Relatório de Mídias Sociais produzido pela FAAP e SOCIALBAKERS traz novos dados

Estudo #MS360FAAP passa a comparar perfis de empresas e de influenciadores, além de analisar resultados de posts impulsionados versus orgânicos

A primeira edição de 2018 do estudo Mídias Sociais 360° (#MS360FAAP) desenvolvido pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital (NiMD) da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em parceria com a Socialbakers, traz novidades. Além de medir as atividades dos 100 perfis empresariais com mais interações nas mídias sociais do Brasil, passa a trazer dados dos 100 principais influenciadores e medir a diferença entre os resultados de posts orgânicos e patrocinados.

O objetivo do relatório, segundo o professor Eric Messa, coordenador do NiMD, é acompanhar a evolução das mídias sociais, oferecendo dados ainda mais relevantes, que podem ajudar nas estratégias das empresas.

“O cenário mudou muito desde que começamos esse estudo, em 2014”, explica a professora Karina Bousso, uma das pesquisadoras do NiMD. Segundo a especialista, as mudanças no algoritmo do Facebook, por exemplo, obrigaram as empresas a investirem mais em impulsionamento e, por isso, a importância em medir também os diferentes resultados obtidos entre posts orgânicos e promovidos.

O primeiro levantamento de 2018 feito pelo grupo de pesquisadores do NiMD revelou que, entre os meses de janeiro e março deste ano, 97% das postagens do segmento “Mídia/Notícias” receberam investimentos em mídias para amplificar seu alcance.

“Esse é um número muito relevante, tendo em vista que se trata do segmento com maior número de curtidores e de posts publicados por semana no Facebook”, comenta o professor Thiago Costa, pesquisador do NiMD e também coordenador da pós-graduação em Comunicação e Marketing Digital da FAAP.

De acordo com o estudo, a média de curtidores desse tipo de página é de mais de 3,7 milhões de perfis, o que mostra, segundo o prof. Thiago, uma correlação entre o investimento em impulsionamento e o número de curtidores.

Em segundo lugar no número de investimentos estão as páginas de “Entretenimento”, com 89% das postagens sendo impulsionadas. Quem menos coloca dinheiro no Facebook são as páginas de “Bens de Consumo”, que só amplificam 37% dos seus conteúdos.

Marcas e Influencers
Outra mudança significativa no mercado nos últimos quatro anos foi a relevância dada aos influenciadores. “Não era algo com o que as marcas se preocupavam tanto, mas hoje é impossível pensar numa estratégia de comunicação em plataformas, como o Instagram, sem considerar os influenciadores digitais”, garante o professor Eric. Diante disso, o estudo vai fornecer dados comparativos sobre os resultados obtidos entre perfis de empresas e de pessoas com um alto volume de interações.

Para o professor Eric, especialmente no Instagram, a presença desses profissionais tem feito as marcas repensarem seus investimentos para alcançar os consumidores. Os números explicam isso: enquanto as marcas somam pouco mais de 1 milhão de seguidores em seus perfis, as 100 personalidades online mais acompanhadas têm aproximadamente 9,9 milhões de seguidores, em média.

No Twitter, os perfis de influenciadores também possuem números bastante significativos, totalizando mais de 3,6 milhões de seguidores, enquanto as empresas somam 324 mil.

Médias de publicação
Uma dúvida frequente de quem planeja a comunicação nos meios digitais é a frequência de postagem adequada, sem que isso se torne incômodo aos seguidores. A partir de agora, uma base para essa análise pode ser encontrada nos dados do #MS360FAAP.

Nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano, os perfis das marcas de “E-Commerce” no Facebook realizaram uma média de 25 postagens por semana, enquanto as de “Bens de Consumo” postaram somente três vezes no mesmo período. No Instagram, as marcas fizeram 19 postagens semanais, em média. As celebridades fizeram 11 publicações (sem contar stories).

Outros destaques do estudo

– No Instagram, as postagens do tipo “carrossel” (com mais de uma foto ou vídeo) são as que mais geraram curtidas e comentários.
-No Twitter, as marcas demoram em média 9 horas e 42 minutos para responder o contato dos usuários.
-O segmento “Mídia/Notícias” é o que tem maior frequência de publicações no Facebook. São em média 299 posts por semana, o que representa cerca de 42 posts por dia.
-33% de todo o conteúdo publicado pelo segmento de “Entretenimento” no Facebook é em formato de vídeo. Já o segmento de “Marcas/Institucional” tem apenas 13% do seu conteúdo em vídeo e no segmento “Mídia/Notícias” essa porcentagem cai para 10%.
-No Twitter, 27% do contéudo publicado por perfis de marcas é em formato de vídeo. Já os perfis de personalidades e outros perfis que não são de marcas publicam somente 10% do seu conteúdo em vídeo.
-No Facebook, o segmento de “Marcas/Institucional” faz em média 29 publicações por semana e 77% é promovido com investimento em mídia online.

