem um final infeliz. E isso acontece porque “costumamos esbarrar nas objeções dos compradores e não convertemos nossas vendas”, explica Samuel Pereira, publicitário e especialista em tráfego e audiência na internet.

Motivado a entender sobre onde caía a responsabilidade desse insucesso em um momento tão crucial, que é o da compra, Samuel desvendou as 8 principais objeções do consumidor e ensina como driblar cada uma delas a seguir:

1º Isso não funciona

É comum que o consumidor “duvide”, ou ao menos questione se o produto ou serviço realmente cumpra tudo o que está prometendo. “Você mata essa objeção mostrando estudos de caso. Mostre como você ou alguém que já tenha usufruído do seu produto ou serviço conseguiu alcançar o resultado que está mostrando”, detalha o especialista.

Samuel dá o próprio exemplo: no lançamento do primeiro curso online criado por ele, o prestigiado “Segredos da Audiência”, o especialista mostrou vários casos de como alcançou 300 mil visitas por mês em alguns dos sites em poucos meses. “Gravei um vídeo com as métricas e compartilhei na internet. Esse conteúdo mostrou que o método que usei funciona e gerou bastante autoridade para mim”, conclui.

2º Não confio no vendedor

Mais uma vez, a dúvida se faz presente na mente do consumidor, ainda mais se for o primeiro contato com o produto ou com a marca. Quem não gosta de conhecer a procedência do que está comprando, não é mesmo? Desse modo, Samuel recomenda: “Ter muitas pessoas falando sobre você no mercado gera autoridade. Pode ser desde gente interessada no assunto que você aborda até profissionais do seu mercado que admiram seu trabalho”.

A partir do momento em que um especialista analisa o serviço ou produto de outro especialista da mesma área de forma positiva, uma parcela da autoridade dele é transferida para o outro, e isso gera confiança e segurança ao consumidor.

3º Isso não funciona pra mim

Nesta objeção, Samuel traz duas estratégias que podem ser usada tanto juntas como separadamente. A identificação com o outro é o primeiro passo. É comum que as pessoas encontrem motivos para diferenciar o negócio delas do restante e, desse modo, gerar a impressão de que aquela fórmula não é a melhor opção para ela. “Apesar de termos um conhecimento a mais, não somos melhores ou mais espertos que ninguém”, explica Samuel. É preciso lembrá-la que negócios bem-sucedidos são construídos através de riscos tomados e, especialmente, de erros cometidos. “Quanto mais você mostra que é uma pessoa comum, mais identificação e conexão você gera”, continua o especialista.

A segunda estratégia é mostrar estudos de caso mais uma vez. No entanto, é hora de partir para algum caso extremo. Desse modo, a pessoa se convence que, se deu certo “até” com tal negócio, é mais provável que o dela também tenha um final feliz.

4º Eu não vou conseguir implementar

Não há argumentação mais valiosa que o “baseado em fatos reais”. É por isso que Samuel bate na tecla dos estudos de caso. Exemplos de pessoas que se deram bem com o produto em um contexto “pior” do que o do consumidor que ainda não comprou é a chave para convencê-lo. “O objetivo é fazer seu público ter a seguinte sensação: ‘se ele conseguiu, eu também consigo!’”, completa o publicitário.

5º Não preciso disso agora

Uma das frases ditas pelo consumidor e mais ouvidas por quem tem um negócio é “Vou deixar para o mês que vem!”. As pessoas tendem sempre a postergar a compra de algo que ela julga não tão urgente por um motivo simples: elas sabem que poderão voltar para comprar quando quiserem. Samuel resume a solução desta objeção em uma só palavra: escassez. “Fechar as suas inscrições ou um evento mudar de lote, isso faz com que o cliente tenha vontade de aproveitar antes que aumente o preço ou se encerrem as inscrições – senão, vai perder a oportunidade”, são algumas das sugestões do especialista.

Contudo, Samuel ressalta que este recurso deve ser sempre usado com integridade.

6º Não tenho dinheiro

Essa objeção parte da mesma premissa da frase “Não tenho tempo”. Mas essas não são verdadeiras questões. A questão aqui é prioridade. Desse modo, o segredo é transformar a oferta do produto ou serviço em prioridade para o consumidor. Primeiro passo: ressaltar como o preço está bom. Segundo passo: trazer de volta a estratégia da escassez. Samuel dá um exemplo: “você já deixou de fazer um trabalho de escola ou de estudar para uma prova porque a data de entrega do trabalho ou da prova ainda estava longe, mas um dia antes da data você deu prioridade máxima ao tema? Portanto, gere senso de prioridade no seu cliente”.

Foto: Pixa

Essa sensação de escassez pode ser trabalhada com eficiência no texto de venda, a chamada “copy”, no marketing digital. Produzida tanto em formato de vídeo como em formato de texto, a estratégia é tornar a oferta o mais irresistível possível. É válido mostrar o quanto a pessoa vai perder no futuro por ter deixado escapar a oportunidade agora.

