Cidade faz campanha para atrair empresas da capital

Grupo de empresários de São José dos Campos faz campanha para atrair empresas da capital ao interior

A migração de grandes empresas de capitais para cidades com mais qualidade de vida e boa infraestrutura para negócios, que ganhou força com a pandemia do novo coronavírus, mobilizou empresários de São José dos Campos (a 90 quilômetros de São Paulo). Conselheiros do grupo Desenvolve Vale lançaram neste mês uma campanha para apresentar os atributos que fazem do município um CEP à altura das novas demandas do setor econômico.

O objetivo do Desenvolve Vale é colocar a cidade no mapa desse movimento do mundo corporativo, que foi turbinado pelo modelo de trabalho remoto, consolidado nos últimos meses, e ganhou os holofotes com o anúncio da migração da sede da XP Inc. para o interior de São Paulo.

Como primeiro passo, o Desenvolve Vale produziu um vídeo, que já viralizou, sobre as oportunidades econômicas de São José. O material ressalta conceitos que são a marca da cidade, como inovação, mobilidade, tecnologia, mão de obra qualificada, boa oferta de mananciais e infraestrutura para redes complexas de comunicação. O vídeo conta com depoimentos de representantes da iniciativa privada, assim como do prefeito Felicio Ramuth (PSDB) e do secretário de Inovação e Desenvolvimento Econômico, Alberto “Mano” Marques.

Embora já tenha alcançado mais de 20 mil visualizações nas redes sociais, o trabalho agora é para que o vídeo e a campanha cheguem a executivos C-levels, tanto de empresas quanto de consultorias da capital. Para isso, os conselheiros do Desenvolve Vale realizam uma força-tarefa para mobilização dessas lideranças.

“São José dos Campos é uma das cidades mais inovadoras do Brasil. Temos infraestrutura invejável, fácil acesso às capitais Rio e São Paulo, além de uma histórica vocação tecnológica. É fundamental que essas lideranças tomem conhecimento da pujança econômica do município. A cidade conta com as melhores redes de saúde, educação de excelência e elevado IDH (Índice de Desenvolvimento Humano)”, afirma Kiko Sawaya, coordenador do Desenvolve Vale.

Argumentos

Para convencer empresas a se instalarem em São José dos Campos, o grupo se pautou em comparativos entre a cidade e a capital paulista. Os dados indicam, por exemplo, que o deslocamento médio em São José é 35% mais rápido do que na capital; escolas particulares são 60% mais baratas; e o mercado imobiliário tem preços 60% menores do que os praticados em São Paulo, para imóveis do mesmo porte; entre outros.

Empresas que já fizeram a escolha por se mudar para São José dos Campos corroboram a campanha com seus depoimentos. A diretora GBS da Ball América do Sul, Cátia Pereira, destaca, no vídeo do Desenvolve Vale, o fácil diálogo com o poder público como um dos motivos que fizeram a multinacional trazer sua sede para a cidade. A Ball Corporation emprega mais de 18,3 mil pessoas no mundo todo e apresentou receita líquida de US$ 11,5 bilhões em 2019.

“Na Ball, todas as decisões devem ser pautadas por algo bem definido. E todo esse apoio, que se concretizou em um decreto do prefeito regularizando nossa operação, deu conforto para a escolha. Estou num lugar em que posso contar com o município para suportar o que a gente veio fazer aqui”, diz.

A iniciativa do Desenvolve Vale também conta com o apoio da Prefeitura de São José dos Campos, que se prontificou a oferecer dados técnicos e informações estratégicas para ajudar os empresários da capital a tomarem sua decisão.

Em agosto, como segundo momento da campanha, o Desenvolve Vale vai organizar uma reunião virtual com executivos de grandes companhias nacionais e multinacionais, além de consultorias e associações, para apresentar a cidade e suas possibilidades de negócios.

Fonte: CABANA – João Pedro Teles

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Pesquisa sobre áudio digital na quarentena

Audio.ad apresenta pesquisa sobre áudio digital na quarentena

Em parceria com a Brandwatch, a unidade de negócios da RedMas analisou as mudanças no comportamento e no consumo do ouvinte em relação à publicidade e às marcas no Brasil durante o isolamento social

A Audio.ad, unidade de negócios da RedMas, realizou um estudo sobre o comportamento do ouvinte digital durante a quarentena. Em parceria com a Brandwatch, a empresa de publicidade em áudio digital aplicou setecentos questionários online em todo o país entre os dias 12 e 26 de junho de 2020.