Novo visual
O estudo “Mídias Sociais 360º” (#MS360FAAP) é composto por diferentes gráficos nos quais é possível visualizar o comportamento das marcas e seus seguidores nos setores de “Mídias e Notícias”, “Bens de Consumo”, “Entretenimento”, “E-Commerce” e “Marcas / Institucional”.

Desenvolvido pelo professor Adriano Cerullo, da FAAP, os infográficos são formatados para facilitar a busca de informações pelos leitores. “A partir de um visual baseado na identidade das plataformas, buscamos dar um panorama geral das redes sociais e, dentro de cada box, destacamos dados relevantes para cada uma das plataformas”, esclarece.

Os relatórios estão disponíveis no site www.faap.br/ms360faap.

YouTube
A partir dessa edição, o YouTube não será mais analisado pelo estudo. Segundo a Socialbakers, a decisão segue uma nova determinação do Google, que não permite mais que dados de suas redes sejam utilizados em estatísticas e pesquisas públicas, mas somente para uso privado.

Fonte: FAAP / OBOÉ COMUNICAÇÃO CORPORATIVA – Fabiana Dourado e Iracema Carvalho

Empresa mostra resultados de sua pesquisa que aborda usos e segurança na web

ESET revela que 53% dos usuários passam mais de 6 horas por dia conectados à internet

No dia 17 de maio é celebrado o Dia da Internet. Para comemorá-lo, a ESET, líder em detecção proativa de ameaças, compartilha os resultados de sua pesquisa sobre usos e segurança na Internet. Entre os dados mais relevantes está o fato de que hoje 53% dos usuários gastam mais de 6 horas conectados na frente de uma tela.

A pesquisa coletou Informações de usuários e pessoas interessadas em seus produtos em toda a América Latina e mostra alguns hábitos de quem acessa a internet. Segundo o levantamento, 26,6% das pessoas utilizam a internet por conexão via cabo, 57% por meio de wi-fi privado e 9,4% por pacote de dados 3G/4G. Com relação ao local de acesso, a maioria (68%) usa computadores do escritório onde trabalha, enquanto que o celular é o favorito de 3 em cada 10 pessoas para conectar-se.

O levantamento também questionou qual o dispositivo mais importante para as pessoas, caso tivessem que escolher somente um. A grande maioria (68%) escolheu o PC como o favorito, seguido pelo celular (26,6%), o vídeo game (3,87%) e a TV (3,23%).

Segurança cibernética

Com relação à segurança, 34,6% das pessoas pesquisadas foi vítima de alguma ameaça cibernética, sendo que a maioria delas (23%) sofreu especificamente com phishing e uma porcentagem considerável (14%) não sabe se já foi afetado por ameaças.

Apesar de a maioria (82,8%) utilizar uma solução de segurança em seus equipamentos, 85% acha que a internet continuará sendo perigosa ou que a situação irá se agravar nos próximos anos. No entanto, como forma diminuir o problema, para 97% das pessoas a segurança informática deveria fazer parte da formação educacional nas escolas.

Histórico

Há mais de 40 anos, uma rede de 23 computadores conhecida como ARPANET era usada pelos militares dos EUA para enviar e acessar informações militares. Embora essa conexão seja entendida como o nascimento da internet, somente em meados da década de 1990 é que a world Wide Web deu seus primeiros passos para se tornar o que é hoje, com surgimento de comércios eletrônicos e jornais online, além, é claro, o nascimento do Google, em 1998, reinventando o hábito de buscar informações na web.

Somente no ano de 2001 foi criada a Wikipedia, pouco depois nasceu o Skype (2003) e, por fim, o Facebook (2004). A partir deste ano nasceu uma nova rede, agora conhecida como Web 2.0. Colaborativa e participativa, que permite aos usuários compartilhar conteúdo e participar ativamente de portais, blogs e redes sociais.

