Dança das cadeiras

Mais uma em março

O mês de março está se mostrando muito bom para o mercado de comunicação e marketing. Muita gente trocando de posto/empresa ou chegando ao mercado como estagiário ou recém contratado.

Trouxemos mais algumas das movimentações de nosso mercado. Confira!

Matheus Firme chega para compor o time da Imagem – Soluções de Inteligência Geográfica na função de Communication Intership.

Ingrid Garcez Cavalca, ainda aluna de Jornalismo da Comunicação Social Unitau, é a nova Conteudista na Hubify – Marketing Digital de Performance.

A jovem e recém formada publicitária Gabriela Heloise chegou na Wou Marketing onde acaba de assumir o novo cargo de Planner.

Mariane Nascimento Narciso é a nova Product Manager da Focusnetworks – OnLife Marketing Transformation.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dança das cadeiras

Mais movimentação

Março continua bem movimentado. Mais profissionais trocando de posto e assumindo novos desafios no mercado de comunicação e marketing da RM Vale do Paraíba. E desta vez, o destaque são os publicitários.

Kenzo Hatagami acaba de chegar a Alchemy Big Data Solutions para atuar em Performance.

Já Raíssa Maria acaba de assumir o posto de Planejamento no Grupo Genyus.

E Patrick de Chiara acaba de chegar a Exclusiva Vale Imóveis para ocupar a posição de Analista de Marketing.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

O que é branding?

O que é branding? Porque falam tanto nisso?

por Achiles Batista Ferreira Junior*

Se você pesquisar, verá que branding significa “gestão da marca”, é isso, porém o conceito vai além, uma vez que as marcas que mais se preocupam com a sua sobrevivência mercadológica, questionam a forma ideal de melhorar sua performance, seja no segmento de produto ou serviço. Isto porque, a fidelização do consumidor/cliente é bem mais interessante do que conquistar um novo cliente, e a marca tem justamente este papel, fidelizar e manter clientes. Logo, a prática, prestar bons serviços para fortalecer a imagem da marca, se torna fundamental para a continuidade dos negócios da empresa.

Achiles Junior

É fundamental entender um pouco sobre o poder de uma marca e sua gestão, uma vez que a marca pode influenciar na decisão e avaliação dos produtos/serviços. Neste contexto, se faz necessário diferenciar a gestão das marcas (branding) da criação/design do logotipo de uma marca.

Primeiro vamos entender o que é marca e o que é logotipo. Marca é o nome, termo, design ou qualquer outra característica que identifique um bem ou serviço de um vendedor como distinto dos bens ou serviços oferecidos por outros vendedores (CHURCHILL; PETER, 2012). Já logotipo é definido como sendo a representação gráfica da marca, ou seja, ele faz parte da marca. Porém as marcas são mais que simples nomes e símbolos, elas são elementos primordiais na relação entre empresa e consumidor, pois representam a percepção e os sentimentos do mesmo em relação a um produto e seu desempenho (KOTLER; ARMSTRONG, 2007).

Por sua vez, branding vem do inglês e é formada pela junção de brand que significa “marca” com a terminologia “ing” formando um gerúndio, uma palavra que sempre denota uma ação, o “fazer algo”, então, de maneira resumida, branding significa fazer ações para a marca, ou seja, se refere à gestão da marca como um todo e não apenas a criação de sua representação gráfica (logotipo).

Grandes empresas tais como Coca Cola, Apple, Harley Davidson, Disney, entre outras conseguiram atingir o ápice no quesito boa imagem, relacionamento e fidelização dos seus consumidores com uma boa gestão de marca, ou branding. Pois segundo Roberts (2004), o que basicamente move o ser humano é a emoção e não a razão.

*Prof. Dr. Achiles Batista Ferreira Junior é coordenador do curso superior de Marketing Digital e Marketing do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Página 1 Comunicação – Ana Paula Scorsin

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Kantar lança solução para análise de eficiência de mídia digital que traz insights a partir de 24 horas

Context Lab ajuda marcas a entender quais são os contextos digitais que trazem a melhor performance

A Kantar acaba de lançar, por meio do seu Marketplace, uma nova versão da solução Context Lab, que auxilia a identificar os melhores contextos para as propagandas digitais feitas por uma marca.