A pesquisa teve como propósito conhecer o impacto que a quarentena gerou no consumo dos ouvintes brasileiros e entender o papel das marcas e anunciantes na vida do público. Com dados coletados por duas semanas e analisados pela Brandwatch-Qriously, empresa de tecnologia de propriedade da Brandwatch, percebeu-se que 80% dos entrevistados aumentaram ou mantiveram seu consumo de áudio digital neste período apesar da queda de ouvintes no início do isolamento social.

“As pessoas estão vendo cada vez mais valor e dando mais importância para essa mídia. O estudo traz dados bastante relevantes ao mercado de áudio digital. Por exemplo, para 67% dos entrevistados, rádios, podcasts e música são muito importantes na quarentena”, explica Rodrigo Tigre, CEO da Audio.ad.

Em relação à publicidade, grande parte dos entrevistados têm visto sua importância durante esse período conturbado. 91% pensa que a publicidade digital atualmente é igual ou mais importante do que antes da quarentena. O estudo também revela que 60% concorda que as marcas devem continuar a anunciar para aproximar os produtos dos consumidores e que 53% acabou mudando o consumo de marcas habituais devido ao isolamento social.

Image by whoalice-moore from Pixabay

Aproximadamente a metade dos ouvintes buscam apoio das marcas. 48% afirmam que os anunciantes deveriam passar mensagens de conscientização e apoio, enquanto 31% acham que as marcas deveriam manter a comunicação habitual.

Apesar das medidas e distanciamento, muitos continuam fazendo compra através de lojas físicas. O e-commerce teve um aumento significativo. A pesquisa revelou que 26% faz compras em supermercados online, 26% em plataformas de delivery e 15% em lojas online, mas 30% ainda permanece adquirindo produtos em lojas físicas.

Além do consumo de áudio digital e do comportamento de compra, a pesquisa procurou saber quais foram os setores mais afetados, ou seja, produtos e/ou serviços que os ouvintes adiaram por causa do isolamento social. Vestuário aparece em primeiro lugar, com 27%, o segundo lugar é ocupado pelo turismo com 23% e o terceiro lugar traz um empate de eletrônicos e beleza, ambos com 18%. Ocupam o quarto e quinto lugar utensílios domésticos (16%) e automóveis (10%).

Apenas 23% dos entrevistados afirmaram não terem adiado nenhuma compra por causa da quarentena.

Fonte: Comuniquese – Giovanna Ricc

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

A melhor data para o comércio em 2020

Dia dos Pais pode ser a melhor data do comércio em 2020

Em um ano diferente, um peso diferente nas datas comemorativas: após enfrentar o Dia das Mães e Dia dos Namorados com as lojas fechadas ou parcialmente fechadas em razão da pandemia do novo coronavírus, o comércio de São José dos Campos aposta no Dia do Pais para tentar retomar as vendas em 2020.

Esse é o cenário que revela levantamento feito pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos junto a empresários do setor.

A expectativa é que 6 em cada 10 consumidores comprem presentes para o Dia dos Pais, o que é considerado um índice médio. O tíquete-médio dos presentes, no entanto, deve sofrer um recuo em relação a 2019, ficando entre R$ 51 e R$ 100. Um recuo causado pelo impacto da crise e com a queda do nível de emprego, ocorrida na esteira da pandemia do novo coronavírus. As opções preferidas pelo consumidor continuam a ser roupas, calçados e bebidas.

“Frente às dificuldades que enfrentamos em 2020, o Dia dos Pais deve ser a principal data do comércio deste ano, até agora”, disse Eliane Maia, presidente da ACI de São José dos Campos.

O comércio espera um aumento médio entre 4% nas vendas, mas com expectativas bem diferentes entre os diversos setores. Nas lojas físicas, repetir as vendas de 2019 (quando foi registrado um aumento de 3%) já é considerado uma vitória em um ano difícil. Já as lojas virtuais e os estabelecimentos que investiram em vendas on-line têm uma expectativa maior de crescimento: 9%. Isso tem um motivo claro: o setor de e-commerce, assim como as lojas que adotaram serviços de delivery e drive-thru, hoje concentram mais de 70% das vendas do comércio, uma mudança de hábitos do consumidor durante a pandemia.

Para tentar atrair os consumidores, as lojas de São José dos Campos também anteciparam suas liquidações de inverno. Mas o consumidor deve ficar atento: em razão das regras de quarentena, as lojas e shoppings vão abrir só até sexta-feira.

Pesquisas



Em razão da pandemia e das regras de isolamento social, a ACI decidiu suspender, temporariamente, as pesquisas de rua, feitas em parceria com a Universidade de Taubaté. As pesquisas devem ser retomadas tão logo a pandemia seja superada.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Gabriel Camacho

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Quais são as marcas brasileiras mais admiradas no exterior?