“O que começou como uma rede militar, há mais de 40 anos, tornou-se aquilo de que todos fazemos parte hoje, o que nos aproxima das informações, nos conecta e nos comunica, e também nos confronta com novos riscos e desafios. A ESET está comprometida com a educação em segurança cibernética porque acredita que conhecer os riscos aos quais estamos expostos quando navegamos na internet nos permite desfrutar de tecnologia com segurança”, finaliza Camilo Gutierrez, chefe do Laboratório da ESET na América Latina.

Fonte: AboutCom – Natália Diogo

De acordo com pesquisa houve melhora no atendimento

Melhora qualidade de atendimento no comércio de São José

Nova pesquisa ACI/Unitau mostra que consumidor está satisfeito com atendimento nas lojas da cidade; índice é fruto de parceria com o PAT

A nova pesquisa ACI/Unitau traz mais uma informação positiva para os lojistas de São José dos Campos além da expectativa otimista para o Dia das Mães deste ano: melhorou e muito a opinião dos consumidores sobre o atendimento no comércio da cidade. Em um ano, subiu de 60,9% para 80,1% o índice de satisfação do consumidor da cidade com o atendimento nas lojas de São José dos Campos.

O que mudou no intervalo de um ano?

A pesquisa ACI/Unitau feita em 2017 sobre satisfação dos consumidores da cidade serviu para balizar a grade e o conteúdo dos cursos ministrados pelo PAT (Programa de Amparo ao Trabalhador), mantido pela Prefeitura de São José dos Campos. O uso positivo de informações estratégicas é um dos objetivos do projeto de pesquisas regulares feitas pela Associação Comercial e Industrial em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação).

“Os dados levantados pelas pesquisas ACI/Unitau são disponibilizados para os nossos associados, parceiros e poder público. Esse é um investimento da ACI em prol do desenvolvimento de nossa cidade” – disse Humberto Dutra, presidente da ACI de São José dos Campos.

A ACI realiza 20 rodadas de pesquisas de opinião por ano, em parceria com a Universidade de Taubaté. Alem de indicadores sobre o comércio e a economia da cidade, as pesquisas ACI/Unitau ainda trabalham levantamentos sobre diversas áreas, de transporte a qualidade de vida, de questões polêmicas em debate na cidade a avaliações de setores da administração pública, sempre pelo foco do consumidor e do empresariado.

O que melhorar

Apesar do dado positivo da nova pesquisa, o consumidor de São José dos Campos têm sugestões para melhorar ainda mais a qualidade do atendimento no comércio da cidade. São elas: ter mais gentileza com os clientes (30,1%) e dar mais atenção a esses clientes (15,9%); ter mais agilidade no atendimento (15,4%); e ter mais informações sobre os produtos oferecidos (12,6%). Em outra ponta, 16,6% dos consumidores disseram que não precisa mudar nada na qualidade de atendimento.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 25 de abril e ouviu 381 pessoas em cinco pólos de comércio da cidade: praça Afonso Pena, Calçadão da Rua 7, Rua 15 de Novembro e os shoppings CenterVale e Vale Sul. A margem de erro do levantamento é de 5 pontos percentuais para mais ou para menos.

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

Pesquisa em Taubaté para o Dia das Mães

ACIT realiza pesquisa de intenção de compras para Dia das Mães

A Associação Comercial e Industrial de Taubaté (ACIT) realizou uma pesquisa para levantar informações sobre as intenções de compras para o Dia das Mães, data que é considerada um segundo natal em volume de vendas e todos se preparam para esse período.

A pesquisa foi realizada em parceria com o NUPES (Núcleo De Pesquisas Econômico-Sociais da Universidade de Taubaté) entre os dias 15 e 27 de abril com o objetivo identificar como os moradores de Taubaté pretendem comprar e presentear suas mães.

Seguindo a tendência, o estudo apontou que a preferência se mantém com “roupas” (25,28%), mesmo que com índices mais baixos que os apontados nos anos anteriores. Em seguida estão os “calçados” (16.85%), e em terceira opção o item “outros” (13.48%), que inclui flores, livros, jantar e passeios. Muito próximo estão a preferência por “perfumes/cosméticos” (12.92%) e “acessórios” (12.36%).

Um dado relevante foi que o ticket médio para compras esse ano aumentou em relação aos anos anteriores. O consumidor relatou que está fugindo das pequenas lembrancinhas e pretende dar um presente de melhor qualidade para sua mãe, com valores entre R$ 100 e R$ 300 (32,58%). Vale destacar que a intenção de gastar mais de R$ 300 foi respondida por 17,98% dos entrevistados.

