Uso da internet atingiu 81% da população em 2020

Pesquisa mostra que o Brasil tem 152 milhões de usuários; crescimento de uso doméstico requer atenção com segurança digital

A quantidade da população brasileira que utiliza a internet aumentou em 2020, passando de 74% da população em 2019 para 81% no ano passado, o que representa 152 milhões de usuários acima de 10 anos. O crescimento do uso da rede de computadores foi maior nas classes econômicas mais baixas e impulsionado pela pandemia. Os dados são da pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, divulgada em agosto deste ano.

Type on the keyboard at home office

O levantamento mostra um aumento da proporção de usuários de internet na comparação com 2019, com mais força entre os moradores das áreas rurais – de 53% em 2019 para 70% em 2020; entre os habitantes com 60 anos ou mais (de 34% para 50%); no meio daqueles com Ensino Fundamental (de 60% para 73%); e entre as mulheres (de 73% para 85%). A pesquisa também revelou que o acesso tecnológico teve aumento, principalmente, nas residências das classes C e D/E. Na classe C, passou de 80% para 91%. E nas classes D/E de 50% para 64%. Porém, as classes mais altas, com maior escolaridade e mais jovens, ainda é a faixa com maior acesso à internet.

Segundo o estudo, houve um crescimento na quantidade de computadores nos domicílios: a porcentagem saltou de 39% em 2019 para 45% da população em 2020. O coordenador de Data Center e Administração de Redes do Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), Elton Vinicius Rauh, comenta que a alta no número de equipamentos é consequência da necessidade de realizar algumas atividades em casa durante o ano de pandemia, em 2020. “Como diversas empresas migraram para o home office, houve uma procura maior por notebooks e computadores. Além disso, as crianças começaram a estudar em casa. Então, muitos pais precisaram se adaptar a essa nova realidade”, explica.

Segundo Elton, com um número maior de usuários e conectividade mais expressiva, é preciso estar atento às questões de segurança digital. “É sempre importante reforçar que é necessário cuidado no momento de acessar informações na internet. Os usuários devem evitar salvar suas senhas no computador. Além disso, a orientação é trocá-las periodicamente”, destaca. Ter atenção aos downloads e aos falsos e-mails e anexos também são recomendações do coordenador. “Verificar se o site é realmente confiável para que seus dados não fiquem desprotegidos. Atualizar o antivírus é um auxílio na segurança do computador também”, garante.

Com o maior acesso à internet entre crianças e adolescentes, recomenda-se que os pais também fiquem atentos ao uso da tecnologia pelos filhos. “Os pais precisam orientá-los sobre os riscos da divulgação de informações pessoais na internet. Também para que tenham cuidado com os sites que podem estar sendo acessados. Depende disso a proteção e segurança do aparelho. E lembrar de dialogar com a criança sobre os conteúdos e sobre com quem estão tendo contato na internet”, comenta.

Sobre o ICI

O ICI – Instituto das Cidades Inteligentes é uma organização criada em 1998, com atuação em todo o território nacional, referência em pesquisa, integração, desenvolvimento e implementação de soluções completas de TIC para a gestão pública. Mais informações: www.ici.curitiba.org.br.

Fonte: Central Press

IAB Brasil divulga dados inéditos sobre o investimento em publicidade digital no país

Apresentados no primeiro dia do IAB Next, os dados fazem parte do novo Digital AdSpend, fruto de parceria com a Kantar IBOPE Media

O IAB Brasil, associação que representa a publicidade digital no País, divulgou nesta quinta-feira (02/09) e em primeira mão no IAB Next, principal evento da associação, dados exclusivos sobre os investimentos em publicidade digital em 2020 no Brasil, além de alguns insights para 2021.

Os dados fazem parte do principal estudo anual da associação, o Digital AdSpend, levantamento que tem como principal objetivo oferecer uma visão estratégica dos investimentos em mídia digital no país. Em seu novo formato e fruto da parceria entre IAB Brasil e Kantar IBOPE Media, o estudo traz ainda mais informações sobre o cenário nacional de investimentos no setor.

“O Digital AdSpend nasceu num momento em que a publicidade digital precisava se provar como um meio de comunicação representativo. Já passamos dessa fase e encontramos, agora, um digital consolidado. Nossas metodologias foram se transformando e evoluindo e já não basta um número sobre o tamanho da publicidade digital. É preciso mais contexto. É preciso entender o momento que nos ajuda a construir este número”, comenta Cris Camargo, CEO do IAB Brasil. “O novo AdSpend cumpre este papel”, complementa, Cris.

A nova metodologia utilizada para a definição do investimento total conta com dados da Kantar IBOPE Media e do IAB Brasil em sua composição.