Segundo Michel Alaby, Natura, O Boticário e Havaianas são as marcas brasileiras que mais despertam interesse de consumidores em outros países

Recentemente, a consultoria internacional Brand Finance divulgou a lista das cem marcas mais valiosas do mundo em 2020. Em tempos de pandemia mundial, sem dúvida, se destacar é muito importante. Nesse ranking constam somente empresas da América do Norte, Ásia, Europa e uma única de outro continente, a Saudi Aramco, estatal de petróleo da Arábia Saudita. Mas, para Michel Alaby, especialista em Comércio Exterior e presidente da Alaby & Consultores Associados, há marcas brasileiras que fazem um bom trabalho, e poderiam fazer parte de uma lista como essa: Natura, O Boticário e Havaianas.

Para chegar a esse diagnóstico, Alaby analisou mais do que simplesmente o volume de negócios com países de fora e participação nas exportações, mas a existência de representantes regionais dessas marcas brasileiras, lojas em locais com grande visibilidade e principalmente a percepção de valor que o consumidor de fora tem dessas marcas, fruto de um bom trabalho de posicionamento de marca.

Cada uma dessas marcas tem uma estratégia de posicionamento diferente, que Alaby analisou separadamente, levando em consideração também se e como a origem brasileira faz parte dessa estratégia.

A Natura tem como um de seus propósitos de marca a sustentabilidade, um valor cada vez mais importante para o consumidor brasileiro e fundamental para consumidores de muitos mercados nos quais a marca está presente, especialmente quando trata da preservação da Amazônia, uma questão imediatamente relacionada à imagem do Brasil.

O Boticário, que já conta com lojas franquiadas em Dubai, e tem também outras marcas dentro de seu portfólio, como Eudora e Quem disse, Berenice?, que apelam à diversidade e ao empoderamento feminino, também tem a sustentabilidade como parte do seu posicionamento de marca, mas não apela diretamente à questão da Amazônia, falando sobre o tema. Em seu site em inglês, é possível encontrar informações sobre as práticas sustentáveis da empresa, como eficiência energética de suas fábricas ou a não testagem de produtos em animais.

Mesmo assim, a origem brasileira faz parte da maneira como essas marcas se apresentam ao consumidor estrangeiro, usando o próprio consumidor brasileiro como referência, se apresentando como “a mais amada marca de beleza do Brasil”.

O caso das Havaianas, segundo Alaby, pode ser considerado o mais emblemático de todos. A marca nasceu como um produto sem diferenciação, ficou estigmatizada como o calçado de uma camada da população com menor poder aquisitivo, reposicionou sua marca para ser universal e depois ganhou o mundo. Hoje, é uma das grifes brasileiras mais conhecidas, tanto no Brasil como no exterior. “Mais que um produto, um conceito que se tornou universal. A partir daí, mais do que sandálias, Havaianas vendem um estilo de vida, com DNA 100% brasileiro. De popular viraram pop e o mercado externo percebeu e gostou disso.”

“Essas são marcas que mostram caminhos que outras brasileiras podem seguir, especialmente aquelas que pertencem a empresas que pensam em se internacionalizar, porque elas não terão somente de disputar mercados estrangeiros com os players que já estão lá. Podem ter de defender sua posição no mercado brasileiro de competidores estrangeiros. E mais cedo ou mais tarde, nosso mercado se tornará mais aberto e essa competição vai acontecer aqui. É preciso estar preparado.”

Alaby ainda aponta que, apesar do bom trabalho feito por essas marcas, ainda há espaço para um trabalho de branding, para divulgar a “marca Brasil”. O consultor dá como exemplo países como Itália, Alemanha, Japão, Chile e Colômbia, que se tornaram tão especializados e sinônimos de excelência em um tipo de produto ou serviço que a origem se tornou uma segunda marca.

Ele cita o caso do design italiano, engenharia alemã, tecnologia japonesa, café colombiano e vinho chileno. Os consumidores foram percebendo ao longo do tempo que esses países eram bons nessas especialidades e o certificado da origem nacional acabou se tornando uma fonte de percepção de valor dos produtos tão grande, ou até maior em alguns casos, que a própria marca em si.

Em alguns casos, isso ocorreu organicamente. Em outros, foi resultado de um trabalho de branding muito bem feito, como é o caso do café colombiano, que, criando um personagem mascote, o cafeicultor Juan Valdez, que estrelava várias campanhas valorizando as características do produto do nosso vizinho, como sua acidez, em detrimento do café brasileiro. “Ao contrário de nós, brasileiros, que passamos o século passado exportando café como uma comodity, os colombianos foram pioneiros no conceito do café gourmet e uma saca de café colombiano custa mais caro que do brasileiro. Mas é um erro dizer, tecnicamente falando, que nosso produto seja inferior.”