Outra surpresa que a pesquisa apontou foi que a mudança de comportamento nos últimos anos se manteve e grande parte pretende realizar as compras com pagamento na modalidade “à vista” (60.11%), e de preferência em dinheiro, evitando dividas futuras. Com isso, também pretendem realizar melhores negociações com descontos e facilidades.

“Minha Mãe Vale Muito”

E para incentivar ainda mais a compra no comércio local, a ACIT está com a promoção “Minha Mãe Vale Muito”, dentro da campanha TaubateAMO.

Nessa promoção, serão sorteados 3 consumidores, que irão ganhar cartões presentes no valor de R$ 1 mil cada, que poderão ser trocados em diversas lojas participantes da promoção, sempre respeitando o valor mínimo. O valor total não precisa ser todo usado em apenas um estabelecimento, e sim, poderá ser usado em vários locais para diferentes aquisições.

Nas campanhas da ACIT os vendedores registrados nos cupons sorteados também ganham e serão contemplados com cartão de R$ 200,00 cada.

Para concorrer, o consumidor recebe um cupom a cada R$ 50 em compras realizadas nas empresas participantes do fundo promocional. As lojas participantes sempre serão indicadas com material promocional da campanha. O sorteio acontece dia 31 de maio (quinta-feira) às 17h na sede da ACIT e é aberto à todos que quiserem acompanhar.

Fonte: Acontece Comunicação e Eventos

Pesquisa detecta otimismo para o Dia das Mães

Consumidor está otimista com o Dia das Mães

Pesquisa ACI/Unitau revela que mais de 82% dos consumidores de São José planejam ir às compras na data mais importante do comércio neste semestre

Uma boa notícia para o comércio: o consumidor de São José dos Campos está otimista frente ao Dia das Mães.

Isso é o que revela pesquisa sobre intenção de compras para o Dia das Mães feita pela Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação). Segundo o levantamento, 82,7% dos consumidores da cidade pretendem comprar presentes este ano. Em 2017, o índice ficou na faixa dos 74%.

“Os números mostram um aquecimento da economia e a retomada, mesmo que ainda lenta, do poder de compra do brasileiro” – disse o presidente da ACI de São José dos Campos, Humberto Dutra.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 25 de abril e ouviu 381 pessoas em cinco pólos de comércio da cidade: praça Afonso Pena, Calçadão da Rua 7, Rua 15 de Novembro e os shoppings CenterVale e Vale Sul. A margem de erro do levantamento é de 5 pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa ACI/Unitau revela também que o valor do tíquete médio previsto pelos consumidores fica na faixa de R$ 100,1 a R$ 200 (34,9%), patamar próximo ao registrado em 2017. Com uma novidade: o índice de consumidores que estimam gastar acima de R$ 200 cresceu de 13,2% para 25,1%. “A soma de indicadores como este reforça a convicção de que a economia do país, em especial a economia da cidade, reverteu a curva descendente e consolidou uma retomada. Mais importante: o brasileiro voltou a acreditar em seu poder de compra”, afirmou o presidente da ACI.

Um outro fator identificado pelo levantamento ACI/Unitau aponta para essa direção: apesar da maioria dos consumidores ouvidos afirmarem que farão suas compras à vista (59,9%), usando dinheiro ou cartão de débito (59,5%), cresceu a opção pela compra a prazo e pelo uso de cartão de crédito. Isso mostra que o consumidor está conseguindo programar gastos, acreditando na manutenção de seu poder de compra ao longo do período.

O que comprar?

A pesquisa ACI/Unitau mostra ainda os tipos de presentes que os consumidores de São José dos Campos pretendem comprar neste Dia das Mães. Roupas e acessórios são as campeãs de preferência (50,2%), seguidas de perfumes e cosméticos (17,8%) e calçados (15,5%). Na comparação entre 2017 e 2018, houve um incremento no item roupas e acessórios (32% para 50,2%) e calçados ( 9,4% para 15,5%).

Fonte: Matéria Consultoria & Mídia – Nathália Barcelos

O perfil da mulher empreendedora

ACI lança pesquisa com o perfil da mulher empresária da cidade

A mulher empresária de São José dos Campos é, em sua maioria, casada, tem de 45 a 55 anos, dois filhos e com instrução até o ensino médio. Mais importante: gosta de empreender e é apaixonada pelo que faz.