Quando a questão do consumidor é não ter, de fato, dinheiro para pagar, a ideia é concentrar-se nas formas de pagamento possíveis e, se for o caso, “ancorar o preço”, sugere Samuel, mas com a ressalva de que “se a pessoa tem prioridade, ela pega o cartão de crédito do vizinho emprestado e compra”.

7º E se eu não gostar?

O medo do arrependimento. A pessoa pode até estar convencida que conseguiria implementar o que foi planejado e vai dar um jeito de pagar, mas há algo que ainda a impede: o medo de não gostar do produto ou serviço. Para esta objeção, Samuel recomenda aplicação de garantias. É necessário encontrar a que mais combine com o negócio em questão e oferecê-la aos clientes. “Geralmente, a garantia para venda de produtos digitais é de trinta dias. Funciona da seguinte forma: se em trinta dias o seu cliente não conquistar um resultado proporcional ao que seu produto oferece, ou por qualquer desaprovação dele, você devolve o dinheiro”, exemplifica o especialista.

Outras garantias que, segundo ele, são mais fortes ainda: a devolução do dinheiro investido, caso o consumidor não tenha o resultado esperado em trinta, sessenta dias; ou a cobertura da passagem de deslocamento do consumidor até o serviço comprado. É possível lançar garantias ainda mais ousadas, mas também é preciso ter segurança para fazê-las.

8º Objeção na hora da compra

Após vencer todos os obstáculos descritos acima, o consumidor só precisa dar o clique da compra. Mesmo assim, algumas vezes, isso não acontece. É hora de entender os motivos específicos da marca. Samuel sugere manter sempre um feedback e coletar depoimentos das pessoas que compraram o produto ou serviço; certamente houve quem hesitou na hora de efetivar a compra. “Ter esses depoimentos pode ajudá-lo até a pensar em estratégias de persuasão com futuros clientes”, explica o especialista em marketing digital. “Você pode usar a experiência de seus clientes e incluí-la num vídeo de venda: ‘Eu estava pensando em comprar, mas achava que o cara era picareta. Mas, decidi e comprei assim mesmo. Percebi que eu estava totalmente errado e ter comprado foi a melhor decisão que tomei’”, continua Samuel. A pessoa que está assistindo ao depoimento pode se identificar com a opinião daquele cliente e ser motivada a comprar.

Quando o assunto é empreender, é preciso atentar-se não apenas às estratégias para atrair o cliente, como também às situações que podem dificultar a venda e que gerarão efeitos indesejados. Dessa maneira, aquele medo de “morrer na praia”, como foi comentado no início, tende a desaparecer e os bons resultados vêm naturalmente. Todas as estratégias para o sucesso de um negócio estão reunidas no livro “Atenção: o maior ativo do mundo”, escrito por Samuel Pereira e considerado uma referência quando o assunto é tráfego e audiência na internet.

Mais sobre Samuel Pereira:

Samuel Pereira é autor de “Atenção: o maior ativo do mundo”, livro que chegou a best seller da Revista Veja e Top1 na Loja Kindle da Amazon.com.br. Samuel também é o idealizador do maior evento anual de tráfego e audiência, o “Segredos da Audiência Ao Vivo”, que já teve 5 edições, reúne grandes empresários brasileiros e um público de quase 3 mil pessoas para revelar as estratégias mais inovadoras do segmento.

Fonte: Sigma Six Comunicação Integrada – Taiana Bueno

Curso EAD pela ACIT trata de liderança

ACIT traz mais uma novidade e lança curso EAD

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT), sempre em busca de aperfeiçoamento para oferecer o melhor para seus associados, lança os cursos EAD (Ensino à Distância).

E para a estreia desse novo produto, a ACIT traz o tema “Como se tornar um líder motivador e desenvolver equipes de alto desempenho”, que será ministrado pelo Professor Felipe Guerra.

O conteúdo, especialmente formatado para alunos com tempo de estudo diferenciado, aborda as melhores maneira para lidar com a motivação de quatro estilos de colaboradores, como por exemplo, pessoas experientes mas desmotivadas, os motivados sem experiência, entre outros. O aluno aprenderá também dicas de como interagir com esses colaboradores para que extraiam o seu melhor; como montar equipes de alta performance com equipes multidisciplinares e complementares, que juntas serão capazes de alcançar grandes resultados.

O curso EAD está aberto à todos, porém os associados devem entrar em contato com a Associação para receber cupom de desconto na hora da efetivação da compra.

As aulas estão disponíveis em plataformas para serem assistidas em computadores, tablets e celulares, seja sistema Android ou IOS.

Todas as informações e o cupom de desconto podem ser obtidos pelo email cursos.acit@taubate.com.br ou pelo telefone (12) 2125-8210/8211.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Formato de áudio trata de diversidade na propaganda

Diversificar é preciso!