Mas o Brasil pode aprender com as omissões do passado, em que simplesmente ficou olhando outros países crescerem em mercados internacionais que poderiam ser dominados por empresas e marcas brasileiras. “Carne bovina, carne de frango e calçados são exemplos de produtos nos quais temos qualidade, custos muito competitivos e profissionais competentes em todas as fases da cadeia produtiva. Esses setores, entre outros, poderiam se beneficiar muito de um trabalho de branding em conjunto, seguindo o exemplo do café colombiano, para que o carimbo do ‘Made in Brazil’ agregue valor a cada item vendido. Fica a dica para as empresas e associações de classe”, ensina.

Marcas e a pandemia – O consultor destaca que a pandemia causada pelo coronavírus tem sido uma oportunidade para que marcas mostrem que tem propósito e se destaquem positivamente, sem oportunismo, mas com posicionamento em assuntos relevantes. Ele cita recente pesquisa da HSR Specialist Researchers, denominada Marcas Transformadoras – maior estudo de marcas do País e que aponta as empresas que mantiverem um posicionamento mais consistente são as que estão construirão maior relevância. De acordo com o ranking, com algumas mudanças de posições, Magazine Luiza, Netflix, iFood, Natura e Ambev são as marcas mais transformadoras durante o isolamento social, de acordo com o público.

“Uma pesquisa da LLYC na Europa e na América Latina com cerca de cem executivos de marketing, entre o fim de maio e início de junho, definiu as prioridades na pandemia: ações de propósito de marcas, cooperação interna e canais digitais. O principal desafio das organizações, com 98% das respostas, foi promover a colaboração entre áreas e departamentos. Para o público externo, cresceu a preocupação com o propósito de marca (73% do total), bem como a experiência do consumidor,” conclui.

Fonte: Dupla Inteligência Editorial – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Quarentena muda comportamento dos usuários das redes sociais

Estudo desenvolvido pela FAAP, em parceria com a Socialbakers, mostra queda nas interações e no número médio de seguidores das celebridades no Instagram

A velha máxima de que “conteúdo é rei” mostrou-se ainda mais válida nessa quarentena. O estudo #MS360FAAP, desenvolvido a partir de uma parceria do Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP) com a Socialbakers, mostrou uma queda percentual – se comparado com o início do ano – na média de seguidores das celebridades no Instagram. A redução foi de aproximadamente 34%, saindo de um número médio de 13,175 milhões (no primeiro trimestre) para 8,680 milhões neste segundo trimestre.

Image by William Iven from Pixabay

Com muito mais pessoas nas telas, devido ao distanciamento social por conta no novo coranavírus, o pensamento mais óbvio seria que as redes sociais teriam uma inundação de usuários e conteúdo, explica o professor Prof. Thiago Costa, um dos pesquisadores do estudo. Mas não foi o que aconteceu.

Entre janeiro e março deste ano, esse mesmo os perfis das celebridades alcançavam um crescimento de 17,3% no número médio de seguidores, na comparação com o período imediatamente anterior. Ou seja, depois de uma subida considerável, esse tipo de perfil teve uma queda percentual bem maior.

“É totalmente possível atribuir essa queda dos seguidores ao empobrecimento do conteúdo gerado pelas celebridades”, afirma Thiago Costa, que também é coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP.

De acordo com o professor, a partir do momento em que não havia mais uma “vida glamorosa” e distante da realidade da maior parte das pessoas, o interesse do público diminuiu. “A quarentena nos igualou. Qual o sentido em ver o look do dia se não tenho onde usar essa roupa? Não há mais o que aspirar na vida de uma blogueira, por exemplo. Ela está tão presa dentro de casa quanto qualquer outra pessoa. Ou pelo menos é isso que se espera”, afirma.

Outro ponto que pode ser considerado é o do mau exemplo dado por perfis conhecidos das redes, que não respeitaram as medidas restritivas e, por isso, foram “cancelados” pelo público. E os números não mentem: as interações feitas pelos usuários do Instagram nos perfis das celebridades também sofreram uma diminuição de 42,47% do primeiro para o segundo trimestre de 2020, justamente no auge da pandemia. Saíram de uma média de 150.385 por postagem para 86.503.

O Prof. Eric Messa, coordenador do NiMD-FAAP, aponta que aumentou a visão crítica do público. Portanto, comportamentos vistos como “politicamente incorretos” passam a ter um impacto muito maior, distanciando o influenciador de seus seguidores. Ele lembra que essa queda no volume de interações também se dá por outros fatores, como a diminuição de publicações patrocinadas por marcas e, ainda, uma consequência de novos hábitos de consumo de mídia durante a quarentena, como a televisão, por exemplo.