Esse é o resultado de uma pesquisa inédita que apontou o perfil da mulher empresária na cidade, feita pela ACI Mulher em parceria com a Universidade de Taubaté, por intermédio da Fapeti (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação da Universidade de Taubaté). Os dados serão divulgados na noite desta quarta-feira, 21 de março, durante a mesa-redonda “Liderança Feminina nas Empresas e nos Negócios”, promovida pela ACI Mulher no Teatro do Sesi, na região sul da cidade, a partir das 19h.

Realizado entre os dias 26 de fevereiro e 2 de março, o levantamento foca os setores de comércio e serviços. O universo pesquisado é de 56 empresas.

“Este é o primeiro grande levantamento que traça um perfil da mulher empreendedora em nossa cidade. A partir dele, poderemos, como entidade, definir melhor nosso foco e auxiliar mais a mulher empresária em seu ramo de atividade e em negócio” – disse Eliane Maia, vice-presidente da Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos, entidade à qual a ACI Mulher é ligada.

O estudo ACI Mulher-Unitau revela que as empresas administradas por mulheres na cidade têm, na maioria dos casos, até três anos de existência (32,1%), possuem CPNJ regular (92,9%) e empregam até quatro funcionários (60,7%), ficando na faixa de microempresas, com faturamento igual ou menor a R$ 2,4 milhões por ano (78,6%). São primeiras empresas (51,8%) ou empresas familiares (44,6%).

Mas é sobre o perfil da mulher à frente dos negócios que a pesquisa traz informações mais detalhadas.

Segundo o levantamento, a mulher empreendedora que atua em São José dos Campos tem, em grande parte, de 45 a 55 anos (32,1%), é casada (73,2%), tem dois filhos (39,3%). Em relação ao grau de instrução, 50% das mulheres empreendedoras estudaram até o ensino médio e 42,9% tem curso superior. A pesquisa mostra também que a mulher empresária está satisfeita com o que faz. Em percentual, 100% das entrevistadas responderam que gostam do que fazem e que gostam de empreender.

E mais: pelo levantamento, a mulher empreendedora está otimista. Sobre o futuro de seu negócio, 70,9% disseram que, nos próximos cinco anos estarão expandindo seu negócio, em aumento de produção, serviços ou filiais.

“A mulher representa hoje uma força-motriz da economia e sua sensibilidade, sua ética e sua dedicação são importantes para arejar o mundo dos negócios”, disse a empresária Paula Dal Belo, presidente da ACI Mulher.

Mesa-Redonda

A mesa-redonda “Liderança Feminina nas Empresas e nos Negócios” reúne hoje à noite no Teatro do Sesi três mulheres de destaque: a coronel Eliane Nikoluk, comandante regional da Polícia Militar; a empresária Rogério Córdoba, do Bar do Coronel; e a superintendente regional da Caixa Econômica Federal. Ágata Janjacomo. O evento começa às 19h e o ingresso é 1 litro de óleo vegetal, que será doado ao Fundo de Solidariedade de São José dos Campos. O Teatro do Sesi fica na avenida Cidade Jardim 4389.

Fonte: Matério Consultoria&Mídia – Nathália Barcelos

Pesquisa aponta shopping como referência cultural

Taubaté Shopping é referência de cultura na cidade

Em pesquisa realizada com moradores, o centro de compras alcançou o segundo lugar, logo depois do SESC

Mais do que um local para compras e lazer, o Taubaté Shopping também é um espaço cultural para a população do município. Em uma pesquisa realizada pela JLeiva Cultura & Esporte, 7% dos entrevistados escolheram o centro de compras como o seu destino cultural – atrás apenas do SESC, com 12%.

Os números refletem o investimento feito pelo Taubaté Shopping em atividades ligadas à cultura e ao entretenimento. Em 2017, por exemplo, criou o “Domingo Cultural”, um local para a diversão dos pequenos, com uma programação gratuita e diversificada, como lançamento de livros, contação de histórias e oficinas de arte. O centro de compras realizou, ainda, quarta edição do festival internacional de jazz, que acontece desde 2013, além de grandes nomes da literatura para o “Brain Fitness”, que acontece em parceria com o Almanaque Urupês e a Livraria Leitura.

Em 2018, as atividades continuam: em março, o shopping receberá o Expocomics, evento geek para os amantes do mundo dos quadrinhos, a Semana Monteiro Lobato, que traz para a cidade escritores, influencers e artistas do mundo da leitura e para encerrar o primeiro semestre um evento especial do bruxo mais famoso do mundo, Harry Potter.E durante todo o ano a “Alamenda Cultural”, localizada em frente a Livraria Leitura, recebe exposições dos mais variados temas.