Insights do Digital AdSpend

“A publicidade sempre acompanhou os hábitos do consumidor e com os brasileiros ganhando cada vez mais intimidade com a tecnologia, é natural que as marcas procurem oportunidades para conquistar novos clientes. A partir deste ano, o IAB passará a contar com os dados da Kantar IBOPE Media, agregando mais granularidade e uma visão ampla dos cenários de setores e categorias”, explica Melissa Vogel, CEO da Kantar IBOPE Media no Brasil. “Compreender a atividade publicitária com os mesmos critérios em todos os pontos de contato utilizados pelo consumidor é essencial para a tomada de decisões estratégicas”, finaliza.

O ano de 2020 foi um período de ganho de familiaridade dos consumidores com as tecnologias, em que 56% afirmam que a crise do coronavírus ajudou a incorporar melhor a tecnologia no seu dia a dia*. O Digital AdSpend apontou que, com este cenário favorável à tecnologia e interatividade, a publicidade digital atingiu o patamar de R$ 23,7 Bilhões em 2020, um crescimento de 48% em dois anos, se comparado ao último relatório publicado pelo IAB em 2019, ano base de 2018.

Destino de compra de mídia

O estudo ainda mostra que, entre os 26 setores classificados, 13 (50%) tiveram no Digital o principal destino de compra de mídia, incluindo os 3 setores de maior peso/representatividade na publicidade: Comércio, Serviços e Financeiro, cada qual investiu no digital mais de 40% de sua compra de mídia total no ano de 2020.

Mais crescimento

Em observação à evolução para 2021, o estudo ainda demonstra um cenário de crescimento no primeiro semestre de 2021. Comparado ao mesmo período de 2020, o número de anunciantes investindo nos canais digitais cresceu 57%, sendo que setores como Serviços, Eletrônicos e Imobiliário apresentaram um aumento acima de 100%, o que se traduz em maior concorrência pelo consumidor e maior cenário de oportunidades para agências e veículos no digital.

Estudo completo

O novo Digital AdSpend, com dados de 2020 e 2021, visões setoriais e análises inéditas, será divulgado em etapas a cada dia do IAB NEXT. Os próximos encontros serão nos dias 16, 23 e 30 de setembro, das 9h às 12h. Para participar, acesse o link do evento.

Serviço
Evento: IAB NEXT 2021
Quando: Dias 16, 23 e 30 de setembro
Horário: das 9h às 12h
Local: Online
Valor: Gratuito
Inscrições: No link do evento

Agenda

Dia 16 de setembro: Tecnologia e automação
“Inteligência artificial e machine learning para gestão de dados”
Palestrante: Angelina Eng – VP of Measurement & Attribution do IAB
Insights Investimento publicitário 2020 – Melissa Vogel, CEO da Kantar IBOPE Media
Painel: Automação nas operações de dados – como funciona na prática?

Dia 23 de setembro: Vídeo e Streaming
“TV online e on demand – o potencial da publicidade em CTV para as estratégias das marcas”
Palestrante: David Cohen – CEO Global do IAB
Insights Investimento publicitário 2020 – Melissa Vogel, CEO da Kantar IBOPE Media
Painel: TV Conectada – um manual prático para os profissionais de marketing
Participação: Fabricio Proti, SVP Latam de Ad Sales & Gerente Geral da ViacomCBS no Brasil

Dia 30 de setembro: Business Transformation
“Brand Disruption – insights e tendências sobre a evolução do ecossistema de consumo”
Palestrante: Randall Rothenberg – Executive Chair do IAB
Insights Investimento publicitário 2020 – Melissa Vogel, CEO da Kantar IBOPE Media
Painel: Marketplaces, e-commerce e social commerce – como conectar construção de marca e impulsionamento do canal de venda
Participação: Fabiana Manfredi, Diretora Sênior de MercadoAds

Fonte: XCOM – Agência de Comunicação do IAB Brasil

Cresce o downloads de apps no Brasil

Downloads de apps no Brasil cresce 55% em 4 anos

Há quem diga que não existe mais segmento a ser explorado na criação de um novo aplicativo, mas será que o mercado vai enfraquecer? Sabendo que é um crescimento exponencial, o CUPONATION, plataforma de descontos online, compilou informações de performances de apps na LATAM, principalmente no Brasil.

Com a tecnologia ganhando a cada ano mais espaço na América Latina, a área de downloads em dispositivos móveis cresceu tanto quanto: a quantidade de apps baixados em toda a região foi de 5,1 bilhões no primeiro trimestre deste ano, crescendo 42% desde 2018, segundo uma pesquisa internacional feita pelo App Annie.