Facebook

Enquanto a situação das celebridades no Instagram se mostra difícil, no Facebook quem sofre são as marcas. A plataforma continua mostrando um ritmo descendente desde o início de 2020.

Um exemplo desse cenário é o segmento de páginas categorizado como “Marcas/Institucional”. No primeiro trimestre deste ano, comparando com o último de 2019, esse setor já havia sofrido uma diminuição de 31% na média de curtidores. De janeiro até o final de junho, a queda foi menor, de somente 7%, porém mantém o viés de diminuição: a média de curtidores era de 2.939.968 no primeiro trimestre e, em abril, maio e junho, ficou em 2.729.411.

Em relação à amplificação de postagens, ou seja, na compra de mídia, das cinco categorias analisadas, três aumentaram a quantidade de conteúdo impulsionado (Marcas/Institucional, E-Commerce e Entretenimento). Já o setor de Mídia/Notícias manteve a quantidade. Apenas 7% dos conteúdos recebem impulso financeiro.

Na contramão, o segmento de Bens de Consumo diminuiu o percentual de posts amplificados, de 63% para 59%. “Mesmo que pequena, essa diminuição já deve ser uma consequência direta do movimento Stop Hate For Profit, que teve início em junho nos Estados Unidos e, desde lá, ganhou adesão de mais de 240 marcas que anunciaram o fim de suas campanhas de mídia no Facebook”, explica Messa.

Mais achados de destaque da pesquisa

– O setor de “Entretenimento” foi o que mais postou no Facebook no 2º trimestre, com uma média de 30 conteúdos por semana.

– 92% das postagens feitas no Facebook em abril, maio e junho de 2020, pelas principais páginas de “Mídia e Notícias”, continha algum tipo de link que levava o leitor para fora da plataforma, ou seja, outra página.

– 28% dos conteúdos postados pelos 100 maiores perfis do Instagram no Brasil não aparecem com nenhuma hashtag no texto.

– O tipo de postagem que mais gera engajamento para marcas no Instagram é o Carrossel (mais de uma foto no mesmo post). No segundo trimestre deste ano, em média, os 100 maiores perfis receberam 14.183 curtidas em conteúdos desse tipo.

O estudo #MS360FAAP apresenta trimestralmente o comportamento das 100 marcas e celebridades com mais interações no Facebook e Instagram. Os relatórios estão disponíveis no site www.faap.br/ms360faap.

Fonte: FAAP / OBOÉ COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Empresário da região cria campanha para ajudar catadores de recicláveis

Objetivo é auxiliar cooperativas de catadores de materiais recicláveis que foram impactadas pela pandemia

Percebendo a dificuldade enfrentada pelos catadores de materiais recicláveis da região durante a pandemia, a empresa do setor ambiental especializada em logística reversa, Fechando Ciclo, em São José dos Campos, iniciou uma campanha para ajudar as cooperativas neste momento.

Com a crise causada pelo coronavírus, muitos catadores não conseguiram trabalhar por conta do isolamento social e isso afetou diretamente na renda das famílias. Com o objetivo de auxiliar inicialmente 81 catadores da região do Vale do Paraíba e Litoral Norte, foi criada a campanha “Vamos dar um UP nos catadores”. A ideia é levar a campanha para mais cidades.

As arrecadações dos recursos da campanha serão revertidas em cartões alimentação e refeição, medicamentos e EPI’s, para auxiliar na prevenção do Covid-19. As doações podem ser feitas através do site, benfeitoria.com/upnoscatadores.

“Os catadores de materiais recicláveis são parceiros da Fechando Ciclo, por conta da paralisação muitos ficaram impossibilitados de continuarem seus trabalhos, prejudicando no orçamento familiar. Dessa forma, resolvemos criar a campanha para ajudá-los durante este período de quarentena” afirma Marco Moura, CEO e Fundador da Fechando Ciclo.

Sobre a campanha “Vamos dar um UP nos catadores”

Criada em junho pela empresa do setor ambiental especializada em logística reversa, Fechando Ciclo, a campanha “Vamos dar um UP nos catadores”, tem como objetivo garantir doações de alimentos, medicamentos e EPI’s para os catadores de materiais recicláveis do Vale do Paraíba e Litoral Norte. A campanha conta com o apoio da empresa UP Brasil, que atua no segmento de benefícios e da agência de comunicação Pilares Relações Públicas.

