Propaganda + engenharia

Natália aliou exatas e humanas para perseguir um objetivo

O Publicitando entrevistou a publicitária e engenheira Natália K. Simões. A carreira da Natália tem lances interessantes e, principalmente, inspiradores. Atualmente ela é Data Scientist (DS) na equipe de serviços da Nexxys, uma empresa de tecnologia, que desenvolve soluções orientadas por dados – Data-Driven. Confira o bate papo!

Publicitando – Sua formação inicial é em publicidade e propaganda. E você começou a atuar em publicidade no Vale do Paraíba. Fale um pouco deste início da sua trajetória.

Natália – Em 2003 iniciei o curso de Publicidade e Propaganda na Unitau e comecei a trabalhar na área em 2005, como estagiária na agência Ophicina Mix, hoje já extinta. Era uma agência pequena e por isso tive a oportunidade de ter contato direto e atuar nas diversas áreas de uma agência: como assistente de Atendimento, Planejamento, Produção Gráfica, Mídia e Criação. Nunca fui uma criativa de Design Gráfico, até porque acredito que para isso não basta apenas conhecimento técnico, mas certas habilidades que não tenho. Já na criação de textos e roteiros, me aventurei bastante e até gostava daquilo. Mas confesso que o que eu mais gostava era Produção Gráfica. Adorava criar formatos, recortando e dobrando papéis, escolhendo o papel da impressão, acabamento, etc, buscando algo que atendesse à necessidade do cliente e ao mesmo tempo fosse criativo.

Sempre me identifiquei com a área de Planejamento, mas não com a de Atendimento, e em agência pequena essa separação era impossível.

Depois desse estágio, cheguei a trabalhar como autônoma, depois, com alguns amigos da faculdade, fizemos alguns trabalhos juntos. Cheguei ainda a atuar em campanha política municipal.

Depois de 2 anos e meio, voltei à Ophicina Mix, onde fiquei mais um ano, colocando em prática tudo que aprendi lá e nas experiências que tive nesse intervalo.

Publicitando – Em que momento você sentiu que deveria buscar novos rumos? Como foi esse processo?

Natália – Quando terminei a faculdade de Publicidade e Propaganda, acabou também meu estágio e então fiquei sem chão. Foi por descuido meu, não ter me preparado para o que viria a seguir. Foi então que passei a procurar vagas de emprego com mais empenho e pesquisando pelos sites de emprego “descobri” as áreas de Inteligência de Mercado e Business Intelligence (BI) e fui procurar saber mais do que se tratava. Fiquei encantada pela parte analítica dessas áreas e me decidi: “quero trabalhar com isso!”.

Percebi na época, ano de 2007/2008, que na maioria dessas vagas os requisitos eram de formação em Administração ou Engenharias, com Pós na área de Marketing. Como eu já tinha a formação em PP, pensei: “Se eu fizer uma Pós em MKT, serei mais uma publicitária com essa formação procurando uma vaga. Não quero isso.” Então decidi ir por um caminho que me pareceu mais adequado aos meus objetivos: em 2009 entrei no curso de Engenharia Mecânica, também na Unitau.

No ano seguinte mudei para São Paulo, ainda trabalhando em agência, desta vez como Tráfego e em 2011 transferi o curso, então passei para Engenharia da Produção, e me formei em 2014.

Em Abril de 2012 eu finalmente consegui alcançar aquele objetivo que havia definido quatro ano antes, atuando como Estagiária de Inteligência de Mercado em indústria, um mundo totalmente diferente do que eu tinha vivido até o momento. Não é fácil fazer esse movimento, deixar de lado 7 anos de experiência para começar lá de baixo novamente. Mas se eu pudesse voltar no tempo, faria tudo de novo!

De lá para cá muita coisa mudou, passei por outras 3 empresas, de setores diferentes, mas sempre atuando em áreas de planejamento e análise de dados.

A área de análise de dados já mudou muito desde que me apaixonei por ela e novamente percebi que se quiser continuar, preciso me atualizar. Por isso, este ano estou começando a Pós de Analytics em Big Data.

Publicitando – Fale um pouco de suas funções atualmente. Você mistura humanas com exatas?

Natália – Hoje eu atuo como Data Scientist (DS) na equipe de serviços da Nexxys, uma empresa de tecnologia, que desenvolve soluções orientadas por dados – Management. Dentre os diversos produtos e serviços que a empresa oferece atuo diretamente nas Soluções de Otimização de Mídia. Essa posição não exige necessariamente conhecimentos em mídia, mas muito do que aprendi lá atrás acabou sendo muito útil.

Natália trabalhando em home office e ao lado do filho

Como DS utilizo diversas ferramentas estatísticas na transformação de dados em informação que servem de baliza para a tomada de decisão de nossos clientes quanto à otimização de mídia offline.

Assim, parte do trabalho demanda raciocínio lógico, habilidade com números, conhecimentos em estatística (imprescindível) e outra parte demanda a capacidade de montar um storytelling, coerente e de fácil entendimento. Até aquela pouca habilidade em design que citei anteriormente é necessária na hora de montar uma apresentação, por exemplo.