Mais um conteúdo de áudio e desta vez o assunto gira em torno da busca do mundo da comunicação pela diversidade.

Vale a pena conferir! E se quiser ouvir todos os programetes já produzidos é só clicar aqui.

 

Parcelamento em 10x cresceu no Dia do Cliente

Compras parceladas em 10x aumentaram 254% no Dia do Cliente, diz pesquisa

Realizado pela Social Miner em parceria com Loja Integrada, levantamento mapeou o perfil dos clientes que costumam comprar em lojas virtuais durante a data comercial

Os lojistas virtuais costumam aproveitar o Dia do Cliente – que foi comemorado no último dia 15 de setembro – para presentear os consumidores com promoções e descontos. Os benefícios podem valer só para a data ou para a semana toda, atraindo cada vez mais consumidores. Segundo pesquisa realizada pela Social Miner – empresa de tecnologia especializada em soluções digitais de pesquisa – em parceria com a Loja Integrada – plataforma para criação de lojas virtuais mais popular do Brasil, com 700 mil lojas criadas -, mais de 88% dos clientes disseram que usariam a data comercial para realizar compras devido aos preços promocionais.

A pesquisa revela ainda que a maioria das compras feita no Dia do Cliente em 2018 foram parceladas, 30% das compras foram dividas em 3 vezes no cartão de crédito, já 22% dos clientes decidiram parcelar em 5 vezes. Se comparado com o ano anterior, as compras realizadas em parcelamento de 10 vezes tiveram aumento de 254%.

Perfil dos compradores

A maioria das pessoas que costumam comprar no Dia do Cliente têm entre 25 e 34 anos (39%). Para os consumidores entrevistados, um fator decisivo na hora da compra é a confiança que eles depositam na loja virtual (30,5%), seguido de preço (20,1%), em terceiro fica o tempo de entrega com 19,7%, alguns também levam em consideração as formas de pagamento (16,4%) e a confiança na marca do produto (13,4%). Os dados ainda mostram que 75% dos clientes costumam ficar de olho nas promoções oferecidas por suas lojas preferidas.

Para Julia Mariá, head de marketing da Loja Integrada, os lojistas precisam aproveitar a fidelidade dos clientes para oferecerem mais vantagens em datas comerciais, como o Dia do Cliente. “As datas sazonais, como Dia dos Namorados, Dia das Mães e dos Pais, são muito importantes para o comércio eletrônico e costumam potencializar as vendas das lojas virtuais. É preciso criar uma estratégia de vendas e investir na divulgação. Já que as vendas aumentam muito, um bom planejamento evitará que a loja tenha prejuízos posteriores”, orienta.

Expectativa vendas online na Black Friday

Hoje os e-shoppers somam mais de 60 milhões no Brasil e o que contribui para esse crescimento é a Black Friday e as demais datas que a sucedem. Segundo levantamento do Google, a edição de 2017 faturou R$ 2,1 bilhões, um crescimento 10% maior do que em 2016, consolidando o dia como a segunda melhor data para o varejo brasileiro, perdendo apenas para o Natal.

Para 2018, a expectativa é que a Black Friday ganhe ainda mais força. De acordo com pesquisa recente do Google cerca de 70% dos internautas brasileiros já compraram em uma Black Friday e 99,5% dos consumidores on-line entrevistados afirmaram que já conhecem a data – podendo utilizar o dia de descontos para realizar uma compra.

Fonte: Agência NoAr – Ana Paula Vieira

Festival de Dança no shopping

Via Vale promove Festival de Dança

A 1ª Edição do Festival de Dança contará com dois dias de programação gratuita a partir das 17h, no shopping.

A dança vai ganhar espaço no Via Vale Garden Shopping com a 1ª Edição do Festival de Dança que tem início no próximo final de semana, entre os dias 29 e 30 de setembro. O evento traz durante os dois dias 20 apresentações de escolas e grupos de dança de todo Vale do Paraíba, com a curadoria e organização do Instituto Artístico e Cultural Robsoncoreografo. As apresentações serão a partir das 17h, na Praça de Eventos do Piso 1.

O evento receberá apresentações nas mais variadas modalidades de dança incluindo: Ginástica Rítmica, Ballet Clássico, Moderno, Jazz, Contemporâneo, Estilo Livre, Repertório, Dança Folclórica, Sapateado, Street Dance, Dança do Ventre, Dança Gospel, Dança Inclusiva, Dança livre e Ritmos.

O Festival de Dança do Via Vale Garden tem entrada gratuita e deverá receber cerca de 15 academias que terão a oportunidade de demostrar seu talento e suas coreografias, além de trocar experiências com outros participantes. Será um verdadeiro show de beleza, magia e entretenimento no Via Vale.

Fonte: Assessoria deImprensa Via Vale