Fonte: Pilares Relações Públicas

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Pós-pandemia: Novas tensões socioculturais exigem novas respostas por parte das marcas

Empresas devem ajudar a criar produtos e serviços que abordem essas necessidades que surgiram durante a quarentena

Quase chegando à marca dos três meses de quarentena, o Brasil vislumbra uma possível flexibilização. A vida durante o lockdown alterou coisas que considerávamos garantidas e fundamentalmente afetando nossos valores e comportamentos. Ainda assim, a maioria das marcas está se comunicando de forma homogênea. “As marcas precisam entender essa nova realidade e precisam ‘consertar’ seu ponto de vista dentro dela para poderem ser ouvidas”, afirma Luis Bosisio, diretor de atendimento e planejamento e responsável pela área de Brand da Kantar Brasil.

Image by Tumisu from Pixabay

Para entender esse novo cenário e as tensões identificadas, a Kantar explorou o isolamento e a criatividade usando a EVA, plataforma de análise de imagem nas redes sociais, e especialistas em insights culturais:

  • Foi analisada uma amostra de mais de 20 mil posts no Instagram;
  • Eles foram reunidos pela tecnologia de reconhecimento de imagem da EVA para revelar grandes códigos e temas sobre o tópico;
  • Esses temas foram analisados para entender como eles refletem as tensões humanas e o que isso significa para as marcas.

Tensão 1: Produtividade vs. Bem-estar

As pessoas foram forçadas a rever os significados de sucesso e progresso e a buscar realizações de outras formas. Com isso, as marcas têm a oportunidade de “recalibrar” o conceito de sucesso e oferecer produtos e serviços de acordo.

Tensão 2: Comunidade vs. Desigualdade

Na mídia, vimos muitos conteúdos sobre a crise unindo as pessoas e fortalecendo as comunidades. Mas a realidade da COVID-19 é brutal e evidencia as desigualdades gritantes entre diferentes grupos da nossa sociedade. A oportunidade está em enfrentar essas divisões, se posicionar e assumir um papel relevante em relação à responsabilidade social.

Tensão 3: Introversão vs. Extroversão

A quarentena evidenciou os comportamentos desses dois grupos. Enquanto os introvertidos investiram mais em atividades como desenho, leitura ou meditação, os extrovertidos buscaram novas formas criativas de socializar e ganhar energia por meio de interações virtuais. Com isso, as marcas precisam planejar uma estratégia de marketing e mídia para alcançar os diferentes perfis e pensar em produtos e serviços que possam ser mais adaptáveis.

O entendimento dessas tensões permite que as marcas lidem com essas novas necessidades enquanto continuam fiéis ao propósito central delas. “Posicione-se. As pessoas esperam que as marcas ajudem se puderem, comportem-se de forma responsável e ofereçam novos produtos/serviços relevantes para essas grandes mudanças”, diz Bosisio.

Fonte: Tamer Comunicação – Karina Rodrigues/Assessora de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

As marcas mais transformadoras durante a pandemia

Magazine Luiza, Netflix e iFood são as marcas mais transformadoras durante a pandemia, aponta estudo

HSR Specialist Researchers realiza maior estudo de marcas do País e aponta as que se mantiverem de forma mais consistente entre as que estão construindo maior relevância

Especialistas em sustentabilidade indicam que mudanças radicais de comportamento ocorrem quando o ser humano é forçado a seguir um curso diferente do usual, exatamente como ocorre neste momento. Desde 24 de março, início da pandemia em razão do novo coronavírus, a HSR Specialist Researchers vem realizando o ranking Marcas Transformadoras, com o objetivo de identificar as empresas mais capazes de construir relevância para o consumidor e a força desse ativo no longo prazo. Dez empresas têm se destacado como as marcas que se mantiverem de forma consistente no ranking que já realizou 18 mil entrevistas, sendo o maior estudo de marcas já realizado no Brasil.

Em dois meses e meio de medições (dez medições semanais, no total), as dez marcas que se mantiverem de forma mais consistente no ranking foram, na ordem: Magazine Luiza (241 pontos – índice de transformação médio no período), Netflix (233), iFood (171), Natura (163), Ambev (151), O Boticário (147), Nestlé (144), Lojas Americanas (134), Mercado Livre (126) e Samsung (124).

Tanto Magazine Luiza como Netflix se consolidaram com uma distância de mais de 60 pontos em relação ao terceiro lugar, o que demonstra a consistência em ambas as gestões de marca ao longo de suas existências. “Magazine Luiza é o que todas as empresas deveriam ser, relevante para todos seus stakeholders na sua essência. A empresa respira solidariedade, engajamento social e inovação não só em momentos de mudança ou crise, apresenta um histórico de atividade social contínuo, o que em momentos críticos ressoam como verdadeiras”, comenta Valéria Rodrigues, sócia-diretora da HSR Specialist Researchers.