A solução ajuda a responder perguntas importantes, seja nas propagandas digitais tradicionais, conteúdo patrocinado e até marketing de influência:

· Quais são os contextos com melhor performance para a minha marca?

· Como posso otimizar o conteúdo das minhas peças para maximizar a performance por contexto?

O foco dessa nova versão é agilidade, rapidez e insights aprofundados, tudo dentro de uma plataforma digital, a Marketplace Kantar:

· Resultados em 24 – 72 horas

· Possibilidades de comparar resultados entre Facebook e Youtube

· Possibilidades de testar conteúdo patrocinado e de marketing de influência, além de formatos tradicionais do mundo digital

“Com o investimento em digital aumentando a cada ano – e principalmente com o crescimento de formatos não tradicionais como influenciadores e conteúdo patrocinado – poder ter a confiança de escolher os ambientes de publicidade corretos, de forma rápida e fácil, é essencial para garantir campanhas mais eficientes”, afirma Juliano Piccoli, diretor e líder do Marketplace para a Kantar.

Veja mais sobre a solução Context Lab na Kantar Marketplace.

Fonte: Comuniquese – Marisa Ramazotti

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Agência abre vaga para atuação em digital

Papaya busca um profissional de Growth Hacker Jr.

Perfil desejado para a vaga e funções:

1. Área e especialização profissional: Marketing

2. Nível hierárquico: Analista

3. Local de trabalho: Papaya Comunicação

4. Campanhas patrocinadas e elaboração de planejamento de performance;

5. Ajudar na disseminação da cultura de growth;

6. Planejar a jornada de compra do cliente

7. Criar os fluxos de automação (preferencialmente no RD Station);

8. Desenvolver o copywriting dos e-mails e Landing Pages;

9. Desenvolver a linha criativa dos e-mails e Landing Pages;

10. Desenvolver teste A/B em e-mails, Landing Pages e campanhas patrocinadas (Facebook for Business e Google Adwords);

11. Otimização os fluxos, e-mails e Landing Pages com foco em crescimento;

12. Analisar a performance dos fluxos e sugerir melhorias;

13. Desenvolver e apresentar relatórios de performance.

É o seu perfil? Então manda um currículo para lerrine@papayacomunicacao.com.br.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Vaga para analista senior

Vincere abre vaga para analista senior

A vaga é para quem já trabalhou em agência e tem experiência em performance.

A vaga é somente para quem já tem experiência sênior. Por favor, não enviar currículo de júnior.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

O que é importante para o novo varejo?

Tecnologia e fator humano no novo varejo

*por Fabrizzio Topper

O que não falta na maior e mais importante feira de inovação e tendência de varejo, como a NFR – National Retail Federation – é tecnologia sofisticada e cada vez mais intuitiva, tendências que fazem toda diferença para o varejo.

Em tecnologia, os cinco sentidos vão proporcionar experiências interessantes ao consumidor, tanto nas plataformas de venda online (ecommerce e marketplaces) como na loja física. Sem entrar em detalhes técnicos, vamos abordar o uso da tecnologia sob o ponto de vista de fidelizar e satisfazer o consumidor e melhora a performance comercial das marcas.

Imagem: Pixabay

As novas tecnologias enriquecem a experiência por meio da inclusão de interações digitais que melhoram a experiência. De forma cognitiva, imersiva e tecnológica, o novo varejo digitalizado promete entregar experiências reais, completando a lacuna de anseios dos mais diferentes e exigentes shoppers (consumidores).

A tecnologia em conjunto com interfaces digitais amigáveis permitirá a customização em tempo real de forma escalável e ágil para produtos, serviços e experiências. Isso é muito relevante quando queremos proporcionar um ambiente de dados para captação de imputs (informação) do consumidor e da equipe, não só da venda, mas de toda a jornada de compra. Por isso, a implantação de melhorias digitais ou estruturais precisarão acontecer em ciclos cada vez menores, explorando o modelo de MVPs que reduzam o “time to market” e acelerando a curva de aprendizado. A velocidade de processamento de dados passa a ser um desafio e precisa estar acessível para toda a operação, basicamente em tempo real, para reduzir o atrito e permitir a personalização de abordagem.