Fonte: Communicare – Camila Dezze

Música afeta sua compra?

Bananas Music Branding lança pesquisa para descobrir como a música afeta a experiência de compra

Apesar do crescimento do investimento em music branding por parte das empresas, um dos grandes desafios que o mercado ainda enfrenta, uma vez que música é uma experiência subjetiva e emocional, é conseguir medir os resultados que a trilha sonora traz para a marca, seja em termos de branding, produtividade dos vendedores ou, o mais importante, no aumento de vendas.

Poucas ainda são as pesquisas que trazem resultados importantes. Um exemplo, é a pesquisa recente conduzida pela HUI Research mostrando que uma trilha sonora composta por músicas (incluindo desde as mais conhecidas até algumas novidades) que casem bem com a marca e a atmosfera esperada do ambiente tendem a aumentar as vendas em até 9,1% em relação a uma trilha que contém apenas as músicas mais conhecidas e que não tem nenhuma ligação com a marca.

Com esse desafio em mente, o Bananas Music Branding se tornou a primeira startup de music tech obstinada em descobrir como a música afeta a experiência de compra, aplicando metodologias de design thinking, testes A/B e análise de dados.

Unindo tecnologia e emoção, o Bananas se propõe a aumentar a performance do varejo a partir da experiência, entregando não apenas a trilha sonora como um fator emocional para fortalecer a identidade da marca, mas também como uma ferramenta que influencia e impacta na performance de vendas, no comportamento dos consumidores e na produtividade da equipe de vendas.

O segredo do Bananas é ter desenvolvido um sistema de curadoria musical que inicia em uma fase de concept e inputs emocionais sobre a marca e se encerra em um dashboard de análise e cruzamento de dados que mede o real efeito da música na loja e cria playlists otimizadas com base no sucesso das vendas.

Desde o início da operação, o Bananas sempre soube da importância de entregar dados consolidados nos relatórios de performance da trilha sonora das marcas. Por isso, logo após desenvolver um player de reprodução musical, o primeiro grande investimento a ser feito em tecnologia foi no desenvolvimento de um Dashboard onde é possível analisar em tempo real as lojas que estão ativas e utilizando o player, as playlists mais ouvidas e, também, as músicas mais curtidas ou mais puladas em cada loja. Com isso, a equipe de curadoria recebe os feedbacks e consegue ajustar a trilha sonora da loja em tempo real.

Com a necessidade de sempre melhorar sua tecnologia e mostrar o real impacto da música nas vendas, no final de 2017 o Bananas se associou à Plugbuy – startup de controle de fluxo no varejo – para rodar um projeto piloto de 3 meses em um dos seus maiores clientes – as lojas Gang, marca de moda jovem do RS. O objetivo do MusicX é cruzar e analisar diferentes variáveis para entender como a música influencia no comportamento de compra dentro de uma loja. O experimento inédito coloca à prova muitas verdades que existem no mercado a respeito da influência da música nas vendas.

As primeiras análises do experimento trouxeram resultados interessantes sobre o comportamento dos consumidores, ainda que não sejam conclusivos sobre o impacto direto da música sobre as vendas.

Um dos resultados diz respeito à língua. Por 15 dias, foram testadas duas playlists de forma randômica – uma apenas de músicas em português e outra em inglês. Nas análises iniciais, observou-se que o tempo de permanência dos consumidores em loja foi superior em ambas as lojas no momento em que tocavam as playlists contendo apenas músicas em português.

Outros experimentos que foram feitos:

Loja em silêncio x Loja com música

Playlists criadas por bots x playlists criadas por humanos

Playlists com músicas de batida mais acelerada x músicas mais calmas

Apesar dos resultados ainda serem muito incipientes, foi possível observar que a música impacta no comportamento das pessoas dentro da loja, mas não que isso seja responsável efetivamente pela venda. Por outro lado, um fato que chamou muito a atenção da equipe de pesquisa foi a reação dos vendedores em relação à música. Em situações extremas, como o dia em que as lojas ficaram em absoluto silêncio, o que se observou com base no feedback dos próprios vendedores foi uma alta taxa de desmotivação e, por consequência, menor produtividade – o que seria um indicativo do fator de alteração de vendas observadas nestes dias – e o medo de não atingir a meta do dia em virtude da ausência de música, o que segundo eles, dá o ritmo para as vendas.