Apoio e comunicação direta com a sociedade – Um exemplo claro durante a pandemia, foi a inclusão gratuita dos pequenos varejistas e autônomos em suas plataformas de e-commerce, com todo o suporte necessário para quem nunca tinha tido um contato tão íntimo com o digital; além de suas campanhas contra a violência doméstica que protegem a mulher.

As ações das marcas Netflix e iFood já estão inseridas no cotidiano das pessoas, cujos serviços ganharam muita relevância durante a pandemia – entretenimento indoor e serviços de entrega. A Netflix teve maior destaque entre os jovens, já que é uma marca conhecida por comunicar-se nas redes sociais com uma persona que utiliza ironia, bom humor e transparência. No Twitter, ela se coloca com uma voz ativa, opinando e indicando séries e filmes da concorrência por meio de posts, demonstrando verdadeira preocupação com os consumidores e um espírito democrático, além de indicar também clássicos da literatura para contribuir com seus seguidores durante o período de quarentena.

iFood foi a marca mais ágil na comunicação de suas ações, atuou em diversas frentes garantindo segurança ao entregador e ao consumidor e comunicou o Fundo de Auxílio aos pequenos restaurantes, incentivando o consumo de bairro. A propaganda mais recente mostra todo o ecossistema de seu negócio e como atua, de forma criativa e incluindo ações de solidariedade. “Uma entrega leva a outra. Por isso, a nossa entrega será continuar pensando formas para que todos se entreguem ainda mais”, essa é a assinatura que garante conexão emocional com o consumidor.

“Netflix realizou ajustes na qualidade da transmissão para não sobrecarregar as redes de internet em um momento em que muitas pessoas estão usando ao mesmo tempo. Assim pode continuar a oferecer uma boa experiência para o usuário, evitando quedas de velocidade e travamento nos filmes”, completa Karina Milaré, sócia-diretora da HSR Specialist Researchers.

Inovação e soluções aos consumidores – As três marcas mais bem pontuadas conquistaram índices muito altos em inovação e soluções aos consumidores em momentos de crise e estão na liderança de Marcas Transformadoras, demonstrando o legado que as organizações terá daqui pra frente, na retomada da economia e mostrando caminhos para lidar com o novo perfil do consumidor após o período de grande isolamento social.

“Nesse sentido, as marcas precisam fazer uma leitura minuciosa do cenário para ir ao encontro das necessidades emergentes. A valorização do indivíduo, foco atual das empresas, não será suficiente para as marcas se manterem relevantes e admiradas. Essa equação passa a ter outras demandas, como postura voltada à sociedade, sustentabilidade econômica e visão de longo prazo, entre outros aspectos”, conclui Valéria Rodrigues.

Metodologia – O ranking formado pelo estudo Marcas Transformadoras vai além das métricas tradicionais, agregando atributos de imagem alinhados com as tendências de relevância de marca, visibilidade e power of voice (potencial de comunicação da marca considerando o número de seguidores nas redes sociais). A identificação das marcas mais transformadoras passa por um cálculo, combinando essas três informações, gerando pontuação entre 0 e 300 pontos, sendo 100 para cada categoria de dados. Quanto maior a pontuação, mais a marca está associada à postura transformadora.

Para se aferir a relevância da marca e chegar ao resultado final, são identificados seis atributos essenciais neste novo momento, abrangendo: ações voltadas à sociedade; investimentos na segurança de seus consumidores; preparação para oferecer soluções aos clientes em momentos de crise; busca de inovação em momentos de crise; e atuação justa e ética.

O estudo Marcas Transformadoras não faz distinção por área de atuação da empresa e quase todos os segmentos da economia estão presentes no ranking. Desde 24 de março, a HSR já ouviu mais de 18 mil pessoas, das classes sociais A, B e C, em todas as regiões do País.

Fonte: LF Comunicação Corporativa – Marco Barone

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Covid-19: Como a pandemia influencia as preocupações e decisões financeiras do brasileiro?

Com menos dinheiro para gastar, o planejamento financeiro se faz cada vez mais necessário

Enquanto nos aproximamos do fim do terceiro mês da pandemia do novo coronavírus, somos invadidos por uma série de preocupações. A instabilidade da economia e o consequente efeito da crise impactam diretamente na renda e os hábitos de consumo são proporcionalmente afetados. À medida que a pandemia avança cresce a preocupação da população e, no caso do Brasil, a situação política e econômica faz com que os índices sejam maiores que a média global.

Com menos dinheiro para gastar, o planejamento financeiro se faz cada vez mais necessário, assim como o interesse pelos preços, descontos e promoções.

Desde o início do isolamento social, o e-commerce tem apresentado crescimento entre os consumidores, com destaque para os domicílios com crianças. A realidade de uma quarentena com filhos em casa cria necessidades específicas que o e-commerce pode atender em diversos aspectos, fazendo desse público o mais inclinado a aumentar ainda mais as compras online no futuro. Esse comportamento indica uma oportunidade para as lojas online, mesmo depois da pandemia.