Tudo deve ser capaz de gerar dados ou não deveria ser realizado, caso contrário não poderá ser otimizado e refinado até o estado da excelência entre valor gerado e custo versus complexidade reduzida e melhor rentabilizada, mas pirotecnia digital e tecnológica ou lojas experiência que não reforcem e ampliem a conversão comercial direta ou indiretamente não fazem sentido, qualquer ponto de contato deve se certificar que captou o consumidor para a base para construção de uma jornada estruturada, que possibilite atingir a conversão comercial ou entendimento do que deu errado.

Quanto mais a tecnologia estiver nas mãos dos vendedores, fornecendo dados que melhorem o posicionamento na loja, a abordagem e o apoio para a construção da venda para verificar estoque, preço e informações de produto instantaneamente melhor.

O consumidor precisa sentir que valeu a pena comprar e ter a percepção de valor da marca. Entendo que o varejo de ponta internacional não tem mais fronteiras quando o tema é consumidor na era digital.

*Fabrizzio Topper, professor, consultor, empreendedor e cientista de consumo da era digital.

Fonte: Vera Moreira Comunicação – Assessoria de Imprensa

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Vaga para analista de marketing

Vaga para Analista de Marketing Digital

Desejável:

– Superior completo em Marketing ou Publicidade

– Vivência anterior com gestão de plataformas digitais

– Inglês avançado

– Experiência na gestão de sites, planejamento de redes sociais, gerenciamento de leads, planejamento estratégico digital e mídia performance

Local de trabalho: Jacareí – SP

Interessados mandar CV com pretensão salarial para marketing@cherybrasil.com.br com o título da vaga no assunto do e-mail

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Uma nova ferramenta: o e-mail remarketing

ReachLocal lança solução de e-mail remarketing

Novidade viabiliza o envio de mensagens por e-mail para usuários que acessaram um site, aumentando os resultados das campanhas online de marketing digital

A ReachLocal, empresa global com tecnologia exclusiva de marketing digital para aumentar a performance das campanhas online e incrementar resultados de vendas, acaba de lançar uma ferramenta que rastreia acessos em sites, resgata leads perdidos e melhora a conversão, aumentando a performance de campanhas de marketing digital.

Segundo pesquisa elaborada pela ReachLocal, que levantou dados de tráfego em websites, até 95% das pessoas que visitam um site saem sem fazer nenhum tipo de interação, como cadastrar e-mails, por exemplo. O comportamento é comum na internet e acontece por diversos motivos, como falta de tempo ou clareza nas informações de contato, excesso de vídeos ou anúncios, problemas com navegação ou preferência por sites concorrentes.

O e-mail remarketing, nova solução oferecida pela ReachLocal, consegue identificar o endereço eletrônico de até 25% destes usuários utilizando cookies do navegador. Com o dado de contato rastreado, é possível enviar mensagens automáticas e personalizadas, recuperando, assim, o tráfego perdido. “A ferramenta aumenta as chances de conversão por conseguir dialogar com o lead em um momento mais propício, voltando a impactá-lo”, explica Thiago Santos, VP de operações e serviços da ReachLocal.

Se a empresa já investe em ferramentas que levam usuários ao site, como links patrocinados e Google Remarketing, a nova solução aumenta as chances de melhorar o retorno sobre o investimento em marketing digital, pois maximiza a interação com o tráfego.

O e-mail remarketing chega para complementar o conjunto de soluções estratégicas de marketing digital da empresa. A ferramenta é ideal para empresas que prestam serviços em setores como turismo, estética e automotivo com planos a partir de R$ 499,00 mensais.

Sobre a ReachLocal
A ReachLocal é uma empresa global do grupo americano Gannett, proprietário do USA Today e de mais de 200 sites de notícias no mundo, que desenvolveu uma tecnologia exclusiva de marketing digital para aumentar a performance das campanhas online através da mensuração dos mais diversos canais de comunicação e aumentar os resultados de vendas para empresas de todos os portes. Além da plataforma tecnológica, a ReachLocal domina todas as etapas das campanhas que envolvem marketing digital, do desenvolvimento estratégico, implementação até a mensuração de resultados, tornando-se um player fundamental para agências de publicidade, comunicação e empresas que queiram aumentar a sua performance em vendas.
Presente no Brasil desde 2012, a ReachLocal conta com 4 mil clientes ativos. A filial brasileira é também a responsável pela expansão da empresa na América Latina. Fundada em 2004, nos Estados Unidos, com operações próprias no Canadá, México, Austrália, Nova Zelândia, Alemanha, Holanda, Japão, Polônia e Eslováquia e representação no Argentina, Chile e na Colômbia. Hoje são mais de 2000 funcionários que atendem cerca de 24 mil clientes e geram mais de 35 mil campanhas digitais ativas em todo o mundo.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cloud Computing: 2 mitos que ainda barram projetos