Ao longo de 2018, o foco do Bananas está em consolidar o MusicX como a ferramenta de music branding mais efetiva do mercado brasileiro. Para isso, além do crescimento da equipe de desenvolvimento, a empresa estará levando o experimento para mais lojas e também para outros segmentos que não apenas o varejo. Em fevereiro, inicia-se um estudo focado para o setor de bares e restaurantes com o objetivo de medir o impacto da música no consumo de determinados tipos de bebidas.

Com os resultados deste projeto, o próximo passo é desenvolver uma inteligência artificial que, a partir de inputs humanos, consiga entregar playlists mais assertivas baseadas também em dados reais e não apenas no gosto musical dos curadores, transformando a música de fato uma importante ferramenta de vendas.

Mais sobre o Bananas Music Branding

Fundada em 2013 por Juli Baldi e Rafael Achutti, em Porto Alegre, o Bananas Music Branding é uma agência especializada em curadoria e estratégia musical para marcas. Para elas, oferece a curadoria musical 360 º. Através deste serviço, cria e cuida da trilha sonora em todos os pontos de contato da marca, da loja física às redes sociais.

Hoje, a empresa, que conta com uma carteira de 20 clientes fixos, como Youcom, Gang, Ford, Ministério da Saúde, SOS Mata Atlântica e Shopping Iguatemi de Porto Alegre, entre outros, atende também em São Paulo.

O faturamento total, que deve saltar de R$ 60 mil, em 2014, para R$ 700 mil neste ano, sendo 60% deste valor vindos de trabalhos em mídia streaming, mostra que a agência, com investimento focado em conhecimento e tecnologia, está no caminho certo quando o assunto é music branding.

Fonte: Baião de 3 – comunicação – Patrícia Larsen

Como o Vale do Paraíba consome cultura?

Mapa do consumo de cultura na RM Vale será apresentado no 1º BrainFitness de 2018

Evento acontecerá no dia 28 de janeiro, a partir das 13h, no Taubaté Shopping e terá especialistas que apresentarão dados sobre os hábitos culturais do valeparaibano

Como o valeparaibano se relaciona com cultura? Qual o potencial de crescimento das atividades culturais? Que impacto podemos esperar de eventos ou equipamentos culturais?

Estes serão alguns dos dados apresentados no evento “Economia de cultura: você sabe o que é?”, que será realizado no dia 28 de janeiro, a partir das 13h,no Taubaté Shopping.

No painel sobre o mapa de consumo cultural na RM Vale estarão Carlos Alberto Silva, professor da FGV IDE Management, e Ricardo Meirelles, jornalista que integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas da consultoria JLeiva Cultura & Esporte – especializada em políticas culturais.

O mapa tem como objetivo capacitar quem produz, estuda ou patrocina cultura com informações que ajudem a compreender a dinâmica das práticas culturais, além de fomentar o debate para formação de políticas públicas para o setor.

No evento ainda serão realizados os painéis “Como gravar seu álbum musical?”, com participação de produtores e representantes de selos e estúdios da região, “Como publicar seu livro”, com John Petson, do Coletivo Editorial, e “Como transformar sua ideia em um projeto?” com Jennifer Botossi, da Transformare – Cultura Gestão e Projetos.

Além disso, durante todo o evento haverá área de encontro com produtores e prestadores do setor cultural da RM Vale.

O evento “Economia de Cultura. Você sabe o que é?” é gratuito e acontece no espaço em frente ao Moviecom Cinema.

Programação “Economia de cultura. Você sabe o que é?”
14h00 – Painel: “Como gravar um disco?”, com participação de produtores e representantes de selos e estúdios da região
15h00 – Painel: “Mapa do consumo de cultura na RM Vale”, com Ricardo Meirelles e Carlos Alberto Silva
16h30 – Painel: “Como publicar seu livro”, com John Petson, do Coletivo Editorial
17h30- Painel: “Como transformar minha ideia em um projeto?”, com Jennifer Botossi, da Transformare – Cultura Gestão e Projetos
Das 13h às 18h – Espaço de meeting entre produtores e prestadores de serviço da área cultural da RM Vale.