Fonte: Tamer – Karina Rodrigues
Assessora de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Reabertura dos shoppings na segunda feira

Taubaté Shopping e Shopping Colinas falam da reabertura

Dois importantes shoppings da região comunicaram oficialmente sua reabertura a partir desta segunda próxima, dia 01/06. Vejam o que os dois shoppings tem a dizer sobre a retomada.

Taubaté Shopping reabre em 1º de junho

Centro de compras e lazer segue em linha com os decretos estadual e municipal e adota diversas ações, como horários reduzidos, aferição de temperatura, cuidados reforçados com a higienização e controle para evitar aglomerações

O Taubaté Shopping reabre ao público a partir desta segunda-feira, dia 1º de junho, seguindo orientações de órgãos públicos e decretos governamentais, bem como as recomendações dos órgãos nacionais e internacionais de saúde. O empreendimento funcionará temporariamente em horário reduzido, de segunda a sexta, das 12hs às 20hs; já os estabelecimentos de alimentação seguem funcionando exclusivamente no sistema “drive-thru” e “delivery”.

Para garantia da segurança à saúde de todos os visitantes, o centro de compras e lazer adotou diversas medidas de controle, alinhadas às recomendações do decreto municipal. “Trabalhamos intensamente em um plano para essa reabertura e estamos adotando práticas que visam a essa retomada consciente do funcionamento dos setores econômicos”, destaca a Gerente Geral do Taubaté Shopping, Ana Cristina Ribeiro.

Veja a lista de ações adotadas pelo Taubaté Shopping para a fase de reabertura:

– Cuidados redobrados com a higienização e desinfecção rotineira de todas as áreas do empreendimento;
– Eventos e atividades que possam gerar aglomeração permanecem suspensas; por isso, seguem fechadas áreas de lazer, de jogos, de boliche, parques infantis e o cinema;
– Os estabelecimentos de alimentação seguem funcionando exclusivamente no sistema “drive-thru” e “delivery”;
– Incremento de mais pontos de álcool em gel a 70% para utilização dos clientes e dos funcionários do local;
– Sinalizações internas reforçadas, como a demarcação de espaço para filas;
– Orientações reforçadas junto aos lojistas e funcionários quanto aos cuidados na prevenção;
– Redução dos acessos de entrada ao empreendimento;
– Obrigatoriedade do uso de máscaras por funcionários e clientes;
– Displays com indicação e orientação em relação ao respeito ao distanciamento e às boas práticas de higiene.

Fonte: Communicare – Giovanni Romão

Sobre a reabertura do Colinas Shopping

Com base nos decretos do governo estadual e da Prefeitura de São José dos Campos, publicados na quarta-feira (27) e quinta-feira (28), respectivamente, autorizando a reabertura de shopping centers e outros setores, o Colinas Shopping informa que retomará as atividades a partir da próxima segunda-feira (1º de junho).

A reabertura irá seguir todas as normas e diretrizes especificadas pelas autoridades, com medidas extras de proteção à saúde que serão adotadas pelo Colinas Shopping.

O Colinas já se preparou para que a reabertura e as atividades sejam organizadas priorizando a segurança e a saúde dos clientes e colaboradores, baseando-se também no protocolo de operações da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers), além dos decretos estadual e municipal.

Entre as ações adicionais, estão medidas como controle de entrada e saída – por portas diferentes –, aferição de temperatura e uso de tapetes antibacterianos, entre outras.

Além disso, o Colinas Shopping já mantém torneiras, papeleiras e dispensers de sabão e álcool em gel automatizados. No estacionamento, o plano adotado prevê a utilização de vagas alternadas, mantendo uma distância segura entre os automóveis.

As praças de alimentação permanecem fechadas, pois o atendimento no balcão dos estabelecimentos está proibido. As operações de alimentação continuam por meio do sistema drive-thru e delivery.

Todas as iniciativas também serão comunicadas aos clientes, a partir de uma campanha de comunicação visual no shopping e nas redes sociais do Colinas, com foco em orientações úteis para prevenção individual, visando a garantia da saúde de todos.

O Colinas Shopping reforça que seguirá todas as determinações dos órgãos governamentais. Neste momento de reabertura, salões de beleza, academia, cinema, teatro, espaço kids, bares e restaurantes permanecem fechados. O shopping também não promoverá atividades promocionais ou campanhas que possam causar aglomerações.

O funcionamento do shopping será de segunda a sexta, das 12h às 20h.

Fonte: CABANA – Alexia Silva

Share and Enjoy !

0Shares
0 0