Filtrando toda a LATAM, o CUPONATION apontou que durante o mesmo período de 2021, o total de buscas por aplicativos nas ferramentas App Store e Google Play no Brasil foi de quase 2,6 bilhões – um aumento de 55% de downloads comparado com os 1,7 bilhões de 4 anos atrás.

Esse dado também mostra que apenas nosso país carrega a porcentagem de 50,98% de apps baixados num território que possui 20 nações. Com cerca de 1,2 bilhões de downloads, o México é o segundo país em destaque. Confira o estudo completo no infográfico interativo do CUPONATION.

Indo ainda mais além, foi registrado que o Google Play gera 9 de 10 downloads de apps realizados na América Latina, número que se mantém consistente nos últimos 4 anos. No Brasil, 91% dos downloads do primeiro semestre de 2021 foram feitos por celulares Android, aumentando cerca de 30% ano após ano.

O México garante o topo da região em que o número de downloads mais cresceu desde 2018, totalizando 30%. Os dados ressaltam quanto o mercado desse segmento está crescendo, contrariando a tendência de desaceleração em mercados maduros, como os Estados Unidos, por exemplo.

Como ganhar dinheiro com podcasts

Brasil lidera ranking mundial de produtores, mas monetização do conteúdo ainda é um desafio para podcasters

O Brasil lidera o ranking mundial de países produtores de podcasts, segundo relatório da State of the Podcast Universe publicado em 2020. Em segundo e terceiro lugares estão Reino Unido e Canadá, respectivamente. O aumento da produção acontece paralelamente ao crescimento da audiência, estimada em 34,6 milhões de ouvintes, conforme dados da Associação Brasileira de Podcasters (abPod). Mas apesar da expansão, o cenário ainda apresenta um desafio: a monetização do conteúdo.

Foto: Magda Ehlers/Pexels

De acordo com a PodPesquisa Produtor 2020/2021, realizada pela abPod, a maioria dos produtores (65,7%) faz o podcast como um hobby. Os demais têm algum tipo de receita, sendo que para 14,6%, esses recursos pagam apenas o custo de produção. Já para outros 4,7% funcionam como complemento da renda mensal.

Apenas 2,8% dos produtores têm o podcast como principal fonte de renda, enquanto outros 2,6% vivem exclusivamente desse trabalho. A pesquisa revelou, ainda, que dentre aqueles que monetizaram o conteúdo, o financiamento coletivo foi apontado como a principal forma de remuneração.

Perfil

O levantamento também apresentou o perfil de quem produz os podcasts no país. Em geral, são homens (75,7%), brancos (58,8%), heterossexuais (81,3%), com renda familiar entre R$ 1 mil e R$ 3 mil (28,5%) e moradores da Região Sudeste (54,21%).

Na avaliação por gênero, as mulheres correspondem a 23,3% do total de produtores, enquanto não binários são apenas 0,1%. A presença da comunidade LGBTQIA+ ainda é pequena, sendo 8,8% de bissexuais, 6,1% de homossexuais e 3,8% de pessoas que se identificam de outra forma.

Já a participação de acordo com a autodeclaração por cor ou raça mostrou que 22,7% dos produtores são pardos; 12,9% pretos; 2,4% amarelos; e 3,2% escolheram a opção “outros”.

Caminhos para monetizar o conteúdo

Ao cruzar as informações de que a maioria dos produtores não recebe dinheiro com podcasts, apesar de muitos terem uma renda mensal de até R$ 3 mil, é verificado um gargalo na monetização do conteúdo, uma dificuldade em como converter o crescimento da audiência em ganhos para quem trabalha na área.

Um dos caminhos para ganhar dinheiro com o formato é o uso da ferramenta Spotify Podcast Ads. Na prática, ela funciona de forma similar ao Google Adsense, permitindo a inserção de anúncios compatíveis com o público a partir da remuneração, como se fosse um “aluguel” do espaço.

Outra possibilidade para os produtores é a monetização indireta por meio da venda de produtos. Assim, os anúncios são feitos durante o podcast, que torna-se um meio de divulgação de produtos e serviços de terceiros. Nesse sistema, a remuneração pode ser feita por comissão.

Há, ainda, a oportunidade de buscar patrocínio. Nesse caso, os anunciantes são citados no expediente do programa. Os ganhos estão diretamente relacionados à audiência do conteúdo.

Por fim, há a opção do financiamento coletivo e das doações, que é a principal forma utilizada hoje pelos produtores. Nesse modelo, a própria audiência remunera de forma voluntária o conteúdo para garantir a sua manutenção.

Fonte: Experta Media – Suellen Martins