BrainFitness
O BrainFitness é um evento cultural realizado pelo Taubaté Shopping, Livraria Leitura e Almanaque Urupês que tem como missão incentivar o hábito da leitura e estimular o mercado consumidor de produtos e serviços da nossa indústria cultural.
Na primeira temporada, realizada em 2017, o BrainFitness reuniu mais de 10 mil pessoas em 4 edições realizadas em maio – com Amyr e Marina Klink -, em junho – como parte da celebração mundial dos 20 anos de lançamento do 1º livro de Harry Potter -, em setembro – com três dos mais importantes booktubers brasileiros com o tema “Ler pra quê?” – e em novembro – celebrando os 40 anos de lançamento do primeiro livro da saga Star Wars no Brasil.

Como foi o e-commerce no Brasil?

Um raio X do consumo do e-commerce em 2017 no Brasil

No segundo semestre o consumo do ecommerce foi histórico. Acessórios para veículos foi a categoria com maior volume de vendas. São Paulo e Rio de Janeiro seguem em primeiro no pódio do consumo online. O usuário faz compras mobile antes e depois do trabalho. 53% dos usuários utiliza Android. O Natal se encontra no topo das datas especiais.

A indústria online segue crescendo e o Brasil se consolida como um dos países mais desenvolvidos em termos de ecommerce.

Uma pesquisa anual feita pela Real Trends – plataforma líder de ferramentas de gestão e análise no Mercado Livre- demonstra o crescimento do setor e revela os hábitos do consumidor online em 2017.

“O crescimento do ecommerce esteve em ascensão durante o ano de 2017. No primeiro semestre, o setor demonstrou um crescimento comparado com o mesmo período do ano anterior e o segundo semestre do ano evidenciou um arranque com crescimento histórico, sobretudo para certas categorias”, analisou Javier Goilenberg, CEO e Co-fundador da plataforma.

Neste sentido as categorias mais compradas e com maior faturamento foram:

1) Acessórios para Veículos

2) Casa, Móveis e Decoração

3) Celulares e Telefones

4) Informática

5) Eletrônicos, Áudio e Vídeo

Por sua vez, no que diz respeito às localidades com maior movimento:

– 60% do tráfego se concentrou em São Paulo

– 8% no Rio de Janeiro

– 32% entre Minas Gerais, Santa Catarina, Goias e Rio Grande do Sul.

O e-commerce e seus horários:

Segundo estimativas da pesquisa 2017 feita pelo site especializado em comércio eletrónico Profissional de e-commerce, atualmente no Brasil, 41% das lojas virtuais estão “bem preparadas” para vender através da opção m-commerce. Por sua vez, as vendas por meio de smartphones representam até 10% das vendas totais para 38,4% de lojistas virtuais no país.

Em concordância com o auge do m-commerce, na Real Trends foi registrado um aumento no uso do mobile.

“Os horários de maior tráfego mobile são de 8 às 9h, de 12 às 13h e de 19 às 23h, o que é natural visto que são os horários em que os vendedores se levantam pela manhã e respondem antes de ir ao trabalho, logo durante o almoço e especialmente no horário que deixam o trabalho e continuam respondendo a caminho de casa ou mesmo da cama antes de dormirem”, salientou Goilenberg.

No que diz respeito ao sistema operacional, 53% dos usuários vendedores responderam do Android versus 47% do iOS (Apple). Os modelos de dispositivos mais populares foram o iPhone, o Samsung Galaxy J5, o Samsung Galaxy S7 Edge e o Motorola Moto G4.

O top das datas especiais:

De maio a novembro foi o período com maior movimento no e-commerce. Aqui, se podem ver as datas mais escolhidas pelos brasileiros na hora de comprar:

1. Black Friday – Total de vendas: R$600.000.000

2. Dia das Mães -Total de vendas: R$ 280.000.000

3. Dia das Crianças -Total de vendas: R$330.000.000

4. Dia dos Pais – Total de vendas: R$350.000.000

Conclui-se que, em sua maioria, os “eDay” tais como Blackfriday cobram um protagonismo maior, as datas chave mais “tradicionais” como o Dia das Mães, Dia dos Pais e Dia das Crianças seguem tendo grande relevância.

Resta esperar, como em 2016, que após o final do ano o Natal seja a grande data em termos de vendas e faturamento. Dezembro se converterá, assim, no mês foco para todo vendedor, podendo duplicar ou mesmo triplicar o faturamento de um mês convencional.

Agora sim, conhecidos os hábitos de consumo online em 2017, como se prepara um vendedor para maximizar as oportunidades no próximo ano?

Fonte: Partner Press&PR – Daniel Salman