No fim das contas, os 10 anos que passei sentada na cadeira da faculdade me fizeram ter a formação mais alinhada à posição que ocupo atualmente.

Publicitando – O que você considera importante para um profissional em início de carreira nas áreas de marketing e propaganda (comunicação)?

Natália – Tem 3 coisas que considero importante para todo mundo, mas é importante frisar para quem está dando os primeiros passos na vida profissional:

1 – Esteja sempre antenado. Olhe ao seu redor, perceba o que está acontecendo, veja os movimentos do mercado e do mundo em geral. As oportunidades existem e não estão escondidas, basta prestar atenção.

2 – Esteja sempre atualizado. O mundo muda muito rápido e assim são as atividades profissionais. Quem não se atualiza, fica para trás. Mesmo. Leia, faça cursos, converse com quem sabe mais do que você.

3 – Defina metas. Tenha sempre um objetivo, uma meta a ser alcançada. E quando alcançar sua meta, comemore, por menor que ela seja, comemore. Em seguida, defina outra meta, para ter sempre um motivo para seguir em frente e continuar crescendo.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna Propaganda&Arte

Instagram cortou os likes e seu ego pode não gostar disso

Com a nova atualização do Instagram, especificamente no Brasil, a rede social desabilitou a visualização de likes nas postagens. Como isso vai afetar, em longo prazo, na sua autoestima?

O Facebook e o Instagram já são palco de uma inconsciente competição por mais likes há anos. Isso já foi analisado por psicólogos e universidades ao redor do mundo e perceberam que a felicidade, autoestima e sensação de pertencimento do usuário destas redes sociais está intimamente ligada à quantidade de likes que recebe ou que outros recebem (no caso de sentimentos negativos de inveja, por exemplo) em cada postagem.

Com o objetivo de diminuir essa competitividade, o Instagram fez o teste e já está valendo no Brasil: você não consegue ver os likes nas postagens alheias, apenas nas suas.

Como menos likes podem ajudar você a curtir mais a vida?

O Instagram acredita, e experimentos feitos na Universidade de Illinois mostraram isso no Facebook, que tirar o foco da quantidade de curtidas e focar na história em si pode ser mais saudável para o emocional e psicológico dos usurários.

Como nada nas redes sociais são por acaso, eles perceberam que o objetivo da rede social não estava sendo alcançado, criando um ambiente antissocial, cada vez mais observador e menos participativo. Até nas empresas, nas contas de marcas, sabemos que curtidas não resolvem e não vendem produtos. Elas são apenas uma das formas de interações e que está sendo botada em cheque.

Você já pensou nos motivos que te levam a postar uma foto?

Veja, você. Faça uma análise e compare as últimas três fotos postadas no Instagram. Com qual intenção você fez aquelas postagens? De que forma, ter mais likes lhe faria sentir bem? Será que não é mais importante interagir e mostrar algo realmente verdadeiro do que passar uma imagem de algo?

O Instagram percebeu que seu ambiente virou uma grande prateleira de situações quase irreais que, ao invés de unir, está gerando uma competição bizarramente acirrada. Tornando tudo mais fútil e sem movimento real, sem emoções. Virou o ícone do culto à imagem, algo muito antigo na sociedade.

As redes sociais estão presando cada vez mais por qualidade e não quantidade

O Facebook também está trabalhando para diminuir o número de perfis fakes e atrapalhar os boots que dão curtidas em páginas ou em postagens para entregar aos usuários e empresas cada vez mais números reais e testados.

Às vezes, estão até exagerando neste controle e bloqueando usuários normais que trabalham com ferramentas de automação de redes sociais, aquelas que postam em mais de uma rede por vez, os considerando boots.

Estamos em meio a uma guerra de atenção, isso é fato. E, se as redes sociais não se movimentarem para entregar uma experiência cada vez mais real e menos artificial, não sei o que será do futuro das redes sociais. E, consequentemente, do futuro do próprio comportamento humano.

Não dá para separar hoje os sentimentos virtuais dos reais. Tudo é uma coisa só e esse tipo de mudança, como a tirada dos likes aparentes, poderá mudar a nossa forma de interagir.

Será que estamos preparados para mudar o foco das postagens?

As redes sociais, por princípio, querem que a gente interaja. E se for de forma saudável, combatendo a depressão e ações excludentes, melhor ainda. Fato é que pouco se fez para remediar esse comportamento humano de viver de aparências e de inflar o ego até então. E as redes sociais estão percebendo que se não tratar este problema, que já virou um mal do século atual (competitividade e supervalorização da imagem), não teremos pessoas sãs ou vivas no futuro para curtir ou dar likes nas postagens. (Tudo bem. Exagerei, mas foi só para mostrar a gravidade do assunto).

No fim, é uma ação de sobrevivência, em um ambiente que está beirando a superficialidade e tirando das pessoas (e marcas) a sua essência.

Como você está cuidando do seu ego e do ego das empresas que trabalha? Vamos focar mais nas histórias e nos seguidores engajados?