Segurança da informação e tempo de resposta ainda são preocupação para muitas companhias brasileiras. Entenda por que esse temor não é necessário

Após tantos anos de debates e aprendizado, há um entendimento pacificado no mercado sobre a importância da cloud computing para o ambiente corporativo. Essa percepção é traduzida em números: segundo a consultoria IDC Brasil, até o final deste ano, o mercado de cloud pública deve crescer 20% atingindo uma somatória de US$ 890 milhões e, até 2018, 85% dos ambientes serão multicloud, o que significa que serão diversos serviços de mais de uma nuvem pública integrados para atender necessidades de negócios.

Considera-se hoje desde a maneira como a infraestrutura é desenvolvida, com segurança da informação, conectividade e aceleração, sendo que até aplicações são pensadas para ter melhor performance em cloud. É só olhar para infraestruturas com redes definidas por software (Software-Defined Network, ou SDN) e as aplicações simples do dia a dia da empresa, como e-mail, por exemplo.

Dois condutores estão possibilitando essa expansão da cloud. Um deles é a infraestrutura, que aliada à internet e às novas tecnologias, permite a utilização e o gerenciamento de diversas soluções de cloud, com controle de tráfego e qualidade, a partir de uma contratação elástica sob demanda, que aumenta ou diminui conforme a necessidade da empresa. O outro é o custo: a premissa da cloud é o compartilhamento seguro de ambiente, maximizando a operação e resultando em economia.

Contudo, mesmo passado tanto tempo desde que o conceito chegou ao mercado e após tantos aprendizados sobre o tema, ainda há dois mitos que circundam a tecnologia de cloud computing e que, por vezes, são barreiras de entrada para empresas que poderiam se abrir aos benefícios acima listados:

Segurança da informação: são poucas as empresas que visitamos que não temem pela proteção e garantia da integridade dos seus dados em um ambiente de nuvem. Sempre repito: os provedores de cloud possuem políticas e tecnologias de segurança da informação que estão anos-luz à frente do que pequenas, médias ou até mesmo grandes companhias poderiam ter em seus ambientes proprietários. Provedores fazem investimentos pesados para evitar todo o tipo de potencial invasão ou vazamento na transmissão de informações e possuem equipes com centenas de profissionais para ficarem absolutamente atualizados nas mais recentes descobertas de ciberameaças. Segurança da informação é crucial para toda companhia global que fornece cloud computing e o item não concorre com outros tipos de investimento, como acontece em companhias cujo core business não é TI. Todo esse arsenal faz com que seja muito mais fácil uma empresa ter seu data center proprietário invadido do que uma grande provedora sofrer alguma intercorrência.

Performance: Há quem ainda diga que o conceito de cloud computing diminui a performance, porque, uma vez que as aplicações não estão no ambiente da empresa, poderia haver demora para que o acesso seja feito a distância. Trata-se de mais uma ideia equivocada: se a companhia possui uma infraestrutura de conectividade adequada a suportar as aplicações em nuvem, o tempo de resposta tende a ser muito maior. Isso ocorre porque quanto mais aplicações a companhia tem, maior a demanda por capacidade de processamento dos servidores internos. A atualização dessas tecnologias é tão rápida quanto o crescimento da demanda interna pelas aplicações? A resposta é dificilmente, caso a empresa não seja de TI. Mais vale ter uma conexão que suporte o uso da nuvem do que investir em pesados servidores que consigam dar conta do processamento – e que, ainda por cima, consomem espaço e energia em uma proporção considerável.

Se não fossem esses mitos, quanto a mais sobre os US$ 890 milhões o mercado de cloud computing movimentaria no Brasil? Difícil responder, mas tenho certeza que estamos vivenciando uma oportunidade sem limites para os próximos ano.

*José Renato de Mello Gonçalves é responsável pela diretoria comercial do Brasil da Orange Business Services

Fonte: aboutCOM – Natália Diogo

Share and Enjoy !

0Shares
0 0