Um flash no fim do túnel

Talvez esse seja um “flash no fim do túnel”, mas eu prefiro esperar para saber o que vai acontecer com os futuros selfies e com esse experimento social que o Instagram está iniciando, aparentemente inofensivo no Brasil.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Futebol e amendoim: as paixões nacionais agora juntas na publicidade

Santa Helena Indústria de Alimentos foca campanha de marketing em veículos de comunicação de massa na Grande São Paulo

A bola e o gol. O futebol e o amendoim. É fato unânime que um completa o outro. Nada melhor do que assistir ao jogo do time do coração rodeado de amigos e saboreando um amendoim de qualidade e procedência garantida. Pensando nisso, e para aproveitar a reta final dos principais campeonatos de futebol do país, a Santa Helena Indústria de Alimentos, fabricante dos amendoins mais gostosos e consumidos do Brasil – Mendorato e a nova Linha Aperitivo em bandejas -, vai focar sua campanha de comunicação nos principais veículos da mídia esportiva da Grande São Paulo, onde a empresa também está investindo em uma maciça distribuição dos produtos.

A empresa está apostando no poder de alcance dos veículos de comunicação para falar de perto com a população de cerca de 19 milhões de pessoas que vivem na Grande São Paulo durante 75 dias da ação. O público-alvo da campanha é composto por homens e mulheres de 25 a 49 anos, das classes A, B e C, apaixonados pelos principais times de São Paulo e que acompanham esportes em todas as mídias. A ação poderá atingir 180 milhões de visualizações em todo esse período.

Os veículos escolhidos foram Globo Esporte, da Rede Globo; Os Donos da Bola, Terceiro Tempo e Jogo Aberto, da Rede Bandeirantes; Estádio 97 transmitido pela Energia 97 FM (97,7 MHz); os canais digitais Cartola FC, G1, UOL, Esporte Interativo e Google, além de pequenos vídeos no YouTube e full motion videos no metrô.

O objetivo da ação, segundo o diretor comercial da empresa, Luís Bertella, é conectar o maior número de consumidores com as marcas de produtos Santa Helena e, principalmente, com a categoria de amendoim. Os produtos selecionados para esta campanha foram o amendoim japonês Mendorato e a nova Linha Aperitivo de amendoins em bandeja, vendida em embalagens práticas e prontas para consumo, com diferenciais únicos na categoria, e envasada sem contato manual, com garantia de qualidade e procedência e validade de seis meses. Esta tecnologia é única no Brasil.

“Nossos produtos têm aceitação muito boa no mercado, mas enxergamos que há mercado para crescer. Temos qualidade, a preferência do consumidor e acreditamos que essa campanha que se inicia no dia 2 de outubro vai ser muito positiva. Uma boa comunicação precisa de conteúdo e frequência, por isso, a ação seguirá até 15 de dezembro para que a mensagem fique clara e chame a atenção dos nossos clientes”, afirma Bertella.

Fonte: Fonte Assessoria de Comunicação – Ana Catarina Prebill

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coluna {De dentro pra fora}

A lista dos nãos

O que a gente mais gosta de fazer nesta época do ano? Listas!
Lista de pendências para acabar o ano, lista de prioridades, lista de presentes, lista do supermercado, lista de metas para o próximo ano. E por aí vai…

Para entrar no clima e não quebrar sua rotina com um textão (sei que todos estão naquela correria-fim-de-ano), decidi montar minha listinha para a coluna do mês. Vai ser a ~Lista do que não fazer em 2017~.

1 – Não comece o ano sem definir os objetivos de comunicação.

2 – Não faça um planejamento sem realmente entender a cultura da sua empresa (eu espero do fundo do coração que você já tenha um planejamento de comunicação para o próximo ano).

3 – Não gaste tempo desnecessário com atividades que não resolvam os problemas definidos em seu planejamento.

4 – Não faça nada sem sair do seu lugar de “comunicador” e se colocar no lugar do seu público. Não se esqueça de que o principal objetivo é que eles entendam, não você.

5 – Não deixe a liderança de lado. Pelo contrário, incentive, treine, promova a comunicação dela com suas equipes.

6 – Não caia no erro de construir mensagens lindas que não sejam sustentadas pelas ações e práticas corporativas. O dia a dia diz muito mais que nossas palavras.

7 – Não permita que a Comunicação Interna seja apenas o e-mailzinho e o jornalzinho. Eleve a CI para o nível estratégico, faça a presidência entender como nós podemos contribuir para o negócio.

8 – Não siga “tendências de mercado” só porque são tendências. Seja analítico e reflita se aquilo realmente faz sentido para a cultura da empresa, os públicos e segmento do negócio.

9 – Não subestime seu público. Não deixe de entender suas aflições, necessidades de informação e sempre promova o diálogo na organização.

10 – Não se esqueça de agradecer a sua agência, os seus colegas de trabalho e todo mundo que ajuda a encarar os desafios.

Que 2017 seja um ano surpreendente!
Que a gente aprenda a falar mais não e focar no que realmente é importante.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0